Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Aprendizagem do elearning

240 views

Published on

Proposta de curso de Aprendizagem do Elearning
Sandra Melro, Herculano Rebordão

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Aprendizagem do elearning

  1. 1. Curso Aprendizagem do Elearning. As diferenças entre aprendizagem presencial e o online Apresentação Estamos aqui hoje para dar início a um curso a alunos cujas idades se situam entre os 15 e 18 anos. O objetivo é ajudar os jovens a decidirem o seu futuro. Com a crise econômica que se instalou à sensivelmente cinco anos, e com a crise de valores espalhada pela nossa sociedade, começamos a ter um número muito grande de abandono escolar. As razões para esse abandono? Falta de meio financeiros. Os filhos ficam mais tempo em casa dos país, outros voltam porque não têm como suportar as dificuldades. Dentro deste prisma, os jovens ao terminarem o secundário, vêm se com dificuldades, dúvidas e que muitas vezes levam à depressão, ao isolamento e ao impulso de revolta. Sonhos destruídos, incertezas, é tudo o que domina nas suas cabeças. Tudo isto, porque não têm maturidade suficiente para decidir o seu futuro. As dúvidas que se põe são: E agora? O que faço? Não posso continuar a estudar, tenho que ajudar os meus pais. Mas trabalhar? Em quê?
  2. 2. Curso Aprendizagem do Elearning. As diferenças entre aprendizagem presencial e o online Apresentação (cont.) Assim preparamos este pequeno curso, para que os jovens percebam que nem tudo está perdido. Vamos então explicar em três módulos explicar o que é o ensino presencial, o ensino online e quais as suas vantagens e desvantagens. Para isso, quero antes de mais que respondam às seguintes questões: O que entendem por ensino online? Quais são as diferenças entre o online e o presencial? Gostaria de respostas sinceras, em que não exista qualquer desconforto da vossa parte. Lembrem-se que daqui poderá sair ideias para o vosso futuro. Assim, eu gostaria de lhes pedir que respondesse às questões a cima. Para isso, vou deixar-lhes algumas bibliografias sobre o ensino presencial.
  3. 3. Ensino Presencial http://www.dge.mec.pt/ensino-presencial http://www.educabrasil.com.br/ensino-presencial/ BIBLIOGRAFIA
  4. 4. Ensino Presencial, o que é? O ensino presencial, faz-se tal como o seu nome indica, Presencial=Presença. Isto, lembra-nos a sala de aula, com as “carteiras”, o quadro negro em que escreve a giz. Os alunos usam cadernos, lápis, esferográficas, borrachas, livros escolares e, é sobretudo, aulas em que o professor “transmite conhecimento de forma expositiva”. A presença na sala de aula, do professor, faz com que o ensino não seja centrado no aluno mas em si mesmo. O aluno não tem autonomia, aprendizagem colaborativa, não existe, não tem liberdade de vaguear por outros “mundos.”, pois o que o professor diz e manda fazer é lei. Sabemos que aprendizagem está em constante mutação. Hoje em dia avaliação no ensino presencial passa pela compreensão e apreensão dos quatro saberes para a educação no século XXI, de Jacques Dellors. Esses, quatro saberes são: Aprender a conhecer; Aprender a fazer; Aprender a viver juntos; Aprender a ser.
  5. 5. Ensino Presencial, o que é? O ensino presencial, passa por uma sala de aula, em que o material usado era o caderno, o lápis, a borracha, e o quadro preto, entre outros. A comunicação utilização é a de cara-a-cara, ou seja presencial. A presença física, a expressões do corpo, a expressão dos olhos, é uma forma de comunicação, de perceção do que o emissor está a comunicar.Esta comunicação utilização o emissor que passa a mensagem e vai até ao recetor, este por fim descodifica a mensagem e dá a resposta automaticamente. Simmel, “considerava que esta era talvez ainda mais do que a conversação falada, a interação mais pura e direta que poderia haver.” A teoria Rogeriana - aprendizagem centrada na pessoa -,utilizava o “método de não diretividade” (Rogers 2001), ou seja o professor já não era a peça fundamental, mas sim um facilitador. O aluno já é capaz de se responsabilizar e ser autônomo na construção do conhecimento. Quando os alunos apreendem estes saberes, e os conseguem pôr em prática, apercebe-se que passou a ser autônomo, e que já começa a ter outra perspetiva em relação à sua futura vida. Para Moore, quanto mais autônomo o aluno é mais fácil é o diálogo entre o “aprendiz e o mestre”. A autonomia do aluno vem com o processo de maturação.
  6. 6. Ensino Presencial, o que é? Quanto maior a autonomia, menos o aluno necessita do seu mestre, só questionando quando se lhe aflora realmente as dúvidas, a este processo todo chamamos de distância transacional. Esta teoria só pode acontecer se; - existir uma relação pessoal entre Professor e o aluno em que o primeiro põe o segundo mais à vontade, para que este se sinta mais motivado, consequentemente uma abertura maior para a aprendizagem; - a existência de autonomia do aluno; - E a formação de um modelo aberto que se adapte ao ritmo individual do aluno.
  7. 7. Ensino Presencial, o que é? Pois bem, o que eu proponho, é que continuem neste curso até ao fim, porque só no final é que vão conseguiram responder às várias questões que vos vão assolando, durante este processo de aprendizagem.
  8. 8. BIBLIOGRAFIA http://www.dge.mec.pt/ensino-presencial (acessado em 10 de fevereiro, 2016) http://www.educabrasil.com.br/ensino-presencial/ (acessado em 10 de fevereiro, 2016) http://geoaprendizagem.blogspot.pt/2009/06/teoria-rogeriana-aprendizagem-centrada_28.html (14 de fevereiro 2016) https://www.youtube.com/watch?v=KFv52oFl70U acessado em 14 de fevereiro 2016 https://www.youtube.com/watch?v=KFv52oFl70U acessado 14 de fevereiro 2016 http://www.prof2000.pt/users/gbagao/teoriasead.htm acessado 14 de fevereiro 2016 https://www.youtube.com/watch?v=VvOKCf-Xzio acessado 14 de fevereiro 2016 QUINTAS, A.; MORGADO, L. & AMANTE, L. (2010). Comunicação Mediatizada por Computador Educação Online: da Distância à Proximidade. In: Silva, M., Pesce, L. e Zuin, A.- Educação online: cenário, formação e questões didáctico-metodológicas. Editora WAK, Rio de Janeiro, Brasil.

×