Caminho Maritimo para a India

8,084 views

Published on

Published in: Travel, Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
8,084
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
38
Actions
Shares
0
Downloads
150
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Caminho Maritimo para a India

  1. 2. <ul><li>O projecto para o caminho marítimo para a Índia foi delineado por D. João II como medida de redução dos custos nas trocas comerciais com a Ásia. A presença marítima portuguesa era frequente por isso, D. João ansiava o domínio das rotas comerciais e a e xpansão do reino que já se transformava em Império. Porém, o empreendimento não aconteceria no seu reinado o seu sucessor foi, D. Manuel I que iria designar Vasco da Gama para esta expedição. </li></ul><ul><li>  </li></ul>
  2. 3. <ul><li>Porém, este empreendimento não era bem visto pelas altas classes. Nas Cortes de Montemor-o-Novo de 1495 era bem patente a opinião contrária quanto à viagem que D. João II tão esforçadamente havia preparado. </li></ul>
  3. 4. <ul><li>A canela, o gengibre e a pimenta eram produtos difíceis de obter, pelos quais se esperavam caravanas e mercadores experientes vindos do Oriente . </li></ul>
  4. 5. Entre os mareantes, incluíam-se dois intérpretes, Fernão Martins e Martim Afonso , e dois frades , João Figueira e Pêro da Covilhã. Ao todo, as tripulações perfaziam 170 homens. Nau Capitão Piloto Mestre Escrivão São Gabriel Vasco da gama Pêro de Alenquer Gonçalo Álvares Diogo Dias São Rafael Paulo da Gama João de Coimbra João de Sá Bérrio Nicolau Coelho Pêro Escobar Álvaro de Braga Navios de descobrimentos Gonçalo Nunes
  5. 6. <ul><li>Os marinheiros dispunham de cartas de marear onde estava marcada toda a costa africana conhecida até então, de quadrantes, astrolábios de vários tamanhos, de regimentos e de tábuas com cálculos — como as tábuas astronómicas de Abraão Zacuto —, de agulhas e prumos. </li></ul>
  6. 7. <ul><li>Iniciava-se, assim, a expedição a 8 de Julho de 1497. A linha de navegação de Lisboa a Cabo Verde. Durante esta expedição foram determinadas latitudes através da observação solar, como refere João de Barros. </li></ul>
  7. 8. <ul><li>Apesar das adversidades de uma viagem desta escala, a tripulação mantinha a curiosidade e o ânimo em conseguir a proeza e conviver com os povos. </li></ul>
  8. 9. <ul><li>A entrada em Calecute sofreu alguma oposição, também devido ao patrocínio dos mercadores árabes que queriam manter os Europeus afastados. </li></ul>
  9. 10. <ul><li>A perseverança de Vasco da Gama fez com que se iniciassem, mesmo assim, as negociações entre ele e o samorim, de onde resultava uma carta comprovatória do encontro que dizia: </li></ul>« Vasco da Gama, fidalgo da vossa casa, veio à minha terra, com o que eu folguei. Em minha terra, há muita canela , e muito cravo e gengibre e pimenta e muitas pedras preciosas . E o que quero da tua é ouro e prata e coral e escarlata ».
  10. 11. <ul><li>A 12 de Julho de 1499, depois de mais de dois anos do início desta expedição, entra a caravela Bérrio no rio Tejo, comandada por Nicolau Coelho, com a notícia que iria emocionar Lisboa: os portugueses chegaram à Índia pelo mar. </li></ul>
  11. 12. <ul><li>Das naus envolvidas, apenas a São Rafael não regressou, pois teria sido queimada por incapacidade de a manobrar, consequência do reduzido número a que se via a tripulação no regresso, fruto das doenças responsáveis pela morte de cerca de metade da tripulação </li></ul>
  12. 13. <ul><li>Vasco da Gama retornava ao país em 29 de Agosto e seria recebido pelo próprio rei D. Manuel I com contentamento que lhe atribuía o título de Dom e grandes recompensas. Fez Nicolau Coelho fidalgo da sua casa, assim como a todos os outros, conforme os serviços que haviam prestado. </li></ul>
  13. 14. <ul><li>Há notícia de um mercador italiano que espalhou por Florença a boa-nova: « Descobriram 1800 léguas de novas terras além do Cabo da Boa Esperança, cujo cabo foi descoberto no tempo do rei João. </li></ul>
  14. 16. <ul><li>A missão de Cabral era a de estabelecer relações diplomáticas e comerciais com o Samorim. </li></ul><ul><li>Reerguendo a imagem de Portugal após a apresentação do Gama, e instalando um entreposto comercial ou feitoria, retornando com o máximo de mercadorias. . </li></ul>
  15. 17. <ul><li>A sua armada foi a mais bem equipada do século XV, integrada por dez naus e três caravelas. </li></ul><ul><li>Transportava cerca de 1.200 a 1.500 homens. </li></ul><ul><ul><ul><li>Navegadores experientes, como: Bartolomeu Dias e Nicolau Coelho. </li></ul></ul></ul>
  16. 18. <ul><li>Em 1500 , parte a segunda expedição para a Índia comandada por Pedro Álvares Cabral . </li></ul><ul><li>Era uma expedição composta por doze embarcações. </li></ul><ul><li>Mas Cabral, por alturas de Cabo Verde , desvia-se da rota e em Abril de 1500 chega a uma terra primeiro denominada Ilha de Vera Cruz , mais tarde Terra de Santa Cruz e finalmente Brasil. </li></ul>
  17. 19. <ul><li>Cabral chegou a Lisboa a 31 de Julho de 1501, sendo aclamado como herói, não obstante o facto de, das treze embarcações, terem regressado apenas quatro. </li></ul>
  18. 20. <ul><li>Vasco da gama: </li></ul><ul><li>Vice-rei da Índia </li></ul><ul><li>Mandato: </li></ul><ul><li>1524 </li></ul><ul><li>Precedido por: </li></ul><ul><li>Duarte de Menezes </li></ul><ul><li>Sucedido por: </li></ul><ul><li>Henrique de Menezes </li></ul><ul><li>Nascimento: </li></ul><ul><li>1469 Sines </li></ul><ul><li>Falecimento: </li></ul><ul><li>1524 Cochim </li></ul>
  19. 21. <ul><li>Foi um fidalgo. </li></ul><ul><li>Navegador português. </li></ul><ul><li>Comandante da segunda viagem marítima da Europa à Índia , viagem em que se descobriu o Brasil, a 22 de Abril de 1500 . </li></ul>
  20. 22. <ul><li>Trabalho realizado por: </li></ul><ul><li>Paula Dias Nº 19 </li></ul><ul><li>8ºD </li></ul>

×