Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Revista Rio2

730 views

Published on

Published in: Marketing
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Revista Rio2

  1. 1. EXPEDIENTE Av. das Américas, 3.500 Bloco 7, grupo 329 Tel.: (21) 3798-5505 contato@agenciatrato.com.br www.agenciatrato.com.br O conteúdo publicado não expressa necessariamente a opinião da editora. É de responsabilidade da AMORio2. Rua Bruno Giorgi, S/N Barra da Tijuca, CEP: 22775-054. Tels.: (21) 2421-5741/2421-3683/3411-7761 Junho/2014 Diretora de conteúdo Juliana Campello Diretora de projetos Ivone Vilete Diretor de arte Jorge Iquiene Designer gráfico Roberta Arman e Sandro Bueno Redação e revisão Sadon França, Andréia Brandão e Marianna Rodrigues Residenciais Conselheiros comunitários Síndicos Alsácia Renan Moraes Renan Moraes Borgonha Genilton José Vieira Genilton José Vieira Bretanha Alexandre G. Magata Roni Silva Côte d’Azur Marcelo Marins Paulo Batista Fontana di Trevi Luis Silva Luis Silva FrontLake Carla Calabria Valdecir Ferereira Gênova Carlos Henrique Mendonça Carlos Henrique Mendonça Green Park 1.000 Xisto da Silva Mattos Xisto da Silva Mattos Green Park 2.000 Elcio de Souza da Fonseca Elcio de Souza da Fonseca Green Park 3.000/4.000 Marcello Magaldi Marcello Magaldi Normandie Sueli Meyer Sueli Meyer Provence Agostinho Teixeira Paulo Roberto Ceabra da Cruz San Remo Erico Jereissati Moreira Ligia Moura Sardenha Tereza da Costa Pavini Nelson Barcellar Sicília Luiz Fernando Cunha Matos Júlio Cesar Pereira Werneck Verano: Capri Residence Service Erika Jordão Luiz Cláudio Borges Verano: Grimaldi Residence Service Roney Costa Neves Luiz Paulo Pereira Oviedo Verano: Ibiza e Mallorca Residence Service Andresson Batista Andresson Rodrigues Batista Verano: Málaga Residence Service Luiz Flintz Luiz Flintz Verano: Marbella Residence Service Sandro Rodrigues Ivanderson Nunes Verano: Palma e Águilas Residence Service Ronaldo Amaral Leonardo Willis Fernandez Verano: Termoli Residence Service Leonardo Frederico Reiter Crisciane Pereira Alves Verano Stay Jorge Eduardo Grazieli Verona José Heber S. Moreira Maria da Glória Almeida Moreira Presidência do Conselho Comunitário: Presidente: Luis Silva Vice-presidente: Marcello Magaldi Conselheiros Fiscais Efetivos: Presidente: João Luiz Mello (Verano-Ibiza/Mallorca) Bruno Luciano (Alsácia) e Tânia Gaeta (Gênova) Colégio Marista São José: Representado pelo Irmão Jadir Carvalho Hosken: Representado pelo Sr. Marcos Rocha Shopping Rio2: Representado pela Carvalho Hosken
  2. 2. EDITORIAL Segurança e brasilidade em voga Um burburinho emerge das ruas, a emoção invade as salas, a agenda diária é modifica- da, as pessoas vestem o verde e o amarelo. A Copa do Mundo está chegando! O maior evento futebolístico do mundo está pre- sente no Rio2 e condiz com o tamanho das expectativas que temos para o condomínio e para a Seleção Brasileira. Estamos a pos- tos, projetos e torcida. Eventos e desenvol- vimento. Esse é nosso modelo de trabalho, participe conosco dessa empreitada. Um time por Rio2. Esta edição chega recheada de informação. As realizações que estão acontecendo se multiplicam: a Liga Nacional de Futevôlei, a festa junina que se aproxima e o grande evento da Copa do Mundo em parceria com a Sony, tudo para levar entretenimento e cultura aos moradores. Tornando os resi- denciais cada vez mais conhecidos por to- dos, trazemos o Gênova, em suas minúcias e especificidades. Ficamos felizes também por dar voz aos moradores e revelar histó- rias como a de Aníbal Lopes, que reside aqui desde a nossa gênese. A matéria principal traz uma preocupação contínua não só dos moradores mas de toda a população: a segurança pública, que urge por mais atenção. Pensar em soluções que diminuam a criminalidade e aumentem a confiança na polícia são, igualmente, im- prescindíveis. Seguindo esse mote, mas de- linear o que está sendo feito e os projetos futuros. Além disso, veja a importância dos cuidados com as lagoas da Barra, o traba- lho desenvolvido pelo projeto Buscamos Legados de Acessibilidade e muitos outros assuntos. Boa leitura!
  3. 3. 6 9 38 26 28 36
  4. 4. sumário 6 9 16 20 26 28 36 38 42 46 RESIDENCIAL Em evolução contínua, o Gênova se mantém moderno capa Descubra a combinação que te leva a ter, ou não, segurança Gente O Rio2 através das lentes de Aníbal Lopes informe Caminhos e destinos nas placas de sinalização Cuidados com os animais de estimação: recolha os dejetos meio ambiente À sua vista, como andam as lagoas? ESPORTE E LAZER Copa no Rio2: vista-se de verde e amarelo Arena Rio2 recebe a Liga Nacional de Futevôlei gastronomia Sabor à moda Vianense VOLUNTARIADO Estamos pensando em todos? Os problemas de acessibilidade NOTAS Obra na Rua Bruno Giorgi O surgimento do Parque Olímpico SUA VOZ Respostas a suas perguntas
  5. 5. 6 residencial Os destaques do Gênova Administração com visão vanguardista diferencia serviços de lazer
  6. 6. 7residencial B ela e importante ci- dade italiana. Assim se apresenta Gêno- va. De mesmo nome e seguindo por se- melhante coincidência esse conceito, destaca-se um dos residenciais constituintes do Condomínio Rio2. Inaugurado em 2000, é com- posto por dois blocos e diver- sos espaços de lazer que os outros não têm. Isso é o sufi- ciente para que não perca em nenhum aspecto para qualquer empreendimento lançado re- centemente. Desde que o condomínio es- treou, muitas mudanças, tec- nologias e estilos foram ado- tados na construção civil ao longo dos anos e com isso a cada empreendimento surgia um novo conceito de bem- estar, moradia e lazer ofere- cidos através dos espaços existentes na área residencial. Isso tudo sem a necessidade do morador sair de casa. Os que não se adequam ao pa- drão vão ficando para trás. Com 14 anos de existência, o Gê- nova poderia ser enquadrado na estatística dos imóveis defasados, mas a astúcia e a visão vanguar- dista de seus gestores fizeram com que tomasse outros rumos, bem satisfatórios, inclusive. A ideia de adequação de uma construção já concluída partiu do Conselho Consultivo, que desde o início viu na indeni- zação ganha contra a Cedae a oportunidade de evolução. Um valor considerável trans- formou, ao invés de manu- tenir, toda a área construída inicialmente. A decisão, sem sombra de dúvidas, alterou a quantidade de visitantes e admiradores do Gênova. Se- gundo o síndico Carlos Hen- rique Mendonça, moradores de outros edifícios, inclusive o mais recente, Verano, que tem diversos espaços, como um salão de beleza, indicam o investimento residencial aos familiares e amigos. Para se ter uma ideia, só a churrasqueira é a maior área coberta do condomínio com- parada com os outros edifícios. “Quando um empreendimento já pronto há um certo tempo não se adequa aos lançamentos imobiliários vai ficando defasado” Espaço churrasqueira. Playground.
  7. 7. 8 residencial A partir daí, a lista inclui espa- ço infantil, espaço gourmet, playground, sala VIP (de vi- sitantes), academia, salão de festas com cozinha am- pliada e duas piscinas con- vidativas a estender as ho- ras de descanso. Mas, antes de mais nada, é preciso se adiantar, pois a procura é grande para des- frutar disso tudo. Principal- mente agora que a Copa do Mundo se aproxima. Definiti- vamente, não há data dispo- nível para reserva. É importante ressaltar que as transformações efetuadas são proporcionais ao saldo positivo em caixa, conquis- tado com a intensificação na cobrança dos inadimplentes, além da quantia de ação ga- nha na justiça. E a diferença notada não se refere apenas à questão financeira. A frequên- cia de moradores aumentou depois que a academia foi totalmente reformulada e re- cebeu novos aparelhos, TV à cabo e ar-condicionado. “Há três anos, cinco pessoas fre- quentavam a academia. Atu- almente, cerca de 100 vêm diariamente se exercitar. Isso demonstra a aprovação dos investimentos feitos no resi- dencial”, orgulha-se Carlos. Manutenção • Troca das pastilhas das fachadas; • Substituição do mate- rial do guarda-corpos para o vidro, que atual- mente é em alumínio. Residencial Gênova Bloco 1 96 unidades Bloco 2 144 unidades Colaboradores satisfeitos, significado de grandes conquistas nos projetos da administração atual e recebeu a reforma nas áreas reservadas a ela, como o vestuário e o refeitório. Desde que entrou para cuidar do Gênova, em 2013, Carlos Henrique procura oferecer uma atmosfera pacífica e di- plomática com os colabora- dores responsáveis pelas obras de manutenção, revitalização e limpeza. De acordo com o síndico, o importante é tratar a todos de igual para igual, para então conquistar bons resulta- dos. A equipe que o ajuda na gestão também teve espaço Academia. A equipe formada por Carlos Henrique, Marcos Antônio e Maria Antônia.
  8. 8. 9CAPA Divergências, contradições, projetos e anseios: entre números e promessas, onde está nosso direito de ir e vir? SEGURANÇA PÚBLICA
  9. 9. 10 CAPA O cenário atual Muito além da sensação de (in)segurança M orar em uma ci- dade do tamanho do Rio de Janeiro envolve diversas questões. Quali- dades que só o desenvolvimen- to é capaz de propiciar, mas, ao mesmo tempo, problemas que atingem o cotidiano da popu- lação, que, por sua vez, não pode ficar à mercê do tempo. E quando o assunto é bem-estar os dados estatísticos nem sem- pre são animadores, e a sen- sação de insegurança existe. A Copa do Mundo torna este momento ainda mais delicado. Pensando nisso, a Secretaria de Estado de Segurança do Rio de Janeiro implementou, a partir do dia 23 de maio, a operação integrada que tem como foco as ações referentes ao plano de segurança do Mundial. Secretário extraordinário de se- gurança para grandes eventos do Ministério da Justiça, Andrei Rodrigues indica como grande agente modificador da sensa- ção de harmonia nas ruas essa integração entre as instituições: “A população pode esperar um ambiente preparado, seguro, que tem em suas áreas de inte- resse operacional uma prepara- ção muita séria, com muito tra- balho”, reforça.Evidentemente, cada local tem suas necessi- dades próprias e, além disso, o contexto histórico e político influenciam diretamente na es- tratégia pública voltada ao con- trole da criminalidade. Grandes eventos como a Copa do Mundo e, em seguida, os Jogos Olím- picos fazem com que o padrão tenha de ser revisto, prevendo a chegada de turistas de todos os lugares do mundo. Pensando nisso, uma das gran- des preocupações é com rela- ção às manifestações que po- dem ocorrer durante o evento. Nos últimos meses alguns agrupamentos de pessoas, co- brando as mais diferentes rei- vindicações, causaram proble- mas no ir e vir da cidade. Um dos grandes desafios é con- seguir manter a ordem e, ao mesmo tempo, defender o di- reito de protestar de cada um. Responsável pela Secretaria de Estado de Segurança, José Mariano Beltrame, que ocupa o cargo desde 2006, defende: “A nossa incumbência diz res- peito a manter a liberdade de manifestação. Abusos de qual- quer forma e por quem quer que seja não serão permitidos. Utilizar a liberdade para práti- cas ilícitas e também violên- cia nas ações dos policiais é algo inconcebível. Temos tudo planejado para manter um ex- celente padrão de segurança para a Copa”, acredita. XIII Fórum de Segurança.
  10. 10. 11CAPA Centro integrado de comando e controle ros, estão representadas. O subprefeito da Barra da Ti- juca e Jacarepaguá falou à Re- vista Rio2 sobre segurança e projetos. Quais são as principais preocupações com a segurança pública? A Prefeitura tem papel funda- mental na segurança do cida- dão quando presta serviços de iluminação, limpeza das ruas e praças, acolhimento da população de rua e outras ações de controle urbano. A Prefeitura também é parcei- ra das autoridades de segu- rança pública e participa dos Conselhos Comunitários de Segurança, mas não respon- de diretamente pelo policia- mento efetivo das ruas. Essa competência é do governo do estado e da União. Existem projetos em andamento ou análise para melhorar essa questão? Por parte da Prefeitura existem investimentos na área de ilumi- Segundo a Secretaria Ex- traordinária de Segurança para Grandes Eventos, todas as ações durante a Copa do Mundo serão coordenadas pelo CICC. Além disso, An- derson Bichara, delegado da secretaria informou que exis- tirá um centro móvel desti- nado a produzir imagens em tempo real. Um telão de 5x17 metros, com 98 monitores, exibirá mapas e imagens da cidade. “O Centro Nacional está na capital do país, mas poderá funcionar no Rio de Janeiro por motivos estraté- gicos”, explica Bichara. Na manhã do dia 30 de maio, foi feita uma demonstração do que veremos no policia- mento da Copa do Mundo. Helicópteros, quadriciclos, lanchas, cavalos, bicicletas e cães da PMERJ. Para que seja possível atender às necessi- dades de efetivo, os policiais que estavam de férias foram chamados a trabalhar e os que previam o descanso vão esperar o fim da competição. Agentes de oito batalhões e de unidades especiais par- ticiparam da apresentação. O CICC funciona na Cidade Nova, 24 horas por dia, desde 23 de maio. Trinta e nove ins- tituições, como Exército, Ma- rinha, Aeronáutica e Bombei- Sala de monitoramento.
  11. 11. 12 CAPA nação, mobilidade e melhorias nas áreas públicas. Qual é a sua visão quanto ao policiamento da região? De pouca prevenção. No que diz respeito às novas obras do entorno do condomínio, qual a influência dos canteiros na segurança dos locais? Acredito que as obras no en- torno do condomínio vão con- tribuir para aumentar a segu- rança, uma vez que o local vai ficar bem iluminado e mais mo- vimentado. A iluminação de alguns pontos vem sendo criticada. É possível melhorar isso? Sempre é possível avançar. Mas a iluminação pública da cidade vem evoluindo com no- toriedade. A Rioluz, empresa de iluminação pública, realiza frequentemente vistorias para evitar acendimentos de lâm- padas durante o dia e apaga- mentos durante a noite, e assim promovendo boa gestão da iluminação. Nos últimos anos houve uma troca de luminárias e de lâmpadas e, em 60% das ações, houve aumento da lumi- nosidade das ruas. O aumento da potência das lâmpadas e a instalação de equipamento mais moderno diminui a ne- cessidade de manutenção dos mesmos. Somente no mês de março, na área da Barra foram vistoriados pouco mais de 3 mil pontos de iluminação. A nos- sa região, com mais de 50 mil pontos mantém bom índice de apagamento, mantendo cerca de 1%. A Rioluz também redu- ziu o prazo para atendimento ao cidadão, através da Central 1746. Qualquer morador pode telefonar e comunicar que uma lâmpada está apagada e ser atendido em até 48 horas. No início desse serviço, o pra- zo era de até cinco dias úteis. Os moradores que quiserem enviar sugestões e críticas quanto à segurança podem fazer isso? Podem. As portas da Subpre- feitura estarão sempre abertas para receber esses e outros ti- pos de pedidos dos moradores, mas acredito que o fórum mais indicado para falar de seguran- ça, seja o Conselho Comunitá- rio. Quanto maior a participação popular, mais representatividade terão os fóruns de discussão. A Prefeitura faz parte do Conselho, que conta com representantes da Polícia Militar e Polícia Civil, além da Secretaria Estadual de Segurança Pública. “Quanto maior a participação popular, mais representatividade terão os fóruns de discussão” Alex Costa.
  12. 12. 13CAPA Um pedido de SOS para a Barra da Tijuca Moradores cansados da violência cobram soluções à polícia A s vítimas da falta de se- gurança não possuem um padrão. Bas- tou se mostrar distraído para ser alvo de assaltan- tes. De adolescente a inte- grante do Bope, a ousadia dos criminosos não tem limites, e em alguns casos chega a consequências drásticas. Casos como perseguição a bandidos em plena Av. das Améri- cas e tiroteio em porta de shoppings têm sido cada vez mais frequentes. Fora ocorrências de furtos e sequestros-relâmpagos em estacionamento ou porta de condomínio que a maioria das pes- soas sequer toma ciên- cia da existência. No último mês, uma dupla de criminosos abordou uma motorista em pleno sinal. A ação foi filmada pelo condutor do carro de trás e compartilhada via redes sociais. Devido a isso, moradores e fre- quentadores da região co- meçaram a se manifestar. Segundo o delegado ti- tular da 16ª DP, Mário Luiz Silva, é importante que as vítimas façam o regis- tro de ocorrência para que a polícia tome ciên- cia e conheça as regiões com maior incidência de crimes. Sob a regência do oficial, em três meses foram efetuadas 30 pri- sões por diversos delitos, além de casos que es- tão para ser concluídos. Apesar do trabalho efe- tuado, muitos morado- res não estão satisfeitos e decidiram que a união entre eles seria uma das alterna- tivas na busca por dias e uma rotina mais seguros. No dia 17 de maio um grupo protestou em plena Praça do Pomar munidos de cartazes com os dizeres “Cuidado!!! As- saltos constantes nessa área”. A insatisfação por estarem reféns era clara, mesmo após a declaração do secretário de seguran- ça, José Mariano Beltra- me, prometendo reforçar o efetivo com 130 homens até 21 de junho. A informação também foi ratificada pelo tenente- coronel Rubens Peixoto, comandante do 31º BPM (Barra da Tijuca). “Mesmo que haja o fim da Copa do Mundo, esse aumento no efetivo continuará. Tendo iniciado no dia 02 de junho, até o fim de julho cerca de cem homens estão desta- cados para policiamento ostensivo como estratégia nos locais relacionados ao evento esportivo.” Em relação aos casos de roubos e furtos, cada vez mais comuns nos bairros da Barra da Tijuca e Recreio, o oficial explica que os criminosos buscam no- vas formas e áreas para agir. Ele ainda ressaltou que vem implementando ações nas localidades em horários definidos como resultado do estudo da movimentação da man- cha criminal, visando pre- venir e reprimir os crimes nas regiões afetadas.
  13. 13. 14 CAPA Portas trancadas Seu grito de medo calado pela insegurança V iver em condomínio, blindar e usar vidros escuros nos carros ou aprender técni- cas de defesa pesso- al são alguns artifícios que nasce- ram (ou se multiplicaram) junto ao desenvolvimento dos grandes centros urbanos e, fatalmente, ao aumento da criminalidade. Aceitar, no entanto, essa con- dição como uma consequência natural do mundo moderno é, no mínimo, um erro de cidada- nia. O equívoco está longe de estar ligado ao estilo de vida eleito – o de proteger (a nós e aos nossos) como se pode –, inteiramente justificável. Mas em pres- supor que os instrumen- tos criados podem subs- tituir a máquina do poder público, responsável por prevenir esses problemas através de educação, quali- dade e dignidade de vida. A inadvertência pode ser, ain- da, no mesmo nível, pensar que o problema não é seu. A questão da segurança pú- blica está para além do roteiro típico. Justiça criminal, sistema carcerário e polícia estão longe de ser os únicos atores sociais envolvidos. A ascensão desen- freada dos índices de crimina- lidade e violência está direta e indiretamente ligada à corrup- ção institucional e pessoal que é notícia e rotina. Tem sua parcela de responsabi- lidade igualmente a, por assim dizer, globalização das ativida- des ilegais. Afinal sonegação, estelionato, lavagem de dinheiro e tráfico não tem percentual de aceitabilidade. Violência tem muito mais a ver com dia a dia do que supõe a vã e incauta filosofia que responsa- biliza apenas líderes, a política, grupos radicais ou minorias me- nos abastadas. O tema-proble- ma ultrapassa a marginalidade e chega, hoje, a esferas antes con- sideradas “seguras”. Futebol, te- lejornalismo, opinião, protestos, bandeiras, manifestações civis de insatisfação, redes sociais... Qualquer ínfima discordância é razão de se fazer justiça com as próprias mãos ou avivar precon- ceitos velados. Cabe a cada um de nós refletir sobre como dizer não à violência diária e cobrar de nossos representantes medidas assertivas, que respeitem os di- reitos humanos e as liberdades tão dificilmente conquistadas. Qual é a nossa parcela de culpa e o que podemos fazer para mudar o ambiente em que vive- mos? Vamos abrir nos- so próprios cofres, apresentar nossos medos e exigir mais respeito aos nossos direitos.
  14. 14. 16 gente M orador do Resi- dencial Sicília, Aníbal Colares Lopes, com- prou o imó- vel na planta da Encol em 1995. Recebendo as chaves do apartamento no Verona em agosto de 2000. Residiu neste residencial de dezem- bro de 2000 até dezembro de 2008: “Passei por todo o sofrimento da falência da Encol e acreditando ter feito um negócio de boa lucrati- vidade, que agregava qua- lidade de vida e uma ótima localização, me submeti ao atraso da obra e pequena perda financeira”, conta. A família é de grande impor- tância para o condômino, que destaca ainda o nasci- mento da filha, Joyce Cola- res, hoje com 13 anos: “Mi- nha filha nasceu aqui em janeiro de 2001, talvez tenha sido uma das primeiras mo- radoras do Rio2 nascida no século XXI. Eu diria ser o iní- cio da geração Rio2”, orgu- lha-se o pai. Aníbal vem se dedicando à fotografia e de- mostra sua visão através da lente, nesta edição, na maté- ria do campeonato futevôlei. Acompanhe agora um bate- bola com o apaixonado por fo- tografia e oficial da reserva da aeronáutica. Como foi sua chegada ao condomínio? Praticamente vi este condo- mínio nascer e prosperar até o momento. Deste o início das obras, quando os comprado- res apreensivos se reuniam nos fins de semana ao lado do estante de vendas para decidir ações e protestos contra a En- col diante da incerteza do re- cebimento do imóvel. Vi o Shopping Rio2 ser erguido, UM ALGUÉM COMO NÓS Desde os primórdios: fazendo parte da história do Rio2
  15. 15. 18 GENTE observando da minha varanda, assim como todas as áreas de lazer e os demais residenciais, pois o Verano foi o quarto a ser levantado no condomínio. O que mais te agrada no condomínio? A qualidade de vida aliada à segurança e localização. A re- lação custo-benefício incom- parável com relação a qual- quer condomínio da área. O paisagismo é um colírio para os olhos. A facilidade da con- veniência do Shopping Rio2. O transporte e as áreas de lazer agregam tudo que há de bom. A mobilidade, com a TransCa- rioca e as obras no entorno, irá melhorar e valorizar ainda mais nosso condomínio. Você utiliza as áreas comuns? Utilizo. Principalmente a ciclo- via para pedalar ou caminhar, além de usar a área jardinada para conseguir belas fotos. Você utiliza o transporte? Utilizo o transporte de for- ma intermitente, pois nunca o utilizei para trabalhar, mas sempre que vou ao centro da cidade ou a outros locais atendidos o utilizo. Conside- ro seguro, confortável e mui- to útil, já que complementa a qualidade de vida dos mo- radores. Como você começou a fotografar? Comecei em 1990, na época das máquinas fotográficas ana- lógicas (de filme), fazendo cur- so de fotografia preto e branco na ABAF (Associação Brasi- leira de Fotografia). Após uns oito anos, com a chegada das máquinas fotográficas digitais, perdi um pouco o interesse. Não havia mais tanto o charme tradicional da fotografia. Voltei então a ser um simples fotó- grafo amador, porém sem dei- xar de lado o gosto pela arte, gosto esse que vem de família: tenho um falecido tio que foi o primeiro fotógrafo profissional da cidade de Januária (MG), no início do século passado. Com a melhoria da tecnolo- gia digital e os novos recur- sos adicionados às máquinas fotográficas atuais (principal- mente as profissionais), per- cebi que voltando a fotografar poderia, desta forma também, sentir o prazer que sentia com as analógicas. Segurança do Trabalho, além de MBA em Administração Pú- blica pela UFF. Do ponto de vista profissional, qual é seu ramo de atuação? Minha vida toda foi manuten- ção. Dediquei 30 anos da mi- nha dela à manutenção de ae- ronaves, possuo vários cursos nesta e na área de seguran- ça de voo e instrução técni- ca especializada. Sou Oficial da Reserva da Força Aérea e sinto muita gratificação em ter tido oportunidades únicas e participado de missões de cunho comunitário e de sal- vamento (busca e salvamento aéreo), além de ter contribu- ído para a segurança de voo através de uma boa supervi- são de manutenção. “Voltei então a ser um simples fotógrafo amador, porém sem deixar de lado o gosto pela fotografia” Após me aposentar (cerca de dois anos atrás) encontrei na fotografia um hobbie que, além de ocupar bem meu tempo, poderia me trazer grande pra- zer. Hoje eu diria ser um entu- siasta da fotografia. Já concluí dois cursos no Senac e parti- cipo de alguns workshops, a fim de aperfeiçoar mais meus conhecimentos. Após a com- pra de todo o equipamento profissional estou me aperfei- çoando cada dia mais e quem sabe um dia seja até um pro- fissional na área. Qual é sua formação? Tenho formação em Engenha- ria Mecânica, com pós-gradu- ação em Engenharia de Ma- nutenção e em Engenharia de Ao final da entrevista, Joyce, tam- bém fez questão de participar. Intensificando, assim, o espírito familiar presente em Rio2: “Acho o Rio2 um condomínio nota 10. E estou falando sé- rio, porque moro aqui desde que saí da maternidade, há 13 anos. Um ótimo lugar para crianças, adolescentes e até idosos. Tem de tudo pra fazer, desde caminhar na ciclovia até tomar um sorvete no Sho- pping Rio2. Aqui ninguém fica parado. É bom para andar de bicicleta, sair com os amigos, praticar esportes e descansar. E para relaxar, a coisa que eu mais gosto de fazer é ler um livro debaixo de uma árvore ou simplesmente deitar na grama. Também gosto de treinar fotografia com o meu pai. Aqui as paisagens são lindas. O melhor condomínio para morar #ever”.
  16. 16. 20 INFORME Sinalização para inglês ver Quando andar pela Barra da Tijuca é enigmático o ponto mais grave da questão é que a ausência ou má sinali- zação das ruas, avenidas e vias expressas do Rio e Grande Rio tendem, de tão imprecisas e equivocadas, a provocar (ou contribuir para) acidentes. Sabe-se que esses famosos bairros servem como referên- cia, sobretudo para aqueles que não conhecem a cidade ou não fazem ideia de sua dimensão. Mas em alguns casos a indi- cação parece piada. E de mau gosto. A questão parece sim- plória, mas é preciso ter lógica e prudência no cálculo e enge- nhosidade na disposição. Além das placas, a cha- mada sinalização ho- rizontal também é de suma importância para a paisagem urbana e para o pleno funcionamento do trân- sito, do comércio, das insti- tuições e da cidade em si. Por isso, sinalização é também uma questão de mobilidade. A Barra da Tijuca é um bairro de pro- porções gigantes- cas, próximas a de municípios inteiros, inclusive no número de habitan- tes. Recebe visitantes para gran- des eventos, como o Rock in Rio, e tem se transformado em um dos centros comerciais mais importantes da cidade. Mas an- dar pela região contando ape- nas com a sinalização rodoviária não é tarefa das mais fáceis. Não é incomum encontrar por aqui uma placa marrom, cujo destino é um dos cartões-postais da cidade maravilhosa, longe o bastante a ponto de gerar, em vez de direção, deso- rientação. Confu- sões à parte, A realização da Copa do Mun- do e dos Jogos Olímpicos trou- xe, nesse sentido, pequenas melhorias também. Durante o final do mês de maio pudemos ver a cidade sendo tomada por placas que pretendem fazer o turista se orientar com auto- nomia. O projeto previu, além da proeza, um orçamento sig- nificativo para ser executado, foi inspirado em cidades como Londres e Nova York, conta com cores e formatos de pa- drões mundiais e custou caro: cerca de R$ 15 milhões. O edital proposto pela Prefeitu- ra através da Secretaria de Tu- rismo que licitou a sinalização turística para a Copa do Mun- do da Fifa, além de padronizar e torná-las inteligíveis, também procurou enfrentar a carência de placas, problema que, se- gundo Alfredo Lopes, presiden- te da Associação Brasileira de Indústria de Hotéis (ABIH-RJ), é o quesito que desbanca o ter- ceiro lugar na lista de maiores insatisfações do turista. A sina- lização rodoviária propriamente dita, apesar de sofrer avanços gerais consequentes, terá de es- perar um pouco mais pela von- tade política. O carioca e turis- tas que visitam a cidade fora da programação de megaeventos agradecem. RECLAME!
  17. 17. 22 INFORME Adestre-se Seja o melhor amigo do seu melhor amigo C ultivar bons hábi- tos torna a nossa vida e a convivên- cia com vizinhos, colegas e pesso- as que nos cercam todos os dias melhor. Exemplo disso são rotinas simples e até im- perativas, como descartar o lixo que produzimos em lo- cal adequado. Mas e quando a sujeira não foi diretamente produzida por nós? Ao adotar um bichinho nos tornamos responsáveis por ele. Dar carinho, cuidar e educá-lo faz parte de uma relação muito particular que apenas quem tem ou já teve o privilégio de ter um laço com esse amigo fiel sabe o quão especial é. Um dos grandes prazeres dele e o que faz o peludo balançar o rabinho e te amar tanto as- sim é, justamente, o passeio diário. Levar o cachorro para passear, além de fazer bem a ele, faz bem a você. Entre os benefícios dados e recebidos em doar algum tempo do seu dia estão estreitar a relação, fazer ele interagir com outros cães, além de conviver bem com a presença de outras pessoas. Ver-se fora de um ambiente fechado faz o seu compa- nheiro se sentir livre a, fa- talmente, marcar território. Como se sabe, o cachorro tem uma maneira própria de fazê-lo. Isso é absolutamen- te natural, anormal é que seu dono não recolha. Boa parte de nós já passou por alguma situação desa- gradável com dejetos de ani- mais, seja apenas por sentir o mau cheiro ou pela terrível experiência de pisar. Qual- quer uma delas exemplar para não querer experimen- tar novamente. Para além da falta de educação e higiene, deixar de recolher os resulta- dos das necessidades fisioló- gicas do seu bichinho pode trazer sérios danos à saúde canina e humana. As fezes do cachorro transmitem doen- ças graves como, neles, ade- novírus e parvovírus e, em humanos, teníase, meningite, pneumonia, vômitos severos e diarreia. Por isso recomendamos: pas- seie e brinque com seu amigo à vontade pelas vias do con- domínio, mas, antes de sair, não esqueça de levar consigo um saquinho e jamais deixe a sujeira dele para trás.
  18. 18. 26 meio ambiente U m complexo la- gunar composto por extensões gigantescas re- pletas de espé- cies que vivem por ali sem a influência do homem, ví- timas apenas do processo natural, está localizado na Barra da Tijuca, criando ilhas e espaços suficientes para a vida urbana fluir e progredir em paralelo à na- tureza. Sem conflito, cada uma sem interferir no de- correr da outra. À espera de solução Salvamento das lagoas da Barra necessita de urgência governamental e consciência cidadã Situação atual da Lagoa da Tijuca Foto: Mario Moscatelli
  19. 19. 27Meio ambiente Esse e mais outros tantos parágrafos poderiam descrever todo o processo da natureza e suas ma- ravilhas se não fossem mais de 40 anos de destra- to – por parte do governo e do homem – com as águas das lagoas da Tijuca e Marapendi (salgadas), Jacarepaguá (doce) e Camorim (salobra), que cor- tam o bairro da Zona Oeste da cidade. Aos que vivenciam diariamente a vida das reser- vas ambientais nascidas e alimentadas da presen- ça dessas lagoas imaginam o quanto o cenário Desenvolvimento inversamente proporcional àsustentabilidadeambiental A região da Barra da Tijuca é um dos exem- plos da contradição existente entre o desen- volvimento urbano e sustentabilidade am- biental. Experimente sobrevoar essa área, pois de cima o cenário devastado é ainda mais assustador, possibilitando conferir a extensão do problema. Ao pesquisar sobre a história do bairro pelos me- ados dos anos 70, chega-se facilmente a áreas verdes intocadas, espaços que décadas depois seriam recrutados por grandes empreendimentos comerciais e residenciais da atualidade que ainda não sofriam com o desenvolvimento desenfreado dos centros urbanos. Aliado a esse fator, falta de saneamento básico e despejo de esgoto in natura nas lagoas só agravaram o problema. O feito que deu certo Como exemplo, o Rio Tâmisa, em Lon- dres, foi declarado biologicamente morto em 1957, quando sessões do Parlamento foram canceladas devido ao mau cheiro. A partir daí foi travada uma guerra à po- luição e atualmente o rio encontra-se em perfeitas condições e até abriga compe- tições aquáticas olímpicas. PAREM AS MÁQUINAS Foi lançado, no dia 5 de junho, o projeto de recuperação ambiental do sistema la- gunar da Barra e Jacarepaguá, que tem como objetivo criar uma ilha-parque. Será feita uma dragagem para retirar três mi- lhões de metros cúbicos de sedimentos do fundo das lagoas da região e desse material será composta a base da ilha. atual clama por socorro. Possivelmente, já era possível projetar tal consequência, porém não era idealizado o tamanho do desastre que se tornaria. Fauna e flora estão ameaçadas – até quando não se sabe – de desaparecimento total. A conservação é a única saída em um caso que não se pode mais reverter da noite para o dia. Todos os conceitos de comportamento am- biental se eliminam ao devem ser levados em conta diariamente. Fonte:Google
  20. 20. 28 ESPORTE E LAZER Liga nacional de futevôlei Levantando as areias da Arena Rio2 F oi disputada na Arena Rio2, entre os dias 16 e 18 de maio, a segunda etapa da Liga Nacional de Futevôlei. A AMORio2 acreditou na ideia, apre- sentada por Luiz Flintz ao presidente Luis Silva, e em tempo recorde realizou essa grande celebração do esporte, em parceria com organizadores e patrocinadores. Trazer os grandes eventos para o condomínio é um objetivo da associação e o esporte é um dos caminhos a serem trilhados. Os condôminos tiveram a oportunidade de acompanhar in loco a beleza de um dos esportes mais técni- cos que existem. Controlar a bola, digladian- do com as dificuldades causadas pela areia, sol e, mesmo, as impostas pelos adversários é algo único. Passes perfeitos, com todas as partes do corpo, calcanhar, peito, coxa e ca- beça; manter a bola no alto, forçar um próxi- mo ponto. O futevôlei é uma mescla de dança, artes marciais e futebol. O presidente da LNF, João Luís Moreira Abreu, destacou a participação dos jogadores para impulsionar o esporte: “Aos atletas participan- tes na categoria masculina e feminina quero dizer o seguinte: iniciando com os jogadores de futebol, vejo cada vez mais o envolvimento deles na nossa competição. Destaco a atitude do Edilson Capetinha, que se prontificou a ir ao clube e utilizou seus conhecimentos pesso- ais para conseguir patrocínio para sua equipe e consequentemente ajudar os atletas de fute- vôlei que estão em seu time”. A jogada que finalizou a competição deu a pin- celada final desse belíssimo quadro que foi pin- tado nas areias do Rio2. Hiltinho, do Flamengo, aplicou um shark atack (movimento no qual o jogador se atira com os pés na bola) e foi bloqueado por Vinícius, do São Paulo, com um movimento semelhante: “Nesse momento per- cebi que o futevôlei é realmente arte dos pés à cabeça, e olhando ao redor via a expressão de perplexidade de muitos em estar presenciando um dos momentos únicos do futevôlei e mais espetaculares também”, destaca João. Saiba agora um pouco mais sobre essa etapa da Liga Nacional. Ataque e defesa no estilo tubarão. Foto: Aníbal Lopes.
  21. 21. 29ESPORTE E LAZER Equipes masculinas São Paulo – Alex Dias, Bello e Vinícius Corinthians – Edilson Capetinha, Guiguie Davi Botafogo – Julinho, Helinho e Lalazinho Madureira – Bruno Reis, Eduardinho e Marcelinho Flamengo – Paulo Roberto, Tatá eHiltinho Fluminense – Tiago Sales, Léo Tubarão e PhelippHapp Atlético Mineiro – Gabriel, Luciano e Lacraia Vasco – William, Tiago e Romarinho Santos – Cláudio Adão, Papel e Japa América – Tony / Isael / Luís Felipe Guarani – Rodrigo Arroz, Rodrigo ET e Duca Paraná Clube – Regis, Pará e Juninho Final São Paulo 2 x 1 Flamengo (18 x 12 / 15 x 18 / 17 x 15) Equipes femininas Flamengo – Lana e Patricinha Fluminense – Lane e Rayana Vasco – Luisa e Luisa Botafogo – Bianca e Natália Madureira – Josy e Taíssa Vitória – Many e Vânia Final Flamengo 2 x 0 Fluminense (18 x 12 / 18 x 09) Classificação 1º Lugar – São Paulo 2º Lugar – Flamengo 3º Lugar – Madureira 4º Lugar – Vasco 5º Lugar – Fluminense 6º Lugar – América 7º Lugar – Corinthians 8º Lugar – Atlético Mineiro 9º Lugar – Botafogo 10º Lugar – Santos 11º Lugar – Guarani 12º Lugar – Paraná Clube Classificação final 1º Lugar – Flamengo 2º Lugar – Fluminense 3º Lugar – Vasco 4º Lugar – Botafogo 5º Lugar – Madureira 6 º Lugar – Vitória Foto: Aníbal Lopes. Foto: Aníbal Lopes. Foto: Aníbal Lopes. Destaque para o camisa 6, Cláudio Adão. Lane e Rayana batendo bola. São Paulo e Flamengo saem campeões.
  22. 22. ESPORTE E LAZER30 AVANTE SELEÇÃO!
  23. 23. 31ESPORTE E LAZER A Copa do Mundo vai começar e o Rio2 vai jogar junto com o Brasil O futebol é um “espaço” demo- crático que pos- sibilita a partici- pação de todos. Ricos e pobres, pequeninos ou integrantes do time más- ter. Correr atrás da pelota pro- fissionalmente é o sonho de 9 em cada 10 meninos brasilei- ros e, hoje em dia, também de muitas meninas e tantas outras crianças pelo mundo inteiro. Em cada país uma es- cola, um jeito de tocar na bola e correr, passar, mover-se pelo campo e driblar. Se no Brasil o menino descalço busca no molejo do samba a saída para Maiores artilheiros Ronaldo Brasil 15 gols Gerd Müller Alemanha 14 gols Miroslav Klose Alemanha 14 gols Jürgen Klinsmann Alemanha 11 gols Pelé Brasil 12 gols Sándor Kocsis Hungria 11 gols Just Fontaine França 13 gols a marcação tão ferrenha aos seus tornozelos, na Argenti- na, vizinhos hermanos, o toco y me voy tão bonito como o som de um tango antigo faz o adversário bailar. A Fúria e a Squadra Azurra também têm seu modus operandi, de posse de bola infinita e defesa quase instransponível. Alemães ao ataque! Japoneses correndo como nunca, uruguaios dando trabalho como sempre. A cada quatro anos o bur- burinho aumenta, a torcida esquenta o clima, o tema vira pauta do bar e as fes- tas se multiplicam. A Copa do Mundo é o mote, críticos das obras ou defensores do esporte. Existe quem dis- corde das políticas públicas adotadas e mesmo assim vá aproveitar os dias dos jogos. No final das contas, o even- to maior do futebol mundial serve, ademais, para fomen- tar a discussão em prol da melhoria das cidades, levar espetáculos esportivos de qualidade, entre outras pos- sibilidades. Esta é uma competição cerca- da de muitos fatos marcantes e uma história memorável. Vamos conhecê-la um pouco mais.
  24. 24. ESPORTE E LAZER32 A Copa do Mundo é aqui! Durante a Copa do Mundo, o Rio2 não poderia deixar de ter um evento especialmente pensado para o momento. A AMORio2, em parceria com a Sony, traz ao condomínio toda a emoção de dois jogos da Seleção Brasileira: a abertura, no dia 12 de junho, contra a Croácia, e o confronto contra o México, no dia 17 do mesmo mês. A transmissão será realizada no gramado ao lado da associação, com tenda e piso especial. A primeira Copa do Mundo foi disputada no Uruguai, em 1930. Treze seleções disputaram a competição, que contou com 18 jogos, em que 70 gols foram marcados. O campeão foi o país-sede; o segundo lugar ficou com os alemães; o terceiro e quarto ficaram com Es- tados Unidos e Iugoslávia, respectivamente. O primeiro artilheiro da história foi o argenti- no Guillermo Stabile. A primeira Copa sediada pelo Brasil foi realizada em 1950. O grande destaque da competição era o estádio do Maracanã e a possibilidade de ter mais de 200 mil torcedores acompanhando as partidas. O desfecho do que deveria ser uma his- tória perfeita foi trágico, com os donos da casa derrotados pelo Uruguai, por 2x1. O terceiro lu- gar ficou com a Suécia e a Espanha em quarto. O brasileiro Ademir foi o artilheiro. As vagas são limitadas e haverá sorteio e expe- rimentação de produtos, com cardápio exclusi- vo e bebidas inclusas. O objetivo da AMORio2 é trazer eventos cada vez mais profissionais ao condomínio e o da empresa levar a melhor experiência para assis- tir as partidas do Mundial, fazendo destes mais que momentos agradáveis e prazerosos, minu- tos memoráveis. Como tudo começou? A primeira no Brasil!
  25. 25. TABELA de jogosRECORTEAQUIEGUARDEATABELAPARAACOMPANHAROSJOGOS. COPA DO MUNDO brasil 2014 Grupo A 12/6 17h Brasil x Croácia 13/6 13h México x Camarões 17/6 16h Brasil x México 18/6 19h Camarões x Croácia 23/6 17h Camarões x Brasil 23/6 17h Croácia x México Grupo B 13/6 16h Espanha x Holanda 13/6 19h Chile x Austrália 18/6 13h Austrália x Holanda 18/6 16h Espanha x Chile 23/6 13h Austrália x Espanha 23/6 13h Holanda x Chile Grupo C 14/6 13h Colômbia x Grécia 14/6 22h Costa do Marfim x Japão 19/6 13h Colômbia x Costa do Marfim 19/6 19h Japão x Grécia 24/6 17h Japão x Colômbia 24/6 17h Grécia x Costa do Marfim Grupo D 14/6 16h Uruguai x Costa Rica 14/6 19h Inglaterra x Itália 19/6 16h Uruguai x Inglaterra 20/6 13h Itália x Costa Rica 24/6 13h Itália x Uruguai 24/6 13h Costa Rica x Inglaterra Grupo E 15/6 13h Suíça x Equador 15/6 16h França x Honduras 20/6 16h Suíça x França 20/6 19h Honduras x Equador 25/6 17h Honduras x Suíça 25/6 17h Equador x França Grupo F 15/6 19h Argentina x Bósnia e Herzegovina 16/6 16h Irã x Nigéria 21/6 13h Argentina x Irã 21/6 19h Nigéria x Bósnia e Herzegovina 25/6 13h Nigéria x Argentina 25/6 13h Bósnia e Herzegovina x Irã Grupo G 16/6 13h Alemanha x Portugal 16/6 19h Gana x Estados Unidos 21/6 16h Alemanha x Gana 22/6 19h Estados Unidos x Portugal 26/6 13h Estados Unidos x Alemanha 26/6 13h Portugal x Gana Grupo H 17/6 13h Bélgica x Argélia 17/6 19h Rússia x Coreia do Sul 22/6 13h Bélgica x Rússia 22/6 16h Coreia do Sul x Argélia 26/6 17h Coreia do Sul x Bélgica 26/6 17h Argélia x Rússia REVISTA
  26. 26. REGRAS DA COPA DO MUNDO TABELA de jogos COPA DO MUNDO brasil 2014 REVISTA RECORTEAQUIEGUARDEATABELAPARAACOMPANHAROSJOGOS. OITAVAS DE FINAIS 28/6 às 13h 1º do Grupo A 2º do Grupo B 30/6 às 13h 1º do Grupo E 2º do Grupo F 29/6 às 13h 1º do Grupo B 2º do Grupo A 1/7 às 13h 1º do Grupo F 2º do Grupo E 4/7 às 17h 1º A ou 2º B 1º C ou 2º D 4/7 às 13h 1º E ou 2º F 1º G ou 2º H 5/7 às 17h 1º B ou 2º A 1º D ou 2º C 5/7 às 13h 1º F ou 2º E 1º H ou 2º G 8/7 às 17h Venc. Quartas 1 Venc. Quartas 2 9/7 às 17h Venc. Quartas 3 Venc. Quartas 4 13/7 às 16h Venc. Semifinal 1 Venc. Semifinal 2 12/7 às 17h Perd. Semifinal 1 Perd. Semifinal 2 CAMPEÃO 28/6 às 17h 1º do Grupo C 2º do Grupo D 30/6 às 17h 1º do Grupo G 2º do Grupo H 29/6 às 17h 1º do Grupo D 2º do Grupo C 1/7 às 17h 1º do Grupo H 2º do Grupo G QUARTAS DE FINAIS semiFINAIS FINAl 3º LUGAR As 32 seleções participantes estão divididas em oito grupos de quatro equipes cada um. Na primeira fase, os critérios de desempate são os seguintes: • número de pontos; • saldo de gols; • número de gols pró, Se dois ou mais times empatarem nos quesitos acima, o desempate se baseará no confronto direto, seguindo os critérios abaixo: • número de pontos; • saldo de gols; • número de gols pró; • sorteio. Apenas as duas melhores seleções de cada grupo passam para as oitavas de final, com o confronto definido entre os primeiros coloca- dos das oito chaves contra os que termina- ram na segunda posição. A partir desta fase, em caso de empate nos 90 minutos regulamentares, a partida vai para a prorrogação, disputada em dois tem- pos de 15 minutos. Se a igualdade persistir, a definição da seleção classificada será feita na decisão por pênaltis.
  27. 27. 36 GASTRONOMIA Gostinho de casa Logo ali, uma opção ao paladar E m funcionamento desde 1982, o pri- meiro Supermerca- do Vianense surgiu em Nova Iguaçu. Aos 32 anos e com uma his- tória de bons serviços presta- dos, atende em Nova Iguaçu, Belford Roxo, Caxias, Nilópo- lis e Rio de Janeiro, nos bair- ros: Barra, Jacarepaguá, Cas- cadura, Pavuna e Bonsucesso. Os principais pontos de des- taque do estabelecimento são um atendimento de alta quali- dade, diferenciado e dedicado a cada um dos clientes, pen- sando não somente na quali- dade e variedade dos produ- tos, como também, através de pontos de venda cada vez mais modernos, trazendo todo conforto para quem visi- ta uma de suas lojas. A filial 18 está localizada na Rua Bruno Giorgio, 114, lojas 124 e 125. O horário de fun- Esfihas Vianense Cappuccino Ingredientes 500 g de farinha de trigo; 20 g de fermento biológico fresco; 2 colheres (sopa) de açúcar; 2 colheres (sopa) de óleo de soja; 1/2 colher (sopa) de sal; 1 copo de água; 500 g de carne moída. Ingredientes 400 g de leite em pó integral; 230 g de açúcar; 50 g de café solúvel; 5 colheres (sopa) de chocolate em pó; 1 colher (sopa) bicarbonato de sódio; 1 colher (chá) de canela em pó. cionamento é de segunda a sábado das 7 às 22h e aos do- mingos das 7 às 14h. O recanto destinado aos lanches rápidos, ao café quentinho e a uma infi- nidade de delícias está sempre à sua disposição. Comer é um dos maiores prazeres da vida e no Vianense você não precisa esperar chegar em casa para matar a fome, mas se sentir saudade das nossas receitas próprias, prepare, você mes- mo, o lanche. Preparo Junte a farinha de trigo ao fermento e um pouquinho de água até formar uma massa esponjosa. Deixe descansar por 15 minutos. Adicione os demais ingredientes. Molde as esfihas. Recheie e coloque em assadeiras untadas, pincele com ovos batidos. Espere 10 minutos e leve para assar. Preparo Leve ao liquidificador o leite em pó, o café solúvel e bata. Coloque a mistura em um recipiente com tampa e some a ela os outros ingredientes. Agite o recipiente para homogeneizar a mistura.
  28. 28. 38 VOLUNTARIADO Buscamos Legados de Acessibilidade Locomover é preciso, mas tão impreciso P ensar no outro é en- tender que tudo o que fazemos na vida se relacio- na não só com a nossa história, mas como todo um conjunto de ações, pensamentos e afazeres, idas e vindas que dão forma aos dias e brilho à vida. Perceber que uma palavra usada de forma equivocada, um agra- decimento esquecido ou uma mão não estendida causam rupturas incuráveis na alma de quem é afetado pelo gesto ou pela falta dele é o passo inicial para gerar mudanças. A socie- dade perfeita ainda não existe, a cidade exemplar, o ambiente sem falhas não foi criado, de certo sonhado pelo menino ou vislumbrado entre nuvens de desconfiança pelo filósofo, mas não vivenciado. O que se define como utopia pra uns é a busca de vida de outros. E que bom que existem pequenas revoluções que acontecem diariamente. Indescritível a sensação de ver a honestidade de algum patinho feio ser alar- deada na tela do jornal ou a educação de um lorde subur- bano ser agraciada com sor- risos pelos donos da verdade burguesa. Ironicamente, esses e outros conceitos deveriam ser meras somas simples de educação e caráter, mas o dois mais dois social, geralmente, não dá quatro. E quem perde? Todos nós. Quebrar paradigmas no que tange fazer a diferença é uma virtude, mas também o alvo da vida de algumas pessoas. Questão muito tratada nos últimos anos, a acessibilidade está diretamente ligada ao di- reito de ir e vir, as desumanas condições oferecidas a essa população específica se tornam ainda mais áridas de opções para quem, na verdade, grita por op- ções adequadas a sua locomoção. Uma cadeira de rodas não sobe de- graus; sem enxergar não é possível ver as crateras das calçadas malcuidadas e semáforos, placas e demais sinalizações, que (em parte) contemplam apenas o visual, evidentemente, não servem a quem lança mão de outros sentidos para se locomover. Tomados pelo incômodo de olhar ao redor e ver tanta dis- paridade entre o que seria ne- cessário e o que é praticado, algumas pessoas buscam re- alizar mudanças. A iniciativa denominada Busco Legados de Acessibilidade (BLA) é um exemplo deste tipo de movi- mentação social. A falta de rampas de acesso, o acúmulo de lixo e carros nas calçadas são obstáculos para os cadei- rantes que se locomovem pela cidade. E este é o principal foco do projeto: demonstrar o quão difícil é ir e vir a bordo de uma cadeira de rodas.
  29. 29. 39VOLUNTARIADO Quem está se movimentando: O idealizador do projeto é Fá- bio Guimarães, ex-diretor de TV. Além de outras iniciativas, ele faz passeios pela cidade, munido de câmera de vídeo, mostrando essa realidade: “Uma rampa que não te leva a lugar algum, pedras portugue- sas, calçadas altas e buracos são agentes que complicam demasiadamente a passagem do cadeirante. Algumas pes- soas têm boa intenção, mas em muito casos falta a visão de quem realmente vai passar por ali. Nesse sentido, experi- mentar a cadeira de rodas mo- difica a forma como vemos o mundo”, ilustra. “Quando garoto, lá em São José do Rio Preto, São Paulo, eu sonhava poder ter um casarão em que abrigaria indigentes, bêbados e outras pessoas que perambulavam pelas ruas, sem teto. Um desejo inato de fazer algo pelo social. Adolescente, vim para o Rio de Janeiro, onde percebi que, só um casarão não seria suficiente. Adulto, ainda na cidade maravilhosa, re- solvi, eu mesmo, ir para a rua sobre uma cadeira de rodas, em busca de melhorias para as pessoas com deficiência que, no Brasil, segundo dados do IBGE (2010), estão em torno de 45 milhões. Se você se juntar a mim nessa causa são só 22,5 milhões para cada um. Vamos?” Fábio de Seixas Guimarães 17 anos de Marinha; Quase 10 de TV Globo; 54 anos de idade.
  30. 30. 40 VOLUNTARIADO entendendo A problemática O que fala a ABNT sobre: cinemas, teatros, auditórios e similares Você não é cadeirante, mas e se fosse? Vamos andar lado a lado Apenas 8,9% das casas da cida- de do Rio de Janeiro possuem rampas de acesso a cadeirantes nos seus arredores. O principal argumento de defesa da Prefei- tura defende que a responsabili- dade é dos proprietários. No que diz respeito às normas técnicas, a última revisão ocorreu no ano de 2004. O decreto federal nº 5.296 define acessibilidade da seguinte forma: Condição para utilização, com segurança e autonomia, total ou assistida, dos espaços, mobili- ários e equipamentos urbanos, das edificações, dos serviços de transporte e dos dispositivos, sistemas e meios de comunica- ção e informação, por pessoa portadora de deficiência ou com mobilidade reduzida. ABNT: Associação Brasileira de Normas Técnicas, órgão responsável pela normalização técnica no país. PCD: Pessoas com deficiência. PCR: Pessoas em cadeira de rodas. PMR: Pessoa com mobilidade reduzida. PO: Pessoa obesa. É imprescindível, portanto, tor- nar as cidades mais acessíveis. O auxílio da iniciativa privada é pri- mordial e os governantes devem apoiar a causa. Essa é uma busca incessante, pois os legados de acessibilidade são um direito de todos. Também seu. NBR 9050: 2004 Quer se juntar a essa emprei- tada? Quer saber os próximos passos e participar dessa luta? Você também pode fazer a di- ferença, no seu residencial, no trabalho ou na escola. Para saber mais sobre as no- vidades e assistir aos vídeos, acesse os canais de comunica- ção do projeto BLA. Capacidade total de assentos Espaços para PCR Assento para PMR Assento PO Até 25 1 1 1 De 26 a 50 2 1 1 De 51 a 100 3 1 1 De 101 a 200 4 1 1 De 201 a 500 2% 1% 1% De 501 a 1.000 10 espaços, mais 1% do que exceder 500 1% 1% Acima de 1.000 15 espaços, mais 0,1% do que exceder 1.000 10 assentos mais 0,1% do que exceder 1.000 10 assentos mais 0,1% do que exceder 1.000 www.buscolegados.com www.facebook.com/ bla2014e2016 Você é cadeirante? Conhece alguém que é? Envie-nos sua história, participe da Revista Rio2. Contribua com a sociedade por uma vida mais harmoniosa. rio2@agenciatrato.com.br
  31. 31. 42 NEGÓCIO Linhas extintas Linha Itinerário 831 Colônia – Joatinga 897A Alvorada – Ayrton Senna 800 Curicica – Freguesia 700 Madureira – Ponte de Marapendi 701 Madureira – Alvorada 753 Cascadura – Recreio 757 Cascadura – Riocentro 815 Taquara – Hosp. Cardoso Fontes 810 Piabas – Hosp. Cardoso Fontes 765 Cascadura – Barra 780 Benfica – Madureira 958 Pça. Seca – Cidade Universitária BRT TransOeste – Serviço implantado Linha Horário Itinerário Tanque – Alvorada (parador) 10 às 15h 19 Galeão – Alvorada (semidireto) 5 às 23h 4 Tanque – Alvorada (expresso) 5 às 23h 5 Obs.: Quando o serviço Tanque – Alvorada (expresso) for implantado, os serviços Tanque – Alvorada (parador) e Galeão – Alvorada (semidireto) passam a funcionar por 24 horas. Madureira – Alvorada (expresso) – 7 Madureira – Alvorada (parador) – 25 Madureira – Santa Efigênia (expresso) – 5 Penha – Madureira (parador) – 14 Fundão – Alvorada (expresso) – 12 Galeão – Penha (parador) – 10 Obs.: Com os serviços acima, as opções Tanque – Alvorada (parador ou expresso), criados anteriormente deixam de circular. Linhas transformadas em alimentadoras do BRT TransCarioca Linha Itinerário 816A Capela – Taquara 865A Pau da Fome – Taquara 875A Praça Seca – Chácara (circular) Linha criada Linha Itinerário 921A Fundão – Área de apoio via Teca (circular) 42 NOTAS Lançamento do BRT TransCarioca Percurso entre Barra da Tijuca e AEROPORTO INTERNACIONAL É REDUZIDO A Prefeitura da cidade apresentou, no dia 29 de maio, o plano de implantação do corredor expresso BRT TransCarioca, que foi inaugurado logo após, no domingo dia 02 de junho. A via que interliga o bairro da Barra da Tijuca à Ilha do Governa- dor, é considerado o primeiro corredor de alta capacidade e irá reduzir em 60% o tempo de viagem, segundo divulgação da assessoria de comunicação da Subpre- feitura da Barra e Jacarepaguá. Vale ressaltar que a obra é a única referente à mobilidade prevista para a cidade na matriz de res- ponsabilidades para a Copa do Mundo 2014 e que foi entregue conforme o planejado.
  32. 32. Linhas com itinerários alterados Linha Itinerário Nova linha Novo itinerário 691 Méier – Alvorada 691 e 991A Méier – Cidade de Deus e Taquara – Alvorada 803 Senador Camará – Alvorada 803 Senador Camará – Taquara 806 Boiuna – Barra 806A Boiuna – Taquara 889 Sulacap – Alvorada 889 Sulacap – Taquara 332 Castelo – Taquara 332 Castelo – Alvorada 832 Colônia – Joatinga 832A Colônia – Hosp. Sarah 808 Colônia – Joatinga 808A Colônia – Recreio 888 Sulacap – Barra 888A Alvorada – Joatinga 761 Madureira – Boiuna 815A Boiuna – Taquara 762 Madureira – Colônia 831A Colônia – Taquara 763 Madureira – Sta. Maria 963A Sta. Maria – Taquara 736 Cascadura – Riocentro 931A Curicica – Recreio 747 Vargem grande – Madureira 810A Pontal – Curicica 749 Cascadura – Recreio 809A Curicica – Recreio 758 Cascadura – Recreio 959A Curicica – Recreio SV758 Cascadura – Recreio 954A Curicica – Recreio 760 Curicica – Madureira 800A Taquara – Curicica 690 Méier – Alvorada 690A e 890A Méier – Madureira e Tanque – Alvorada 734 Rio das Pedras – Madureira 877A Rio das Pedras – Tanque 764 Madureira – Pau da Fome 964A Pau da Fome – Tanque 766 Madureira – Freguesia 766A e 966A Madureira – Madureira Shopping e Tanque – Hosp. Cardoso Fontes 465 Cascadura – Gávea 882A e 565A Tanque – Alvorada e Alvorada – Gávea 732 Gardênia Azul – Cascadura 932A Gardênia Azul – Tanque 748 Cascadura – Barra 878 Tanque – Alvorada 346 Gardênia Azul – Pça.XV 346 Madureira – Pça.XV 353 Rodoviária – Cidade de Deus 353 e 953A Rodoviária – Madureira e Taquara – Cidade de Deus 610 Del Castilho – Pça. Seca 610A Del Castilho – Tanque 636 Saens Pena – Gardênia Azul 636 e 938A Saens Pena – Madureira e Taquara – Gardênia Azul 910 Bananal – Madureira 910A e 912A Bananal – Fundão e Vaz Lobo – Campeões 915 Bonsucesso – AIRJ 915A Campeões – Bonsucesso 952 Pça. Seca – Penha 702A Pça. Seca – Madureira 355 Madureira – Pça. Tiradentes 355 Vicente de Carvalho – Pça. Tiradentes 676 Penha – Méier 676A Madureira – Méier 721 Cascadura – Vila Cruzeiro 721A Vila Cruzeiro – Lgo. da Penha 918 Jd. Violeta – Bonsucesso 918A e 618A Jd. Violeta – Madureira e Vaz Lobo – Bonsucesso 928 Mal. Hermes – Ramos 928A e 631A Mal. Hermes – Madureira e Vicente de Carvalho – Bonsucesso BRT em números 10 viadutos 9 pontes 3 mergulhões 47 estações 5 terminais 27 bairros 43Notas 320.000 passageiros/dia 270.000 m³ de concreto 200.000 ton. de asfalto 7.800 funcionários envolvidos 1.800 postes remanejados 11 pontos de alagamentos eliminados
  33. 33. 44 Notas A Rua Bruno Giorgi, onde está localizado o Shopping Rio2 e muito utilizada para o serviço de transporte do condomínio, foi recapeada na última semana de maio. A área de recuo da via estava com seu asfalto desgastado e cheio de buracos devido às ações do tempo e foi prontamente solucionada pelos profissionais de conservação. O pedido partiu da diretoria da AMORio2 já havia um tempo e na última reunião, foi repetido o pedido. O subprefeito agendou o serviço na programação da Secretaria Municipal de Serviços Públicos e foi conferir pessoalmente o trabalho da equipe de manutenção. Recapeamento da Rua Bruno Giorgi
  34. 34. O autódromo de Jacarepaguá serviu de es- paço para a construção do Parque Olím- pico onde estarão reunidas as arenas para esportes como basquete e lutas, além dos prédios do IBC (Centro Internacional de Trans- missão) e do MPC (Centro Principal de Imprensa). Com o resultado da demolição, foram iniciadas as áreas que farão parte dos eventos esportivos das Olimpíadas e Paraolimpíadas em 2016. Com as obras iniciadas em julho de 2012, atu- almente já é possível visualizar as edificações referentes às três arenas tomando forma após Andamento da obra do Parque Olímpico o processo de terraplanagem, fundações e instalações de esgoto, água e parte de drena- gem; todas subterrâneas. Segundo Alexandre Fernandes, gerente de construção da conces- sionária Bio Mais, só quem está no dia a dia acompanhando sabe que ali embaixo tem tudo isso. E o que começa a aparecer hoje são as superestruturas. Para se ter ideia, há mais de 2.100 estacas do tipo hélice e 15 mil m³ de concreto. Após os eventos, os prédios ficarão como legado: Cen- tro Esportivo de Treinamento. 45notas
  35. 35. 46 Transporte46 sua voz Aqui sua voz ecoa por todos os corredores do Rio2 S e você tem questões a serem elucidadas ou sugestões para a melhoria dos serviços prestados no condomínio, entre em contato conosco. A busca por aperfeiçoar a forma como a AMORio2 interage com os associados é um dos pilares desta gestão e gostaríamos de ouvir sua opi- nião. Pratique seus deveres de cidadão, busque seus direitos de condômino. Participe conosco da modernização do nosso espaço. Envie SUAS DÚVIDAS, SUGESTÕES, elogios e críticas para: centraldeserviços@amorio2.com.br. Entre em contato conosco também através dos números: (21) 2421-1254, 2421-3683, 2421-5741. A vaga para portadores de necessidades especiais possui tamanho maior que o padrão? Sim. O espaço da vaga deve ser maior de acor- do com as normas técni- cas da ABNT e segundo o art. 25 da Lei de Aces- sibilidade – Decreto de lei nº 5.296, de 02 de de- zembro de 2004. Pretendo disputar torneios esportivos com amigos. Podemos levar comida e bebida para a quadra? Não é permitido, de for- ma alguma, levar à quadra frascos, copos, garrafas, gêneros alimentícios etc, em vidro, porcelana, me- tal ou qualquer material que possa atentar contra a segurança dos frequen- tadores. É permitido deixar crianças sob a guarda de um funcionário responsável pela Brinquedoteca? Não. Os pequenos deve- rão estar acompanhados por um condômino res- ponsável. O morador que possui apenas moto como veículo pode estacionar na garagem? Não há nenhum inconve- niente que ela seja esta- cionada sozinha na vaga, mesmo que esta tenha sido projetada para o tamanho de um carro. Como proceder para veicular um serviço ou produto no condomínio? Qualquer tipo de publicida- de feita nas dependências do condomínio deve ter autorização do síndico ou do Conselho Administrati- vo para ser veiculada. Eu posso participar da revista de alguma forma? Claro! Não só pode como deve. As seções Rio2 Ne- gócios, Gastronomia, Mo- mentos em Rio2 e Gente foram feitas pensando em você. Tem uma história interessante, costuma vi- venciar o dia a dia do con- domínio, desenvolve um trabalho empreendedor? Entre em contato pelo e- mail: rio2@agenciatrato. com.br e compartilhe.

×