ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE E RESERVAS LEGAIS NO NOVO CÓDIGO             FLORESTAL(LEI 12.651/2012, MODIFICADA PELA LE...
©Nave Terra 2012Aviso: Todos os direitos reservados! É proibida a reprodução, distribuição e venda por agentesnão autoriza...
CONTEÚDO1.     Introdução ...................................................................................................
2
1.          INTRODUÇÃOA nova Lei 12.651/2012, modificada pela Lei 12.727/2012, vem sendo duramente criticadapelos ambienta...
(a intenção do legislador) está contido em seus princípios e em sua análise sistemática, e nãono que conhecemos sobre os p...
No linguajar técnico, não se entende a expressão “atividade agrossilvipastoril” como ouagricultura ou silvicultura ou pecu...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

APPs e Reservas Legais no novo código florestal amostra

14,171 views

Published on

APPs e Reservas Legais seguem protegidas? Será?

Esse E-Book, fundamental para quem defende as florestas, propõe um entendimento da nova Lei que faz concluir que ela não dispensa de recuperação ou de proteção as Áreas de Preservação Permanente (APPs) ou Reservas Legais (RLs) desmatadas de forma irregular antes de 22 de julho de 2008, a não ser em alguns casos de edificações, benfeitorias ou uma combinação de agricultura, silvicultura e pecuária numa mesma área, ao mesmo tempo ou em sequência, admitida, neste último caso, a adoção do regime de pousio.

Mesmo no caso de imóveis rurais pequenos (com menos de quatro módulos fiscais) a Lei não reduz a necessidade de APPs e RLs, que mantém seus limites na maior parte dos casos.
Versão integral em

Blog Sustentabilidade Rural
http://www.sustentabilidaderural.com.br/2012/11/o-novo-codigo-florestal-lei-4.html

ou

Site da Nave Terra
http://www.naveterra.net/2012/11/e-book-apps-e-rls-no-novo-codigo.html

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
14,171
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
230
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

APPs e Reservas Legais no novo código florestal amostra

  1. 1. ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE E RESERVAS LEGAIS NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL(LEI 12.651/2012, MODIFICADA PELA LEI 12.727/2012) ENTENDENDO A OBRIGAÇÃO DE CONSERVAR E RECOMPOR Ronaldo Weigand Jr. 2012
  2. 2. ©Nave Terra 2012Aviso: Todos os direitos reservados! É proibida a reprodução, distribuição e venda por agentesnão autorizados. O leitor que adquiriu este material pode imprimi-lo e salvá-lo em diferentesdispositivos de seu uso próprio. Poderá compartilhar caso tenha adquirido uma licença quepermita compartilhamento.Esta publicação é resultado de muitas horas de trabalho dos consultores da Nave Terra. Ajude-nos a manter essa produção de conteúdo e análise comprando o E-book no nosso site:www.naveterra.net.Caso tenha obtido este E-book sem adquiri-lo no nosso site, visite www.naveterra.net e faça oseu pedido, regularizando seu acesso a este conteúdo e contribuindo para a geração de mais E-books como este. WEIGAND JR., Ronaldo. Áreas de Preservação Permanente e Reservas Legais no Novo Código Florestal (Lei 12.651/2012, modificada pela Lei 12.727/2012): Entendendo a obrigação de conservar e recompor/ por Ronaldo Weigand Jr.; revisão de Vera Maria Weigand. Brasília (DF): Nave Terra, 2012, 19p.
  3. 3. CONTEÚDO1. Introdução ........................................................................................................................ 32. “Atividades Agrossilvipastoris” .......................................................................................... 4 2.1. Pequena propriedade ou posse ................................................................................. 5 2.1.1. Plano de Manejo Florestal Sustentável ............................................................... 6 2.1.2. Prioridade para programas de pagamento ou incentivo a serviços ambientais ...6 2.1.3. Emissão de Cotas de Reserva Ambiental (CRA) ................................................... 6 2.1.4. Agricultura familiar ............................................................................................ 7 2.2. Área rural consolidada ............................................................................................... 9 2.2.1. Definição de interesse social .............................................................................. 9 2.2.2. Redução da área de Reserva Legal na Amazônia Legal ...................................... 10 2.2.3. Informações a serem providas ao CAR ............................................................. 10 2.2.4. Regularização do uso de áreas consolidadas por assinatura de termo de compromisso .................................................................................................................. 10 2.2.5. Continuidade de atividades e necessidade de recomposição de Áreas de Preservação Permanente ................................................................................................ 113. Reserva Legal .................................................................................................................. 174. Conclusões ...................................................................................................................... 18Sobre a Nave Terra .................................................................................................................... iSobre o autor ............................................................................................................................. iSobre a revisora ........................................................................................................................ ii 1
  4. 4. 2
  5. 5. 1. INTRODUÇÃOA nova Lei 12.651/2012, modificada pela Lei 12.727/2012, vem sendo duramente criticadapelos ambientalistas. Entretanto, neste momento em que a Lei foi sancionada, para aquelesque querem proteger as florestas, não é mais hora de procurarmos no texto legal as brechasque permitirão mais desmatamento e evitarão a recuperação das florestas, mas sim ocontrário: é hora de procurarmos o entendimento mais protetor da natureza e dizer que anova Lei é bem melhor do que tínhamos pensado.Neste texto, propomos um entendimento da Lei que nos faz concluir que a Lei não dispensade recuperação ou de proteção as Áreas de Preservação Permanente (APPs) ou ReservasLegais (RLs) desmatadas de forma irregular antes de 22 de julho de 2008, a não ser em algunscasos de edificações, benfeitorias ou uma combinação de agricultura, silvicultura e pecuárianuma mesma área, ao mesmo tempo ou em sequência, admitida, neste último caso, a adoçãodo regime de pousio. Mesmo no caso de imóveis rurais pequenos (com menos de quatromódulos fiscais) a Lei não reduz a necessidade de APPs e RLs, que mantém seus limites namaior parte dos casos.Entre outros aspectos, muito depende do entendimento da expressão “atividadesagrossilvipastoris”, utilizada (mas não definida) na nova Lei, e de uma leitura sistêmica dotexto. Neste artigo, argumenta-se que:  Uma simples interpretação técnica da expressão “atividades agrossilvipastoris” pode aumentar muito a proteção das florestas, especialmente as localizadas nas Áreas de Preservação Permanente (APPs).  Uma interpretação sistêmica dos artigos relacionados com a Reserva Legal mostra não ter havido anistia quanto à necessidade de sua manutenção ou recuperação, não importa o tamanho da propriedade.Este texto não é um parecer jurídico e não vale como orientação legal, mas a intenção é a deinspirar alguns pareceres e, com otimismo, uma regulamentação que permita a corretaaplicação da Lei. A interpretação de leis é assunto complexo, que deixo para os especialistas,mas é reconhecido, como um postulado, que não existe norma sem interpretação. Nãodevemos, porém, nos assustar com a complexidade aparente, podendo contribuir com oconteúdo técnico que vem de fora da área do Direito.Entretanto, no Direito, há diferentes escolas de interpretação:  Subjetivista: basicamente investiga o pensamento do legislador;  Objetivista: entende que “independe, até certo ponto, do sentido que lhe tenha querido dar o legislador”1, tendo em vista a compreensão “da situação e o momento atual de sua vigência”.Pode-se argumentar que quanto mais próximo da data de sanção da Lei, mais subjetivistadeveria ser a interpretação, procurando-se pelo espírito da Lei. O espírito da Lei 12.561/20121 Tercio Sampaio Ferraz Junior, Introdução ao Estudo do Direito, Ed. Atlas, 1994. 3
  6. 6. (a intenção do legislador) está contido em seus princípios e em sua análise sistemática, e nãono que conhecemos sobre os políticos que participaram do processo. No seu art. 1º,introduzido pela Lei 12.727/2101, vemos que são princípios o “compromisso soberano doBrasil com a preservação das suas florestas e demais formas de vegetação nativa, bem comoda biodiversidade, do solo, dos recursos hídricos e da integridade do sistema climático, para obem estar das gerações presentes e futuras” e a “função estratégica da atividade agropecuáriae do papel das florestas e demais formas de vegetação nativa na sustentabilidade, nocrescimento econômico, na melhoria da qualidade de vida da população brasileira”.A partir destas considerações, que pertencem ao mundo jurídico, vamos especificar o que seentende como “atividades agrossilvipastoris”, expressão utilizada em vários dos artigos danova Lei, e fazer, para entendermos o requerimento de Reserva Legal para as pequenaspropriedades, uma análise sistêmica para evidenciar qual seu verdadeiro alcance.2. “ATIVIDADES AGROSSILVIPASTORIS ”Como a Lei não define “atividades agrossilvipastoris”, então, deveria valer, para seu exatoentendimento, a sua acepção técnica, como bem defende Luciano Furtado Loubet, promotorde justiça do Mato Grosso do Sul2: Sobre o termo “agrossilvipastoril” há que se entender que o mesmo tem conteúdo científico delimitado, não se confundindo com a simples existência de agricultura, pecuária, silvicultura ou mesmo agropecuária.É difícil de encontrar o uso dessa expressão fora da nova Lei. A expressão encontradanormalmente é “sistemas agrossilvipastoris”, onde o termo “agrossilvipastoris” corresponde àcombinação de agricultura, silvicultura e pecuária numa mesma área, ao mesmo tempo ouem sequência. Além disso, na atividade agrossilvipastoril a existência de silvicultura épermanente, já que árvores são plantas perenes, enquanto a agricultura e a criação de animaispodem ser temporárias. As árvores são o que diferencia esta atividade da agricultura e dapecuária. Alguns exemplos de atividades agrossilvipastoris:  Uma área ocupada por uma plantação de seringueiras, consorciadas com pimenta e pastagem com leguminosas no sub-bosque para alimentação do gado nas entrelinhas.  O consórcio de dendê com pastagem e espécies madeireiras.  O cultivo em aleias de forrageiras arbustivas (leucena, guandu) com culturas anuais seguidas pelo uso da área como pasto para o gado.  O consórcio de café, bananeiras, espécies madeireiras, com plantio intercalado de culturas anuais (milho, feijão), seguidos pelo uso da área como pasto para o gado.  Uma cabruca de cacau, em que as árvores da floresta nativa fazem sombra ao cacau, que pode também ser combinado com o pastejo de animais no subbosque.2 Leia mais: http://jus.com.br/revista/texto/22898/breves-anotacoes-pontuais-sobre-a-lei-no-12-651-2012-novo-codigo-florestal/7#ixzz2BUZmE1Zr 4
  7. 7. No linguajar técnico, não se entende a expressão “atividade agrossilvipastoril” como ouagricultura ou silvicultura ou pecuária como parece ter sido entendido por alguns durante atramitação da Lei: na verdade, é a combinação dessas atividades que configura (ou tipifica, naexpressão jurídica) as “atividades agrossilvipastoris”. Por que esse termo é tão importante?Porque se aplica a duas definições fundamentais na nova Lei: a) Pequena propriedade ou posse; b) Área rural consolidada;Esses dois conceitos, influenciados pela definição de atividades agrossilvipastoris, têm grandeimpacto na proteção e necessidade de recomposição das áreas de preservação permanente.2.1. PEQUENA PROPRIEDADE OU POSSEComecemos com o tratamento dado aos pequenos produtores no art. 3º, V, da Lei12.561/2012: V - pequena propriedade ou posse rural familiar: aquela explorada mediante o trabalho pessoal do agricultor familiar e empreendedor familiar rural, incluindo os assentamentos e projetos de reforma agrária, e que atenda ao disposto no art. 3° da Lei n° 11.326, de 24 de julho de 2006; (...)A definição do inciso V, que deve ser entendido em consonância com a Lei n° 11.326, de 24 dejulho de 20063, é levada a vários dispositivos adiante, como veremos. No parágrafo únicodesse artigo, porém, o tratamento dado à pequena propriedade rural ou posse familiar, quepor razões sociais é mais flexível, é estendido a outras formas de propriedade ou posse daterra, incluindo, em parte, imóveis com até quatro módulos fiscais: Parágrafo único. Para os fins desta Lei, estende-se o tratamento dispensado aos imóveis a que se refere o inciso V deste artigo às propriedades e posses rurais com até 4 (quatro) módulos 4 fiscais que desenvolvam atividades agrossilvipastoris , bem como às terras indígenas demarcadas e às demais áreas tituladas de povos e comunidades tradicionais que façam uso coletivo do seu território.De acordo, pois, com o art. 3º, além das terras indígenas demarcadas e das demais áreastituladas de povos e comunidades tradicionais que façam uso coletivo do seu território,somente se estende o tratamento de pequena propriedade ou posse rural familiar aos imóveiscom área de até quatro módulos que apresentem atividades agrossilvipastoris. Ou seja,recebem tratamento de “pequena propriedade ou posse rural familiar” as propriedades ruraiscom até quatro módulos fiscais que desenvolvam uma combinação de agricultura, silviculturae pecuária numa mesma área, ao mesmo tempo ou em sequência. Os demais imóveis nesta3 Cria o Programa Nacional de Habitação Rural – PNHR, com finalidade subsidiar a produção / aquisição de moradiaaos agricultores familiares. Esta Lei foi alterada pela Lei n° 12.512, de 14 de outubro de 2011, que institui oPrograma de Apoio à Conservação Ambiental e o Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais e alteratambém as Leis nºs 10.696, de 2 de julho de 2003 e 10.836, de 9 de janeiro de 2004.4 Grifo nosso. Ao longo do texto, vamos grifar nas referências textuais os termos que estamos procurando destacarou definir. 5

×