Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

PGRSS Plano de gerenciamento de resíduos dos serviços de saúde

PGRSS - Plano de Gerenciamento de Resíduos dos Serviços de Saúde

  • Be the first to comment

PGRSS Plano de gerenciamento de resíduos dos serviços de saúde

  1. 1. PGRSS – Plano de Gerenciamento de Resíduos dos Serviços de Saúde
  2. 2. Introdução ao PGRSS – Objetivo: Atualmente, são gerados toneladas de resíduos hospitalares, cujo mau gerenciamento traz danos a saúde pública e ao meio ambiente, para evitar estes danos e prevenir acidentes com profissionais que trabalham diretamente nos processos de coleta, armazenamento, transporte, tratamento e destinação de resíduos, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA, estabeleceu uma classificação para os resíduos hospitalares e diretrizes para o Gerenciamento dos RSS.
  3. 3. Estrutura do PGRSS baseado na RDC – Resolução Diretoria Colegiada/ANVISA 306 de 7/12/2004 Todo gerador deve elaborar um Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - PGRSS, baseado nas características dos resíduos estabelecer as diretrizes de manejo dos RSS. O PGRSS a ser elaborado deve ser compatível com as normas locais relativas à coleta, transporte e disposição final dos resíduos gerados nos serviços de saúde, estabelecidas pelos órgãos locais. MANEJO O manejo dos RSS é entendido como a ação de gerenciar os resíduos em seus aspectos intra e extra estabelecimento, desde a geração até a disposição final, incluindo as seguintes etapas:
  4. 4. SEGREGAÇÃO • Identificar as áreas e o tipo de resíduo gerado, de acordo com as características químicas, biológicas, o seu estado físico e os riscos envolvidos. ACONDICIONAMENTO • Depois de segregados a próxima fase é a dispor as embalagens para cada tipo de resíduo, em recipientes apropriados e o tamanho deve ser compatível com a geração diária de cada tipo de resíduo. Respeitando as diretrizes da NBR 9.191/2000 da ABNT. Alguns exemplos: • O recipiente da sala de cirurgia e na sala de parto não necessita de tampa para vedação. • Resíduo sólido deve ser acondicionado em saco constituído de material resistente a ruptura e vazamento e que seja impermeável. • Resíduo líquido deve ser acondicionado em recipiente constituído de material compatível com o líquido armazenado, resistente, rígido e estanque, com tampa rosqueada e vedante.
  5. 5. IDENTIFICAÇÃO Após estabelecido a Segregação e o Acondicionamento estes devem ser identificados por símbolos, obedecendo aos parâmetros referenciados na norma NBR 7.500 da ABNT, além de outras exigências relacionadas à identificação de conteúdo e ao risco específico de cada grupo de resíduos.
  6. 6. GRUPOS – CLASSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS GRUPO A - Substância infectante possui 5 subgrupos. GRUPO A1 – Resíduos de fabricação de produtos biológicos, exceto os hemoderivados; meios de cultura e instrumentais utilizados para transferência, inoculação ou mistura de culturas; resíduos de laboratórios de manipulação genética. Estes resíduos não podem deixar a unidade geradora sem tratamento prévio. GRUPO A2 – Carcaças, peças anatômicas, vísceras e outros resíduos provenientes de animais submetidos a processos de experimentação com inoculação de microorganismos, bem como suas forrações, e os cadáveres de animais suspeitos de serem portadores de microrganismos de relevância epidemiológica e com risco de disseminação, que foram submetidos ou não a estudo anátomo-patológico ou confirmação diagnóstica. Devem ser submetidos a tratamento antes da disposição final.
  7. 7. GRUPO A3 – Peças anatômicas (membros) do ser humano; produto de fecundação sem sinais vitais, com peso menor que 500 gramas ou estatura menor que 25 centímetros ou idade gestacional menor que 20 semanas, que não tenham valor científico ou legal e não tenha havido requisição pelo paciente ou seus familiares. GRUPO A4 – Kits de linhas arteriais, endovenosas e dialisadores; filtros de ar e gases aspirados de área contaminada; membrana filtrante de equipamento médico-hospitalar e de pesquisa, entre outros similares; sobras de amostras de laboratório e seus recipientes contendo fezes, urina e secreções, provenientes de pacientes que não contenham e nem sejam suspeitos de conter agentes Classe de Risco 4, e nem apresentem relevância epidemiológica e risco de disseminação, ou microrganismo causador de doença emergente que se torne epidemiologicamente importante ou cujo mecanismo de transmissão seja desconhecido ou com suspeita de contaminação Estes resíduos podem ser dispostos, sem tratamento prévio, em local devidamente licenciado para disposição final de RSS GRUPO A5 – Órgãos, tecidos, fluidos orgânicos, materiais perfurocortantes ou escarificantes e demais materiais resultantes da atenção à saúde de indivíduos ou animais, com suspeita ou certeza de contaminação com príons. Deve sempre ser encaminhado a sistema de incineração, de acordo com o definido na RDC ANVISA nº 305/2002.
  8. 8. GRUPO B - Discriminação da substância química e frases de risco. As características dos riscos destas substâncias são as contidas na Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ, conforme NBR 14725 da ABNT e Decreto/PR 2657/98. A FISPQ não se aplica aos produtos farmacêuticos e cosméticos. GRUPO C - REJEITO RADIOATIVO. Os rejeitos radioativos não podem ser considerados resíduos até que seja decorrido o tempo de decaimento necessário ao atingimento do limite de eliminação. O transporte externo de rejeitos radioativos, quando necessário, deve seguir orientação prévia específica da Comissão Nacional de Energia Nuclear/CNEN. Neste item o gerador deverá ter o Plano de Radioproteção.
  9. 9. Grupo D – Resíduo Comum – Comparado ao Doméstico. • Caso não exista processo de segregação para reciclagem, não existe exigência para a padronização de cor destes recipientes. • São admissíveis outras formas de segregação, acondicionamento e identificação dos recipientes destes resíduos para fins de reciclagem, de acordo com as características específicas das rotinas de cada serviço, devendo estar contempladas no PGRSS . GRUPO E - Materiais perfurocortantes devem atender aos parâmetros referenciados na norma NBR 13853/97 da ABNT, sendo expressamente proibido o esvaziamento desses recipientes para o seu reaproveitamento.
  10. 10. TRANSPORTE INTERNO Elaborar o roteiro da retirada do resíduo quando estes ainda estão no ponto de geração até o local destinado ao armazenamento temporário ou armazenamento externo com a finalidade de apresentação para a coleta. Pontos de Atenção: • O roteiro não poderá coincidir com a distribuição de roupas, alimentos e medicamentos, períodos de visita ou de maior fluxo de pessoas ou de atividades. • Deve ser feito separadamente de acordo com o grupo de resíduos e em recipientes específicos a cada grupo de resíduos. • O Material do recipiente deve ser: rígido, lavável, impermeável, provido de tampa articulada ao próprio corpo do equipamento, cantos e bordas arredondados, e serem identificados com o símbolo correspondente ao risco do resíduo neles contidos. • Devem ser providos de rodas revestidas de material que reduza o ruído. • Os recipientes com mais de 400 L de capacidade devem possuir válvula de dreno no fundo.
  11. 11. ARMAZENAMENTO TEMPORÁRIO Disponibilizar local para a guarda temporária dos recipientes este deve estar próximo aos pontos de geração, para agilizar a coleta dentro do estabelecimento e facilitar o deslocamento entre os pontos gerador e o ponto para coleta externa. Pontos de Atenção: • Não poderá ser feito armazenamento temporário com disposição direta dos sacos sobre o piso, sendo obrigatória a conservação dos sacos em recipientes de acondicionamento. • O armazenamento temporário poderá ser dispensado nos casos em que a distância entre o ponto de geração e o armazenamento externo justifiquem. • Quando a sala for exclusiva para o armazenamento de resíduos, deve estar identificada como “SALA DE RESÍDUOS”. • No armazenamento temporário não é permitida a retirada dos sacos de resíduos de dentro dos recipientes ali estacionados. • Os resíduos de fácil putrefação que venham a ser coletados por período superior a 24 horas de seu armazenamento, devem ser conservados sob refrigeração, e quando não for possível, serem submetidos a outro método de conservação. • O armazenamento de resíduos químicos deve atender à NBR 12235 da ABNT.
  12. 12. TRATAMENTO Nesta fase é estabelecido qual será o método, técnica ou processo que modifique as características dos riscos inerentes aos resíduos, para reduzir ou eliminar o risco de contaminação, ocupacional e ao meio ambiente. O tratamento pode ser aplicado no próprio estabelecimento gerador ou em outro estabelecimento, para isto, deverá estar de acordo com a Resolução CONAMA nº. 237/1997 e são passíveis de fiscalização. O processo de autoclavação para redução de carga microbiana está dispensado de licenciamento ambiental, ficando sob a responsabilidade dos serviços que as possuírem, a garantia da eficácia dos equipamentos mediante controles químicos e biológicos periódicos devidamente registrados. Os sistemas de Incineração devem obedecer ao estabelecido na Resolução CONAMA nº. 316/2002.
  13. 13. Métodos de Minimização de Resíduos • Resíduos de alimentos, pode ser transformado em composto orgânico para uso nos terrenos do hospital. • O Departamento de Compras deve considerar a quantidade e toxicidade dos resíduos gerados por determinado produto antes de adquiri-lo. Por exemplo: Produtos que contenham PVC, mercúrio, prata, bisfenol A e outros materiais tóxicos devem ser evitados sempre que possível. • Produtos reutilizáveis, desde elementos de cozinha até insumos médicos que possam ser esterilizados e reutilizados sem riscos, devem ser preferidos aos descartáveis. • Quando dois produtos forem equivalentes, deve-se optar por aquele que tenha a embalagem menos pesada ou que possa reciclar com maior facilidade. • Comprar produtos de menor toxicidade e baixa geração de resíduos, devem ser avaliados para garantir sua confiabilidade e facilidade de uso e depois, incorporados à política de compras.
  14. 14. ARMAZENAMENTO EXTERNO Dispor de local externo para guarda dos recipientes de resíduos até a realização da etapa de coleta externa, em ambiente exclusivo com acesso facilitado para os veículos coletores. Não é permitida a manutenção dos sacos de resíduos fora dos recipientes ali estacionados. COLETA E TRANSPORTE EXTERNOS - DISPOSIÇÃO FINAL Contratação de empresa responsável pela coleta dos resíduos para dar a destinação final, a contratada deve possuir técnicas que garantam a preservação das condições de acondicionamento e a integridade dos trabalhadores, da população e do meio ambiente, devendo estar de acordo com as orientações dos órgãos de limpeza urbana e que possua licenciamento ambiental. A coleta dos resíduos de serviços de saúde deve ser realizada de acordo com as normas NBR 12.810 e NBR 14.652 da ABNT.
  15. 15. RESPONSABILIDADES Compete aos serviços geradores de RSS: • A elaboração do Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - PGRSS, obedecendo a critérios técnicos, legislação ambiental, normas de coleta e transporte dos serviços locais de limpeza urbana e outras orientações contidas neste Regulamento. • Caso o estabelecimento seja composto por mais de um serviço com Alvarás Sanitários individualizados, o PGRSS deverá ser único e contemplar todos os serviços existentes, sob a Responsabilidade Técnica do estabelecimento. • Manter cópia do PGRSS disponível para consulta pública. • Os serviços novos ou submetidos a reformas ou ampliação devem encaminhar o PGRSS juntamente com o Projeto Básico de Arquitetura para a vigilância sanitária local, quando da solicitação do alvará sanitário.
  16. 16. • Designar profissional, com registro ativo junto ao seu Conselho de Classe, com apresentação de Anotação de Responsabilidade Técnica - ART, ou Certificado de Responsabilidade Técnica ou documento similar, quando couber, para exercer a função de Responsável pela elaboração e implantação do PGRSS. • Quando a formação profissional não abranger os conhecimentos necessários, este poderá ser assessorado por equipe de trabalho que detenha as qualificações correspondentes. • Os serviços que geram rejeitos radioativos devem contar com profissional devidamente registrado pela CNEN nas áreas de atuação correspondentes, conforme a Norma NE 6.01 ou NE 3.03 da CNEN. 2.2.3.
  17. 17. Manejo RSS Segregação Acondicionamento Identificação Coleta Interna Armazenamento Temporário Tratamento Armazenamento Externo Coleta / Transp. Externo Disposição Final
  18. 18. Campo de Ação do Técnico em Segurança do Trabalho.
  19. 19. Capacitação / Treinamento O pessoal deve ser capacitado na ocasião de sua admissão e mantido sob educação continuada para as atividades de manejo de resíduos: Independente do vínculo empregatício existente, que deve contemplar dentre outros temas: • Orientações quanto à higiene pessoal e dos ambientes; • Noções gerais sobre o ciclo da vida dos materiais; • Conhecimento da legislação ambiental, de limpeza pública e de vigilância sanitária relativas aos RSS; • Definições, tipo e classificação dos resíduos e potencial de risco do resíduo; • Sistema de gerenciamento adotado internamente no estabelecimento; • Formas de reduzir a geração de resíduos e reutilização de materiais; • Conhecimento das responsabilidades e de tarefas; • Conhecimento sobre a utilização dos veículos de coleta; • Orientações quanto ao uso de Equipamentos de Proteção Individual-EPI e Coletiva- EPC; • Orientações sobre biossegurança (biológica, química e radiológica); • Orientações especiais e treinamento em proteção radiológica quando houver rejeitos radioativos; • Providências a serem tomadas em caso de acidentes e de situações emergenciais; • Visão básica do gerenciamento dos resíduos sólidos no município; • Noções básicas de controle de infecção e de contaminação química.
  20. 20. Dados Estatísticos – Indicadores da ANVISA: Compete ainda ao gerador de RSS monitorar e avaliar seu PGRSS, considerando; O desenvolvimento de instrumentos de avaliação e controle, incluindo a construção de indicadores claros, objetivos, auto-explicativos e confiáveis, que permitam acompanhar a eficácia do PGRSS implantado. A avaliação referida no item anterior deve ser realizada levando-se em conta, no mínimo, os seguintes indicadores: • Taxa de acidentes com resíduo pérfurocortante • Variação da geração de resíduos • Variação da proporção de resíduos do Grupo A • Variação da proporção de resíduos do Grupo B • Variação da proporção de resíduos do Grupo D • Variação da proporção de resíduos do Grupo E • Variação do percentual de reciclagem Os indicadores devem ser produzidos no momento da implantação do PGRSS e posteriormente com frequência anual. A ANVISA publicará regulamento orientador para a construção dos indicadores mencionados.
  21. 21. RSS no Mundo A Convenção de Estocolmo, assinada por mais de 150 países, exige que as melhores práticas ambientais e as melhores tecnologias disponíveis sejam empregadas para reduzir a quantidade de dioxinas geradas pela incineração. Há provas suficientes de que isso pode ser alcançado. Nos últimos 20 anos, nos EUA foram fechados 99% dos incineradores de RSS, passando dos 6.000, que operavam em 1988, para menos de 60 no final de 2008. A Irlanda, por sua vez, desde 2003 já não incinera RSS. Em 2006, o município de General Pueyrredón, na província de Buenos Aires, proibiu a instalação de incineradores de qualquer tipo.
  22. 22. Hoje:  Revisão da RDC – 306- por meio da Consulta Pública nª 20, de 26 de março de 2015 esta sendo revisada.  A justificativa do órgão para a revisão é de que a normativa precisa estar em consonância com a “evolução das tecnologias e com a entrada em vigor da Lei 12.305/2010, que instituiu a Política nacional de Resíduos Sólidos”.  SINDHOSP - Sindicato dos Hospitais, Clínicas, Casas de Saúde, Laboratórios de Pesquisas e Análises Clínicas e demais Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Estado de São Paulo  FEHOESP (Federação dos Hospitais, Clínicas, Casas de Saúde, Laboratórios de Pesquisas e Análises Clínicas e Demais Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Estado de São Paulo)
  23. 23. Conclusão O PGRSS tem como importância as boas práticas de Biossegurança na área hospitalar, visando a segurança dos colaboradores diretos e indiretos, e principalmente a responsabilidade Sócio – Ambiental, minimizando a geração de resíduos buscando métodos e procedimentos para que possam ter um melhor destino ambientalmente adequado.
  24. 24. Obrigado! Grupo: Rebeca Purcino; Paloma; Sonia; Caio e Sandro. Curso: Técnico em Segurança do Trabalho Turma Nº 34
  25. 25. Bibliografia  Resolução CONAMA nº 358, de 29 de abril de 2005 e pela Resolução RDC nº 306, de 07 de dezembro de 2004, da ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária.  Site – https://saudesemdano.org/america-latina/temas/residuos-hospitalares - Consultado nos dias 14; 15; 16 e 17 de Maio/2015.  Jornal do SINDHOSP - Sindicato dos Hospitais, Clínicas, Casas de Saúde, Laboratórios de Pesquisas e Análises Clínicas e demais Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Estado de São Paulo – Publicação de Abril/2015 – Comentários Superintendente Juridica Eriete Teixeira e Técnico Ambiental Flavio Gomes dos Santos, do Hospital Edmundo Vasconcelos.

×