Jornal O Circular

858 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
858
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Jornal O Circular

  1. 1. Ed. 1 Período 01/02 Ano 1 Hospital universitário pode ser privatizado pelo governo federal Clube de ciências Há 28 anos, projeto do NPADC - Núcleo Pedagógi- co de Apoio à Divulgação Científica - aproxima os jo- vens da ciência. Pág. 3 Feira do Livro Sediada em setembro e outubro no Hangar, contou com oficinas, palestras e homenagens a Cuba e a escritores paraenses. Pág. 9 Projeto prevê que instituições estatais passem a ser administradas totalmente por meio de recursos privados. O Hospital Universitário Betina Ferro pode ser uma dessas intituições a serem privatizadas. Saiba o motivo e as diversas opiniões de representantes das áreas de saúde, educação e dos trabalhadores das universidades brasileiras. Págs. 4 e 5 Pág. 12 Estágios em alta João Bosco Conheça o Murão Empresas apostam em Progra- Conheça o trabalho do cartunista, O espaço onde você encontra Cotas em discussão mas de ‘Superestágios’, colhem os artista premiado internacional- ofertas de estágios, bolsas e opor- “Sistema de cotas é uma bons resultados da iniciativa e lan- mente, que trabalha há 22 anos tunidades de aprendizado na uni- descriminação positiva”, çam ao mercado de trabalho pro- no mercado parense produzindo versidade. Além de ficar sabendo afirma Zélia Amador em entrevista ao O Circular. fissionais mais qualificados. charges, caricaturas e cartoons. os eventos que rolam pela UFPA. Pág. 12 Pág. 8 Págs. 10 e 11 Págs. 6 e 7
  2. 2. SAIU!!! Manhã de segunda-feira, 3 de setembro de 2007, iníciozinho do segundo semestre do curso...Novas ma- por causa da loucura que é fazer um jornal ou não) que o jornalismo não era a carreira dos seus sonhos. EXPEDIENTE ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ REPÓRTERES E FOTÓGRAFOS térias, mesmos professores, novas idéias. Ganharíamos Dificuldades, alegrias, descobertase o orgulho a cada mais responsabilidade: “Preparar um jornal”, dizia matéria fechada tudo isso aconteceu “até o fechamen- Abílio Dantas Aílton Faro nosso professor e futuro editor. Nosso primeiro jor- to desta edição”. Aline Freitas José Fontelles nal. Sabíamos sobre o que queríamos falar, a quem Falar da universidade era bom. Chegamos a Andréa Remédios Paula Catarina queríamos escrever, mas qual nome dar a ele? “Que pouco tempo aqui e descobrimos que ela é mais ex- Brena Freire Raphael Freire tal ‘O Circular’ “, gritou uma voz no fim da sala. Pri- tensa e rica em produção de conhecimento do que Clareana Rodrigues Suanny Costa meiro soou estranho – um jornal com o mesmo nome imaginávamos. Queríamos explorar essa diversidade e Felipe Cortez Wellington Lima de um ônibus tão lento –, mas por que não? Pois era mostrá-la a quem vem todos os dias estudar, trabalhar mas nos levava até onde queríamos chegar. E depois na UFPA. Enfim, “circular”. COORDENAÇÃO Lázaro Magalhães de somar os prós e os contras, ele acabou vencendo: “ Ana Petruccelli O circular, do básico ao profissional: Esse não te dei- xa esperando”. Alguns aceitaram o desafio e defenderam suas matérias. Outros, porém, em meio a conflitos e pro- E-MAIL blemas no curso acabaram descobrindo (não sei se ocircular@yahoo.com.br Piadas em forma de lei por: Clareana Rodrigues Expressões como “estaremos providenciando”, É incrível a criatividade de governadores e pre- - pois seria um atentado ao pudor. Ou ainda aquela que “vamos estar cumprindo” e “eu vou estar cuidando feitos quando o assunto é decretar novas leis. Ainda obrigava padres a “sempre” usar a batina mesmo fora disso”, e todas aquelas, portanto, que segundo o dici- mais para explicar a ineficiência do Estado em resolver da Igreja, para ajudar os romeiros a identificar os sacer- onário envolvem a forma nominal do verbo, marcada problemas da sociedade. Estas leis acabam subestiman- dotes ao chegar à cidade de Aparecida. pela desinência ‘ndo’ (comprando, vendendo, partin- do a inteligência da população e maquiando certas bu- Proibir o gerúndio não é diferente. Segundo o autor do) de função adverbial ou adjetiva, estão proibidas rocracias internas. Até porque não é a primeira vez que da lei, isso acabaria com a idéia de que repartições públicas em repartições públicas. É o que diz uma lei isso acontece. E as nossas leis, que deveriam constituir, são lugares onde tudo funciona de forma lenta. Melhorar o estabelecida pelo governador do Distrito Federal apro- em tese, pelo menos nossos direitos e deveres, acabam atendimento não seria a decisão mais sensata nesse caso? vada recentemente. A justificativa para tal decisão foi tornando-se motivo de piada nacional. Pois então, “Excelentíssimo senhor governador”, ilumine a ineficiência da máquina estatal em resolver proble- São leis como a que proibia o uso de trajes caipi- minha ignorância e queira estar emprestando vossa gramá- mas. É incrível a criatividade de governadores e pre- ras em festas juninas para evitar estereótipos. Ou como tica para que possa estar gozando do mesmo conhecimen- feitos quando o assunto é decretar novas leis. aquela que impedia o uso de maiôs e biquínis nas praias to que o senhor. Desde já estarei agradecendo. Estudar Comunicação por: Abílio Dantas É imprescindível que nunca se perca, não im- pautas e usufruir seu status social. E também publici- ver um parente distante e o aparato de um hospital porta o contexto social em que vivamos, a consciência tários interessados somente em seus bolsos, e pouco para receber seus pacientes. Já que não podemos fugir da necessidade de se estudar a comunicação humana. preocupados com a importante função de seu traba- da comunicação, não devemos ignorar os seus estudo Precisamos sempre estar lembrando aos outros e a nós lho na sociedade; comunicar. e nos levar pela ganância e mediocridade do nosso tem- mesmos: sem a comunicação o homem não existiria. Durante o Encontro para a Opção Profissional, po. Afinal, só se aprende a comunicar ouvindo e per- Ele não poderia sobreviver aos percalços pré-históri- ocorrido na Ufpa neste último final de semana, uma cebendo o mundo à sua volta, e não envolto em uma cos apenas com seus dentes e unhas frágeis.Seu poder das principais dúvidas dos jovens era quanto ao mer- teia de ignorância. de análise e transmissão de vontades foi a sua cado de trabalho. Será que dá dinheiro? Bem, depois salvação.Portanto, não há como entender o passado e de tanto ouvir essa pergunta, eu elaborei uma resposta o presente, ou prever o futuro, sem a reflexão e o estu- e, como um dos representantes do curso de Comuni- do das práticas comunicativas. cação, dizia para todo mundo que chegava: Sim, acre- No entanto, esta consciência vem se perdendo dito que o mercado está saturado.Mas saturado de ve- gradativamente, principalmente se pensarmos nos es- lhas idéias.De concepções ultrapassadas, como o des- tudantes dos cursos de Comunicação Social. Apesar respeito à inteligência das pessoas. E isto é fruto da destes serem os mais concorridos nos vestibulares atu- não reflexão. Quando há questionamento nascem no- almente, muitos universitários não possuem a clareza do que é seu objeto de estudo. E acabam tornando-se somente técnicos em suas áreas e reprodutores da rea- vos pensamentos. E destes, novas ações. Repercutin- do, assim, em algumas mudanças e na ampliação do famigerado mercado. ! lidade. Surgem, então, pencas de jornalistas de escritó- Segundo o autor Dominique Wolton, em seu li rio, seres que pensam ser pagos apenas para cumprir onipresente em nossa vida; o avião que pegamos para
  3. 3. Foto: Brena Freire CIÊNCIA para crianças A I C N e adolescentes Projeto busca aproximar jovens das questões científicas Por: Brena Freire e Raphael Freire Colaborou: Clareana Rodrigues Quando pensamos em ciência a imagem de um seus horizontes e percebem que são capazes de fazer velhinho de cabelos brancos enfurnado em um labo- ciência e os professores têm a possibilidade de entra- ratório é muito marcante. No entanto, um grupo de rem em contato com diversas mentes na prática de en- jovens está descobrindo uma maneira de investigar al- sino”, conta Alex Pina, um dos bolsistas do projeto. gum fato ou fenômeno cientifico de uma maneira di- vertida e atraente.Trata-se do Clube de Ciências, um Apoio e patrocínio projeto de iniciação cientifica que é desenvolvido há O Clube de Ciências conta com recursos do 28 anos na Universidade Federal do Pará. Núcleo Pedagógico de Apoio à Divulgação Científica Inicialmente a idéia surgiu da reivindicação de – NPADC -, do Proint, através de apoio financeiro, da um espaço para a prática da docência dos alunos do Proex (Pró-Reitoria de Extensão), que financia as ex- antigo curso de Licenciatura em Ciências. Naquela épo- cursões, da Fadesp, do CNPq e do Cinep. A inici- ca o projeto era de um laboratório pedagógico que foi ativa também tem apoio da SEDUC, que cede alguns chamado de Clube de Ciências, e acontecia na escola professores para ministrarem aulas. Padre Leandro Pinheiro, no Guamá. Coordenados pela O Clube de Ciências é um dos diversos proje- professora Teresinha Valente (atual coordenadora do tos existentes dentro da UFPA que buscam de alguma Centro de Ciências Biológicas), os alunos realizavam forma beneficiar uma parcela da comunidade através atividades experimentais com as crianças dessa escola. do compartilhamento de todo o conhecimento cientí- Jesus Brabo comanda o projeto há 10 anos A partir disso, a professora Teresinha buscou uma fico que é produzido dentro da universidade. forma de levar essa iniciativa para dentro da universida- O Clube procura aproximar os jovens da ciên- Foto: Clareana Rodrigues de. Foi quando um antigo prédio dentro do campus foi cia, fugindo da tradicional metodologia das salas de cedido para abrigar o grupo, que além de dar aulas para aula. São realizados experimentos, debates, jogos, pas- as crianças, passou a oferecer cursos para a formação seios, mostras de filmes, coletas e aulas informatizadas. de professores, resultando na pós-graduação e no “Dois grupos são muito beneficiados: os estudantes e Mestrado em Ensino de Ciências da UFPA. os professores. Os primeiros porque acabam partici- pando de uma forma diferente do conhecimento cien- Funcionamento tífico. Porém muito mais os professores que começam Anualmente são abertas inscrições para estagiá- a praticar a docência, se desinibindo; se preocupando rios voluntários – alunos de cursos de licenciaturas – e mais com a avaliação, o planejamento, a execução das para alunos de rede pública desde a 1ª série do ensino aulas antes de entrarem no mercado de trabalho”, diz fundamental até o 2º ano do ensino médio, num total o atual coordenador do projeto, o professor Jesus Bra- de 200 alunos, 35 voluntários e nove bolsistas. bo. “Todos saem ganhando, pois os alunos ampliam Pesquisa aponta a contaminação dos alimentos vendidos no campus do Guamá Por: Brena Freire e Raphael Freire Grande parte dos alimentos comercializados cantinas do Básico e do Profissional. Após o cadastro Medidas - Desde 2004 a pesquisa foi redirecionada no campus do Guamá apresenta contaminação por foi elaborado um mapeamento de pontos de pesquisa. para a avaliação microbiológica de pratos prontos bactérias e coliformes fecais. É o que constatou o Após o cadastro foi elaborado um mapeamento de à base de carne e de saladas comercializadas no resultado recentemente divulgado por uma pesquisa pontos de pesquisa. Destes, foram selecionados 34 para Campus. Houve o cadastramento de 16 estabele- desenvolvida desde 2003 por alunos especialistas coleta de salgados, totalizando 102 amostras, e 40 pon- cimentos, do Básico e do Profissional, incluindo o da própria universidade. tos para coleta de sucos, somando 120 amostras. Restaurante Universitário. A vistoria apurou que quase A avaliação das condições higiênico-sanitá- Após a análise microbiológica dos salgados, foi todos os pontos comerciais estavam abaixo de 70% rias de sucos e salgados é uma das metas do Pro- detectado que 11,6% tinham quantidades de coliformes da adequação às boas práticas de fabricação. grama Integrado de Apoio ao Ensino, Pesquisa e fecais – em avaliações a 45º C - acima dos padrões O resultado da análise realizada com os su- Extensão da Universidade Federal do Pará (Proint). cos e salgados comercializados em alguns legais permitidos para higiene e consumo. Entretanto, A pesquisa é coordenada pela bióloga Consuelo estabelecimentos no Campus da UFPA foram re- não foram detectadas as presenças de Estafilococos Souza de Lima, professora da UFPA e coordena- coagulase e de Salmonela nessas mesmas amostras. passados para os responsáveis pelos pontos comer- dora do Curso de Engenharia de Alimentos. Os sucos apresentaram resultados mais alarman- ciais, para que esses se certificassem das condições Consuelo é responsável também pelo Laboratório tes. A análise concluiu que 47,5% estavam impróprios higiênico-sanitárias de seus alimentos. A Prefeitu- de Microbiologia do Departamento de Engenha- para consumo. Destes, 5% apresentaram resultados ra do Campus também tomou posse das informa- ria Química. positivos para Salmonela, 2,5% para Salmonela e ções. Elas deverão servir de base para o programa Para a realização da pesquisa foi feito o cadastramento, com o apoio da Prefeitura do coliformes e 40% mostraram altos índices de de segurança alimentar que está sendo implantado Campus, de 45 pontos comerciais, entre boxes e coliformes. pela unidade.
  4. 4. Hospitais universitários podem virar fundações público-privadas por: Suanny Costa e Abílio Dantas Imagem: Diolene Machado O Projeto de Lei 92/07, que (Fasubra), João Paulo Ribeiro, discordou propõe a transformação de instituições do ministro. “Nós achamos que existem públicas em fundações estatais do direi- outros métodos, outras formas de finan- to privado, vem suscitando polêmicas e ciamento, que não precise ser a entrega discussões desde o primeiro semestre de dos nossos hospitais públicos à iniciati- 2007. Os setores do Estado responsá- va privada”. veis pelas áreas da saúde, ciência e tecnologia, assistência social, meio am- Polêmica - Em reunião ordiná- biente, cultura, desportos, promoção do ria realizada nos dias 12, 13 e 14 de ju- turismo nacional, previdência comple- nho, o Conselho Nacional de Saúde re- mentar do serviço público e comunica- jeitou a proposta do Governo Federal. ção social poderão ter seus órgãos de Francisco Batista Júnior, presidente do ação estruturados por regras da iniciati- Conselho, não acredita no PL 92/07. Ele va privada, principalmente quanto à exe- afirma que em vez de “terceirizar a ges- cução de serviços e gerência dos orça- tão dos hospitais, deveriam ser resolvi- mentos. dos os problemas existentes no Sistema Único de Saúde (SUS).As fundações também teriam vícios, como a indica- ção política de administradores”, “Nós achamos diz Batista, que reclama também que existem outros do “profundo desrespeito com métodos, outras o controle social” que o Go- verno Federal cometeu ao ela- formas de borar uma proposta referen- financiamento, que te à saúde no Brasil sem ou- não precise ser a vir o Conselho. entrega dos nossos hospitais” Os 45 hospitais universitários ligados às instituições pú- blicas de ensino, como parte do Sistema Único de Saúde, também entrariam neste esquema. A possível mudança foi deba- tida no seminário “Hospitais Universi- tários: Concepção, Papel e Missão”, re- Foto: divulga- alizado em Brasília no mês de outubro. ção Durante o encontro, o ministro da Educação, Fernando Haddad, defen- deu as fundações como importantes para a reestruturação da relação dos hospi- tais com as universidades. Para ele, a maior adequação seria justamente no fi- nanciamento. José Gomes Temporão, minis- tro da Saúde, também se diz a favor do projeto, como declarou em entrevistas. Temporão acredita que a transformação de instituições públicas em fundações es- tatais do direito privado é um “avanço na gestão pública, que permitirá ao Es- tado agir com mais eficiência e rapidez”. Mas o coordenador-geral da Federação dos Sindicatos de Trabalha- dores das Universidade Brasileiras
  5. 5. Betina Ferro e Barros Barreto anos de tradição Foto: Abílio Dantas Destinado ao ensino, assistência e pesquisa como formação integral de graduação e pós-gradua- ção de profissionais da área da saúde, o Hospital Uni- versitário Bettina Ferro de Souza (HUBFS) foi funda- do em 18 de outubro de 1993e é referência estadual em Oftalmologia, Otorrinolaringologia – oferecendo Residência nessas duas especialidades – e em Cresci- mento e Desenvolvimento Infantil. Ainda na área de assistência especializada, ambulatorial e hospitalar, o Bettina pretende tornar-se o primeiro hospital especi- alizado na área de cabeça e pescoço, inclusive com a execução de cirurgias de fissura labiopalatal. O hospital possui ainda serviços complementares que são: Enfermagem, Nutrição, Psicologia, Serviço Soci- al, Farmácia Hospitalar, Fonoaudiologia, Fisioterapia e Terapia Ocupacional. O atendimento no Bettina chega aproximada- mente a 51.230 por mês e sua inserção é 100% pelo sistema único de saúde (SUS). O HUBFS fica localizado no Campus IV da UFPA, em Belém – Rua Augusto Corrêa nº 01, Bairro Guamá, com aceso pela Avenida Perimetral, Bairro da Terra Firme. O que são fundações O Hospital Universitário João de Barros Barreto (HUJBB) é uma instituição da Universidade Federal Estatais de Direito do Pará (UFPa) e tem como missão prestar assistência à saúde da população, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), como também atuar na área de Ensino e Privado? Pesquisa e na geração e sistematização de conhecimen- tos É referência regional em Pneumologia, Infectologia e Endocrinologia e Diabetes, e Referência Nacional Os recursos das instituições estatais tra- (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço), já em AIDS. mitam pelo Orçamento da União, o que signi- prevendo uma possível demissão. A instituição começou a funcionar em 15 de agosto de fica que sempre que uma autarquia precisar re- Além disso, essas Fundações terão imu- 1959, com atividades destinadas, exclusivamente, ao alizar alguma despesa precisa consultar o Te- nidade tributária e serão isentas da contribui- tratamento de pacientes portadores de tuberculose. souro Nacional. Para muitos, inclusive o go- ção da seguridade social, ou seja, receberão re- Desde sua fundação, o HUJBB vem desempenhando verno, isso representa um elevado grau de cursos do governo para exercício de suas ativi- um papel importante no diagnóstico, tratamento e con- burocratização das instituições que as tornam dades, mas em contrapartida não contribuirão trole de doenças infecciosas e parasitárias no Estado. precárias ou mesmo engessadas em suas ativi- para a formação do fundo público. Para a pro- dades. fessora da ESS/UFRJ, Sara Granemann, “A Como Hospital de Ensino, As Fundações Estatais de Direito Priva- conclusão possível deste arranjo privatista é o oferece Internato em Medicina, dispõe de Programas do representam um novo modelo de gestão da transferência de fundos públicos aos capi- de Residência Médica, assegura acompanhamento do- pública que terá receitas e patrimônios própri- tais particulares”. cente para os estudantes de graduação e desenvolve os, autonomia financeira, de gestão de pessoal, atividades de pesquisa. gerencial e, principalmente, orçamentária. Agência Câmara (por site) O HUJBB é considerado um dos principais serviços Com isso, existe uma real possibilidade “Fundações Estatais: Projetos de Estado do Capital”, de saúde do Estado do Pará e Região Norte. de que essas fundações, a citar os Hospitais Uni- por Sara Granemann. (disponível em site) versitários comecem a cobrar por seus servi- ços já que as receitas virão, além de outras for- Foto: divulgação mas, da própria atuação das fundações. Esse modelo, de acordo com Ministério do Planejamento, objetiva dotar o governo de agilidade e criar instituições que atuem de for- ma concorrente com a iniciativa privada. Po- rém, isso requer uma série de mudanças traba- lhistas, pois a forma de contratação de pessoal regida pelo Regime Jurídico Único (RJU) e que garante estabilidade ao servidor público será substituída pela Consolidação das Leis Traba- lhistas (CLT), significando assim o fim da esta- bilidade e desconto, por exemplo, do FGTS E SPECIAL
  6. 6. MUR ÃO PARADA QUEBRA-CABEÇAS DA PESQUISA CIENTÍFICA NO QUARTAS DE ANTROPOLOGIA A constr ução do trabalho científico é um processo que demanda tempo, paciência e, acima de tudo, vonta- de de encontrar respostas para questões inquietantes. Há quem diga que se trata de um “quebra-cabeça”, cujas peças nun- ca estão perfeitamente encaixadas. Na edição do encontro Quartas de Antropo- logia do dia 17 de outubro, a socióloga Kirla Korina dos Santos Anderson minis- trou a palestra A pesquisa como quebra cabeça (?): a construção do trabalho cien- tífico, onde abordou as etapas de criação do trabalho, a importância da iniciação científica e outras questões relacionadas pas: a escolha do tema, a seleção da bibli- à produção científica. ografia de base, a definição do campo de Para Kirla Anderson, que é gradu- pesquisa, o levantamento dos dados obti- ada em Ciências Sociais pela UFPA e mes- dos na pesquisa e a produção escrita. tra em sociologia pelo Programa de Pós– Entretanto, Kirla ressalta que o “tér- Graduação em Ciências Sociais da UFPA, mino” do trabalho é apenas o começo de um “o trabalho científico é um esforço contí- novo e relevante processo: a apresentação em nuo de aprimoramento da ciência”. Sua eventos científicos, seguida da recepção das produção envolve PESQUISA: UM PROCESSO CONTÍNUO basicamente cinco eta- considerações da comunidade acadêmica. Isso relativização, fundamental quando se trabalha permite, segundo Kirla, o encaixe de novas com valores culturais diferentes dos seus”. “peças” ao trabalho original. Ela também com- Para a estudiosa, o trabalho é parou o trabalho científico a um “guarda-chu- construído com o tempo. Além disso, são fun- va”, cujo “centro” representaria o tema prin- damentais ainda o ambiente de produção do cipal de uma dada pesquisa, e a sua estrutura conhecimento, que é afetado pelo convívio fa- (suas ramificações) representaria os caminhos miliar, e o orientador, “tanto para direcionar que a pesquisa pode tomar. a pesquisa como para a sugestão de fontes”, Experiente na área de Antropologia ressalta . e Sociologia e dedicada a estudos de gênero, Para a socióloga, que entrou no mun- família e educação, ela também comentou na do da pesquisa no sexto semestre do seu ba- palestra a importância de ter conseguido a charelado - através do Projeto Extracurricular bolsa de iniciação científica e a figura do Temático da UFPA, o PET -, a iniciação cien- orientador na elaboração dos seus primeiros tífica é fundamental ao desenvolvimento do trabalhos. Durante sua pesquisa, que levou a estudante enquanto pesquisador. O auxílio fi- conclusão da dissertação de mestrado Lugar nanceiro representado pelas bolsas de estudo de mulher é em casa?Cotidiano espaço e tempo entre também “atrai” o estudante para as “causas mulheres de famílias de pescadores, ela confessou da ciência” e impedem a evasão estudantil das que considerava um absurdo as mulheres pre- universidades, à medida que rompe o ferirem ficar em casa a estudar e ter uma vida distanciamento entre alunos e professores. Se- profissional. gundo Kirla, essa experiência científica inicial “Quando relatei a experiência à mi- influenciou decisivamente sua escolha pelo ca- nha orientadora, ela me ensinou o conceito de minho das pesquisas em sociologia. INICIAÇÃO CIENTÍFICA É ALTERNATIVA À EVASÃO UNIVESITÁRIA Para a socióloga, que entrou no mun- bém “atrai” o estudante para as “causas da ci- do da pesquisa no sexto semestre do seu ba- ência” e impedem a evasão estudantil das uni- charelado - através do Projeto Extracurricular versidades, à medida que rompe o Temático da UFPA, o PET -, a iniciação cientí- distanciamento entre alunos e professores. Se- fica é fundamental ao desenvolvimento do es- gundo Kirla, essa experiência científica inicial tudante enquanto pesquisador. O auxílio finan- influenciou decisivamente sua escolha pelo ca- ceiro representado pelas bolsas de estudo tam- minho das pesquisas em sociologia.
  7. 7. NO MURÃO Um muro por onde pintam grandes oportunidades de aprendizado. Isso é o MURÃO! A agenda de O CIRCULAR. Para divulgar eventos científicos, sociais, bolsas Ha de pesquisa ou vagas de bili M o tação Lançamento de livro sobre Aca b i l i p estágio, ligue 81799199 dêm d a d ara Palacete Bolonha Site I n f o i c a 2 e ht rma 00 Palacete Bolonha: uma ou envie um e-mail para d e r tp://w ç õ e s : 7 cain ww promessa f .u ves o d e s t a fpa.br de amor. ocircular@yahoo.com.br. 200 713 tibu que / 1 2 2 linho s/ Realização: Dia 19, Memorial Este é o seu espaço. 007 .htm dos Povos, ao lado do l. Palacete Bolonha, 18h30m. Operação m Campus Sempre Limpo oe vaçã s: Realização: ser ha de 12 a 19 de dezembro de 2007, Con dorin tais, o de n n s Campus do Guamá. des ios/A mbie lturai re o sob tóric a ír Informações: Prefeitura do ão His id a Un art tivas as, cu ç osi o o a Campus / Fone: 3201-7154. Exp titut ico d emóri M pec mic s. bro ers conô ística ezem ns ográ f M I e GP – p -e r d o e G á. IH ca. i sóc io e tu 7 de ório d - Par ográf o: 1 udi t o óci a de çã até 9 ão: zaç 07, A ntro S - Ru t Fo liza 8, li Rea e 20 to Ce UFPA , 17h. o h Rea itaçã e 200 de 9 is iro d FPA, d V titu )- nº1 Ins ômico rrêa, e U jan eu da n Co Mus 17h. Eco usto Aug às Reva lidaç ão Reali Estr de Dipl a zação ngeiros omas deze : De 12 mbr a 27 Site: Info o de 200 de Prorrogadas as inscrições para o curso de mestrado em Matemática e Estatística 2008 http: r mações: 7. Inscrição: Secretaria do Programa de Pós- Graduação em Mestrado em Matemática e derca //www an_ /infode .ufpa.br Estatística, 9h-14h/ 15h-18. do c12 st aqu / Informações: Instituto de Ciências Exatas e Naturais da UFPA - Campus Guamá. Site: http:// ICS A - 122007 e s / www.ufpa.br/ppgme. Lan .htm de L çamen l ivro to
  8. 8. Novos rumos do estágio por: Aílton Faro Na era da empregabilidade em que carteira assinada tende a se tornar artigo escas- mitindo que adquiram experiência e espaço para criar e assumir riscos, com esta so e o mercado exigindo profissionais cada vez mais qualificados. As Universida- atitude, o estagiário desenvolve as habilidades que o mercado procura. Mas qual as des estão buscando adaptar-se às novas exigências do mercado de trabalho. Alte- habilidades que o mercado procura? A questão envolve uma série de variáveis, mas rando seus currículos, programas e atividades para garantir a inserção profissional as empresas mostraram-se unânimes ao apontar duas características como essenci- dos estudantes. O estágio tornou-se uma ferramenta fundamental para essa inser- ais. São elas a capacidade de atualização e a habilidade para trabalhar em equipe. ção, uma forma de encurtar a distância entre a universidade e o mercado. Em Isso porque o mercado de trabalho brasileiro vem passando por grandes estudos recentes a Fundação Getúlio Vargas (FGV) mostrou que muitas empresas transformações nas últimas décadas. Segundo especialistas, essas transformações vêem investindo na contratação de estagiári- são decorrentes principalmente da orientação os e que o departamento de recursos huma- do modelo de desenvolvimento adotado pelo nos dessas empresas apontam o estágio como Brasil e da política de controle inflacionário. a melhor forma de avaliar a qualidade da mão- Em outras palavras, a inserção da economia de-obra que futuramente irá formar o seu brasileira no processo de globalização, geran- quadro de profissionais. do alterações significativas sobre os fluxos de O mesmo estudo mostrou que a comércio e de capitais, sobre a base interação Universidade-Empresa no Brasil ain- tecnológica, gerencial e organizacional das da é muito pequena comparada as economias empresas e sobre o mercado e as relações de mais desenvolvidas como a União Européia, trabalho; ou seja, uma economia aberta e com- Estado Unidos e Japão e emergentes como petitiva capaz de se modelar, de se adaptar ao China, Rússia e Índia. Essa interação pode ser ritmo dos fluxos globais. Que exige dos no- trabalhada de diversas maneiras e os resulta- vos profissionais a mesma capacidade de ino- dos dessa ação constitui o desenvolvimento vação e que tenha criatividade e rápida toma- sócio-politico e tecnológico. Além disso, a da de decisão. Essa realidade fez com que gran- interação promove o crescimento cientifico- des empresas cedessem mais espaço para a atu- educacional do país. No Brasil, grande parte ação dos seus estagiários. das universidades apresentam atividades que Super estagiários permitem a aproximação do setor produtivo A exemplo da Volkswagen, em São com o acadêmico, porém o estágio predomina como a principal estratégia de interação. Bernardo do Campo-SP, que integrou a sua equipe de engenheiros 64 estagiários, os A pesquisa apontou que no primeiro semestre de 2007 houve um cresci- quais são testados em diferentes setores da empresa, trabalhando até no planejamen- mento de 20% na oferta de vagas para estágio incentivado também por ações go- to e fabricação de projetos como o do Polo um dos principais modelos da fábrica no vernamentais. Porém, tem se revelado uma realidade problemática, a qual muitas Brasil. O resultado foi significativo e a multinacional garante dar continuidade no empresas se valem da lei que regulamenta a atividade do estágio para explorar os programa. Outras empresas tomaram outra postura, também pertinente a essa reali- estudantes utilizando-os como mão-de-obra barata. A lei 6494/ 77 prevê que o dade. Elas passaram a contratar profissionais recém-formados somente após verifica- estágio não cria vínculo empregatício. Isso significa que a unidade concedente não rem a qualidade de seus estágios. Uma das questões mais problemáticas que a huma- tem encargos trabalhistas, ou seja, o estagiário não possui direito a férias remunera- nidade vem enfrentado é a do desemprego em massa, provocado - de um lado- pela das, 13º salário, aviso prévio e fundo de garantia. Alem disso, não é raro que os recessão da economia mundial e - de outro- pela entrada de novas tecnologias no jovens sejam obrigados a executar atividades que não competem à sua condição de processo produtivo. E retornando ao que foi dito no início dessa matéria, as Univer- estudante e estagiário. sidades se vêem obrigadas a se adaptarem a novas demandas do mercado para solu- Uma boa fuga dessa realidade são as empresas juniores, onde diferente- cionar a crise estrutural pela qual o emprego vem pas-sando. Isso ocorre em certo mente das outras empresas, os estudantes podem participar de todos os procedi- tom desesperador e a uma certa crise existencial. Servir à sociedade ou ao mercado mentos que compõem o processo de gerenciamento e de tomada de decisão, per- em certa relação à Deus e ao diabo. Aos dois parece ser o maisapropriado. Estão querendo legalizar o aborto! por: José Fontelles O ministro da saúde José Luis temporão encaminhou uma pro-posta de lei, Essa proposta de lei é mais uma atitude emergencial e de tapa buraco, pois ao senado, que garante o direito de abortar a qualquer mulher, independentemente se aprovada daqui há alguns anos vão querer dizer que o número de adolescentes do motivo que a levará a tal ato criminoso. que já são mãe diminuiu. Mas é lógico estão matando as crianças antes delas nasce- RA No Brasil o aborto é permitido e é direito de toda mulher, quando, sua rem e entrarem paras as pesquisas. Estão querendo é tapar o sol com peneira. vida está em risco ou em caso de gravidez originada por estupro. Muitas pessoas vão dizer que tais medidas citadas acima para evitar uma gravidez Porem o nosso ministro da saúde não acha essas aberturas suficientes e quer tornar indesejada não vão dar certo, pois o sistema único de saúde(SUS) é muito precário o aborto legal em qualquer situação. A gestante vai poder fazer como fazem os e a população não vai ter conhecimento de tais possibilidades.Mas se pensarmos jovens com o vídeo game, enjoou desliga. bem, se o SUS não tem dinheiro para remédios, camisinhas e campanhas de pre- O que querem fazer com a legalização do aborto é combater as maselas sociais. venção a gravidez,vai ter para fazer abortos. E a mãe que vai abortar, que dizem ter O número de mulheres que engravidam e que não podem criar seus engravidado por falta de conhecimento, será que ela sabe os ricos de se fazer um filhos é muito grande porem não é matando a criança aborto, por mais seguro que ele seja? Ao praticar o aborto a mulher pode perder o E XTRA que evitaremos que ela morra de fome. útero, desenvolver infecções sem contar nos possíveis danos psicológicos, como Ao invés de se investir em campanhas de por exemplo a depressão. conscientização, distribuição de métodos contra Praticar o aborto é crime e legalizá-lo é agir contra o direito a vida. Temos que aceptivos e na criação de entidades de apoio as mães após a gravidez, educar a nossa população e não agirmos como açougueiros. Chega de medidas não nós vamos é matar a criança que não tem culpa nenhuma da realidade emergências e irracionais vamos agir pensando no futuro. Não podemos permitir em que vai nascer que legalizem o aborto, pois se permitimos isso, legalizaremos um crime.
  9. 9. Conheça o Museu da UFPA por: José Fontelles Uma das mais antigas e maiores universidades odo do século 19 e são oriundas de estabelecimentos de 9 às 17 horas e aos sábados de 9 às 13 horas. A do Brasil, a UFPA, é dona de um imenso e valoroso como Fidanza, Oliveira e Contente, além de casas es- entrada é gratuita. acervo histórico. Para abrigar tal riqueza, a universida- trangeiras. A exposição visa atrair a atenção do público Além disso, o Museu da UFPa, através da de comprou em 1962 a residência de Augusto para uma coleção inédita de originais fotográficos. O pe- sua Biblioteca está desenvolvendo o Projeto “Re- Montenegro, governador do estado do Pará de 1904 à ríodo de visitação vai até 9 de dezembro, as terça-feira cuperação e Difusão do Acervo Musical da Cole- 1908. O prédio conhecido como Palacete Montenegro ção Vicente Salles”. Este projeto, e que a quase meio século funciona como museu da aprovado na Lei Rouanet, conta com UFPA, está localizado na avenida Governador José patrocínio da PETROBRAS. O Pro- Malcher no bairro de Nazaré. jeto é coordenado pelo musicólogo O museu da UFPA é um dos poucos prédios Jonas Arraes. A equipe de trabalho do com autor conhecido, o italiano Filinto Santoro. Para a projeto é formada por profissionais das sua construção foram utilizados materias, em sua mai- áreas de biblioteconomia e música. oria, italianos. O projeto encerrou sua primeira fase Devido a particularidade de tais materias, a sua priorizando a catalogação, higie- restauração se torna muito cara, lenta e cautelosa para nização, digitalização e edição das que não ocorra nenhuma perda histórica nas estrutu- mais de 1000 partituras manuscritas ras e no acervo do museu. do acervo. O acervo de música da Por essas dificuldades na sua restauração, hoje, o pré- Coleção Vicente Salles conta ainda dio se encontra em lastimável estado de conservação, com discos vinis, inclusive vários de com inúmeras mutilações em suas feições originais o 78 rpm, fitas de áudio e partituras edi- que impede, também, a plena realização das atividades tadas no Pará na segunda metade do do museu.Como: ações educativas, exposições, espe- Séc. XIX e início do Séc. XX. táculos e oficinas. A biblioteca do Museu da IHGP – Memória Fotográfica é uma das expo- UFPA pode ser chamada de coração sições em execução no museu. Ela apresenta 30 repro- do prédio. Com um acervo de cole- duções de fotografias originais pertencentes ao acervo ções de livros, periódicos, partituras, do IHGP. As imagens foram impressas digitalmente recortes de jornais e materiais especi- sobre papel, respeitando a grosso modo o formato e o ais, como discos, fitas, fotografias, em aspecto dos originais. A seleção inclui retratos no for- grande parte produzidos ou versando mato “carte de visite”, vistas de logradouros (como a sobre a Amazônia. Em breve o museu Basílica em construção) e eventos, como a comemora- terá uma exposição, apenas, de artistas ção do 15 de novembro em 1920, organizada pelo paraenses. IHGP. As fotografias selecionadas privilegiam o perí- Colheita de castanha (de Augusto Morbach - Museu UFPA) Rock na UFPA? Evento promove mostras de banda de rock por: Raphael Freire Nos dias 13 e 14 de dezembro, a partir das Punk Rock, Hardcore, New Metal, Thrash Metal, Rock’n Básico e no E do Campus Profissional - foram 18h, será realizado no Espaço Cultural Vadião, na roll, Grunje e todas as outras. prorrogadas até o dia 30 de novembro. Universidade Federal do Pará (UFPA), o Para mostrarem os seus tra- Segundo Patrick Pimenta, diretor do CAL e Rock’in’Rio Guamá. O evento será uma balhos musicais em dezembro, colaborador do DCE, haverá outras versões do mostra de bandas universitárias de rock e no mínimo 25% de cada banda Rock’in’rio Guamá. “Essa é só uma amostra das é promovido pelo Diretório Central dos deve ser compostas por univer- bandas tanto autorais quanto covers. Ano que vem Estudantes da UFPA (DCE). sitários de qualquer instituição nós já estamos pensando em fazer uma organiza- A idéia surgiu a partir de um even- de ensino superior. ção, para que haja premiação, num festival de rock”. to também chamado de Rock’in’rio As bandas autorais têm de apre- A coordenação Cultural do DCE também Guamá, que foi realizado na própria uni- sentar um material em áudio ou está programando outros eventos para 2008. A versidade nos anos 80. Os coordenado- em vídeo para serem avaliadas. intenção é fixar um calendário onde, além do res de cultura do DCE resolveram resga- O DCE, com o apoio do Cen- tradicional forró, ao menos uma vez por mês, sejam tar a memória desse evento e com isso fa- tro Acadêmico de Letras (CAL) apresentadas mostras de MPB e carimbó, saraus e zer a segunda edição, décadas mais tarde. e do Centro Acadêmico de Pe- exposições fotográficas, O Rock’in’Rio Guamá é um even- dagogia (CAPE), já recebeu todas realizadas por to sem fins lucrativos, com o objetivo da promoção e mais de 30 inscrições de bandas autorais e covers. A or- alunos da UFPA. da divulgação das bandas universitárias que tocam Rock - e com liberdade de tendências, tais como Heavy Metal, ganização espera receber ainda mais material, pois as ins- crições – que estão sendo feitas no pavilhão G do Campus C ULTURA
  10. 10. O cartoon é um desenho de caráter humorístico. Não apresenta necessariamente algum tipo de crítica. Pode ser feito com o propósito do “riso pelo riso”, chamado também “humor non sense”. Jornalista do traço João Bosco Jacó de Azevedo, 46, trabalha há 22 anos na imprensa paraense. O jornalista diz que seu talento com o traço foi herdado do avô. Porém, o cartunista também afirma que, além de talento, é necessária informação para se produzir.” Não existe inspiração para fazer uma charge”, afirma Bosco. A carreira do caricaturista começou no jornal “A Província do Pará”, em 1983. Há 19 atua apenas como chargista e diagramador do jornal “O Liberal”. Ao longo da sua vida como ilustrador e jornalista, publicou dois livros: um de cartoon, intitulado “Qual é graça?”, e outro de charges sobre o governo Itamar, “A insuportável lerdeza do ser”. Seus trabalhos já foram vistos em diversas revistas de todo o País, entre elas Veja e Imprensa. Caricaturista renomado, sempre participa de salões de humor e já ganhou oito prêmios nacionais e internacionais em festivais famosos como o Ranan Lurie e o V Salão Internacional de Humor de Pernambuco.
  11. 11. Caricatura é o desenho de um pesonagem da vida real, como políticos e artistas. O traço enfatiza as caricterísticas mais marcantes da pessoa retratada. Charge é uma sátira que mostra casos da política ou do cotidiano. Este tipo de desenho tem característica temporal, por tratar geralmente das notícias do momento. Na época do Brasil Império, a charge foi muito utilizada pelos folhetins para criticar o governo de Dom Pedro II. A RTE EM FOCO
  12. 12. Foto: divulgação por: Andréa Mota e José Fontelles O debate sobre o sistema de cotas raciais é amplo em todo o país. Nele repousam questionamentos sobre práticas assistencialistas, política de educação e também sobre a, questão descriminatória, a mais discutida den- tro desse debate. A primeira universidade a adotar o sistema foi a Universidade Esta- dual do Rio de Janeiro (UERJ), em 2003. Nesse ano muito se justificou sobre a necessidade da implantação e seus possíveis resultados a curto pra- zo. Hoje o sistema de cotas está presente em cerca de 30 instituições públi- cas de ensino superior no Brasil. ZÉLIA Na Universidade Federal do Pará (UFPA) a proposta de cotas raci- ais trouxe agitação à comunidade estudantil. Os debates se revezam entre os benefícios e as problemáticas do sistema. As discussões se acirraram a partir de 2006, com a proposta apre- sentada pelo Grupo de Estudos Afro-Amazônicos da UFPA, já votada pelo Conselho Universitário da instituição (Consun). O projeto foi aprovado com alterações ao texto original. Ele prevê que já em 2008 o vestibular reserve 50% das suas vagas para o ensino público e outros 50% para o ensino privado. Da fatia do bolo destinado às escolas públicas, 40% das vagas serão destinadas para estudantes negros. 6. Então, as cotas não acabam funcionando como uma “discrimina- Para obter maiores informações sobre esse tema polêmico A equipe de O ção positiva”? CIRCULAR conversou com Zélia Amador, integrante do Grupo de Estu- Z.A.-Pode ser entendida assim sem nenhum problema. Até porque as polí- dos Afro-Amazônicos da UFPA. ticas de “ação afirmativa” recebem esse nome em países da Europa. 1. Que resultados o sistema de cotas em universidades pode dar para 7. Esse mecanismo de auto–indicação não seria problemático? a inclusão social no Pará? Z.A.- Não sei. A universidade verá isso no processo. Não parto do princípio de que toda a população brasileira é dada à fraude ou é dada à corrupção. Z.A.- Aumentar a presença de negros em todos os cursos. Esse é o resulta- Muito pelo contrário, acho que as pessoas são de boa fé. do que esperamos. O beneficio maior é para a própria universidade que assim poderá descobrir novas linhas de pesquisa. 8. Como e quem fará a classificação da pessoa negra? Z.A.- Na verdade a universidade está trabalhando com a auto-indicação. Eu 2. Vocês acreditam que a exclusão racial tem cor? digo que sou negra e ninguém discute isso. Z.A.- Não sou eu quem diz isso. É o IPEA. Segundo seus dados, existem 22 milhões de pobres no Brasil. Desses, 60% são negros. 9. Estudantes paraenses de ensino privado foram os únicos a pro- testar contra a implantação de cotas raciais. Isso não gera uma preocupação sobre um possível agravamento do preconceito no Estado? Z.A.- Eles não estão protestando contra a cota racial. Eles estão protestan- do porque entendem que estão diminuindo as possibilidades de se entrar na 3. Já que a maioria negra do País é de baixa renda, porque as cotas universidade. Porque das vagas da UFPA, 2 mil, em tese, já estão reservadas não são direcionadas apenas pó esse critério? Eles não continua- para os estudantes de escolas públicas. riam sendo assistidos pelas cotas? Z.A.- Nós não estamos discutindo aí a pobreza. A pobreza é um dado 10. Pelo fato de passarem por instituições precárias, existe a que tem que ser enfrentado. Para a universidade enfrentá-la, tem que possibilidade desses alunos terem o desempenho pensar em outros mecanismos. O que estamos discutindo não é a po- prejudicado na universidade? Eles podem ser marginalizados breza, e sim a exclusão racial. E esta para nós não se mistura com a nas salas de aula? exclusão social. Elas são duas coisas separadas. Z.A.- Diziam que os estudantes de cotas iam baixar a qualidade do ensino, que eles não iam ter um bom desempenho. Pelo contrário, na maioria das 4. Qual a justificativa de se implantar o sistema de cotas para negros? vezes esses alunos possuem um desempenho melhor do que aqueles que Z.A.- Segundo dados do IBGE e do IPEA sobre a população universitária não entraram por cota. brasileira, 2% dessa é negra. Isso configura uma situação grave. Se a popu- lação é, praticamente, 47% preta e parda na Constituição, seria muita 11. O sistema de cotas deve ser acompanhado por programas de disparidade só termos 2% nas universidades. cunho assistencialista como o Bolsa Alimentação, Bolsa Tra- balho e outros? 5. Qual a justificativa de se implantar o sistema de cotas para negros? Z.A.- A universidade tem ou já deveria ter, inde- Z.A.- Segundo dados do IBGE e do IPEA sobre a população universitária pendentemente, do sistema de cotas. Ela já de- brasileira, 2% dessa é negra. Isso configura uma situação grave. Se a popu- lação é, praticamente, 47% preta e parda na Constituição, seria muita disparidade só termos 2% nas universidades. veria ter o que podemos chamar de assistência estudantil. Assim como uma série de políticas para dar conta de pessoas de baixa renda. E NTREVISTA

×