Revolução liberal portuguesa 1820

3,801 views

Published on

Published in: Education, Travel, Business
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,801
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
71
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Revolução liberal portuguesa 1820

  1. 1. Roxana Cardoso nº20 Seito Oquinhé nº 23 Área de Projecto 2010/2011 Escola Secundária Frei Gonçalo de Azevedo
  2. 2. <ul><li>Introdução </li></ul><ul><li>A Revolução Liberal Portuguesa </li></ul><ul><li>O movimento Revolucionário de 1820 </li></ul><ul><li>A acção das Cortes Constituintes </li></ul><ul><li>Regresso do Rei do Brasil em 1821 ( A independência do Brasil) </li></ul><ul><li>Reacção dos absolutistas </li></ul><ul><li>Conclusão </li></ul><ul><li>Fontes </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Foi-nos atribuído este tema, no principio ficámos desmotivados pelo tema que nos tinha calhado, no entanto esforçámo-nos e dêmos o nosso melhor para da melhor forma desenvolve-lo para que todos compreendessem e gostassem. Pedimos a vossa atenção para a apresentação. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Napoleão decretou o o Bloqueio Continental, proibição de estabelecer comércio ou qualquer outro tipo de relação com a Inglaterra. O seu objectivo era provocar uma crise económica na Inglaterra e favorecer a presença Francesa nos mercados Europeus. Portugal como aliada à Inglaterra recusou obedecer ao estipulado ( a este decreto imposto por Napoleão). </li></ul>Linha azul limita as zonas da Europa Condicionalismo
  5. 5. <ul><li>Como represália, os Franceses invadiram Portugal três vezes: A Primeira foi em 1807, a segunda em 1809 e a terceira em 1810. </li></ul><ul><li>Nas vésperas da primeira invasão a corte retirou-se para o Brasil. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>As invasões Francesas deixaram o nosso País em muito mau estado. Portugal ficou devastado e arruinado, já que os exércitos invasores praticaram roubos, destruíram casas e ruas e deixaram as actividades económicas (agricultura, industria e comércio) praticamente paralisadas. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Para além disto, a população Portuguesa estava também descontente porque : </li></ul><ul><li>Os portos brasileiros deixaram de ser exclusivos de Portugal e abriram as portas ao comércio com outros países. </li></ul>Abertura dos portos Brasileiros
  8. 8. <ul><li>As invasões Francesas abalaram profundamente Portugal: </li></ul><ul><li>Economia nacional desorganizou-se devido à devastação causada pelas operações militares. </li></ul><ul><li>Em 1808 D. João VI decretou a abertura dos portos brasileiros , em 1810 assinou um tratado de comércio com Inglaterra dando-lhe privilégios. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>A família real e corte portuguesa continuam no Brasil (o rei estava fora de Portugal e os Ingleses é que estavam a ocupar os principais cargos na governação e no exército em Portugal). </li></ul><ul><li>Por estes motivos o descontentamento da população era geral e associado às novas ideias liberais (que defendiam sobre tudo, uma maior participação na vida política) gerou-se um clima favorável a conspiração contra a situação em que o país vivia. </li></ul>
  10. 10. <ul><li>Em 1815 o Brasil deixou de ser uma colónia Portuguesa e foi levado a categoria de Reino, tornando-se a cidade do Rio de Janeiro a sua verdadeira capital (Hoje a sua capital é Brasília) </li></ul><ul><li>Em 1820 foi criado o primeiro banco. Era evidente a fuga de dinheiro para o Brasil na forma de rendas e contribuições havia um grande desequilíbrio no orçamento e ressentia em influencia britânica no exército e na regência. Pelo que criou grande descontentamento social, o que ajudou à divulgação dos ideais da Revolução Francesa. </li></ul>
  11. 11. <ul><li>Em 1817, Gomes Freire de Andrade, liderou uma tentativa para mudar o regime, exigir o regresso do rei e expulsar os ingleses do nosso país. Esta tentativa não foi bem sucedida porque foram descobertos e os seus responsáveis foram presos e condenados à morte. </li></ul><ul><li>Em 1817 (no ano seguinte), um grupo de liberais do Porto (constituído por juízes , comerciantes, proprietários e militares)formou uma associação secreta – o Sinédrio - que era liderado por Fernandes Tomás e tinha como objectivo preparar uma revolução. </li></ul>
  12. 12. <ul><li>No dia 24 de Agosto de 1820 estalou a revolução no Porto. Esta revolução teve por objectivos obrigar o monarca a regressar a Lisboa, a afastar a influencia inglesa da governação e dos negócios, fazer com que o Brasil retorna-se à situação de colónia e convocar as cortes para a aprovação de uma constituição. Rapidamente, a revolução estendeu-se a Lisboa e ao resto do País. Os ingleses foram afastados do governo e os revolucionários criaram um governo provisório que tomou medidas para resolver os problemas do reino. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>As medidas mais importantes tomadas pelo governo provisório da revolução de 1820 são: </li></ul><ul><li>Exigência do regresso do rei D. João VI a Portugal </li></ul><ul><li>Realização de eleições com o objectivo de escolher deputados às cortes constituintes para elaborar uma constituição ( documento que contém as leis fundamentais de um país). </li></ul>
  14. 14. <ul><li>As Cortes Constituintes concluíram a Constituição em Setembro de 1822. A nova lei magna do país estabelecia: </li></ul><ul><li>A soberania da Nação, que através do voto devia eleger os seus deputados </li></ul><ul><li>Separação dos poderes (legislativo, executivo e judicial) </li></ul><ul><li>Igualdade dos cidadãos perante a lei (acabou-se desta forma com os privilégios do clero e da nobreza validou a divisão do poder em três poderes). </li></ul>
  15. 15. <ul><li>Independência do Brasil </li></ul><ul><li>A revolução liberal forçou o regresso de D. João VI a Portugal em 1821, numa altura em que se sentia que o Brasil pretendia tornar-se autónomo. </li></ul><ul><li>Em Portugal, as Cortes Constituintes quiseram retirar os privilégios alcançados pelo Brasil durante a permanência de D.João VI. Revoltados, os brasileiros, proclamaram a sua independência em 1822. </li></ul>
  16. 16. <ul><li>Os defensores do absolutismo recusaram aceitar as regras liberais e não pararam de conspirar contra o novo governo. </li></ul><ul><li>Quando D.João VI faleceu em 1826,colocou-se o problema da sucessão ao trono de Portugal. D.Pedro era imperador do Brasil e D. Miguel adepto do absolutismo. </li></ul>
  17. 18. <ul><li>Relembrámos a Revolução Liberal de 1820 as suas causas, consequências e alterações na forma de governo. </li></ul><ul><li>Esperemos que tenham gostado e melhor entendido a importância desta revolução pois, graças a ela , na actualidade, temos direitos e existe a igualdade entre os cidadãos. </li></ul>
  18. 19. <ul><li>http:// www.fd.unl.pt/Anexos/Investigacao/993.pdf </li></ul><ul><li>http://www.augustopinto.net/resumo/revolucao.htm </li></ul><ul><li>http://apontamentos-da-escola.blogs.sapo.pt/816.html </li></ul><ul><li>Oficina da escrita da História volume 2 (8ºano) </li></ul><ul><li>Euclides Griné pp.40-44 </li></ul>

×