Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Livro28

838 views

Published on

livro pesquisa

Published in: Education
  • Be the first to comment

Livro28

  1. 1. ANTÔNIO JOAQUIM SEVERINO METODOLOGIA no TRABALHO CIENTIFICO 21° Edição Revisto e Ampliada FACULDADE DE Mrsorcíizs F D- ccznisíeA _ MEDICIINIA animam ~- iiiüíàiiñifii”. ~ ; ãká-(í @EDITORQ
  2. 2. METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO Antonio Joaquim Severino Capa: Cesar Landucci Preparação de originais: Agnaldo A. Oliveira Revisão: Carmem Teresa da Costa Composição: Dany Editora Ltda. Coordenação Editorial: Danilo A. Q. Morales Nenhuma parte desta obra pode ser reproduzida ou duplicada sem autorização expressa do autor e do editor. © Antonio Joaquim Severino Direitos para esta edição CORTEZ EDITORA Rua Bartira, 317 - Perdizes Tel. : (0__11) 864-0111 Fax: (0__11) 864-4290 05009-000 - São Paulo-SP « E-mail: cortez@cortezeditora. com. br Impresso no Brasil - fevereiro de 2000
  3. 3. SUMÁRIO Prefácio à 21” edição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 11 Prefácio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19 Capítulo I A ORGANIZAÇÃO DA VIDA DE ESTUDOS NA UNIVERSIDADE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 1. Os instrumentos de trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24 2. A exploração dos instrumentos de trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28 3. A disciplina do estudo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 30 Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32 Capítulo II A DOCUMENTAÇÃO COMO MÉTODO DE ESTUDO PESSOAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 1. A prática da documentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 36 2. A documentação temática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 37 3. A documentação bibliográfica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 4. A documentação geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 5. Documentação em folhas de diversos tamanhos . . . . . . . . . . . . . . 40 6. Vocabulário técnico-lingilístico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 42 Capítulo III DIRETRIZES PARA A LEITURA, ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 5
  4. 4. 1. Delimitação da unidade de leitura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 51 2. A análise textual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51 3. A análise temática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 53 4. A análise interpretativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56 5. A problematização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 58 6. A síntese pessoal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58 Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59 Capítulo IV DIRETRIZES PARA A REALIZAÇÃO DE UM SEMINÁRIO . . 63 1. Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 63 2. O texto-roteiro didático . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 64 2.1. Material a ser apresentado previamente pelo coordenador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64 2.2. Material a ser apresentado no dia da realização do seminário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66 3. O texto-roteiro interpretativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66 4. O texto-roteiro de questões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 68 5. Orientação para a preparação do seminário . . . . . . . . . . . . . . . .. 69 6. Esquema geral de desenvolvimento do seminário . . . . . . . . . . . .. 70 Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70 Capítulo V DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DE UMA MONOGRAFIA CIENTÍFICA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 73 1. As etapas da elaboração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74 1.1. Determinação do tema-problema-tese do trabalho. . . .. 74 1.2. Levantamento da bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76 1.3. Leitura e documentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 78 1.3.1. O plano provisório do trabalho . . . . . . . . . . . . . . . .. 78 1.3.2. A leitura de documentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 79 1.3.3. A documentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 80 1.4. A construção lógica do trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 81 1.5. A redação do texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 84 1.6. A construção do parágrafo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
  5. 5. 1.7. Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85 2. Aspectos técnicos da redação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86 2.1. A apresentação gráfica geral do trabalho . . . . . . . . . . . . 86 2.2. A forma gráfica do texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 89 2.2.1. Textos datilografados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89 2.2.2. Textos digitados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 90 2.3. As citações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 106 2.4. As notas de rodapé . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109 2.5. Referências no corpo do texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 112 2.6. A técnica bibliográfica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113 2.6.1. Observações referentes à indicação do autor. . . .. 116 2.6.2. Observações quanto ao título dos escritos . . . . . .. 119 2.6.3. Observações quanto à edição do documento 122 2.6.4. Observações quanto ao local de publicação . . . . . . 122 2.6.5. Observações quanto à editora . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123 2.6.6. Observações quanto à data . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 123 2.6.7. Observações quanto à indicação do número de páginas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124 2.6.8. Observações gerais sobre alguns casos especiais . 124 2.6.9. Referenciação bibliográfica de documentos registrados em fontes eletrônicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125 3. Formas de trabalhos cientzficos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128 3.1. Trabalho científico e monografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 128 3.2. Os trabalhos didáticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129 3.3. O resumo de textos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130 3.4. A resenha bibliográfica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 131 Capítulo VI A INTERNET COMO FONTE DE PESQUISA . . . . . . . . . . . . . . 133 1. A pesquisa cientzfica na Internet . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138 2. O correio eletrônico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139 Capítulo VII OBSERVAÇÕES METODOLÓGICAS REFERENTES AoS TRABALHOS DE PÓS-GRADUAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143 7
  6. 6. 1. Qualidade e formas dos trabalhos exigidos nos cursos de pós-graduação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145 1.1. Características qualitativas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 145 1.2. Ciência, pesquisa e pós-graduação . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 149 1.3. A tese de doutorado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 150 1.4. A dissertação de mestrado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151 1.5. O ensaio teórico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152 1.6. Caráter monográfico e coerência do texto . . . . . . . . . . . . 153 2. O processo de orientação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 154 3. O projeto de pesquisa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157 3.1. Quanto ao título do projeto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 160 3.2. Determinação e delimitação do tema e do problema da pesquisa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 161 3.3. A formulação das hipóteses . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 161 3.4. Explicitação do quadro teórico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162 3.5. Indicação dos procedimentos metodológicos e técnicos . 162 3.6. Estabelecimento do cronograma de pesquisa . . . . . . . .. 162 3.7. Indicação da bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163 4. Observações técnicas especificas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164 5. Outras exigências acadêmicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 173 5.1. Resumos técnicos de trabalhos científicos . . . . . . . . . . . . 173 5.2. Os relatórios técnicos de pesquisa . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 174 5.3. O memorial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 174 6. Atividades cientificas extra-acadêmicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177 7. As exigências éticas da pesquisa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 180 Capítulo VIII OS PRÉ-REQUISITOS LÓGICOS DO TRABALHO CIENTÍFICO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183 1. A demonstração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 184 2. O raciocínio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186 2.1. A formação dos conceitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 187 2.2. A formação dos juízos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190 2.3. A elaboração dos raciocínios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 191 3. Processos lógicos de estudo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 193 CONCLUSÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 195 8
  7. 7. ANEXO Revistas, dicionários especializados, bibliografias e metodologia de pesquisa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. 197 1. As revistas científicas brasileiras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 198 2. Dicionários especializados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 245 3. As bibliografias especializadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256 4. A metodologia da pesquisa nas diversas áreas científicas. 258 BIBLIOGRAFIA COMENTADA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 262 ÍNDICE DE ASSUNTOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 273 OBRAS DO AUTOR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279
  8. 8. PREFÁClO À 21° EDIÇÃO Vem a público, neste emblemático limiar de uma nova era, esta edição do Metodologia do Trabalho Científico, livro já conhecido de tantos colegas professores e estudantes universitários, em todo o território nacional. Ao completar seus 25 anos, este manual vem recebendo uma crescente acolhida por parte da comunidade acadêmica, o que, certamente, aumenta minha responsabilidade como autor, no sentido de atender continuamente às demandas do público que o prestigia, procedendo às necessárias revisões e atualizações de seu conteúdo. Para comemorar este significativo aniversário, e por reconhecer a constante mudança de todos os aspectos envolvidos nos processos de ensino e de aprendizagem, bem como a historicidade do próprio conhecimento e buscando sempre aprimorar a qualidade dos subsídios didáticos deste instrumento de trabalho, preo- cupo-me sempre, apesar das restrições de tempo, em mantê-lo o mais atualizado possível. É por isso que estou procedendo a algumas alterações no texto da presente edição, em decorrência de novas demandas e de avaliações permanentes que faço desta minha proposta. Sem dúvida, a entrada em cena das novas tecnologias informáticas é um dos fatos mais marcantes para a vida acadêmica e cultural dos últimos anos, uma vez que a disponibilidade para professores e estudantes desses poderosos recursos computacionais ganha cada vez mais uma abrangente universalização. Indiscutíveis são as implicações desse aporte tecnológico para nossas tarefas do cotidiano universitário e para nossa lide diuturna com os compromissos científicos e culturais. Tal situação e as novas possibilidades para a vida acadêmica não poderiam estar ausentes de um texto de orientação didático-cientifica como este. Assim sendo, nesta edição estão sendo introduzidos elementos metodológicos e 11
  9. 9. técnicos para o melhor aproveitamento desses recursos, visando assim fornecer, aos que ainda dela necessitarem, uma introdução bem direta e prática ao manuseio da nova ferramenta. Tais subsídios estão formulados sob uma incisiva preocupação didática, expressando a maneira mais simples a ser adotada por um usuário comum: se, de um lado, tal modo de proceder não explora a infinidade de recursos que os microcomputadores pessoais podem nos fornecer, de outro, em contrapartida, permite ao novo usuário aproveitar ao máximo essa poderosa ferramenta para suas tarefas regulares. Após dominar as capacidades rotineiras do trabalho pelo computador, o usuãrio pode ir desenvolvendo, aos poucos, os demais recursos do seu micro, no sentido de potencializar e aprimorar o seu desempenho. Não se pretende apresentar aqui - pois nem seria o caso - uma introdução à informática, mas apenas algumas diretrizes bem práticas para orientar o seu uso no âmbito das atividades acadêmicas e cientificas. Nesta primeira abordagem, a contribuição básica do microcomputador será destacada em duas frentes: num primeiro momento, como ferramenta de digitação dos textos, meio atualmente mais utilizado por professores e alunos, que tem agilizado em muito' sua produção escrita; num segundo momento, será ressaltada a incomparável contribuição a pesquisa trazida pela Rede Internet, viabilizando o acesso direto e rápido a um número incalculável de fontes documentais, bem como possibilitando o contato dos estudiosos entre si. Foram então introduzidas nesta edição diretrizes bem práticas para se usar o computador como ferramenta de elaboração dos textos, de intercâmbio entre pesquisadores e de busca de fontes. Por outro lado, estou eliminando, a partir desta edição, a listagem das editoras, com as respectivas informações, endereços e linhas de publicação. A avaliação mostrou que tal tipo de informação não se revelou muito útil para estudantes e professores. Também tem-se verificado uma impossibilidade real acompanhar o intenso processo de surgimento e de desaparecimento das editoras no país, o que impede manter bem atualizada e completa essa relação. Isso vem sendo conseguido pela Câmara Brasileira do Livro, que coloca ã disposição do público catálogos continuamente atualizados e muito mais completos das editoras brasileiras. Ademais, a própria Internet viabiliza atalhos mais eficazes para a identificação e localização de informações editoriais, permitindo a utilização direta de variados bancos de dados. Foram feitas outras revisões no conjunto das diretrizes apresentadas pelo lzvro, incluindo um maior cuidado em aproximar minhas orientações 12
  10. 10. referentes às técnicas bibliográficas, daquelas fornecidas pela ABNT, com vistas a reforçar uma saudável padronização das normas de referenciação. Foram incluídas ainda diretrizes para a elaboração de resumos técnicos. Estas alterações, destinadas a manter atualizadas as diretrizes téc- nico-metodológicas do livro, não afetam, no entanto, a sua preocupação central. Com efeito, a significação essencial deste texto e' a de ser um subsídio para o estudante tornar seu aprendizado num criterioso processo de construção do conhecimento, o que só pode ocorrer se ele conseguir aprender apoiando-se constantemente numa atividade de pesquisa, pra- ticando uma postura investigativa. Só se aprende ciência praticando a ciência; só se pratica a ciência praticando a pesquisa, e só se pratica a pesquisa trabalhando o conhecimento a partir das fontes apropriadas a cada tipo de objeto. Construir o objeto do conhecimento e' apreendê-lo em suas próprias fontes, em sua particularidade: não e' contemplá-lo ou intuí-lo em sua essência, nem representá-lo abstratamente; ou melhor, a sua representação abstrata não e' um ponto de partida, é um ponto de chegada, e o resultado de uma construção feita com os dados e elementos fornecidos pela fonte na qual o objeto se realiza concretamente. Todas as diretrizes aqui apresentadas, desde as mais técnicas e operacionais, visam apenas subsidiar o aluno a instaurar sua postura de pesquisador, postura investigativa que o leve a buscar as fontes para a construção do conhecimento e assim realizar sua aprendizagem. Elas estão a serviço da função epistêmica, ou seja, só têm sentido se forem boas ferramentas para o exercício do conhecimento bem construído. Por outro lado, é preciso ver ainda que o conhecimento só se legitima como mediação para o homem bem conduzir sua existência. Cabe-lhe o compromisso de evidenciar a intencionalidade de nossa exis- tência, para orientá-la rumo a uma qualidade de vida que esteja ã altura de nossa dignidade de pessoas humanas. E por isso que se diz que seu compromisso e' com a construção da cidadania, entendida esta hoje como a única forma decente de sermos plenamente humanos. O Autor São Paulo, 2000 d. C. 13
  11. 11. Dados Internacionais de catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Severino, Antônio Joaquim, 1941- Metodologia do trabalho científico - Antônio Joaquim Severino. - 21. ed. rev. e ampl. - São Paulo : Cortez, 2000. Bibliografia. ISBN 85-249-0050-4 1. Metodologia. 2. Métodos de estudo. 3. Pesquisa. 4-. Trabalhos científicos - Redação. 96-0489 CDD-001.42 Índices para catálogo sistemático: 1. Metodologia da pesquisa 001.42 2. Pesquisa : Metodologia 001.42

×