Peça de Teatro “Intemporalidade do Amor”<br />Peça baseada na obra “A Trança de Inês”, de Rosa Lobato Faria<br />Manicómio...
PeçA De Teatro
PeçA De Teatro
PeçA De Teatro
PeçA De Teatro
PeçA De Teatro
PeçA De Teatro
PeçA De Teatro
PeçA De Teatro
PeçA De Teatro
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

PeçA De Teatro

1,889 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,889
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
10
Actions
Shares
0
Downloads
37
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

PeçA De Teatro

  1. 1. Peça de Teatro “Intemporalidade do Amor”<br />Peça baseada na obra “A Trança de Inês”, de Rosa Lobato Faria<br />Manicómio<br />Acto I<br />Cena I (Pedro e guarda-enfermeiro)<br />Pedro, no seu quarto do manicómio, está deitado sobre o lado esquerdo, de olhos fechados, imóvel, enquanto o guarda-enfermeiro o observa, esperando que o doente adormeça.<br />Pedro (em voz baixa, imaginando que fala com Inês) – Meu amor! Vem! Desmancha a tua trança, espalha os teus cabelos louros sobre o meu rosto, desliza por cima de mim e inunda-me com o teu singularíssimo perfume. <br />(o guarda-enfermeiro aproxima-se e Pedro finge que está a dormir)<br />Guarda-enfermeiro (ironicamente) – O doutorzinho está à tua espera, lazarento! Levanta-te imediatamente!<br />Acto II<br />Pedro, psiquiatra e enfermeiro<br />Psiquiatra (inquirindo Pedro) – Que idade tinha quando os seus pais morreram?... Como reagiu?... Sente-se culpado?...<br />Pedro (exaltado) – Ninguém morreu, nunca ninguém morre, só quem nós matámos na memória, no pensamento e no coração.<br />Psiquiatra – Senhor Pedro santa Clara, viu o seu pai morto, a sua mãe, algum irmão, diga-nos o que sentiu?<br />Pedro – Não senti nada, fui eu que os matei no coração e no pensamento…<br />Psiquiatra – Tente lembrar-se! Queremos perceber a sua infância… Alguém abusou de si?<br />Pedro (exaltado) – Não me lixem os cornos…. Doutor vá passear…. Vá chatear outro com essas filosofias de Freud desenterrado<br />Psiquiatra – O senhor Santa Clara não precisa de me ofender, acalme-o, senhor enfermeiro!<br />(o enfermeiro agarra Pedro, enquanto este exaltado se tenta libertar)<br />Enfermeiro (agressivamente) – Cala-te, cabrão, se não queres ir para a cela à prova de som metido numa camisa-de-forças, o senhor doutor só te quer ajudar minha besta!<br />Pedro (tentando libertar-se dos braços do enfermeiro) – Este doutorzinho saído dos cueiros não percebe nada, não sabe quem eu sou….<br />Enfermeiro (ironicamente) – Pois, já sabemos que és o D. Pedro, maluco de merda, responde ao senhor doutor, responde, responde, responde, responde, responde.<br />Pedro (gritando) – Eu sou D. Pedro I, o Cru, que não descansa, que não dorme, o que arrasta a amada pelas noites fantasmagóricas do seu reino, o que manda acender fogueiras para acender-lhe o corpo gelado…. Inês, Inês, Inês, somos para sempre, da vida e da morte, para sempre, para sempre, (com a voz desvanecendo) somos senhores do tempo. Inês, Inês…<br />(O enfermeiro espeta uma injecção ao acaso no corpo de Pedro e o grito de Pedro por Inês se vai desvanecendo)<br />PRESENTE<br />ActoIII<br /> (Analepse - Pedro de fato em sua casa com Constança a tomar o pequeno almoço antes de ir para o trabalho. Constança começa a reclamar com Pedro que se mostra indiferente a ela.)<br />Constança (com um roupão velho e despenteada ) – Pedro, são os anos da minha tia, e sabes que ela não gosta de servir o jantar depois das nove. Se te atrasares não posso esperar por ti, estou farta de fazer tristes figuras por tua causa. Vais querer tomar banho, mudar de fato e podias mandar a tua secretária telefonar à florista, porque o presente que comprei é demasiado simples. Pedro, estás a ouvir-me?<br />Pedro (indiferente, a levantar-se e dirigindo-se para a porta) – Não, não estou a ouvir! Agora não estou com cabeça para te aturar. Liga-me mais tarde, pode ser que perceba a tua invenção do dia para me chateares.<br />Constança (indignada) – O quê Pedro? O que estás para aí a dizer? (Pedro fecha a porta deixando Constança a falar sozinha)<br />Acto IV<br />cenaI<br />(Pedro no escritório a trabalhar e entra a D. Zilda, sua secretária)<br />D. Zilda (a entrar com muito cuidado para não fazer barulho) – Senhor doutor o cafezinho, se o doutor me desse licença precisava que me ouvisse num instante, um minutinho só.<br />Pedro – Já desisti de explicar à D. Zilda que não sou doutor…<br />D. Zilda – Se o doutor permitisse, eu ausentava-me três dias para cuidar da minha mãe que tem noventa anos e apanhou uma forte gripe. Entrou uma moça nova para as relações públicas que também tem formação em secretariado. Eu já lhe falei e se o senhor não se importar ela fica a substituir-me na minha ausência.<br />Pedro – Está autorizada, D. Zilda, mande cá a menina das relações públicas e vá descansada.<br />D. Zilda – Fico-lhe muito grata, senhor doutor e já liguei para a florista, está resolvido o assunto da D. Constança.<br />(D. Zilda sai e batem à porta)<br />Inês – Com licença, venho saber no que posso ajudá-lo, o meu nome á Inês.<br />(Pedro abismado com a beleza de Inês não fala e a cena termina com o olhar de apaixonado de Pedro no momento em que vê Inês)<br />Passado 1335<br />Cena1<br />(D. Afonso, D. Teresa e D. Pedro aguardam no castelo a chegada de D. Constança, futura esposa de D. Pedro, que se faz acompanhar por D. Inês, sua melhor amiga e dama de companhia)<br />D. Afonso – Pedro este casamento é muito importante para as nossas relações com Castela, por isso vê lá como te comportas!<br />D. Pedro – Está bem meu pai, não se preocupe que não o vou desiludir!<br />(é anunciada a entrada de D. Constança, que surge acompanhada pela sua dama de companhia)<br />D. Afonso – É com muito gosto que a recebo no meu castelo, que futuramente também será o seu! Este é o meu filho Pedro! <br />D. Constança (faz uma vénia) – Muito prazer em conhecê-lo meu príncipe! <br />(Pedro beija a mão de D. Constança mas não consegue tirar os olhos da sua dama de companhia por quem fica perdidamente deslumbrado, mostrando-se indiferente a D. Constança)<br />Cena II<br />(Pedro às escondidas encontra-se com D. Inês no jardim do castelo)<br />D. Pedro (a chegar ao jardim abraçando) – Inês, Inês, não imaginas as saudades que tinha de te abraçar e beijar…<br />D. Inês (preocupada, afasta Pedro) – Pedro a nossa relação tem de terminar. A D. Constança convidou-me para ser a madrinha do vosso filho Luís, acabado de nascer, o que significa que eu e tu estamos unidos por laços familiares, tornando incestuosa qualquer relação física.<br />D. Pedro – Mas Inês eu não posso, não consigo estar longe de ti.<br />D. Inês (afastando-se) – Adeus meu príncipe, esta é a última vez que venho ao vosso encontro, vou partir para Albuquerque, para a Galiza, para a casa de meus irmãos.<br />D. Pedro (desesperado, com as mãos na cabeça) – Inês não, não pode ser, não posso viver sem ti a meu lado. Volta meu amor…<br />Presente<br />No Escritório começam a surgir as intrigas sobre o romance de Pedro Santa Clara com Inês. D. Zilda conversa com outra funcionária do escritório.<br />D. Zilda – Sabias que essa serigaita que anda metida com o Dr. Pedro é da família dos Castros. Ela é provavelmente uma espiã dessa família inimiga e concorrente da empresa dos Santa Clara. <br />Func. Do escritório (espantada) – Será D. Zilda? Não está enganada?<br />D. Zilda - Sei de fonte segura, que esta serigaita não está aqui para outra coisa que não seja fingir que se interessa pelo patrão Pedro, para arrancar-lhe segredos, espiar, reportar aos parentes, penetrar nesse códigos que se escondem nos computadores, liquidar a nossa economia, arruinar-nos.<br />Manicómio<br />Pedro passa a ser acompanhado por um psiquiatra mais velho que conversa com ele de forma civilizada e manda que lhe devolvam as telas de pintura.<br />Psiquiatra – Pedro, fale-me do seu pai… ele é um grande empresário, deve ser uma pessoa muito ocupada?<br />Pedro – É. O negócio dele é a construção e exploração de supermercados e de centros comerciais. Mas isso foi só depois de ter mandado matar o sócio…<br />Psiquiatra (assustado) – Doutor Pedro Santa Clara, o senhor avalia a enormidade do que está a dizer?<br />Pedro – Não é enormidade nenhuma. O meu pai manda matar pessoas. É um processo prático e limpo de nos livrarmos dos empecilhos. O que aliás é normal quando se é rei. Ouvem-se os conselheiros, alegam-se razões de estado, independência nacional… Em todas as épocas se fez isso. Eu próprio o fiz e não espero ser condenado por isso. Fi-lo em nome da mais elementar justiça. Por que ficariam impunes os algozes da minha amada? Como poderia eu viver sabendo que comiam, riam e fornicavam enquanto a minha Inês (começa a soluçar e o enfermeiro dá-lhe uma injecção).<br />Pedro num dos quartos do manicómio está a pintar uma tela e aparecem os seus seis amigos da tertúlia. A Poetiza Velha entra a declamar um poema de Camões e os restantes espalham-se pela sala e entretêm-se a falar sozinhos.<br />Poetiza Velha (a declamar o poema) – O amor é fogo que arde e não se vê, é ferida que dói e não se sente é…<br />Maestro (interrompe a poetiza e começa a cantar a tocar no seu piano imaginário) – O Amoooor, Amoooor….<br />Pedro – Sabes maestro, eu vivi noutro tempo…<br />Maestro – Claro, eu também!<br />Pedro (admirado) – E onde viveu, caro maestro?<br />Maestro – Na Viena de Áustria do final do séc. 13, privei intimamente com Bethoven. Sabe os espíritos superiores viajam no tempo. Por isso, o amigo esteja à vontade, não me surpreende…<br />Pedro – Obrigado Maestro, agradeço a sua confiança em mim. Sabe eu entrei para a escola em 2020 e foi nessa altura que conheci Inês…<br />Futuro – século XXII<br />Pedro e Inês encontram-se na escola às escondidas e conversam de forma muito próxima e cúmplice.<br />Pedro (preocupado) – Meu amor temos de resistir a estes encontros, pois caso contrário nunca ascenderemos ao grau XIS de cidadãos…<br />Inês (cansada) – Pedro como é difícil viver neste planeta que nos rotula à nascença e onde é mais importante salvar a natureza do que o homem, condenando-nos a pena de morte por poluirmos as águas, derrubarmos árvores, incendiarmos florestas e por termos relações amorosas com membros de outras classes.<br />Pedro (agarrando a mão de Inês)– Meu amor tens de ter paciência, sabes muito bem que se formos bons alunos, se tivermos uma alimentação saudável e se aguentarmos o exigentíssimo programa de desenvolvimento físico, deixaremos de ser cidadãos ípisilon e ascenderemos ao grau Xis, sendo-nos permitido fundar uma família.<br />Inês – Tens razão Pedro, temos de ter mais cuidado e temos de nos sacrificar mais pelo nosso futuro. Como correu a conversa de ontem com o senhor juiz, teu pai?<br />Pedro – O de sempre… Ele não compreende o nosso amor, considera que eu ao relacionar-me contigo estou a jogar fora a minha classificação. Além disso, ele está sempre a relembrar-me que no nosso sistema a paixão é interpretada como um desequilíbrio mental.<br />Inês (preocupada)– Mas Pedro tu sabes que podes ser punido por amares uma mulher de classe inferior e eu prefiro não te ter do que a ver-te na prisão…<br />Pedro – Está bem Inês, vamos então fingir que somos indiferentes um ao outro e dedicarmo-nos aos estudos fervorosamente para alcançarmos a categoria de cidadãos XIS e sermos felizes…<br />Presente<br />Quando os Santa Clara perderam o concurso e construção de três novos supermercados para os Castros, Afonso despede Inês. Inês e Pedro encontram-se num café.<br />Inês – Pedro, o teu pai despediu-me! Ele acha que eu sou uma espiã dos Castros e por minha causa vocês perderam o concurso e a construção de três novos supermercados. Vou-me afastar por uns tempos de Lisboa…<br />Pedro (preocupado) – Meu amor é tudo mentira, eles querem acabar com o nosso amor não podemos deixar que isso aconteça!<br />Inês – Pedro, vou uns dias para uma quinta da minha família que se situa perto de Viana do Castelo e vim aqui para me despedir de ti!<br />Pedro – Inês, Inês…<br />Pedro e Inês abraçam-se muito emocionadamente<br />Futuro – século XXII<br />Último dia de aulas, momento em que Inês e Pedro recebem o cartão de cidadão e se encontram na casa de um casal amigo para dar a notícia. Pedro bate à porta e Inês abre com euforia.<br />Pedro – (truz, truz) – Inês, sou eu, o Pedro, meu amor…<br />Inês (eufórica) – Pedro, Pedro consegui, consegui, tenho um cartão XIS vamos poder formar a nossa família…<br />Pedro (triste e distante) – Inês… no relatório do meu cartão diz que me foi detectado um sobressalto amoroso, um desvio de comportamento semelhante à paixão, uma perturbação mental.<br />Inês (desesperada) – O que queres dizer com isso Pedro?...<br />Pedro (calmamente) – Meu amor recebi um cartão ípsilon… vais ter que acasalar com outro continuador, tens três anos para escolher e ser escolhida e o resto da vida para me esqueceres…<br />Inês – Não Pedro não pode ser eu prefiro descer de classificação a ficar com outro que não tu…<br />Pedro – Inês, eu vou ter que lutar pela minha sobrevivência sem atestado de esterilidade. Vou ter que atravessar os dias com esta cruz às costas. Talvez me prendam por vagabundagem. Talvez me condenem à morte…<br />Inês (abraçando Pedro a chorar) – Não Pedro não pode ser. Eu esforcei-me tanto para estar à tua altura, e agora tenho nojo deste maldito cartão XIS, queria queimá-lo e voltar a fazer figura de estúpida nas aulas…<br />Pedro e Inês abraçam-se e saem<br />Manicómio<br />Os seis amigos encontram-se novamente na tertúlia, enquanto que o Pedro está a pintar uma tela.<br />Ex-Dirigente Desportivo (a fazer de conta que está a atender o telemóvel, imita o som e tira-o do bolso) – Estou, estou, Quem é? Não falam? Ah! É você… (Aos gritos) O quê? Mas eu assinei o cheque, perguntem à contabilidade como é que ele pode ir dizer para a televisão que não lhe pagámos, isso é falso, é a conspiração do costume contra mim, porque sou bom, sou inteligente, sou rico, sou bonito, sou diabético, visto roupa italiana, tenho cabelo oleoso, ninguém me ganha e sou mais esperto (desliga o telemóvel e guarda-o no bolso).<br />O dirigente põe as mãos na cabeça e cai imóvel no chão<br />Maestro – Está morto! O que vamos fazer?<br />Poetiza - Vamos colocar o corpo no armário para que ninguém o veja!<br />Realizador de Cinema – Não, esses malditos enfermeiros descobrem tudo, o melhor é enterrarmos o corpo.<br />Pedro – Eu não me posso meter nisso, pois eu já estou rotulado aqui como um necrófilo e vão logo pensar que eu quero esse despejo para mim. E eu não quero um morto no meu ateliê. Maestro e realizador tirem-no daqui!<br />(O maestro e o realizador começam a pegar no dirigente e este começa a mexer-se)<br />Poetiza – Olhem o morto ressuscitou…<br />Ex-Dirigente (a acordar) – Desculpem o susto eu pensei que estava a defecar na sanita e não sei o que me deu!<br />Risos de todos os colegas<br />Passado<br />Cena III<br />(D. Pedro vai ter com D. Inês a Albuquerque, à Galiza. Inês Está passeando pelo jardim quando aparece D. Pedro eufórico)<br />D. Pedro (aproximando-se de Inês alegremente) – Meu amor não consigo mais viver sem ti e tenho boas novas.<br />D. Inês (afastando-se) – Meu senhor não podemos estar juntos, foi por minha causa que o seu filho D. Luís morreu. No baptizado D. Luís eu apenas balbuciei os votos de madrinha em vez de os dizer em voz alta, por isso o príncipe morreu e agora nasceu D. Fernando, mas é uma criança muito frágil. Isto é tudo culpa minha…<br />D. Pedro – Inês a D. Constança morreu de peste, já não há motivo para escondermos o nosso amor. Vem comigo viver para Portugal!<br />D. Inês – está bem meu príncipe também já não aguentava mais a tua ausência. Vamos, vamos ser felizes!<br />(Inês e Pedro saem)<br />Manicómio<br />(Pedro está deitado no sofá da sala de um técnico de hipnotismo que está a andar para a frente e para trás a resmungar para si sobre a loucura de Pedro)<br />Reinaldinho (exaltado) – Completamente incoerente, não percebo que raio de história este homem conta! Assim não consigo hipnotizá-lo para perceber a origem da sua doença mental…<br />(Vira-se para Pedro para falar com ele)<br />Reinaldinho – Descanse, relaxe e quando o disser três diga-me onde está e o que vê.<br />(Pedro Fecha os olhos e relaxa)<br />Reinaldinho – Relaxe, pense numa das suas outras vidas. Um, Dois, Três.. Onde está Pedro?<br />Pedro (assustado) – estou no meu quarto do meu apartamento do futuro, algo se está a passar porque estão a tocar à campainha….<br />Futuro – século XXII<br />Pedro no quarto a dormir acorda com um frenético bater na porta<br />Joana, amiga de Inês (exaltada) – Pedro, Pedro preciso falar contigo..<br />Pedro abre a porta ainda meio a dormir<br />Pedro – O que se passa Joana, que gritaria é esta?<br />Joana (exaltada) – Pedro a Inês foi presa…<br />Pedro (desesperado) – Presa? O que aconteceu?<br />Joana – A Inês está grávida e vai ser condenada à morte…<br />Pedro (desesperado com as mão na cabeça começa a gritar) – Não, não, não pode ser isto não nos está a acontecer…<br />Joana (com cuidado) – Pedro, eu ainda não acabei… A polícia deve estar a chegar à tua casa… Tu também foste sentenciado à morte por actividades subversivas contra o Governo. Tens de fugir o quanto antes!<br />Pedro (em estado de choque) – obrigado, Joana por me vires avisar…<br />Pedro fecha a porta a vai buscar e inalar o veneno. Pedro suicida-se, caindo para o chão<br />Pedro (já sem forças) – meu amor estaremos sempre juntos na vida e na morteee…<br />Manicómio<br />(Pedro está deitado no sofá aos gritos a chamar por Inês de olhos fechados, pois ainda está sob o efeito do hipnotismo, enquanto o Reinaldinho o tenta acalmar)<br />Pedro (aos gritos) – Não, não, não pode ser eu quero a minha Inês, isto não me está a acontecer….<br />Reinaldinho (segurando os braços de Pedro) – acalme-se Pedro, acalme-se que isso não aconteceu…<br />Pedro (sem forças) – Inês, Inês tiraram-te de mim…<br />Reinaldinho – Pedro não, isso não aconteceu, tente-se lembrar do seu passado e conte-me o que está a ver?<br />Pedro (calmo) – no passado eu fui o príncipe D. Pedro, o cru…<br />Reinaldinho (irónico) – Sim Pedro, já me tinha dito antes … mas o que está a ver? Onde está?<br />Pedro – Eu estou no bosque a caçar, mas alguém está a chamar desesperadamente por mim, (desesperado) algo de mal está a acontecer…<br />Passado<br />D. Pedro está a caçar no bosque, quando de repente ouve alguém a chamar por ele exaltadamente.<br />Escudeiro de D. Pedro (aos gritos) – Alteza, alteza, senhor Dom Pedro… Senhor Dom Pedro, atendei por Deus…<br />D. Pedro (aparece com a caçadeira nas mãos) – O que se passa Homem?<br />Escudeiro (de gesto pesado e cabisbaixo) – senhor, Inês é morta.<br />D. Pedro (desembainha a espada exaltado para matar o escudeiro)– Que dizeis, sandeu. Que atrevimento é esse?<br />Escudeiro (com a cabeça baixa)– Matai-me senhor, que mil vezes queria estar morto do que trazer-vos tais novas. Mas a verdade que me cumpre dizer-vos é que El-Rei vosso pai mandou que matassem Inês. E os seus conselheiros Diogo Lopes, Álvaro Gonçalves e Pero Coelho assentiram todos…<br />D. Pedro (furioso) – O quê? Como é que eles foram capazes de erguer armas mortais contra uma mulher grávida, cuja única culpa era amar seu príncipe?<br />Escudeiro – O seu pai achava que vossa alteza estava louco, cego e surdo e que era mister banir da face da terra quem enlouquecia e cegava o infante. Além disso, ele considerava que o seu filho, D. Fernando, herdeiro ao trono, corria risco de vida se a D. Inês viesse a ser rainha…<br />D. Pedro (exaltado) - Meu pai e seus carrascos irão se arrepender do que fizeram. Não vou descansar enquanto não me vingar destes assassinos e coroar o meu amor como rainha de Portugal.<br />(D. Pedro sai enfurecido)<br />Presente<br />Inês regressa a Lisboa e encontra-se com D. Pedro no seu apartamento. Inês toca à campainha e os amantes abraçam-se.<br />Inês – Pedro, estou irremediavelmente apaixonada por ti já não aguentava mais a tua ausência.<br />D. Pedro – meu amor vamos viajar, sair daqui por uns tempos!<br />Inês – Pedro ofereceram-me um emprego numa multinacional e em breve estarei em S. Paulo a trabalhar. Vim cá para me despedir de ti.<br />Pedro (assustado) – Inês, vais me deixar?<br />Inês – Não, Pedro venho te convidar para ires ter comigo ao Brasil e para começarmos uma nova vida juntos.<br />Pedro – Meu amor eu vou para onde tu quiseres desde que esteja sempre contigo.<br />Inês – Pedro eu só vim para te fazer a proposta, agora tenho de ir tratar de alguns documentos… acompanhas-me até à porta?<br />Pedro – Claro meu amor.<br />(Inês abre a porta e é assassinada com um tiro caindo nos braços de Pedro)<br />Pedro – Inês, Inês meu amor não vou deixar que te levem…<br />(Pedro entra na loucura e fica com o cadáver de Inês julgando que ela ainda está viva, penteando-a, falando com ela, acarinhando-a. Pedro é encontrado pela polícia e levado para o manicómio)<br />Durante a captura da polícia, Pedro grita – Inês, Inês, Inês, eternamente Inês, e eu, Pedro, rei, filho de rei, pai e avô de reis, aqui te espero jacente na minha enxerga de louco, até ao dia em que, lance a minha demência sobre os carrascos do nosso amor, e os sufoque e os morda e os mate e lhes arranque com os dentes o coração do peito. Mas eu voltarei e voltarei pelos séculos dos séculos para seguir de rastos a tua trança enternecida de luz…<br />

×