12 sa5a - meu primeiro beijo

237 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
237
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
23
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

12 sa5a - meu primeiro beijo

  1. 1. SITUAÇÃO DEAPRENDIZAGEMA PARTIR DA LEITURA DO TEXTO “MEUPRIMEIRO BEIJO”, DE ANTONIO BARRETOROSÂNGELA MARIA DE BRITTOSILVANIA MARIA CONTEPÚBLICO ALVO: 8º e 9º anos do EnsinoFundamental
  2. 2. Meu Primeiro BeijoAntonio BarretoÉ difícil acreditar, mas meu primeiro beijo foi num ônibus, na volta da escola. E sabem com quem?Com o Cultura Inútil! Pode? Até que foi legal. Nem eu nem ele sabíamos exatamente o que era "o beijo". Só defilme. Estávamos virgens nesse assunto, e morrendo de medo. Mas aprendemos. E foi assim...Não sei se numa aula de Biologia ou de Química, o Culta tinha me mandado um dos seus milhares debilhetinhos:" Você é a glicose do meu metabolismo.Te amo muito!Paracelso"E assinou com uma letrinha miúda: Paracelso. Paracelso era outro apelido dele. Assinou com letrinhatão minúscula que quase tive dó, tive pena, instinto maternal, coisas de mulher...E também não sei por que: resolvidar uma chance pra ele, mesmo sem saber que tipo de lance ia rolar.No dia seguinte, depois do inglês, pediu pra me acompanhar até em casa. No ônibus, veio com oseguinte papo:- Um beijo pode deixar a gente exausto, sabia? - Fiz cara de desentendida.Mas ele continuou:- Dependendo do beijo, a gente põe em ação 29 músculos, consome cerca de 12 calorias e acelera ocoração de 70 para 150 batidas por minuto. - Aí ele tomou coragem e pegou na minha mão. Mas continuou salivandoseus perdigotos:- A gente também gasta, na saliva, nada menos que 9 mg de água; 0,7 mg de albumina; 0,18 g desubstâncias orgânica; 0,711 mg de matérias graxas; 0,45 mg de sais e pelo menos 250 bactérias...Aí o bactéria falante aproximou o rosto do meu e, tremendo, tirou seus óculos, tirou os meus, e ficamosnos olhando, de pertinho. O bastante para que eu descobrisse que, sem os óculos, seus olhos eram bonitos eexpressivos, azuis e brilhantes. E achei gostoso aquele calorzinho que envolvia o corpo da gente. Ele beijou apontinha do meu nariz, fechei os olhos e senti sua respiração ofegante. Seus lábios tocaram os meus. Primeiro deleve, depois com mais força, e então nos abraçamos de bocas coladas, por alguns segundos.E de repente o ônibus já havia chegado no ponto final e já tínhamos transposto , juntos, o abismo doprimeiro beijo.Desci, cheguei em casa, nos beijamos de novo no portão do prédio, e aí ficamos apaixonados por vária semanas. Atéque o mundo rolou, as luas vieram e voltaram, o tempo se esqueceu do tempo, as contas de telefone aumentaram,depois diminuíram...e foi ficando nisso. Normal. Que nem meu primeiro beijo. Mas foi inesquecível!BARRETO, Antonio. Meu primeiro beijo. Balada do primeiro amor. São Paulo: FTD, 1977. p. 134-6.
  3. 3. ANTES DA LEITURA1º Passo: O professor, antes da leitura faz perguntas quetrabalhem, por meio da oralidade:A ativação de conhecimento de mundo;A antecipação ou predição;O levantamento de hipóteses.Questões sugeridas:1- Levando em consideração o título, do que você achaque irá tratar o texto?2- Quais são os sentimentos ou sensações que surgemno momento do primeiro beijo?3- Você já passou por esta experiência? Lembra o quesentiu no momento?
  4. 4. Obs.: O professor também pode trabalhar com a tempestade de palavras eanotar na lousa todos os sentimentos que os alunos forem relacionando aomomento do primeiro beijo:
  5. 5. DURANTE A LEITURA2º Passo: Leitura do textoO professor pode ler com os alunos o texto fazendoparadas estratégicas para criar expectativa aosacontecimentos. Por exemplo, pode ler o primeiroparágrafo e perguntar aos alunos se já dá parasaber se o narrador da história é um garoto ouuma garota. Pode perguntar também comoacham que foi o primeiro beijo das personagens.Pode perguntar se, observando o bilhete que oCultura Inútil escreveu e a fala dele, é possíveldescrevê-lo psicologicamente.
  6. 6. DEPOIS DA LEITURA3º Passo: Após a leitura o professor pode fazer algumas perguntas orais ou escritas para retomar oentendimento do texto lido, trabalhando:A LOCALIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES NO TEXTO;A COMPARAÇÃO DE INFORMAÇÕES;GENERALIZAÇÕES1 – Como pudemos observar o texto narrou a experiência do primeiro beijo entre um casal deadolescentes. Com base na leitura que você fez aponte:a) Quem narra a história?b) Quem são as personagens envolvidas?c) Onde se passam os acontecimentos narrados?d) Quando aconteceu o primeiro beijo?2- Para a protagonista, como foi a experiência do 1º beijo? Aponte trechos do texto que comprovem suaresposta.3- Localize no texto em que momento podemos perceber, além do bilhete, que o “Culta” era apaixonadopela protagonista?4 - A narradora da história finaliza o texto com um pensamento sobre o que sentiu no seu primeiro beijo,que foi um momento muito marcante: “Mas foi inesquecível”. Você já deve ter passado por outrasexperiências marcantes. Seria capaz de citá-las Quais são?
  7. 7. DEPOIS DA LEITURA4º Passo: O professor pode trabalhar, por meio de questões escritas:A PRODUÇÃO DE INFERÊNCIAS LOCAIS E GLOBAIS;1 - No texto, alguns elementos nos permitem afirmar que aspersonagens são adolescentes. Que elementos são estes?2 –Atente-se para os apelidos “Cultura Inútil” e “Paracelso”, referentesao garoto. O que eles nos possibilitam deduzir sobre a personalidadedeste personagem? Cite outras características que comprovem suaresposta.Ou2- Pela fala do “Culta” é possível traçar o perfil dele? Que tipo de pessoaele parece ser?3 – Anafórico, genericamente, pode ser definido como uma palavra ouexpressão que serve para retomar um termo já expresso no texto, outambém para antecipar termos que virão depois. No texto em questãoos termos anafóricos são usados para evitar repetições. Exemplifiquecomo o autor faz uso deste recurso em relação à personagemmasculina.
  8. 8. DEPOIS DA LEITURA5º Passo: trabalhar a RECUPERAÇÃO DO CONTEXTO DEPRODUÇÃO.1 – Na referência bibliográfica, ao final do texto, há informaçõesimportantes. Por meio delas, indique:a) Quem é o autor do texto? Você já o conhecia? Já leu outro textodele?b) Em que gênero podemos enquadrar o texto “Meu primeiro beijo”.Em que você se baseou para dar sua resposta?Obs.: O professor pode apresentar o portador deste texto ao aluno:um livro e dizer ao aluno que o texto é, na verdade o capítulo deum livro:c) Considere o título do livro em que o texto foi publicado: “Baladado primeiro amor”. O que você acha que a narradora irá contarnos outros capítulos? Que histórias você imagina que ela irá noscontar?Obs: com esta questão o professor trabalhará com a expectativa deleitura do livro.
  9. 9. DEPOIS DA LEITURA6º Passo: INTERTEXTUALIDADE e INTERDISCURSIVIDADE.O professor pode propor a leitura de duas músicas e de outrostextos, em seguida, fazer alguns questionamentos a respeitodo modismo “ficar”, trabalhando, assim a argumentação pormeio da oralidade.1- Em qual das duas músicas encontramos a mesma temáticado texto “Meu primeiro beijo”? Justifique sua resposta.2 – Após a leitura dos textos, qual é a sua opinião sobre ocampeonato de beijos, mencionado no texto “Geração Beijona Boca”?3 - Você é a favor ou contra a “Ficação”? Por quê?4 – Segundo o texto “Descubra os riscos de sair beijando todomundo durante folia”, o ato de beijar desta forma podetrazer consequências sérias. Quais são elas? Por quê?
  10. 10. Aquele beijo que te deiRoberto CarlosAquele beijo que te deiNunca, nunca mais esquecereiA noite linda de luarLua testemunha tão vulgarAquele beijo que te deiNunca, nunca mais esquecereiA noite linda de luarLua testemunha tão vulgarLembro de você e fico tristeAté me dá vontade de chorarDe lembrar que o amor não mais existeNão mais existe mas eu sempre hei de te amarLembro de você e fico tristeAté me dá vontade de chorarDe lembrar que o amor não mais existeNão mais existe mas eu sempre hei de te amarAquele beijoNunca mais esquecereiO beijo que te deiLembro de você e fico tristeAté me dá vontade de chorarDe lembrar que o amor não mais existeNão mais existe mas eu sempre hei de te amarLembro de você e fico tristeAté me dá vontade de chorarDe lembrar que o amor não mais existeNão mais existe mas eu sempre hei de te amarAquele beijoNunca mais esquecereiO beijo que te deiNunca mais esquecereiO beijo que te deiLink: http://www.vagalume.com.br/roberto-carlos/aquele-beijo-que-te-dei-1965.html#ixzz2Pdq4LfB7Beijar na bocaCláudia LeiteEu estava numa vida de horrorCom a cabeça baixa sem ninguém me dá valorAndava atrás (thururu) da minha paz (thururu)Agora que mudou a situaçãoChoveu na minha horta vai sobrar na plantaçãoDeixei pra traz (thururu), pois tanto faz (thururu)(Refrão)Eu quero mais é beijar na bocaEu quero mais é beijar na boca (eu quero mais)Eu quero mais é beijar na bocaE ser feliz daqui pra frente... Pra sempre (2x)Já me livrei daquela vida tão vulgarMe vacinei de tudo que podia me pegarCorri atrás (thururu)Quem tenta faz (thururu)Eu ando muito a fim de experimentarMeter o pé na jaca sem ter que me preocuparEu quero mais mais mais mais...(Refrão)Eu quero mais é beijar na bocaEu quero mais é beijar na boca (eu quero mais)Eu quero mais é beijar na bocae ser feliz daqui pra frente...pra sempre (2x)Link: http://www.vagalume.com.br/claudia-leitte/beijar-na-boca.html#ixzz2PdqtNtw5
  11. 11. Geração beijo na bocaPor volta dos 13 anos, a garotada tenta ganhar um parceiro por hora. Mas os pais não precisam se desesperar:isso passaVALÉRIA PROPATOOs tempos decididamente são outros. "Ficar com" não é mais a menor forma possível de relacionamentoamoroso entre duas pessoas. O termo que os jovens inventaram para definir o contato físico sem nenhum compromisso,que pode durar alguns minutos e é movido apenas pelo desejo, está ficando velho. O átomo de uma relação agorachama-se ficação. Na mesma festa ou no mesmo dia, fica-se com um, dois, três, quatro... parceiros diferentes. Osprotagonistas desse código de relacionamento-relâmpago são uma garotada de classe média alta, entre 12 e 15 anos,que só quer saber de dar beijo na boca a noite inteira. Para preservá-los, ISTOÉ não os identifica.Bruna tem 14 anos e um incontável número de beijos no currículo. Recentemente, num show do grupoNegritude Junior, no Metropolitan, no Rio, ficou com oito rapazes. Nem ela sabe explicar como acontece. "Alguns, euestava a fim. Quando eu quero, faço com que o garoto perceba. Outros, me puxaram e me deram só um beijo. Todos delíngua, é claro. É muito bom!", diz. Para os pais, Bruna não conta nada. "Vão dizer que isso não é coisa de moça direitae não vou mais poder ir aos lugares." Rechonchuda, de seios grandes e rosto de anjo, Bruna acha tudo normal. "Osmeninos também fazem. Porque a gente não pode?"Campeonato Além de servir para testar os hormônios em ebulição, o troca-troca é uma contabilidade de conquistas. "Vintee três já quiseram ficar comigo numa festa, mas só fiquei com três. É bom, mas não tenho vontade de transar ainda",esbanja Maiha, 11 anos, corpo franzino e seios em formação. Quanto mais ficação, mais provas se têm de que se édesejado. E ninguém parece voltar para casa com solidão. "Agora pegar as garotas ficou mais fácil. Eu fico e dispenso.Já beijei três numa noite", exulta Daniel, 13 anos, no meio dos amigos.O comportamento desses jovens ainda não virou objeto de estudo, mas os especialistas não ousam aplaudi-lo."Ele é incentivado por uma sociedade erotizada, que valoriza o descartável. É perigoso", diz a psicóloga JacquelineChaves, autora do livroFicar com. A educadora Tânia Zagury chama o beija-beija de promiscuidade. "Está sedissociando o sexo do afeto. Não é saudável. Os pais dão liberdade sem orientação. Temem ser caretas e romper odiálogo."Oposição O beijo fast-food não espanta nenhum adolescente. Mas não são todos que se sentem atraídos por ele. "Égalinhagem e desvaloriza tanto o homem quanto a mulher. Não gostaria de namorar um garoto que passa de boca emboca", observa Gisele, 13 anos. A cabeleireira Valéria, 39 anos, não gostou de saber que sua filha Luíza, 13 anos, ficoucom três meninos num só dia. "Não acho tão certo, mas ela tem que vivenciar as coisas para saber o que quer. Nãoposso proibir", afirma. Numa viagem que fez a Brasília, Luíza trocou beijos com um garoto que conheceu num clubepela manhã, com um amigo no condomínio de sua amiga à tarde e, à noite, ficou com um caso antigo. Luíza dorme nasanta paz. Sem culpas. "Meu namorado ficou com outras e resolvi descontar. Não me arrependo porque beijar na boca éa melhor coisa do mundo e não tira pedaço." Não é uma opinião unânime, nem sequer entre os jovens. Convidada a darsua opinião sobre a velocidade das novas ficadas, a paulistana Patrizia, 16 anos, desculpou-se: "Não estou mais nessafase. Estou namorando e, para mim, ficar cada hora com um carinha perdeu a graça." Em outras palavras: isso passa.http://www.istoe.com.br/reportagens/29442_GERACAO+BEIJO+NA+BOCA
  12. 12. Descubra os riscos de sair beijando todo mundo durantefoliaCom uma mistura de ritmos, o maior bloco carnavalesco de João Pessoa, Muriçocas doMiramar, pretende atrair aproximadamente 450 mil foliões durante o desfile queacontece logo mais à noite, segundo os organizadores. A concentração será a partir das19h, na Praça das Muriçocas, no bairro Miramar. Os foliões devem ficar atentos aosriscos de beijar muitas bocas durante a folia.O beijo na boca pode transmitir desde uma simples gripe ou resfriado, até doenças maisgraves como hepatite B e turbeculose. O alerta para o período do carnaval, época emque as pessoas beijam vários parceiros desconhecidos, é do clínico geral e professor dodepartamento de medicina da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)Bernardino Geraldo Alves Souto. “Se estiver com sangramento, o risco aumenta aindamais”, afirmou.Segundo Souto, as doenças podem ser transmitidas pela cavidade oral ou nasal. “As virosesrespiratórias podem ser transmitidas pelo beijo na boca. Gripe, meningite, tuberculose,herpes é muito frequente e também a mononucleose, uma doença que começa com febre,ínguas pelo corpo, e pode evoluir para hepatite ou inflamação no baço”, explicou oprofessor.O ambiente escuro e úmido é propício para o desenvolvimento de várias bactérias. Deacordo com o cirurgião dentista Silvio Segnini, só na boca há mil bactérias diferentes.“Sem contar as que são desconhecidas. E o mau hálito pode ser um indicativo dessasbactérias ou de alguma afecção na garganta”, falou Segnini. A má conservação dentáriaé outro fator que amplia a probabilidade de transmissão.http://www.noticiapb.com/2013/02/descubra-os-riscos-de-sair-beijando-todo-mundo-durante-folia/
  13. 13. O beijo do dia da vitória dos EUA sobre oJapão na Segunda Guerra MundialA foto, publicada na revista americana Life, foitirada por Alfred Eisenstaedt no dia 14 de Agosto de1945 na Times Square, em Nova Iorque. O fotógrafoalega que perdeu as anotações sobre quem era ocasal. Em 1970, Edith Stain se apresentou como agarota da imagem e a revista começou uma caçapelo marinheiro atrevido, mas muitos declararamser o protagonista do beijo sem chegarem a umaconclusão.Quem foi Gustav Klimt?Artista austríaco, Gustav Klimt nasceu a 14 de julho de 1862, em Baumgarten, próximo de Viena, e morreu a 6 defevereiro de 1918, em Viena, vítima de apoplexia. Estudou na Escola de Artes e Ofícios de Viena entre 1876 e1883. Nesse mesmo ano fundou, juntamente com o irmão Ernst Klimt e com Franz Matsche, um atelier de pintura,especializando-se na execução de murais, pinturas para tetos ou para cenários.O seu trabalho inicial consistiu essencialmente em grandes murais para teatros, num estilo naturalista, de entre osquais se destacam o teto do Burgtheater de Viena (1886-1888) e as pinturas da escadaria do Museu de História deArte, também em Viena (1890-1892). As suas obras pictóricas mais conhecidas são O Beijo, uma pintura a óleo sobre tela datada de 1907-1908, onde oartista pinta um par romântico ornado por uma composição de mosaicos e elementos vegetalistas; e o Abraço, umprojeto para a decoração da casa Stoclet, concebido entre 1905 e 1909.A pintura de Klimt, um dos mais importantes pintores vienenses de inícios do século, teve significativasrepercussões na obra de alguns artistas do movimento expressionista, tais como o alemão Egon Schiele e oaustríaco Oskar Kokoschka.
  14. 14. DEPOIS DA LEITURA7º Passo: PERCEPÇÃO DE OUTRAS LINGUAGENS.O professor pode perguntar aos alunos se eles selembram de filmes, quadros, fotos, livros em que atemática fosse a questão do primeiro beijo.
  15. 15. A escultura "O beijo" (1887), doartista francês Auguste Rodin
  16. 16. O livro é uma coletânea de oito contos com um temamuito semelhante, o primeiro beijo. Com personagensprincipais diferentes e muito bom humor, o autor retratabem os medos e dificuldades desta importanteexperiência na vida de qualquer um. Os contosabrangem diferentes tipos de adolescentes e pré-adolescentes e suas características, desde a menina dointerior com dúvidas do tipo beijo engravida?, o garotonervoso que não consegue tirar a menina para dançar,um casal cujos aparelhos dentários atrapalham o beijo.Conta a história de Alex menino do interiorque se muda para a cidade grande e não consegue sehabituar ao novo modo de vida e nem a falta de atenção dosseus pais que começaram a trabalhar demasiadamente porquererem ter sempre mais.Alex conta um pouco dos seus sentimentos em relação atoda a mudança que ocorreu em sua vida e sua vontade deter tudo o que tinha antes. A história fala de sua "raiva" deBete, um garota de sua turma, que por incrível que pareça équem mais o apoia. Depois de certos acontecimentos elepercebe que não "odeia tanto assim" aquela menina.

×