Successfully reported this slideshow.

Tabela[1] nnn

284 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Tabela[1] nnn

  1. 1. Tabela matriz a utilizar para a realização da 1ª parte da tarefa, conforme indicações do Guia da Sessão<br />Conhecimento na áreaBiblioteca escolar DomínioAspectos críticos que a Literatura identificaPontos fortesFraquezasOportunidadesAmeaçasDesafios. Acções a implementarCompetências do professor bibliotecário. Por um lado deve ser especialista no tratamento, org. e difusão da inf. / um facilitador da utilização dos recursos. . Por outro, + do que fornecedor de inf., deve ser especialista do processo de ensino-aprendizagem (transformar inf. em conhecimento) e deve tb ser prof.(conhecedor de modelos pedagógicos). “To be a librarian today ,is to be a teacher” (Christina Tovoté, 2001). Conhecedor da literacia da inf. e do conhecimento.. Domínio das novas TIC, inovação, conhecimento dos currículos da escola.. Parceiro do prof. e do aluno “…por ejemplo, en relación com aspectos relevantes de las teorias del aprendizaje y los usos de las tecnologias educativas…trabajo multidisciplinario e innovación… facilitadores del aprendizaje…” (N.S. Tarragó). Promoção da leitura e formação de leitores para a vida.Bom relacionamento c/ corpo docente, facilidade em estabelecer algumas parceriasFormação desactualizada em teoria da aprendizagemRecente criação do cargo de PB a tempo inteiroAplicação de teorias / perfis demasiado ambiciosos, definidos por teóricos para paradigmas educativos diferentes do nosso…- Formação contínua- Mestrado em Gestão da Informação e das Bibliotecas EscolaresOrganização e Gestão da BE(vide recomendações do Gabinete RBE)Equipa coesa (professores + funcionária) e com experiência de trabalho na BECatálogo informatizado corresponde a menos de 50% do fundo documentalConhecimento do Porbase por 2 membros da equipaDispersão da equipa por múltiplas actividadesContinuação do trabalho de catalogaçãoGestão da Colecção. “…comprehensive knowledge of children’s literature, bibliographic control o f children’s book and knowledge of reading levels and interests of children at certain age levels”(61st IFLA General Conference, 1995) . (vide recomendações do Gabinete RBE ao nível da política documental)Levantamento de interesses dos leitores e dos professores. Monografias envelhecidas. Vasto espólio em VHS. Ausência de uma política documentalAquisição de um gravador VHS/DVDFalta de verba. “Convencer” a Direcção de que a BE é ponto nevrálgico na Escola. Cópias de segurança do espólio em VHS para DVD<br />A BE como espaço de conhecimento e aprendizagem. Trabalho colaborativo e articulado com Departamentos e docentes.. Ross Todd: as BEs devem ser espaços onde se constrói o conhec. e não apenas locais onde se recolhe a inf.; “…a inf. não é poder. A percepção e o conhec. é que são… a inf. é tão somente um meio para o atingir”;”A meta do bibliotecário do futuro é o desenvolvimento do raciocínio humano”.. BE deve assumir uma função + activa no processo de ensino aprendizagem – comunidades de aprendizagem (N.S.Tarragó). Listas de difusão do catálogo. Projecto com Sala de Multideficiência. “Maletas pedagógicas”. Parcerias pontuais com docentes de LP , Biologia e de Expressões. Auscultação dos departamentos sobre o funcionamento e necessidades da BEDificuldades em intervir na planificação dos outros professores…Novos docentes na Esc. por 4 anos. Aulas de Est.Acompanhado. Permanência do paradigma racional educacional (currículos compartimentados, cumprimento rigoroso dos programas, preparação para exames…). Desinteresse dos alunos pelos recursos da BE. Difusão dos recursos da BE e acções de índole cultural para professores. Projecto “Aprender a pesquisar” (aulas de Est. Acompanhado) . “Networked learned suport”. “Inquired based learning”Formação para a leitura e para as literacias. Feira do Livro. “Semana da Leitura”. Projecto “Ler+”. Sessões de leitura. Pcs leitores (a maioria lê por obrigação do prof. de LP). Literacia da inf.: maioria dos utilizadores dos computadores não são “Nativos Digitais” e usam-nos + como ferramenta para recolha de inf. e menos para a construção do conhecimento. Espólio existente. Apoio do PNL. Parceria c/ Bib. Pública Desinteresse generalizado dos jovens / adolescentes pela leitura e pela pesquisaMuitos…BE e os novos ambientes digitais. Na BE, estamos na vanguarda para pegar na inf. tecnológica de um espectro ameaçador e colocá-la no contexto educativo de 1 maneira controlada e c/ significado; a BE do séc.XXI deve orientar-se para a construção de significados e de novas aprendizagens; para tal necessita de arranjar recursos apropriados – afirma Todd. “… un entorno dinâmico, físico y virtual, donde convergen y se integram infra-estructuras tecnológicas, recursos… servicios informáticos… orientados al aprendizaje del alumno y a la investigación”(N.S.Tarragó). “…usar as tecnologias como instrumento para facilitar el aprendizaje”(Lombello). Jornal da BE na Net http://jbib.aealmodovar.org. Boletim digital da BE Kronosbib Infobib Cinebib Legisbib. Catálogo on-line. Livro de registos em suporte digital. Catálogo parcialmente informatizado. Equipamentos quase obsoletos na Zona Multimédia. ”Perfil digital” de 1 elemento da equipa. “Sobras” do PT. Acções de formaçãoFalta de verbas para renovar equipamentos. Dar continuidade às acções referidas nos pontos fortes. “Fazer entender àqueles que têm poder decisor que somos imprescindíveis”Gestão de evidências/ avaliação.. “Evaluar la prática formadora de la biblioteca y del bibliotecario, en relación com los aprendizages de los alumnos y, también, com la adopción por parte del professorado de nuevos métodos de ensenanza”(N. S. Tarragó). “… Les évidences transmettrons clairement que les résultats d’apprentissage continuent de s’améliorer à travers les programmes des bibliothèques scolaires… les bibliothécaires scolaires ont besoin de s’engager activement dans des stratégies mieux planifiés afin de recueillir des prauves concernants l’impact de leur role d’enseignement”(R. Todd). Motivação do PB para a utilização de um dos modelos de Caroline WavellFalta de tempo para aplicar com regularidade as grelhas de avaliação de evidênciasAulas dadas na BECarácter subjectivo das conclusões retiradas deste tipo de observaçãoConstruir e aplicar instrumentos de avaliação + qualitativa do que quantitativa, através da recolha de evidências<br />Gestão da mudança/SÍNTESEFactores de sucessoObstáculos a vencerAcções prioritárias. A BE deve passar de um espaço organizado com recursos destinados ao acesso à informação e ao lazer para espaço de trabalho e de construção do conhecimento.. “… a BE vê redefinidos contextos de trabalho e de prestação de serviços e ganha 1 papel preponderante na formação para as literacias e para o acompanhamento curricular e das aprendizagens dos alunos”(Formadoras). (vide pontos fortes da grelha). Sala de Leitura tem agora melhor ambiente para estudar e é usada pelos alunos para realizar trabalhos, estudar e pelos docentes para aulas “diferentes”Preconceito da comunidade escolar sobre a BE = é apenas mais um sector da escola, utilizado para ocupação de tempos livres dos alunos, impressão de trabalhos e empréstimo de livros. As que “trouxerem” + professores à BE. Concluir catalogação. Projectos com docentes dos apoios e de áreas curriculares não disciplinares. Parcerias para promoção da leitura com professores e Biblioteca Pública<br />Ana Prata<br />

×