Dobutamina

11,826 views

Published on

Dr. Carlos Miguel Gomez Romero

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
11,826
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
7
Actions
Shares
0
Downloads
110
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Dobutamina

  1. 1. Dr. Carlos Miguel Gomez Romero Medico Pediatra FAMECA
  2. 2.  A dobutamina é um agente inotrópico de ação direta. Sua atividade primária resulta da estimulação dos receptores beta 1 do coração; tem poucos efeitos em receptores alfa 1 (vasoconstritor) e beta 2 (vasodilatador).  A ação da dobutamina, ao contrário da dopamina, não depende da liberação de norepinefrina endógena e portanto não depende das reservas cardíacas desse mediador. rogocar2005@gmail.com
  3. 3.  Diminui a pressão ventricular de enchimento (reduz a pré-carga) e as resistências vascular pulmonar e sistêmica total.  Como a dobutamina não age sobre receptores dopaminérgicos, não dilata seletivamente os vasos renais ou esplâncnicos; assim, a dobutamina pode melhorar o débito sanguíneo renal, a taxa de filtração glomerular, o débito urinário e a excreção de sódio. rogocar2005@gmail.com
  4. 4.  Farmacocinética ◦ O início da ação da dobutamina ocorre 1 a 2 minutos após o início da infusão, entretanto, podem ser necessários até 10 minutos quando a velocidade de infusão é baixa. ◦ A meia-vida plasmática da dobutamina em humanos é de 2 minutos. A meia-vida de eliminação é de cerca de 9 minutos. A duração da ação é de menos de 5 minutos. rogocar2005@gmail.com
  5. 5. ◦ A metabolização ocorre no fígado e a eliminação é na urina e uma pequena parte nas fezes rogocar2005@gmail.com
  6. 6.  INDICAÇOES ◦ A dobutamina é indicada quando é necessário o suporte inotrópico para o tratamento de pacientes com estados de hipoperfusão nos quais o débito cardíaco é insuficiente para suportar as demandas circulatórias. ◦ É indicada também quando é necessário o suporte inotrópico para o tratamento de pacientes nos quais a pressão de enchimento ventricular anormalmente aumentada pode levar a um risco de congestão pulmonar e edema. rogocar2005@gmail.com
  7. 7.  CONTRAINDICAÇOES ◦ A dobutamina está contra-indicada em casos de estenose subaórtica hipertrófica idiopática (a obstrução pode aumentar), feocromocitoma (pode ocorrer hipertensão grave), taquiarritmias ou fibrilação ventricular (pode ocorrer exacerbação da arritmia) e em pacientes com hipersensibilidade à dobutamina. ◦ Também não deve ser utilizada em pacientes com cardiomiopatia hipertrófica obstrutiva. rogocar2005@gmail.com
  8. 8.  MODO DE USAR ◦ Diluição  Diluente: Glicose 5%; Cloreto de Sódio 0,9%; Glicose 5% em Cloreto de Sódio 0,45%; Glicose 5% em Cloreto de Sódio 0,9%; Glicose 10%; Ringer Lactato; Glicose 5% em Ringer Lactato; ou Lactato de Sódio.  As diluições devem ser feitas considerando as necessidades de fluidos do paciente rogocar2005@gmail.com
  9. 9.  Concentrações das soluções ◦ A ampola original de Dobutrex®contém uma solução com 250 mg de dobutamina em 20 mL.  Diluído para 1000 mL obtém-se a concentração 250 mcg/mL.  Diluído para 500 mL obtém-se a concentração 500 mcg/mL.  Diluído para 250 mL obtém-se a concentração 1000 mcg/mL. ◦ Obs.: a concentração de dobutamina não deve ultrapassar 5000mcg/mL (250 mg de dobutamina diluídos para 50 mL). rogocar2005@gmail.com
  10. 10.  Estabilidade após diluição ◦ Temperatura ambiente (15° a 30°C): 24 horas. ◦ O medicamento não deve ser congelado devido à possibilidade de cristalização. rogocar2005@gmail.com
  11. 11.  Cuidados de administração ◦ A dobutamina não é substituto da reposição de sangue, plasma, fluidos ou eletrólitos. ◦ Usar uma bomba de infusão ou outro aparelho capaz de controlar a velocidade de infusão, para evitar a administração de doses maciças. ◦ As doses devem ser ajustadas de acordo com a resposta clínica individual. Alguns pacientes podem necessitar de doses mais elevadas que as usuais. rogocar2005@gmail.com
  12. 12.  Cuidados de administração ◦ Administrar a dobutamina em veia de grosso calibre ou diretamente na circulação central. ◦ Ao interromper a medicação, as doses devem ser reduzidas gradualmente (a interrupção rápida pode causar hipotensão). Se necessário, para evitar hipotensão, deve-se repor fluido intravascular rogocar2005@gmail.com
  13. 13.  Cuidados de monitoração ◦ Pacientes recebendo simpatomiméticos necessitam ser bem monitorados. Recomendam-se as seguintes medidas:- monitorar continuamente a pressão arterial, o eletrocardiograma (ECG) e o fluxo urinário do paciente. ◦ Adicionalmente, monitorar também:  débito cardíaco  pressão venosa central  pressão capilar pulmonar de oclusão  potássio sérico rogocar2005@gmail.com
  14. 14.  INCOMPATIBILIDADES E COMPATIBILIDADES ◦ Incompatibilidades - A dobutamina é incompatível com soluções alcalinas; não misturar com produtos como a injeção de bicarbonato de sódio a 5%. ◦ A dobutamina é também incompatível com: succinato sódico de hidrocortisona; cefazolina; cefamandol; cefalotina neutra; penicilina; ácido etacrínico e heparina sódica. ◦ Compatibilidades - quando administrada por tubos tipo Y, a dobutamina é compatível com dopamina, lidocaína, verapamil e cloreto de potássio rogocar2005@gmail.com
  15. 15.  Prescripçao. ◦ Rn com 1.5 Kg. Dobutamina a 5 mcg/Kg/min. 1. diluimos a 20 mll de dobutamina com 105 ml de SSN 2. [dobu]= 250mg/125 ml = 2 mg/ml ou 2000 mcg/ml 3. Calculamos quantos mcg ao dia = 5 mcg X peso X1440 4. 5X1.5X1440= 10800 mcg 5. Regla de 3 simples, se 1 ml tem 2000 mcg 10800 quantos ml. sao 5.4 ml da soluçao 6. Completamos ate 12 ml com SSN, oseja 6.6 SSN + 5.4 ml da soluçao 7. E pedimos para pasar 0,5 ml/hora que equivalem a 5 mcg/Kg/min. ou seja cada 0,1 que aumente no gotejo vc aumenta 1 mcg/kg/min Dobutamina 20ml + 105 ml de SSN. Tomar 5.4 ml + 6,6 ml SSN e pasar 0.5ml/h (5mcg/Kg/min) rogocar2005@gmail.com
  16. 16. OBRIGADO rogocar2005@gmail.com

×