Protozoários

9,194 views

Published on

Trabalho Área Projecto Biologia 12º Ano

Patologias Provocadas por Protozoários

Published in: Health & Medicine
0 Comments
6 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
9,194
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
7
Actions
Shares
0
Downloads
487
Comments
0
Likes
6
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Protozoários

  1. 1. Que Patologias Provocam na Espécie Humana? J. Carvalho, R. Monteiro, S. Barreiras e V. Braz, 12º C
  2. 2. Parasitologiaξ Protozoários - parasitas unicelulares que consistem numa célula eucariótica contendo organitos semelhantes aos encontrados nos eucarióticos superiores.ξ Metazoários - parasitas compostos com mais de uma célula.
  3. 3. Parasitologiaξ Características das Parasitoses: ξ Distribuição geográfica específica (condicionada pelo habitat do parasita); ξ Frequentes em ambientes quentes e húmidos. ξ A facilidade de deslocação das pessoas a grandes distâncias tornou menos raro o aparecimento de doenças parasitária em regiões em que normalmente não seria de prever o seu aparecimento.ξ Os parasitas são causa importante de doenças em humanos e animais, quer em países desenvolvidos, quer em países mais pobres.
  4. 4. Protozoários – Introdução Históricaξ Goldfuss em 1818 – introduziu o filo Protozoa pertencente ao Reino Animal.ξ Goldfuss descreveu os protozoários como sendo microorganismos unicelulares heterotróficos, semelhantes a animais.ξ A classificação dos protozoários é feita com base nas estruturas de locomoção que têm.ξ Evidências obtidas com microscopia electrónica mostraram que este grupo abrangia pelo menos sete Filos (no entanto, 3 deles apresentam pouca relevância), segundo a Sociedade dos Protozoologistas, em 1980.
  5. 5. Alimentação, Locomoção, ReproduçãoAlimentação: ξ Heterotróficos (maioria); ξ Autotróficos Fotossintéticos.Locomoção: ξ Batimento de Cílios (Ciliados), Flagelos (Flagelados); ξ Emissão de Pseudópodes (Rizópodos); ξ Sem Locomoção (Esporozoários).Reprodução: ξ Maioritáriamente assexuada por divisão binária (geram-se clones do organismo)
  6. 6. Classificação (Filos)Os protozoários estão, tradicionalmente, divididos em 7 Filos, no entanto, 3deles, têm pouca relevância e, por isso, vamos mencionar apenas os 4 maisrepresentativos:ξ Sarcodina (sarcodíneos):Locomovem-se através de pseudópodes, Exemplo: amibasξ Mastigophora (mastigóforos):Locomovem-se através de flagelos. Também conhecidos como flagelados,Exemplo: tripanossomaξ Ciliophora (ciliados):Locomovem-se através de cílios, Exemplo: paraméciaξ Sporozoa (esporozoários):Não possuem estruturas de locomoção, Exemplo: plasmódio
  7. 7. Amibasξ Locomoção por Pseudópodes;ξ Parasitam o Homem: Entamoeba histolytica, Escherichia coli, E. hartmanni, Endolimax nana, Iodamoeba butschlii e Dientamoeba fragilis.ξ Entamoeba Histolytica - Amebíase
  8. 8. Amibasξ Entamoeba Histolytica ξ No seu ciclo de vida passa por duas formas. ξ A amiba apresenta-se sob a forma de trofozóito, que é uma forma móvel, por emissão de pseudópodes.
  9. 9. Esporozoáriosξ Cryptosporidium ξ C. muris e C. parvum, (parasitas de mamíferos), C. baileyi e C. leagridis (parasitas de aves), C. crotali e C. nasorum (parasitas de peixes) ξ Provoca diarreia crónica em individuos imuno- comprometidos (ex: SIDA) ξ Leva a perda de fluídos e nutrientes
  10. 10. Esporozoáriosξ A infecção por via fecal-oral, por ingestão de cistos de origem animal ou humana nos alimentos ou água.ξ Estes cistos chegam ao intestino delgado e rompem, libertando os esporozóitos que posteriormente formam trofozóitos.ξ Os trofozóitos aderem à mucosa intestinal.
  11. 11. Esporozoáriosξ Plasmodium ξ Os protozoários do género Plasmodium são parasitas intracelulares que afectam os eritrócitos e são transmitidos por vectores específicos de cada doença. ξ Os organismos do género Plasmodium reproduzem-se assexuadamente nas células do fígado e também dos eritrócitos.
  12. 12. Esporozoáriosξ No caso da malária, formam-se microorganismos productores de gâmetas, como fase preparatória para o ciclo sexuado, que ocorre no mosquito Anopheles .
  13. 13. Flageladosξ Trypanossomaξ Os Tripanossomas são protozoários tecidulares flagelados que têm como reservatórios animais (domésticos ou selvagens) e que são transmitidos ao Homem por vectores artrópodes.ξ Trypanossoma cruzi - Doença de Chagasξ Trypanossoma brucei - Doença do Sono
  14. 14. Flageladosξ Leishmaniaξ Leishmania é uma género de protozoários da ordem Trypanosomatida, que inclui o parasita causador da leishmaniose.ξ As várias espécies de Leishmania são transmitidas por insectos da Família Psycodidae (sandflies), que inclui os géneros Phlebotomus e Lutzomyia.ξ Uma vez que o Hospedeiro fica infectado, ficará infectado toda a vida.
  15. 15. Flageladosξ Este torna-se incapaz de fazer refeições completas pela multiplicação dos protozoários no seu interior.ξ Os hospedeiros vertebrados são animais silvestres e animais domésticos, especialmente cães, que servem de reservatório principal de transmissão ao Homem.
  16. 16. Patologias Causadas por Protozoários Em cima, à esquerda: E. Histolytica; Em cima, à direita: Mosca Tsé-Tsé; Em baixo, à esquerda: Triatomíneo; Em baixo, à direita: Leishmania
  17. 17. Patologias Causadas por Protozoáriosξ Doenças causadas por protozoários envolvem, basicamente, dois locais de parasitismo: o sangue e o tubo digestivo. (Também se podem instalar na pele, no coração, nos órgãos do sistema genital e do sistema linfático).ξ Essas doenças envolvem, no seu ciclo, hospedeiros, isto é, organismos vivos em que os parasitas se desenvolvem.
  18. 18. Amebíaseξ Disenteria, provocada pela amiba Entamoeba histolytica.ξ É uma amiba típica, com movimentos por extensão de pseudópodes e capacidade fagocítica. A entamoeba tem duas formas, o trofozóito activo e o quisto infeccioso.ξ Cada quisto dá origem a 8 trofozóitos (no intestino delgado do Homem) e os trofozóitos invadem a mucosa do cólon, formando úlceras.ξ Ao penetrar na parede intestinal, a amebíase entra na circulação e pode ser transportada até ao fígado.
  19. 19. Amebíase – E. Histolyticaξ A Entamoeba histolytica alimenta-se de bolo alimentar, bactérias intestinais, líquidos intracelulares das células que destrói e por vezes também fagocita eritrócitos.ξ Tem proteínas membranares capazes de formar poros nas membranas das células humanas, destruindo-as por choque osmóticoξ Além disso produz enzimas proteases de cisteína, que degradam o meio extracelular humano, permitindo-lhe invadir outros órgãos.
  20. 20. Amebíase - Epidemiologiaξ Países Tropicais são mais afectados;ξ 50 milhões de novas infecções por ano e 70.000 mortes;ξ A falta de condições de higiene adequadas é a responsável por sua disseminação;ξ Terceira maior causa parasitária de mortes em todo o planeta;ξ Afecta 10% da População Mundial
  21. 21. Amebíase – Sintomatologiaξ Doenças intestinais como colite, disenteria e ameboma;ξ Doenças extra-intestinais, como abscesso hepático, abscesso cerebral, lesões cutâneas, patologia pleuropulmonar;ξ 30% dos infectados apresentam Febre;ξ Hepatomegalia;ξ Sinais e sintomas mais graves e progressão mais rápida são mais frequentes em crianças pequenas, desnutridos e imunossuprimidos de maneira geral.
  22. 22. Amebíase - Diagnósticoξ Ao hemograma, podemos encontrar leucocitose leve e algum grau de anemia;ξ Os níveis de enzimas hepáticas encontram-se, geralmente, elevados, particularmente a fosfatase alcalina;ξ O diagnóstico confirmatório baseia-se no exame de fezes - utiliza-se a pesquisa de cistos a fresco.
  23. 23. Amebíase - Transmissãoξ A transmissão pode ser directa ou indirecta, sendo a primeira a responsável quase pela totalidade dos casos;ξ A forma directa dá-se através da ingestão de água e alimentos contaminados pelos cistos do parasita ou por contacto fecal- oral direto;ξ A forma indirecta ocorre por intermédio de vectores como moscas e baratas.
  24. 24. Amebíase - Tratamentoξ O tratamento da amebíase deve ser feito tanto em pacientes com sintomas como para aqueles completamente assintomáticos.ξ Para as formas assintomáticas: iodoquinol ou teclozan;ξ Para os pacientes com a forma intestinal da amebíase: o metronidazol é, em geral, a droga de escolha.
  25. 25. Doença de Chagasξ É uma infecção causada pelo protozoário flagelado Trypanossoma cruzi, e transmitida por insectos, conhecidos como barbeiros.ξ Trypanosoma cruzi é um membro do mesmo género do agente infeccioso africano da doença do sono e da mesma ordem que o agente infeccioso da leishmaniose.
  26. 26. Doença de Chagas - Epidemiologiaξ 18 milhões de pessoas com esta doençaξ 100 milhões - população de riscoξ 20 000 morrem por anoξ A doença de Chagas crónica é um problema epidemiológico apenas em alguns países da América Latina;ξ A migração crescente de populações aumentou o risco de transmissão por transfusão de sangue ;ξ Atinge principalmente as populações rurais pobres. As casas com reboco defeituoso e sem forro, são habitat para o insecto barbeiro.
  27. 27. Doença de Chagas - Sintomatologiaξ A doença tem uma fase aguda, de curta duração, que em alguns doentes progride para uma fase crónica.ξ A fase aguda é geralmente assintomática, e tem uma incubação de uma semana a um mês após a picada.ξ No local da picada pode desenvolver-se uma lesão volumosa, o chagoma, pele vermelha e inchada.ξ Entre 20 a 60% dos casos agudos transformam-se, em 2 a 3 meses, em portadores com parasitas sanguíneos continuamente, curando-se os restantes.
  28. 28. Doença de Chagas - Sintomatologiaξ O caso crónico permanece assintomático durante dez a vinte anos.ξ No entanto, neste período de bem-estar geral, o parasita está a reproduzir-se continuamente em baixos números, causando danos irreversíveis em órgãos como o sistema nervoso e o coração.ξ Cardiomiopatia;ξ Dilatação do Intestino
  29. 29. Doença de Chagas - Diagnósticoξ Utilizando o Microscópio, para procurar o parasita no sangue do paciente, o que é possível apenas na fase. Detectam-se mais de 60% dos casos nesta fase.ξ Detecção do DNA do parasita por PCR (reacção em cadeia da polimerase).ξ Detecção de anticorpos específicos contra o parasita no sangue.
  30. 30. Doença de Chagas - Transmissãoξ O barbeiro infecta-se ao sugar o sangue de um organismo infectado;ξ No intestino do vector, o o protozoário reproduz-se;ξ O homem, é afectado pelas fezes ou urina contaminadas do Triatomíneo (barbeiro) pois enquanto suga o sangue defeca nesse mesmo local;ξ A infecção também pode ser por transfusão de sangue ou transplante de órgãos, ou por via placentária.
  31. 31. Doença de Chagas - Tratamentoξ Na fase inicial aguda: nifurtimox, alopurinol e Benzonidazol curam completamente ou diminuem a probabilidade de cronicidade em mais de 80% dos casos.ξ Na fase crónica é incurável, já que os danos em órgãos como o coração e o sistema nervoso são irreversíveis. Tratamento paliativo pode ser usado.ξ O mal de Chagas, juntamente com a doença do sono e a leishmaniose, está entre as doenças "extremamente negligenciadas", basicamente em razão da extrema pobreza dos pacientes.
  32. 32. Leishmanioseξ É uma doença parasitária, causada por protozoátios da família Trypanossomatidae, do género leishmania e que é transmitida ao Homem pela picada de insectos da família Psychodidae dos géneros Phlebotomus, nos continentes Europeu, Asiático e Africano, e Lutzomyia no continente Americano.ξ A leishmaniose é uma doença crónica, de manifestação cutânea ou visceral. O calazar (leishmaniose visceral) e a úlcera de Bauru (leishmaniose tegumentar americana) são as formas da doença.
  33. 33. Leishmaniose - Epidemiologiaξ 12 milhões de casos;ξ 400 mil novos casos por ano.ξ Aumento do número de casos de co-infecção HIV/Leishmaniose visceral, especialmente no sul da Europa, nos últimos anos.ξ Áreas tropicais e subtropicais, estendendo-se desde a América Central e do Sul até os países mediterrâneos, África, Ásia central, Índia e China.ξ Segunda principal doença causada por protozoários no mundo, perdendo em incidência apenas para a Malária.ξ Crianças e indivíduos imunossuprimidos são mais afectados.
  34. 34. Leishmaniose - Sintomatologiaξ Resposta Imunitária pode levar 2 rumos possíveis: ξ Resposta Citotóxica TH1 (muito eficaz, destrói os macrófagos portadores da leishmania): sintomas inexistentes ou leves. ξ Resposta Humoral (esta é ineficaz porque as Leishmanias se escondem no interior dos macrófagos): sintomas mais graves.
  35. 35. L. Visceral - Sintomatologiaξ Danifica os órgãos ricos em macrófagos: o baço, o fígado, e a medula óssea;ξ Febre;ξ Tremores violentos;ξ Diarreia;ξ Suores;ξ Mal estar;ξ Fadiga;ξ Hepatoesplenomegália;ξ Anemia;ξ Por vezes manifestações cutâneas como úlceras e zonas de pele escura
  36. 36. L. Cutânea - Sintomatologiaξ Pápulas ulcerantes extremamente irritantes nas zonas picadas pelo mosquito que progridem para crostas com líquido seroso.ξ Escurecimento por hiperpigmentação da pele, com formação de cicatrizes.
  37. 37. Leishmaniose - Diagnósticoξ Observação directa microscópica dos parasitas em amostras de linfa, sanguíneas ou de biópsias de baço, após cultura ou por detecção do seu DNA
  38. 38. Leishmaniose – Transmissãoξ Ocorre quando os insectos se alimentam dos homens ou animais infectados.ξ A seguir, o crescimento dos flagelados no tubo digestivo do vector torna-se suficiente para assegurar a sua inoculação em hospedeiros susceptíveis.ξ Se, pouco depois de infectar-se, o flebotomíneo voltar a alimentar-se com sangue, poderá regurgitar com o sangue aspirado grumos de leishmanias que se estariam a alojar no esófago.
  39. 39. Leishmaniose – Tratamento/Prevençãoξ Tratamento por administração de compostos de pentamidina, marbofloxacino anfotericina ou miltefosina.ξ A prevenção faz-se por redes ou repelentes de insectos, pela construção de moradias humanas a distância superior a 500 metros da mata silvestre e pela erradicação dos Phlebotomus/Lutzomyia.
  40. 40. Maláriaξ É uma doença infecciosa aguda causada por protozoários parasitas do género Plasmodium (P. Falciparum), transmitidos pela picada do mosquito Anopheles.ξ A infecção humana começa quando um mosquito Anopheles fêmea inocula esporozóitos dos plasmódios a partir da sua glândula salivar durante a hematofagia (picada).ξ Essas formas são transportadas pela corrente sanguínea até ao fígado, onde invadem as células do parênquima hepático e começam o período de reprodução assexuada.
  41. 41. Malária - Epidemiologiaξ Metade da Humanidade vive em regiões endémicas (3 BILIÕES de Pessoas);ξ 300 a 500 Milhões de casos/ano;ξ Morrem 2 Milhões de pessoas/ano, das quais, 50% são crianças com menos de 5 anos;ξ A cada 30 segundos morre uma criança com menos de 5 anos, vítima de Malária;ξ É a doença não-ocidental que acarreta mais custos.
  42. 42. Malária - Sintomatologiaξ Dores de cabeça;ξ Fadiga;ξ Febre;ξ Náuseas;ξ Calafrios Intensos(período de destruição das hemácias);ξ Choque Circulatório;ξ Convulsões;ξ Delírios.
  43. 43. Malária - Diagnósticoξ Gota Espessa - visualização do parasita através de microscopia óptica, após coloração (simples, eficaz e baixo custo);ξ Testes rápidos para detecção de componentes antigénicos de plasmodium.
  44. 44. Malária - Transmissãoξ A malária é transmitida pela picada das fêmeas de mosquitos do género Anopheles.ξ A transmissão geralmente ocorre em regiões rurais e semi- rurais, mas pode ocorrer em áreas urbanas, principalmente em periferias;ξ Maior frequência no período da noite (maior actividade dos mosquitos), temperaturas 20-30ºC, climas húmidos.
  45. 45. Malária – Tratamento/Prevençãoξ A melhor medida de prevenção é a erradicação do mosquito Anopheles;ξ O uso de redes contra mosquitos é eficaz na proteção durante o sono, quando ocorre a grande maioria das infecções.;ξ Em 2010, investigadores israelenses desenvolveram um açúcar tóxico, baptizado como attractive toxic sugar bait (ATSB), para eliminar o mosquito transmissor da malária.;ξ A quinina, à qual, os parasitas já são resistentes, foi já suplantada por drogas sintéticas mais eficientes, como quinacrina, cloroquina, e primaquina;
  46. 46. Doença do Sonoξ A doença do sono ou tripanossomíase africana é uma doença frequentemente fatal causada pelo parasita unicelular Trypanosoma brucei.ξ Há duas formas: ξ uma na África Ocidental, causada pela subespécie T. brucei gambiense, que assume forma crónica; ξ outra na África Oriental, incluindo Moçambique, causada pelo T. brucei rhodesiense, forma aguda.ξ Ambos os parasitas são transmitidos pela picada da mosca tsé-tsé.
  47. 47. Doença do Sono - Epidemiologiaξ A doença do Sono ocorre apenas em África, nas zonas onde existe o seu vector, a mosca tsé-tsé.ξ Não existe na África do Sul nem a norte do deserto Saara. A subespécie gambiense existe nas florestas tropicais;ξ A transmissão é principalmente de humano para humano. As moscas transmissoras são as Glossina palpalis, que se concentram junto aos rios, lagos e poços.ξ A subespécie rodesiense existe na região dos grandes lagos e nas savanas. Esta subespécie é transmitida pelas moscas Glossina morsitans.
  48. 48. Doença do Sono - Sintomatologiaξ Febre;ξ Tremores;ξ Dores musculares e articulares;ξ Linfadenopatia (gânglios linfáticos aumentados);ξ Mal Estar;ξ Perda de peso;ξ Anemia;ξ Trombocitopenia (redução do número de plaquetas no sangue);ξ Insuficiência cardíaca;ξ Meningoencefalite com retardação mental.ξ Na infecção por T. gambiense a invasão do cérebro é geralmente após seis meses de progressão, enquanto o T. rodesiense pode invadi-lo após algumas semanas apenas.
  49. 49. Doença do Sono - Diagnósticoξ Detecção microscópica dos parasitas no sangue ou líquido cefalo-raquidiano;ξ Detecção do DNA por PCR.
  50. 50. Doença do Sono – Prevenção/Tratamentoξ Uso de roupas que cobrem a maioria da pele e sprays repelentes de insectos;ξ Uso de aparelhos eléctricos luminosos que atraem e matam as moscas;ξ A destruição das populações de moscas.ξ Na fase aguda, o tratamento com pentamidina é eficaz contra T. gambiense, e a suramina contra T. rhodesiense.
  51. 51. Estudo Estatístico
  52. 52. Estudo Estatísticoξ Janeiro/Fevereiro 2011ξ 100 Alunosξ 31 Turmasξ Sexo Masculino/Feminino
  53. 53. E.E. - Objectivosξ Disparidade entre sexos;ξ Homogeniedade entre turmas do mesmo curso/da mesma área de ensino;ξ Disparidade entre alunos das turmas de cursos da área Cíentifica e alunos de outras àreas curriculares;ξ Influência das aulas de Biologia no conhecimento do assunto;ξ Aprendizagem gradual da Biologia e comparação entre as turmas do 1º ano de Biologia/Geologia, as turmas de 2º ano e as turmas que já não frequentam essa disciplina por estarem no 12º ano, mas que, possivelmente frequentam Biologia de 12º ano, como discilpina opcional.
  54. 54. E.E. - Resultados
  55. 55. E.E. – Interpertação dos Resultadosξ Com uma média Global de 65,5% podemos tomar os resultados como satisfatórios e considerar que os alunos estão relativamente informados sobre o tema;ξ Com uma disparidade de cerca de 20% (73% contra 53%) entre os alunos das turmas de ciências e os restantes, podemos concluir que estes se encontram muito mais informados sobre o tema, talvez fruto das aulas de Biologia que frequentam;ξ Os alunos do 12º ano registam as melhores classificações;ξ Individuos M/F, dos cursos Científicos: há uma melhoria global dos resultados à medida que avançamos no ano de escolaridade.
  56. 56. E.E. – Interpertação de Resultadosξ M/F, cursos não-cientificos: há uma baixa gradual dos resultados com o avançar do ano de escolaridade, o que nos permite induzir que os alunos vão esquecendo a matéria que aprenderam no ensino básico, piorando assim os seus conhecimentos sobre Biologia, dado que não frequentam a disciplina;ξ Entre alunos das mesmas turmas os resultados foram semelhantes;ξ Inquiridos do sexo feminino sabem mais sobre o tema do que os do sexo Masculino, o que se reflectiu numa pequena disparidade de 2% nas classificações médias globais.ξ Se atendermos apenas às classificações dos alunos que frequentam cursos cíentificos, esse fosso acentua-se ligeiramente para os 2,3%.

×