Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Teoria Do Conhecimento

73,423 views

Published on

Published in: Technology

Teoria Do Conhecimento

  1. 1. TEORIA DO CONHECIMENTO
  2. 2. TEORIA DO CONHECIMENTO GNOSIOLOGIA <ul><li>Investigação acerca das condições do conhecimento verdadeiro. </li></ul>
  3. 3. A QUESTÃO DO CONHECIMENTO <ul><li>O que é conhecimento? </li></ul><ul><li>É possível o conhecimento? </li></ul><ul><li>Qual é o fundamento do conhecimento? </li></ul>
  4. 4. ÁREAS DE INVESTIGAÇÃO <ul><li>as fontes primeiras de todo conhecimento; </li></ul><ul><li>o processo que faz com que os dados se transformem em juízos ou afirmações acerca de algo; </li></ul><ul><li>a maneira como é considerada a atividade do sujeito frente ao objeto conhecido; </li></ul><ul><li>o âmbito do que pode ser conhecido segundo as regras da verdade. </li></ul>
  5. 5. O QUE É CONHECER? <ul><li>Conhecer é representar cuidadosamente o que é exterior à mente. (R. Rorty) </li></ul>
  6. 6. ELEMENTOS DO CONHECIMENTO <ul><li>SUJEITO </li></ul><ul><li>aquele que conhece </li></ul><ul><li>nossa consciência, nossa mente </li></ul><ul><li>OBJETO </li></ul><ul><li>o que é conhecido </li></ul><ul><li>a realidade, o mundo, os objetos, os fenômenos... </li></ul>
  7. 7. POSSIBILIDADES DO CONHECIMENTO <ul><li>Somos capazes de conhecer a verdade? </li></ul><ul><li>É impossível conhecermos a verdade. </li></ul><ul><li>CETICISMO </li></ul><ul><li>É possível conhecermos a verdade. </li></ul><ul><li>DOGMATISMO </li></ul>
  8. 8. CETICISMO ABSOLUTO <ul><ul><li>o ser não existe; </li></ul></ul><ul><ul><li>se existisse, não poderíamos conhecê-lo; </li></ul></ul><ul><ul><li>se pudéssemos conhecê-lo, não poderíamos comunicá-lo aos outros. </li></ul></ul><ul><ul><li>(Górgias 485-380 a.C.) </li></ul></ul>
  9. 9. FONTES DE ERRO <ul><li>OS SENTIDOS </li></ul><ul><li>A RAZÃO </li></ul>Todo nosso conhecimento é provisório e jamais alcançaremos certeza de qualquer coisa. (Pirro 365-275 a.C,)
  10. 10. CRÍTICAS AO CETICISMO <ul><li>É radical , pois nega totalmente a possibilidade de conhecer. </li></ul><ul><li>É estéril , porque não leva a nada. </li></ul><ul><li>É contraditória , pois, ao dizer que nada é verdadeiro , acaba afirmando que pelo menos existe algo de verdadeiro, isto é, o conhecimento de que nada é verdadeiro . </li></ul>
  11. 11. CETICISMO RELATIVO <ul><li>ceticismo moderado; </li></ul><ul><li>nega parcialmente nossa capacidade de conhecer; </li></ul><ul><li>fenomenalismo : só podemos conhecer a aparência dos seres, tal como eles se apresentam à nossa percepção sensorial e intelectual ( o fenômeno, a coisa-para-nós ). </li></ul><ul><li>Não podemos conhecer a essência das coisas ( o númeno, a coisa-em-si ). </li></ul>
  12. 12. <ul><li>probabilismo : o nosso conhecimento é incapaz de atingir a certeza total das coisas. </li></ul><ul><li>O que podemos alcançar é uma verdade provável . </li></ul>
  13. 13. DOGMATISMO INGÊNUO <ul><li>presente no senso comum ; </li></ul><ul><li>não vê problemas na relação sujeito e objeto; </li></ul><ul><li>acredita que, sem grandes dificuldades, percebemos o mundo tal como ele é . </li></ul>
  14. 14. DOGMATISMO CRÍTICO <ul><li>é possível conhecer a verdade mediante esforço conjugado dos sentidos e da inteligência, através de um trabalho metódico, racional e científico; </li></ul><ul><li>pragmáticos : o conhecimento é resultado de uma operação de pesquisa e investigação, na qual o homem busca solucionar problemas poe ele enunciados. </li></ul>
  15. 15. OS FUNDAMENTOS DO CONHECIMENTO <ul><li>Quais são os elementos que servem de base para o conhecimento? </li></ul>EMPIRISMO: as idéias são provenientes de nossas percepções sensoriais. Nada vem à mente sem ter passado pelos sentidos. RACIONALISMO: somente a razão humana, trabalhando com os princípios lógicos, pode atingir o conhecimento verdadeiro.
  16. 16. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA COTRIM, Gilberto. Fundamentos da filosofia: ser, saber e fazer. São Paulo: Saraiva, 1997.

×