Interfaces para tablet e novas sintaxes para o design de notícias

518 views

Published on

Depois de janeiro de 2010, quando a Apple apresenta oficialmente o iPad, muitas empresas tradicionais de comunicação apostaram na introdução de conteúdo para o novo formato. Mesmo de forma improvisada, e muitas vezes reproduzindo o formato do impresso ou da internet, as redações presenciaram a necessidade de compreender melhor o funcionamento do novo formato e explorar as potencialidades do tablet. A partir de uma análise de algumas publicações digitais, pretende-se delinear alguns conceitos do design de notícias e de como um novo dispositivo proporcionou mudanças na disposição da informação, perpassando por temas como affordances, semântica do produto e tactilidade. Apresentação realizada em 16 de maio de 2014, na Faculdade de Artes e Letras da Universidade da Beira Interior, Covilhã, Portugal.

Published in: Design
0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
518
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
9
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Interfaces para tablet e novas sintaxes para o design de notícias

  1. 1. Rodrigo da Cunha˝ GJOL / LabJor Convergente˝ Faculdade de Comunicação˝ Universidade Federal da Bahia˝ @cunhares Interfaces para tablets e novas sintaxes para o design de notícias
  2. 2. affordance
  3. 3. to affordance
  4. 4. to affordance verbo transitivo.˝ estar hábil a fornecer, prover algo a alguém;˝ ser capaz de fazer, gerenciar ou apoiar algo.˝ ! [Merriam-Webster]
  5. 5. to affordance
  6. 6. to affordance psicologia ecológica.˝ teoria da percepção visual.˝ James J. Gibson [1904–1979]
  7. 7. to affordance “the affordances of the environment are˝ what it offers the animal, what it provides˝ or furnishes either for good or ill”˝ ! [Gibson, 1986:127]
  8. 8. to affordance influências.˝ fenomenologia gestáltica˝ funcionalismo˝ ! [Santaella, 2012:49]
  9. 9. to affordance “to primitive man each thing says what it is˝ and what he ought to do with it: ˝ a fruit says ‘eat me’,˝ water says ‘drink me’,˝ thunder says ‘fear me’; ˝ and woman says ‘love me’”.˝ ! [Koffka, 1936:7]
  10. 10. to affordance Como agem? Como são percebidas?˝ 
 Warren Jr., 1984
 Gaver, 1991
 Turvey, 1992
 Stoffregen, 2000 Chemero, 2003
 Galvão & Sato, 2005
 You & Chen, 2007
 Hsiao, Hsu & Lee, 2012
  11. 11. to affordance˝ para o design
  12. 12. to affordance˝ para o design Donald A. Norman [1935–]
  13. 13. to affordance˝ para o design “affordance refers to˝ the perceived and actual properties of the thing,˝ primarity those fundamental properties that˝ determine just how the thing could possibly be used”.˝ ! [Norman, 1988:9]
  14. 14. animal ambiente
  15. 15. usuário objeto
  16. 16. usuário objeto ação
  17. 17. affordance Os objetos fornecem pistas para sua utilização.˝ Norman [2008]˝ ! Os objetos que nos rodeiam foram moldados
 pela ação humana = artefatos.
  18. 18. affordance 
 dos artefatos A affordance dos artefatos conduz a uma atividade social
 une pessoas dispostas a aprender ou divulgar o manuseio
 dos objetos.˝ ! [Costall, 1995]
 [You & Chen, 2007]
  19. 19. affordance 
 dos artefatos “Forget affordances:
 what people need, and what design must provide,
 arte signifiers.”˝ ! [Norman, 2008]
  20. 20. significações
 sociais “Forget affordances:
 what people need, and what design must provide,
 arte signifiers.”˝ ! [Norman, 2008]
  21. 21. design como
 gramática [Freire & Da Cunha, 2009]
  22. 22. semântica˝ do produto psicologia cognitiva.
 “the study of symbolic qualities of made-man˝ forms in the context of them use and the application˝ of this knowledge to industrial design”.˝ ! [Krippendorff & Butter, 1984]
  23. 23. semântica˝ do produto • percepção mediada˝ • interpretação cognitiva do usuário˝ • baseia-se na representação simbólica˝ • há um controle de como percebemos o produto.
  24. 24. contrato˝ de leitura “discurso de um suporte de imprensa seja um espaço
 imaginário onde percursos múltiplos são propostos ao leitor (…)
 na que o leitor pode escolher seu caminho com mais ou menos
 liberdade, onde há zonas nas quais ele corre o risco de se perder˝ ou, ao contrário, que são perfeitamente sinalizadas”.˝ ! [Verón, 2004:216]
  25. 25. contrato˝ de interação quando o usuário empírico aceita entrar “em um mundo˝ com sua própria gramática, um universo onde ele˝ está obrigado a manipular certos dispositivos e˝ realizar certas operações”˝ ! [Scolari, 2004:157]
  26. 26. [Norman, 1988]
  27. 27. [Scolari, 2004]
  28. 28. [O Estado de S.Paulo, Brasil, 13 de fevereiro de 2014]
  29. 29. [La Repubblica Sera, Itália.]
  30. 30. tactilidade [Palacios & Da Cunha, 2013] tacto-leitura [Salaverría, 2012]
  31. 31. [Villamor, Willis & Wroblewski, 2010]
  32. 32. “coach marks”
  33. 33. [Superinteressante, Brasil]
  34. 34. [New Yorker, EUA]
  35. 35. [Vis-à-Vis / Mine, Espanha]
  36. 36. [Don, Espanha]
  37. 37. [Estadão Noite, Brasil]
  38. 38. modelos de design˝ e conteúdo
  39. 39. [Canavilhas & Satuf, 2013] Modelo˝ Suporte Modelo˝ Agência Modelo˝ Complemento Modelo˝ Nativo [García, 2012] e-reader frequently˝ updated ˝ news feed curated˝ edition
  40. 40. [García, 2012] curated˝ edition “stack”˝ struture [Franchi, 2013] estrutura˝ híbrida estrutura˝ sinóptica
  41. 41. [García, 2012] curated˝ edition “stack”˝ struture [Franchi, 2013] estrutura˝ híbrida estrutura˝ sinóptica Wired˝ Adobe DPS˝ Tablet Planet˝ Aquafadas Bloomberg˝ Businessweek+ Guardian for iPad
  42. 42. [Wired, EUA] “stack” struture
  43. 43. [Bloomberg Businessweek+, EUA] estrutura híbrida
  44. 44. [The Guardian for iPad, Reino Unido] estrutura sinóptica
  45. 45. [The Guardian for iPad, Reino Unido] estrutura sinóptica
  46. 46. • Canavilhas, J., Satuf, I. Jornalismo em transição: do papel ao tablet, ao final da tarde. In: Fidalgo, A., Canavilhas, J., (org.) (2013). Comunicação Digital: 10 anos de investigação (pp. 35-60). Coimbra: Edições Minerva.˝ • Chemero, A. (2003). An outline of a theory of affordances. Ecological Psychology, 15(2), 181-195. doi:10.1207/S15326969ECO1502_5˝ • Costal, A. (1995). Socializing affordances. Theory and Psychology, 5(4), 467-481. ˝ • Franchi. F. (2013). Designing News. Berlim: Gestalten.˝ • Freire, E., Da Cunha, R. (2009). Design de notícias: enunciação e gêneros discursivos jornalísticos. Revista PJ:Br, 12.˝ • Galvão, A. B., Sato, K. (2005). Affordances in product architecture: linking technical functions and users tasks. Proceedings of IDETC/CIE. ASME: Long Beach, 1-11.˝ • García, M. (2012). iPad Design Lab. [iBooks Edition]. referências
  47. 47. • Gaver, W. W. (1991). Technology affordances. Proceedings of the SIGCHI Conference, doi:10.1145/10884.108856.˝ • Gibson, J. J. (1986). The Ecological Approach to Visual Perception. Nova Iorque: Psychology Press.˝ • Hsiao, S., Hsu, C., Lee, Y. (2012). An online affordance evaluation model for product design. Design Studies, 33, 126-159, doi:10.1016/j.destud. 2011.06.003.˝ • Koffka, K. (1936). Principles of Gestalt Psychology. Londres: Kegan Paul, Trench, Trübner & Co., Ltd.˝ • Krippendorff, K., Butter, R. (1984). Product semantics: exploring the symbolic qualities of form. Innovation, 3(2), 4-9. ˝ • Norman, D. A. (1988). The Design of Everyday Things. Nova Iorque: Doubleday.˝ • Norman, D. A. (2008). The way I see it. Signifiers, not affordances. Interactions, 15(6), 18-19, doi:10.1145/1409040.1409044. referências
  48. 48. • Palacios, M., Da Cunha, R. (2013). A tactilidade em dispositivos móveis: primeiras reflexões e ensaio de tipologias. Contemporanea, 10(3), 668-685.˝ • Salaverría, R. (2012). Se ve y se toca: hacia un nuevo linguaje periodístico multimídia, retrieved from http;//www.salaverria.es/blog.˝ • Santaella, L. (2012). Percepção: fenomenologia, ecologia, semiótica. São Paulo, Cenage.˝ • Scolari, C. (2004). Hacer clic: hacia una sociosemiótica de las intenciones digitales. Barcelona, Gedisa.˝ • Stroffregen, T. A. (2000). Affordances and events. Ecological Psychology, 12(1), 1-28, doi:10.1207/S15326969ECO1201_1.˝ • Turvey, M. T. (1992). Affordances and prospective control: an outline of the ontology. Ecological Psychology, 4(3), 173-187, doi:10.1207/ S15326969ECO0403_3. referências
  49. 49. • Verón, E. (2004). Fragmentos de um tecido. São Leopoldo, Editora Unisinos.˝ • Villamor, C., Willis, D., Wroblewski, L. (2010). Touch gesture: reference guide, retrieved from http://static.lukew.com/TouchGestureGuide.pdf.˝ • Warren Jr., W. H. (1984). Perceiving affordances: visual guidance of stair climbing. Journal of Experimental Psychology, 10(5), 683-703.˝ • Wigdor, D., Wixon, D. (2011). Brave NUI World: designing natual user interfaces for touch and gesture. Burlington, Morgan Kaufmann.˝ • You, H., Chen, K. (2007). Applications of affordances and semantics in product design. Design Studies, 28, 23-38, doi:10.1016/j.destud. 2006.07.002. referências
  50. 50. Obrigado! Rodrigo da Cunha˝ [@cunhares]˝ ! Grupo de Pesquisa em Jornalismo On-Line [GJOL]˝ Laboratório de Jornalismo Convergente˝ Faculdade de Comunicação˝ Universidade Federal da Bahia˝ Salvador, Bahia, Brasil

×