Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Doenças prevalentes

23,809 views

Published on

Doenças prevalentes

  1. 1. Disciplina: Ciclo Vital IIProfessor: Rodrigo AbreuAula 04 DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIADOENÇAS CARENCIAIS 1- Desnutrição Proteico- calóricaAgravo desencadeado por uma má-nutrição, na qual são ingeridas quantidades insuficientesde alimentos ricos em proteínas e/ou energéticos a ponto de suprir as necessidades doorganismo.A desnutrição pode originar-se de forma: • primária : baixo nível sócio-econômico - pobreza, privação nutricional, más condições ambientais levando a infecções e hospitalizações frequentes, baixo nível educacional e cultural, negligência, falta de amamentação, privação afetiva. Neste caso a correção da dieta bastará para que se obtenha a cura. • secundária: apesar de haver oferta existem outros fatores que impedem a ingestão e absorção dos alimentos - má-absorção, estenose do piloro, ou aumentam a sua necessidade - hipertireoidismo. Sua evolução estará na dependência da doença que a ocasionou. • mista: situação em que os dois mecanismos estão envolvidos.A baixa ingestão energética leva o organismo a desenvolver mecanismos de adaptação: • Queda da atividade física em comparação com crianças normais; • Parada no crescimento (falta de ganho de peso e altura); • Alteração da imunidade.A desnutrição grave pode apresentar-se de três formas: a) MarasmoMarasmo é a desnutrição proteico-calórica do tipo seco, ou seja, é uma desnutrição por faltade calorias e proteínas em um paciente muito magro e desidratado. Esta condição é resultadoda fome por escassez de alimentos.O marasmo ocorre quando a pessoa não se alimenta, durante muito tempo, em quantidadesuficiente de nenhum tipo de nutriente necessário ao perfeito funcionamento do corpohumano.  Criança fica com baixa atividade  Pequena para a idade  Membros delgados devido a atrofia muscular e subcutânea  Costelas proeminentes  Pele se mostra solta e enrugada na região das nádegas  Apresenta infecções constantes  Comumente é irritadiça  Seu apetite é variável
  2. 2. b) kwashiorkorO kwashiorkor é uma condição resultante da ingestão inadequada de proteínas. • Déficit importante de estatura • Massa muscular consumida • Tecido gorduroso subcutâneo preservado, alterações de pele dos membros inferiores • Alterações dos cabelos • Hepatomegalia • Face de lua • Anasarca • Área perineal frequentemente irritada com dermatites e escoriações devido a diarréias • Apatia exagerada, raramente responde a estímulos e não apresenta apetite. c) Marasmo-KwashiorkorA origem pode ser de um marasmo que entrou em déficit protéico ou um Kwashiorkor quepassou a sofrer déficit energético. Estão presentes: retardo da estatura, do desenvolvimentoneuro psicomotor e queda da resistência imunológica.Tratamento • Aumento de oferta alimentar, que deve ser feito de forma gradual em função dos distúrbios intestinais que podem estar presentes • Após a reversão deste quadro, fornecer dieta hipercalórica para a recuperação do peso da criança • Tratar das patologias associadas • Obtenção de adesão da mãe ao tratamento, o que irá facilitar a recuperação da criança em menor tempo e com maior intensidade. 2- AnemiaPatologia ocasionada pela queda da proporção de glóbulos vermelhos (hemácias) ou dehemoglobina no sangue. Temos vários tipos de anemia, mas a mais comum é a causada peladeficiência de ferro no organismo - a chamada anemia ferropriva, ou pela deficiência de ácidofólico – anemia perniciosa ou megaloblástica.O ferro é elemento indispensável na composição dos glóbulos vermelhos, responsáveis pelaoxigenação dos tecidos do corpo.O déficit de ferro é em geral provocado por erros alimentares.
  3. 3. A mãe transmite para o feto quantidade de ferro suficientes para os primeiros 3 ou 4 meses devida do bebê. A partir daí, o organismo infantil precisa suprir sua necessidade de ferro pormeio da ingestão diária de carne, gema de ovo, alguns legumes e cereais enriquecidos.O leite é muito pobre em ferro; portanto, se a alimentação for exclusivamente a base de leitematerno, quando prolongada, pode levar à anemia.A diminuição do nível de ferro do organismo pode ser provocada ainda por infecções crônicas(amigdalite e adenoidite, exemplificando), por diarreias frequentes ou pelas doença queacarretam perda crônica de sangue, como a Ancilostomose (amarelão), alguns casosparticulares de anemia ferropriva: os que aparecem em crianças prematuras ou em gêmeos,que não receberam do organismo da mãe a quantidade suficiente de ferro nos primeirosmeses de vida.Sintomas : A característica marcante da anemia é a descoloração dos lábios, das gengivas, dointerior da boca, das pálpebras e da pele.Ela é acompanhada ainda por inapetência e apatia. O emagrecimento não está associado aanemia, crianças de peso normal ou obesas podem estar anêmicas.Tratamento : Ingestão de ferro por via oral. Se a necessidade de ferro é provocada por outrasdoenças, faz-se necessário combate-las. Os casos mais graves de anemia podem exigirtransfusão de sangue.Prevenção : Alimentação rica e variada evita a anemia. No caso de prematuros e gemelares, aprofilaxia é feita com o ferro em medicamentos desde as primeiras semanas de vida.Cuidados essenciais para a ANEMIA GRAVEINFECÇÕES DE VIAS AÉREASSão doenças de etiologia viral ou bacteriana que acometem qualquer segmento do tratorespiratório,inicio de 2 à 7 dias. 1- Amigdalite / AdenoiditeSão inflamações nas massas de tecido linfoide localizadas na parte posterior da garganta(amígdalas) e na região posterior das fossas nasais (adenoides).Desenvolvem-se rapidamente e continuam grandes até ao 6 ou 7 anos de idade e regredir atéo fim da puberdade.Nos primeiros anos, a criança tem grande predisposição para contrair infecções na região darinofaringe. São muitos comuns nestes menores : os resfriados, amigdalites, adenoidites elaringites, que podem aparecer isoladas ou combinadas, e duram em geral de 3 a 5 dias.Porém podem ser mais frequentes em crianças que moram em casa frias e úmidas, é maisdifícil em climas quentes.Sintomas :  Amígdalas ficam vermelhas, determinadas vezes com alguns pontinhos amarelos, e podem aumentar bastante de tamanho;  Febre, prostração,  Inflamação dos gânglios da mandíbula e no pescoço;  Diarreias e vômitos.  Mau hálito ( Halitose)quase permanente e o costume de dormir de boca aberta.
  4. 4. Tratamento :Em geral orienta-se aos responsáveis como usar a adequadamente os antitermicos para baixara febre, soro fisiológico para desobstruir as narinas, e determinadas vezes antibióticoterapia.Orientar o uso de soro oral no caso de diarreia e vômitos intensos, tome os cuidadosnecessários para prevenir a desidratação. 2- Pneumonia e broncopneumoniaSão infecções das vias aéreas superiores.Na pneumonia, o foco de infecção é o pulmão; na broncopneumonia, os bronquíolos terminaise o tecido pulmonar.Causas:Em geral por bactérias comuns que vivem normalmente na mucosa do nariz e na boca e sãoresponsáveis por resfriados e amigdalites.As bactérias só atingem o pulmão quando em condições favoráveis, isto é baixa imunidade, umorganismo debilitado pela desnutrição ou por infecções prolongadas. Os bebês são vulneráveisà pneumonia e à broncopneumonia pois os ramos de seus brônquios são muito curtos epassam um tempo maior deitados o que faz o muco infectado desça para o pulmão, podemainda serem provocadas por vírus, mas em casos raros.Sintomas :  Hiperpirexia  Febre leve,;  Perda de apetite,  Tosse,  Dores abdominal  Diarreia.  O desenvolvimento das duas patologias , em geral não são muito diferentes com: febre (40°C), palidez, cianose, tosse forte e constante e dispneia.Tratamento :O tratamento com antibioticoterapia. Em geral, a criança costuma melhorar bastante nosprimeiros 3 dias de tratamento e depois de 2 semanas a cura.Prevenção : Tratar todas as infecções das vias aéreas superiores adequadamente, tais comoresfriados, amigdalites e laringites, a fim de evitar que cheguem aos pulmões e os brônquios. 3- AsmaPode ser causada por alergia a substâncias que penetram pela via respiratória (poeira, pólende plantas, pêlos de tapetes ou animais, penas, inseticidas, fumaças etc.), por alergia adeterminados alimentos, por fatores hereditários ou psicológicos.Sintomas :Roncos,estertores e sibilância, tosse, catarro e taquipneia, são as manifestações de asma.É marcada por crises, mais frequentes à noite, em que a criança apresenta intensa sudorese,empalidece, dispneia e fica, algumas vezes, com as veias do pescoço saltadas. Emdeterminados casos, a crise assume uma forma contínua, mas menos intensa, que pode durardias ou até semanas, e levar a criança ao "estado de mal asmático".Tratamento :
  5. 5. É muito difícil determinar exatamente o que está causando a doença, a primeira providência étentar controlar os possíveis agentes provocadores da crise. Desta forma, o quarto da criançadeve ser simples objetos que acumulem poeira, como tapetes, cortinas e bichinhos de pelúcia.O quarto receber a luz solar, de modo a impedir a umidade das paredes, que irão favorecer aproliferação de fungos e a infecção das vias aéreas.Crianças mais sensíveis ou que tenham familiares propensos a alergias, devem ter o cuidadona introdução de novos alimentos, especialmente aqueles a que sua genitora, tenhademonstrado ser sensível.A criança deve ser receber atendimento médico e acompanhamento também.Os medicamentos em geral utilizados são aqueles que aliviam a obstrução dos brônquios, esua prescrição deve ser controlado, para evitar uma dose excessiva(superdosagem).  Salbutamol  Fenoterol  Brometo de IpratrópioA terapia medicamentosa não cura, a doença normalmente persiste até a puberdade, podendodesaparecer ou atenuar-se depois. A criança necessita de cuidados , observação dos fatoresque lhe causem alergias. 4- LaringiteA laringite é uma doença viral comum em crianças, caracterizada pelo surgimento súbito datosse, ela pode provocar edema na laringe e na traquéia, na região da garganta, obstruindo apassagem de ar pelas vias aéreas e dificultando a respiração.Tratamento:Como a laringite é causada por vírus, não adianta dar antibiótico, sendo indicado o uso deanalgésicos e antitérmicos (se necessário). 5- OTITEOtite é um termo geral para infecção ou inflamação no ouvido.A otite pode afetar as partes internas ou externas do ouvido. A doença é classificada comoaguda (surge subitamente e por pouco tempo) ou crônica (surge repetidamente por um longoperíodo).A infecção no ouvido médio se faz através da tuba auditiva quando está com sua funçãoprejudicada por inflamações ou obstruções, como acontece, por exemplo, nas alergias do narizou nas infecções da faringe (garganta). O germe (bactéria) presente na garganta migra pelatuba auditiva até o ouvido médio onde se multiplica nas secreções aí acumuladas, resultandouma otite média aguda. Também o vírus pode causar otite média.Sintomas:Os principais sintomas são dor e diminuição da audição. A dor costuma ser severa. Outrossintomas podem estar presentes: febre, inquietude, perda de apetite e secreção no ouvido sehouver ruptura timpânica (perfuração do ouvido); vômitos e diarréia podem ocorrer nascrianças pequenas.Tratamento:O tratamento é feito com o uso adequado de antibióticos e analgésicos.
  6. 6. INFECÇÕES E AFECÇÕES DE PELE 1- FurunculoseEstado infeccioso da derme causado por bactérias que agridem as raízes capilares e asglândulas sebáceas.Tratamento :É feito com antibioticoterapia e analgésicos, além de utilização de termoterapia.A infecção começa a reduzir quando o pus é expelido, mas nunca se deve espremer ofurúnculo, pois o mal pode se alastrar.Prevenção : Combater focos infecciosos (dentes, garganta etc.), oferecer dieta pobre emgordura e açúcar e nunca limpar a pele da criança com substâncias oleosas e irritantes. 2- ImpetigoInfecção da pele causada por uma bactéria, é altamente contagiosa.Ocorre com mais frequência em crianças cuja higiene não é feita corretamente.O impetigo bolhoso é produzido por um estreptococo e pode aparecer em recém-nascidos ouem crianças maiores.Sintomas :A forma de impetigo varia muito. Nas crianças maiores, caracteriza-se pelo aparecimento, emgeral no rosto, de nódulos com uma ponta esbranquiçada ou amarelada. Esses caroçosespalham-se por todo o corpo, provocam prurido e rompem-se, soltando um líquidopurulento.São, então, substituídos por uma crosta espessa e úmida, de cor castanha.Nos recém-nascidos, o impetigo aparece inicialmente em regiões úmidas, como as virilhas, asaxilas e a parte inferior do abdome, em forma de pequenas pústulas, que se rompemfacilmente e, em vez da crosta, deixam apenas uma área avermelhada e brilhante.Tratamento :O impetigo deve ser tratado com muito cuidado, sob vigilância.O medicamento normalmente consiste em antibióticos e líquidos anti-sépticos para limpar asferidas e impedir a proliferação. Orienta-se deixar as feridas livres do contato de roupas, para aaceleração do processo de cura.No caso de recém-nascidos, a genitora poderá proceder ao rompimento as pústulas comalgodão, tendo o cuidado para que o líquido não contaminar outras partes da pele.Prevenção :As roupas da criança devem ser muito bem lavadas.As roupas do recém-nascido devem ser lavadas e guardadas separadamente das do resto dafamília. 3- EscabioseParasitose da pele causada por um ácaro cuja penetração deixa lesões em forma de vesículas,pápulas ou pequenos sulcos, nos quais ele deposita seus ovos. As áreas preferenciais da peleonde se visualizam essas lesões são: regiões interdigitais, punhos (face anterior), axilas (pregasanteriores), região periumbilical, sulco interglúteo, órgãos genitais externos nos homens.Em crianças e idosos, podem também ocorrer no couro cabeludo, nas palmas e plantas dospés.O prurido é intenso e, caracteristicamente, maior durante a noite, por ser o período dereprodução e deposição de ovos.
  7. 7. A transmissão se dá através do contato direto com doentes ou roupa de cama de doente.Tratamento:Ivermectina, dose única, VO; Benzoato de benzila tópico.Pode-se usar anti-histamínicos (dexclorfeniramina, prometazina), para alívio do prurido.Havendo infecção secundária, utiliza-se antibioticoterapia sistêmica. Evitar a iatrogeniautilizando o escabicida repetidas vezes. Considerar fracasso terapêutico a presença de sinais esintomas após 2 semanas. 4- DermatiteA dermatite de contato é uma inflamação da pele causada pelo contato direto com umasubstância irritante ou causadora de alergia (irritante ou alérgeno).A Dermatite seborreica infantil trata-se de um eczema mais frequente das síndromeseczematosas no período neonatal. As lesões são eritematodescamativas, pouco ou nadapruriginosas.As lesões localizam-se preferencialmente no couro cabeludo, face, áreas intertrigionais, áreadas fraldas, dobras do pescoço, axilas, virilhas, interglúteos e região periumbilical, podendoocorrer disseminação para outras áreas seborreicas.Tratamento:Os cremes ou pomadas com corticosteroides podem reduzir a inflamaçãoDOENÇAS DO APARELHO DIGESTIVO 1- EstomatiteConhecida também como comissurite, ou “boqueira” por aparecer nas comissuras labiais(canto da boca). É originada por invasão de bactérias que podem ser transmitidas pela mão ou por objetoscolocados na boca.Ataca principalmente crianças em idade escolar com deficiência de vitamina B2.Sintomas :Surgimento de pequenas inflamações na boca. Como geralmente dói bastante, a criança ficacom receio de comer.Tratamento :São lesões auto limitadas, ou seja, resolvem sozinhas em 1 ou 2 semanas., não necessitando detratamentos para as úlceras.Para úlceras aftosas persistentes e/ou dolorosas podem ser necessário:  Limpeza adequada da boca  Corticosteróides, esteróides ajudam a reduzir a inflamação da boca causada por aftas graves.  Gel ou creme para alívio da dor na boca (lidocaína) fornece alívio por curto prazo a fim de anestesiar a área e aliviar a dor temporariamente. Em casos em que seu aparecimento é mais frequente, convém ainda combater a deficiênciade vitaminas, com o uso da vitamina B2 .Prevenção : Manter rigorosa higiene da boca. 2- ConstipaçãoAs causas da constipação podem ser físicas ou psíquicas, ou as duas.As causas físicas, encontradas nesta patologia são fraqueza dos músculos do intestino, estadosgerais de fraqueza, raquitismo, anemia, convalescença, falta de exercícios ou simplesmenteinadequações alimentares.
  8. 8. Nas causa psíquicas, temos os problemas relacionados ao treinamento de controle das fezes eos estados de ansiedade e agressividade.Algumas constipação causadas por fatores físicos podem piorar por razões psicológicas. Acriança pode apresentar sintomas que passa a ficar também ansiosa em relação às suasevacuações, e começa a resistir a todos os tratamentos, ou a usar o subterfúgio de "prender"as fezes para receber mais atenção, em geral a razão psicológica é ocasionada pela mãe quefica ansiosa e a criança começa a ficar também.TratamentoEvitar purgativos salinos,laxantes,lavagens e supositórios: são métodos antinaturais e podemcriar reflexo condicionado contrário, fazendo com que a criança retenha as fezes ao sentir ascontrações do intestino. É aconselhável o uso moderado de preparados à base de óleomineral, na dose de uma colher de sobremesa ou até uma colher de sopa, à noite, antes dedeitar. Deve-se evitar de usá-los por muito tempo, pois podem perturbar a absorção dosalimentos .DOENÇA DIARREIA AGUDAA doença diarreica aguda (DDA) é uma síndrome causada por diferentes agentes etiológicos(bactérias, vírus e parasitos), cuja manifestação predominante é o aumento do número deevacuações, com fezes aquosas ou de pouca consistência.Muito comum em crianças, a diarreia surge numa série de situações, obrigando o enfermeiroa procurar outros dados para formar um diagnóstico.Pode ser causada por infecção intestinal (geralmente com hiperpirexia, vômitos, cólicas, fezeslíquidas e visguentas e com catarro), por infecções em outros órgãos (infecções respiratórias,urinárias ou do ouvido), por alimentos deteriorados, por verminoses, por defeitos congênitos,por intolerância a determinados alimentos ou por distúrbios emocionais (medo, por exemplo).O modo de transmissão pode ocorrer pela via oral ou fecal-oral, sendo específico para cadaagente etiológico:• Transmissão indireta – ingestão de água e alimentos contaminados e contato comobjetos contaminados (ex.: utensílios de cozinha, acessórios de banheiros, equipamentoshospitalares);• Transmissão direta – pessoa a pessoa (ex.: mãos contaminadas) e de animais para aspessoas.TratamentoO tratamento da doença diarreica aguda consiste em quatro medidas: 1. Correção da desidratação e do desequilíbrio eletrolíticoA hidratação por meio do sal de reidratação oral (SRO) vem contribuindo significativamentepara a diminuição da mortalidade por diarreias. O esquema de tratamento independe dodiagnóstico etiológico, já que o objetivo da terapêutica é reidratar ou evitar a desidratação.Na avaliação de um caso de diarreia, deve ser dada ênfase ao estado de hidratação dopaciente para classificar a desidratação e escolher o plano de tratamento preconizado.Planos de Tratamentos:Plano A – destina-se a paciente com diarreia e sem sinais de desidratação.O tratamento é domiciliar, com a utilização de: solução de sais de reidratação oral (SRO);líquidos disponíveis no domicílio (chás, cozimento de farinha de arroz, água de coco, sorocaseiro, etc.).Tais líquidos devem ser usados após cada episódio de evacuação ou vômito, de acordo comas indicações a seguir:
  9. 9. • menores de 2 anos: 50ml;• maiores de 2 anos: 100 a 200ml;A alimentação habitual deve ser mantida e estimulada.É importante ressaltar que os refrigerantes não devem ser utilizados, pois além de ineficazescomo hidratantes, podem agravar a diarreia.Plano B – destina-se a paciente com diarreia e com sinais de desidratação.Todos os pacientes desidratados, mas com capacidade de ingerir líquido, devem ser tratadoscom solução de SRO.Não é necessário determinar o volume exato a ser administrado, mas recomenda-se que sejacontínuo, conforme a sede do paciente, até a completa recuperação do estado de hidratação.Para crianças, a orientação é de 100ml/kg, administrados em um período não superior a 4horas.Os lactentes amamentados devem continuar recebendo o leite materno. Para os demaispacientes, administrar apenas SRO até se completar a reidratação.Se o paciente vomitar, pode-se reduzir o volume e aumentar a frequência das tomadas.Os vômitos geralmente cessam após 2 a 3 horas do início da reidratação.A febre causada pela desidratação geralmente cede na medida em que o paciente se reidrata.O paciente com desidratação deverá permanecer na unidade de saúde até a reidrataçãocompleta e retornar ao serviço para reavaliação, após 24 a 48 horas ou imediatamente, emcaso de piora. Deve-se observar se a ingestão é superior às perdas.Os sinais clínicos de desidratação vão desaparecendo paulatinamente, durante o período dereidratação. Todavia, devido à possibilidade de ocorrer rapidamente maior perda de volume,os pacientes devem ser avaliados com frequência, para se identificar, oportunamente,necessidades eventuais de volumes adicionais de solução de SRO.Plano C – destina-se a paciente com diarreia e desidratação grave.O uso de sonda nasogástrica (SNG) é indicado apenas em casos de perda de peso após as 2primeiras horas de tratamento oral, de vômitos persistentes, de distensão abdominal comruídos hidroaéreos presentes ou de dificuldade de ingestão.Nesses casos, administrar 20 a 30ml/kg/hora de SRO.Só se indica hidratação parenteral (venosa) quando houver alteração da consciência, vômitospersistentes, mesmo com uso de sonda nasogástrica.Se o paciente apresentar sinais e sintomas de desidratação grave, com ou sem choque (palidezacentuada, pulso radial filiforme ou ausente, hipotensão arterial, depressão do sensório), a suareidratação deve ser iniciada imediatamente por via endovenosa e ambiente Hospitalar.
  10. 10. 2. Combate à desnutriçãoA doença diarreica aguda causa desnutrição, caracterizada por anorexia e síndrome perdedorade proteínas. Após a avaliação, recomenda-se o aumento da ingestão de líquido, como sorocaseiro, sopas e sucos; manter a alimentação habitual, em especial o leite materno e corrigireventuais erros alimentares. 3. Uso adequado de medicamentosA indicação de antimicrobianos deve ocorrer só quando o benefício é inquestionável, pois adiarreia aguda, grande parte das vezes, tem curso autolimitado.  Bactérias – para as diarreias bacterianas podem ser utilizados alguns antimicrobianos, como eritromicina, azitromicina, sulfametazol+trimetopim, metronidazol.  Vírus – não há tratamento etiológico para doença diarreica causada por vírus, apenas tratamento de suporte, como correção da desidratação e do desequilíbrio eletrolítico e tratamento de outros sintomas apresentados, como náuseas e vômitos.  Parasitos – quando há identificação de parasitos, utilizam-se medicamentos como: mebendazol, albendazol e, no caso de protozoários de G. lamblia ou E. hystolitica, é recomendado metronidazol.4. prevenção das complicações.Prevenir as complicações significa tratar convenientemente a desidratação (com o uso deterapia de reidratação oral ou venosa), ter uma dieta adequada e usar os antimicrobianos,quando indicados. Ainda assim, algumas complicações podem acontecer.

×