Brincar e-ler-para-viver

19,951 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
24 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
19,951
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4,227
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
24
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Brincar e-ler-para-viver

  1. 1. Leitor(a),você pode fazercópia parcial ouintegral deste livro,desde que cite a fontee a autoria do mesmo.
  2. 2. Copyright © 2008 Instituto Hedging-GriffoISBN: 978-85-61991-00-5Realização: Instituto Hedging-GriffoConselho Honorário: Luis Stuhlberger, André Freitas e Leo FigueiredoConselho Deliberativo: Eleonora Colussi Cypel, Marcos Flávio Correa Azzi, Alexandre Augusto Leite Machado, Gustavo Koester Aranha, Georgiana Rothier Pessoa,André Gallegos Leite, Priscila Marcos Cassandre, Regina Queiroz Acher, Heloísa Pozzi, Rachel Miana Bezerra, Celso Antônio da Silva Filho e Renato MilioziConselho Fiscal: Ronaldo Antônio Varella, Ricardo Silva Jardim e Alfredo Ferreira Marques FilhoConselho Consultivo: Carla Cordery Duprat, Dr. Saul Cypel, Conceição Bongiovani, Célia Cruz e Reinaldo BulgarelliFicha TécnicaSupervisão: Silvia MoraisCoordenação: Daniela FornariParceria: Ação Comunitária do BrasilAssessoria técnica: Caleidoscópio Brincadeira e ArteAutoria: Adriana Klisys de Sousa e Edileine FonsecaProdução gráfica/editorial: Ateliê Vide o VersoCoordenação editorial: Clóvis ArrudaProjeto gráfico: Helena Salgado e Anna Carolina SantosAssistente de editoração: Lívia BassiFotografia: Rodrigo Marcondes, Acervo Instituto Hedging-Griffo, Ação Comunitária e CaleidoscópioTratamento de imagens: Arthur FujiiIlustrações: Este livro é ilustrado com fotos e desenhos desenvolvidos pelas crianças e adolescentes participantes do programa Brincar e Ler Para ViverIlustrações digitais: Ateliê Vide o VersoRevisão: Sandra Regina de SouzaImpressão: Type BrasilTiragem: 2000 exemplaresAgradecimentos especiais brincar e ler para viverÀs organizações participantes do Programa Brincar e Ler que deram o colorido deste livro por meio de práticas educativas desenvolvidas.À Ação Comunitária por sua disposição, competência e compromisso com a continuidade do lúdico nestas organizações sociais.Às arquitetas voluntárias: Cristina Moura e Mônica Spada.A todos os funcionários voluntários por seu trabalho e mobilização.A toda equipe do Instituto Hedging-Griffo envolvida no Programa Brincar e Ler. um guia para estruturação de espaços educativos Foram 20 brinquedotecas e bibliotecas montadas, com a participação de 144 educadores na formação do Programa e incentivo ao lúdico e à leitura Brincar e Ler para Viver e com 3162 crianças beneficiadas. O total de acervo doado a estas instituições foi: Adriana Klisys e Edi Fonseca 2700 brinquedos, 3414 livros e 551 Cd’s. 1ª edição Instituto Hedging-Griffo São Paulo Av. Juscelino Kubitschek, 1.830 - Torre III - 7ºandar Instituto Hedging-Griffo 04543-900 - São Paulo - SP - Brasil 2008 www.institutohg.org.br
  3. 3. Apresentação .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. 6Os Atores Principais .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. 8Prefácio Ação Comunitária .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. 10Prefácio Caleidoscópio .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. 12Capítulo 1 – Contexto Formativo do Programa Brincar e Ler para Viver .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. 14Capítulo 2 – Fazendo as Escolhas e Definindo o Espaço .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. 20 Uma Ação bem Pensada .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. 21 Montagem do Espaço .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. 22Capítulo 3 – Brincadeiras & Leituras .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. 34 Jogo Simbólico .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. 36 Acervo de Possibilidades: Jogo Simbólico .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. 40 Ações Educativas para o Jogo Simbólico .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. 50 Jogos de Tabuleiro .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. 56 Acervo de Possibilidades: Jogos de Tabuleiro .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. 59 Ações Educativas para os Jogos de Tabuleiro .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. 76 Brinquedos e Jogos .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. 82 Acervo de Possibilidades: Brinquedos e Jogos .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. 82 Ações Educativas para Brinquedos e Jogos .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. 91 Brincadeiras .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. 94 Acervo de Possibilidades: Brincadeiras .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. 94 Ações Educativas para Brincadeiras .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. 96 Contação de histórias .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. 100 Acervo de Possibilidades: Contação de Histórias .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. 106 Ações Educativas para Contar Histórias .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. 124 Leitura .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. 126 Acervo de Possibilidades: Leitura .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. 134 Ações Educativas para a Leitura .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. . 150Anexo 1: Acervo de Brinquedos e Jogos .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. 153Anexo 2: Acervo de Livros e CDs .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. 157Referências Bibliográficas Brincar .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. 158 Contação de Histórias e Leitura .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. 159Agradecimentos Especiais .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. 160[desenho de criança da Instituição Bom Pastor]
  4. 4. 7 brincar e ler para viver ia e br incade h i s tó r ir p re n d e u c o m ue a a.. par , de q . o tilh hor to u mel ar ” re s a de eu viv mu tinh ita ne le“O cr ia m ue nça e que a qu oq se enc r éo a nto u e p eu sd que o é. . . Ca d a u m d o s e nvo l v i d É o Programa Brincar e Ler pra Viver do Instituto Hedging­Griffo. capacidade de mobilização do capital humano de zona sul da cidade de São Paulo, compartilha conosco os uma empresa para alcance de um objetivo. valores do Programa Brincar e Ler para Viver. O direito a brincar e a se encantar com a fantasia proporcio­ nada pelas riquezas de histórias contadas nos livros deve ser O Instituto ofereceu a sua crença de que atividade Da união desses esforços, construímos em quatro anos parte da infância de toda criança. Isso muita gente sabe, o educativa de qualidade se faz com um educa­ de história deste programa um método, uma maneira de que não se sabe é que apesar disso muitas crianças crescem dor consciente técnica e metodologicamente do desenvolver o lúdico com muita simplicidade e embasamento sem que tenha sido oferecida a elas a oportunidade de que pode fazer com os recursos pedagógicos pedagógico. A arte de educar e fazer das atividades oferecidas serem, de fato, crianças. disponíveis. Educação se faz com um mediador e uma oportunidade de construir jovens colaborativos, pensan­ sem investimento nele – educador –, livros e jogos tes, leitores e cidadãos são fatores que permearam essa O Programa Brincar e Ler para Viver nasceu em 2003, fruto serão apenas objetos e não oportunidades de desen­ história e merecem ser compartilhados para que outras da união de diversos esforços e parcerias com o objetivo volvimento. Assim, fizemos um programa que além histórias possam ser contadas por quem tem em si o de oferecer a organizações sociais de base comunitária dos livros e brinquedos formou os educadores das compromisso de oferecer às crianças o que lhe é de direito. da cidade de São Paulo a oportunidade de desenvolver a organizações sociais e contou com a responsabilidade ludicidade, por meio das Brincadeiras e da Leitura, em técnica da Caleidoscópio Brincadeira e Arte. Este Guia Orientador foi elaborado com os principais ele­ crianças e adolescentes. mentos pedagógicos deste programa para que, de maneira Se já tínhamos livros, jogos e a formação dos educadores prática, possa servir de inspiração a outros. Usufrua dele! Os envolvidos nesse programa ofereceram o que tinham como meio de dar luz e vida ao programa, faltava ter acesso de melhor. Os funcionários da empresa mantenedora a organizações sociais de base. Então, encontramos uma do Instituto Hedging­Griffo deram o pontapé inicial para excelente parceira: a Ação Comunitária, que, além de ser o nascimento do programa. Com eles, descobrimos a uma enorme rede de organizações sociais localizadas na Silvia Morais
  5. 5. OS ATORES PRINCIPAIS... 9Instituto Hedging-Griffo 9 brincar e ler para viver guia brincar e ler para viverPor entre “tindolelês”, jogos de faz­de­conta, os Casa Bom Pastor, Jardim Boa Sorte, Jardim Ipanema,educadores nos encontros de formação foram Mocaph, N. Sra Aparecida e Paulo VI, que tiveram seusconvidados a revisitar a sua história, para espaços projetados pela arquiteta voluntária Mônica Spadareconstruir uma prática educativa que considera Duarte que, com seus dons, olhou uma a uma pensando deo Brincar e o Ler peças fundamentais no que forma poderíamos otimizar os espaços para que estesdesenvolvimento de crianças e adolescentes. também fossem utilizados para brincar e ler.Em um caminho lúdico, a Caleidoscópio mediou Acaji, Bom Pastor, Jd Macedônia e Provisão, em 2006,encontros de formação ao longo dos quatro anos rechearam seus espaços com suas pérolas de 4 a 6 anos,do Programa Brincar e Ler, uma formação que que fez a Caleidoscópio pensar em um acervo para tal faixateve como objetivo auxiliar a equipe de educadores etária, até então atendia apenas de 7 a 14 anos.a organizarem seu trabalho com as crianças eadolescentes, principalmente, nas intervenções Em 2007, Cidade Julia, Cultural Sul, Jd Imbé, Meu Aba-educativas em relação ao brincar e às propostas de cateiro, Rita Cavenaghi e Santa Amélia fecharam oleitura e contação de histórias. ciclo desses quatro anos que foram contemplados com todo o aprendizado e experiência dos anos anteriores.Nesses encontros, os instrumentos de trabalhos fo­ram os livros e brinquedos, muitos deles doados pelo Por fim, a Ação Comunitária que também foi oInstituto Hedging­Griffo, como forma de ampliar o acervo começo, por ser parceira responsável pelas 20lúdico e cultural das 20 organizações. Cada uma dessas organizações, ao abrir seu espaço, o aprendizado avorganizações em seu ano de programa encaminhava seus foi construído, o alimento oferecido e todo suporte da bor es: das bone cas que rios sa ieducadores para serem coautores destes encontros e necessário foi encontrado. po v á de ia e ser v alegrassim voltarem a sua comunidade com o olhar para este ivida com mui ta pe ças que se falam, dasacervo e sua prática diferenciada. E, neste movimento, nosso livro foi escrito, um movimento de ir e vir, de documentos e experiências mexFundação Márcio Brandão, Guri e Jd. Magdalena, em registradas, de fotos tiradas e um saber construído em2004, foram privilegiados com a Gincana de voluntariado por 144 educadores que, hoje, medeiam um dos livros que ,da empresa Credit Suisse Hedging­Griffo e tiveram seus mundo de faz­de­conta entre histórias encantadas peças que se mexem, dos livros que se abrem... E é com se abespaços construídos, com o apoio da arquiteta voluntária a 3162 crianças e adolescentes que podemos esses movimentos que contamos, com você, leitor, que, ao re mCristina Moura e pintados por funcionários da empresa que encontrar ao passear em um dos cantos de São ler essas páginas, possa também fazer parte de mais uma ...perceberam o quanto o Brincar e Ler eram fundamentais Paulo, lá na zona Sul. Esta região, hoje brilha e historia que se inicia... a história do Brincar e Ler, que, porpara que qualquer criança e adolescente fosse inserido encanta seus pequenos cidadãos com uma riqueza meio deste Guia, poderá viajar por todos os cantos, nãoem um amplo universo cultural. cultural e lúdica a ser sempre construída e que fará só Sul, mas Norte, Leste e Oeste... toda a diferença no hoje e amanhã destes pequenos,Já em 2005, o IHG assume o Programa Brincar e Ler que aprenderam que a vida pode ser vivida com muitapara Viver viabilizando seis brinquedotecas e bibliotecas: alegria e vários sabores: das bonecas que falam, das Daniela Fornari
  6. 6. AçãO COmuNITáRIA 11 prefácio brincar e ler para viverTanto o Instituto Hedging­Griffo como a Ação Mais significativo do que um... “Muito obrigado!”... com certeza Co mComunitária buscam, por meio de suas ações, esses agradecimentos deverão estar na continuidade e oaa melhoria das condições de vida das crianças consolidação das brinquedotecas e bibliotecas comoe adolescentes com uma educação de qualidade instrumentos importantes para complementar nossa grafocada no direito de brincar, ler e aprender. prática educativa. Estabelecendo metas por meio de de c ações estratégicas, assegurando a continuidade er eSer convidada a fazer parte do Programa Brincar e Ler da formação dos educadores, lideranças co­para Viver como parceira na indicação das organizações munitárias e equipe técnica, acompanhando, stasociais e no acompanhamento técnico dessas organizações monitorando e avaliando as atividades do p a rc e r i a ?foi uma via privilegiada de enriquecimento e fortalecimento na Brincar e Ler para Viver!capacidade de a Ação Comunitária exercer cidadania ativa, capazde promover e criar direitos. Efetivamente, é a parceria de organizações socias, empresas e institutos empresariaisDireitos esses garantidos pelo acesso a um espaço adequado, que elegem a prioridade educativa comobrinquedos e livros de qualidade, compatíveis com a faixa etária, que sua aliada, que contribui na edificação decontribuíram com o desenvolvimento das crianças e adolescentes uma nova ordem social!dessas organizações comunitárias. Ampliaram possibilidadesde atividades em que crianças e adolescentes puderam criar Celso Freitase recriar conhecimentos, ler e interpretar o mundo, interagire se apropriar de forma crítica e criativa da realidade, sentircuriosidade e prazer no conhecer.O Programa Brincar e Ler para Viver, ao prever uma forma­ção dos educadores e da equipe técnica dos programasenvolvidos, assegurou a estes o mobilizar interesses,o ativar a participação, o desafiar o pensamento, opossibilitar os acertos e o instalar o entusiasmo e aconfiança nas crianças e nos adolescentes.
  7. 7. CALEIDOSCÓPIO 13prefácio brincar e ler para viver Queremos agradecer a participação entusiasmada de todos os autores, das organizações envolvidas O en que ajudaram a criar contextos e contornos para a consistência do Programa Brincar e Ler para Viver. tus Para nós da Caleidoscópio, foi um presente Agradecer também as crianças e jovens pelas belís­ iasm participar da construção coletiva do Programa simas produções que alimentam nosso olhar. Brincar e Ler para Viver. Um programa que oa nasce do desejo do Instituto Hedging­Griffo Não é tarefa fácil selecionar entre tantos materiais: m dv de investir na leitura e na cultura lúdica. Ganha u m a p o s t u ra d e q de portfólios, planejamentos, registros, fotos, desenhos é brilho e existência no dia­a­dia das crianças e ue um e produções de 20 organizações, realizadas adolescentes por meio do trabalho da Ação durante quatro intensos anos. an m Comunitária ao abrir suas organizações e criar o va é in condições para esse programa se desenvolver. A Caleidoscópio, empresa de consultoria em post u ra d i a nte do conhecimento, ve n De nossa parte, identificamo­nos completamente educação e cultura, acredita no grande potencial com a idéia de construir espaços para avivar a de transformação social de atividades que buscam to r d imaginação e as interações lúdicas e simbólicas, a essência humana – que é a capacidade de criar aceitando o desafio de agregar forma e conteúdo e agir criativamente – e procurou neste programa a p r ó p r i a p r á t i c a e d u c a t i va . para que o programa ganhasse consistência ser coerente com tal propósito, desenvolvendo Alguns estarão registrados aqui, outros na memória e no que diz respeito à concepção e proposta ações e uma forma de trabalhar que considerou nas ações daqueles que desfrutaram do programa. formativa dos educadores. sempre a autoria de todos os envolvidos: crianças, adolescentes, educadores, lideranças comunitárias e Desejamos que nossos parceiros se vejam representa­ Este intercâmbio fecundo em possibilidades coordenadores pedagógicos. dos nestas linhas e que outros educadores e leitores nos permitiu uma prazerosa tarefa de es­ encontrem respaldo para sua prática. colher acervo lúdico e literário, dialogar Apostamos num modelo de formação no qual se com a equipe de arquitetos que cuidavam exer cite intensamente o ato criativo. Os educadores Boa leitura! da reforma do espaço para receber a foram sempre convidados a brincar, jogar, ler, contar Adriana Klisys e Edi Fonseca brinquedoteca e biblioteca, delinear a histórias seguidas de discussões, embasamentos e proposta formativa e trabalhar junto trocas para aprimorar sua prática. à equipe educativa de organizações tão comprometidas que fazem Outro aspecto relevante no trabalho formativo ao qual parte da Ação Comunitária e ter o damos especial atenção é o entusiasmo nas ações, olhar sempre próximo da equipe afinal, a atividade lúdica não é uma atividade desta do Instituto Hedging­Griffo, que natureza? Acreditamos que o entusiasmo se dá pela sabe como cuidar, gerir e somar possibilidade de criação e de autoria no que se faz. competências. Assim, pudemos A brincadeira é o espaço privilegiado de escolha e de construir de um modo coletivo com tomada de decisões. O entusiasmo também advém de muitíssimas contribuições o que uma nova postura diante do conhecimento, uma postura sistematizamos nesta publicação. de quem é inventor da própria prática educativa.
  8. 8. CONTEXTO FORmATIVO DO PROGRAmA 15capítulo 1 BRINCAR E LER PARA VIVER brincar e ler para viverDo ponto de vista educativo, o Programa Brincar e Por acreditar nesses princípios, considera­se tanto o corpoLer para Viver tem por objetivo cultivar primor­ do programa, dado pela constituição do espaço e acervo,dialmente as relações que se estabelecem tanto como a alma, dada pela formação dos educadores. Atoresna brinquedoteca e biblioteca como nas propostas que dão vida à implantação efetiva desses ambientes, que sóeducativas, culturais e de lazer oferecidas, para assim conquistam uma identidade própria.que seja um ambiente de muita vitalidade, emconstante transformação e apropriação por parte A grande vantagem de se ter a montagem da brinquedotecade seus usuários. e biblioteca ligada ao processo formativo dos educadores, dirigentes e coordenadores das organizações sociaisFundamentalmente, a proposta formativa busca uma participantes é a apropriação desses ambientes comoclareza do papel do educador na constituição dos ferramenta de trabalho e de transformação cultural, de­espaços da brinquedoteca e biblioteca, propiciando terminando que a autoria da equipe educativa saibaa percepção de que, por meio do brincar, se pode gerir propostas, fazer planejamentos, criar contextosdedicar mais tempo ao lúdico, assim como, por meio instigantes de aprendizagem; enfim, construir umada leitura, mais tempo à formação imaginativa; ambos competência aliada ao desejo de criar uma culturarelegados a um segundo plano numa sociedade tão lúdica e de leitura, uma vez que não basta ter boasdestinada à manutenção de valores racionais e objetivos. intenções, é preciso ter domínio e conhecimento.Buscamos nesta construção do ambiente formar umsubstrato de subjetividade mais rico por meio do jogo e da A formação entra pelos bastidores de um programaleitura, que têm o poder de contribuir essencialmente para o de constituição de brinquedotecas e bibliotecas fun­refinamento da pessoa no que há de mais humano e vital. cionando como infra­estrutura conceitual, subjacente ao complexo cotidiano educativo. Ela oferece suporteReceber uma brinquedoteca/biblioteca equipada contribui para o trabalho do educador ocorrer com desenvoltu­muito para que as interações lúdicas e o comportamento ra, apropriação, sabedoria e encantamento, atributosdo leitor ganhem espaço no meio educativo; entretanto, não próprios de quem é autor de sua prática.basta ter apenas o espaço e os materiais, uma vez que esseambiente é sobretudo simbólico, permeado de ludicidade Ao trabalharmos nos bastidores, oferecendo a sus­e de leituras de mundo, carregado de intencionalidade, tentação para que as propostas pudessem acontecerconstituindo, por excelência, um espaço de relações. É de maneira mais implicada com as necessidadesesse ambiente relacional que procuramos abordar nos das crianças e adolescentes, desfrutamos aos pou­encontros formativos: tratar das relações possíveis no jogo, cos de um belo espetáculo envolvendo muito faz­nas brincadeiras, na leitura, na interação com os outros e de­conta, brincadeiras, jogos, saraus, contação decom o conhecimento, oferecendo ajuda na estruturação e histórias e leituras. As crianças e adolescentes, ato­funcionamento dos ambientes de leitura e brincar. res fundamentais desse processo, e seus educadores Desenho de criança do Jardim Boa Sorte
  9. 9. e dirigentes, “diretores de cena”, puderam desfrutar • Diálogo entre a teoria e a prática – transpor os Os momentos de criação e planejamento muitas vezes 17de um programa que pode agora ser compartilhado conteúdos aprendidos para o trabalho com as crianças, surgiram da imersão no conteúdo. Ou seja, após a rodacom um público mais amplo. Para que o Programa por meio da reflexão do papel do brincar e da leitura na de histórias os educadores recebiam o convite para brincar e ler para viverBrincar e Ler para Viver pudesse ser socializado, na vida de crianças, adolescentes e adultos. selecionar um conto, criar seu próprio baú, ensaiar,presente publicação, contamos com uma metodolo­ planejar a atividade e desenvolvê­la com sua turma.gia formativa que será brevemente explicitada aqui • Socialização de soluções – garantia de momentose detalhada nos capítulos seguintes, que tratam da para socializar formas encontradas por todo o grupo de Temos aqui um outro exemplo: em um dos encontros,prática educativa e formativa. atuação e desenvolvimento do trabalho. o conteúdo da formação foi “jogos de regras”. Após apreciarem um vídeo de crianças da África jogandoA formação foi pautada numa metodologia dife­ A imersão no conteúdo esteve presente nas situações mancala, os educadores puderam aprender as regrasrenciada com eixos estruturantes e momentos voltadas para o desfrute próprio de cada educador, com a para jogá­lo. Além disso, apreciaram uma exposiçãobem definidos para a abordagem dos conteúdos e construção de jogos e brinquedos, brincadeiras e cenários com mais de 20 tabuleiros de mancala produzidos com [Santa Amélia]apropriação destes pelos educadores: para o brincar, oficinas de leitura e narração de histórias, diversos tipos de materiais e posteriormente construíram apreciação de belas imagens, audição de uma música, seus tabuleiros e saíram com o desafio de ensinar as• Imersão no conteúdo – em todos os encontros observação de trechos de um filme etc. Conseqüentemente crianças e os jovens a jogar e promover uma oficina antecipar, intervir, acreditar que esse outro tem saberes eforam realizadas propostas e atividades para os promoveram situações nas quais os educadores puderam para a produção de outros tabuleiros de mancala. que uns aprendem com os outros. Sem isso, não adiantariaeducadores, com o objetivo de promover momentos aprender e construir recursos por meio da experimentação ter uma biblioteca e brinquedoteca repletas de materiais.para que eles pudessem desfrutar de boas práticas de de materiais, da descoberta de habilidades e gerar a Nas propostas de diálogo entre a teoria e a prática, Sabemos que há bibliotecas em diversas escolas, masjogos, brincadeiras, produção de brinquedos, leitura e criação de novas propostas. Tudo isso sempre apoiado além da busca pelo embasamento teórico em textos nem sempre utilizadas espontaneamente pelos alunos. Acontação de histórias. em contextualização e muito encantamento. de especialistas e estudiosos, muitas vezes foram questão norteadora não está no material, no repertório utilizadas “práticas de referência” como estratégia da de atividades, mas em compreender e incluir­se no• Momentos de criação e planejamento – os Ao participar de uma deliciosa roda de histórias, os formação. Essas práticas de referência foram apre­ processo de aprendizagem aliada ao desenvolvimento.educadores foram convidados a planejar suas ações, educadores passaram a desejar contar histórias da sentadas para a equipe por meio de observação deque envolveram autoria própria e das crianças, partindo mesma maneira e com a mesma qualidade. Isso filmagens, leitura de registros escritos acompanhados A socialização de soluções também contribuiu muitode desafios lançados a repensarem sua prática, de forma implicava o desejo de utilizar recursos parecidos, ou não de apreciação de fotos de atividades com bom para a aquisição de conhecimentos e tomada de deci­a rearranjarem o espaço, os materiais e propostas. apropriar­se das particularidades da narrativa e com­ planejamento e seu desenvolvimento produtivo. A partir sões. Após a execução das atividades planejadas e a preender por que ela é tão importante. disso, foram discutidos os encaminhamentos dados pelo implantação das propostas de trabalho, a cada encon­ educador em questão, seus saberes e a qualidade da tro os educadores participavam de uma rodada de aprendizagem das crianças, permitindo assim sistematizar socialização na qual relatavam como a atividade tinhaEducadores contam, encenam histórias e criam jogos a partir delas. conhecimentos e relacioná­los com a teoria. sido realizada, quais as conquistas, as variações, as dificuldades, os desafios etc. Esse diálogo possibilitou A idéia central é compreender como a criança e o adolescente ao grupo perceber, por exemplo, que as dificuldades aprendem e como é possível o educador e seus parceiros não existiam apenas para uma organização, mas que colaborarem para que essa aprendizagem seja mais outras passavam por problemas parecidos, porém significativa (aqui a palavra significativa não está relacionada nem por isso desistiam; ao contrário, encontravam um apenas ao afetivo, mas a fazer sentido para o educando, tipo de encaminhamento para a resolução da questão. possibilitar que ele relacione seus conhecimentos e faça Em outras situações, as trocas de conhecimentos, novas descobertas). Esta sempre foi a grande questão informações e possibilidades foram bastante preciosas. do programa e talvez a grande questão da Educação: Um grupo apresentava diferentes tipos de base para a qualidade da ação educativa está em compreender rodar pião, outro contava como tinha sido sua roda como o outro aprende, saber se colocar no lugar dele, de leitura ou a utilização do teatro de sombras com
  10. 10. as crianças pequenas, um terceiro oferecia material de soluções sempre fez parte da metodologia que busca A partir dos conteúdos Os encontros de formação não foram os únicos 19(sucatas especiais, refugos de fábricas) doado em grande a autoria dos envolvidos no processo. formativos, elencamos uma responsáveis por essas expectativas efetivamentequantidade para os colegas, um outro ainda falava da série de expectativas de se concretizarem, mas a prática posta dentro da brincar e ler para viverdificuldade e das estratégias para a organização do Para apropriar­se de seu trabalho formativo na brin­ aprendizagem dos educadores, organização, a retomada de sua realização, a garantia deespaço de brinquedoteca e biblioteca. Enfim, conver­ quedoteca e biblioteca, o educador precisa ter clareza da que se aprimoraram ao longo recursos humanos e materiais e a parceria com outrossas que auxiliaram na construção de um vínculo, que abrangência desse espaço. Para tanto procuramos, nos dos encontros: atores é que possibilitaram alcançar tais objetivos.possibilitaram a aprendizagem entre os participantes e encontros de formação e supervisão, trabalhar com oso aprimoramento do brincar e da leitura. A socialização seguintes conteúdos: • Saber valorizar o brincar e a leitura participação social cada vez da criança e do adolescente. mais intensa, sabendo expressar • Evolução histórica e social • Criação de brinquedos e jogos; • A escolha da história de • Saber propor situações nas quais idéias, sentimentos e opiniões. do brincar; • Jogos simbólicos e acordo com os ouvintes; crianças e adolescentes participem • Favorecer o gosto pela leitura, • Brincar e aprendizagem; jogos de regras; • Ler e contar – diferenças da definição dos projetos de entendendo os textos escritos • Análise cultural do brinquedo e • A cultura dos jogos de tabuleiro; e semelhanças; confecção de brinquedos e jogos, tanto como fonte de informação critérios de escolha de acervo; • Histórias e memórias: textos, • O apoio de alguns materiais participando da determinação do como de entretenimento. • Planejamento das atividades contextos, pessoas; – construção da caixa e/ou baú; tempo e do espaço. • Saber organizar situações em lúdicas, dentro do contexto • O papel significativo dos • A importância das histórias • Observar e registrar os momentos que as crianças e os adolescentes pedagógico da organização; contos na vida das pessoas para as crianças; de brincadeiras e jogos das crianças possam exercitar as habilidades • Organização de espaços e das sociedades; • Teatro e jogos teatrais; e adolescentes como material de ouvir atentamente e falar, para o brincar; • Características da oralidade • A leitura pelo professor; de reflexão para seu trabalho: opinando e argumentando a • Utilização da atividade a “contação” de histórias: • Produção de texto coletivo; os enredos que criam, como lidam respeito de seus pontos de vista. lúdica na Educação; criação de sentidos; • Produção de registros e portfólio com as regras, as iniciativas que • Saber selecionar livros para as • Intervenções educativas que • O lugar do contador: contemplando trabalho realizado. tomam, os conflitos que aparecem, diferentes faixas etárias, com contemplem a leitura e o brincar; apropriação e domínio do texto; os objetos que utilizam etc. desafios condizentes aos grupos. • Saber organizar o espaço e os • Incluir as rodas de leitura e as materiais de forma que facilite o brincadeiras em seu planejamento aparecimento das brincadeiras e como atividades permanentes, do interesse pela leitura. possibilitando que a ação pedagógica • Saber ser um elemento integrante contemple esses dois projetos. das brincadeiras, como observador, • Planejar diferentes propostas de organizador, mediador de atividades envolvendo a leitura. conflitos, acolhendo idéias, • Promover momentos de troca participando quando convidado, de informações e opiniões ou quando as crianças entre crianças e/ou jovens a necessitarem de ajuda ao partir das leituras. tentarem construir algo. • Construir diferentes recursos e • Possibilitar o enriquecimento do materiais de acompanhamento conhecimento acerca da origem e avaliação que possam ser usados Acima, educador do Jd. Macedônia dos jogos bem como de suas regras. durante as ações tanto do Nos encontros de formação os momentos de socialização de soluções práticas do dia-a-dia sempre estiveram presentes, como podemos socializando o jogo de bolinhas de observar neste ambiente criado pela organização Nossa Senhora Aparecida para socializar com os demais grupos que também tiveram a • Possibilitar o uso dos conhecimentos Brincar quanto do Ler tanto pelo gude na formação; no topo da página, tarefa de um encontro para o outro organizar ambientes lúdicos tais como circo, pet shop, navio pirata ligados à língua para ter uma educador quanto pelos alunos. desenho de criança da A. C. S. C. Sul
  11. 11. FAZENDO AS ESCOLHAS 21capítulo 2 E DEFININDO O ESPAçO brincar e ler para viveruma ação bem pensada foi compartilhar a responsabilidade por esse trabalho entre todo o grupo de educadores.Abrir ou não a brinquedoteca e a biblioteca para a comunidade? Em outros casos um educador e sua turmaEste é um questionamento que toda organização se faz; e é arrumavam os espaços durante um mês. Emsabido que este é o grande ideal: abrir a brinquedoteca e a algumas organizações os jovens ajudaram abiblioteca para usufruto de todos. A decisão depende de uma cuidar do acervo. Integrantes da comunidade,série de critérios que precisam ser muito bem definidos e como o grupo de pais, foram voluntários paraarticulados para que a atitude seja tomada conscientemente e esse trabalho. Cabe lembrar que precisaramaconteça de fato. de orientações para compreender a dinâmica e a proposta da brinquedoteca e biblioteca.Para abrir a brinquedoteca e a biblioteca para uso de todos,é preciso conhecer e formar vínculo com a comunidade, ter Cada organização deve definir se há possibili­uma estrutura de funcionamento bem definida com regras dades de abrir a brinquedoteca para empréstimoclaras para todos, contar com pessoas preparadas para de brinquedos e jogos. Se essa for a opção, oso atendimento e com acervo suficiente para o público brinquedos precisam ser tombados e classificadosa ser atendido. e há a necessidade de se ter um controle para a retirada e a devolução dos brinquedos e jogos. ONeste programa não contamos com a participação mesmo acontece com o acervo de livros.de brinquedistas e bibliotecários. A organização e ofuncionamento dos espaços se deram de maneiras Se não for possível emprestar todo o acervo ou abrir odiferenciadas de acordo com a opção e as condi­ espaço para a comunidade, podem­se encontrar soluçõesções de cada organização. Uma das alternativas intermediárias, tais como:• abrir a brinquedoteca para ser utilizada • abrir a biblioteca para horas de nos finais de semana com a presença pesquisa e estudo; de pessoas que se responsabilizem • realizar horas do conto com momentos pelos materiais e auxiliem os usuários; de leitura para o público;• emprestar apenas os jogos e • permitir que as crianças e jovens brinquedos produzidos pelos alunos e matriculados na organização levem que poderão ser repostos com facilidade; os livros para realizar leituras com• realizar oficinas de jogos e brinquedos seus familiares e colegas. abertas ao público; Tapete produzido por mulheres da comunidade• promover campeonatos de jogos de N. Sra. Aparecida, junto com as crianças; na pág. quadra e tabuleiro; ao lado, desenho de criança da Ação Comunitária
  12. 12. 23 montagem do espaço brincar e ler para viver No início da implantação de brinquedotecas e bibliotecas, a primeira preocupação que surge é como organizar o espaço, armazenar o acervo recebido, de modo que possa se transformar num ambiente de amplo uso. Acima, planta da brinquedoteca – arquiteta Monica S. Durante – e, abaixo, fotos de detalhes do espaço (Meu Abacateiro e Márcio Brandão) Não devemos nos esquecer de que o ambiente se define pelo Há muitas formas de organizar os espaços, guardar livros, brin­ de uso e deslocamento de materiais. Aconjunto de relações das pessoas entre si e com o espaço físico e quedos e jogos. Das 20 organizações, cada uma procurou a melhor acessibilidade e organização adequada dosmateriais que o compõe. Não existe espaço vazio de significados. forma de armazenamento, de modo que se priorizasse o livre materiais favorecem a apropriação do espaçoA forma de ocupá­lo reflete as intenções de seus usuários. Um acesso, com responsabilidade de uso, cuidando da conservação e o constante cuidado com ele. Espaços desor­ aspecto fundamental na criação de brinquedotecas e bibliotecas, e manutenção dos materiais. Algumas soluções foram coletivas, ganizados, em geral, geram desorganização dos portanto, supõe considerar as relações que se estabelecem outras ganharam a particularidade de cada um dos usuários, usuários. Uma caixa com brinquedos tumultuados nesse espaço e, nas propostas educativas, culturais e de afinal precisavam ter identidade própria, embora tivessem e misturados, além de muitas vezes não favorecer lazer oferecidas, o sentido que tudo isso tem na vida dos particularidades em comum. o aprofundamento na brincadeira, faz com que seus usuários. A arrumação do espaço deve ser bem planejada usuários também não se importem com os cuidados e reavaliada conforme o uso, de modo que se ofereça A decisão de como armazenar foi tomada em conjunto, con­ que devem ter com materiais de uso coletivo. uma relação autônoma a seus participantes. siderando os espaços das organizações, os educadores, a consultoria pedagógica e arquitetônica. Configurou­se Não há uma fórmula única de organização e armazena­ A brinquedoteca e a biblioteca são espaços para inicialmente como uma eleição de adultos, depois foi mento do acervo, mas podemos partir de experiências brincar, conhecer, escolher, debater, dar opiniões, ganhando gradativa participação de crianças e adoles­ de outras organizações, e mesmo próprias, para ir sonhar, imaginar, compreender os símbolos, bus­ centes. Algumas organizações conseguiram com maior construindo a identidade de cada lugar. car equilíbrio entre o real e a ficção, compreender desenvoltura incluir as crianças e adolescentes em sua as relações e o mundo que nos cerca. A idéia é organização, outras ainda se empenham nesse processo. A seguir passamos a registrar algumas idéias que que essas possibilidades sejam consideradas na nortearam a construção do espaço e que foram montagem do espaço e, por conseqüência, também O armazenamento dos materiais ocupa uma atenção cons­ alimentadas por cada uma das 20 organizações nas propostas de usufruto dele. tante das organizações, até mesmo pela própria dinâmica ao longo do processo.
  13. 13. tecidos compôs o acervo para ser utilizada como fantasias Contemplar espaço para 25 e, sobretudo, como material para delimitar espaços, sucatas no acervo lúdico formando ora cabanas e tendas ora divisórias entre um Materiais plásticos que podem ter várias utilidades nas brincar e ler para viver espaço e outro, presos com barbante entre um ponto mãos das crianças constituem versáteis matérias­primas e outro. Recursos simples como caixas de papelão para a criação de novos brinquedos e jogos. Nem sempre decoradas também serviram ao propósito de delimitar foi muito fácil ajeitar um espaço para tal propósito. As A Organização Mocaph criou um armário-baú com espaços, com a vantagem de poderem ser dobradas e organizações solucionavam essa dificuldade armazenando, prateleiras para guardar o kit supermercado. As dobradiças colocadas em locais estratégicos permitem guardadas facilmente e oferecerem uso multifuncional: distribuindo tais materiais na sala ou em espaços abrir e fechar o supermercado de faz-de-conta. serviram tanto como cenário de uma história a ser reservados, cuidando de manter uma certa classificação contada (um pano de fundo) quanto como “parede” para facilitar o uso. delimitando um ambiente e outro de brincadeiras ou,Considerar as características dos usuários ser guardados fora de seu alcance, dão maior tranqüilidade ainda, como cenário de teatro de fantoche. Outras Considerar a participação das crianças e às crianças, que aprendem a conviver com uma diversidade vezes, um dos lados da caixa foi usado pelas crianças dos adolescentes na criação do acervoToda e qualquer proposta de criação de um ambiente de acervo à disposição, atendo­se a cada um deles com para ali desenharem o tabuleiro de um jogo.lúdico e de leitura precisa considerar muito quem ocupa vagar e aprofundamento. É interessante que o espaço conte com um acervo criadotal ambiente, como ocupa, o que faz e como interage. Buscar uma organização que por seus usuários. No programa, foram intensas as par­Sobretudo apostar na capacidade organizativa das Sabendo das possíveis dificuldades do grupo em relação tenha uma certa lógica de uso ticipações. Confecção de piões, raquetes, pés de latas,crianças e dos adolescentes e ensiná­los a cuidarem à organização do espaço e conhecendo as necessidades jogos, teatro de sombras, pequenos cenários de papel,do espaço, para que se sintam co­responsáveis. formativas das crianças e dos adolescentes, é possível É importante pensar muito bem nos usos que terão baú ou caixa de histórias, caderno com versos etc. É planejar situações nas quais eles vão aos poucos se os espaços. Para leitura, lugares aconchegantes, com desejável que haja lugares apropriados para guardaremÉ comum, quando as organizações ganham um espaço aproximando, fazendo uso e cuidando dos materiais e almofadas, pufes, tatames, tapetes etc. Deixar livros esses brinquedos. Potes, caixas e caixotes pintadosequipado, se preocuparem sobre como as crianças vão usufruindo das possibilidades oferecidas. para os menores em estantes mais baixas e para os pelas próprias crianças podem ser uma boa opção.se portar nesse espaço. Em geral, educadores temem maiores nas mais altas. Para o faz­de­conta, um espelhoque estraguem materiais e livros e que os usem de forma Considerar a versatilidade do espaço por perto, um baú ou mala de fantasias – estes devem estar Desenho de criança da Ação Comunitáriadesordenada. Tivemos grupos que de início não levavam transformado em diferentes ambientes, num lugar mais reservado que não tenha muito trânsito deos brinquedos de faz­de­conta para o pátio, com receio de com diferentes propósitos passagem para não interromper a brincadeira. São muitosque as crianças estragassem os brinquedos, preferindo os detalhes do dia­a­dia que precisam ser planejados elevá­los ao espaço mais protegido da sala ou mesmo da A versatilidade refere­se às diferentes funções que um avaliados, conforme os usos.brinquedoteca, para evitar uma dispersão do acervo. Em mesmo espaço físico pode assumir. Nesse sentidoalguns momentos até é preciso saber recuar nas intenções, foram consideradas mobílias e materiais que pos­mas não perder de vista a capacidade das crianças. Ao lon­ sam torná­lo multifuncional. Num momento forma­sego do processo e com intervenções específicas esse receio uma tenda de contação de histórias no meio dade levar brinquedos ao parque deixou de existir, pois todos brinquedoteca, noutro momento vira uma cabana eestavam implicados no processo. noutro o mesmo espaço vira um circuito com carrinhos e pistas, ou então uma nave espacial, o que envolveNum primeiro momento de contato com um espaço novo, deslocamentos e sucessivas reorganizações. Assim,rico e diverso é comum uma atitude exploratória, um um único espaço comporta muitos universos.momento de deslumbramento em que o olhar corre portodos os espaços sem se deter muito em algum. Esse Optou­se, ao lado de estantes que são excelentes orga­momento inicial, com a garantia de que poderão explorar nizadores de materiais, por móveis versáteis e levesos recursos aos poucos e de que eles não vão sumir ou para facilitar o deslocamento. Uma grande quantidade de
  14. 14. São muitas as soluções possíveis de mobília e materiais Destacaremos aqui algumas, tanto as oferecidas pelo ESPAçOS COm A CARA DE quEm OS OCuPA O grande diferencial do espaço se 27para organizar jogos, brinquedos e livros. programa como as conquistadas pelas organizações: deu mesmo nas prateleiras (na altura No lugar de desenhos ou enfeites prontos, como os das crianças), recheadas de jogos, brincar e ler para viver de festa, deve ocupar lugar privilegiado a decoração brinquedos e recursos para contação • uso de prateleiras para livros • expositores de livro feitos de pano • carrinhos de feira para feita pelas próprias crianças e pelos adolescentes de história criados por crianças e e brinquedos; e plástico transparente; transportarem brinquedos; e, em alguns casos, até mesmo com a participação adolescentes, que se tornaram autores • divisórias para separação • quadros de aviso para facilitar • espaço especial para leitura: da comunidade. Sabemos que é tradição em nosso país e responsáveis pela ampliação do acervo. de títulos; a comunicação; tapete, almofadas, colchonetes, decorar ambientes educativos com propostas que consideram Eram comuns comentários como: “Agora nós • caixotes de madeira para • painel de indicação de leituras; pufes. Outras boas possibilidades: pouco a autoria, haja vista a enorme quantidade de enfeites somos criadores de jogos!” armazenar brinquedos; • caixas e sacolas para as crianças rede, cadeira de balanço sofá prontos, industrializados, que decoram certos ambientes. • caixotes de madeira com rodinhas levarem livros para casa; ou banco de ônibus (facilmente Nas organizações participantes, pouco a pouco essa para transporte de brinquedos; • fichário para armazenar textos conseguidos em sucatas realidade foi sendo transformada, ganhando em alguns COmO ARmAZENAR • móvel-revisteiro para revistas, e/ou montar uma hemeroteca de da prefeitura); casos até mesmo ajuda de familiares na confecção de BRINquEDOS E JOGOS periódicos e livros ficarem de pé; textos de ciências naturais e • mesas; tapetes de história, colchas de fuxico, baús, pintura de caixas • divisórias; sociais, artes, regras de jogos, • cadeiras ou banquinhos de madeira para guardar brinquedos, sem contar com uma infinidade de Não adotamos uma classificação dos • tambores e cestos para formas de confeccionar brinquedos, em forma de cubo e vazados que jogos, brinquedos e recursos para a contação de histórias que jogos segundo as indicadas em geral para guardar brinquedos; enfim, artigos interessantes servem tanto de assento quanto foram criados tanto pelos educadores como pelas crianças brinquedotecas1, uma vez que se optou por ter • sacos para guardar panos, para socializarem relacionados à de acessórios para montagem e adolescentes. uma utilização interna, sem empréstimos de cordas, bolas; leitura e aos jogos e brincadeiras; dos espaços. Constituem um materiais. Além disso, não contamos com • malas de viagem para • fichário para marcar empréstimos material bem versátil: podem virar Nas organizações, optou­se, na pintura de paredes, por um profissional com tempo para dedicar a acomodar fantasias; de brinquedos e livros; móvel quando empilhados, palco cores em tom pastel, que criam um astral para o espaço, essa tarefa. • baús feitos de papelão; • cabideiro; quando dispostos numa seqüência sem concorrer com uma série de estímulos que o • gavetas para guardar brinquedos; • araras; no chão ou como mesinha para ambiente já tem. É preciso tomar um certo cuidado para Cada organização estruturou­se a seu modo, • bandejas de plástico; • espelhos; uma partida de jogo, com os não deixar o lugar muito poluído. contando com alguns cuidados: jogadores sentados no chão. • realizar a listagem do • reservar local de destaque para para localização fácil de eventuais As formas de acomodar jogos, brinquedos e acervo recebido; guardar brinquedos e jogos peças que se percam; livros foram as mais diversas possíveis. Tal • montar uma pasta com cópias das produzidos pelas próprias crianças; • organizar materiais em potes organização foi um importante elemento a regras dos jogos, caso se percam; • reforçar as embalagens dos jogos e/ou caixas que facilitem se considerar neste programa que busca • organizar caixas com kits de faz­ com contact ou mesmo transferi­ guardar os materiais, com uma intencionalidade educativa para que o de­conta, divididos por temáticas los de caixa, procurando preservar identificação possível; ambiente seja próspero em propostas de uso específicas. Ex.: salão de beleza, algum elemento da caixa antiga • criar um rodízio de comitivas de autônomo. Às vezes um mesmo espaço que veterinário, casinha, navio­pirata, etc. para identificação; crianças e adolescentes responsáveis estava impecável de uma hora pra outra se • discutir com crianças e adolecentes • separar uma caixa para achados tanto por manter o espaço desorganizava, surgindo daí nova necessidade critérios para a organização; e perdidos (sugerida pelo site como por criar soluções criativas de intervenção e de contar com crianças e • em alguns casos, registrar na www.abrinquedoteca.com.br, para ele, registrando as ações adolescentes para a reorganização. O investimento caixa os materiais que compõem que relata a caixa de O.V.N.I.S – que realizaram para incrementar aBolas de meia fazem parte da contribuição das crianças na organização requer grande envolvimento e determinados kits, para conferência; objetos voadores não­identificados), brinquetoteca em seu “mandato”.ao acervo de bolas na Organização Mocaph esforços coletivos. 1. Para saber mais, consultar o livro O Direito de Brincar: a Brinquedoteca, de Adriana Friedmann et al., editado pela Scritta/Abrinq, 1992.

×