Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Formação territorial e estr. geol. do brasil

9,410 views

Published on

  • Be the first to comment

Formação territorial e estr. geol. do brasil

  1. 2. Os limites, as fronteiras e a divisão política Território de um Estado nação Área em que o governo do país tem poder para atuar Limites naturais (serras ou rios) Linhas imaginárias Delimitado por linhas divisórias chamadas limites Fronteira política: trecho do território que define o limite. Zona ou faixa pela qual passa a linha de separação.
  2. 3. O ESTADO-NAÇÃO É comum referir-se ao país como sendo também um Estado. Diversos geógrafos, historiadores, sociólogos entendem que o termo que melhor traduz a idéia de país é Estado-nação . A nação é constituída por um conjunto de pessoas que tem o mesmo passado histórico, os mesmos costumes e valores e, às vezes, a mesma língua e religião. Tudo isso faz com que a nação tenha uma identidade cultural e se forme uma consciência nacional . Apesar de algumas particularidades, que podem ser até línguas diferentes, há nas pessoas que pertencem a uma mesma nação a idéia de pertencer a uma identidade superior, chamada de identidade nacional.
  3. 4. Assim, o país ou o Estado-nação são termos que se referem à organização político administrativa do território — o Estado — e à sociedade, que está sob o governo desse Estado. A sociedade pode ser formada por uma única nação ou por várias nações. O termo Estado nacional também é utilizado para se referir ao Estado-nação. Os geógrafos Milton Santos e Maria Laura Silveira afirmaram que “ a existência de um país supõe um território. Mas a existência de uma nação nem sempre é acompanhada da posse de um território e nem sempre supõe a existência de um Estado ”.
  4. 5. <ul><li>Os limites são resultados de longos processos de ocupação. Muitos são motivo de conflito e podem ser modificados. </li></ul><ul><ul><li>Eles não delimitam apenas o espaço físico que cabe a cada Estado governar. Em muitos casos, a divisão política representa formas diferenciadas de desenvolvimento tecnológico, de normas (leis), de valores e costumes. </li></ul></ul>
  5. 6. Fazer fronteiras com muitos países, como no caso do Brasil Vantagens : facilita a formação de blocos comerciais com os países próximos, a fim de facilitar o processo de produção, importação e exportação de mercadorias. Desvantagens: dificuldade do governo para controlar e fiscalizar as fronteiras terrestres, tentando impedir o tráfico de armas e drogas, o contrabando e a imigração ilegal. O Brasil apresenta a 3ª maior fronteira do mundo , com aproximadamente 16,8 mil km de fronteiras.
  6. 7. A formação do território brasileiro Final do séc. XVII Exploração das drogas do sertão na Amazônia Descoberta de pedras preciosas e ouro na região Centro Oeste Mostraram que a área ocupada pelos portugueses era bem mais ampla do que a estabelecida pelo Tratado de Tordesilhas. Drogas do sertão: cacau, cravo, espécies oleaginosas (castanha- do-pará)
  7. 10. Durante o século XVIII e início do século XIX, diversos tratados foram assinados para delimitar o território brasil eiro
  8. 11. <ul><li>Nordeste : cultivo de cana-de-açúcar; </li></ul><ul><li>Norte : extração de borracha e a exploração das drogas do sertão; </li></ul><ul><li>Sudeste : mineração e cafeicultura; </li></ul><ul><li>Sul : pecuária e agricultura familiar. </li></ul>A formação do território brasileiro deu-se com a ocupação decorrente da prática de diversas atividades econômicas.
  9. 13. BRASIL – SÉCULO XIX <ul><li>Características gerais: </li></ul><ul><li>Consolidação da economia cafeeira </li></ul><ul><li>Concentração da produção em função do centro administrativo </li></ul><ul><li>Ampliação da malha ferroviária </li></ul><ul><li>Decadência da economia mineira </li></ul><ul><li>Abolição da escravidão </li></ul><ul><li>Inicio da decadência do café </li></ul><ul><li>Indústria nacional </li></ul><ul><li>Crescimento da população urbana e dos fluxos migratórios </li></ul>
  10. 14. BRASIL – SÉCULO XX <ul><li>Características gerais: </li></ul><ul><li>Reorganização administrativa </li></ul><ul><li>Crescimento urbano interiorizado </li></ul><ul><li>Redirecionamento dos fluxos migratórios internos </li></ul><ul><li>Agravamento de problemas ambientais </li></ul><ul><li>Comprometimento dos recursos hídricos </li></ul><ul><li>Crescimento da área marítima (1988 – 200 milhas náuticas) </li></ul>
  11. 15. <ul><li>Tipos de regionalização brasileira: </li></ul><ul><li>IBGE </li></ul><ul><li>GEOECONÔMICA </li></ul><ul><li>IDH </li></ul>
  12. 16. BRASIL: DIVISÃO IBGE <ul><li>CRITÉRIO: aspectos fisiográficos e econômicos. </li></ul><ul><li>REGIÕES: norte, nordeste, centro-oeste, sudeste e sul. </li></ul><ul><li>PRINCIPAIS PROBLEMAS: </li></ul><ul><li>Grandes contrastes econômicos e físicos dentro da mesma região e respeito somente aos limites políticos dos estados. </li></ul><ul><li>EX: o norte de Minas Gerais possuía mais caracteristicas da Região Nordeste que da Região Sudeste. </li></ul>
  13. 17. BRASIL: DIVISÃO GEOECONÔMICA <ul><li>CRITÉRIO: características histórico-econômicas do Brasil, ou seja, os aspectos da economia e da formação histórica e regional. </li></ul><ul><li>REGIÕES: Amazônia, Centro-Sul e Nordeste. </li></ul><ul><li>PRINCIPAIS PROBLEMAS: </li></ul><ul><li>Respeito somente as caracteristicas econômicas, esconde realidades e diferenças sociais gritantes. </li></ul><ul><li>EX : Contrastes sociais existentes em relação aos estados dentro de uma mesma região. </li></ul>
  14. 18. BRASIL: DIVISÃO IDH <ul><li>CRITÉRIO: avalia os indicadores de educação, renda e longevidade. </li></ul><ul><li>REGIÕES: Alto IDH (próximo de 1,0), Médio IDH (próximo de 0,5), baixo IDH ( muito abaixo da média geral do país). </li></ul><ul><li>PRINCIPAIS PROBLEMAS: </li></ul><ul><li>Privilegia somente critérios sócio-econômicos, constante mutação. </li></ul>
  15. 19. <ul><li>Transformações territoriais no Brasil foram motivadas: </li></ul><ul><li>Interesses políticos e estratégicos – exploração de recursos e escoamento de produção </li></ul><ul><li>Interesses econômicos – exportação, indústrias e novos mercados </li></ul><ul><li>Aspectos naturais – relevo, clima etc. </li></ul><ul><li>Organização interna foi motivada: </li></ul><ul><li>Interesses políticos externo e interno – proximidade do mercado consumidores, facilidade para escoar produção </li></ul><ul><li>Interesses econômicos – urbanização crescente em regiões de interesse, decadência de regiões </li></ul><ul><li>Planejamento estratégico – garantia de riquezas e ocupação de vazios demográficos </li></ul>
  16. 20. <ul><li>Território – 8.514.876 Km² (país de dimensão continental, ocupa 47% do território da América do Sul) </li></ul><ul><li>5º país mais extenso do mundo </li></ul><ul><li>Suas terras localizam-se nos hemisférios norte (7%), sul (93%) e oeste (100%) </li></ul><ul><li>90% de seu território localiza-se na Zona Intertropical </li></ul><ul><li>Cortado pelo Trópico de Capricórnio e pela linha do Equador </li></ul>
  17. 22. FRONTEIRAS <ul><li>Possui 23.086 Km de fronteira ( 15.719 Km de fronteira terrestre e 7.367 Km de fronteira marítima </li></ul><ul><li>Dos países da América do Sul, não possui fronteiras apenas com Chile e Equador </li></ul>
  18. 24. <ul><li>Possui 3 fusos: </li></ul><ul><ul><li>1º FUSO (-2 hrs em relação ao GMT) – ilhas oceânicas </li></ul></ul><ul><ul><li>2º FUSO (-3 hrs em relação ao GMT) – horário oficial do Brasil </li></ul></ul><ul><ul><li>3º FUSO (-4 hrs em relação ao GMT) – abrange alguns estados das regiões Norte e Centro-Oeste </li></ul></ul>
  19. 25. PROBLEMAS FRONTEIRIÇOS <ul><li>O Brasil não possui problemas de litígios fronteiriços (conflitos) </li></ul><ul><li>Porém, devido a sua grande extensão territorial enfrenta outros problemas em suas fronteiras (tráfico de drogas, contrabando, invasão de terras, entre outros, especialmente na Amazônia (área de difícil monitoração) </li></ul>
  20. 26. PROJETOS PARA CONTROLE DAS FRONTEIRAS NACIONAIS <ul><li>RADAMBRASIL </li></ul><ul><li>CALHA NORTE </li></ul><ul><li>SIVAM </li></ul>
  21. 27. RADAMBRASIL <ul><li>Criado nos anos 1970 </li></ul><ul><li>Visa realizar levantamentos sobre os recursos minerais do país através do uso de tecnologias (radares e aerofotogrametria) </li></ul>
  22. 28. CALHA NORTE <ul><li>“ Desenvolvimento e Segurança ao Norte das Calhas dos rios Solimões e Amazonas” </li></ul><ul><li>Efetivou-se em 1985 </li></ul><ul><li>Visa proteger o território contra o tráfico de drogas, guerrilhas, contrabando de animais, invasão de terras indígenas, garimpos e desmatamento ilegal </li></ul>
  23. 29. SIVAM (SISTEMA DE VIGILÂNCIA DA AMAZÔNIA) <ul><li>Elaborado entre 1990/1997 </li></ul><ul><li>Projeto mais amplo, mas ainda não foi completamente efetivado </li></ul><ul><li>Objetiva coletar e processar as informações obtidas por cada órgão governamental que trabalha na Amazônia, criando uma base de dados da qual todos poderão compartilhar </li></ul>
  24. 30. SIVAM
  25. 32. FRONTEIRAS TERRESTRES A faixa interna de 150 quilômetros de largura, no Brasil, a partir desse limite é considerada indispensável à segurança nacional, e nela é proibido construir pontes, estradas internacionais, campos de pouso ou indústrias sem autorização prévia do governo federal.
  26. 33. FRONTEIRAS MARÍTIMAS
  27. 35. ZONA ECONÔMICA EXCLUSIVA <ul><li>ZEE – ABRANGE 200 MN(MILHAS NÁUTICAS), </li></ul><ul><li>370 KM. </li></ul><ul><li>TOTAL LIBERDADE DE NAVEGAÇÃO </li></ul><ul><li>SOBREVÔO, CONSTRUÇÃO DE DUTOS E CABOS SUBMARINOS. </li></ul><ul><li>OBS: O BRASIL TEM O MONOPÓLIO SOBRE OS RECURSOS BIOLÓGICOS E RIQUEZAS DO SUBSOLO MARINHO E DE TODA PLATAFORMA CONTINENTAL. </li></ul>
  28. 39. ESTRUTURA GEOLÓGICA <ul><li>NAS ÁREAS EMERSA, A CROSTA TERRESTRE É FORMADA POR TRÊS TIPOS DE ESTRUTURAS GEOLÓGICAS, AS QUAIS SÃO CARACTERIZADAS PELOS TIPOS DE ROCHAS PREDOMINANTES E O SEU PROCESSO DE FORMAÇÃO, E PELO TEMPO GEOLÓGICO EM QUE SURGIRAM. </li></ul><ul><li>ESSAS ESTRUTURAS GEOLÓGICAS SÃO: </li></ul><ul><ul><li>DOBRAMENTOS MODERNOS </li></ul></ul><ul><ul><li>MACIÇOS ANTIGOS (ESCUDOS CRISTALINOS) </li></ul></ul><ul><ul><li>BACIAS SEDIMENTARES </li></ul></ul>
  29. 40. TIPOS DE ESTRUTURAS GEOLÓGICAS <ul><li>DOBRAMENTOS MODERNOS – SÃO ÁREAS RECENTES (PERÍODO TERCIÁRIO DA ERA CENOZÒICA), APRESENTAM INSTABILIDADES TECTÔNICAS (VULCANISMO E TERREMOTOS), SÃO ALTAS E PONTIAGUDAS. EX: ANDES, HIMALAIA ETC. </li></ul><ul><li>ESCUDOS CRISTALINOS – SÃO ÁREAS ANTIGAS (PRÉ-CAMBRIANO), COM ALTITUDES MODESTAS E RELEVO ERODIDO (DESGASTADO), ARREDONDADO DO TIPO MEIA-LARANJA (MAMILAR). SÃO ÁREAS FAVORÁVEIS AO APARECIMENTO DE MINERAIS METÁLICOS. EX: SERRA DO MAR, DA CANASTRA ETC. </li></ul><ul><li>BACIAS SEDIMENTARES – SÃO ÁREAS REBAIXADAS QUE FORAM PREENCHIDAS DE SEDIMENTOS. SÃO ÁREAS FAVORÁVEIS AO APARECIMENTO DE MINARAIS COMBUSTÍVEIS. EX: BACIA AMAZÔNICA, DO PARANÁ ETC. </li></ul>
  30. 41. ESTRUTURA GEOLÓGICA BRASILEIRA <ul><li>Escudos cristalinos:  são áreas cuja superfície se constituiu no Pré-Cambriano, essa estrutura geológica abrange aproximadamente 36% do território brasileiro. Sendo 32% da Arqueozóica e 4% da Proterozóica (minerais metálicos) </li></ul><ul><li>Bacias sedimentares:  estrutura geológica de formação mais recente, que abrange pelo menos 58% do país. Áreas favoráveis ao aparecimento de minerais combustíveis. </li></ul><ul><li>Terrenos vulcânicos: estrutura que ocupa 8% do território nacional. Tais terrenos foram submetidos a derrames vulcânicos que deram origem ao basalto que é responsável pela formação dos solos mais férteis do Brasil, a “terra roxa”. </li></ul>
  31. 45. RELEVO BRASILEIRO <ul><li>PLANÍCIE – SUPERFÍCIE ESSENCIALMENTE PLANA, ONDE OS PROCESSOS DE SEDIMENTAÇÃO SUPERAM OS DE EROSÃO </li></ul><ul><li>PLANALTOS – PORÇÕES RESIDUAIS SALIENTES DO RELEVO QUE OFERECEM MAIS RESISTÊNCIA AO PROCESSO EROSIVO </li></ul><ul><li>DEPRESSÕES – ÁREAS REBAIXADAS POR EROSÃO QUE CIRCUNDAM AS BORDAS DAS BACIAS SEDIMENTARES, INTERPONDO-SE ENTRE ESTAS E OS MACIÇOS CRISTALINOS </li></ul>

×