Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Ontology and the lexicon

942 views

Published on

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Ontology and the lexicon

  1. 1. OntologyandtheLexicon: a multidisciplinar perspective<br />Laurent Prévot, et al.<br />Compilação elaborada por: <br />Rita do Carmo F. Laipelt<br />
  2. 2. Situando Ontologias e Recursos Léxicos<br />Objetivo<br /> Criar uma sinergia entre diferentes pesquisas e aplicações das estruturas apresentadas.<br />
  3. 3. Situando Ontologias e Recursos Léxicos<br />Ontologias: são comumente definidas como especificações de partes de conceitualizações.<br />Conceitualização: é um conhecimento informal relevante que pode ser extraído e generalizado a partir da experiência, observação ou introspecção.<br />Especificação: é a codificação deste conhecimento em uma representação da linguagem.<br />
  4. 4. Situando Ontologias e Recursos Léxicos<br />Ontologia formal x ontologia linguística<br />Ontologia formal: são formalmente bem formadas em relação a estrutura conceitual.<br />Ontologia linguística: são fundamentadas na linguagem humana e portanto linguisticamente convencionalizadas, por isso muitas vezes não oferecem estruturas conceituais precisas.<br />
  5. 5. Interface entre Ontologia e Léxico (ontolex)<br />Um léxico é sobre palavras e ontologias são sobre conceitos. Ainda que ambos representem conceituação compartilhada a partir da perspectiva de convencionalização.<br />O léxico estabelece a interface entre os agentes humanos e o conhecimento, e as ontologias disponibilizam a máquina para processar o conhecimento diretamente.<br />
  6. 6. Conceitualização<br />A conceitualização que a linguagem natural representa é um processo coletivo, não individual. O conteúdo da informação é definido pela coletividade de falantes.<br />
  7. 7. Ontologia Linguística x Ontologia Conceitual<br />Ontologia Linguística: desconhecem a importância do agente de conceitualização, são chamadas de ontologias descritiva e opostas as ontologias revisionistas. Reconhecem a linguagem natural e o senso comum como recursos importantes para a análise do conhecimento ontológico. Enquanto que as ontologias revisionistas são opostas a essa posição, buscam a natureza intrínseca do domínio independente dos agentes de conceitualização.<br />
  8. 8. Ontologia Lexical<br />Nas ontologias lexicais a conceitualização é baseada em critérios linguísticos, mais precisamente nas informações encontradas nos recursos léxicos como dicionários e tesauros.<br />São interessantes devido ao status especial do léxico na cognição humana.<br />
  9. 9. Especificação<br />Uma ontologia especifica conceitualização através de uma linguagem de representação.<br />Independentemente do nível de complexidade e clareza, o que é crucial é que as ontologias, como conceituações dependentes do idioma das especificações, são a base da comunicação, a ponte através da qual o conhecimento é estabelecido.<br />
  10. 10. Ontologias Formais x Ontologias Informais<br />Ontologias Formais: são expressadas por uma linguagem formal.<br />Ontologias Informais: expressadas pela linguagem natural.<br />Ontologia Semiformal: combinação das duas anteriores.<br />A importância dessa distinção é a exclusão de ambiguidade na ontologia formal, e o universalismo na semiformal.<br />
  11. 11. Scopo<br />Três diferente níveis de ontologias são reconhecidas em pesquisas e práticas sobre ontologias: de nível superior (upper), de núcleo ou referência (core) , e as ontologias de domínio.<br />
  12. 12. Ontologia de nível superior (upper)<br />As ontologias de nível superior são frequentemente confundidas com as ontologias fundacionais, pois ambas dizem respeito a categorias mais gerais que constituem a parte superior da taxonomia do conhecimento.<br />Contudo, são diferentes. A fundacional apresenta uma rica caracterização enquanto que a superior inclui a instancia, taxonomia simples. Elas contrastam com os recursos léxicos especializados e podem ser muito restritas.<br />
  13. 13. Ontologia de nível superior, de domínio e de núcleo<br />A distância existente entre uma ontologia superior e uma ontologia de domínio faz com que exista necessariamente uma ontologia intermediária entre elas.<br />A ontologia de núcleo (core), é o nível em que encontramos conceitos intermediários que fazem a ligação entre a ontologia superior e a de domínio.<br />
  14. 14. Interface Ontolex<br />Ontologias e recursos léxicos historicamente possuem diferentes aplicações e por isso apenas recentemente elas tem sido consideradas simultaneamente.<br />Do ponto de vista ontológico, a base das ontologias são os conceitos e as relações. <br />Identificar esses objetos e decidir sobre sua natureza é uma questão fundamental para a análise ontológica.<br />
  15. 15. Interface Ontolex<br />Algo similar ocorre com os termos e as relações encontradas nos recursos léxicos, os quais tem sido chamados de léxicos relacionais.<br />Conceitos (ou palavras) e relações são os dois primeiros objetos a serem considerados no trabalho com ontologias e recursos léxicos. Esse paralelismo em sua estrutura define a interface ontolex. <br />Essa interface, é extremamente importante para o desenvolvimento de recursos multilíngues (Eurowordnet).<br />
  16. 16. Ontologias Léxicas<br />Ontologias léxicas começam com a existência principalmente de um vasto vocabulário, bem como com a organização desses termos.<br />
  17. 17. Conceitos e Termos<br />Nas ontologias os nós são de natureza c onceitual. Esses nós são chamados de conceitos, tipos, categorias ou propriedades. São caracterizados, por extensão, em termos de classes e correspondem, nesses casos, aos lugares das instancias individuais.<br />Alguns recursos diferenciam classes e instancias.<br />Ex.: é uma, e instancia de.<br />
  18. 18. Conceitos e Termos<br />Na perspectiva ontológica isso ocorre devido a necessidade de esclarecer a diferença entre esses dois componentes e explicitar um conjunto de dados factuais, e assim separar os componentes da semântica ontológica.<br />Os nós dos recursos são termos próximos simples, e não entidades conceituais, são o sentido da palavra que correspondem ao uso convencionalisado de uma palavra. Possivelmente vindos do corpus.<br />
  19. 19. Wordnet<br />Na Wordnet os nós determinam o sentido da palavra que define/determina os sinônimos. <br />Wordnet é principalmente um léxico, todas as suas entradas são expressões linguísticas, mas a estrutura semântica definida pelos sinônimos e suas relações tem sido usadas como ontologia linguística. Nela é possível pesquisar, de cima para baixo os sentidos da palavra.<br />
  20. 20. Wordnet<br />Na ontologia formal, a ambiguidade dos termos tem sido resolvida antes da fase de especificação formal. O objetivo é oferecer uma alta precisão para o entendimento dos termos.<br />Assim, a pesquisa de baixo para cima, na Wordnet é utilizada para trabalhar com ontologias provenientes da Linguagem Natural.<br />
  21. 21. Relações<br />Nas ontologias os conceitos são integrados de forma coerente com as relações.<br />As relações são conceitualmente dirigidas para coletar os conceitos e argumentos.<br />Em uma ontologia formal é importante a clareza da natureza e das propriedades formais das relações, tipo de entidades que relatam (classes ou individuais), reflexiva, simétrica, transitiva, etc. <br />Na ontologia formal o foco é na relação é um.<br />
  22. 22. Tipos de Relações<br />Relações paradigmáticas: são constituídas por sinonímia, antonímia, meronímia, hiperonímia e hiponímia. <br />Nessas ontologias as relações conceituais são por exemplo: oposição conceitual, parte de, é um tipo de.<br />
  23. 23. Tipos de Relações<br />Relações sintagmáticas: ocorrem entre entidades de diferente natureza, seus itens co-ocorrem. Essas relações incluem objetos e agentes, eventos e processos.<br />

×