Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Poemas dia mundial_da_poesia

2,226 views

Published on

Construção de poemas inspirados em quadros de Joan Miró.

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Poemas dia mundial_da_poesia

  1. 1. À Descoberta de Sensações… • Observação de Obras de Pintores Famosos; • Interpretação da Linguagem Plástica; • Construção de poemas a partir das sensações transmitidas pela pintura.
  2. 2. “Noturno”, Joan Miró A partir da observação da obra “Noturno” , o Tiago Miguel Marques Figueiredo, da turma 5 da E.B. de São Domingos construiu o poema “A escuridão” . Este poema foi o vencedor do 1º ciclo, ao nível do Agrupamento, do concurso “Faça lá um poema”, edição de 2014.
  3. 3. “A escuridão”, Tiago Figueiredo Estava escuro, uma escuridão Até que uma formiga vaidosa Encontrou no chão Um instrumento de iluminação. Era uma bela estrela cheia de tristeza Em cima de uma mesa. A estrela não conhecia ninguém E contou que caiu numa noite Do céu de Belém. Também disse que para casa queria voltar Mas tinha partido uma asa E ao céu não podia regressar. Então os insetos ofereceram-se para ajudar Juntaram-se todos a trabalhar Para uma asa formar E com ela a estrela poder voar. Quando chegaram a Belém A estrela agradeceu E uma casa lhes ofereceu. Esta história noturna Não é para esquecer Mas sim para lembrar Que qualquer ser se deve ajudar Sempre, sempre sem parar.
  4. 4. “No verão” Era uma praia com areia areia amarela rochas prateadas. Na praia estava: uma raposa assustadora Uma rocha branca com gorro e cachecol às cores. No céu amarelo tinha uma fada a voar e um sol a brilhar. Francisco Nobre da Silva Pena T.5 da E.B. de São Domingos “Verão”, Joan Miró
  5. 5. “No fundo do mar” No fundo do mar Há conchas brilhantes Algas marinhas E estrelas elegantes. No fundo do mar Quando o sol se põe A lua aparece As estrelas iluminam E tudo arrefece. Micaela Maia Fernandes, Aluna da T. 5 E.B. de S. Domingos “A bailarina”, Joan Miró
  6. 6. “Ser bailarina” Ser bailarina, ela queria ser Mas os pais… não queriam crer. Então, cheia de tristeza Mas com muita leveza Para o quintal ia dançar Dançar, dançar e sonhar. Inês Isabel Rodrigues Paulino, Aluna da T. 5 E.B. de S. Domingos “A bailarina”, Joan Miró
  7. 7. “A mulher e o pássaro” A mulher a passear e a viajar E o pássaro a voar no mar. À noite, a mulher foi dormir O pássaro ficou acordado a rir. “Mulher e Pássaro”, Joan Miró O dia seguinte foi para passear. E pelo areal caminhar. No regresso, o pássaro quis festejar Mas o sono não o deixou a festa organizar. Maria Leonor Brochado Garcia, aluna da T. 5 E.B. de São Domingos
  8. 8. “A tonteira” Tão assustador Mas cheio de cor. Vemos o mar revoltado Com as ondas a rebentar Ouvimos o vento a assobiar Que põe o gato apavorado. Um fantasma com sono Vai para a cama d’outro dono Parece uma casa com feitiço Está tudo em grande alarido. Rodrigo Rodrigues, Aluno da T. 5 E.B. de S. Domingos “Carnaval de Arlequim”, Joan Miró
  9. 9. “Ler” Se sabes ler Põe-te a escrever. Ler, Ajuda-te a crescer. Ler, É a melhor coisa p´ra fazer. Ler, Ajuda-te a ter imaginação P’ra escrever com essa tua mão. Ler, Podes imaginar que podes voar. A ler, podes adormecer. Rafael Raimundo, aluno da T. 5 E.B. de São Domingos “Ler meninas”, Pablo Picasso
  10. 10. “O gato mauzão” O gato mauzão Um dia caiu no chão. Foi por causa dos sapatos Que estavam estragados. Ele chorou, chorou Ninguém o ouviu. Depois, gritou, gritou. Então, apareceu um dragão Que olhou e exclamou: - Que gato tão chorão! Francisco Nobre da Silva Pena, Aluno da T. 5 E.B. de S. Domingos “Gato”, Romero Britto
  11. 11. “Eu e a avozinha” Hoje, chorei mas amanhã cantarei. Estou com a avozinha E ela está na cozinha com as panelas a arder e o comer a ferver. Entretanto houve uma explosão E a panela caiu no chão. Depois fomos ver E na rua estava a chover. A cozinha começou a arder E eu fui a correr. Fui buscar a mangueira E apaguei a fogueira. Francisco Nobre da Silva Pena, Aluno da T. 5 E.B. de S. Domingos “Samba”, Romero Britto
  12. 12. “Sentimentos” Hoje estou contente Amanhã estarei sorridente Ontem caiu-me um dente Ai! Finalmente! “Samba”, Romero Britto Vou estar a sorrir Enquanto estou a ouvir O que a professora está a dizer Para começar a escrever O poema que estou a fazer Para a todos ler. Rafael Vieira, Aluno da T. 5 E.B. de S. Domingos
  13. 13. “Noturno” Um dia de tempestade Uma coisa chegou A tempestade parou. De lá coisas saíram Coisas estranhas sei lá. Não vamos gritar, Porque medo não temos Por coisas novas chegar! Vamos dizer sim à felicidade. Maria Pilar Monteiro T.5 da E.B. de São Domingos “Noturno”, Joan Miró
  14. 14. “O desentendimento no jardim” Os papás a discutir Enquanto o bebé está a dormir Lá fora o cão a brincar E o gato a miar O canário de castigo Com o seu amigo O arco-íris a aparecer E as crianças a ver Apareceu um feiticeiro A fazer bolas do amor Que atingiu os papás E pararam de discutir. Madalena Guilherme Marques T.5 da E.B. de São Domingos “O Jardim”, Joan Miró
  15. 15. “O mar” O mar é uma cor muito azul Mas é mais azul quando está zangado Mas quando está calmo fica mais claro No mar há peixes vermelhos e brancos Que fazem lembrar figuras geométricas Também há homens que vão limpar o mar Quando acabam o trabalho vão descansar. O azul é uma cor muito bonita O mar é azul A minha cor preferida. Martim da Silva Marinho T. 5 da E.B. de São Domingos “Mulher e pássaro”, Joan Miró
  16. 16. “O Dia das Bruxas” É uma noite escura O medo espalha-se pelas casas. E toda a gente grita: - Vêm aí fantasmas! O luar brilha muito, O espetáculo vai começar! As pessoas, cheias de medo, Tremem sem parar. Na cama dormia o menino Estava a sonhar com o seu gato O gato Félix Que lhe roubava o sapato. Rafael Lucas Raimundo T. 5 E.B. de S. Domingos “Carnaval de Arlequim”, Joan Miró
  17. 17. “Ao Sol do luar” Ao sol do luar toca música no ar. São os anjos que segredos gostam de guardar. Sentimentos não param de crescer. Viajar sem nunca mais parar. Tristeza não queremos ter Para isso sopa devemos comer, E energia temos de produzir Para o papá e a mamã sorrir. O bebé está a chorar, a montanha a desmoronar E o meu poema a terminar. Rafael Alexandre Martins Vieira T. 5 E.B. de S. Domingos “Verão”, Joan Miró

×