Boas praticas ibp

1,659 views

Published on

A Publicação sobre Boas Práticas de Responsabilidade Social Corporativa na Indústria de Petróleo, Gás e Biocombustíveis tem o objetivo de reunir exemplos bem sucedidos de iniciativas das empresas que fizeram ou fazem parte da Comissão de Responsabilidade Social do IBP, criada em outubro de 2002.
Os cases que vocês encontrarão nesta obra, podem e devem servir de exemplo para todas as empresas que almejam incorporar na sua gestão de negócio os conceitos e práticas da Responsabilidade Social como caminho para Sustentabilidade.
Na Publicação o RIOVOLUNTÁRIO apresenta um case sobre Voluntariado Empresarial e Desenvolvimento Sustentável, assinado por Wanda Engel e Heloisa Coelho.

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,659
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
7
Actions
Shares
0
Downloads
27
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Boas praticas ibp

  1. 1. BP BIOCOMBUSTÍVEIS • CHEVRON BRASIL PETRÓ- LEO • SISTEMA FIRJAN • FMC TECHNOLOGIES DO BRASIL • G-COMEX • IPI- RANGA PRODUTOS DE PE- TRÓLEO • COMUNICARTE • PQS • QUEIROZ GALVÃOBOAS EXPLORAÇÃO E PRODU- ÇÃO • REPSOL SINOPEC • RIOVOLUNTÁRIO • SHELL BRASIL • SUPERGASBRAS • TECHNIP • UFF/L ATECPRÁTICASDE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NAINDÚSTRIA DO PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS
  2. 2. 219
  3. 3. BOASPRÁTICASDE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NAINDÚSTRIA DO PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS
  4. 4. Boas Práticas de Responsabilidade Social Corporativa n a Indústria do Petróleo, Gás e Biocombustíveis Copyright© 2012 IBP – Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste livro pode ser reproduzida ou usada de qualquer forma ou por qualquer meio, eletrônico ou mecânico, inclusive fotocópias, gravações ou sistema de armazenamento em banco de dados, sem premissão por escrito, exceto nos casos de trechos curtos citados em resenhas críticas ou artigos de revistas. Edição: Benício Biz Editores Associados Capa: Benício Biz Arte e produção gráfica: Laércio Lourenço Distribuição: Benício Biz Editores Associados e IBP (Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis) Impressão: Walprint Gráfica e Editora Organizador: Luiz Fernando Rodrigues Ficha catalográfica CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ B634 Boas práticas de responsabilidade social corporativa na indústria do petróleo, gás e biocombustíveis / organizador: Luiz Fernando Rodrigues. - Rio de Janeiro : Benicio Biz, 2012. 220p. : 26 cm ISBN 978-85-64971-01-1 1. Responsabilidade social da empresa. 2. Indústria petrolífera - Aspectos ambientais. 3. Administração de empresas - Aspectos sociais. 4. Desenvolvimento sustentável. I. Rodrigues, Luiz Fernando. 12-6292. CDD: 658.408 CDU: 65.012.28 31.08.12 06.09.12 038559 2
  5. 5. BOASPRÁTICASDE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NAINDÚSTRIA DO PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS Rio de Janeiro, setembro de 2012 3
  6. 6. Boas Práticas de Responsabilidade Social Corporativa n a Indústria do Petróleo, Gás e Biocombustíveis Comissão de Responsabilidade Social do IBP Aecom do Brasil; Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural de Biocombustíveis (ANP); Benicio Biz Editores Associados; BG Brasil; BP Energy do Brasil; Chevron Brasil Petróleo; Comunicarte; Firjan; FMC; G-Comex Óleo e Gás; HRT Participações; Latec/UFF – Fundação Euclides Cunha; Luiz Fernando Rodigues; Maersk Oil Brasil; Npgrr; Odebrecht Óleo e Gás; Ogx; Queiroz Galvão Exploração e Produção; Repsol Sinopec Brasil; Riovoluntário; Shell Brasil; Siga; Statoil; Supergasbras; Technip Brasil; Wilson, Sons Agência Marítima; Luiz Fernando Rodrigues (Técnico Colaborador) Os artigos publicados são da inteira responsabilidade de seus autores. As opiniões neles emitidas não exprimem, necessariamente, o ponto de visto do Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis. 4
  7. 7. SumárioAgradecimentos........................................................................... 11Apresentação.............................................................................. 13BP BIOCOMBUSTÍVEIS.................................................................... 14Programa Jornada Pela Vida............................................................ 15Estruturação do Caso............................................................................................. 15 Apresentação da empresa e de sua política de responsabilidade social..............15 Valores.............................................................................................................................15 Diretrizes, estratégias e programas de responsabilidade social...........................16 Apresentação do Caso e Contexto das Ações........................................................... 17Processo de implementação do case......................................................................17 Objetivos.......................................................................................................................... 17 Metodologia/Implantação.............................................................................................. 17 Ações realizadas............................................................................................................ 17 Relação com diferentes públicos (Steakeholders)....................................................20 Avaliação dos resultados e impactos alcançados....................................................20 Lições aprendidas e Próximos passos.......................................................................21Conclusões e Recomendações............................................................................... 21CHEVRON BRASIL PETRÓLEO........................................................22Mulheres de energia: o investimento social da Chevron do Brasil........23 A Chevron no Brasil...................................................................................................... 24 Estruturação de Plano de Investimento Social........................................................ 24Razões para investir no desenvolvimento de mulheres.........................................25 O Plano de Investimento Social: ações e resultados ............................................. 27 Projeto Elas em Movimento......................................................................................... 27 Projeto de Inclusão Comunitária................................................................................ 27 Terezas em Ação........................................................................................................... 28 Projeto Gerando Oportunidades................................................................................. 28 Projeto Enter Jovem Plus............................................................................................ 28 Projeto Com.Domínio Digital....................................................................................... 28 Centro de Aprendizagem............................................................................................. 29 Up to English.................................................................................................................. 29 Programa de Voluntariado Energia Solidária........................................................... 29 5 Próximos passos........................................................................................................... 30
  8. 8. Boas Práticas de Responsabilidade Social Corporativa n a Indústria do Petróleo, Gás e Biocombustíveis sistema firjan.............................................................................32 O Sistema Firjan e o Setor P&G...................................................... 33 Simuladores............................................................................................................35 Caso de sucesso........................................................................................................... 35 Conclusão............................................................................................................... 37 FMC TECHNOLOGIES DO BRASIL................................................... 38 Fazendo a diferença na comunidade................................................ 39 Nossa missão................................................................................................................. 39 Uma questão de atitude............................................................................................... 39 Fazendo a diferença na Comunidade......................................................................... 39 Assistência social continuada.....................................................................................40 Informação.....................................................................................................................40 Geração de renda...........................................................................................................41 Educação.........................................................................................................................41 Saúde..............................................................................................................................42 Cultura.............................................................................................................................42 Donativos........................................................................................................................ 43 Outras atividades de projetos sociais........................................................................ 43 Reconhecimentos.......................................................................................................... 43 G-COMEX ÓLEO & GÁS...................................................................44 Responsabilidade social na G-Comex Óleo & Gás.................................................................. 45 Princípios fundamentais do Grupo G-Comex Óleo & Gás.....................................45 Missão............................................................................................................................. 45 Visão................................................................................................................................ 45 Valores............................................................................................................................ 45 Melhoria contínua de processos................................................................................. 45 Programa G-Comex Ecoeficiente............................................................................... 46 Segurança: Ideia Fixa G-Comex.................................................................................. 46 Comprometimento com o pacto global das Nações Unidas................................... 46 Diagnóstico socioambiental do bairro Caju, no Rio de Janeiro................................................................................................ 47 O bairro do Caju, passado e presente........................................................................ 47 Levantamento das necessidades do bairro...............................................................50 Metodologia para integração com a comunidade do Caju.......................................51 Avaliação dos resultados e impactos alcançados para a sociedade e para a empresa............................................................................ 52 Iniciativas desenvolvidas pela G-Comex para apoio à comunidade do Caju............................................................................... 52 6 Lições aprendidas......................................................................................................... 53 Próximos passos........................................................................................................... 53
  9. 9. Ipiranga......................................................................................... 54Apaixonados por inovação............................................................... 55 A rede de postos........................................................................................................... 56 Potencial para repensar .............................................................................................. 56 Objetivos do projeto...................................................................................................... 57 Desenvolvimento do projeto........................................................................................ 57 Projeto padrão de arquitetura e complementares................................................... 58 Um novo conceito de posto......................................................................................... 59 Elaboração do Caderno de Diretrizes para canteiro de obra................................. 59 Construção do Posto Piloto.........................................................................................60O Posto Ecoeficiente Ipiranga................................................................................ 61 Itens de Ecoeficiência...................................................................................................61 Sinalização..................................................................................................................... 63 Multiplicação do conceito e dos itens de ecoeficiência.......................................... 64 Originalidade do projeto Ipiranga............................................................................... 67Resultados do projeto............................................................................................. 67 Retorno do investimento ............................................................................................. 67Próximos passos – evolução permanente ............................................................ 68 Prêmio Nacional de Conservação e Uso Racional de Energia.............................. 68 Divulgação para o público externo............................................................................. 68 Posto Ecoeficiente II..................................................................................................... 69Conclusões..............................................................................................................71comunicarte................................................................................. 72Uma história de pioneirismo e inovação: a contribuiçãoda Comunicarte na concepção do Petrobras Social...............................73 O contexto do programa................................................................................................74 O conceito do programa............................................................................................... 76 Eixo estruturador e público-alvo................................................................................ 78 Objetivos estratégicos..................................................................................................80 A construção de sinergias...........................................................................................80 Diretrizes gerais de ação............................................................................................. 82 A otimização dos investimentos sociais................................................................... 83 As etapas de implantação............................................................................................ 84 A avaliação dos programas e projetos sociais anteriores..................................... 86 Recomendações gerais para a Ação Social da Petrobras...................................... 88 Resultados Alcançados pelo Petrobras Social ........................................................ 89pqs.................................................................................................. 92Programa de responsabilidade social corporativodo complexo industrial químico-têxtil.............................................. 93 Diretrizes estratégicas do programa......................................................................... 94 7 Diagnóstico..................................................................................................................... 95
  10. 10. Boas Práticas de Responsabilidade Social Corporativa n a Indústria do Petróleo, Gás e Biocombustíveis Implementação do case................................................................................................ 97 Seleção de Projetos...................................................................................................... 99 Conclusão............................................................................................................. 105 queiroz galvão exploração e petróleo........................... 106 O diálogo como guia relacionamento institucional comunitário........................................................................ 107 A empresa............................................................................................................ 107 Missão, visão e valores.............................................................................................. 108 Diretrizes ...................................................................................................................... 110 Política do Sistema de Gestão Integrado.................................................................. 111 Código de Conduta Ética.............................................................................................. 111 O Relacionamento com as comunidades no entorno das atividades....................112 Estudo de Caso – o Bloco BM-J-2............................................................................ 112 Municípios da Área de Influência ............................................................................. 113 Construindo relações de confiança........................................................................... 115 Ações que integram ............................................................................................. 117 Investimento social privado........................................................................................ 117 Viva Vôlei: a educação por meio do esporte............................................................ 118 Portinari Para Todos: cultura e educação no mesmo baú..................................... 119 A mensagem de Portinari na Rio+20....................................................................... 122 Conclusões........................................................................................................... 122 Repsol Sinopec.......................................................................... 122 Responsabilidade social item permanente na agenda da Repsol Sinopec........................................................ 123 Plataforma da Cidadania............................................................................................ 125 riovoluntÁrio............................................................................ 134 Voluntariado empresarial e desenvolvimento sustentável ............ 135 Os primórdios....................................................................................................... 135 Centro de Voluntariado do Rio de Janeiro...............................................................136 A Década do Voluntariado 2001-2011.......................................................................136 O que a sociedade ganha com o Voluntariado Empresarial..................................138 O que a empresa ganha com o Voluntariado Empresarial....................................139 O que os colaboradores ganham com o Voluntariado Empresarial.................... 140 Como aumentar a efetividade do Voluntariado Empresarial: principais desafios...........................................................................141 O desafio da escolha do caminho: modalidades de Voluntariado Empresarial........ 141 O desafio da mobilização........................................................................................... 142 O desafio da organização e do apoio....................................................................... 142 8 O desafio do reconhecimento....................................................................................143 O desafio do monitoramento e da avaliação............................................................143
  11. 11. O desafio da integração e de ações conjuntas....................................................... 144 O papel do voluntariado empresarial no desenvolvimento sustentável.............................................................................. 146shell BRASIL PETRÓLEO............................................................ 148Capacitando jovens empreendedores............................................. 149 Valores e princípios.....................................................................................................149 Responsabilidade social............................................................................................. 150 Programas de Responsabilidade Social................................................................... 151Apresentação do ‘case’ e contexto das ações..................................................... 154 Por que empreendedorismo?.....................................................................................154 O Shell LiveWIRE ........................................................................................................155 Processo de implementação do case Shell Iniciativa Jovem..................................................................................................155 O Shell Iniciativa Jovem.............................................................................................156 Abrangência e Metodologia........................................................................................156 Resultados alcançados................................................................................................158 Alguns exemplos de sucesso ....................................................................................159 Colaboradores...............................................................................................................159 Parceiros...................................................................................................................... 160 Canais de comunicação............................................................................................... 161 Reconhecimentos.........................................................................................................162Lições aprendidas................................................................................................. 163Conclusões e Recomendações............................................................................. 164supergasbras........................................................................... 166Responsabilidade Socioambiental ..................................................167 O Gás LP........................................................................................................................167Preparando o futuro............................................................................................. 168 O Gás LP e o projeto Preparando o Futuro..............................................................168 O projeto Preparando o Futuro .................................................................................168 Como funciona?............................................................................................................169 Resultados.....................................................................................................................170Programa Nacional de Voluntariado .................................................................... 170 Como funciona?............................................................................................................170Mais Energia..........................................................................................................172 O Gás LP e o projeto Mais Energia...........................................................................172 Como funciona?............................................................................................................172 Escopo...........................................................................................................................173 Metodologia...................................................................................................................173 Público-alvo..................................................................................................................173 Objetivos........................................................................................................................173 9 Maiores conquistas......................................................................................................173
  12. 12. Boas Práticas de Responsabilidade Social Corporativa n a Indústria do Petróleo, Gás e Biocombustíveis technip..........................................................................................174 PROENFA: Programa de Envolvimento Familiar.............................175 Autogestão financeira.................................................................................................178 Aproveitamento integral dos alimentos....................................................................179 Geração de renda.........................................................................................................179 Mostra social................................................................................................................ 180 Quais foram os resultados obtidos com a implementação do Proenfa?............ 180 O programa em números............................................................................................ 181 Construindo o futuro................................................................................................... 181 comunicarte............................................................................... 182 Programa de comunicação, convivência e corresponsabilidade das comunidades vizinhas à malha dutoviária da Transpetro .................................................. 183 Introdução......................................................................................................................183 Contextualização..........................................................................................................184 Conceitos norteadores................................................................................................185 Educar para transformar.............................................................................................186 Principais objetivos do trabalho................................................................................186 Abordagem metodológica...........................................................................................187 Identidade visual, capacitação de atores-chaves e Desenvolvimento de materiais...............................................................................188 Capacitação de atores-chave.....................................................................................189 Desenvolvimento de materiais...................................................................................190 O Sistema de sinalização pedagógica...................................................................... 191 Etapas de Implantação do programa......................................................................... 191 Resultados obtidos com o programa.........................................................................192 UFF/LATEC – Artigos..................................................................194 A educação corporativa para a responsabilidade social – estudo de caso em empresas de petróleo e gás no Brasil por Rita Andrade Quadros Penalva e Osvaldo Luíz Gonçalves Quelhas.............194 Análise crítica dos casos do Exxon-Valdez (1989) – Exxon e do rio Barigui-Iguaçu (2000) – Petrobras. O que alterou em termos de governança corporativa e sustentabilidade organizacional das empresas? por Cláudio Paula de Carvalho e Robson Spinelli Gomes....................................205 10
  13. 13. AgradecimentosO sonho de lançar esta publicação um dos integrantes da Comissão de Respon-somente foi possível de ser realizado graças sabilidade Social que contribuíram para que oà coesão que se formou na Comissão de sonho virasse realidade.Responsabilidade Social do IBP, entre seus No entanto, dois integrantes da Comis-integrantes, ao longo de dez anos de traba- são de Responsabilidade Social merecemlho, fazendo desta Comissão hoje, um dos um agradecimento especial, pois desempe-Fóruns mais representativos e respeitados, nharam funções de destaque neste projeto:dentro do movimento de desenvolvimento Márcio Schiavo, Coordenador atual dasustentável empresarial. Comissão, que já no seu primeiro mês de A referida Comissão possui hoje no gestão trouxe para o grupo esta iniciativaseu quadro cerca de 40 profissionais, que e persistiu até que o primeiro texto fosserepresentando empresas de petróleo e apresentado, e Luiz Fernando Rodrigues,fornecedores de bens e serviços, organiza- que também já foi Coordenador da Comissãoções governamentais e não governamentais, e agora como Técnico Colaborador aceitouinstituições e academias, conferem a este o desafio de orientar os autores, revisar osgrupo a peculiaridade de ser um Fórum cases e organizar a publicação.Multistakeholder. Por fim agradecemos também ao Característica sine qua non para qual- Dr. João Carlos de Luca, Presidente doquer iniciativa na área de responsabilidade IBP, ao Dr. Álvaro Teixeira, Secretário Executi-social é identificar suas partes interessadas vo do IBP, a Ana Guedes, Gerente de Eventos(stakeholders) e esse privilégio a indústria do IBP e ao Evandro Pires, Gerente de Supor-de petróleo, gás e biocombustíveis já possui te e Serviços do IBP, que sempre apoiaram asdentro do próprio IBP. iniciativas da Comissão de Responsabilidade Foram justamente os representantes des- Social, criando condições estruturais para queses stakeholders que acreditaram no projeto chegássemos a esta publicação.e colaboraram com a identificação e redaçãodos cases de responsabilidade social que Gerência de Responsabilidade Socialfazem agora parte desta publicação. Por isso, do IBP – Instituto Brasileiro de Petróleo, 11registramos aqui os agradecimentos a cada Gás e Biocombustíveis
  14. 14. Boas Práticas de Responsabilidade Social Corporativa n a Indústria do Petróleo, Gás e Biocombustíveis 12
  15. 15. ApresentaçãoCaro(a) Leitor(a), rência em Sustenta- bilidade no segmentoEsta Publicação sobre Boas Práticas de Petróleo, Gás ede Responsabilidade Social Corporativa na Biocombustíveis.Indústria de Petróleo, Gás e Biocombustí- O livro tambémveis tem o objetivo de reunir exemplos bem celebra os 10 anossucedidos de iniciativas das empresas que da Arena de Respon-fizeram ou fazem parte da Comissão de sabilidade Social,Responsabilidade Social do IBP, criada em iniciativa pioneiraoutubro de 2002. lançada na programação do Congresso Esse conjunto de iniciativas bem su- Mundial de Petróleo (World Petroleumcedidas reflete os dez anos de trabalho da Congress – WPC), realizado em 2002 noreferida Comissão, que tem cumprido de Rio e que até hoje permanece nas ediçõesforma exemplar e eficiente a missão que lhe subsequentes do WPC, nos diferentesfoi confiada de divulgar conceitos, práticas países onde é realizado, sob a denomina-e ferramentas de gestão para fomentar a ção de “Global Village”.adesão de empresas do setor ao movimentode Responsabilidade Social. Boa leitura! Os cases que vocês encontrarão nestaobra, podem e devem servir de exemplo Álvaro Teixeirapara todas as empresas que almejam incor- Secretário Executivoporar na sua gestão de negócio os conceitos IBP – Instituto Brasileiro de Petróleo,e práticas da Responsabilidade Social como Gás e Biocombustíveiscaminho para Sustentabilidade. Por tudo isso o IBP agradece aosprofissionais que, representando suasorganizações, participam, de forma volun-tária, das reuniões mensais da Comissão, 13contribuindo para que o Instituto seja refe-
  16. 16. Boas Práticas de Responsabilidade Social Corporativa n a Indústria do Petróleo, Gás e Biocombustíveis Divulgação BP Biocombustíveis BP Biocombustíveis www.bp.com Divulgação BP Biocombustíveis Atividade: Produção de Açúcar e Álcool Fundação: 2007 Colaboradores: 4505 Principal projeto em sustentabilidade: Jornada pela Vida 14
  17. 17. BP BiocombustíveisPrograma Jornada Pela VidaEstruturação do CasoApresentação da empresa mundial, uma empresa responsável e umae de sua política de excelente entidade empregadora.responsabilidade social Sempre defendemos a abordagemA BP é uma das maiores companhias de sustentável com relação aos biocombustí-energia do mundo, oferecendo a seus veis, incentivando padrões internacionaisclientes combustíveis para transporte, de sustentabilidade para as emissões deenergia elétrica e para aquecimento, ser- gases do efeito estufa e de outros impactosviços de vendas e produtos petroquímicos ambientais e sociais dos biocombustíveis.para itens de uso no dia-a-dia. Distribuímos energia por todo o mundo. A divisão de Energias Alternativas foca Localizamos, desenvolvemos e produzimosnas fontes de energia nas quais poderemos fontes de energia essenciais. Transfor-crescer de forma competitiva. Isto nos levou mamos essas fontes em produtos que asa investir em biocombustíveis. pessoas em todo o mundo precisam. No Brasil operamos três usinas locali-zadas nos estados de Goiás e Minas Gerais. ValoresAtualmente as usinas têm capacidade de Preocupamo-nosmoagem de 2,5 milhões de toneladas cada Nossos valores profundamentee possuem mais de 4500 colaboradores são Seguran- com o modo comodistribuídos entre as unidades. ça, Respeito, distribuímos a nossa O mundo precisa de energia e esta Excelência, energia por todo onecessidade está em crescimento. Esta mundo. Acima de Coragem,energia encontra-se em diversas formas. tudo, estão a segu- Uma Equipe.É, e será sempre, essencial para as pessoas rança e excelênciae para o progresso em qualquer parte das pessoas e de nossas operações. Isto édo mundo. Esperamos atingir elevados fundamental para o nosso sucesso. A nossapadrões de desempenho no que fazemos. abordagem baseia-se no respeito em ser-Esforçamo-nos por ser líderes em seguran- mos consistentes e termos a coragem para 15ça na nossa indústria, um operador de nível fazermos aquilo que é correto. Acreditamos
  18. 18. Boas Práticas de Responsabilidade Social Corporativa n a Indústria do Petróleo, Gás e Biocombustíveis Divulgação BP Biocombustíveis Funcionários da BP e parceiros abordando caminhoneiro na cidade de Ituiutaba-MG que o sucesso é fruto da energia dos nos- ajuda a proteger as sos colaboradores. Estamos determinados O objetivo da pessoas na linha da em aprender e em sermos os melhores na- BP é criar frente, os lugares quilo que fazemos. Dependemos do desen- valor para os em que operamos e volvimento e da implementação da melhor o valor que cria- acionistas, tecnologia, bem como do estabelecimento mos. Entendemos de relações duradouras com os stakeholders contribuindo que a operação em das localidades em que estamos inseridos. para satisfazer regiões politicamente Assumimos o compromisso de fazer a as necessidades complexas e geogra- diferença ao distribuir a energia de que o fias tecnicamente mundiais de mundo precisa hoje, e no mundo em mudan- exigentes, tais como ça de amanhã. Trabalhamos em equipe. energia crescen- águas profundas e tes com segu- areias petrolíferas, Diretrizes, estratégias e rança e respon- requer especial programas de responsabilidade sensibilidade. Nossos sabilidade. social sistemas, proces- Queremos ser um líder de nossa indústria sos e normas estão sempre sob melhoria em práticas de segurança, um operador contínua, incluindo a forma como gerimos de classe mundial, um cidadão corporativo os contratados. responsável e um bom empregador. Nós só podemos operar adequada- 16 Manter o foco em segurança é uma prio- mente se mantivermos a confiança das ridade para nós. Uma boa gestão de riscos pessoas dentro e fora da empresa. Pre-
  19. 19. BP Biocombustíveiscisamos ganhar a confiança das pessoas quentemente, a segurança dos condutorespor ser justos e responsáveis em tudo e das comunidades nas quais a empresaque fazemos. Nós monitoramos de perto o está inserida e o aumento da exposição denosso desempenho e pretendemos relatar crianças e adolescentes à exploração sexualde forma transparente. infanto-juvenil, muito comum nas estradas e Acreditamos que uma boa comunicação e cidades da região das Unidades.diálogo aberto é vital se quisermos satisfazer Diagnóstico, cenário e contexto das açõesas expectativas dos nossos colaboradores, – Ciente do impacto negativo na malhaclientes, acionistas e as comunidades locais viária que a empresa poderia causar eem que operamos. Estamos trabalhando para da exposição a riscos das crianças danos tornar um negócio mais simples, com um região, tomou-se a decisão de apresentarfoco claro sobre o que fazemos melhor. à comunidade um programa de conscien- tização sobre segurança nas estradasApresentação do Caso e e direitos da criança e adolescente, oContexto das Ações programa “Jornada Pela Vida”, estrutura-A questão – Durante o Community As- do pela BP Biocombustíveis em 2011, quesessment (Avaliação da Comunidade) atua diretamente em dois eixos:das Unidades localizadas nas cidades de • Direção Segura – compartilha as boasItumbiara-GO, Edéia-GO e Ituiutaba-MG foi práticas da empresa neste tema com todaidentificado que os principais impactos, de- a sociedade;correntes da ampliação do negócio, seriam • Proteção Social de Crianças e Adolescenteso aumento do fluxo de veículos e, conse- – apoia iniciativas ligadas a esta questão.Processo de Implementação do CaseObjetivos • Prevenção – mantém-se continuamente O JPV tem o objetivo de promover a o trabalho de conscientização dos temasconscientização sobre as questões relati- abordados no JPV.vas ao transporte rodoviário como direção A cada novo tema abordado, assegura, uso de drogas e exploração sexual e etapas acima são rigorosamente segui-desta forma reduzir os impactos negativos das e desenvolvidas em um processo dedo transito urbano e nas estradas. melhoria contínua.Metodologia/Implantação Ações realizadas O programa foi desenvolvido em três Até o momento, o programa já realizouetapas descritas abaixo: quatro ações nas três unidades, conscienti-• Articulação – identificou-se os potenciais zando e capacitando funcionários e parcei- parceiros que atuam diretamente com os ros como multiplicadores dessa ideia. eixos do programa; As ações desenvolvidas foram:• Educação – desenvolveu-se material • Ação pré-carnaval 2012, na qual foram de campanha e multiplicadores do tema realizadas intervenções educativas em 17 abordado; diversos postos de combustíveis localiza-
  20. 20. Boas Práticas de Responsabilidade Social Corporativa n a Indústria do Petróleo, Gás e Biocombustíveis Divulgação BP Biocombustíveis Mobilização de escolas municipais em passeata pela cidade de Itumbiara-GO contra o abuso sexual de crianças e adolescentes Divulgação BP Biocombustíveis fornecedores que apoiam a instituição Childhood Foundation, abordando temas como a importância do profissional (caminhoneiro) como agente de prote- ção social de crianças e adolescentes, e como o multiplicador pode passar essa informação. • Campanha de conscientização no Dia Nacional do Combate à Exploração Sexual Infanto-juvenil (18 de maio), com Faixa de divulgação da campanha contra o abuso sexual de distribuição de materiais educativos e crianças e adolescentes em uma das unidades do Grupo abordagens de conscientização para a po- dos nas estradas federais e estaduais dos pulação durante a passeata realizada por municípios onde as usinas estão insta- escolas municipais de Itumbiara-GO com ladas e nas cidades vizinhas. O material o apoio da BP Biocombustíveis. A campa- desenvolvido para esta campanha pode nha também se estendeu para o público ser visto no Anexo I (Carnaval – Álcool interno da empresa, com a distribuição nas Estradas). de materiais educativos para os colabora- dores. O material desenvolvido para esta • Formação de multiplicadores, na qual campanha pode ser visto no Anexo II (18 foram realizados treinamentos para de Maio – Dia Nacional de Combate ao 18 funcionários de diversos setores das Abuso e à Exploração Sexual de Crianças unidades da BP Biocombustíveis e e Adolescentes).
  21. 21. BP Biocombustíveis Divulgação BP BiocombustíveisAtendimento de saúde oferecida aos caminhoneiros• No dia do Caminhoneiro (30 de junho), foi realizada uma campanha interna de valorização dos profissionais motoristas que trabalham como funcionários da BP Divulgação BP Biocombustíveis Biocombustíveis e das empresas que prestam serviços para as unidades. Todos os funcionários receberam materiais educativos com informações de seguran- ça e reconhecimento para os profissio- nais. O material desenvolvido para esta campanha pode ser visto no Anexo III (30 Folhetos das campanhas do programa Jornada Pela Vida de Junho, Dia do Caminhoneiro. Dicas de segurança para uma boa viagem).• No dia dos Motociclistas (27 de julho) foi realizada uma campanha interna para conscientizar os funcionários da empresa Divulgação BP Biocombustíveis sobre a importância da direção segura de motocicletas. Durante a campanha, que teve início em 25 de julho, foram realiza- dos Diálogos Diários de Segurança (DDS) nas áreas agrícolas, industrial e admi- nistrativa das três unidades do Grupo. Materiais educativos foram distribuídos a todos os colaboradores e brindes 19 Diálogo diário de segurança com os funcionários de foram entregues aos funcionários que Ituiutaba sobre o Dia do Motociclista
  22. 22. Boas Práticas de Responsabilidade Social Corporativa n a Indústria do Petróleo, Gás e Biocombustíveis Divulgação BP Biocombustíveis Funcionário da BP Biocumbustíveis atuando na campanha do dia 18 de maio em Itumbiara são exemplos em segurança. O material SEDESE, Corpo de Bombeiros, Polícia desenvolvido para esta campanha pode Rodoviária Estadual. ser visto no Anexo IV (27 de Julho – Dia Foram entregues materiais de campa- do Motociclista). nha, cerca de 25 mil folhetos educativos e em torno de 5 mil folders e 1 mil adesivos Relação com diferentes dos demais projetos dos parceiros. públicos (Steakeholders) Uma grande quantidade de preservativos O público-alvo do programa são os e material informativo relativos à AIDS foi 4500 funcionários da BP Biocombustíveis, distribuída. Foram aplicadas vacinas de comunidades do entorno das usinas – cerca Duplo Adulto (Tétano e Difteria), Tríplice de 200 mil habitantes nas três unidades Viral (Caxumba, Sarampo e Rubéola), Febre – e motoristas em geral que circulam nas Amarela e Hepatite B, totalizando 224 doses regiões. O JPV conta com diversos parcei- durante as campanhas voltadas para os ros, sendo os principais o Programa Na Mão caminhoneiros. Certa, da Childhood Foundation, instituições Neste ano, foram investidos no programa públicas municipais e estaduais e outras Jornada Pela Vida cerca de R$ 200.000,00 empresas privadas. (duzentos mil reais) disponibilizados para aquisição de recursos materiais e estrutu- Avaliação dos resultados e ra para as campanhas. Além disso, foram impactos alcançados investidos recursos humanos de diversas Foram mobilizados mais de 15 par- áreas da empresa, entre elas segurança ceiros situados nos três municípios de do trabalho, sustentabilidade, administração alocação das unidades, sendo os prin- industrial e administração agrícola, com a 20 cipais o CRAS, Conselho Tutelar, FUN- mobilização de aproximadamente SOL, CREAS, PETI, NABS, SESI/SENAT, 75 colaboradores.
  23. 23. BP BiocombustíveisLições aprendidas • Os pontos a serem melhorados são:e Próximos passos • Ainda sem atuação direta nos índices de Pontos fortes do Programa JPV: segurança da empresa e das comunidades;• Interação com a comunidade, parceria • Melhorar meios de mensuração; com o Programa Na Mão Certa; • Atua também em Educação Continuada.• Metodologia compartilhada e testada em As lições aprendidas são que juntar forças várias outras empresas; com os diferentes atores envolvidos com o• Valorização das iniciativas de Segurança tema faz toda a diferença, já que existem di- da empresa. versas ações isoladas com o mesmo objetivo.Conclusões e RecomendaçõesP ara atingir seus objetivos com efici- caminhoneiros e no combate a exploração ência a BP Biocombustíveis formou sexual infanto-juvenil. As empresas atuaram parcerias com instituições públicas nos pontos de parada de caminhoneiros(Ex.: Centro de Referência Especializado de como postos de combustíveis e realizaramAssistência Social – CREAS, Polícia Rodo- blitz educativas com o auxílio da Polícia Ro-viária Estadual), privadas (Ex.: Caramuru doviária, distribuindo materiais educativos eAlimentos S.A.) e organizações não-gover- informar através diálogos com os motoristas.namentais (Ex.: Fundação de Solidariedade Durante as campanhas foram aborda-de Itumbiara – FUNSOL). dos os temas de segurança nas estradas A BP Biocombustíveis e seus parceiros e a mobilização e incentivo da populaçãointeragiram com a sociedade em diversas para combater a exploração sexual decampanhas com foco na conscientização de crianças e adolescentes. 21
  24. 24. Boas Práticas de Responsabilidade Social Corporativa n a Indústria do Petróleo, Gás e Biocombustíveis Divulgação Chevron chevron brasil www.chevron.com.br Divulgação Chevron Atividade: Exploração e produção de petróleo e gás, fabricação e distribuição de lubrificantes e de aditivos. Fundação: Presente no Brasil desde 1915, através da Texaco Colaboradores: 750 Principais projetos em sustentabilidade: Elas em Movimento, Inclusão Comunitária e Programa de Descarte Social de Resíduos 22
  25. 25. Chevron BrasilMULHERES DE ENERGIA:O INVESTIMENTO SOCIALDA CHEVRON NO BRASIL“As mulheres como geradoras de vida ocupam em todas as sociedadesum papel especial, e a preocupação com a consolidação da presençadas mulheres na política e na economia deve nortear as iniciativas liga-das a cada um dos pilares do desenvolvimento social. Para alcançarmosa cidadania plena das mulheres ainda temos que enfrentar lutas antigas,em essencial o igual acesso a oportunidades de trabalho, remuneração eproteção social e, muitas vezes, na defesa física contra a violência”. Presidenta Dilma Roussef“Não podemos mais permitir que metade da população mundial [as mu-lheres] continue marginalizada, que não participe da economia e das deci-sões políticas. A iguadade não é mais uma opção, é uma necessidade”. Michele Bachelet, Diretora Executiva da ONU MulheresA partir de pesquisa, análise 11 mil pessoas foram beneficiadas, direta ou de projetos e diálogo com indiretamente, em projetos voltados para a stakeholders, a Chevron no capacitação e colocação no mercado de tra- Brasil iniciou em 2010 sua balho de jovens e mulheres e no desenvol- política de Investimento vimento de pequenos negócios sustentáveis. Social tendo como foco a Neste período, vários desafios foramgeração de oportunidades econômicas para vencidos e o processo contínuo de análisemulheres, nos estados do Rio de Janei- de resultados e de ouvidoria demonstrouro e Espírito Santo. Em dois anos, foram que o caminho percorrido tem sido o cor- 23investidos cerca de U$4 milhões e mais de reto. As parcerias formadas com governo,
  26. 26. Boas Práticas de Responsabilidade Social Corporativa n a Indústria do Petróleo, Gás e Biocombustíveis representantes de organizações sociais no desenvolvimento social e econômico. e com a própria comunidade levaram ao As atividades de responsabilidade social desenvolvimento eficiente, eficaz e efetivo da Chevron no Brasil promovem a igualdade de todas as ações já implementadas. Não dos gêneros e a capacitação das mulheres há transformação social e desenvolvimento para beneficiar suas famílias e influenciar sustentável sem alianças estratégicas que positivamente as gerações futuras por meio integrem todos os atores sociais. do Projeto Energia das Mulheres. A empresa também incentiva o espírito de voluntariado A Chevron no Brasil entre seus empregados por meio do Progra- A Chevron no Brasil ma de Voluntariado Energia Solidária. Assim Nossas ati- faz parte de um con- como, organiza iniciativas para angariar vidades são junto de Unidades de fundos e doação de materiais para diversas realizadas com Negócio na América instituições sociais. segurança, de Latina, presente Cada programa social desenvolvido pela maneira ética em países como Chevron no Brasil possui um monitoramen- Argentina, Colômbia to contínuo e um sistema de avaliação em e socialmente e Venezuela. São conjunto com os parceiros. Essas informa- responsável aproximadamente ções são usadas para medir e descrever os 3.900 empregados e contratados nos países resultados e impactos dos investimentos onde a empresa mantém operações, sendo sociais da empresa nos programas e proje- 750 atuando no Brasil. tos. Os dados são coletados a cada trimes- No mundo, a Chevron é uma das empre- tre e comparados com as metas anuais e de sas líderes em energia. Com sede em San duração dos projetos. Ramon, na Califórnia (EUA), a empresa tem operações de exploração e produção de pe- Estruturaçao de Plano de tróleo e gás natural em mais de 100 países e Investimento Social conta com mais de 60 mil empregados nos Presente no Brasil desde 1915, através cinco continentes. da Texaco, a Chevron tem desenvolvido pro- No Brasil, os negócios da Chevron vão jetos sociais e contribuído para o desenvol- desde a exploração e produção de petróleo vimento social do país. Em 2010, a empresa e gás em águas profundas, por meio da decidiu analisar sua atuação e apresentar Chevron Brasil Petróleo; até a fabricação e um programa de Investimento Social que distribuição de lubrificantes, com a Chevron atendesse aos seguintes parâmetros: Brasil Lubrificantes; e de aditivos, com a • Harmonizar e concentrar os investimen- Chevron Oronite. tos de upstream e de downstream em uma Nossas atividades são realizadas com estratégia integrada; segurança, de maneira ética e socialmente • Ser sensível às necessidades da comuni- responsável. Respeitamos as leis, apoiamos dade nas áreas de operação; os direitos humanos universais e prote- • Programas focados, integrados e susten- gemos o meio ambiente. Também é nosso táveis, com resultados mensuráveis; compromisso beneficiar as comunidades • Formar parcerias estratégicas; 24 onde atuamos, realizando parcerias cons- • Identificar e criar oportunidades para o trutivas, colaborativas e confiáveis com foco envolvimento dos empregados.
  27. 27. Chevron Brasil O desenvolvimento da Política de Inves- stakeholders (lideranças comunitárias, gover-timento Social foi seguido por três fases. no e público interno) identificaram as expec-Na primeira, foram definidos o objetivo e tativas e demandas. A análise das informa-o foco, por meio de pesquisa e entrevistas ções definiu como foco temático meninas ecom os stakeholders internos e externos. Na mulheres, na faixa de 15 a 40 anos de idade)segunda, foram identificadas as áreas de em situação de vulnerabilidade social, in-atuação, os critérios e diretrizes de seleção cluindo pessoas com necessidades especiais.de projetos. O desenvolvimento de proces- O foco geográfico definido foi a cidade e osos de gerenciamento, de monitoramento e estado do Rio de Janeiro, onde está sediadade alternativas preferenciais foram defini- a Chevron Brasil, e as comunidades costei-dos na última fase. ras do estado do Espírito Santo contíguo as As pesquisas e entrevistas com os operações de offshore da Chevron.Razões para Investir no Desenvolvimento de Mulheres“A participação significativa das mulheres nos negócios – desde a suainclusão como proprietárias de empresas na cadeia produtiva até a suarepresentação plena nos conselhos de empresas – também se traduzem um melhor desempenho” Ban Ki-moon, Secretário-Geral da ONU A questão de igual- no combate à pobreza, ao racismo e às A criação da dade de gênero e desigualdades. ONU Mulheres empoderamento de O tema tem crescido em importância é resultado de mulheres tem sido e ações objetivas foram efetivadas, com a discutida globalmen- estruturação e implantação de organismos anos de nego- te. Pesquisas mos- internacionais e políticas públicas. Como ciações entre tram que são as mu- exemplo, pode ser citada a criação, em uma Estados-mem- lheres, as crianças e decisão histórica da Assembleia Geral da bros da ONU os adolescentes, em ONU, de uma nova entidade para acelerar e o movimento especial os indíge- o progresso e o atendimento das demandas de defesa nas e os negros, os das mulheres e meninas em todo o mundo. mais vulneráveis à A criação da ONU Mulheres é resultado de das mulheres exclusão social e anos de negociações entre Estados-mem- no mundo à violação de seus bros da ONU e o movimento de defesa dasdireitos a uma renda digna, à educação, à mulheres no mundo.saúde e a condições de vida adequadas. No Brasil, a Presidenta da República Essa realidade somente será revertida Dilma Rousseff, primeira mulher a assumircom um esforço que reúna os governos de o cargo maior do país, nomeou nove mu-diversos países e em diferentes níveis, a lheres ministras e deu prioridade a medi-sociedade civil e as empresas em torno da das que promovessem o empoderamento 25elaboração de políticas públicas efetivas econômico das mulheres e o enfrentamento
  28. 28. Boas Práticas de Responsabilidade Social Corporativa n a Indústria do Petróleo, Gás e Biocombustíveis à violência baseada no gênero. O Congres- em geral sem um companheiro, têm 70% so Nacional analisa propostas de reforma mais chances de estar localizados em as- política que garantam mais mulheres nos sentamentos subnormais que os chefiados corpos legislativos estaduais e federais. por homens, que, em sua maioria, tem uma Em 2002, foi criada, no âmbito do Executi- companheira. vo, a Secretaria de Estado dos Direitos da Apesar de a maioria dos arranjos fami- Mulher, atualmente Secretaria de Políticas liares – casal com filhos – se caracterizar para as Mulheres (SPM), e, em 2006, foi pela predominância de chefes homens, nos aprovada a Lei 11.340, conhecida como Lei últimos anos, houve um aumento expressivo Maria da Penha, um marco no cumprimento da chefia feminina de 0,8% em 1992, para de garantias internacionais e constitucionais 9,4% em 2009. sobre o direito das mulheres a uma vida 35% do total de residências do país são livre de violência. chefiados por mulheres sem a presença do O documento Progresso das Mulheres cônjuge. no Brasil 2003-2010, editado pela ONU Atualmente, os rendimentos das mulhe- Mulheres e Cepia, apresenta um quadro de res constituem cerca de 41% do rendimento avanço positivo nos índices de desigualda- total das famílias. de. Com uma população de 193 milhões de Estudos demonstram que a educação habitantes, o Brasil tem um grande estoque possui efeitos importantes sobre a inserção de talento nas mulheres, cujos níveis edu- feminina no mercado de trabalho, ampliando cacionais ultrapassam os dos homens até significativamente o salário, a participação nas faixas de renda inferiores. Entretanto, a e horas trabalhadas, contribuindo para uma falta de uma educação pública universal de maior autonomia das mulheres. qualidade e a infraestrutura inadequada que Os recentes estudos demonstram que caracterizam o país constituem os maiores as mulheres cresceram consideravelmente empecilhos ao seu desenvolvimento. Apesar a sua participação no mercado de trabalho, desses avanços importantes, ainda não foi devido a causas demográficas, culturais e possível dar um salto para a melhoria da si- educacionais. No entanto, os índices ainda tuação da maioria das mulheres brasileiras: apontam para um quadro de desigualdade. • São mais de 67 milhões de mulheres no As ações sociais necessárias para a Brasil, segundo estimativas de 2009, na mudança desse quadro são questões de faixa de 15 a 64 anos. natureza pública que interessam a toda a No Brasil, 48,8%s mulheres adultas têm sociedade. O caminho da solução deve ser alcançado pelo menos o nível de educação traçado através da cooperação e integração secundária, contra 46,3% dos homens. de esforços conjuntos entre os diversos A participação no mercado de trabalho é segmentos sociais (órgãos governamentais, de 60,1% para as mulheres e de 81,9% para setor privado e as próprias comunidades os homens. beneficiadas), por meio do estabelecimento Dos mais de 50 milhões de brasileiros de parcerias e alianças sociais estratégicas. que vivem na pobreza, quase 30 milhões Ao focar a capacitação e o empoderamen- são crianças e adolescentes, ou seja, 47,6% to de mulheres, a Chevron participa desse 26 da população de meninos e meninas. desafio de grande importância para o desen- Os domicílios chefiados por mulheres, volvimento econômico e social do Brasil.
  29. 29. Chevron BrasilO Plano de Investimento Divulgação ChevronSocial: ações e resultados Iniciado em 2009, o As instituições Projeto Mulheres de apoiadas tam- Energia está baseado no desenvolvimen- bém devem to econômico das ser capazes de mulheres de baixa gerar resulta- renda, moradoras de “Depois de abrir este negócio, eu dos tangíveis e comunidades loca- me sinto outra mulher, mais forte lizadas nos estados e muito mais conhecedora do mensuráveis do Rio de Janeiro e meu papel como transformadoraEspírito Santo. O Projeto promove oportu- da minha realidade e da vida denidades por meio da criação e desenvolvi- todos os que estão ao meu redor”mento de pequenos negócios sustentáveis e Jaqueline Tiago, 24 anos, uma das empreen-da qualificação profissional de jovens para o dedoras no restaurante Saborearte, sobre omercado de trabalho. projeto Elas em Movimento Para que o Projeto Mulheres de Energiaseja de fato viabilizado, buscamos nos que promove festas e um bar temático. Oassociar a instituições locais cujos traba- projeto é desenvolvido em parceria com olhos seguem em linha com a nossa filosofia. Fundo ELAS de Investimento Social.Portanto, é importante que essas organiza-ções locais tenham reconhecimento público Projeto de Inclusãoem suas atividades, experiência na gerência Comunitáriade recursos e na captação de novas fontes Este projeto busca promover a formaçãode financiamento. As instituições apoiadas pessoal e social de mulheres moradoras dotambém devem ser capazes de gerar resul- município de Itapemirim, no Espírito Santo,tados tangíveis e mensuráveis e de moni- por meio da qualificação profissional detorar e avaliar o andamento e os resultados acordo com as oportunidades de trabalhodos projetos. da localidade. Fazem parte dos empreendi- mentos apoiados pela Chevron, em parceriaProjeto Elas em Movimento com o Instituto Aliança, cooperativas de O programa desenvolve o empreendedo- alimentos, confecção de roupas e brindes,rismo em mulheres moradoras de comu- capas de chuva e aventais para pescadores,nidades do Rio de Janeiro – Jardim Batan, abrangendo cerca de 60 mulheres.Cidade de Deus, Borel e Morro da Providên-cia. As participantes recebem treinamento “O projeto ajudou a divulgar oe recursos financeiros para implantar seus nosso trabalho, dando a oportu-próprios negócios. Cerca de 90 mulheres nidade de ser alguém na vida, terparticiparam das atividades que resultaram lucro e independência”na criação de quatro empreendimentos: um Heloisa Rufino, do Grupo de Bordado dorestaurante, uma fábrica de sabões a partir Bom Será, sobre o projeto de Inclusão 27do óleo de cozinha reciclado, uma empresa Comunitária.
  30. 30. Boas Práticas de Responsabilidade Social Corporativa n a Indústria do Petróleo, Gás e Biocombustíveis Divulgação Chevron Divulgação Chevron “A educação pode mudar a nossa “Boa parte dos jovens enfrenta história. Passei em sétimo lugar muitos desafios para participar no vestibular para uma universi- do Com.Domínio Digital. Um dade pública e, hoje, sei que pre- grupo considerável, sai do núcleo ciso ir ainda mais longe. O Enter e vai direto para o colégio, outros Jovem Plus teve a oportunidade ficam de manhã no colégio e não de lapidar joias raras e brutas e podem passar em casa antes de tenho certeza de que aqui surgi- vir para o projeto. Eu os chamo rão grandes profissionais” de guerreiros porque poucos Andréia dos Santos, aluna do Colégio são tão persistentes nesta faixa Estadual Maria Inocência, em Itaboraí, etária. As turmas crescem a cada sobre o projeto Enter Jovem Plus oficina, crescem na confiança e no respeito. Os jovens se entregam Terezas em Ação totalmente nas dinâmicas e em Promover a cultura empreendedora nas cada atividade proposta, os olhos comunidades de Santa Teresa por meio da brilham e a atenção é total!” formação técnica de mulheres de baixa ren- Cristina Simões, educadora de DPS, sobre o da para a geração de renda pela criação e projeto Com.Domínio Digital implementação de novos projetos baseados na identidade e potencial do local. tes das escolas da rede pública de ensino Projeto Gerando Oportunidades do estado do Rio de Janeiro. Cerca de mil O objetivo deste projeto é desenvolver jovens já participaram da iniciativa em apro- ações educativas e de geração de renda, ximadamente 30 escolas desde 2010. Para criando oportunidades de ocupação produ- a realização deste projeto, a Chevron conta tiva para mulheres e jovens residentes de com a parceria da Agência dos Estados áreas de risco situadas em Jardim Prima- Unidos para o Desenvolvimento Internacio- vera, em Duque de Caxias (RJ), onde a Che- nal (USAID) e também das secretarias de vron possui uma fábrica de lubrificantes. O Educação e do Trabalho e Renda do estado projeto é desenvolvido em parceria com a do Rio de Janeiro. ONG Visão Mundial. Projeto Com.Domínio Digital Projeto Enter Jovem Plus Este projeto tem por objetivo implantar 28 O programa promove a qualificação pro- um modelo diferenciado de educação profis- fissional de jovens de 14 a 29 anos, estudan- sional, com ênfase no desenvolvimento de
  31. 31. Chevron BrasilDivulgação ChevronUm clima bem descontraído no Parque Lage, no Rio de Janeiro, para falar sobre questões ligadas ao meio ambientemarcou a segunda atividade promovida pelo Programa de Voluntariado Energia Solidária.competências comportamentais e habili- Up to Englishdades ligadas à tecnologia da informação, Aulas de inglês para 100 jovens estu-capacitando mulheres de 14 a 29 anos e dantes de escolas públicas do estado do Rioinserindo-as no mercado de trabalho. Desde de Janeiro. A iniciativa é desenvolvida em2010, 250 mulheres já foram capacitadas no parceria com o Consulado Americano e oRio de Janeiro. O projeto é desenvolvido em curso de inglês IBEU.parceria com o Instituto Aliança e USAID. Programa de VoluntariadoCentro de Aprendizagem Energia Solidária O programa utiliza vídeos em salas de O objetivo do Programa é estimular oaula como uma eficaz ferramenta pedagógi- engajamento dos empregados da Chevronca em cinco escolas públicas do município em trabalhos voluntários nas parceiras. Ado Rio de Janeiro. As escolas recebem a iniciativa engloba quatro linhas de atuação:premiada programação de vídeos educati- campanhas de voluntariado em datas come-vos da Discovery Channel Global Education morativas, bate-papo e encontros periódi-Partnership, parceira no projeto, aparelhos cos, apoio continuado aos projetos sociaisde televisão e de DVD; além de extenso trei- desenvolvidos pela empresa e apoio pontual,namento e monitoramento para os professo- que funciona como suporte a eventos so-res. Cerca de 6 mil alunos e 148 professores ciais e campanhas promovidos pela Chevronjá foram beneficiados. A iniciativa também em prol dos projetos.conta com a parceria da Secretaria de Edu- Da estruturação à sua implantação, o 29cação do Município do Rio de Janeiro. programa contou com a participação dos
  32. 32. Boas Práticas de Responsabilidade Social Corporativa n a Indústria do Petróleo, Gás e Biocombustíveis Divulgação Chevron empregados. Em um primeiro momento, dos e análise de oportunidades. a empresa promoveu uma pesquisa interna O resultado final indicou que o foco na para identificar possíveis empregados capacitação e emponderamento de mulheres engajados ou interessados em atividades continuará nos próximos dois anos. O qua- de voluntariado. Depois foram definidas as dro de investimento social no Brasil deverá linhas de atuação e o nome do programa. estabelecer como metas e objetivos: Iniciado no final de 2011, o Programa • Incorporação de duas novas áreas de realizou duas ações, mobilizando mais de 40 atuação para 2013-2015; pessoas, entre empregados e seus familiares, • Investimento sustentável nas áreas de e 74 jovens do projeto Com.Domínio Digital. prioridade para apoiar políticas públicas e contribuir para o objetivo social de Próximos passos melhorar o desenvolvimento socioeconô- O Plano de Investimento Social da Che- mico no Brasil; vron prevê uma análise e proposta de me- • Investimento social em linha com as lhorias a cada dois anos. Neste ano de 2012, Metas de Desenvolvimento do Milênio da a revisão passou pelas etapas de entrevista ONU: promover a igualdade e o empode- com stakeholders (internos e externos), ava- ramento de Mulheres e parceria global liação dos resultados dos projetos implanta- para o desenvolvimento. 30
  33. 33. Referências:IBGE. Síntese de Indicadores Sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira.Rio de Janeiro: IBGE, 2010 (Estudos & Pesquisas, 27).IBGE. Síntese de Indicadores Sociais. Rio de Janeiro: IBGE, 2004 (Estudos & Pesquisas, 12).IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 1992. Rio de Janeiro, NERI, Marcelo. Desigualdadede renda na Década (texto principal). Rio de Janeiro: FGV/CPS, 2011. Disponível em www.fgv.br/cps/ncm. Acesso em 30 março de 2011.NERI, Marcelo. A nova classe média: o lado brilhante dos pobres (texto principal). Rio de Janeiro: FGV/CPS, 2010. Disponível em www.fgv.br/cps/ncm. Acesso em 30 março de 2011.CAMARANO, Ana Amélia. PNAD 2009 – Primeiras Análises : tendências demográficas.Comunicados doIpea n. 64. Disponível em http://www.Ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/comunicado/101013_comunicadoipea64.pdf, 2010. Acesso em 30 março 2011.Cepia – Cidadania, Estudo, Pesquisa, Informação e AçãoO Progresso das Mulheres no Brasil 2003–2010 / Organização: Leila Linhares Barsted,Jacqueline Pitanguy – Rio de Janeiro: CEPIA ; Brasília: ONU Mulheres, 2011.http://www.unifem.org.br/http://www.onu.org.br/rio20/tema/mulheres/Agência Brasil Luana Lourenço 02/11/2011 - 8h28 31
  34. 34. Boas Práticas de Responsabilidade Social Corporativa n a Indústria do Petróleo, Gás e Biocombustíveis Divulgação Sistema Firjan sistema firjan www.firjan.org.br Atividade: Educação, Serviços Tecnológicos, Lazer, Saúde, Cultura Fundação: 1904 Colaboradores: Aproximadamente 7000 Receita líquida: R$ 400 mi Principais projetos em sustentabilidade: Pro- jeto Cultivar, SESI-Cidadania, Ação Global Divulgação Sistema Firjan 32
  35. 35. Sistema Firjan O sistema firjan e o setor p&gA quebra do monopólio, para a participação das novas operadoras estabelecida através da Lei entrantes, além de mapear os benefícios nº 9.478, de 1997, motivou advindos da maior participação da indústria uma nova era na Indústria local, com geração de empregos de alto de Petróleo e Gás no Brasil. nível, criação de novas indústrias, efeito A abertura comercial, im- multiplicador para a economia, entre outros.pulsionada por este fato, trouxe importantes Como fruto desta ampla análise, o movi-consequências para a economia brasileira mento empresarial Compete Brasil, em con-e, fundamentalmente, a essa indústria que junto com a Agência Nacional de Petróleopassou a ser composta por novos atores. - ANP e a Pontifícia Universidade Católica O principal motivo da mudança institu- do Rio de Janeiro – PUC-RJ, identificou acional no setor de petróleo e gás natural não necessidade da criação de uma instituiçãofoi tão somente a necessidade de consolidar que desempenhasse uma função estratégicaa política industrial, antes conduzida pela e auxiliasse o Brasil no processo de consoli-Petrobras, mas principalmente a oportuni- dação da indústria nacional e sua posiçãodade de ampliar o volume de investimentos em um mercado cada vez mais globalizado.para atender ao consumidor final redu- Assim deu-se origem à ONIP, Organi-zindo os volumes de importação, com o zação Nacional da Indústria do Petróleo, emconsequente aumento de conteúdo local, Julho de 1999, cuja premissa é atuar comovalorizando os potenciais recursos do País, agente mobilizador promovendo a articulaçãogerando mais renda e emprego no Brasil. entre todos os componentes da cadeia de Pe- A cadeia de valor da indústria petrolífera tróleo e Gás, incluindo também organismosinclui além das operadoras, os EPCistas, as governamentais e agências de fomento.empresas de engenharia, os fornecedores O Sistema FIRJAN contribuiu forte-de materiais e equipamentos, bem como os mente neste período, oferecendo áreaserviços associados. As mudanças geraram para a instalação da ONIP, e a sinergiadesafios e oportunidades para toda a cadeia. entre as instituições é mantida até os dias Para que a indústria nacional se inseris- de hoje, através de diversas ações reali-se de forma estruturada nesse novo ciclo, zadas de forma conjunta e pela presençaera necessário identificar além das oportu- da Federação no Conselho Deliberativo 33nidades, as ameaças e estabelecer regras daquela Organização.

×