Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Análise de livro didático-CEREJA

5,294 views

Published on

Análise do 1º Capítulo do livro Cereja e Magalhães - 9º Ano

Published in: Education
  • Be the first to comment

Análise de livro didático-CEREJA

  1. 1. ANÁLISE DE TRECHO DE LIVRO DIDÁTICO Gosto de ser gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado mas, consciente do inacabamento, sei que posso ir mais além dele. Esta é a diferença profunda entre o ser condicionado e o ser determinado. Paulo Freire, Pedagogia da Autonomia ÉRICA NERI CAMARGO
  2. 2. CEREJA, William Roberto, MAGALHÃES, Thereza Cochar. Português: Linguagens, 9º ano. 7 ed. Reform. São Paulo: Saraiva, 2012. PROFLETRAS – Mestrado Profissional em Letras Docente: Profa. Dra. Maria Isabel Borges Disciplina: Texto Ensino (2LET840) ANÁLISE DE TRECHO DE LIVRO DIDÁTICO Capítulo 1 – O preço de estar na moda – p. 10 a 33 ÉRICA NERI CAMARGO
  3. 3. Para início de conversa... O livro didático tem grande importância na educação brasileira como política pública e é, em grande parte do país, o principal instrumento de ensino utilizado em sala de aula pelos professores. Cabe ao professor o direcionamento no uso desse material, a fim de gerar discussões e proporcionar que o aluno seja um sujeito ativo na construção do conhecimento, que tenha autonomia e liberdade de criação e não seja “oprimido” por uma única visão, discurso e ideologia presente no livro.
  4. 4. Tem-se a falsa ideia de que a solução para os problemas da escola está nos métodos, nas técnicas e nos manuais de ensino. Isso é herança da pedagogia tecnicista, calcada na psicologia behaviorista. (Fernandes, 2004) O ensino é direcionado e determinado pelo professor [...] nenhum material didático pode substituir as decisões tomadas pelo professor e somente com a superação das carências e fatores negativos ligados à vida do educador (formação, condições de trabalho, salário) será possível melhorar a qualidade de ensino, pois esta qualidade depende muito mais da força profissional e pedagógica dos professores do que da força dos livros didáticos. (Silva, 1998) MITO Para início de conversa...
  5. 5. Breve histórico Grécia - Platão - seleção do que havia de melhor na cultura grega. Portugal - (séc. XV) - cartilhas (“cartinhas”) - alfabetização + fundamentos religiosos. (Cartinha de aprender a ler – João de Barros, 1539). Brasil 1929 - (INL) Instituto Nacional do livro - aumenta o número de cartilhas, baixo custo; 1938 - (CNLD) Comissão Nacional do Livro didático 1945 - Decreto 8460 – professor escolhe o livro, regras de produção e importação do livro. 1966 - Comissão Nacional do Livro Técnico (Colted); começa o financiamento público do livro didático; 1985 – PNLD – Programa Nacional do Livro Didático
  6. 6. CEREJA, William Roberto, MAGALHÃES, Thereza Cochar. Português: Linguagens, 9º ano. 7 ed. Reform. São Paulo: Saraiva, 2012. ANÁLISE DE TRECHO DE LIVRO DIDÁTICO Capítulo 1 – O preço de estar na moda – p. 10 a 33
  7. 7. Referencial Teórico Linguísti- ca Textual Teoria dos Gêneros Gêneros do Discurso Análise do Discurso Letramen- tos Sociolin- guística Bakhtin Marcuschi Koch Bagno Schneuwly Vygotsky Kleiman Dolz Maingueneau Bronckart Meurer Bonini Rojo Solé Todorov
  8. 8. - Preocupação com a seleção dos textos e leitura; - Utiliza elementos da gramática normativa, ampliando a compreensão sob os avanços da linguística e da análise do discurso; - Produção textual apoiada na teoria dos gêneros textuais ou discursivos e linguística textual; - Relação com outras linguagens (pintura, fotografia, cinema, etc) - Revisão dos objetivos, inclusão de novos conteúdos, reavaliação do peso de determinados conteúdos; - Inclui a variação linguística e tira a noção de erro; - Situações concretas de interação discursiva; - Projetos: aluno-sujeito para a construção do conhecimento; - Língua e linguagem na perspectiva do texto e do discurso; - Conteúdos: perspectiva da semântica, estilística, linguística e análise do discurso Manual do Professor Concepção de ensino que adota a perspectiva da língua como instrumento de comunicação, de ação e de interação social.
  9. 9. ESTRUTURA DO LIVRO Unidade 1 - VALORES Cap. 1 – O preço de estar na moda Cap. 2 – Os valores do outro Cap. 3 – A dança das gerações Unidade 2 - AMOR Cap. 1 – A conquista amor impossível Cap. 2 – O selo do amor Cap. 3 – O milagre do amor Unidade 3 - JUVENTUDE Cap. 1 – A primeira vez Cap. 2 – Ser sempre jovem Cap. 3 – A permanente descoberta Unidade 4 – NOSSO TEMPO Cap. 1 – Ciranda da indiferença Cap. 2 – Os Brasis Cap. 3 – De volta para o presente Ao final de cada unidade a proposta de elaboração de um produto (livro de conto, jornal mural, exposição de textos, mostra cultural, etc)
  10. 10. ESTRUTURA DA UNIDADE 1 - VALORES SEÇÃO INTERVALO – Projeto “O sonho acabou” - Como produzir o jornal; Como montar a mostra - Vários textos e imagens sobre os anos 60 - Retoma as dicas de músicas e filmes Capítulo • Estudo dos textos • Produção de texto • Para escrever com expressividade • A língua em foco • De olho na escrita • Divirta-se Capítulo • Breve análise de um texto • Produção de texto • A língua em foco • De olho na escrita • Divirta-se Capítulo • Estudo do texto • Produção de texto • A língua em foco • Divirta-se O preço de estar na moda Os valores do outro A dança das gerações Abertura: Poema relacionado à temática; Seção “Fique Ligado! Pesquise!”: dicas de filmes, livros, músicas e sites; Intervalo: antecipa que a produção final será um jornal sobre a década de 60 e uma mostra sobre os valores dessa época.
  11. 11. ESTUDO DOS TEXTOS Artigo de opinião e reportagem - Compreensão e interpretação - A linguagem dos textos - Trocando ideias Compreensão e interpretação Informações explícitas Relação entre partes do texto Efeitos de sentido Relação entre os textos Método indutivo e dedutivo A Linguagem dos Textos Paronomásia Figuras de Linguagem Deduzir sentido de expressões Falta explorar Temática, Finalidade Falta explicar Figuras de linguagem Trocando Ideias Questões opinativas Aluno se posicionar quanto ao assunto Crítica Tema fora da realidade de alunos de escola pública • Estudo dos textos • Produção de texto • Para escrever com expressividade • A língua em foco • De olho na escrita • Divirta-se Capítulo O preço de estar na moda Pág. 12-16
  12. 12. Produção de Texto Reportagem Exploração do Gênero Exploração do Gênero Forma composicional Estilo Tema Análise Textual Vozes presentes no texto Informações explícitas Argumentos Variação linguística Identificar a variedade Características dessa variedade PERGUN- TA FINAL Característi- cas do gênero (a partir das pistas nos enunciados – método indutivo)Pontos Positivos Utilização de elementos não verbais (gráficos, ilustrações, fotos); ampliação de vocabulário; análise epilinguística. Crítica Fontes dos textos (mesmo discurso) Folha de SP, O Estado de SP • Estudo dos textos • Produção de texto • Para escrever com expressividade • A língua em foco • De olho na escrita • Divirta-se Capítulo O preço de estar na moda Pág. 17-21
  13. 13. O trabalho com a Língua deve considerar as práticas linguísticas que o aluno traz ao ingressar na escola; é preciso que seja trabalhada a inclusão dos saberes necessários ao uso da norma padrão e acesso aos conhecimentos para os multiletramentos, para o aprimoramento das aptidões linguísticas dos estudantes. Diretrizes Nacionais – p. 48 Críticas à parte textual (roteiro) Não considera o saber do aluno antes de explorar a temática Não oferece espaço para questões abertas ao contexto do aluno Não favorece estratégias de leitura Pouca relação com a realidade do aluno de escola pública
  14. 14. • Estudo dos textos • Produção de texto • Para escrever com expressividade • A língua em foco • De olho na escrita • Divirta-se Capítulo O preço de estar na moda Pág. 21 e 22 Para escrever com expressividade Reportagem Discurso O tipo de discurso citado nos textos jornalísticos Vozes Identificar as vozes presentes no texto Fato x opinião A (im)parcialidade da linguagem jornalíistica (3ª pessoa) Ideologia Posicionamento ideológico presente no texto Recursos gráficos Aspas e travessão para marcar as falas Crítica Não explica os tipos de discurso
  15. 15. • Estudo dos textos • Produção de texto • Para escrever com expressividade • A língua em foco • De olho na escrita • Divirta-se Capítulo O preço de estar na moda Pág. 23-30 Crítica - Frases descontextualizadas - Gramática normativa - Sem variação linguística Trechos de textos e poema como pretexto A língua em foco Subordinadas Substantivas Construindo o conceito Cartum - 3 perguntas de compreensão Transitividade verbal, objetos Conceituando Análise da estrutura do período Definição de subordinada substantiva Conjunções Análise nas frases Função sintática Classificação Tipos de orações subordinadas Exercícios de análise sintática Orações substantivas na construção do texto Poema – 4 questões de análise Função das subordinadas no texto Semântica e Discurso Anúncio – Análise textual (finalidade, público, intencionalidade, não-verbal) Análise sintática, exercícios
  16. 16. Pág. 23 Crítica - Oportunidade para trabalhar as questões da igualdade de gênero, machismo, o papel da mulher, etc.
  17. 17. Pág. 27 Crítica - Oportunidade para trabalhar as Leis 10.639/03 (11.645/08) O ensino da história e cultura afro-brasileira e africana no Brasil e história indígena.
  18. 18. • Estudo dos textos • Produção de texto • Para escrever com expressividade • A língua em foco • De olho na escrita • Divirta-se Capítulo O preço de estar na moda Pág. 30-33 De olho na escrita Tirinha Plural substantivos compostos Análise de linguagem não verbal Efeito de humor Construção da regra exemplos ExercíciosCrítica Textos como pretexto Pontos Positivos Variedade de gêneros para leitura Método indutivo
  19. 19. • Estudo dos textos • Produção de texto • Para escrever com expressividade • A língua em foco • De olho na escrita • Divirta-se Capítulo O preço de estar na moda Pág. 33 Divirta-se CHARADA Anteontem, Márcia tinha 14 anos, mas terá 17 no ano que vem. Como se explica o envelhecimento acelerado?
  20. 20. Pág. 34-47 Capítulo 2 Os valores do outro Texto para análise: Tela/pintura Produção de texto: leitura de um texto histórico sobre anos 60 Produzir uma reportagem sobre temas sugeridos dos anos 60 Língua em foco: pronome relativo De olho na escrita: plural dos adjetivos compostos Divirta-se: cartum Gêneros: anúncio, tirinha, poema Capítulo 3 A dança das gerações Texto para análise: Crônica Produção de texto: Editorial Estudo do gênero, compreensão Produzir um editorial sobre temas do protagonismo juvenil Língua em foco: subordinadas adjetivas Divirta-se: charada Gêneros: notícia, anúncio, tirinha, campanha, poema, artigo científico, anedota. Pág. 48-63 SEÇÃO INTERVALO – Projeto “O sonho acabou” - Como produzir o jornal; Como montar a mostra - Vários textos e imagens sobre os anos 60 - Retoma as dicas de músicas e filmes Pág. 64-67
  21. 21. Algumas considerações... O livro didático é uma arma poderosa, entretanto, como toda arma, pode ter efeitos diversos dependendo das mãos que o manuseiam. Tudo dependerá, no entanto, de como serão tais orientações [didáticas] tratadas pelos usuários [do livro didático] em suas salas de aula; seria nefasto se as indicações ali feitas fossem tomadas como normas ou pílulas de uso e efeito indiscutíveis. Pior ainda, se com isso se pretendesse identificar conteúdos unificados para todo o território nacional, ignorando a heterogeneidade linguística e a variação social. MARCUSCHI, 2000, 10
  22. 22. REFERÊNCIAS FERNANDES, Cristiane. Livro didático: o sujeito leitor na construção do sentido do texto. Dissertação. Londrina: UEL, 2004. MARCUSCHI, Luiz A. Linguística textual: o que é e como se faz. Recife, UFPE. Séries DEBATES.V1, 1983. MARCUSCHI, Luiz A. O papel da linguística no ensino de línguas. Anais do I Encontro de Estudos Linguísticos Culturais da UFPE, 2000. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO PARANÁ. Diretrizes Curriculares de Língua Portuguesa. 2012. SILVA, Ezequiel Theodoro da. Criticidade e leitura: ensaios. Campinas, SP: Mercado das Letras, 1998. SOARES, Magda Becker. Um olhar sobre o livro didático. V. 2-presença pedagógica, 1996. p. 53-63. ZILBERMAN, Regina. A leitura e o ensino de literatura. 2 ed, São Paulo: Contexto, 1991. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/programas/livro-didatico/livro- didatico-historico. Acesso em 14 de maio de 2016.

×