Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Tendências e perspectivas para a gestão de destinos turísticos litorâneos

194 views

Published on

Apresentação de artigo feita no 12º Fórum Internacional de Turismo do Iguassu, realizado durante o 13º Festival das Cataratas, em Foz do Iguaçu (PR), entre 20 e 22 de junho de 2018.

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Tendências e perspectivas para a gestão de destinos turísticos litorâneos

  1. 1. Tendências e perspectivas para a gestão de destinos turísticos litorâneos Aristides Faria Lopes dos Santos IFSP Câmpus Cubatão Artigo teórico
  2. 2. 1. INTRODUÇÃO • As reflexões propostas partiram de Wada (2011), quem apontou caminhos e temas-chave com crescente relevância nacional e internacional nas pesquisas em turismo. • Objetivo: apresentar reflexões sobre o estudo da competitividade em destinos turísticos a partir de experiências em localidades litorâneas brasileiras.
  3. 3. 2. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS • PPGHOSP/UAM: 2013-2015 e 2016-2019; • Recorte temporal da revisão: 2003 até 2017; • Estudo teórico (Qualitativo); • Coleta de dados: pesquisa bibliográfica; • Fontes de dados: periódicos (nac. e inter.); • Pesquisa bibliográfica (estratégia exploratória); • Área de abrangência: litoral paulista; • Objeto: Santos, município sede (Costa da Mata Atlântica).
  4. 4. Temas em evidência (WADA, 2011) Gestão de Turismo Hospitalidade Cenários Stakeholders DesignTecnologia Comunidades Redes sociais
  5. 5. 3. RESULTADOS (síntese) • Destinos turísticos – Meneguel, Cordeiro e Deus (2016) – Sotero e Perinotto (2016) – Ruiz, Anjos e Anjos (2013) – Dias (2012) – Aulicino (2011) – Claro e Souza (2009) • Métodos quantitativos – Wang e Xiang (2007) – Pearce (2012) – Bruni (2011) – Pechlaner e Volgger (2012) – Werner, Dickson e Hyde (2016)
  6. 6. 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS • “Note-se que na primeira seção a ordem cronológica foi decrescente e na segunda crescente. Estratégia propositadamente adotada para ilustrar os caminhos percorridos pelo autor, que culminam com a implementação de métodos quantitativos em estudos sobre muitas das “apostas” propostas por Wada (2011)”.
  7. 7. 5. REFERÊNCIAS (síntese) • AULICINO, M. P. Turismo e desenvolvimento regional: um estudo no estado de São Paulo. Revista Turismo em Análise, v. 22, n. 1, p. 220-234, 2011. • BRUNI, A. L. PASW Aplicado à Pesquisa Acadêmica. São Paulo: Atlas, 2011. • CLARO, J. A. S.; SOUZA, R. P. A infraestrutura para eventos e turismo de negócios na cidade de Santos. Patrimônio: Lazer & Turismo, v. 6, n. 6, p. 88-105, abril/junho, 2009. • DIAS, W. A. O turismo como desenvolvimento econômico de Itanhaém (SP). Monografia. Especialização em Gestão Pública Municipal. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, 2012. • MENEGUEL, C. R. A.; CORDEIRO, G. T. R. F.; DEUS, P. S. Baixada Santista ou Costa da Mata Atlântica? Eis a questão: identificação da percepção do visitante sobre a marca Costa da Mata Atlântica. Revista Turismo em Análise, v. 24, n. 3, p. 500-523, 2016. • PEARCE, D. G. Frameworks for Tourism Research. Oxford (UK): CABI, 2012.
  8. 8. 5. REFERÊNCIAS (síntese) • PECHLANER, H.; VOLGGER, M. How to promote cooperation in the hospitality industry. International Journal of Contemporary Hospitality Management, v. 24, n. 6, p. 925-945, 2012. • RUIZ, T. C. D.; ANJOS, F. A.; ANJOS, S. J. G. Competitividad de destinos turísticos: estudio de caso de Foz do Iguaçu (Paraná, Brasil). Cuadernos de Turismo, v. 1, n. 31, p. 83-103, 2013. • SOTERO, J. A.; PERINOTTO, A. R. C. Análise histórica da comunicação turística em Parnaíba (PI): o poder público em questão. Revista Hospitalidade, v. 13, p. 110-142, agosto, 2016. • WANG, Y.; XIANG, Z. Toward a Theoretical Framework of Collaborative Destination Marketing. Journal of Travel Research, v. 46, n. 1, p. 75-85, 2007. • WERNER, K.; DICKSON, G.; HYDE, K. F. Mega-events and increased collaborative capacity of tourism destinations: The case of the 2011 Rugby World Cup. Journal of Destination Marketing & Management, v. 5, n. 3, p. 227-238, 2016.

×