Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Métodos de pesquisa: survey

493 views

Published on

Material apresentado no Programa de Pós-graduação em Hospitalidade (Doutorado) da Universidade Anhembi Morumbi, em setembro de 2017.

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Métodos de pesquisa: survey

  1. 1. Survey Aristides Faria Lopes dos Santos | 22.09.2017
  2. 2. Roteiro Conceito Emprego Escalas Amostragem Validação Software
  3. 3. O que é? • Pesquisas do tipo survey têm o interesse central de produzir descrições quantitativas de uma determinada população, a partir do emprego de um instrumento de coleta de dados predefinido (questionário).
  4. 4. Emprego • As pesquisas do tipo survey mostram-se apropriadas nos seguintes casos (FREITAS et al, 2000): – Se deseja responder a questões do tipo “o quê?”, “como?” e “quanto?”; – Não há controle das variáveis (dependentes/independentes); – O objeto de interesse ocorre no presente ou no passado (correlações).
  5. 5. Tipos de Escalas (Likert)
  6. 6. Modelo conceitual (Wang & Xiang, 2007)
  7. 7. Modelo conceitual (Wang & Xiang, 2007) • Propõe-se decompor o modelo, transformar variáveis qualitativas em quantitativas a fim de se viabilizar comparações (BRUNI, 2011). • Neste caso, os dados coletados são caracterizados como primários, já que foram obtidos a partir do experimento proposto (MARTINS; THEÓPHILO, 2007).
  8. 8. Coleta de dados • Longitudinal – A coleta de dados ocorre ao longo do tempo em períodos ou pontos específicos, buscando estudar a evolução ou as mudanças de determinadas variáveis ou, ainda, as relações entre elas; • Corte-transversal (interseccional) – A coleta de dados ocorre em um só momento, pretendendo descrever e analisar o estado de uma ou várias variáveis em um dado momento. • (FREITAS et al, 2000; MARTINS; FERREIRA, 2011)
  9. 9. Processo de Amostragem • Probabilística – É o fato de todos os elementos da população terem a mesma chance de ser escolhidos, resultando em uma amostra representativa da população. • Não-probabilística – É obtida a partir de algum critério, e nem todos os elementos da população têm a mesma chance de ser selecionados, o que torna os resultados não generalizáveis. • (FREITAS et al, 2000; MARTINS; FERREIRA, 2011)
  10. 10. Processo de Amostragem • Imprecisões na determinação da população-alvo (finita ou infinita) determinam maiores chances de erro na amostragem e, em consequência, naquilo que se coletar, analisar e incorretamente concluir (FREITAS et al, 2000). • A precisão tende a elevar-se com o aumento do tamanho da amostra, e que na amostra probabilística, para dobrar-se a precisão, se deve quadruplicar o seu tamanho. • Importante! – Zelar pela credibilidade dos usuários.
  11. 11. Instrumento de coleta de dados • As alternativas para as questões fechadas devem ser exaustivas para cobrir todas as possíveis respostas; • Somente questões relacionadas ao problema devem ser incluídas; • Deve-se considerar as implicações das perguntas quanto aos procedimentos de tabulação e análise dos dados;
  12. 12. Instrumento de coleta de dados • O respondente não deve sentir-se incomodado ou constrangido; • Redação clara e precisa, considerando o nível de informação dos respondentes, possibilitando uma única interpretação; • A sequência das perguntas deve ser considerada sempre que houver a possibilidade de contágio ou indução;
  13. 13. Instrumento de coleta de dados • Recomenda-se iniciar pelas perguntas mais simples, assim como iniciar pelos temas mais amplos, passando para questões mais delicadas no meio do instrumento e terminando com os dados sociodemográficos. • Importante! – Apresentação gráfica (facilidade no preenchimento) – Cabeçalho para identificação – Fornecimento de instruções
  14. 14. Pré-teste • Devem ser considerados no pré- teste os seguintes aspectos: – Clareza e precisão dos termos – Quantidade de perguntas – Forma das perguntas – Ordem das perguntas – Introdução • Validade interna: diz respeito às condições de aplicação do instrumento; • Validade externa: se trata das condições de generalização, ou seja, à representatividade da amostra e à correspondência ente os respondentes e a unidade de análise.
  15. 15. Softwares • Survey Monkey – https://pt.surveymonkey.com/ • Google Forms – http://forms.google.com/ • Ubisurvey – http://www.ubisurvey.com.br/ • Rotator Survey – http://rotatorsurvey.com/pt/ • Siap (Sistema para Análise de Pesquisas) – http://fcatec.com/siap/ • QuickTaoSurvey – https://www.quicktapsurvey.com/pt/ • SofExport (SE Survey) – https://www.softexpert.com.br/ • Kwik Survey – https://kwiksurveys.com/
  16. 16. Bibliografia BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011. BRUNI, A. L. PASW Aplicado à Pesquisa Acadêmica. São Paulo: Atlas, 2011. CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed, 2007. FRANCO, M. L. P. B. Análise de Conteúdo. Brasília: Liber Livro Editora, 2008. FREEMAN, R. E. Strategic management: A stakeholder approach. Boston (USA): Pitman, 1984. FREITAS, H.; OLIVEIRA, M.; SACCOL, A. Z; MOSCAROLA, J. O método de pesquisa survey. Revista de Administração, v. 38, n. 3, p. 103-112, 2000. GIBBS, G. Análise de dados qualitativos. Porto Alegre: Artmed, 2009. HANDCOCK, M. S.; GILE, K. J. On the concept of snowball sampling. Cornell University Library, v. 1, p. 1-5, 2011. MARTINS, C. G.; FERREIRA, M. L. R. O survey como tipo de pesquisa aplicado na descrição do conhecimento do processo de gerenciamento de riscos em projetos no segmento da construção. In: Anais... VII Congresso Nacional de Excelência em Gestão, Niterói (RJ), 2011. MARTINS, G. A.; THEÓPHILO, C. R. Metodologia da Investigação Científica para Ciências Sociais Aplicadas. São Paulo: Atlas, 2007. PEARCE; D. G. Frameworks for Tourism Research. Oxford (UK): CABI, 2012. WANG, Y.; XIANG, Z. Toward a Theoretical Framework of Collaborative Destination Marketing. Journal of Travel Research, v. 46, n. 1, p. 75-85, 2007. YIN, R. K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2015.

×