Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Ecoturismo e Turismo de Aventura: aula 06

106 views

Published on

Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (Câmpus Cubatão). Disciplina: Ecoturismo e Turismo de Aventura (ECOT5). Prof. Me. Aristides Faria Lopes dos Santos (2017).

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Ecoturismo e Turismo de Aventura: aula 06

  1. 1. Ecoturismo e Turismo de Aventura Prof. Me. Aristides Faria Lopes dos Santos
  2. 2. Ecoturismo e Turismo de Aventura • Material analisado – Manual de Ecoturismo de Base Comunitária: ferramentas para um planejamento responsável. – WWF Brasil (Brasília, 2003) • Mais informações – http://www.wwf.org.br/
  3. 3. Planejamento turístico no Brasil • Para a consolidação do turismo no país é necessária a avaliação cuidadosa dos seguintes aspectos: – Destinos a serem desenvolvido • 65 destinos indutores – Objetivos a serem alcançados – Os meios e recursos necessários para atingi-los – Atores atuantes nos mercados regional e nacional
  4. 4. Participação da sociedade • Estratégia governamental (federal) para o desenvolvimento do setor: – Integração das diversas políticas governamentais que incentivam, afetam ou inibem a atividade turística, envolvendo diferentes órgãos da administração direta e indireta, assim como as instituições públicas e multilaterais de financiamento e investimento no setor;
  5. 5. Participação da sociedade • Estratégia governamental (federal) para o desenvolvimento do setor: – Normatização e regulamentação da atividade, principalmente com relação ao uso e ocupação do solo, códigos ambientais e planos de desenvolvimento responsável do turismo, orientando governos estaduais e municipais na adoção de políticas e sistemas de gestão sustentável da atividade; – A efetiva participação das comunidades envolvidas nos destinos turísticos nas tomadas de decisão para planejamento e gestão do turismo;
  6. 6. Participação da sociedade • Continuação: – Manutenção da sustentabilidade de áreas naturais protegidas (unidades de conservação), com a efetiva implementação e gestão sustentável e participativa, envolvendo suas populações de entorno [atores], complementando e incrementando as suas atividades econômicas sustentáveis [diversificação da matriz econômica] e valorizando e priorizando a manutenção da biodiversidade;
  7. 7. Participação da sociedade • Continuação: – A capacitação e qualificação profissional das empresas e das associações comunitárias voltadas ao turismo, facilitando o acesso à tecnologias limpas e outras linhas de crédito; – A educação de consumidores, funcionários e fornecedores de serviços turísticos para o consumo do turismo de forma socialmente e ambientalmente amigável.
  8. 8. Ecoturismo: planejamento e princípios • Os princípios norteadores do Ecoturismo são: – Contribuir para a conservação do meio ambiente; – Promover, onde possível, a valorização cultural das comunidades, bem como sua capacitação para o gerenciamento participativo e de mínimo impacto dos recursos envolvidos;
  9. 9. Ecoturismo: planejamento e princípios • Os princípios norteadores do Ecoturismo são: – Buscar a diversificação e integração econômica para a melhoria da qualidade de vida das comunidades; – No desenvolvimento do ecoturismo, a integração e equilíbrio entre conservação ambiental, respeito pela cultura local e a diversificação de atividades econômicas devem ocorrer via processo participativo.
  10. 10. Impactos do turismo • Ações para minimizar os impactos ambientais negativos: – Profissionalização: planejamento e gestão baseados em estudos e conhecimentos específicos: • Zoneamento da área: conservação (uso público) x preservação (pesquisa científica); • Capacidade de carga: definição dos limites aceitáveis de câmbio; • Indicadores ambientais: monitoramento contínuo de impactos, por meio de indicadores pré-estabelecidos e de fácil verificação (divulgação científica);
  11. 11. Impactos do turismo • Ações para minimizar os impactos ambientais negativos: – Continuação: • Educação Ambiental (EA): informação e educação diferenciadas para visitantes e residentes; • Linha de frente (anfitrião profissional): capacitação dos profissionais intermediários entre visitantes e residentes (gestores, administradores, proprietários, guias, funcionários de unidades de conservação etc.); • Viabilidade financeira: planejamento financeiro que viabilize atividades de manejo, criação e manutenção de unidades de conservação, apoio à gestão, voluntariado, pesquisa científica, etc. • Importante: ações realizadas por meio da mobilização de voluntários (social e ambiental).
  12. 12. Impactos do turismo • O profissional do turismo deve atentar à viabilização do retorno econômico e social para as comunidades que vivem dentro ou no entorno de UCs, “permitindo” a geração de benefícios diretos e indiretos a partir do uso sustentável do ecoturismo na UC.
  13. 13. Impactos do turismo • Estratégias mais comuns: – Participação nos conselhos gestores da unidades de conservação, opinando e propondo estratégias de uso sustentável; – Avaliações da capacidade local de desenvolver negócios sustentáveis de interesse direto (artesanato, condução de grupos, abertura e manutenção de atrativos e trilhas, etc.) ou indireto (agricultura, extrativismo, marcenaria, pesca etc.) para o ecoturismo; – Preparo, capacitação e convite à sociedade local para participar do processo de terceirização de serviços em parques nacionais. • Importante! – O ecoturismo deve promover, onde possível, a valorização cultural das comunidades, bem como sua capacitação para o gerenciamento participativo e de mínimo impacto dos recursos envolvidos.
  14. 14. Bons estudos!

×