Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Doutorado em Hospitalidade: referencial bibliográfico preliminar

954 views

Published on

Atividade curricular: levantamento e discussão sobre o referencial bibliográfico adotado para a elaboração do projeto de pesquisa (tese). Material desenvolvido no âmbito do Programa de Pós-graduação em Hospitalidade da Universidade Anhembi Morumbi (Laureate Internacional Universities).

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Doutorado em Hospitalidade: referencial bibliográfico preliminar

  1. 1. Elaboração do referencial bibliográfico Aristides Faria Lopes dos Santos
  2. 2. PROJETO DE PESQUISA Problema de pesquisa e Objetivo geral
  3. 3. Projeto de pesquisa em desenvolvimento • Problema – Por que as relações de hospitalidade e hostilidade entre os stakeholders do setor de serviços pode interferir sobre a competitividade do turismo brasileiro? • Objetivo geral – Determinar os fatores que influenciam sobre as relações de hospitalidade e hostilidade entre os stakeholders atuantes no setor de viagens e turismo, identificando em que medida estes impactam.
  4. 4. APRESENTAÇÃO Referencial bibliográfico
  5. 5. Palavras-chave Hospitalidade Hostilidade CompetitividadeServiços Stakeholders Turismo
  6. 6. Objeto de estudo: litoral paulista • Meneguel, Cordeiro e Deus (2016) desenvolveram estudo de caso sobre a Região Metropolitana da Baixada Santista e discutiram o posicionamento do destino no mercado turístico nacional. • Destaque: Procedimentos metodológicos – Como técnica de coleta de dados foram empregados questionários semiabertos junto a turistas em viagem, pesquisa bibliográfica e pesquisa documental.
  7. 7. Posicionamento de mercado e competitividade • Os autores analisam o destino Parnaíba (PI), onde há carência de políticas públicas “voltadas para divulgação/comunicação tanto em âmbito estadual [moradores de cidades próximas] quanto municipal [moradores da própria localidade]” (SOTERO; PERINOTTO, 2016, p. 138). • Destaque: Pressupostos – Análise das ações promocionais consorciadas entre os stakeholders do setor de viagens e turismo em vista de aumentar a competitividade do destino como um todo.
  8. 8. Gestão pública setorial do turismo • O artigo apresenta, em perspectiva comparada, a evolução do setor de viagens e turismo na Argentina e no Brasil, identificando os principais aspectos que têm influenciado seu desenvolvimento (CUMBRERA; LEÓN; BRAÇE, 2016). • Destaque: Justificativa – A comparação mostra-se relevante por que ambos os países têm importantes atrativos turísticos, crescimento econômico estável, desequilíbrios territoriais relevantes e altos níveis de insegurança, além de uma complexa interdependência de fluxos turísticos entre si – em ambos os sentidos.
  9. 9. Aplicação de novas tecnologias • O artigo aborda as tecnologias da informação e comunicação (TICs) na gestão de destinos turísticos a partir de duas abordagens possíveis (TRIBE; LIBURD, 2016): 1. Prática social de compartilhar informação e conhecimento; e 2. Uso passivo, baseado na visualização e no donwload de conteúdo. • Destaque: Pressupostos – A web 2.0 permite “novas” formas de conhecimento e de troca simultânea de saberes por meio da colaboração aberta e permeável, dinâmica e espaço como para cocriação.
  10. 10. Aplicação de novas tecnologias • O estudo discute a evolução das TICs e seu impacto sobre o planejamento das viagens sem intermediários (MORALES; AGÜERA; CUADRA, 2015). • Destaque: Resultados – Os resultados apontam para o valor das experiências autênticas e o inesperado, ou seja, as vivências não programadas (...).
  11. 11. Referencial teórico • Pavan, Biz e Thomaz (2015) discutem a gestão de destinos turísticos, que é tema central do projeto de pesquisa proposto. • Os resultados apontaram que a gestão do turismo ainda está concentrada nas mãos do poder público. • Destaque: Referencial teórico – Bornhorst, Ritchie & Sheehan (2010) – Volgger & Pechlaner (2014) – OMT (2007) – Viana (2012)
  12. 12. Objeto de estudo: Santos (SP) • O artigo é um estudo de caso sobre o Programa de Revitalização e Desenvolvimento da. Região Central Histórica de Santos (Alegra Centro) (SANTOS; GUIZI; CAVENAGHI, 2014). • Destaque: Resultados – Verificou-se que a ação ou a inércia do poder público municipal tem o poder de fomentar ou desestimular os negócios atuantes no setor de viagens e turismo em nível local e regional.
  13. 13. Competitividade de destinos turísticos • Estudo de caso: Foz do Iguaçu (PR) (GANDARA; MIKI-CHIM; RUIZ; BIZ, 2013). Análise das aspectos que influenciam sobre a competitividade do destino turístico. • Destaque: emprego de um modelo metodológico – É empregada a teoria de Dwyer & Kim (2003) (Integrative model) para se proceder análise de políticas de gestão de destino, a partir da perspectiva dos determinantes da competitividade.
  14. 14. Sobre competitividade de destinos turísticos • Neste artigo discute-se a competitividade dos destinos turísticos (RUIZ; ANJOS; ANJOS, 2013). • Destaque: proposição de um modelo a partir da pesquisa – Determinou-se uma matriz de indicadores de competitividade, a qual foi aplicada no estudo do município-objeto de estudo (Foz do Iguaçu/PR).
  15. 15. Qualificação da força de trabalho • O estudo trata do caso de um programa de qualificação profissional desenvolvido no município de Blumenau (SC), cujo público-alvo foi composto por jovens de 15 a 24 anos, estudantes de escolas públicas, de comunidades carentes daquela cidade (DREHER; CARRION; SILVEIRA, 2013). • Destaque: Pressupostos e Resultados – A investigação trata de um dos principais aspectos que impactam sobre a competitividade dos destinos turísticos: competências acumuladas pela força de trabalho do território em questão.
  16. 16. Gestão pública setorial do turismo • Objetivos: – Identificar as políticas públicas voltadas para o fomento ao turismo em nível local; e Verificar se estas conseguem atingir as mais variadas camadas da sociedade por meio da distribuição de receitas de maneira equitativa (DIAS, 2012). • Destaque: Objeto de estudo (Itanhaém/SP) – O estudo abordou, ainda, os impactos ecológicos, sociais e culturais oriundos do desenvolvimento da atividade turística que devem ser considerados no processo de planejamento turístico na localidade e em sua região de entorno.
  17. 17. Relações entre os stakeholders • Objetivo: Demonstrar que o turismo pode ser fator de desenvolvimento regional (AULICINO, 2011). • Destaque: Pressupostos – A atividade turística pode se constituir em fator de desenvolvimento regional e para confirmá-la, selecionou-se dois conjuntos de municípios do Estado de São Paulo, diferenciados pela presença ou não da atividade turística.
  18. 18. Objeto de estudo: Santos e região • Artigo oriundo de dissertação de mestrado em Gestão de Negócios da Universidade Católica de Santos (CLARO; SOUZA, 2009). • Destaque: Referencial bibliográfico – Em Santos, destaca-se “(...) pontos históricos de importância nacional, belezas naturais, atrações culturais, diversão e uma excelente estrutura de serviços” que fazem de Santos um destino possível de ser visitado durante todo o ano, ao contrário do que preconiza o modelo sazonal do Turismo de Sol e Praia.
  19. 19. Posicionamento de mercado e competitividade • O artigo trata da formação da imagem turística [ou identidade] de um país e sua importância no processo de escolha deste país enquanto destino de viagem (DUCALLÍN; MAGO; RENGEL, 2006). • Destaque: Procedimentos metodológicos – Objeto de estudo: seis destinos turísticos de relevância internacional • México, Cuba, Venezuela, República Dominicana, Brasil e a região da América Central – Como técnica de coleta de dados foi aplicado questionário com uma amostra de 1.000 pessoas na cidade de Madrid, na Espanha (na origem dos turistas). • Resultados: verificou-se que países latino-americanos em geral são considerados pelo mercado espanhol como “amigos”, “feliz”, “acolhedor”, “ensolarado”, “tempo bom”, entre outros, mas também foram percebidos como “inseguros”, “pouco desenvolvidos” e com “instabilidade política”, além de “pobres”.
  20. 20. REFERÊNCIAS Relação de artigos analisados
  21. 21. Referências • AULICINO, M. P. Turismo e desenvolvimento regional: um estudo no estado de São Paulo. Revista Turismo em Análise, v. 22, n. 1, p. 220- 234, 2011. • CLARO, J. A. S.; SOUZA, R. P. A infraestrutura para eventos e turismo de negócios na cidade de Santos. Patrimônio: Lazer & Turismo, v. 6, n. 6, p. 88-105, abril/junho, 2009. • CUMBRERA, M. G.; LEÓN, C. A. F.; BRAÇE, O. Comparación de la industria turística en potencias emergentes (Argentina y Brasil): de larivalidad a la interdependencia. Cuadernos de Turismo, v. 1, n. 38, p. 191-202, 2016.
  22. 22. Referências • DIAS, W. A. O turismo como desenvolvimento econômico de Itanhaém (SP). Monografia. Especialização em Gestão Pública Municipal. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, 2012. • DREHER, M. T.; CARRION, R. S. M.; SILVEIRA, A. P. K. Ocupación en el sector turístico: inclusión social y prejuicios. Cuadernos de Turismo, v. 1, n. 32, p. 343-346, 2013. • DUCALLÍN, E. J. R.; MAGO, K. E. R.; RENGEL, J. F. M. Imagen turística de los países latinoamericanos en el mercado español. Cuadernos de Turismo, v. 1, n. 17, p. 189-199, 2006.
  23. 23. Referências • GANDARA, J. M.; MIKI-CHIM, A. F.; RUIZ, T. C. D.; BIZ, A. A. La competitividad turística de Foz do Iguaçu segpun los determinantes del “Integrative Model” de Dwyer & Kim: analizando la estrategia de construcción del futuro. Cuadernos de Turismo, v. 1, n. 31, p. 105-129, 2013. • MENEGUEL, C. R. A.; CORDEIRO, G. T. R. F.; DEUS, P. S. Baixada Santista ou Costa da Mata Atlântica? Eis a questão: identificação da percepção do visitante sobre a marca Costa da Mata Atlântica. Revista Turismo em Análise, v. 24, n. 3, p. 500-523, 2016. • MORALES; P. C.; AGÜERA, F. O.; CUADRA, S. M. Reputación online de los hoteles de sol y playa em la República Dominicana. Revista de Cultura e Turismo, a. 9, n. 3, p. 87-100, outubro, 2015.
  24. 24. Referências • PAVAN, C. S.; BIZ, A. A.; THOMAZ, G. M. Estudo comparativo dos modelos de gestão de destinos turísticos. Anais eletrônicos... XII Seminário da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Turismo: Natal, 2015. • RUIZ, T. C. D.; ANJOS, F. A.; ANJOS, S. J. G. Competitividad de destinos turísticos: estudio de caso de Foz do Iguaçu (Paraná, Brasil). Cuadernos de Turismo, v. 1, n. 31, p. 83-103, 2013. • SANTOS, A. F. L.; GUIZI, A. A.; CAVENAGHI, A. J. Análisis sobre el “Programa de Revitalización y Desarrollo de la Región Central Histórica de Santos”, San Pablo, Brasil (Alegra Centro). Anais... Congreso Internacional de Investigación en Turismo. Bogotá (Colômbia): Universidad Externado de Colombia, 2014.
  25. 25. Referências • SOTERO, J. A.; PERINOTTO, A. R. C. Análise histórica da comunicação turística em Parnaíba (PI): o poder público em questão. Revista Hospitalidade, v. 13, p. 110-142, agosto, 2016. • TRIBE, J.; LIBURD, J. J. The tourism knowledge system. Annals of Tourism Research, n. 57, p. 44-61, 2016.

×