Reforma protestante e protestantismo brasileiro

8,062 views

Published on

pps preparado com o objetivo de partilhar em meu blog com os vários pregadores e professores de Escola Dominical sobre o tema da Reforma Protestante. Ele está sendo postado às vesperas dos 493 anos da celebração do evento para servir como subsídio para elaboração de sermões ou aulas da escola dominical.

Published in: Travel, Business
5 Comments
7 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
8,062
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
67
Actions
Shares
0
Downloads
542
Comments
5
Likes
7
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Reforma protestante e protestantismo brasileiro

  1. 1. SERMÃO Reforma Protestante e Protestantismo Brasileiro “ Igreja Reformada sempre se reformando”
  2. 2. Como Igreja temos a tarefa de ser LUZ do mundo. Introdução
  3. 3. Introdução Devemos fazer diferença nos lugares onde estamos. Mais que isso, devemos procurar os lugares certos para iluminar.
  4. 4. Introdução Após a primeira fase da Reforma Religiosa do século XVI a afirmação emblemática foi: “ Igreja Reformada sempre se reformando”
  5. 5. Introdução À luz do texto bíblico de Mateus 5:14-16 convido-os a refletir sobre a reforma protestante e o protestantismo implantado no Brasil.
  6. 6. Introdução Perguntas norteadoras para nossa reflexão: Temos sido fiéis ao chamado de Jesus? Temos iluminado os lugares necessários ?
  7. 7. Introdução Temos valorizado nossa vocação “protestante”? Temos assumido com-promisso missionário? Vejamos o texto:
  8. 8. “ Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder a cidade edificada sobre um monte; nem se acende uma candeia para colocá-la debaixo do alqueire, mas no velador, e alumia a todos os que se encontram na casa. Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus”.
  9. 9. Há exatamente 493 anos atrás, ou seja, dia 31 de outubro de 1517, Martinho Lutero pregou as suas, hoje famosas, 95 Teses na porta da Catedral de Wittenberg. Introdução
  10. 10. Castelo Wittenberg
  11. 11. Era costume, na época, afixar opiniões para debate em locais públicos para que os interessados tomassem conhecimento do assunto.
  12. 12. Estas teses, bem como as idéias de Lutero foram rapidamente divulgadas por toda a Alemanha graças à Imprensa.
  13. 13. O primeiro livro impresso com tipos móveis foi a Bíblia.
  14. 14. Nas 95 Teses Lutero afirmava: <ul><li>a nulidade das indulgências para perdoar pecados e livrar almas da condenação; </li></ul>
  15. 15. 2) contestava o poder da Igreja como mediadora entre os fiéis e Deus; 3) assegurava que todo fiel arrependido era remido de seus pecados através da fé em Cristo.
  16. 16. movimento tão grande que abalaria as estruturas da igreja oficial. Lutero não imaginava que sua convocação para debater as 95 teses se tornaria um
  17. 17. o momento histórico não lhes permitiu implementar inovações. Antes de Lutero muitas outras pessoas e movimentos contestaram os rumos da igreja, porém
  18. 18. John Wycliff (1325-1384) John Huss (1372-1415) PRÉ-REFORMADORES
  19. 19. Lutero Zuínglio Menno Simons Calvino Henrique VIII REFORMADORES Alemanha Genebra Zurique Zurique Luteranismo Calvinismo Anabatistas Movimento Reformado Reforma Radical Inglaterra Anglicanismo Reforma Anglicana Reforma Luterana
  20. 20. A REFORMA PREGOU A DOUTRINA DA JUSTIFICAÇÃO SOMENTE PELA FÉ Aprendendo com Lutero (95 teses)
  21. 21. A REFORMA RESGATOU O CONCEITO DA AUTORIDADE VITAL DA PALAVRA DE DEUS Aprendendo com Lutero (95 teses)
  22. 22. A REFORMA REDESCOBRIU NA PALAVRA A DOUTRINA DO SACERDÓCIO INDIVIDUAL DO CRENTE Aprendendo com Lutero (95 teses)
  23. 23. PROTESTANTISMO BRASILEIRO Ao analisar o protestantismo brasileiro atual, verifica-se um certo grau de descompasso com a sociedade civil, bem como um certo preconceito para com a cultura brasileira. Parece que a igreja vive uma freqüência diferente da sociedade, chegando em alguns momentos a uma total alienação.
  24. 24. PROTESTANTISMO BRASILEIRO Possíveis fatores que levaram o Protestantismo Brasileiro a um distanciamento da sociedade civil e uma alienação da cultura local. Uma breve análise da inserção do Protestantismo no Brasil
  25. 25. Reconhecendo que possam existir muitos outros motivos que levaram o protestantismo brasileiro a assumir esta postura, gostaria de-lhes apresentar, quatro : Um ligado ao Protestantismo de Imigração e Três ligados ao Protestantismo de Missão PROTESTANTISMO BRASILEIRO
  26. 26. MENDONÇA, Antonio Gouveia; VELASQUES, Prócoro Folho. Introdução ao Protestantismo no Brasil. São Paulo: Loyola/IEPG/UMESP-Ciências da Religião, 1990. INTRODUÇÃO
  27. 27. Para auxiliar na compreensão de algumas terminologias iniciaremos respondendo a duas perguntas: <ul><li>Protestantismo ou Protestantismos? </li></ul>2) Há diferenças entre protestante, crente e evangélico? INTRODUÇÃO
  28. 28. Protestantismo ou Protestantismos?
  29. 29. Protestantismo ou Protestantismos? Diferentemente da tradição católica, que apesar de sua diversidade conseguiu manter uma certa unidade institucional, o protestantismo que surgiu da Reforma do século XVI gerou várias tradições e instituições.
  30. 30. Protestantismo ou Protestantismos? Reforma Luterana Reforma Calvinista Reforma Anglicana Reforma Radical
  31. 31. Protestantismo ou Protestantismos? Portanto, o correto é falar: PROTESTANTISMOS PROTESTANTISMO não No plural e não no singular
  32. 32. Protestantismo ou Protestantismos? Ao abordar o “ PROTESTANTISMO BRASILEIRO”, nos deparamos com uma questão mais complexa ainda, pois verifica-se a implantação de várias tradições e instituições, em momentos históricos diferentes.
  33. 33. Protestantismo ou Protestantismos? Primeiramente, pode-se destacar duas tentativas fracassadas de inserção do protestantismo no território brasileiro: 1 a ) Franceses (1555 a 1560) Rio de Janeiro 2 a ) Holandeses (1630 a 1654) no nordeste.
  34. 34. Protestantismo ou Protestantismos? Somente no início do século XIX a tradição protestante inseriu-se de forma definitiva no Brasil. Segundo Mendonça, pode-se falar de: Protestantismo de Imigração Protestantismo de Missão Pentecostalismo
  35. 35. Protestantismo de Imigração Em decorrência da abertura dos portos brasileiros aos países amigos de Portugal (1808) e do incentivo do governo à imigração européia, chegaram ao Brasil: LUTERANOS ANGLICANOS
  36. 36. Protestantismo de Imigração Napoleão Bonaparte Fuga para o Brasil Tratado de Comércio... Sede do Império no Brasil
  37. 37. Protestantismo de Imigração Com o Tratado de comércio e navegação firmado entre Portugal e Inglaterra (1810) concedeu-se aos ingleses a liberdade de culto e tolerância religiosa a outros grupos não-católicos residentes no Brasil. (REILY, 1984, 26). REILY, Duncan A. História Documental do protestantismo no Brasil. São Paulo: ASTE, 1984.
  38. 38. Protestantismo de Imigração Segundo Reily, este é o início do culto protestante no Brasil. LUTERANOS ANGLICANOS Estas tradições religiosas não influenciaram e nem promoveram impactos na sociedade brasileira, pois seu objetivo era unicamente dar continuidade à tradição denominacional, sem fins missionários.
  39. 39. Protestantismo de Missão Somente após 1850, com a chegada de missionários protestantes advindos da América do Norte com o objetivo de implantar suas missões, que o protestantismo causou um certo impacto na sociedade brasileira.
  40. 40. Protestantismo de Missão É neste momento que instalam-se no Brasil as igrejas: Congregacional Presbiteriana Metodista Batista Episcopal
  41. 41. Protestantismo de Missão Segundo Mendonça este movimento deve ser chamado de Protestantismo de Missão. Não reconhecendo o trabalho missionário promovido pelo catolicismo, estas denominações chegaram ao Brasil com um objetivo claro de pregar a fé protestante/evangélica
  42. 42. Pentecostalismo Neopentecostalismo É possível dividir o movimento pentecostal e neopentecostal brasileiro em pelo menos três grupos diferentes:
  43. 43. Pentecostalismo Neopentecostalismo <ul><li>Décadas 1910-1940: </li></ul><ul><li>chegada simultânea da </li></ul>que dominam o campo por 40 anos Congregação Cristã no Brasil Assembléia de Deus
  44. 44. Pentecostalismo Neopentecostalismo 2) Décadas 1950-1960: campo pentecostal se fragmenta, surgem novos grupos: Evangelho Quadrangular Deus é Amor Brasil Para Cristo
  45. 45. Pentecostalismo Neopentecostalismo 3) Décadas 1970-1980: neopentecostalismo Igreja Universal do Reino de Deus Igreja Internacional da Graça de Deus muitos outros movimentos.
  46. 46. Protestantismo ou Protestantismos? Como vimos, é impossível falar de “protestantismo” brasileiro. O correto é afirmar que existem varias tradições protestantes no Brasil. Portanto... PROTESTANTISMOS
  47. 47. Protestante Uma dos grandes desafios enfrentados ao estudar este tema está no campo da conceituação dos termos. Crente Evangélico Ao perguntar a uma pessoa, seja ela cristã ou não, qual a diferença entre protestante, crente e evangélico, receberemos definições as mais variadas possíveis.
  48. 48. Protestante Crente Evangélico Alguns enfatizarão algumas diferenças, outros dirão que trata-se da mesma coisa.
  49. 49. QUAL A DIFERENÇA Protestante Crente Evangélico
  50. 50. Protestante Nosso objetivo é fazer alguns apontamentos, baseados no texto de Mendonça. (MENDONÇA & VELASQUES, 1990, p. 13-16). Crente Evangélico
  51. 51. Protestante Segundo este autor, enquanto na Europa e nos Estados Unidos os cristãos não-católicos se auto-identificam como cristãos, sendo secundária a identificação pelo ramo a que pertencem, no Brasil, assim com o em toda a América Latina, a auto identificação protestante tem sido complicada. Crente Evangélico No Brasil, esta questão tem história.
  52. 52. Esta nomenclatura foi introduzida pelos missionários norte-americanos (protestantismo de missão) para identificar as pessoas que iam aderindo às suas denominações. CRENTE
  53. 53. CRENTE O crente era aquele que, abandonando suas antigas crenças e práticas religiosas (catolicismo), “convertiam-se” verdadeiramente a Jesus Cristo. Olhando de dentro deste movimento, ser crente era uma honra e um privilégio, porém, olhando de fora este era um estigma.
  54. 54. EVANGÉLICO Termo cunhado pelo movimento evangelical. Este movimento surgiu no início do século XIX na Europa e depois se expandiu para os Estados Unidos. Ele foi uma reação frente expansionismo ultramontanista católico.
  55. 55. EVANGÉLICO Diante dessa força católica os protestantes se uniram através de ligas e alianças no propósito de fortalecer alguns princípios doutrinários comuns que os ajudasse a combater esse movimento. Pode-se chamar de uma “frente unida” evangélica.
  56. 56. EVANGÉLICO A auto-identificação de “evangélico” era individual e significava o compromisso da pessoa com esse conjunto de princípios doutrinários. Antes do indivíduo pertencer a uma denominação, ele era “ EVANGÉLICO”.
  57. 57. PROTESTANTE Termo utilizado para referir-se ao movimento da Reforma Religiosa ocorrido na Europa do século XVI. Reforma Luterana Reforma Calvinista Reforma Anglicana Reforma Radical
  58. 58. Protestante Ainda que estes termos tenham seus significados específicos e um momento histórico definido, Mendonça apresenta a identificação atual dos cristãos não-católicos no Brasil da seguinte forma: Crente Evangélico
  59. 59. Protestante O termo “crentes” identifica pentecostais e protestantes tradicionais em regiões rurais; Crente Evangélico a designação “evangélicos” auto-identifica protestantes tradicionais de regiões urbanas e é preferido pelos “historiadores” dessas denominações; o termo “protestantes”é utilizado por historiadores, teólogos e sociólogos não necessariamente ligados a esses grupos.
  60. 60. PROTESTANTISMO X CULTURA/SOCIEDADE Que fatores levaram o protestantismo brasileiro a um distanciamento da sociedade civil e a uma alienação da cultura local?
  61. 61. PROTESTANTISMO X CULTURA/SOCIEDADE Segundo Mendonça, esse descompasso é explicável do ponto de vista histórico. Os Protestantismos de Imigração e de Missão , implantados no Brasil, apresentam um certo distanciamento da sociedade civil e da cultura brasileira, desde seu início.
  62. 62. PROTESTANTISMO X CULTURA/SOCIEDADE LUTERANOS ANGLICANOS O Protestantismo de Imigração... ...não influenciou e nem promoveu impactos na sociedade brasileira, pois seu objetivo era unicamente dar continuidade à tradição denominacional e familiar, sem fins missionários.
  63. 63. PROTESTANTISMO X CULTURA/SOCIEDADE Por ser um protestantismo étnico, não levou em conta a sociedade e a cultura brasileira, mas sim os valores sociais e culturais dos países de origem. Este é o primeiro (1 o ) fator, gerador de distanciamento entre Protestantismo e sociedade brasileira, apresentado neste trabalho.
  64. 64. PROTESTANTISMO X CULTURA/SOCIEDADE Quanto ao protestantismo de missão destacam-se os seguintes fatores: 2 o ) o protestantismo de origem missionária, implantado no Brasil, foi uma extensão da cultura estadunidense, calcada no ideário do “Destino Manifesto”, onde os outros povos recebem a salvação através desta cultura;
  65. 65. PROTESTANTISMO X CULTURA/SOCIEDADE 3 o ) a teologia conversionista pregada pela maioria dos missionários, apresentava a conversão como algo individual, que consistia no rompimento do indivíduo com o seu meio cultural através da adoção de novos padrões de condutas (american way of life);
  66. 66. PROTESTANTISMO X CULTURA/SOCIEDADE 4 o ) por ser minoritário, o protestantismo de missão, fecha-se em si mesmo, em busca de auto-afirmação, quando saí de sí, como vimos, tende a acompanhar as ondas de conservadorismo da igreja e da sociedade estadunidense.
  67. 67. Como Igreja temos a tarefa de ser LUZ do mundo. Conclusão
  68. 68. A Reforma Protestante marcou sua época e deixou um desafio: Conclusão “ Igreja Reformada sempre se reformando”
  69. 69. O Protestantismo Brasileiro desde sua implantação tem apresentado dificuldades em se ajustar à cultura e sociedade brasileira para promover a missão. Conclusão
  70. 70. Muitas vezes queremos iluminar o MUNDO ficando dentro da igreja cultivando nossa “Cultura Protestante” e nosso vocabulário (evangeliquês). Conclusão
  71. 71. A candeia deve ficar num local onde possa iluminar a escuridão. Não será se escondendo que o faremos. Conclusão O que precisamos reformar na igreja hoje para assumirmos nossa responsabilidade?
  72. 72. Preocupa-me ver que em sua maioria os movimentos de RENOVAÇÃO RESTAURAÇÃO REFORMA na igreja hoje está voltado para um intimismo exacerbado e uma alienação da sociedade a qual devemos testemunhar o amor de Deus. Conclusão
  73. 73. A Reforma de Lutero respondeu à sociedade do século XVI... Conclusão Hoje, precisamos de pessoas dispostas a assumirem com responsabilidade a Reforma da igreja contemporânea.
  74. 74. Assuma o compromisso de ser LUZ e levar a igreja contemporânea a iluminar nossa sociedade. Conclusão Que Deus no ajude.

×