Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Anuário farmacêutico 2015 - Roberto Nascimento

584 views

Published on

Anuário farmacêutico 2015 - Roberto Nascimento

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Anuário farmacêutico 2015 - Roberto Nascimento

  1. 1. ANUÁRIO Farmacêutico 2015
  2. 2. EÚNJUNIURA patria em Ed Erescimentd dd PIB devera Fechar em 11,11%, d mais daixd resuitadd desde ? W119 and da crise internacional. Para EU15, ecdndmistas acreditam due dae iiave : e j' ÍEE saitd, cdm expectativa de crescimento ria casa de e, em 2013, com a taxa de expansão do Produto Inter- no Bruto (PIB) de 2,3%, o Brasil subiu 20 posições no ranking de crescimento eco- nômico do Fundo Monetá- rio Internacional (FMI), li- cando à frente de países, como Estados Unidos, Japão, Reino Unido, Alemanha e México, em 2014, a balança se inverteu. iiii idaiiizii, de Víililliliii Com uma das menores taxas de crescimento da economia entre os países do G20, estimada entre 0,2% e 0,3% pelo mercado e 0,5% pelo governo (o pior resultado des- de 2009, quando o PIB teve retra- ção de 0,33%), o País despencou 12 posições no ranking de elevação do PIB de outra instituição, a Austin Rating. De acordo com a agência, o Brasil ficou em 36° lugar - pe- núltima posição - entre m 37 paí- ses que apresentaram o~ resultados do PIB no 2° trimestre d: : 2014. Se as previsões se connrmarem, o PIB deve fechar 2014 cm RS 4,9 tri- lhões (aproximadamente CSS 2 tri- lhões), mantendo a sétima posição entre as maiores economias globais. Em 2011, o Brasil chegou ao sexto posto ao ultrapassar o Reino Unido. Já a entrada de Investimentos Es- FOTDS: SHUTTERSTOCK
  3. 3. trangeiros Diretos (IED) somou USS 66 bilhões em 2014 (12 meses até outubro), mesmo patamar pre- visto para 2015. O resultado parcial fez com que o Brasil caísse da quarta para a quinta posição no ranking de IED, segundo relatório da Unctad, a agência da Organização das Na- ções Unidas (ONU) para o Comér- cio e Desenvolvimento. Em que pese o Brasil ter sobre- vivido, de forma razoável, a duas grandes crises financeiras no ce- nário internacional - a de 2008 e 2009, que teve como ator principal os Estados Unidos e, entre 2011 e 2013, tendo a Europa como prota- gonista, no último ano, o País se viu envolvido em uma tempestade de dados negativos. E se as notícias não são boas para o PIB, a expecta- tiva do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 2014 avançou de 6,4% para 6,43%, colocando a inflação muito próxima do teto da meta, de 6,5%. Mesmo o governo, sempre mais otimista, reviu suas previsões de crescimento do PIB de 0,9% para 0,5% e de inflação para 6,45%, patamar acima do registrado em 2013, que ficou em 5,91%. Vale lembrar que, em abril de 2013, quando divulgou a proposta da Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2014, o governo previa cresci- mento de 4,5% para o PIB de 2014. Já o Banco Central acredita que a economia deva crescer perto de 0,7°/ o em 2014, mas este valor não considera o relatório de inflação do quarto bimestre. Em relação às suas contas, o governo prevê superávit primário (a economia para pagar juros da divida pública) de R$ 10,1 bilhões para 2014. Originalmente, a meta era de R$ 116,07 bilhões e o abatimento máximo previsto em gastos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e em deso- nerações atingia R$ 67 bilhões. Para se atingir o novo valor, foi necessário enviar projeto ao Con- gresso que autoriza abater R$ 106 bilhões do PAC e das desonerações tributárias implementadas ao longo do ano. As despesas do PAC soma- ram, até setembro de 2014, R$ 47,2 bilhões e o impacto das desonera- ções feitas no mesmo período to- talizaram R$ 75,7 bilhões. De boa notícia mesmo no último ano, ape- nas a taxa de desemprego, de 4,9%, uma das mais baixas desde que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) iniciou a sé- rie histórica. : H1 llÍzÍím 'H *Iii* Para 2015, o governo baixou de 3% para 2% a estimativa de cresci- mento do PIB e considera uma in- flação de 6,1%, ante uma análise _anterior que previa alta de 5%. já o mercado acredita em crescimen- to do PIB entre 0,8% e 1%. Segun- do o relatório de receitas e despe- sas do orçamento do governo en- viado ao Congresso Nacional, as projeções de crescimento do PIB de 2014 e 2015 foram revistas de- vido “à deterioração do cenário in- ternacional nos últimos meses, com menor perspectiva de crescimen- to das principais economias, à ele- vada volatilidade nos mercados fi- nanceiros mundiais, com projeção de elevação da taxa de juros e ain- da pela possibilidade de deflação na Área do Euro". No relatório, o governo ressalta “o compromisso com o controle da inflação, que tem orientado as de- cisões de politica monetária, com aumento da taxa básica de juros do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic) que conduzirá o IPCA a um menor patamar de in- flação em 2015”. No fim de outubro de 2014, o Comitê de Politica Mo- netária (Copom) do Banco Central (BC) elevou a Selic para 11,25% ao ano, com o mercado apostando que feche o ano em 11,5%. Para 2015, a previsão é de que a taxa anual atinja 12%. Segun- do o professor do Instituto de Pesquisa e Pós-Graduação para o Mercado Farmacêutico (ICTQ), Evdidcad dd PIB drasiieird IEBBB - BBB1 PIB (TRILHÕES) R$ 4.860* POSIÇÃO NA ECONOMIA GLOBAL VARIAÇÃO *Estimativa Ministério do Planejamento Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica (IBGE)
  4. 4. Produto Interno Bruto (lllll) cresce 5,7% L' : I geração de entpregos lute tetortlt' no :11H), L'I1l]li. l1l1(i; l inllngnn tumegd (l (lL'S:1(('lC1'álf K' f) real _tgzinlm Íortn frente ; Io dólar. Segundo . Inalisins. o Pais entra em um período de “ciclo virtuoso» de cresci Inento. r fa. ..” , ._. ç 7%. ... , r. Iurox ttIIneeaIII lenIuInt-Int' . I mir. lll li t resee ÂÀUWI e o País ; nInlIn tres posicótw no lLIlI/ f-HI( etoitôtttieo IIIIIIIdiJl, lit; IIItlt› nn i0" posicao. "IÉ um» . WIKI. ¡nuultmuurtrulc new. rxouúuuullne ¡Iu-Iunrflnnnl nun nnnnnnutííhnnr: a cultu- . v-, It-oçi» nn u- Mp0 &garantam; ato »nã-hu 'lunnnkfionutc o . I-uu' lnufunêfhflo. àÍIfadll 'Cl' IIÍVICK ¡l-: n-*i-III-Jlnek u. nauíitv-u . o aumentou knew: - "IUUAMIIIM uh. ànzj-II-Inevfcn uu um: : “hu-nun â'“? _. . “In ¡nurcnlc u. cia-mw. cult-m'. n utcíln : :hm-In u, duran tl- W-[IÍÍMI IP. iúmniiír. . r állrollliiliiu "instaurar-Ita alergia" ntn-atuimuumt ¡IílefhIcko-doiuwe ajIt-Iiinmciowinutdo dia ¡uttt-«ñflcstavltnx a hn illiliñ o ¡Iíitíioi nim : nen-I amu : afinar a «remota 'WHA (mais m q-Iunnro-cko-IÊIIMI-éio-oi: Inicio». um» Illlnwdílsià untolhñihm Iiilll» pnatct-Ioir-Ialr-te. Rataum* “hnqniunnlunmo, o : Ir-ami atenuar-lc): ¡lllilllkltflllltelhltnltr e: .munuts-enúvzos . Icgotanuutcineuñvlidku "illliliüâw v II*- 'tuwanítuntünttm . em 1mm ¡sua! sutil* IiIIIInWOAVQJ1IHIU|3ÍÍKIL ÍIÍÍCWHHIO nn. _llíoiditsío~cis 'teliufwlfl : Miau u IEILHL-¡tetnlm «mami iii-mta ow 3' I dimmpxoxügrítw ou guilda; unlmtuhxll
  5. 5. any-menu n: Ruan-inu- '› lcúiiuc Iammw : :matter ev atctoluouníks a 3112014 elaine: oumhchk ; mw *than-ih* o «nummu 1mm ÊIuUIúiÍÍ-Ílon* ñumíh 'nm o- «uam-hormona Pau: : _onliulaüm meu : t: u: amar lion: : Io numa-c: IR¡ ' u: &Ignlgc MIL* ÕIIIIHI5HIIÍÕINX : Iüuân-lux da ? num anima» cinta» Ind# 90m¡ “insana mmünlho ; num : um cume »mam ommchali ' l: him: humana. ai¡ Simtvííl (draw. Ímhe¡ Ímn Âliú 'h 5d. ?num 'u o gnugxc i'm: 2' _nnlÍuüc : nun: alí-u» e uüuavuak dio mam-iu 2.51' na ¡teumfonuunv em» kWh hnul ¡q-: íkiue a uniu¡ next: u. «H-«úvflnnarlns an "lã -m “All : num “W”. . gcudir: um# nun'. ouxíizíut nu «rafting ; Atom-J . l o "' : Àuogmuuuo o nlnnulo 'Am . u nte gnu-ut mnmbím. , -. um: :ahh: n_ hum. ch : human kun-mw¡ el¡ . fI-¡Iúcmáic . . ola. ?unuónhz ãh-¡Ílcç unir: ; . mm no HMHÍ¡ : me rxonnuonà-. r e luníkurgàc. nlñkl' ¡l-Rtnallv. . o guuauu nl-lnw. 't u ¡mui! naun. mnmnçg-íhox mu: 'uniu' e gp »uk ai: nom-uk cuuaíunnn. 'f-antuiu-. w ; nu-much ÃWÍ "Í ¡)Í| ¡I¡H: . w. númhtãrgz4o a nlníln w! vlkuôníe ou nun-gnu ÊNxIaxv-«ílco ulllluhel. LMÍMIEÇIIÍI QI; uniu/ d'un - Hdzàtwfllllvvlollo u: :Mun: eu elite. um e ¡ut-axftu um: - : kun-m . .num JI= ."HI n. lnuu . ›. o . ¡áchu "cú. qvuuin n n n: lu-. ll-'âll no : :rnfvluz I u" . 14| IÍ| II4I_I)›. N$'? « c haha lnmo. _y “ ; x ff a 'às Km# PIB (FUSÇC . xpuaus | “í›. TVk-smu ; Lssinh n clcsclxx¡›rcgo ; Iplwxvllld FULUIIÍL' ÍC baixa c os snhírinx, do nha. 'linux Selic kI). '_L'_()ll Í¡ sua mínima históric: l r 7.. Z3“l'í›.1›:11's uni unm pnxígñn nn ranking lnundiul: Hmcn17", A infhçao Hum . nin¡: u1;11¡1cl; uÍL 4,3“wu. fbch;1¡nl<v n . mo com ÉfJNÉh, (Íum .1 mclhum da U("()I)()II1Í: l . nnc| '¡c;1n;1, o dóhr w mÍuri/ ,unl I-"¡. (›'l"i› Hcnlc . no rcnl, ¡wzlxsundn da' R3 Í. .U= ”Í (dc/ J l Z) para R5 . ÍÀ-/ I (JUL/ LH. _Li ; l luhuux¡ (OHYÇIIÍHÍ registra u pior cíusunupcnlxo um | Ín1no. s:ns; ¡klo ¡vnsilivn caiu da' [JSÍE 19,4 Inilhócs um 2012 ¡wam M555 2.6 billxücs un 2015. País nunlún¡ a 7” hnsigx1o no : :In/ cmg gíolml.
  6. 6. EBNJBNIBHA Leonardo Doro Pires, o País preci- sa reforçar o controle da inflação, não apenas por meio dos juros, mas também com um controle de gas- tos. Esse fato não ocorreu em 2014, um ano eleitoral, em que os gover- nos costumam abrir os cofres. "Os dados sobre a inflação são preocupantes, com o índice muito próximo ao teto da meta (6,5°/ o), que pode ser creditado ao aumen- to dos gastos públicos no Brasil. Mesmo diante desse fato, existe a esperança de que os preços sejam controlados pela queda da ativida- de econômica e pela manutenção de uma taxa Selic elevada”, reve- la Pires, ressalvando, contudo, que se prevê, para 2015, uma inflação mais alta que a de 2014. "Impactos mais fortes do aumento dos preços administrados e a taxa de câmbio são os dois principais fatores que levam a crer em um cenário infla- cionário elevado. " Para o presidente do Conselho do Programa de Administração do Varejo (Provar) da Fundação Insti- tuto de Administração (FIA) e do Instituto Brasileiro de Executivos do Varejo e Mercado de Consumo (Ibevar), professor Cláudio Felisoni de Angelo, as condições para cresci- mento da economia brasileira dos úl- timos anos foram dadas pela estabi- lização do Plano Real, passando pela redistribuição de renda e chegando ao estímulo ao consumo durante a crise de 2008/2009, Porém, a con- tinuidade dos incentivos ao consu- mo não tem mais apresentado o re- sultado esperado, ao passo que au- mentam os gastos governamentais, comprometendo o equilibrio fiscal e causando consequentemente a fuga de investidores. “A diferença entre o medicamen- to e o veneno e' a dose. No caso dos estímulos ao consumo, se ajudaram o Pais a enfrentar o ápice da crise global, hoje se tornaram um far- do para o Estado brasileiro", afir- ma o professor. "Investimento e' o que cria capacidade de crescimen- to sustentável. Incentivo ao consu- mo, desoneração fiscal pontual, re- dução forçada de juros patrocina- da pelos bancos públicos são palia- tivos", completa Felisoni, lembran- do que as inconstâncias da políti- ca econômica, que ora acelera ora pisa no freio, geram instabilidade. “Essa situação cria insegurança no empresário, travando os orçamen- tos das empresas”, afirma. Aliiiiiiríiáítlt? [iiiíjiiíiiiíitii Desarranjo das contas públicas, inflação elevada, persistência dos efeitos das crises internacionais, so- mados à seca sem precedentes no maior centro produtor e consumi- dor do País e um ambiente político efervescente por conta das eleições, sem contar os tradicionais gargalos brasileiros - problemas na infraes- trutura e logística, exportações em baixa - além de reduzir as expec- tativas de crescimento para o País, atingiram o humor dos empresários. O Índice de Confiança do Empre- sário Industrial (ICEI) é o mais bai- xo desde 1999: caiu para 44,8 pon- tos em novembro último. O valor é um ponto menor que o registrado em outubro de 2014 e 12,3 pontos infe- rior à média histórica, de 57,1 pon- tos. Nas médias empresas, o indica- dor ficou em 43,7 pontos; nas gran- des, em 45,4 pontos; e nas pequenas, caiu para 44,6 pontos. A falta de con- fiança é maior na indústria, segmen- to em que o ICEI ficou em 44,3 pon- tos em novembro de 2014, valor 9,1 pontos menor do que o registrado no mesmo mês de 2013. Uma nova equipe econômica mais alinhada com o mercado pode ser uma injeção de ânimo para o empresariado, sobretudo às gran- des companhias, avaliam os analis- tas. A nomeação de Joaquim Levy, ex-secretário do Tesouro Nacional, para o Ministério da Fazenda, com Nelson Barbosa no Planejamen- to e a manutenção de Alexandre Tombiní no Banco Central, cria a expectativa de que o novo governo da presidente Dilma será menos he- terodoxo na economia e está preo- cupado com o ambiente de negó- cios no País. Contudo, muitos do partido, in- clusive o ex-presidente Lula, veem essa guinada ao mercado como uma questão de sobrevivência, uma vez que sem crescimento não há recur- iaxa de desemprega no Brasil [EBBB-EBB] ANO (%) 2000 1 2.0 2001 1 2 ,1 2002 1 2,6 2003 1 2,4 2004 1 1 ,5 2005 9.9 2006 1 0,0 2007 9,3 2005 7.9 _V 2009 8,1 2010 6,7 201 1 6.0 201 2 5,5 2013 5,4 2014 4,9* *Estimativa Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)
  7. 7. ttnntnt I1HH onn na F 1 nn3onnnnn“nne no 5%, iotttncrcooo tnnnttnn croccnnento 11Btnnrn11H%, c 1% ilí 1 sos para expansão dos programas sociais e investimentos necessários em infraestrutura. “Será um desafio ter políticas que simultaneamente agradem a dife- rentes plateias, como a classe mé- dia e os mais pobres, os bancos e os mercados. O novo ministro terá de ter uma agenda importante de relações públicas” afirmou em en- trevista recente o especialista britâ- nico em economia brasileira e di- retor da London School of Econo- mics, Craig Calhoun. "Para ter re- cursos para o Bolsa Família e ou- tros programas de redistribuição de renda, é preciso dinheiro. Para pa- gar essas politicas, o crescimento econômico é importante. ” “Governo sério reduziria gastos nos primeiros anos e um alto pa- tamar de taxa de juros é o que se espera”, crava o consultor do Ins- tituto MVC e professor do De- partamento de Contabilidade e Atuaria da Faculdade de Econo- mia, Administração e Contabili- dade da Universidade de São Paulo (USP), Fábio Frezatti, que mesmo assim prevê dificuldades para a nova equipe da presidente Dilma. itnttPB15,o oovorno nonoo oe L"% nero B%, ttnstnnoBvo oe tteccnnenntoo11Bt3consmero ocon no B1“_, onte nrev Ei "O governo terá dificuldades com o Congresso, principalmente se o tom do diálogo continuar da for- ma como a oposição acena. ” Sendo assim, segundo o consul- tor, espera-se um primeiro semes- tre com acomodações em termos de empresas despreparadas para cres- cer e impacto das variáveis ma- crointernacionais. ã o professor_ da ESPMWe dirgtor da FogLÇgn- ãoria, Roberto_ N_ Oliveira, acredita que, apesar do ce- nário negativo, o empresario é por excelência um otimista. “Em que pese a inércia de 2014, a falta de foco do governo e as incertezas pro- vocadas ao longo do ano, a previ- são é de que 2015 seja melhor. Ha- verá dificuldades ainda, mas se pre- vê um ensaio de retomada, princi- palmente para as pequenas e me'- dia empresas, que ganharam espa- ço mesmo com a crise. Talvez para as grandes corporações, o ano seja mais difícil. " O professor da Faculdade de En- genharia de São Paulo (Fesp-SP) e da Faculdade de Engenharia Indus- trial (FEI), Paulo Niccoli Ramirez, faz coro em relação ao desempenho 7'. . É tr xài, f- . t' j. . das pequenas e médias empresas. "Esse grupo de firmas, principal- mente as que atuam no setor de ser- viços, não sofreu tanto com a osci- lação da economia. E um segmen- to mais dinâmico, que consegue se adaptar melhor às circunstâncias”, diz, destacando ainda que ha' cer- to alarmismo quanto à economia. "A inflação pode estar um pouco mais alta, mas não está descontro- lada, enquanto as taxas de juros, apesar de elevadas, são as mais bai- xas em 15 anos. Pode-se dizer que o País vive o pleno emprego e a ren- da não caiu. Temos de estar aten- tos aos dados macroeconômicos, mas é preciso relativizar as coisas. O País não está um caos como al- guns apregoam. Temos um merca- do consumidor robusto que interes- sa às empresas”, adiciona Ramirez. "Seguir a receita ortodoxa liberal não significa necessariamente cres- cimento ou segurança econômica. É só ver o caso atual da Europa. Os Estados Unidos durante 50 anos não tiveram nenhuma crise, até a Era Reagan, de abertura extrema da economia, culminando na forte crise de 2008”, completa. II

×