Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Pericardite

2,620 views

Published on

Seminário apresentado pela R2 de Enfermagem Mayara Inácio

Published in: Internet
  • Be the first to comment

Pericardite

  1. 1. Res. Enfª. Mayara Inácio de Oliveira PROGRAMA DE ESPECIALIZAÇÃO MULTIPROFISSIONAL EM ATENÇÃO CLÍNICA CARDIOVASCULAR - MODALIDADE RESIDÊNCIA Recife, 2015 Pericardite
  2. 2. Objetivos Definir sobre a Pericardite Discutir sobre os aspectos que envolvem a doença • Conhecer as causas, classificações, fisiopatologia, tratamento, profilaxia • Conhecer a assistência de enfermagem prestada a esses pacientes.
  3. 3. O que é o Pericardio? Uma membrana que reveste e protege o coração. Ele restringe o coração à sua posição no mediastino, embora permita suficiente liberdade de movimentação para contrações vigorosas e rápidas.
  4. 4. Fibrosa: O pericárdio fibroso superficial é um tecido conjuntivo irregular, denso, resistente e inelástico. Assemelha-se a um saco, que repousa sobre o diafragma e se prende a ele. Serosa: O pericárdio seroso, mais profundo, é uma membrana mais fina e mais delicada que forma uma dupla camada, circundando o coração. Parietal: camada parietal, mais externa, do pericárdio seroso está fundida ao pericárdio fibroso. Camada parietal, mais externa, do pericárdio seroso está fundida ao pericárdio fibroso. Visceral:A camada visceral, mais interna, do pericárdio seroso, também chamada epicárdio, adere fortemente à superfície do coração.
  5. 5. Pericardite: Etiologia • Virais →enterovírus, vírus da hepatite B,mononucleose, varicela. • Bacterianas:  Inespecífica(purulenta).  Específica (tuberculose). • Micóticas →histoplasmose, Candidíase, • paracoccidioidomicose. • Parasitárias →toxoplasmose, amebíase, • esquistossomose, filariose.
  6. 6. Outras etiologias • Doenças auto imunes:  Lupus eritematoso  Artrite Reumatóide  Esclerodermia • Metabólicas:  Uremia  Mixedema  Gota
  7. 7. • Pós-infarto do Miocárdio:  Precoce →72 horas.  Tardio →30 a 180 dias: Síndrome de Dressler. • Traumática:  Fechado: acidente automobilistico  Aberto • Síndrome pós pericardiectomia • Pós radioterapia • Medicamentos :  Procainamida, Hidralazina, Metisergida, Isoniasida, Hidantoína. • Neoplasias:  Primárias: mesotheliomas  Secundária: CA de pulmão, mama, leucemias
  8. 8. Fisiopatologia • O saco pericárdico normalmente apresenta uma pressão subatmosférica. • Essa pressão sofre mínimas variações durante o ciclo cardíaco. • No começo a adição de pequena quantidade de liquido no espaço pericárdico muda pouco a pressão, com a adição rápida de mais fluido a pressão aumenta progresivamente, e no final, pequenas quantidades de fluidos aumentam muito a pressão intrapericárdica (princípio da pericardiocentese ) • A elevação da pressão intrapericardica influenciam diretamente no débito cardíaco
  9. 9. Pericardite aguda “Síndrome inflamatória aguda do pericárdio, de etiologia variável, sem aumento significativo do líquido pericáridico, acompanhada de dor e atrito pericárdico.” • Exame físico ▫ Sinais e sintomas  Dor precordial continua, que piora com a respiração e tosse e melhora sentado.  Febre e mal estar ▫ Exame físico:  Atrito pericardico
  10. 10. Exames complementares • Rx tórax • ECG • ECO • Exames laboratoriais
  11. 11. Pericardite Síndrome Coronariana Inicio Súbito Gradual, crescent Localização Subesternal o precordial esquerdo Qualquer ponto dentro da zona de irradiação Irradiação Trapézio o idêntica a dor isquêmica Ombros, braços, pescoço, mandíbula, dorso Qualidade Em pontada, aguda, monotona, opressiva Em peso o queimação Relação com a inspiração Piora Sem influência Duração Persistente Intermitente<30 min Relação com a posição Piora com o movimento Sem influência Postura Piora deitado, melhora, sentado o inclinado para frente Sem influência Nitroglicerina Sem influência Alivio
  12. 12. Derrame Pericárdico e Tamponamento Cardíaco
  13. 13. Estase jugular se acentua na inspiração profunda Ascite • Exame físico ▫ Desaparece o atrito pericardico ▫ Hepatomegalia dolorosa ▫ Baixo débito cardíaco ▫ Fraqueza muscular e oliguria ▫ Bulhas hipofonéticas ou inaudíveis ▫ Tamponamento cardíaco – pulso paradoxal
  14. 14. Exames complementares • Rx de Tórax • Área cardíaca variável • ECG ▫ Alterações semelhantes a pericardite ▫ Efeito deletério ▫ Alternância elétrica • ECO ▫ Tamponamento cardíaco
  15. 15. Rx de Tórax Fonte: Google imagens
  16. 16. Assistência de enfermagem • Repouso no leito • Monitoração cardíaca • Acesso venoso calibroso • Administrar SF 0,9% • Não utilizer diuréticos • Fornecer O2 em cateter • Evitar VNI
  17. 17. Tratamento • Indicações da drenagem ▫ Evolução prolongada > 10 dias ▫ Sem diagnóstico confirmado ▫ Punção terapêutica no tamponamento • Aspecto do líquido ▫ Amarelo citrino: virais e tuberculose ▫ Purulento: bacterianas inespecíficas ▫ Hemorrágico: neoplasias
  18. 18. Pericardite constrictiva Definição: Processo inflamatório crônico que envolve os dois folhetos do pericárdio, levando a espessamento dos mesmos e compressão dos ventriculos.
  19. 19. Fisiopatologia  Fibrose do pericardio parietal e dos dois folhetos de pericardio visceral.  No início o espaço pericárdico contém fluido que pode ser hemorrágico.  Com o avançar da patologia ocorre a fusão dos folhetos e a constrição miocárdica.  Atrofia e fibrose do miocárdio. 
  20. 20. Morfologia
  21. 21. Pericardite constritiva É uma condição clinica incapacitante decorrente da inflamação crônica do pericárdio, com espessamento e fibrose Resulta em insficiência cardíaca por disfunção diastólica: Restrição do enchimento diastólico Redução do volume sistólico Baixo débito cardíaco
  22. 22. Obliteração do espaço pericáridico Fibrose e espessamento do pericárdio Estágio crônico Estágio subagudo: organização e reabsorção do derrame Pericardite aguda Pericardite Constrictiva
  23. 23. Efeito sobre os Rins Alta pressão venosa sistêmica reduz o DC Inibição do peptídeo atrial natriurético Retenção renal de sódio e água
  24. 24. • Congestão hepatica • Ascite • Edema periférico • anasarca • Fadiga, fraqueza muscular • Perda de peso • diastole • Pericárdio nao complacente • diastóle Enchimento ventricular rápido Enchimento ventricular abruptamento detido Congestão venosa sistêmica Redução do débito cardíaco
  25. 25. Quadro clínico • Fadiga • Mal estar • Perda muscular • Caquexia • Edema periférico • Náuseas • Desconforto abdominal • Ascite • Anasarca • Ganho de peso • Dispnéia aos esforços • Ortopneia Baixo débito Insuficiência cardíaca direita Insuficiência cardíaca esquerda
  26. 26. Inspiração • Queda da pressão intratoracia + Gradiente da veia pulmonar reduzido • decréscimo atrial esquerdo e fluxo transmitral diminuído. • Aumento no preenchimento do VD e deslocamento do septo interventricular para a esquerda expiração • Aumento da pressão intratoracia + Gradiente da veia pulmonar aumentado acréscimo atrial esquerdo e fluxo transmitral aumentado. • Aumento no enchimento do VE e deslocamento do septo interventricular para a direita
  27. 27. Exame físico • Distenção venosa jugular • Sinal de Kussmaul • Pulso arterial paradoxal • Pressão de pulso normal ou reduzido • Hepatomegalida congestiva • ascite
  28. 28. Eletrocardiograma • Alterações inespecíficas do segment ST • e onda T (inversão ou achatamento generalizado) • Complexos QRS de baixa voltagem • FA e BAV • Ondas Q patológicas • Sinais de sobrecarga atrial • Distúrbios de condução intraventricular
  29. 29. Eco/TC computadorizada/ RM Espessamento pericardico normal ate 2mm e calcificações (Eco) Calcificação pericardica (TC mais sensível) Contornos ventriculares distorcidos Congestão venosa hepatica Derrame pleural e ou pericárdico Ascite Cateterismo cardíaco Pode ser últil para excluir DAC Ajuda na distinção de miocardiopatia restritiva Fornece documentação hemodinâmica da fisiologia constrictiva
  30. 30. Tratamento Tratamento clínico + Cirúrgico Dieta com restrição de Sódio + Diuréticos: alívio momentaneo, não muda a progressão Pericardiectomia: definitiva, melhora hemodinâmica e sintomática Doença progressivo – tratamento precoce
  31. 31. Referências • I Diretriz da Sociedade Brasileira de Cardiologia sobre Miocardite e ISSN-0066-782X • Volume 100, N° 4, Supl. 1, Abril 2013.www.arquivosonline.com.br • Santos CLS, Figuinha FCR, Lima AGS, et all. Manual de Cardiologia Cardiopapers. Ed Atheneu, São Paulo, 2015 • Pedrosa LC, Junior WO; Doenças do Coração diagnóstico e tratamento. Ed Revinter 2011. • Silva, V.M.F.Q. Manual de Endocadite. Disponível em: http://www.fmt.am.gov.br/manual/endocardite.htm • Patricia Gutierrez; Daniela Calderaro; Bruno Caramelli. Endocardite infecciosa. Rev. Assoc. Med. Bras. vol.50 no.2 São Paulo Apr./Jan. 2004 Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010442302004000200016&script=sci_arttext

×