Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013

27,537 views

Published on

Published in: Health & Medicine
0 Comments
11 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
27,537
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
14
Actions
Shares
0
Downloads
689
Comments
0
Likes
11
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013

  1. 1. OXIGENOTERAPIAEnfº Residente Renata Melo Abril,2013
  2. 2. Anatomia do sistema respiratório-Faringe
  3. 3. - Laringe• A laringe é um órgão curto que conecta a faringe com a traquéia.
  4. 4. -Traquéia e brônquios
  5. 5. Bronquíolos
  6. 6. Circulação Pulmonar
  7. 7. Fisiologia do sistema respiratório-Ventilação
  8. 8. Fisiologia do sistema respiratório-Difusão e Perfusão
  9. 9. Oxigenoterapia• A oxigenoterapia consiste na administração de oxigênio suplementar com o intuito de elevar ou manter a saturação de oxigênio acima de 90%, corrigindo os danos da hipoxemia.• A hipóxia celular pode ser causada pela diminuição da quantidade de oxigênio no gás inspirado (exposição a elevadas altitudes), diminuição da ventilação alveolar, alterações na relação ventilação/perfusão, alterações de transferência gasosa, decréscimo no gasto cardíaco, em situações de choque hipovolêmico e diminuição ou alterações moleculares da hemoglobina.
  10. 10. Oxigenoterapia• Parâmetros para administração de O2:• Segundo a “American Association for Respiratory Care” (AARC), as indicações básicas de oxigenoterapia são:-PaO2 < 60 mmHg ou Sat O2 < 90 % (em ar ambiente)- Sat O2 < 88% durante a deambulação, exercício ou sonoem portadores de doenças cardiorrespiratórias.-IAM-Intoxicação por gases (monóxido de carbono)-Envenenamento por cianeto• Avaliação de Enfermagem considera: nível de consciência, sinais vitais, coloração dos leitos ungueais, SatO2.
  11. 11. Tipos de oxigenoterapia• Sistemas de baixo fluxo• Sistemas de alto fluxo• A seleção do dispositivo baseia-se na FIO2 desejada.
  12. 12. Sistemas de baixo fluxo Os dispositivos de O2 de baixo fluxo, supremtaxas de fluxo menores que o volume inspiratóriodo paciente.Ex:• Cânula nasal(tipo óculos)• Cateter nasofaríngeo• Máscara simples
  13. 13. Cânula nasal• É utilizado, quando o paciente requer uma concentração baixa ou média de oxigênio.• As velocidades de fluxo superiores a 6 e 8l/min podem levar a deglutição de ar e o ressecamento da mucosa nasal e faríngea.
  14. 14. Material necessário• Cânula nasal dupla estéril;• Umidificador;• Extensão;• Fluxômetro;• Água destilada
  15. 15. Cateter nasofaríngeo• Raramente é utilizado, mas pode ser prescrito na terapia de curto prazo, para administrar baixas e moderadas concentrações de O2.• Deve ser substituído por um novo a cada 8h.
  16. 16. Material utilizado• Cateter nasofaríngeo estéril• Esparadrapo• Gaze• Lubrificante• Umidificador• Extensão• Fluxômetro• Água destilada
  17. 17. Máscara simples• O corpo da máscaraem si coleta e armazenaoxigênio entre asinspirações do pacientee, a expiração se fazatravés de orifícioslaterais ou pela própriaborda da máscara.• Com fluxos inferioresa 5l/min, o volume damáscara atua comoespaço morto e provocaa reinalação do CO2.
  18. 18. Material utilizado• Máscara facial simples• Umidificador• Extensão• Fluxômetro• Água destilada
  19. 19. Sistemas de alto fluxo Os dispositivos de alto fluxo de oxigênio suprem taxas de fluxo suficientemente elevadas para acomodar duas ou três vezes o volume inspiratório do paciente. Ex:• Venturi
  20. 20. Venturi • É o método mais confiável e exato para administrar concentrações exatas de oxigênio através de meios não-invasivos. • Ela é utilizada principalmente para pacientes com DPOC. •A máscara de Venturi emprega o FiO2 50% 40% 35% 28% 24% princípio de Bernoulli . Vazã 15 12 8 6 4 o(lp m)
  21. 21. Material utilizado• Válvula de acordo com FiO2• Traquéia corrugada• Extensor• Umidificador• Fluxômetro• Água destilada
  22. 22. Tempo de Exposição (h) Resposta Fisiológica12-24 Traqueobronquite; tosse seca;dor torácica subesternal; diminuição da clearence mucociliar; diminuição da capacidade vital24-30 Parestesias; náuseas; vômitos; alteração da síntese protéica nas células endoteliais; alterações na função celular;30-48 Diminuição da complacência pulmonar; aumento da P(A-a)O2; diminuição da capacidade de difusão.48-60 Inativação do surfactante; edema alveolar por aumento da permeabilidade> 60 SDRA: morte
  23. 23. Aspiração• Geralmente é necessário aspirar as secreções do paciente por causa da eficácia diminuída do mecanismo de tosse.• A aspiração é realizada quando os sons respiratórios adventícios são detectados ou sempre que as secreções estiverem nitidamente presentes.
  24. 24. Material utilizado• Sonda de aspiração• Extensor• Luvas estéreis• Óculos de proteção• Soro fisiológico estéril• Copo de aspiração• Gaze
  25. 25. Nebulização• Durante a nebulização, forma-se uma nuvem de aerossol que será aspirado pelo paciente.• Favorece o processo de fluidificação das secreções presentes nas vias aéreas.• Meio de administração de medicamentos, como broncodilatadores.
  26. 26. Material Utilizado• Fluxômetro• Máscara simples• Copo nebulizador• Extensão plástica• Água destilada
  27. 27. OBRIGADA!

×