Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Gasometria arterial

63,451 views

Published on

Gasometria arterial

  1. 1. Gasometria ArterialEnfº R1 Eduardo GomesPronto Socorro Cardiológico de Pernambuco Profº Luiz TavaresPrograma de Especialização em Cardiologia ModalidadeResidênciaAbril2013
  2. 2. Objetivos• Descrever as técnicas de coleta de gasometria arterial;• Apresentar a gasometria arterial e seus principaisparâmetros de avaliação para a enfermagem
  3. 3. Gasometria Arterial• A gasometria arterial é um exame invasivo que mede asconcentrações de oxigênio, a ventilação e o estado ácido-básico.• É um exame simples, amplamente disponível e de baixo custo.
  4. 4. Medidas Gerais• Confirmar a indicação/solicitação;• Esclarecer o paciente;• Escolher uma artéria para punção;• Lavar as mãos e respeitar medidas de proteção individual(luvas, máscaras, etc.);• Limpar o local da punção com antisséptico e administraranestésicos locais;*• Preparar o material:▫ Escolher a seringa e a agulha;▫ Heparinizar a seringa• Realizar a coleta;• Realizar compressão até 10minutos;• Realizar a leitura no gasímetro/gasometro;• Descartar material
  5. 5. Material
  6. 6. • Pedir para o paciente fechar amão com;• Ocluir artérias radial e ulnar;• Pedir para o paciente fechar eabrir a mão várias vezes;• Pedir para que o paciente abraa mão lentamente – ela deveráestar pálida;• Liberar o fluxo da art. Ulnar everificar o tempo de retorno dofluxo (<6seg)Teste de Allen
  7. 7. Gasímetro / Gasômetro
  8. 8. Gasímetro / Gasômetro• Retirar a agulha e conectar a seringa;• Colocar identificação do paciente: idade, sexo, peso, registro;• Registrar a FiO2:▫ Para ar ambiente: FiO2=21%▫ Para cateter nasal, utilizar a fórmula:FiO2 = 21 + 4x (Fluxo)▫ Para máscara de venturi, conferir o adaptador colorido;▫ Em VMI, verificar o ventilador (blender)
  9. 9. Punção arterial▫ Art. Radial: 30º-45º▫ Art. Femoral: 90º▫ Compressão posterior de10minutos
  10. 10. Estado de oxigenação• É normalmente avaliado pela PaO2e SaO2, queembora importantes, refletem apenas:• Captação de oxigênio• Capacidade de transporte• Deve ainda ser avaliado:• Oferta• Liberação
  11. 11. ▫ Captação de oxigênio:▫ Depende:▫ PaO2: influenciada pela FiO2, pressão barométrica ePaCO2▫ Grau de shunt pulmonar▫ Capacidade de difusão de O2, pela membrana alvéolo-capilar (MAC)
  12. 12. ▫ Captação de oxigênio:▫ Relação PaO2/FiO2,:▫ Revela a capacidade de captação (passagem pela MAC)▫ Entre 200 e 300  hipoxemia moderada▫ <200  hipoxemia grave▫ Alta  hiperóxia – risco de toxicidade pelo O2▫ VR FiO2 = 96 – (idade x 0,4) ou 100 – (0,34 x idade)
  13. 13. ▫ Transporte de oxigênio:▫ Depende:▫ Concentração de hemoglobina no sangue e sua capacidadede saturação▫ Parâmetro-chave: Conteúdo arterial de O2 (Ca O2 / ct O2)▫ Ca O2 = (1,34x Hb x SaO2) + (0,0031 x paO2)▫ A CaO2 deve ser utilizada junto à Sa O2, visto que consideraa concentração de hemoglobina e assim, a capacidade detransporte
  14. 14. ▫ Oferta de oxigênio:▫ Depende:▫ DC▫ CaO2▫ DO2= DC x CaO2 x 10▫ VR = >1000ml/min
  15. 15. ▫ Liberação do oxigênio:▫ Depende:▫ Da afinidade do O2 pela Hb▫ Curva de dissociação da HbO2 (CDO) expressa peloparâmetro p50▫ P50: paO2 numa saturação de 50%
  16. 16. Interpretação do Equilíbrio Ácido-básico
  17. 17. ▫ Ácidos e bases:▫ Ácidos: doam prótons (H+)▫ Bases: recebem prótons (H+)▫ H2O  H++ OH-▫ Água pura: [H+] = [OH-]▫ pH: [H+] numa solução
  18. 18. ▫ Esquema de Maxwell para a regulação do equilíbrioácido-básicoExcesso deH+H+ tampãoextracelularH+ tampãointracelularExcreção renalde ácidoPulmãoHCO3- + H+  CO2 + H2OInstantâneo 2 a 4h Horas ou dias 10 a 30minutos
  19. 19. ▫ Equação de Henderson-Halsebach:HCO3- + H+  CO2 + H2O▫ Onde:▫ HCO3- é a base do sistema porque consome o H+▫ CO2 é o ácido porque libera H+▫ pH plasmático:pH = 6,1 + log HCO3- / (paCO2 x 0,03)
  20. 20. ▫ Principais sistemas tampões▫ Não-bicarbonato (47%)  Hb (85%), fosfatos (8%) eproteínas do plasma (7%)▫ Bicarbonato (53%)  bicarbonato do plasma e dashemácias
  21. 21. ▫ Principais sistemas tampões▫ Não-bicarbonato (47%)  Hb (85%), fosfatos (8%) eproteínas do plasma (7%)▫ Bicarbonato (53%)  bicarbonato do plasma e dashemácias
  22. 22. ▫ Valores de referência:Parâmetro Valor de referênciaAlteraçãoElevação DiminuiçãopH 7,35 – 7,45 alcalemia acidemiapaCO2 35 – 45mmHgHipercarpnia(acidose respiratória)Hipocarpnia(alcalose respiratória)paO2 80 – 100mmHg hiperoxemia hipoxemiaHCO3-22 – 28mmHg alcalose metabólica acidose metabólicaBE -3 - +3retenção de bases(alcalose)consumo de bases(acidose)SatO2 > 92% não se aplica HipóxiaAG(anion gap) 8 – 16mEq/LCom acidose: aumento deác. Lático, acético, outros.Perda debicarbonato, adm KCl
  23. 23. Atenção para as bases!• [bases] = 56 ± 2 mEq/l (Excesso de bases ou BE)• [bases] = 56 = HCO3- + Cl- + ác. Orgânicos nãodosados• Ânion gap: representa os ácidos orgânicos nãodosados na gasometria• AG = 12 ± 4 mEq/l
  24. 24. ▫ Vamos interpretar?Gasometria arterialpH paCO2 HCO3- Resultado7,40 40 247,32 35 187,3 55 267,58 25 227,49 44 31
  25. 25. Acidose respiratória• Aumento do paCO2Hipoventilação  Hipercapnia  Acidose respiratóriaCausas de Acidose Respiratória:• Neurológicas: lesão no Centro Respiratório (AVE, TCE, tumor); depressão noCentro Respiratório (intoxicações, anestésicos, sedativos, lesões, narcóticos);Doenças Neuromusculares (Poliomelite, Polirradiculoneurites);•Obstrutivas / Mecânicas : Asma, DPOC, secreção, corpo estranho;EAP; ITR; traumatorácico, deformidades torácicas severas; Distensão abdominal severa;• Alteração na troca ventilatórias: SDRA, Atelectasias, Pneumotórax, FibrosePulmonar; P.O cirurgia abdominal alta, toracotomias; TEP; fadiga e falência damusculatura respiratória.
  26. 26. Alcalose respiratória• Diminuição do paCO2Hiperventilação  Hipocapnia  Alcalose respiratóriaCausas de Alcalose Respiratória:• Hiperventilação por ansiedade, dor, hipertermia, hipóxia, grandes altitudes;• Hiperventilação por VM;• Lesões do SNC, tumores, encefalites, hipertensão intracraniana;• Salicilatos e sulfonamidas;• Alcalose pós acidose (compensatória)
  27. 27. Acidose metabólica• Diminuição do HCO3- (<22mEq/L)Causas:•Produção ou ingestão de ácidos: cetoacidose, sobrecarga deamônia, acidose lática (elevação de ácido láctico naglicogenólise muscular (aumento do trabalho respiratório•Insuficiência da excreção de ácidos: acidose tubular renal,Insuficiência Renal•Perda excessiva de bases: diarréias, fístulas;•Diluição: administração de solução salina
  28. 28. Acidose metabólicaEfeitos: diminuição da força muscular, fadiga, dispneia,hipotensão, diminuição da resposta cardíaca às catecolaminas,aumenta chance de arritmias e FVResposta: HiperventilaçãoCorreção: tratar causas e adm. bicarbonato IV
  29. 29. Alcalose metabólica• Aumento do HCO3- (<22mEq/L)Causas:• Oferta excessiva de bicarbonato;• Perda de suco gástrico por vômitos ou aspirações de sondasgástricas;• Hipocloremia e hipopotassemia;• Uso abusivo de diuréticos e corticosteróides;• Insuficiência respiratória crônica (retentores crônicos de CO2)• Administração excessiva de lactato, acetato (NPT) e citrato
  30. 30. Alcalose metabólicaManifestações:Constrição arteriolar e redução do fluxo coronariano  angina;glicólise anaeróbica e produção de ácidos orgânicos; hipocalemia;hipocalcemia, hipofosfatemia; delírio; torporResposta:HipoventilaçãoTratamento:SintomáticoKCl IV
  31. 31. Resumindo:
  32. 32. • E agora?pH 7,19paCO2 28HCO3- 10
  33. 33. ▫ Os valores de referência de paCO2 e HCO3- sódevem ser utilizados em distúrbios primários,mas não se aplicam às respostascompensatórias▫ Para verificar o distúrbio primário (paraventilação espontânea):▫ Se o pH < 7,4  onde tiver acidose▫ Se o pH > 7,4  onde tiver alcaloseGasometria arterial
  34. 34. • E agora?pH 7,11paCO2 32HCO3- 10
  35. 35. •Resolvendo:pH 7,11 acidemia gravepaCO2 32 alcalose respiratóriacompensatóriaHCO3- 10 acidose metabólicaprimária
  36. 36. • O último:pH 7,48paCO2 47HCO3- 29
  37. 37. •Resolvendo:pH 48 acalemia gravepaCO2 47 acidose respiratóriacompensatóriaHCO3- 29 acalose metabólicaprimária
  38. 38. Obrigado!
  39. 39. Referências• Cintra EA. Assistência de enfermagem ao paciente gravementeenfermo. São Paulo: Atheneu, 2008• Chulay M. Manual de elementos essenciais de enfermagem emcuidados críticos da AACN. Porto Alegre: AMGH, 2011. 209p• Barbosa Manuela Borges Gavaza, Alves Crésio de Aragão Dantas, QueirozFilho Hélio. Avaliação da acidose metabólica em pacientes graves:método de Stewart-Fencl-Figge versus a abordagem tradicionalde henderson-hasselbalch. Rev. bras. ter. intensiva [serial on theInternet]. 2006 Dec [cited 2013 May 03] ; 18(4): 380-384.• Filgueira NA et col. Condutas em Clínica Médica. São Paulo: MEDSI,2004.

×