Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Composta no Bairro - Correio Popular

68 views

Published on

Composteira implantada em Barão Geraldo como parte do projeto Composta no Bairro

Published in: Environment
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Composta no Bairro - Correio Popular

  1. 1. Muitos podem achar que a busca da reaproveitamento dos resíduos orgânicos é menos importante do que a preocupação com o plástico ou com o vidro, que na natureza demoram muito mais tempo para desaparecer totalmente. Contra esse argumento, o engenheiro José Furtado apresenta números que mostram que o problema é a quantidade de resíduos orgânicos que, se descartados ao lixo comum, geram um grande volume e, principalmente, mau cheiro. A Prefeitura de São Paulo, por exemplo, estima que 50% do total de resíduos recolhidos são de origem orgânica. Em Campinas, só a Centrais de Abastecimento S.A. (Ceasa) recolhe cerca de 680 toneladas de resíduos por mês, mais de 80% de origem orgânica. Entenda como funciona a composteiraFAÇA EM CASA Engenheiro quer levar o projeto para escolas Fabiano Ormaneze ESPECIAL PARA A AGÊNCIA ANHANGUERA fabiano.ormaneze@rac.com.br Uma solu- ção ambien- tal marcada pelo equilí- brio entre os seres vivos e o uso de pro- cessos naturais para diminuir a quantidade de lixo que vai para os aterros. Essa é a proposta do engenheiro José Furtado, que vive no distrito de Barão Geral- do, em Campinas. No dia a dia, é comum que, depois da limpe- za de jardins ou quintais, folhas e galhos parem no lixo comum, não raro dentro dos sacos pre- tos de plástico, à espera da cole- ta. Também é assim com os re- síduos que saem da mesa: res- tos de alimentos se juntam a plásticos, papéis e vidros e tudo isso colabora para a saturação dos espaços destinados ao des- carte do lixo. A proposta de Fur- tado propõe uma mudança: só vai para os aterros o que, de for- ma caseira e barata, não pode ser reaproveitado. Quando estava na etapa fi- nal do curso de pós-graduação em sustentabilidade e respon- sabilidade social na Universida- de Estadual de Campinas (Uni- camp), em 2008, ele resolveu produzir seu trabalho de con- clusão pesquisando de que for- ma era possível reaproveitar, com eficácia e sem poluir, os restos das podas das árvores e plantas da Praça São João, tam- bém em Barão Geraldo. Foi aí que ele iniciou uma prática que, hoje, já conta com o apoio comunitário. O local, por sinal, é um exemplo de sustentabili- dade: moradores da região não querem que as ruas sejam asfal- tadas, pensando no escoamen- to da água das chuvas. Na redondeza, ninguém mais coloca as folhas tiradas do quintal ou do jardim na li- xeira: tudo vai para um canto da praça. Duas vezes por sema- na, Furtado vai até lá para orga- nizar o material: deixa o mon- te no tamanho ideal, remexe as folhas e mede a temperatu- ra. Para se decompor rapida- mente, o ideal é que os resí- duos estejam úmidos, mas ao mesmo tempo bem quentes, para gerar fermentação. Em cerca de dois ou três meses, as folhas, que antes incomodam, se tornam adubo orgânico pa- ra fertilizar os próprios quin- tais de onde foram retiradas. “Com isso, resolvem-se dois problemas. O primeiro é que vamos fazer a nossa parte para diminuir a quantidade de lixo. O segundo é que evitaremos o uso dos fertilizantes químicos em casa, principalmente em função dos animais, crianças e dos idosos, mais sensíveis”, diz o engenheiro. Expansão A ideia deu tão certo que Furta- do decidiu também expandir a proposta e criou a Compo, uma composteira que utiliza minhocas para decompor res- tos de legumes, frutas, hortali- ças, cascas de ovos e até papel picado. “Pode parecer pouco, mas tudo isso ia colaborar para o aumento da quantidade de li- xo. E o que seria pior: muita gente se esquece que o plástico demora milhares de anos para se decompor e acomoda esses resíduos em sacos plásticos”, afirma. A composteira é simples e já tem sido adotada por organiza- ções não governamentais (ON- Gs) e, principalmente, por famí- lias. Num recipiente de plásti- co, é colocado substrato e cer- ca de 700 gramas de minhoca- vermelha-da-califórnia, espé- cie que, ao contrário da co- mum, não tem a necessidade de cavoucar, o que permite que elas vivam e se reprodu- zam em espaços menores. Além das minhocas, a Compo utiliza também os micro-orga- nismos aeróbicos que se for- mam naturalmente no substra- to e nos alimentos para ajudar na decomposição. Húmus O processo não tem cheiro ruim e gera o húmus, rico com- plemento que pode ser utiliza- do em hortas, vasos e jardins. “Esse método dá para ser utili- zado inclusive em apartamen- tos”, afirma Furtado. Quem pensa que isso vai acabar com a estética da casa, se engana: a composteira é montada num recipiente de plástico, que se assemelha a uma vasilha do ti- po utilizado para guardar ali- mentos. As cores e o design po- dem variar a critério do usuá- rio. Como é feita de plástico, a durabilidade é indefinida. Entre as sobras de comida, as únicas que não conse- guem ser decompostas pelo processo são as gordurosas ou as carnes. Uma compostei- ra com cerca de 50 centíme- tros de comprimento e 30 de largura é capaz de decompor, em média, os resíduos de duas pessoas. O tempo neces- sário varia de acordo com ca- da alimento. Um pedaço de fruta, como uma manga, por exemplo, leva cerca de uma semana para se transformar em húmus. Composteira promove o equilíbrio natural SAIBA MAIS 1. Num recipiente de plástico, são colocados substrato e minhocas. 2. Restos de alimentos como hortaliças, cascas de frutas e ovos, pó de café, legumes, pães, folhas e flores são depositados, deslocando delicadamente cerca de dois centímetros do substrato. Para facilitar a decomposição, resíduos duros como brócolis e cenoura podem ser picados em pedaços menores. 3. Para manter a temperatura, por cima, é colocado papel picado. Em dias muito quentes, será preciso borrifar água para manter a umidade necessária para a compostagem. 4. Quando o substrato estiver ocupando pouco mais da metade da altura do recipiente, é hora de iniciar a retirada do húmus. Para que as minhocas não saiam junto, um tática é puxar o substrato delicadamente, acumulando-o de um lado do recipiente. Em seguida, comece a colocar os resíduos apenas no lado vazio. Aos poucos, as minhocas irão migrar para a parte com os alimentos e o húmus poderá ser retirado sem as minhocas. Além de reduzir descarte em lixões, processo produz adubo O engenheiro José Furtado, criador da composteira, tam- bém se preocupa em gerar uma proposta de educação am- biental. Como ele mora próxi- mo à Sociedade Promenor, que atende crianças e adoles- centes carentes, ele decidiu aju- dar na decomposição dos resí- duos orgânicos. Todos os res- tos de alimentos, principalmen- te cascas e restos de frutas e le- gumes são levados para o quin- tal do engenheiro para serem decompostos. “Com isso, a gen- te também ajuda as crianças a entenderem a importância de se pensar em alternativas”, afir- ma Furtado. A ideia do engenheiro é ex- pandir o projeto também para escolas, com o objetivo de unir a proposta de educação am- biental também a outras disci- plinas, como matemática e geo- grafia. “Com a composteira, dá para desenvolver atividades in- terdisciplinares, envolvendo cálculos de porcentagem e pro- porção, além de discutir os ti- pos de solos e suas característi- cas”, explica. O projeto da composteira de Furtado já está sendo reco- nhecido. Na semana que vem, ele vai apresentá-la durante a Mostra de Tecnologias Susten- táveis, do Instituto Ethos, em São Paulo. A Compo está entre os produtos selecionados para participar do evento por um co- mitê curador, composto por re- presentantes de entidades liga- das à sustentatiblidade, a partir de critérios como a potenciali- dade de reaplicação, evidên- cias de melhorias comprova- das no meio ambiente, na qua- lidade de vida ou no desenvolvi- mento sustentável. (FO/AAN) 1 2 3 A MINHOCA A minhoca-vermelha-da-califórnia, cujo nome científico é Lumbricus rubellus, é a espécie de minhoca mais criada nos Estados Unidos e no Brasil, e considerada o melhor tipo para criação comercial, também por causa da sua capacidade de adaptação às mais diversas regiões. O diferencial é que elas não precisam cavar o solo, já que conseguem sobreviver com pouca terra e sob as folhas que caem das árvores. Elas também são mais rápidas na produção do húmus. Pesquisador estimula processamento caseiro do lixo com a Compo Fotos: Augusto de Paiva/AAN MEIO AMBIENTE ||| RESÍDUOS O engenheiro José Furtado na Praça São João, em Barão Geraldo, onde realiza um trabalho de compostagem com o apoio da população A12 CORREIO POPULAR CIDADES Campinas, quinta-feira, 6 de maio de 2010 4

×