Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Breve Panorama das Principais Parasitoses de Minas Gerais

3,300 views

Published on

Published in: Health & Medicine
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Breve Panorama das Principais Parasitoses de Minas Gerais

  1. 1. PANORAMA DASPRINCIPAIS PARASITOSES MINAS GERAIS<br />
  2. 2. Parasitoses Intestinais – MG <br />Alta prevalência de parasitoses intestinais<br />Condições sanitárias<br />Hábitos & comportamento<br />Hábito de comer carne mal passada em 14,5% dos indivíduos (alunos em idade escolar em Poços de Caldas). (Fernandes, 2006)<br />Presença de possíveis vetores no ambiente domiciliar<br />Presença constante de possível vetor em 78,5% dos domicílios estudados em Poços de Caldas-MG (Fernandes, 2006)<br />Coleta de lixo inadequada em áreas carentes<br />Diferenças epidemiológicas entre áreas urbanas e rurais<br />
  3. 3. Parasitoses Intestinais - MG<br />EPF de 3085 indivíduos atendidos pelo Laboratório Piloto de Anál. Clin. , UFOP (Vieira, 1995)<br />
  4. 4. Parasitoses Intestinais - MG<br />Escolares de Bambuí-MG (Rocha, 2000)<br />Giardia lamblia, Entamoeba coli, Ascaris lumbricoides e ancilostomídeos foram os parasitas mais freqüentes, com prevalências de 6,2%, 6,2%, 4,8% e 1,4%, respectivamente.<br />Escolares de 3 escolas de Belo Horizonte-MG<br />Média de 78,3% de EPFs positivos<br />Em duas escolas, o Trichocephalus trichiurus foi o parasito mais prevalente (60,9% e 44,3%), enquanto na terceira o Ascaris lumbricoides apresentou a maior prevalência (34,0%).<br />
  5. 5. Parasitoses Intestinais - MG<br />EPF em três mesorregiões de Minas Gerais: <br />1.963 (10,3%) positivos para Ascaris lumbricoides, <br />886 (4,7%) para Trichuris trichiura, <br />561 (2,9%) ancilostomídeos, 230 (1,2%) para Enterobius vermicularis, 73 (0,4%) para Hymenolepis nana e 35 (0,2%) para Taenia sp. (Carvalho, 2002)<br />
  6. 6. Leishmanioses em Minas Gerais<br />LTA - 8,07 casos/100 mil hab. de LTA em 2008 (maior taxa desde 2001)<br />LV - 4,72 casos/100 mil hab. Em 2009. 5x a incidência de 2001.<br />Endemia em franca ampliação geográfica já instalada definitivamente em muitas cidades de grande porte como Belo Horizonte (Malafaia, 2009) BH – 23% dos casos em 2005<br />Elaboração e implementação do plano de intensificação das ações de controle da doença e a organização laboratorial para o diagnóstico sorológico canino colocado em prática entre os anos de 2005 e 2007. (Malafaia, 2009)<br />Fonte: Sistema Nacional de Vigilância em Saúde: Relatório de Situação (2005)<br />Sinan / SIM / IBGE (2009)<br />Lutzomyia longipalpis, <br />
  7. 7. Esquistossomose em Minas Gerais<br />Minas Gerais é o estado com a maior área endêmica do país. <br />Os municípios das Zonas Norte, Leste e os limítrofes com o Espírito Santo são os mais atingidos.<br />A prevalência, em 2005, de 5,07% em 516.600 pessoas examinadas<br />Fonte: Sistema Nacional de Vigilância em Saúde: Relatório de Situação (2007)<br />
  8. 8. Doença de Chagas em Minas Gerais<br />Um dos Estados brasileiros com maior prevalência da endemia chagásica (Vilella, 2007)<br />Palco da descoberta da doença . A região centro-oeste de Minas <br />Relevância para o Município de Bambuí.<br />Evidência da existência de T. rangeli no Triângulo Mineiro (Ramirez, 1998)<br />
  9. 9. Bibliografia<br />Rocha, R. S. Et al. Avaliação da esquistossomose e de outras parasitoses intestinais, em escolares do município de Bambuí, Minas Gerais, Brasil. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. vol.33 n.5 Uberaba Sept./Oct. 2000<br />Vieira, Lauro Mello; Nicolato, Luis de Carvalho; Juliá, Mônica dos Santos Font. Prevalência de parasitas intestinais na população de Ouro Preto, Minas Gerais, Rev. bras. anal. clin;27(3):99-101, 1995. tab.<br />Rocha, Míriam O; Costa, Carlos A; Mello, Rômulo T; Moreira, Maria da Conceiçäo C. G. Estudo comparativo da prevalência de parasitoses intestinais em escolares de Belo Horizonte, MG. Rev. bras. anal. clin;26(4):127-9, 1994. tab.<br />Fernandes, Silvia Cristina Lopes. Tese de Mestrado: Avaliação Epidemiológica de parasitoses intestinais entre escolares assistidos por micro-áreas de unidades de saúde do município de Poços de Caldas-MG. Alfenas-MG, 2006.<br />Carvalho, Omar dos Santos et al . Prevalence of intestinal helminths in three regions of Minas Gerais State. Rev. Soc. Bras. Med. Trop.,  Uberaba,  v. 35,  n. 6, Dec.  2002 .  <br />Malafaia, Guilherme. Leishmaniose visceral no estado de minas gerais: Panorama, desafios e perspectivas. SaBios: Rev. Saúde e Biol., v. 4, n. 1, p. 1-11, jan./jun. 2009 ISSN 1980-0002<br />Ramirez, Luis Eduardo et al. Primeira evidência de Trypanosoma rangeli no sudeste do Brasil, região endêmica para doença de Chagas.Rev. Soc. Bras. Med. Trop. [online]. 1998, vol.31, n.1 [cited  2010-03-29], pp. 99-102 .<br />Relatório de Situação. Sistema Nacional de Vigilância em Saúde. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde Minas Gerais. Série C. Projetos, Programas e Relatórios. Brasília / DF. 2005. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/mg_seg.pdf. Acessado em 22/03/2010<br />

×