Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Captação de Recursos com Daniele Torres

1,189 views

Published on

O curso Captação de Recursos é um guia rápido para quem precisa comercializar projetos e programas culturais, trazendo conceitos básicos e introdutórios para guiar seu plano de captação, do planejamento à conquista.

Com foco prático, auxilia gestores e empreendedores a ampliar o olhar sobre as diversas fontes de financiamento, a elaborar projetos e planos de cotas, prospectar e negociar com potenciais patrocinadores. Tudo isso com exposições e casos concretos, e a bagagem e experiência de uma profissional com quase 20 anos na área.

O curso acontece regularmente no Cultura e Mercado em São Paulo, e algumas cidades fora mediante demanda. Veja aqui: http://www.culturaemercado.com.br/cursos/captacao-de-recursos-1/

Published in: Education
  • Be the first to comment

Captação de Recursos com Daniele Torres

  1. 1. Apresentação: Daniele Torres Museóloga, com 20 anos de atuação profissional em projetos culturais com leis de incentivo, captação de recursos e gestão de projetos em diferentes áreas (patrimônio, artes visuais, música, gestão de espaços culturais, entre outros). Integração entre cultura e projetos sociais. Pós graduada em: - história da arte e arquitetura no Brasil (PUC-RJ) - gestão cultural (Estácio – RJ), e - gestão da comunicação empresarial (PUC-MG). Foi coordenadora de projetos da Fundação CSN (2001/2002) e gestora de patrocínios da VALE (2004 a 2007). Trabalhou em ONGs como Instituto Rio (RJ, 2004) e Instituto Agires (SP, 2011 a 2013). Foi consultora da OSCIP ambiental Renctas (DF, 2007/2008).  Sócia da Companhia da Cultura desde 2004.  De agosto de 2013 a outubro de 2015 foi Gerente de Mercado dos Institutos: Brasil Leitor (IBL) e Brasileiro de Gestão Cultural (IBGC).  Atualmente é diretora do Instituto AES (2016 - 2018)  Leciona sobre elaboração de projetos e captação de recursos no SENAC e no Cultura e Mercado, onde coordena o curso “Formação em Captação de Recursos”.
  2. 2. CAPTAÇÃO DE RECURSOS Planejamento Pesquisa Cultivo Solicitação Valorização e agradecimento Avaliação
  3. 3. CAPTAÇÃO DE RECURSOS • Captação de recursos é um PROCESSO de longo prazo. • Precisa de mais de um ano de investimento para gerar resultados significativos; sendo o período ideal o que permite o provisionamento dos recursos no orçamento do ano seguinte das empresas. • Deve ter o envolvimento de todos, pois toda a instituição contribui para o sucesso; embora seja necessário ter um departamento ou pessoa exclusivamente dedicada a esta missão.
  4. 4. Captação de Recursos Planejamento! Envolvimento de toda a equipe. Prazo!!! Análise SWOT... Diagnóstico. Marco zero. Mensuração. Sponsorkit. Fortalecimento institucional. Participação em eventos. Conselho participativo. Comunicação! Metas. Avaliação ROI Fundos... Pós-venda.
  5. 5. Captação de Recursos Departamento de captação: relações institucionais, planejamento estratégico, comunicação, projetos, pesquisa, comercial... • Dinamização e atualização de sites • Uso de redes sociais • Assessoria de imprensa >> foco na imagem institucional • Assessoria de imprensa >> divulgação dos projetos • Reuniões periódicas com grupo gestor, produção e conselho • Contato constante com investidores efetivados • Avaliação dos projetos (mensuração!) • Desenvolvimento de eventos de captação. • Benchmarks. • Planejamentos anuais (ou semestrais ou bienais, dependendo de cada instituição, porte e perfil dos projetos).
  6. 6. Captação de Recursos Estratégias • Planejar bem: conhecer profundamente as características do projeto • Pesquisa de mercado (cenários, oportunidades, etc.) e sobre as empresas a prospectar - Captações segmentadas por área cultural; • Fortalecimento das marcas institucional e do projeto; • Maior divulgação dos projetos e atividades; • Convite a importantes formadores de opinião para participação como conselheiros; • Relacionamento com empresas por meio da participação em eventos, prêmios, associações, etc.; • Realização de eventos para aproximação de líderes com a instituição; • Diversificação das fontes de captação;
  7. 7. Captação de Recursos Estratégias • Estabelecer planos de cotas para cada projeto, valorizando as contrapartidas de cada uma; • Trabalhar a fidelização de parcerias com o pós-venda e aproximação com patrocinadores; • Flexibilizar as formas de participação com cotas variadas e de diferentes proporções (criar mais oportunidades de patrocínio); • Usar ferramentas de marketing - como e-mail marketing e redes sociais - para criar canal de relacionamento constante com empresas, formadores de opinião e público qualificado.
  8. 8. Captação de Recursos FONTES DE FINANCIAMENTO PESSOAS JURÍDICAS GOV. PESSOAS FÍSICAS EVENTOS Crowdfunding PJ e PF Geração de Renda Fontes institucionais: institutos, agências internacionais e ONGs Investimentos
  9. 9. Captação de Recursos FORMAS DE FINANCIAMENTO, por Gui Afif:
  10. 10. Captação de Recursos Modelo de financiamento público no Brasil Direto $ Financiamento Mecenato
  11. 11. Captação de Recursos Leis de Incentivo
  12. 12. Histórico Leis de Incentivo • Características das leis de incentivo: isenção de imposto em troca de investimento em projetos, fundos ou ações culturais. • Projetos precisam ser previamente aprovados pela respectiva instância governamental. • Migração do modelo europeu para o americano • Mecenato no Brasil:  Lei Sarney – 1986 a 1990;  O impacto da era Collor;  1990 – Lei Mendonça (SP);  1991 – Sérgio Paulo Rouanet;  Era FHC – Ministro Weffort;  Era Lula – Ministros Gil e Juca;  ProCultura.
  13. 13. Incentivos Fiscais para a Cultura Leis de Incentivos em Vigor: • Federal: Rouanet, Audiovisual, Funcine >> IR • Estaduais: ICMS • Municipais: ISS/IPTU  Mecanismo de Financiamento Federal: Fundo (FNC) OBS: Existem outras leis que concedem incentivos fiscais para esporte, saúde e área social.
  14. 14. FNC • É parte da Lei 8.313/91 = concebido junto com o Mecenato, que é forma mais conhecida da Lei Rouanet; • Trata-se de investimento direto do Governo, que seleciona e financia os projetos; • Objetivo é descentralizar e investir justamente onde o mecenato não alcança; • Produtores podem inscrever as ações culturais e o MinC seleciona e financia; • Recursos advém do Tesouro, de loterias, de doações e de saldos de projetos do Mecenato.
  15. 15. Audiovisual Lei 8.685 / 1993 • Histórico de organização e lobby da indústria e grandes nomes do setor; • Grande vantagem em relação à Rouanet: permite que o patrocinador seja sócio investidor; • Patrocínio à produção de obras cinematográficas brasileiras de produção independente e para projetos específicos da área audiovisual, cinematográfica de difusão, preservação, exibição, distribuição e infra- estrutura técnica apresentados por empresa brasileira; • Lei temporária até 2016; • Órgãos reguladores: ANCINE e CVM; • Limite de captação por capacidade comprovada de realização de cada proponente; • Isenção de 3% do IR; • 100% de benefício.  FUNCINE !  FSA!
  16. 16. Lei Rouanet Quem pode patrocinar? Empresas tributadas pelo lucro real / Pessoas Físicas Quem pode ser proponente? Pessoas jurídicas com ou sem fins lucrativos e pessoas físicas, com experiência e objetivo social cultural. CONCEITO de Cultura para o MinC! Cultura como produto. • Doação X Patrocínio: diferenças • Limites de dedução: 4% para PJ e 6% para PF • Aprovação é publicada em Diário Oficial. • Mínimo de 20% do total aprovado para poder começar a movimentar a conta. • Obrigatoriedade de inserir créditos (logomarca) do MinC. • Obrigatoriedade de prestar contas.  Atenção para limites e estrutura orçamentária
  17. 17. Leis de Incentivo à Cultura LEI FEDERAL DE INCENTIVO À CULTURA 8.313/91 PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PROJETO NOME DO PROJETO PLANILHA ORÇAMENTÁRIA ANALÍTICA ITEM DESCRIÇÃO QUANTIDADE UNIDADE QUANTIDADE DE UNIDADE CUSTO UNITÁRIO CUSTO TOTAL 1 PRÉ-PRODUÇÃO SUBTOTAL PRÉ-PRODUÇÃO - 2 PRODUÇÃO/EXECUÇÃO SUBTOTAL PRODUÇÃO/EXECUÇÃO - 3 DIVULGAÇÃO até 20% do total SUBTOTAL DIVULGAÇÃO - 4 CUSTOS ADMINISTRATIVOS até 15% do total SUBTOTAL CUSTOS ADMINISTRATIVOS - 5 IMPOSTOS E RECOLHIMENTOS 5.1 INSS 1 verba 1 - SUBTOTAL IMPOSTOS E RECOLHIMENTOS - 6 AGENCIAMENTO 10% do total (até R$ 100.000,00) 6.1 Agenciamento (captação de recursos) 1 verba 1 - SUBTOTAL ELABORAÇÃO E AGENCIAMENTO - TOTAL -
  18. 18. Lei Rouanet Artigo 18 X Artigo 26 • Artigo 18 garante 100% de dedução ao patrocinador. Patrocinador não pode abater como despesa operacional nem inserir no cálculo da CSLL. • Áreas contempladas: artes cênicas; livros de valor artístico, literário ou humanístico; música erudita ou instrumental; circulação de exposições de artes visuais; doações de acervos (bibliotecas, museus, arquivos e cinematecas); produção de obras cinematográficas e videográficas de curta e média metragem; preservação e difusão do acervo audiovisual; preservação do patrimônio material e imaterial. • Artigo 26: limite de 30% de abatimento para quem patrocina e de 40% para quem faz doação. Patrocinadores podem lançar a despesa no cálculo como despesa operacional. • Áreas: todos os demais segmentos artísticos não listados no artigo 18.
  19. 19. Vantagens do Investimento – Contrapartidas (Patrocínios) • Isenção fiscal (de 34 a 100%) • No caso da lei do audiovisual podem ter lucro (134%) • Associação direta da marca ao projeto >> publicidade • Relacionamento com comunidades e públicos de interesse • Produto cultural como brinde
  20. 20. Pessoas Físicas PESSOAS FÍSICAS podem fazer doações financeiras para os projetos e descontar do imposto (IR e IPTU)! No caso do IR, via Lei Rouanet: • Artigo 18 = 100% de dedução. • Artigo 26 = 60% de abatimento para patrocínio 80% para doação. • Precisa fazer a DECLARAÇÃO COMPLETA no caso do IR. • Problema: IR de PF é pago no ano seguinte, ou seja, primeiro a pessoa faz a doação ou patrocínio e só depois ela compensa do IR devido (quando declarar). • Empresas estão estimulando seus colaboradores a investir, facilitando os trâmites e gerando aumento no número de doadores (Caixa, Unimed, CEMIG, entre outros)
  21. 21. Dicas Práticas PRAZOS Rouanet • Inscrição de Projetos: o ano inteiro, sendo que planos anuais precisam ser enviados até 30/09. • Análise de Projetos (reuniões de aprovação – CNIC): Fevereiro a Novembro. • Prazos de Captação / Execução: 1 ano, renovável por mais 1 ano (projetos aprovados no último trimestre têm renovação automática para o ano seguinte, garantindo assim 2 anos de prazo para captação e realização do projeto). • Renovação de projetos: projetos com recursos captados costumam conseguir mais renovações de prazo de execução, a depender do relacionamento. É preciso solicitar as renovações até 30/11! • Prestação de contas: até 30 dias após o fim da execução da ação cultural.
  22. 22. ProCultura: proposta de substitutivo da Lei Rouanet  PROCULTURA!  Fortalece o FNC  Garante 10% dos recursos do Fundo para cada região  Reserva de recursos para produtores independentes, de pequeno porte ou cooperativas  “Territórios Culturais Prioritários” = 100%  Sistema de pontos: 0 a 8 = não aprovado 8 a 10 = 30% 11 e 12 = 50% 13 a 15 = 70% 16 ou mais = 100%  Aumento de 6 para 8% renúncia de PFs
  23. 23. Leis Estaduais • Quem pode patrocinar? Esfera Estadual: empresas pagadoras de ICMS Em SP: PROAC = Programa de Ação Cultural • Prazos determinados • Inscrição do proponente que, após habilitação, poderá inscrever projeto • Limites orçamentários pré-definidos por área • Execução de 2 projetos por CNPJ ou 1 por CPF (plano anual = 1) >> até prestação de contas • Exemplo de empresa que usa bem o recurso: Oi – editais regionais por meio do ICMS • Lei 12.268/2006 institui 0,2% da arrecadação para o PROAC • Áreas >> diferenciais
  24. 24. Leis Municipais • Quem pode patrocinar? Esfera Municipal: empresas pagadoras de ISS e, em alguns municípios, pessoas físicas ou empresas para desconto no IPTU. • Cada município tem seu regulamento, prazo, áreas de investimento, etc. EM SP: Lei Mendonça • Lei 10.923/90 + Decreto 29.684/91 • Até 70% de desconto (30% como contrapartida) >> PL Matarazzo, aprovado em primeira votação, ampliaria para 100% • Teto por empresa é de 20% • Áreas contempladas >> diferencial: artes gráficas e filatelia.
  25. 25. Captação de Recursos: PROJETO Passo a passo elaboração de projetos em geral >> mínimo necessário: - Apresentação (resumo) - Objetivos (o quê) descritivo: público alvo, local, data, etc. - Justificativa / conceito (porquê + diferencial) PARA LEIS de INCENTIVO à CULTURA: importância social, acesso e difusão, valorização da cultura local ou nacional e afinidade com o Plano Nacional de Cultura PARA LEIS DE INCENTIVO SOCIAIS: alinhamento com os princípios dos Fundos e toda a legislação, valorizar o caráter social e os IMPACTOS. Fazer diagnóstico (marco zero). PARA CAPTAÇÃO: qual a identidade com a fonte de recursos selecionada - Estrutura do projeto = Memorial Descritivo Necessidades / infra-estrutura - Orçamento detalhado - Cronograma - Plano de divulgação - Equipe e apoios institucionais - Plano de cotas e contrapartidas: benefícios do patrocinador x opções de investimentos - Contatos
  26. 26. Captação de Recursos: PROJETOPARA LEIS de INCENTIVO PARA CAPTAÇÃO Orçamento detalhado obrigatório opcional Plano de cotas e contrapartidas dispensável recomendado Democratização de acesso obrigatório recomendado Acessibilidade obrigatório recomendado Currículos obrigatório: detalhados só destaques e resumidos Documentos (CNDs, por exemplo) obrigatório necessário no momento do contrato Plano de divulgação obrigatório necessário Roteiro mínimo (objetivos, justificativa, público, descrição...) obrigatório: detalhado obrigatório: sucinto Contrapartidas dispensável obrigatório Fotos e vídeos dispensável recomendado Programação visual dispensável necessário
  27. 27. Captação de Recursos > PROJETOS: DICAS!  Voltar sempre ao PLANEJAMENTO e ao que foi escrito e consequentemente comprometido no PROJETO;  Pense na continuidade da ação cultural / perenidade do projeto;  Tente se colocar no outro lado – de quem vai avaliar a proposta, seja um espaço cultural, uma empresa ou um órgão governamental – faça perguntas nesta posição e veja se consegue responder e defender todas em seu projeto, quer seja na etapa de apresentação ou na de renovação ou avaliação final da execução;  Atenção com direitos autorais, herdeiros, autorizações de uso de imagem;  Invista em sistemas de gestão da informação;  Invista na programação visual de materiais;  Invista na comunicação e nas redes sociais.
  28. 28. Captação de Recursos: Planos de Cotas Regra essencial: PROPORCIONALIDADE!! Exemplos: arquivo estudos LISTAR TODAS AS CONTRAPARTIDAS POSSÍVEIS DO SEU PROJETO E MENSURÁ-LAS FAZER BENCHMARK COM OUTROS PROJETOS OBSERVAR PROJETOS CULTURAIS E SUAS PUBLICIDADES PARA CRIAR E INOVAR EM BENEFÍCIOS AOS PATROCINADORES MODELOS DE PROJETOS EM SALA DE AULA
  29. 29. Captação de Recursos: EDITAIS TIPOS DE EDITAIS: • Públicos: governamentais Esferas Federal, Estadual e Municipal Áreas como assistência social, educação, saúde, cultura, capacitação, entre outros. • Privados Editais de patrocínio e responsabilidade social: apoio a comunidades, questões de gênero, saúde, educação, meio ambiente, cultura, esporte. • Do Terceiro Setor ONGs nacionais e internacionais que financiam projetos. Todas as áreas.
  30. 30. Captação de Recursos: EDITAIS MODELOS DE EDITAIS: • Simples: Instituto Rio http://www.institutorio.org.br/editaisdoinstitutorio • Mediano: Brazil Foundation http://www.brazilfoundation.org/edital-2016/?lang=pt-br
  31. 31. Captação de Recursos: EDITAIS • Complexo: Petrobras http://dec.petrobras.com.br/roteiro-de-elaboracao-de-projeto/
  32. 32. Captação de Recursos: EDITAIS Referências em editais culturais: • Oi http://www.oifuturo.org.br/editais/ • Natura http://www.naturamusical.com.br/editais-natura-musical-2015
  33. 33. Captação de Recursos: EDITAIS DICAS! • Apuro visual (quando não é formulário ou se puder enviar anexo) • CLAREZA dos conteúdos • Verificar documentação exigida • Adequação do projeto aos critérios do edital • Metodologia e cronograma alinhados um com o outro e com os prazos do edital • Sempre retornar ao planejamento do projeto para verificar alinhamento da proposta • Revisões antes da entrega
  34. 34. Captação de Recursos: EDITAIS DICAS! Onde encontrar informações sobre editais: • www.culturaemercado.com.br/site/editais • www.prosas.com.br • www.captacao.org/recursos/editais-abertos • www.cultura.gov.br  Outros editais constantes na área cultural (geralmente anuais):  Ocupação de espaços / exibição / desenvolvimento: BNDES, Caixa Cultural, Correios, Furnas, Programa Rumos (Itaú Cultural), Festivais de cinema, Funarte...  Patrocínios: Claro, Correios, Votorantim, Prêmio Viva Leitura, Porto Seguro, Wal Mart, Monsanto, EDP, BID, BB, BNDES... entre muitos outros...
  35. 35. PLANO de CAPTAÇÃO de RECURSOS POR QUE É IMPORTANTE PLANEJAR A CAPTAÇÃO? ■ assegura que os projetos atendam às mudanças do mercado ■ antecipa mudanças financeiras ou de captação ■ estabelece um processo para captações em andamento ■ permite que a diretoria e a equipe tomem decisões de maneira proativa ao invés de reativa ■ ajuda a diretoria, comitês e equipe a desenvolver uma compreensão consistente de seus papéis e do objetivo de cada captação ■ estabelece o quadro limite de relacionamentos (com o governo e outros stakeholders) ■ cria uma base para avaliações futuras
  36. 36. Captação de Recursos: PLANO 1. Definir orçamento do projeto, programa ou organização, estabelecendo as META$ de captação para o ano (de 2016 para execução em 2017) e estabelecendo as contrapartidas e plano de cotas. 2. A partir da análise SWOT ou “análise FOFA”, traçar as estratégias: • Quais fontes de recursos se adequam ao seu projeto? • É possível certificar seus projetos ou instituição nas leis de incentivos fiscais? • Dessas fontes, quais serão os prospects? Considerar: potencial de investimento, prazo, localidade, segmento captado, público, alinhamento de comunicação e marcas, histórico de patrocínios. • Considerar: apoio da comunicação e assessoria de imprensa. PARA CADA FONTE DE RECURSOS DESENVOLVER UM PLANO DE AÇÃO OU LISTA DE PROSPECTS! 3. Considerar recursos humanos e materiais para o desenvolvimento do plano (equipe, programação visual do sponsorkit e despesas de representação).
  37. 37. Captação de Recursos Pesquisa VIC Vínculo, Interesse e Capacidade. Pontuar de 1 a 3 (ou de 1 a 5) para avaliar. Objetivo: estabelecer prioridades! Projeto Empresa V I C TOTAL XPTO Vale 3 2 3 8 XPTO Michelin 1 2 2 5 XPTO BB 1 1 3 5 XPTO Volks 2 2 1 5
  38. 38. Por onde começar? Pesquisando patrocinadores. Salicnet >> para pesquisas específicas e informações de projetos COM LEI ROUANET somente. www.cultura.gov.br Revista Marketing Cultural: www.marketingcultural.com.br Cultura e Mercado / Editais www.culturaemercado.com.br ABCR www.captacao.org GIFE www.gife.org.br ETHOS www.ethos.org.br Prosas prosas.com.br PROSPECÇÃO
  39. 39. • Valor Grandes Grupos 200 Maiores • Valor 1000 • Valor Financeiro • Exame Maiores e Melhores • Meio e Mensagem (+Anuários) • http://www.bluebus.com.br • http://www.cultura.sp.gov.br • http://www.cultura.rj.gov.br • http://portal.esporte.gov.br • http://www.guiaempresaspatrocinadoras.com.br • http://mostre.me/cultura PROSPECÇÃO
  40. 40. Por onde começar? Pesquisando patrocinadores. 1) Avaliação MACRO ECONÔMICA - Quem está lucrando? 2) Captação segmentada por negócio: Alimentos – Automóveis – Transportes – Construção – Eletroeletrônicos – Indústria de Base – Mercado financeiros – Estatais – Telecom – Varejo. 3) Captação segmentada por perfil investidor: Teatro – cinema – música – patrimônio – dança – artes visuais – etc. 4) Avaliação por oportunidade - Quem está investindo? Em que região? Quais as tendências do mercado? Crises de imagem e reputação? PROSPECÇÃO
  41. 41. Captação de Recursos Quem é quem nas empresas... Por GUI AFIF!
  42. 42. CAPTAÇÃO DE RECURSOS Dicas para: Abordagem e apresentação! • Abordagem cordial e não invasiva. • Negociação! • Apresentação: imagem, postura, sponsorkit • Primeiro parceiro!
  43. 43. Captação de Recursos Apresentação  Cartão de Visitas, sempre;  Seja gentil, siga o dress code, mas não deixe de ser quem você é;  Seja pontual;  Paciência;  “Chás de cadeira serão sua bebida predileta” (Gui Afif)
  44. 44. FERRAMENTAS COMERCIAIS Web e Redes Sociais  Para pesquisas: buscas no Google, o site da própria empresa, o Facebook e o LinkedIn;  Não adicione no Facebook pessoas que você não conhece;  Facebook, Messenger e Instagram >> apenas relações pessoais;  Mensagens corporativas: use o email;  Cuidado no LinkedIn - na versão básica a pessoa sabe quem visitou o perfil;  Só adicione pessoas no LinkedIn após estabelecer contato;  LinkedIn é útil para conhecer o perfil do seu interlocutor, pesquisar um contato para buscar fonte de aproximação/apresentação (“seis graus de separação”) e verificar se a pessoa continua na empresa.
  45. 45. Telefone  Só faça o primeiro telefonema após pesquisar na web;  Não ligue no celular de pessoas que você não conhece;  Se conhece, envie um SMS ou Whats antes de ligar (saber se pode falar);  Ao fazer cold calls inicie sempre o diálogo com secretários/assistentes - respeite hierarquias e protocolos;  Agendar com secretária é melhor do que falar com o executivo pelo telefone;  Secretárias devem ser suas melhores amigas (mas não “puxe saco”);  Horários: de manhã cedo, pouco antes do almoço, fim do dia;  Ao invés de deixar recados, pergunte quando pode voltar a ligar. FERRAMENTAS COMERCIAIS
  46. 46. E-mail  Seja sucinto e direto - deixe claro o objetivo da mensagem;  Se tiver que se identificar na mensagem, repense;  Evite adjetivos ao se referir a si mesmo ou ao projeto;  Termine a mensagem com uma pergunta aberta;  Deixe a mensagem “repousar” por, pelo menos, 2 horas. Então revise;  Anexe o projeto em sua versão resumida, curta e bem impactante visualmente, sem proposta e sem valor de cotas;  Anexos até 6Mb em PDF. Mais do que isso, use links (WeTransfer, DropBox, YouSendIt, etc). FERRAMENTAS COMERCIAIS
  47. 47. Captação de Recursos CRM: Controle, Acompanhamento e Pós Venda Customer Relationship Management. >> Use a tecnologia a seu favor! Existem sistemas gratuitos disponíveis na internet (oferece algum risco de perda de dados) e opções que requerem pouco investimento para gerenciar as informações, emitir relatórios, visualizar a evolução dos processos. O foco não é só comercial, mas de planejamento (melhoria de fluxos e processos), marketing relacional, automatização de ações rotineiras, monitoramento com elaboração de estatísticas e detecção de oportunidades de negócios (comercial). Exemplo: https://www.youtube.com/watch?v=ddOnvIKJSpE http://www.siteexpress.com.br/s-mark?gclid=CMXa7MWZ-LsCFTJo7AodE2YA-g
  48. 48. Ativação de Patrocínios “O patrocínio baseia-se na troca de valor entre dois protagonistas, o patrocinado e o patrocinador. Ambos funcionam com lógicas e rotinas distintas que podem ser articuladas em torno dos projetos de modo a gerar parcerias construtivas e positivas para ambas as partes.” Erica Morizono Captadora
  49. 49. Ativação de Patrocínios • Entender suas necessidades e o que quer alcançar Significa que devemos: • escutar mais e falar menos; • estar dispostos a ajudá-lo; • procurar satisfazê-lo, sem esquecer a nossa meta; • ser pacientes e perseverantes. Escutar Conhecer os Interesses Fazer Crescer a relação
  50. 50. Ativação e Fidelização de Patrocínios • ENCARAR OS CLIENTES COMO PATRIMÔNIO QUE REQUER UM INVESTIMENTO CONTÍNUO (LONGO PRAZO). • GESTÃO DE CLIENTES # VENDAS! • CADA CLIENTE DEVE SER GERENCIADO DE UMA FORMA, DE MANEIRA SEPARADA. • O SEU PROJETO PRECISA ALINHAR OFERTAS, PROCESSOS E OPERAÇÕES PARA CRIAR VALOR.
  51. 51. Fidelização de Patrocínios FASE I Cumprir o que foi acordado FASE II Oferecer valor agregado FASE III Superar expectativas dos ciclos anteriores para que o doador siga confiando e continue renovando seu apoio constantemente Fonte: Ricardo Levisky in slides de aula no curso de Formação em Captação de Recursos / Cultura e Mercado (disponível no Slide Share do CeM)
  52. 52. Fidelização de Patrocínios • PERFIL >> ATENÇÃO! Relacionamento inicial # gestão de crise Negociação # acompanhamento de entregas Planejamento # relacionamento diário Segundo Kotler e Fox (1998), conquistar clientes novos custa entre 5 a 7 vezes mais caro do que manter os mesmos clientes que já possui!! Fonte: Erica Morizono in slides de aula no curso de Formação em Captação de Recursos / Cultura e Mercado (disponível no Slide Share do CeM)
  53. 53. CAPTAÇÃO DE RECURSOS Pós Venda: Sugestões / Exemplos • Utilização de um sistema inteligente de controle e agendamento da prospecção e organização de banco de dados, • Impressão de relatórios anuais com resultados dos projetos para distribuição aos patrocinadores e prospects, • Evidenciar a transparência e sucesso da prestação de contas (publicar no site, por exemplo), • Relatórios mensais dinâmicos, por meio eletrônico (tipo mala direta), aos patrocinadores: comunicando resultados e com enfoque em números, alcance e superação de metas, etc. • Convites e ingressos para relacionamento com os patrocinadores e conselheiros, • Avaliações semestrais com reunião presencial ou visita do patrocinador ao projeto, • Realização de eventos de relacionamento entre patrocinadores, • Ação de Natal com envio de cartões (físicos e virtuais) e BRINDE INSTITUCIONAL* a patrocinadores e prospects. *= atenção para fazer itens de baixo valor, simples, institucionais, por causa das regras de compliance cada vez mais exigentes nas empresas, impedindo o recebimento de brindes que possam ser considerados presentes.
  54. 54. CAPTAÇÃO DE RECURSOS
  55. 55. Referências Bibliográficas • www.cultura.gov.br • Sites governamentais e de Prefeituras (para as leis de cada Estado / Município >> sites e blogs das secretarias de Cultura) • www.ancine.gov.br • www.culturaemercado.com.br • www.marketingcultural.com.br LIVROS sobre Leis de Incentivos: • Cesnik, Fabio de Sá – Guia do Incentivo à Cultura – 2ª edição revisada e ampliada / Ed. Manole, SP (2007) • Menezes, Henilton – A Lei Rouanet muito além dos (f)atos / Edições Fons Sapientiae, SP (2016) • www.manualdopatrocinador.com.br Outras fontes: Apostilas dos cursos do Cultura e Mercado >> disponíveis no Slide Share.
  56. 56. Referências Bibliográficas • Durand, José Carlos – Política Cultural e Economia da Cultura / Ateliê Editorial e Ed. SESC • Brant, Leonardo – Mercado Cultural / Ed. Escrituras • Brant, Leonardo – O Poder da Cultura / Ed. Peirópolis, SP • Haskell, Francis – Mecenas e Pintores – arte e sociedade na Itália Barroca / Edusp, SP • Nussbaumer, Giseli Marchiori – O Mercado da Cultura em Tempos (Pós) Modernos / Ed. da UFSM • Reis, Ana Carla Fonseca – Marketing Cultural e Financiamento da Cultura / Thomson Learning Edições, SP
  57. 57. • Andrade, Arnaldo Rosa de – Planejamento Estratégico: Formulação, Implementação, Controle / Ed. Atlas • Angeloni, Maria Therezinha e Mussi, Clarissa Carneiro (org.) – Estratégias: Formulação, Implementação e Avaliação – O desafio das organizações contemporâneas / Ed. Saraiva • Estraviz, Marcelo – Um dia de captador / Zepelini Editorial • Hoyle Jr., Leonard H. – Marketing de Eventos – Como Promover com Sucesso Eventos, Festivais, Convenções e Exposições / Ed. Atlas • Kunsch, Margarida – Planejamento de Relações Públicas na Comunicação Integgrada / Ed. Summus Editorial • Matias, Marlene (org.) – Planejamento, organização e sustentabilidade em eventos culturais, sociais e esportivos / Ed. Manole Referências Bibliográficas
  58. 58. Referências Bibliográficas • Alinhamento entre o Investimento Social Privado e os Negócios, Publicações “Temas do Investimento Social”, do GIFE • Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil, Secretaria Geral da Presidência da República, Brasília, 2015 • Wu, Chin-Tao – Privatização da Cultura: a intervenção corporativa na arte desde os anos 1980 / Ed. Boitempo, 2006 • Gitomer, Jeffrey – A Bíblia de Vendas / M. Books, 2011 • Disney Institute – O Jeito Disney de Encantar os Clientes – do atendimento excepcional ao nunca parar de crescer e acreditar / Ed. Saraiva, 2011 • http://idis.org.br/pesquisadoacaobrasil/
  59. 59. • Machado Neto, Manoel Marcondes – Marketing Cultural – das práticas à teoria / Ed. Ciência Moderna • Natale, Edson – Guia Brasileiro de Produção Cultural / Sesc SP • Salim, Cesar; Hochman, Nelson; Ramal, Andrea e Ramal, Silvina - Construindo Planos de Negócios - Todos os Passos Necessários para Planejar e Desenvolver Negócios de Sucesso / Ed. Campus • Zepelini, Marcio & Colegas – Comunicação: Visibilidade e Captação de Recursos para Projetos Sociais / SEBRAE e Zepelini Editorial ONLINE:  Grupo de Estudos do Terceiro Setor – Captação de Recursos, da Teoria à Prática – disponível na internet (SP, 2002) Referências Bibliográficas
  60. 60. daniele@companhiadacultura.com.br Tel.: (11) 9 7286 5227 Facebook: Companhia da Cultura Grupo fechado Captação de Recursos

×