Capítulo do livro digital
Guia dos Juros – O poder do seu dinheiro

O Planejamento do orçamento doméstico

Como cuidar

Gu...
Hoje, manter as contas em dia é uma questão de sobrevivência. Mas
não basta só equilibrar receitas e despesas. É preciso g...
SEGUNDA ETAPA
1. Crie duas colunas, uma para "orçamento previsto" e outra para
"orçamento executado". Na primeira, enumere...
PARA MANTER AS CONTAS EM DIA
Não gaste mais do que ganha. Só assim você conseguirá se livrar de
eventuais apertos e terá d...
TABELA DE CONTROLE ORÇAMENTÁRIO

Renda
Familiar

Prevista R$

Recebida R$

(B) Despesas

Prevista

Gasto Real

(B) Total d...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Capítulo do livro digital guia dos juros - o planejamento do orçamento doméstico

411 views

Published on

Guia de orçamento doméstico - incluindo modelo de tabela para receitas e despesas, integrante do livro digital Guia dos Juros – O poder do seu dinheiro, de Miguel Oliveira.
Saiba mais como economizar nas contas do início do ano no link http://bit.ly/1etvAfe

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
411
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
116
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Capítulo do livro digital guia dos juros - o planejamento do orçamento doméstico

  1. 1. Capítulo do livro digital Guia dos Juros – O poder do seu dinheiro O Planejamento do orçamento doméstico Como cuidar Guia dos Juros
  2. 2. Hoje, manter as contas em dia é uma questão de sobrevivência. Mas não basta só equilibrar receitas e despesas. É preciso garantir uma sobra (de pelo menos 10% da receita) para emergências. Para tanto, são necessárias disciplina e muita disposição para fazer eventuais ajustes além de caderno, lápis e calculadora. Confira, a seguir, os principais passos para elaborar seu orçamento. PRIMEIRA ETAPA 1. Reúna os comprovantes de pagamento de todas as contas dos últimos três meses ou pelo menos do último mês, incluindo as faturas dos cartões de crédito e os extratos bancários; 2. Anote as receitas, como salário ou rendas; 3. Relacione, na coluna de despesas, todos os gastos do último mês, dividindo-os entre fixos, semifixos e variáveis; 4. Compare o valor total das despesas com a receita do mês e calcule o saldo: Se houver sobras, aplique-as no mercado financeiro, num fundo de investimentos que na média rende 1% líquido ao mês; Se a conta estiver zerada, comece a planejar uma redução dos custos, de modo a garantir sobras para aplicação no mês seguinte; Se a conta estiver negativa, prepare-se para reduzir as despesas, começando pelos gastos variáveis; Guia dos Juros
  3. 3. SEGUNDA ETAPA 1. Crie duas colunas, uma para "orçamento previsto" e outra para "orçamento executado". Na primeira, enumere todos os seus gastos no próximo mês, já considerando eventuais cortes com despesas variáveis. 2. Terminado o mês, relacione na coluna "orçamento executado" todas as despesas no período para confrontá-las com as previstas. 3. Se os ajustes feitos não forem suficientes para garantir uma sobra de caixa ou pelo menos reverter o saldo negativo, corte novos gastos variáveis (como supérfluos) ou comece a economizar nas despesas semifixas. O QUE INCLUIR NO ORÇAMENTO Habitue-se a anotar diariamente todos os gastos, de cafezinho às esmolas. Despesas fixas: prestação do imóvel/aluguel, condomínio, etc. Despesas semifixas: supermercado, feira, açougue, energia elétrica, gás, telefone, combustível, prestação do carro e de outros bens e serviços, assinaturas de jornais, revistas, internet e TV a cabo. Despesas variáveis: roupas, calçados, bares, restaurantes, teatro, cinema, shows, farmácias, viagens, livrarias, presentes, locadoras, seguros, impostos, lavanderia, salão de beleza, cafezinho, pizza, juro do cheque especial e empréstimos pessoais, tarifas bancárias, gorjetas e esmolas. Guia dos Juros
  4. 4. PARA MANTER AS CONTAS EM DIA Não gaste mais do que ganha. Só assim você conseguirá se livrar de eventuais apertos e terá dinheiro para investir e planejar viagens e compras futuras. Procure pagar todas as dívidas inclusive as do cheque especial antes de entrar em novos financiamentos. Dependendo do caso, vale a pena renegociar os débitos, buscando condições mais vantajosas junto aos credores. Faça as contas antes de contratar financiamentos para aquisição de bens de alto valor, como casa própria e veículos, que exigem comprometimento de renda por períodos prolongados. Se não tiver necessidade imediata do produto, aplique o dinheiro num fundo de investimentos ou na caderneta de poupança e compre-o depois, à vista. A economia com os juros será significativa. Não incorpore o limite do cheque especial à sua renda. O crédito concedido pelo banco, pelo qual ele cobra taxas altíssimas (que podem superar 200% ao ano), só deve ser usado em situações de emergência e por períodos curtos. Nunca use o cheque especial para pagar dívidas decorrentes de outros financiamentos. Nesse caso, você estará pagando juros sobre juros. Use cartões de crédito para postergar o pagamento de dívidas. Mas, quando receber as faturas, liquide o débito integralmente. Quem rola a dívida, pagando apenas o valor mínimo, arca com juros altíssimos. Informe-se sobre as taxas de juro (e não apenas sobre o valor das prestações) cobradas nos financiamentos. O valor da prestação pode caber no orçamento de hoje, mas não no de amanhã. Procure pagar suas contas até o vencimento, de modo a evitar cobrança de multas. Guia dos Juros
  5. 5. TABELA DE CONTROLE ORÇAMENTÁRIO Renda Familiar Prevista R$ Recebida R$ (B) Despesas Prevista Gasto Real (B) Total de Gastos R$ Aluguel Condomínio Água Luz Gás Impostos Telefone Mensalidades Alimentação Transporte Farmácia Vestuário Prestações Consertos Lazer Outras Despesas Guia dos Juro

×