Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Plano contas

2,166 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Plano contas

  1. 1. PLANO DE CONTAS (Cfe. Ribeiro, 2005, p.44-53) Como pode ser observado, o plano de contas de uma empresa industrial é bem semelhante ao de uma comercial. O que difere, são as contas que registram os estoques e algumas do Ativo Permanente, como destaca Ribeiro: Na empresa comercial, uma conta de estoque é suficiente: Estoque de Mercadorias. Na empresa industrial, por ser maior a variedade dos materiais em estoque, colocamos no Plano as seguintes contas: 104.1 Estoque de Matérias-primas 104.2 Estoque de Materiais Secundários 104.3 Estoque de Materiais de Embalagem 104.4 Estoque de Produtos em Elaboração 104.5 Estoque de Produtos Acabados 104.6 Estoque de Subprodutos 104.7 Estoque de Materiais de Expediente 104.8 Estoque de Materiais de Limpeza 104.9 Estoque de Combustíveis e Lubrificantes 104.10 Estoque de Materiais Diversos 104.11 (-) Provisão para Redução ao Valor de Mercado (RIBEIRO, 2005, p.53-4) Como se dá a movimentação e registro destas contas 104.1, 104.2 e 104.3 – na compra, estas contas são debitadas; e na transferência para a produção, são creditadas. Neste caso, a conta que será debitada é do grupo 33 – Custo Integrado. 104.4 – utilizada quando há produtos em elaboração no último dia do exercício. É realizado o débito nesta e o crédito dá-se na conta 330.1 – Custo em Formação. 104.5 – registra os produtos prontos para a venda. A conta que será creditada será 330.1 – custos em Formação. Quando da venda destes produtos, a conta a ser debitada será 500.1 – Custo dos Produtos Vendidos (CPV). 104.6 – debita-se pelo valor dos subprodutos que estiverem disponíveis para venda. É creditada a conta 330.1 – Custo em Formação. Quando da venda, uma conta do circulante será debitada e credita-se a respectiva. 104.7, 104.8, 104.9 e 104.10 – debitada quando houver compra dos respectivos materiais. Quando estes materiais foram transferidos para outros departamentos, faz-se o crédito, sendo debitada a conta de Despesa ou Custo, conforme o caso. 104.11 – conforme disposição contida na Lei 6.404/76 (Lei das S/As). Serve para ajustar o valor dos estoques ao valor de mercado, quando este for inferior. COMPRAS A conta a ser debitada será a que corresponder com a espécie de material adquirido (matéria-prima, embalagens, etc.), do subgrupo Estoques e credita-se a conta Caixa, Bancos, Duplicatas a Pagar o Fornecedores, conforme o caso. Exemplo: Um indústria comprou do Fornecedor MM, 200m2 de madeira, tendo pago em dinheiro a importância de R$ 50.000, conforme Nota Fiscal 1.234. Contabilização no livro Diário: 104.1 Estoque de Matérias-primas
  2. 2. 100.1 a Caixa Paga NF 1.234, do Fornecedor MM, referente a 200m2 de madeira ............................ 50.000 Fatos que Alteram o Valor das Compras - Despesas Acessórias: fretes e seguros quando estão a cargo do destinatário. Estes valores são acrescidos à conta Estoque. - Descontos ou abatimentos incondicionais que constem na própria NF de compra. É registrado o valor líquido, já descontado os abatimentos incondicionais. - Devoluções de compras ou compras anuladas (total ou parcial). Devem ser baixados da conta Estoque. Impostos Incidentes Sobre as Compras ICMS – quando tratar-se de materiais utilizados na produção para posterior venda, o valor desse imposto, na compra, deve ser excluído do custo da aquisição. IPI – nas compras de materiais com incidência do mesmo, o seu valor será contabilizado a débito numa conta própria (conta 102.2 – IPI a Recuperar). Nas vendas de produtos com incidência do IPI, seu valor será contabilizado a crédito numa conta própria (conta 202.3 – IPI a Recolher). O valor do IPI incidente nas vendas não deve integrar o valor da Receita Bruta de vendas, pois, para fins fiscais, a empresa funciona meramente como agente arrecadar do referido imposto que pertence ao Governo Federal. (RIBEIRO, 2005, p.77). CONTROLE DE ESTOQUES No inventário periódico, o controle é feito de períodos em períodos, no momento da apuração do resultado do exercício. Esse intervalo de tempo pode ser semanal, quinzenal, mensal, semestral, anual etc. Um intervalo de tempo considerado adequado para se apurar resultado em uma empresa é o mensal, sendo que possíveis correções de planejamento e controle podem ser efetuadas em espaço de tempo menor e conseqüentemente diminuir situações indesejáveis de resultado ou o seu respectivo impacto. No inventário permanente o controle é feito permanentemente pela empresa, ou seja, a qualquer momento a empresa tem as informações totais do seu estoque, por exemplo, custo da mercadoria que está sendo vendida, total das compras, total das vendas etc. Um exemplo completo de contabilização de estoques pelo inventário periódico e a seguir pelo inventário permanente, levando em consideração alguns critérios de avaliação de estoques (PEPS, UEPS e CMP), bem como a análise dos resultados obtidos em cada um dos critérios. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS ESTOQUES Para determinar o custo de produtos estocados e destinados a venda é preciso considerar o valor pago na aquisição de tais mercadorias, deduzido o ICMS e acrescido das despesas relativas ao frete e seguro pagos pelo comprador.
  3. 3. Tendo em vista que a empresa poderá adquirir um mesmo tipo de produto em datas diferentes, pagando por ele preços variados, o custo dessas mercadorias estocadas poderá ser determinado por meio dos seguintes critérios: preço específico, PEPS, UEPS e custo médio. 1. Preço Específico Consiste em atribuir a cada unidade do estoque o preço efetivamente pago por ela. Esse critério só pode ser utilizado para produtos de fácil identificação física, como por exemplo: automóveis e máquinas de grande porte. 2. Primeiro que Entra, Primeiro que Sai – PEPS Nesse critério, a empresa dá saída nos estoques dos produtos mais antigos, ou seja, adquiridos primeiro, permanecendo estocados os produtos de aquisição mais recente. 3. Último que Entra, Primeiro que Sai – UEPS Adotando esse critério, a empresa dará baixa em primeiro lugar nos estoques mais recentes ficando estocado sempre os produtos mais antigos. 4. Custo Médio Os produtos serão avaliados pela média dos custos de aquisição, sendo estes atualizados a cada compra efetuada. Exemplo – CONTROLE DE ESTOQUE A Cia. ATMB possui em seu estoque a seguinte composição em 01/novembro/2006: 100 pares de sapatos, com custo unitário de $20,00, totalizando $2.000,00. Operações realizadas durante o mês de novembro/2006: a) 10/11 - compra – 50 pares – custo unitário $18,00 ($900) b) 11/11 - venda – 30 pares c) 13/11 – venda – 80 pares d) 18/11 – compra – 20 pares – custo unitário $21,00 ($420) e) 25/11 – venda – 55 pares f) estoque final: 05 pares ($21 x 5unidades = $105) INVENTÁRIO PERIÓDICO CMV = EI + C – EF No final de novembro será apurado o estoque físico e atribuído o valor desse estoque sendo então calculado o custo da mercadoria vendida nesse período. O cálculo fica da seguinte forma: CMV = $2.000 + $1.320 – $105 CMV = $3.215
  4. 4. Ou seja: EI = $2000 (valor do início do período) C = compras do período = $900 + $420 = $1320 EF = estoque final = valor apurado extra-contábil Os registros contábeis ficam da seguinte forma: Livro Razão (razonetes) a conta compras será Estoque Compras transferida (EI) 2.000 3.215 (4) (1) 900 no final do período (3) 1.320 (2) 420 para a 3.320 1320 conta estoques (EF) 105 1320 (3) Valor apurado extra contábil Caixa/Forncedores CMV xxxx 900 (1) (4) 3.215 420 (2) Transferido para o RE do período INVENTÁRIO PERMANENTE Usando os mesmos dados do exemplo anterior, faremos a contabilização do estoque pelo inventário permanente. Primeiramente será utilizado o critério de avaliação de estoques pelo PEPS (primeiro que entra, primeiro que sai), ou seja, a primeira mercadoria a entrar no estoque pela compra, será a primeira a sair do estoque quando na baixa da venda. 1o passo: Elaboração da Ficha de Controle de Estoque - PEPS FICHA DE CONTROLE DO ESTOQUE EMPRESA Cia SÓPÉ Período:NOV/02 método: PEPS ENTRADAS SAÍDAS SALDO data qtde. vlr.unit vlr.total qtde. vlr.unit vlr.total qtde. vlr.unit vlr.total 1/nov 100 20 2000 EI 10/nov 50 18 900 100 20 2000 50 18 900 150 2900 11/nov 30 20 600 70 20 1400 50 18 900 120 2300 13/nov 70 20 1400 10 18 180 40 18 720 80 1580 40 720 18/nov 20 21 420 40 18 720 20 21 420 60 1140 25/nov 40 18 720 15 21 315 5 21 105 EF 55 1035 5 105 1320 3215 COMPRAS CMV
  5. 5. 2o passo: Registros Contábeis pelo Método PEPS Livro Razão (razonetes) Estoque Caixa/Forncedores (EI) 2.000 600 (2) xxxx 900 (1) (1) 900 1.580 (3) 420 (4) (4) 420 1035 (5) 3.320 3.215 (EF) 105 O CMV é reconhecido a cada venda CMV realizada diretamente na (2) 600 conta estoques (3) 1580 (5) 1035 3215 Valor transferido para o RE do período Utilizando o critério UEPS (último que entra é o primeiro que sai), ou seja, a última mercadoria a entrar no estoque pela compra, será a primeira a sair do estoque quando na baixa da venda, o controle do estoque fica da seguinte forma: 1o passo: Elaboração da Ficha de Controle de Estoque - UEPS FICHA DE CONTROLE DO ESTOQUE EMPRESA Cia SÓPÉ período nov/02 método: UEPS ENTRADAS SAÍDAS SALDO data qtde. vlr.unit vlr.total qtde. vlr.unit vlr.total qtde. vlr.unit vlr.total 1/nov 100 20 2000 EI 10/nov 50 18 900 100 20 2000 50 18 900 150 2900 11/nov 30 18 540 100 20 2000 20 18 360 120 2360 13/nov 20 18 360 60 20 1200 40 20 800 80 1560 40 800 18/nov 20 21 420 40 20 800 20 21 420 60 1220 25/nov 20 21 420 35 20 700 5 20 100 55 1120 5 100 EF 1320 3220 CMV Compras
  6. 6. 2o passo: Registros Contábeis pelo Método UEPS Livro Razão (razonetes) Estoque Caixa/Forncedores (EI) 2.000 540 (2) xxxx 900 (1) (1) 900 1.560 (3) 420 (4) (4) 420 1.120 (5) 3.320 3.220 (EF) 100 CMV (2) 540 (3) 1.560 (5) 1.120 3220 Pelo critério da MPM ou CMP (Média Ponderada Móvel ou Custo Médio Ponderado), o controle do estoque nas mesmas condições anteriormente descritas, fica da seguinte forma: 1o passo: Elaboração da Ficha de Controle de Estoque - MPM FICHA DE CONTROLE DO ESTOQUE EMPRESA Cia SÓPÉ período nov/02 método: MPM ENTRADAS SAÍDAS SALDO data qtde. vlr.unit vlr.total qtde. vlr.unit vlr.total qtde. vlr.unit vlr.total 1/nov 100 20 2000 EI 10/nov 50 18 900 150 19,33 2900 11/nov 30 19,33 580,00 120 19,33 2320 13/nov 80 19,33 1546,67 40 19,33 773,33 18/nov 20 21 420 60 19,89 1193,33 EF 25/nov 55 19,89 1093,89 5 19,89 99,44 1320 3220,56 Compras CMV 2o passo: Registros Contábeis pelo Método MPM Livro Razão (razonetes) Estoque Caixa/Forncedores (EI) 2.000 580,00 (2) xxxx 900 (1) (1) 900 1.546,67 (3) 420 (4) (4) 420 1093,89 (5) 3.320 3.220,56 (EF) 99,44 CMV (2) 580,00 (3) 1.546,67 (5) 1093,89 3220,56
  7. 7. Resumo de Controle de Apuração de Estoques – Cia. ATMB – dezembro/ 2006 Critério Compras CMV EF Inventário Periódico $1.320,00 $3.215,00 $105,00 Inventário Permanente PEPS ....................... $1.320,00 $3.215,00 $105,00 UEPS ...................... $1.320,00 $3.220,00 $100,00 MPM ....................... $1.320,00 $3220,56 $ 99,44 Outro reflexo importante da escolha do Inventário Permanente é o resultado do exercício apurado pela empresa no período determinado. Se por exemplo, a empresa tenha uma receita bruta total de $10.000 e impostos sobre vendas de $2.000, qual será o lucro bruto desse período para os diferentes critérios estudados? Inventário Inventário Permanente Periódico PEPS UEPS MPM Receita Bruta $10.000,00 $10.000,00 $10.000,00 $10.000,00 (-) Impostos Incidentes ($2.000,00) ($2.000,00) ($2.000,00) ($2.000,00) sobre Vendas (-) CMV ($3.215,00) ($3.215,00) ($3.220,00) ($3.220,56) (=) Lucro Bruto $4.785,00 $4.785,00 $4.780,00 $4.779,44 Referências Consultadas: CREPALDI, Silvio A. Curso básico de contabilidade de custos. São Paulo: Atlas, 1999. MARTINS, Eliseu. Contabilidade de custos. 8.ed. São Paulo: Atlas, 2001. RIBEIRO, Osni M. Contabilidade de custos fácil. 6.ed.,5.tir. São Paulo: Saraiva, 2005. Exercícios: 1. Operações realizadas durante o mês de março na Indústria de Cobertores São João S.A.:
  8. 8. - Compras de matérias-primas, à vista, da Cia. Iguá S.A., cfe. NF 781, R$ 500.000, IPI = R$ 50.000. Valor total constante da NF: R$ 550.000. - Durante o mês foram efetuados vendas de produtos à vista, no valor de R$ 800.000, cfe. NF 150. ICMS: R$ 136.000; IPI: R$ 80.000. Pede-se: a) Contabilize os fatos supra. b) Apure o saldo da conta ICMS a Recuperar, bem como os saldos das contas IPI a Recuperar com IPI a Recolher, efetuando os ajustes e apropriações necessários. 2. Operações ocorridas durante o mês de janeiro na empresa Industrial Agora Ltda.: - Compras de matérias-primas, a prazo, do fornecedor Ind. E Com. Luzes S.A., cfe. NF 450, no valor de R$ 300.000. ICMS: R$ 51.000; IPI R$ 30.000. - Vendas de produtos no mês, à vista, cfe. NF 101 a 111, no valor de R$ 140.000. IPI: R$14.000. Total NF: R$154.000. Pede-se: a) Contabilize os fatos supra no livro Diário e nos Razonetes, levando em conta que os produtos são isentos de ICMS. b) Confronte os saldos das contas IPI a Recuperar com IPI a Recolher, efetuando os ajustes e apropriações necessários, levando em conta que havia saldo devedor do mês anterior na conta IPI a Recuperar, no valor de R$ 5.000. 3. Com base nas informações de compra e venda, apurar o custo dos estoques, dos produtos vendidos e do resultado com o produto ALFA, utilizando os critérios PEPS, UEPS e Custo Médio: a. Em 04/12/2006: aquisição à vista de 100 unidades por R$ 1.000,00 com ICMS de 17%, frete de R$ 100,00 e seguro de R$ 70,00, conforme NF nº 6024. b. Em 05/12/2006: aquisição de 200 unidades por R$ 1.800,00 com ICMS de 17%, frete de R$ 250,00 e seguro de R$ 56,00. c. Em 06/12/2006 venda à vista de 250 unidades por R$ 3.500,00.

×