Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Patologia do Sistema Respiratório

84,635 views

Published on

Aula da profa. Aline Viott - UFPR - 2011

Patologia do Sistema Respiratório

  1. 1. Sistema Respiratório Prof a Aline Viott Patologia Especial
  2. 2. MORFOLOGIA TRATO RESPIRATÓRIO SUPERIOR INFERIOR Traquéia - Brônquios Bronquíolos - Pulmão Narinas à Laringe
  3. 3. MORFOLOGIA TR superior TR inferior
  4. 4. HISTOMORFOLOGIA <ul><li>TR superior </li></ul><ul><li>- Epitélio estratificado pavimentoso não queratinizado </li></ul><ul><li>TR inferior </li></ul><ul><li>Traquéia- Brônquios - Bronquíolos </li></ul><ul><li>- Epitélio pseudo estratificado ciliado com células caliciformes </li></ul><ul><li>Bronquiolos respirat – Alveolos </li></ul><ul><li>- Pneumócitos Tipo I (HEMATOSE) </li></ul><ul><li>- Pneumócitos Tipo II (Surfactante – Regeneração) </li></ul>
  5. 5. HISTOMORFOLOGIA
  6. 6. PATOLOGIA DO TRATO RESPIRATÓRIO <ul><li>VIA AERÓGENA </li></ul><ul><li>- Mais comum ( Animais de confinamento, gases irritantes NH 3 , H 2 S) </li></ul><ul><li>VIA HEMATÓGENA </li></ul>
  7. 7. MECANISMOS DE DEFESA <ul><li>Lençol Muco- ciliar </li></ul><ul><li>- Recobre toda a superfície das vias respiratórias do TR inferior com exceção dos alvéolos </li></ul><ul><li>O muco se move no sentido da laringe através do batimento dos cílios, </li></ul><ul><li>Deglutição </li></ul><ul><li>Tempo (algumas horas – traquéia/ até 24 bronquíolos) </li></ul>
  8. 8. MECANISMOS DE DEFESA <ul><li>Remoção de partículas: </li></ul><ul><li>Partículas com > 10 µm remoção completa </li></ul><ul><li>Partículas com 1 a 2µm deposita-se na junção bronquíolo- alveolar </li></ul><ul><li>ASBESTO 100µm </li></ul><ul><li>Transporte e difusão de Subst. Humorais </li></ul><ul><li>IgA – Interferon – Lizozima - Lactoferrina </li></ul>
  9. 9. ASBESTO
  10. 10. MECANISMOS DE DEFESA <ul><li>Tecido Linfóide Broncoassociado </li></ul><ul><li>Adjacentes as vias aereas </li></ul><ul><li>Linfocitos T e B (IgE, IgM, IgA, IgG) </li></ul><ul><li>BALT (“Linfoid tissue bronquiolar associated”) </li></ul>
  11. 11. MECANISMOS DE DEFESA <ul><li>Flora bacteriana Saprófita </li></ul><ul><li>Macrófagos Alveolares </li></ul><ul><li>Fontes de interferon </li></ul><ul><li>Rápida fagocitose </li></ul><ul><li>Macrófagos intersticiais e Intravasculares (pulmão) </li></ul><ul><li>5. Tosse </li></ul>
  12. 12. CAVIDADE NASAL E SEIOS PARANASAIS
  13. 13. ANOMALIAS CONGÊNITAS <ul><li>Fenda Palatina – Palatosquise </li></ul>BOV SUI Endogamia Pneumonias
  14. 14. ALTERAÇÕES DO METABOLISMO <ul><li>Amiloidose </li></ul><ul><li>- Ocorre em equinos </li></ul><ul><li>Vestíbulo nasal, porções anteriores do septo nasal e os cornetos nasais </li></ul><ul><li>Conseqüências: comprometimento da performance do cavalo e até estenose com sinais de obstrução </li></ul>
  15. 15. ALTERAÇÕES DO METABOLISMO <ul><li>Amiloidose </li></ul><ul><li>- IMAGEM </li></ul>
  16. 16. ALTERAÇÕES CIRCULATÓRIAS <ul><li>HIPEREMIA ATIVA – processos inflamatórios </li></ul><ul><li>EPISTAXE </li></ul><ul><li>Rinorragia (cavidade nasal) </li></ul><ul><li>Hemoptise (pulmão) </li></ul>
  17. 17. ALTERAÇÕES CIRCULATÓRIAS <ul><li>Causas de Epistaxe </li></ul><ul><li>TRAUMAS (sonda nasogástrica) </li></ul><ul><li>EXERCÍCIO </li></ul><ul><li>Equinos (Hemorragia pulmonar induzida por exercício) </li></ul><ul><li>75%, mas de 1 a 10% apresentam hemorragia </li></ul><ul><li>Diminuição da perfomance </li></ul>
  18. 19. ALTERAÇÕES CIRCULATÓRIAS <ul><li>Causas de Epistaxe </li></ul><ul><li>INFLAMAÇÕES: agudas ou crônicas com erosão. Micoses nas bolsas guturais (equinos) </li></ul><ul><li>4. NEOPLASIAS </li></ul><ul><li>5. DIATESES HEMORRÁGICAS </li></ul><ul><li>Trombocitopenias (erliquiose) </li></ul><ul><li>Defc de VTM K </li></ul><ul><li>Intoxicação por dicumarinicos (warfarin) </li></ul><ul><li>Intox aguda por samambaia (bov) </li></ul><ul><li>Septicemias </li></ul>
  19. 20. Rinorragia
  20. 21. ALTERAÇÕES INFLAMATÓRIAS <ul><li>RINITE </li></ul><ul><li>Processo inflamatório da mucosa nasal </li></ul><ul><li>Fatores predisponentes </li></ul><ul><li>Gases (amônia) </li></ul><ul><li>Poeira </li></ul><ul><li>Baixa Umidade do ar </li></ul><ul><li>CONSEQUENCIAS </li></ul><ul><li>Discretas – Broncopneumonia aspirativa – Tromboflebite intracranial – Abscessos e Meningites por continuidade </li></ul>
  21. 22. Patologia da Cavidade Nasal e Seios Faciais Alterações Inflamatórias RINITES <ul><li>bov, cão, gato e cavalo </li></ul>Cryptococcus neoformans Pneumocystis carinii Fungos Poeira Pólen Ácaros Insetos Corantes Outros Alérgenos Adenovírus Morbillivirus 1 Influenza virus Virais Pasteurella spp Bordetella bronchiseptica Bacterianas
  22. 23. ALTERAÇÕES INFLAMATÓRIAS <ul><li>Classificação quanto ao curso </li></ul><ul><li>AGUDAS </li></ul><ul><li>CRÔNICAS (proliferativas – polipos nasais) </li></ul><ul><li>CRÔNICO - ATIVAS </li></ul>
  23. 24. ALTERAÇÕES INFLAMATÓRIAS <ul><li>Classificação quanto ao exsudato </li></ul><ul><li>- SEROSA (translúcido e liquido com poucas céls inflamt e epiteliais. Predispoem infec bacterianas) </li></ul>
  24. 25. ALTERAÇÕES INFLAMATÓRIAS <ul><li>Classificação quanto ao exsudato </li></ul><ul><li>CATARRAL (aspecto mais viscoso rico em muco) </li></ul><ul><li>CATARRAL-PURULENTA ou muco purulenta: maior concentração de leucocitos. </li></ul><ul><li>EX. Cinomose </li></ul>
  25. 26. ALTERAÇÕES INFLAMATÓRIAS <ul><li>Classificação quanto ao exsudato </li></ul><ul><li>PURULENTA ( grande quantidade de neutrofilos e céls epiteliais descamadas, geralmente associada a infec bacterianas. Pode haver ulceração da mucosa) </li></ul><ul><li>Ex. garrotilho S. equi </li></ul><ul><li>HEMORRÁGICA </li></ul><ul><li>FIBRINOSA ( pseudodifterica que corresponde a uma placa de fibrina que contem restos de céls e tecidos aderidos a mucosa integra) </li></ul><ul><li>EX. Rinotraqueite infeciosa bovina (HVB-1) </li></ul>
  26. 27. ALTERAÇÕES INFLAMATÓRIAS <ul><li>IMAGEM HVB-1 </li></ul>PURULENTA CATARRAL - PURULENTA Fibrinosa pseudo difterica
  27. 28. ALTERAÇÕES INFLAMATÓRIAS <ul><li>Classificação quanto ao exsudato </li></ul><ul><li>FIBRINO-NECROTICA ( semelhante a fibrinosa mas com ulceração da mucosa) </li></ul><ul><li>EX. Difteria dos bezerros F. necrophorum </li></ul><ul><li>- GRANULOMATOSA ( processo inflamatório crônico, geralmente associado a fibrose. Evolução de processos persistentes) Ex. rinosporidiose, aspergilose, criptococose, tuberculose. </li></ul>
  28. 29. ALTERAÇÕES INFLAMATÓRIAS <ul><li>F. necrophorum imagem </li></ul>FIBRINO-NECROTICA F. Necrophorum
  29. 30. ALTERAÇÕES INFLAMATÓRIAS Principais doenças que cursam com Rinite <ul><li>RINITE VIRAL DOS SUÍNOS </li></ul><ul><li>“ Rinite por corpúsculo de inclusão” </li></ul><ul><li>Citomegalovírus (hespesvirus) </li></ul><ul><li>Leitões 1 a 5 semanas </li></ul><ul><li>Causa inflamação seromucosa </li></ul><ul><li>Alta MORB e Baixa MORT </li></ul><ul><li>Porcas gestantes podem apresentar mumificação fetal e natimortalidade </li></ul><ul><li>MICRO: grandes CI intranucleares basofilicos. </li></ul>
  30. 31. <ul><li>RINITE VIRAL DOS SUÍNOS </li></ul><ul><li>imagem </li></ul>Rinite por corpúsculo de inclusão
  31. 32. ALTERAÇÕES INFLAMATÓRIAS Principais doenças que cursam com Rinite <ul><li>RINITE ATROFICA DOS SUÍNOS </li></ul><ul><li>Multifatorial </li></ul><ul><li>Assoc da P. multocida (tox. D) e B. bronchiseptica </li></ul><ul><li>Rinite por CI, gases nocivos, defc. de Ca </li></ul><ul><li>Predispoem a pneumonias, bx conversão, refugos </li></ul><ul><li>MACRO: atrofia das conchas nasais, desvio, encurtamento, assimetria, epifóra. </li></ul>
  32. 34. Grau 0 Grau 1 Grau 2 Grau 3
  33. 35. Grau de Rinite Atrófica Suína (Segundo Müller e Abbott, 1986)
  34. 37. ALTERAÇÕES INFLAMATÓRIAS Principais doenças que cursam com Rinite <ul><li>RINOTRAQUEITE INFECCIOSA BOVINA (IBR) </li></ul><ul><li>HVB-1 (HVB 1.1 inflamação do TRSup e aborto; HVB 1.2ª/b vulvovaginite pustular e aborto </li></ul><ul><li>Confinamento, alta densidade populacional </li></ul><ul><li>HV equino 1 (rinopneumonite viral inflam do TRsup e aborto) </li></ul><ul><li>HV felino 1 ( rinite e conjuntivite assoc ao calicivirus felino) </li></ul>
  35. 38. MACRO: rinotraqueite sero mucosa as vezes conjuntivite. Casos graves exsudato mucopurulento, erosões, ulcerações. Pode afetar nasofaringe, laringe e traquéia
  36. 39. ALTERAÇÕES INFLAMATÓRIAS Principais doenças que cursam com Rinite <ul><li>GARROTILHO </li></ul><ul><li>Contagiosa S. equi subs zooepidermicus </li></ul><ul><li>Inflam do TR sup com abscedação dos linfonodos regionais </li></ul><ul><li>Aderência e internalização do patogeno em céls epiteliais </li></ul><ul><li>Febre, tosse, descarga purulenta nasal,otites por extensão, lesões em nervos cranianos (VII, IX, X, XI e XII) </li></ul>
  37. 40. MACRO: empiema assoc a linfoadenomegalia local
  38. 41. ALTERAÇÕES INFLAMATÓRIAS Principais doenças que cursam com Rinite <ul><li>MORMO </li></ul><ul><li>Doença de equideos </li></ul><ul><li>Burkholderia mallei </li></ul><ul><li>MACRO: lesões nodulares e ulcerativas na mucosa nasal e pele e nódulos granulomatosos no pulmão </li></ul>
  39. 42. ALTERAÇÕES INFLAMATÓRIAS Principais doenças que cursam com Rinite <ul><li>CRIPTOCOCOSE </li></ul><ul><li>Comum em felinos “nariz de palhaço” </li></ul><ul><li>Cryptococos neoformans </li></ul><ul><li>MACRO: nódulos polipoides ou massas difusas </li></ul><ul><li>RINOSPORIDIOSE </li></ul><ul><li>Rinosporidium seeberi </li></ul><ul><li>Polipos unicos ou bilaterais pedunculados </li></ul><ul><li>Aspecto de couve-flor </li></ul>
  40. 44. ALTERAÇÕES INFLAMATÓRIAS Sinusite <ul><li>SINUSITE </li></ul><ul><li>Inflamação dos seios paranasais </li></ul><ul><li>Dificilmente é detectada clinicamente, a não ser que haja deformidade da face ou formação de fistulas nos ossos ou pele </li></ul><ul><li>CONSEQUENCIAS: Mucocele </li></ul><ul><li>Empiema </li></ul><ul><li>Meningite </li></ul>
  41. 45. ALTERAÇÕES INFLAMATÓRIAS Sinusite <ul><li>SINUSITE </li></ul><ul><li>CAUSAS </li></ul><ul><li>RINITE oclusão da drenagem dos seios paranasais </li></ul><ul><li>LARVAS DE OESTRUS OVIS </li></ul><ul><li>PERIODONTITES comum em equinos </li></ul><ul><li>DESCORNA E FRATURAS DE OSSOS DO CRÂNIO </li></ul>
  42. 48. NEOPLASIAS DA CAVIDADE NASAL E SEIOS PARANASAIS <ul><li>EPITELIAIS </li></ul><ul><li>CARCINOMAS DE CÉLS ESCAMOSAS </li></ul><ul><li>Felinos e equinos </li></ul><ul><li>Origem no seio maxilar </li></ul><ul><li>TUMOR ETMOIDAL ENZOOTICO </li></ul><ul><li>Ovinos, caprinos e bovinos </li></ul><ul><li>Adenocarcinoma </li></ul><ul><li>Causa desconhecida (Retrovirus ?) </li></ul>
  43. 49. NEOPLASIAS DA CAVIDADE NASAL E SEIOS PARANASAIS MACRO: origem na região etmoidal, massas amareladas, flácidas, friaveis e fétidas que destroem as estruturas adjacentes
  44. 50. NEOPLASIAS DA CAVIDADE NASAL E SEIOS PARANASAIS <ul><li>Mesenquimais </li></ul><ul><li>Fibromas /Fibrossarcomas ( Mais frequentes) </li></ul><ul><li>Condromas/Condrossarcomas </li></ul><ul><li>Osteoma (bovinos e equinos)/Osteossarcomas (cães, gatos) </li></ul>
  45. 51. FARINGE E BOLSAS GUTURAIS
  46. 52. Alterações Inflamatórias <ul><li>Garrotilho </li></ul><ul><li>Faringite crônica dos equinos com hiperplasia linfóide </li></ul><ul><li>Na jovens <5 anos </li></ul><ul><li>PSI </li></ul><ul><li>S. zooepidermicos </li></ul><ul><li>Sem sinais clínicos (bx rendimento) </li></ul>
  47. 55. LARINGE E TRAQUEIA
  48. 56. ALTERAÇÕES CONGÊNITAS Laringe e Traquéia <ul><li>COLAPSO TRAQUEAL </li></ul><ul><li>Achatamento dorso ventral dos arcos traqueais, </li></ul><ul><li>Cães miniaturas </li></ul>
  49. 57. <ul><li>HEMIPLEGIA LARINGEA EQUINA </li></ul><ul><li>- Paralisia da laringe </li></ul><ul><li>- É uma doença característica de eqüinos </li></ul><ul><li>- Caracterizada por uma lesão no nervo laringo-recurrente, devido a um traumatismo ou compressão </li></ul><ul><li>Doença do cavalo roncador </li></ul>ALTERAÇÕES DEGENERATIVAS Laringe e Traquéia
  50. 58. Lesão no N. Laringo-recurrente Perda local de inervação Atrofia muscular (m. cricoaritenoideo) Prolapso da corda vocal Na maioria dos casos, do lado esquerdo! Causa: trauma(?), compressão(?)
  51. 59. Hemiplegia Laringeana Eqüina
  52. 60. Hemiplegia Laringeana Eqüina
  53. 61. <ul><li>Edema </li></ul><ul><li>Anafilaxia (Hipersensibilidade do tipo I) </li></ul><ul><li>Alergenos – MASTOCITOS - histamina </li></ul>ALTERAÇÕES CIRCULATÓRIAS Laringe e Traquéia
  54. 62. BRÔNQUIOS E BRONQUIOLOS
  55. 63. BRÔNQUIOS E BRONQUIOLOS <ul><li>CORPOS ESTRANHOS </li></ul><ul><li>Materiais solidos (madeira, espinhos, espigas de trigo, capim etc) </li></ul><ul><li>Poeiras </li></ul><ul><li>Sangue (abate) </li></ul><ul><li>Conteudo estomacal e ruminal </li></ul><ul><li>Conseqüências: Bronquites, bronquiolites e Pneumonias </li></ul>
  56. 64. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica Sinônimos: Bronquite/Bronquiolite Crônica Enfisema Pulmonar Crônico Obstrução Recorrente de Vias Aéreas BRÔNQUIOS E BRONQUIOLOS
  57. 66. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica
  58. 67. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica
  59. 68. <ul><li>TRAQUEOBRONQUITE INFECCIOSA DOS CAES </li></ul><ul><li>“ Tosse dos canis” </li></ul><ul><li>Etiologia complexa: </li></ul><ul><li>Parainfluenza tipo II </li></ul><ul><li>Adenovirus Canino tipo II </li></ul><ul><li>Cinomose </li></ul><ul><li>Bordetella bronchiseptica </li></ul><ul><li>Baixa letalidade </li></ul><ul><li>Tosse seca </li></ul><ul><li>Predisposição a broncopneumonias em filhotes </li></ul>BRÔNQUIOS E BRONQUIOLOS Alterações Inflamatórias
  60. 70. <ul><li>Classificação de exsudato segue o das rinites </li></ul><ul><li>CONSEQUENCIAS </li></ul><ul><li>- Broncopneumonias </li></ul><ul><li>Broncoestenose </li></ul><ul><li>Bronquiectasia </li></ul><ul><li>Insuficiência respiratória </li></ul>BRÔNQUIOS E BRONQUIOLOS Alterações Inflamatórias
  61. 71. <ul><li>BROCOESTENOSE </li></ul><ul><li>Estreitamento do Lúmen bronquial </li></ul><ul><li>ETIOLOGIAS </li></ul><ul><li>Bronquites </li></ul><ul><li>Compressões externas (linfon, neoplasias) </li></ul><ul><li>Contração da musculatura lisa (parasitas pulmonares) </li></ul>BRÔNQUIOS E BRONQUIOLOS Alterações Diâmetro ATELECTASIA ENFISEMA
  62. 72. <ul><li>BRONQUIECTASIA </li></ul><ul><li>Dilatação do Lúmen bronquial - BOV </li></ul><ul><li>CAUSAS </li></ul><ul><li>- Acumulo de exsudato no lúmen com enfraquecimento ou destruição da parede bronquial </li></ul>BRÔNQUIOS E BRONQUIOLOS Alterações Diâmetro ATELECTASIA PIOTORAX Broncopneumonia
  63. 73. PULMÕES
  64. 74. Pulmões Alterações post morten <ul><li>Hipostase </li></ul>
  65. 75. Pulmões Pigmentação Anormal <ul><li>MELANOSE – Acumulo de pigmento endogeno “tabuleiro de xadrez” </li></ul>
  66. 76. Pulmões ANTRACOSE <ul><li>ANTRACOSE – Particulas de carvão </li></ul><ul><li>- Pigmento endogeno </li></ul><ul><li>- Grandes áreas urbanas </li></ul><ul><li>- Envolvimento dos linfonodos </li></ul>
  67. 77. Pulmões ANTRACOSE
  68. 78. Pulmão Alterações do conteúdo de ar nos pulmões <ul><li>ATELECTASIA </li></ul><ul><li>Expansão incompleta do pulmão </li></ul><ul><li>LOCALIZADA GENERALIZADA </li></ul><ul><li>* Congênita </li></ul><ul><li>* Adquirida </li></ul>
  69. 79. Pulmão Alterações do conteúdo de ar nos pulmões <ul><li>ATELECTASIA CONGÊNITA </li></ul><ul><li>Natimorto </li></ul><ul><li>Neonatos com movimentos respiratórios fracos </li></ul><ul><li>FOCAL </li></ul><ul><li>MULTIFOCAL </li></ul><ul><li>GENERALIZADA </li></ul>
  70. 80. MACROSCOPIA
  71. 81. Pulmão Alterações do conteúdo de ar nos pulmões <ul><li>ATELECTASIA ADQUIRIDA </li></ul><ul><li>Obstrução </li></ul><ul><li>Compressão do parênquima pulmonar </li></ul><ul><li>FOCAL - neoplasias </li></ul><ul><li>MULTIFOCAL – Broncoestenose </li></ul><ul><li>GENERALIZADA - Pneumotorax </li></ul>
  72. 82. <ul><li>MACRO: </li></ul><ul><li>Área afetada é deprimida com coloração vermelho escura </li></ul>
  73. 83. <ul><li>ENFISEMA </li></ul><ul><li>“ Distensão excessiva e anormal dos alvéolos associado a destruição de paredes alveolares o que caracteriza o excesso de ar nos pulmões” </li></ul><ul><li>PRIMARIO - homem </li></ul><ul><li>SECUNDÁRIO – an. Domésticos </li></ul><ul><li>Alveolar </li></ul><ul><li>Intersticial </li></ul>Pulmão Alterações do conteúdo de ar nos pulmões
  74. 84. Pulmão Alterações do conteúdo de ar nos pulmões <ul><li>ENFISEMA ALVEOLAR </li></ul><ul><li>- Obstrução parcial </li></ul><ul><li>- Comum em animais velhos </li></ul><ul><li>Inspiração – ATIVA </li></ul><ul><li>Expiração – PASSIVA </li></ul><ul><li>MACRO: área aumentada de volume, hipercrepitante, consistência fofa </li></ul>Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - Equinos
  75. 86. Pulmão Alterações do conteúdo de ar nos pulmões <ul><li>ENFISEMA INTERSTICIAL </li></ul><ul><li>- Acumulo de ar nos septos intersticiais </li></ul><ul><li>- Espécies com pulmões septados (Bovinos) </li></ul><ul><li>- Morte agônica (esforço da respiração) </li></ul><ul><li>MACRO: Bolhas de ar nos septos intersticiais (Tipo rosário) </li></ul>
  76. 88. Pulmão Alterações Circulatórias <ul><li>CONGESTÃO PASSIVA </li></ul><ul><li>- ICC esquerda </li></ul><ul><li>- Edema pulmonar grave </li></ul><ul><li>- Células da falha cardiaca </li></ul>
  77. 89. Patogenia da ICE: Coração Esquerdo Insuficiente Miocárdio – Vál. Mitral Congestão Pulmonar  Pressão Hidrostática EDEMA PULMONAR
  78. 90. Congestão e Edema pulmonar
  79. 91. Células da Falha Cardíaca
  80. 92. Pulmão Alterações Circulatórias <ul><li>EDEMA PULMONAR </li></ul><ul><li>- Acumulo de liquido nos alveolos pulmonares proveniente dos vasos sanguineos </li></ul><ul><li>CAUSAS </li></ul>
  81. 93. Pulmão Alterações Circulatórias <ul><li>↑ da Pressão hidrostática </li></ul><ul><li>Edema Cardiogênico </li></ul><ul><li>Hipervolemia </li></ul><ul><li>Edema neurogênico – Lesão do hipotálamo com vaso constrição periférica </li></ul>
  82. 94. Pulmão Alterações Circulatórias <ul><li>↑ da Permeabilidade Vascular </li></ul><ul><li>Inalação de gases corrosivos </li></ul><ul><li>Toxemia </li></ul><ul><li>Pneumonias (inflamação) </li></ul>
  83. 95. Pulmão Alterações Circulatórias <ul><li>↓ da Pressão oncotica </li></ul><ul><li>Hipoalbuminemia </li></ul><ul><li>Hepatopatias, nefropatias e enteropatias </li></ul><ul><li>Obstrução linfática (rara) </li></ul><ul><li>a) Linfadenites, linfossarcomas </li></ul>
  84. 97. MACRO E MICROSCOPIA
  85. 98. Pulmão Alterações Circulatórias <ul><li>HEMORRAGIA – Septicemias, rupturas de aneurisma, traumas migração de larvas </li></ul>Suíno – SALMONELLA CHOLERASUIS
  86. 99. PULMÕES - ALTERAÇÕES INFLAMATÓRIAS <ul><li>PNEUMONIA </li></ul><ul><li>Classificação </li></ul><ul><li>Quanto ao curso: </li></ul><ul><li>Superaguda, aguda, subaguda, crônica </li></ul><ul><li>Quanto ao exsudato </li></ul><ul><li>Catarral, fibrinoso, purulenta, hemorrágica, necrotica, granulomatosa </li></ul><ul><li>- Quanto ao local de inicio do processo </li></ul>BRONCOPNEUMONIA – que se inicia na junção bronquíolo alveolar PNEUMONIA LOBAR – também se inicia na junção bronquíolo alveolar, porém com evolução rápida PNEUMONIA INTERSTICIAL – que se inicia no interstício
  87. 100. BRONCOPNEUMONIA <ul><li>Via de infecção </li></ul><ul><li>AEROGÊNA </li></ul><ul><li>Localização – Crânio Ventral </li></ul><ul><li>Maior turbilhonamento do ar </li></ul><ul><li>Gravidade </li></ul>
  88. 101. BRONCOPNEUMONIA <ul><li>FATORES PREDISPONENTES </li></ul><ul><li>a) Agrupamento de animais – diferentes origens, diferentes status imunitários, maior pressão de infecção; </li></ul><ul><li>b) Comprometimento das defesas pulmonares </li></ul><ul><li>Desidratação </li></ul><ul><li>Frio excessivo </li></ul><ul><li>Infecções virais </li></ul><ul><li>Gases tóxicos (NH 3 , H 2 S) </li></ul><ul><li>Doenças crônicas no pulmão </li></ul><ul><li>An muito jovens ou senis </li></ul><ul><li>Inanição </li></ul>
  89. 102. BRONCOPNEUMONIA CAUSAS Mannheimia haemolytica - Corynebacterium pyogenes-Parainfluenza 3 P.multocida - B. bronchiseptica S.choleraesuis – M.pneumoniae B.bronchiseptica – Klebsiella sp – Streptococcus sp – Staphylococcus sp – E. coli - Cinomose Streptococcus sp – Rhodococcus equi Micoplasma gallisepticum- Newcastle – Bronquite infecciosa – Aspergillus fumigatus
  90. 103. <ul><li>Consolidação ou hepatização pulmonar e ao corte flui exsudato (purulento, muco-purulento) </li></ul><ul><li>FASES </li></ul><ul><li>Congestão </li></ul><ul><li>Hepatização vermelha </li></ul><ul><li>Hepatização Cinzenta </li></ul><ul><li>Resolução (Regeneração) </li></ul>BRONCOPNEUMONIA MACROSCOPIA
  91. 104. FASE DE CONGESTÃO
  92. 105. FASE DE HEPATIZAÇÃO VERMELHA Pneumonia enzootica suína
  93. 106. FASE DE HEPATIZAÇÃO CINZENTA
  94. 107. BRONCOPNEUMONIA Problemas na fase de resolução <ul><li>Aderência </li></ul><ul><li>Atelectasia </li></ul><ul><li>Bronquiectasia </li></ul><ul><li>Abscessos </li></ul><ul><li>Pleurites </li></ul>
  95. 108. BRONCOPNEUMONIA Problemas na fase de resolução ADERÊNCIA
  96. 109. BRONQUIECTASIA
  97. 110. PLEURITE
  98. 112. PNEUMONIA LOBAR <ul><li>Semelhante a broncopneumonia mas, a evolução é mais rápida e o processo é mais extenso. Um lobo ou um hemiorgão inteiramente afetado </li></ul><ul><li>Curso </li></ul><ul><li>Superagudo Agudo </li></ul><ul><li>Exsudato </li></ul><ul><li>Fibrinoso , fibrinopurulento, necro hemorragico </li></ul>BOVINO STRESS - FEBRE DO TRANSPORTE ( M. haemolitica )
  99. 113. PNEUMONIA LOBAR
  100. 114. <ul><li>Foto do gato e coelho </li></ul>
  101. 116. PNEUMONIA LOBAR Complicações <ul><li>São muito frequentes e mais letais que na bronquiopneumonia </li></ul><ul><li>Formação de abscessos disseminados </li></ul><ul><li>Pericardite, peritonite </li></ul><ul><li>Endocardite </li></ul><ul><li>Poliartrite, meningite </li></ul><ul><li>Toxemia e MORTE </li></ul>
  102. 117. PNEUMONIA LOBAR CAUSAS Mannheimia haemolytica Actinobacillus pleuropneumoniae Streptococcus sp Pasteurella multocida
  103. 118. PERICARDITE ABSCESSOS
  104. 119. PNEUMONIA INTERSTICIAL <ul><li>Inicio do processo é nos septos alveolares </li></ul><ul><li>Via Hematogena </li></ul><ul><li>O curso é geralmente crônico </li></ul>
  105. 120. PNEUMONIA INTERSTICIAL Causas <ul><li>INFECCIOSAS </li></ul><ul><li>Viremias, septicemias e parasitemias </li></ul><ul><li>Vírus da cinomose </li></ul><ul><li>Peritonite infecciosa felina </li></ul><ul><li>Salmonelose septicemica (leitões e bov) </li></ul><ul><li>Toxoplasmose </li></ul><ul><li>Migração de larvas de A. suum </li></ul><ul><li>Químicas </li></ul><ul><li>Fumaça </li></ul><ul><li>Toximas endógenas </li></ul><ul><li>Metabolitos urémicos </li></ul><ul><li>Acidose metabolica </li></ul><ul><li>Casos de pancreatite </li></ul>
  106. 121. PNEUMONIA INTERSTICIAL MACRO <ul><li>Consolidação difusa em todo o pulmão principalmente nas porções dorso caudais, consistência elástica. “Pulmão inflado” Impressão das costelas. </li></ul><ul><li>MICRO: presença de células inflamatorias nos septos interalveolares. Lesão predominantemente proliferativa </li></ul>
  107. 123. PNEUMONIA GRANULOMATOSA <ul><li>Doença mais relacionada é a Tuberculose </li></ul><ul><li>Aspergillus sp., Histoplasma capsulatum </li></ul><ul><li>Via broncogênica inicia na junção bronquiolo alveolar </li></ul><ul><li>Bov </li></ul><ul><li>M. bovis; M. tuberculosis. M. avium </li></ul>
  108. 124. Prevalência da Tuberculose Bovina no Brasil determinada através da prova da tuberculina LANGENEGGER, J. et al. Tratamento massal da tuberculose bovina com isoniazida. Pesquisa Veterinária Brasileira . v.11, p.21-23, 1991. Rio Grande do Norte 409 em 932 (43,9%) COELHO, H.E. et al. Tuberculose em bovinos diagnosticada em Uberlândia-MG durante 10 anos (1986-1995). Higiene Alimentar . v.11, p.9-10, 1997. Minas Gerais 65 em 1.131 (5,0%) WANDERLEY, M.S. Produtores e técnicos controlam tuberculose e deixam lição de como enfrentá-la. Balde Branco . p.38-41, janeiro, 1998. São Paulo 4.388 em 6.770 (64,8%) LILENBAUN, W. et al. Tuberculose bovina. Prevalência e estudo epidemiológico em treze propriedades de diferentes sistemas de produção na região dos lagos do Estado do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Medicina Veterinária . v.20, p.120-123, 1998. Rio de Janeiro 207 em 1.632 (12,7%) LEITE, R.M.H. & LAGE, A.P. Controle da tuberculose bovina em bovinos da raça Sindi pelo tratamento com isoniazida: avaliação e análise de custo. Ciências Veterinárias nos Trópicos . v.2, p.21-28, 1999. Paraíba 27 em 107 (25,2%)
  109. 125. A Tuberculose como Zoonose 2,9 milhões óbitos/ano
  110. 126. Necrose caseosa
  111. 129. Pneumonia Trombo-Embolica <ul><li>Consequência da fixação de trombos septicos proveniente de processos infecciosos em outros órgãos </li></ul><ul><li>Bovinos, suínos e caninos </li></ul><ul><li>Causas: endocardite, linfadenite caseosa, </li></ul>
  112. 132. Classificação das Pneumonias Tipo Porta de entrada Distribuição das Lesões Consistência do pulmão Broncopneumonia aerógena Consolidação Crânio- ventral firmes Lobar aerógena Consolidação Crânio- ventral firmes Intersticial Hemátogena Principalmente Consolidação difusa (+ lobos caudais) elástica Granulomatosa Aerógena ou Hematógena Focal ou Multifocal firmes nos granulomas Embólica Hematógena Focal ou Multifocal Dependente do êmbolo
  113. 133. Pneumonias Especiais Pneumonia por ASPIRAÇÃO <ul><li>Grande quantidade de material (liquido) é aspirado e atinge o parênquima pulmonar, </li></ul><ul><li>Patogenicidade do processo depende </li></ul><ul><li>Natureza do material (+ ou – irritativo) </li></ul><ul><li>Grau de patogenicidade (+ ou – bact) </li></ul><ul><li>Distribuição e quantidade de material aspirado </li></ul><ul><li>Broncopneumonia - Pn Lobar – Pn Grangrenosa </li></ul>
  114. 134. Pneumonias Especiais Pneumonia por ASPIRAÇÃO <ul><li>Aspiração de leite (bezerros aliment por balde) </li></ul><ul><li>Aspiração de liquido ruminal </li></ul><ul><li>Aspiração de Exsudato (rinites, traqueites) </li></ul><ul><li>Vômito – morte por espasmo laringo traqueal </li></ul><ul><li>Aspiração de material oleoso (óleo mineral não induz reflexo da tosse) </li></ul>
  115. 137. Pneumonias Especiais Pneumonia HIPOSTATICA <ul><li>Decúbito lateral prolongado </li></ul><ul><li>Congestão hipostatica -> ↑PH -> Edema -> </li></ul><ul><li>↓ Defesas locais ->Infecção por bacterias do TRSuperior </li></ul><ul><li>O hemiórgão como um todo é afetado </li></ul>
  116. 139. Pneumonias Especiais Pneumonia UREMICA <ul><li>Casos de uremia grave </li></ul><ul><li>Pulmão de “pedra pome” </li></ul><ul><li>Mineralização pulmonar </li></ul>
  117. 140. Pneumonias Especiais Pneumonia VERMINOTICA <ul><li>Cursam com consolidação pulmonar e normalmente se localizam nas porções caudais do pulmão </li></ul><ul><li>Tecido lesado pelo parasita sofre infecção bacteriana secundária </li></ul>
  118. 141. Pneumonias Especiais Pneumonia VERMINOTICA <ul><li>BOVINO </li></ul><ul><li>Dictyocaulus viviparus </li></ul><ul><li>EQUIDEOS Dictyolcaulus arnifield </li></ul><ul><li>SUÍNOS </li></ul><ul><li>Metastrongylus salmi </li></ul><ul><li>CANINOS </li></ul><ul><li>Olerus osleris – Crenosoma vulpis </li></ul><ul><li>FELINOS </li></ul><ul><li>Aelurostrongylus abstrusus </li></ul>
  119. 142. Pneumonias Especiais Pneumonia VERMINOTICA Dictyocaulus viviparus
  120. 143. Aelurostrongylus abstrusus
  121. 144. NEOPLASIAS PULMONARES <ul><li>PRIMARIAS </li></ul><ul><li>Cães e gatos senis </li></ul><ul><li>Carcinoma bronquiolo alveolar </li></ul>
  122. 145. NEOPLASIAS PULMONARES <ul><li>SECUNDÀRIAS </li></ul><ul><li>Metastases – Via hematogena </li></ul><ul><li>Tumores de mama – melanoma – hemangiossarcoma - hepatocarcinoma </li></ul>
  123. 147. PLEURA E CAVIDADE TORACICA
  124. 148. Alterações degenerativas <ul><li>MINERALIZAÇÃO DA PLEURA </li></ul><ul><li>- uremia </li></ul><ul><li>Plantas calcinogenicas </li></ul><ul><li>Solanum malacoxylom </li></ul>
  125. 149. PNEUMOTORAX <ul><li>Acumulo de ar dentro da cavidade toracica </li></ul><ul><li>Perda da pressão negativa </li></ul><ul><li>Causas </li></ul><ul><li>Traumatica </li></ul><ul><li>Espontanea (raros – rupturas de bronquios e bronquiolos por alguma patologia) </li></ul>
  126. 151. HERNIA DIAFRAGMATICA
  127. 152. Efusões pleurais não inflamatórias <ul><li>HIDROTORAX </li></ul><ul><li>Edema na cavidade toracica </li></ul><ul><li>ICCdir, hipoproteinemia </li></ul><ul><li>Obstrução linfatica </li></ul><ul><li>Anemia </li></ul><ul><li>Neoplasias </li></ul><ul><li>CAUSAS: atelectasia compressiva (insuficiência respiratória) </li></ul>
  128. 154. Efusões pleurais não inflamatórias <ul><li>HEMOTORAX </li></ul><ul><li>Traumatismos </li></ul><ul><li>Erosão de vasos por neoplasias </li></ul><ul><li>Aneurismas </li></ul><ul><li>Defeitos na coagulação </li></ul><ul><li>CAUSAS: atelectasia compressiva </li></ul>
  129. 156. Efusões pleurais não inflamatórias <ul><li>QUILOTORAX </li></ul><ul><li>- Acumulo de linfa </li></ul><ul><li>Aspecto de leite </li></ul><ul><li>Causa: ruptura do ducto toracico </li></ul><ul><li>Neoplasias – traumatismos – Tosse severa </li></ul>
  130. 158. PLEURITE <ul><li>Vias de acesso </li></ul><ul><li>Extensão de pneumonias </li></ul><ul><li>hematogênica </li></ul><ul><li>linfática </li></ul><ul><li>Penetração traumática </li></ul><ul><li>Ruptura de abscessos </li></ul><ul><li>Esofagites </li></ul>PIOTORAX – acumulo de exsudato purulento na cavidade torácica
  131. 160. PLEURITE <ul><li>Agentes primarios </li></ul><ul><li>*Felinos – PIF (coronavirus) </li></ul><ul><li>*Cães e gatos – Nocardia, Actinomyces, Bacterioides </li></ul><ul><li>*Equinos – Nocardia </li></ul><ul><li>*Bovinos (fetos) – Brucela abortus </li></ul>
  132. 161. NOCARDIA sp.
  133. 162. NEOPLASIAS <ul><li>MESOTELIOMA (rara) </li></ul><ul><li>Pode ser observada em todos os animais domésticos – Cav toracica e abdominal </li></ul>
  134. 163. FELIZ PÁSCOA E BOM FERIADO!!!

×