Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Resumo para prova direito civil 1

  • Login to see the comments

Resumo para prova direito civil 1

  1. 1. Resumo para prova: Direito CivilMOMENTO HISTORICO:1824 – Constituição Federal1858 – Teixeira de Freitas apresenta esboço do Código Civil1900 – Clovis Bevilaqua atualiza esboço de TeixeiraCodificação do Código:Código de 1916 – aprovado e em 1917 – exigido em todo país.Constitucionalização do Direito Civil.Código civil de 2002 – novo código civil.primeira faculdade de direito do Brasil: São Paulo 1828começou pensamento abolicionista com Libero Badaró, Júlio Frank e Castro Alves:fruto do pensamento liberalista introduzido na faculdade de direito.1858 – Teixeira de Freitas (politico e jurista) esboço do cód. Civil1900 – Clovis Bevilaqua reforma o cód. De Teixeira que foi aprovado em 1916(CONTRATUAL/ PATRIMONIALISTA)1916: primeiro cód. Civil brasileiro era estritamente patrimonialista – tudo deveria sercumprido ou perdia-se tudo. Não havia características humanistas. O contrato ouacordo deveria ser cumprido a todo custo e nada servia de desculpas para o nãocumprimento. – código defasado.novo código aprovado em 2002 – princípios humanizados da CF. começou em 1967,finalizou em 1975 e só aprovou em 2002 – grande influencia da const. De 1988.PRINCIPIO DA ETICIDADE (ética) e PRINCIPIO DA SOCIALIDADE (função social) – regemo direito civil.DA PESSOA:art 1º: toda pessoa é sujeito de dtos e deveres na ordem civil. (pessoa natural e jurídica)art 2º: a personalidade da pessoa começa do nascimento com vida, mas a lei poe a salvo desdea concepção os dtos do nascituro (aquele que está prestes a nescer).PERSONALIDADE: É A APTIDÃO DE ADQUIRIR DTOS E CONTRAIR OBRIGAÇÕES DAORDEM CIVIL. Corrente natalista (marjoritária): personalidade = nascimento com vida Concepcionista ou concepcionalista: tem personalidade desde a concepção.PERSONALIDADE = capacidade de direito (dever/ obrigação/ direitos)Capacidade Plena: 18 anos completosCapacidade de direito: o que está na lei De fato/ de exercício: aptidão de exercer por si só os atos da vida civil. Específica ou legitimação: capacidade específica para resolver negócio jurídico.Absolutamente incapaz (art. 3º): menores de 16 anos, deficiência mental, interdição,coma, derrame (precisa de representante).Relativamente incapaz (art. 4º): maiores de 16 e menores de 18 anos. Tem um certodiscernimento mais ainda precisam de assistência (precisa de assistente).Curador – maior de idadeTutor – menor de idade (nomeado por juiz)
  2. 2. Emancipação (art. 5º): é a antecipação da maioridade civil. Voluntária Judicial LegalO menor é o bem mais valioso do Estado.Pelo casamento - emancipação – só pode casar após os 16 anos com autorização dos pais.Pais voluntariamente junto com o menor = não precisa passar pelo juiz para homologação.Litígio (briga, falta de bom senso) = deixa de ser voluntária e passar a ser emancipação judicial,onde o Estado entra como juiz para defender a necessidade e o melhor para o menor.Legal – advém da lei.Segurança jurídica – casar e depois divorciar – continua emancipado.Morte presumida (art. 6º): não tem morte declarada por profissional de saúde.EX: acidente de avião. Tem se uma ação onde se declara a morte (juiz) Extremamente provável Desaparecido em campanha ou guerra após 2 anos do término da mesma(buscas constantes)Comoriência (art.8º): morte simultânea. Quando duas pessoas morrem ao mesmotempo e não se tem como prever quem morreu primeiro (ex.: explosão). Não hátransmissão de direito entre elas. Ex.: seguro de vida do marido para a mulher quemorreram juntos. (Premoriencia: quem pré-morreu ao outro. Ex.: acidente de carro).Registro civil (art.9º): através deste registro o Estado reconhece essa pessoa comocidadã brasileira. Todos os atos civis desta pessoa são reconhecidos pelo Estado. LEI6015/1973 – registro publico.Averbação: (art. 10): faz-se a averbação em registros públicos. Averbar = completar=acrescentar no livro de registro. Ex.: divorcio é averbado na certidão de casamento.DIREITOS DA PERSONALIDADE:Conceito: é o direito subjetivo ligado aquilo que é próprio ao ser humano, nos seusaspectos físicos e espirituais. Ligados à essência do homem.Fundamentação:Art.1º III CF/ art.3º IV CF/ art.5º caput CF/ art. 11 ao 21 CC.Caracteristicas: Extrapatrimonialidade: não se vende, os dtos da personalidade não vira objetode negocio jurídico. (artista não vende sua imagem, ele expõe). Não pode serauferido lucro. Intrasmissibilidade: não se transmite, é inerente a pessoa. Inenunciabilidade: não pode renunciar, pode não agir (subjetividade), porémnão se pode desistir desses dtos. Imprescritibilidade: enquanto houver memoria, não se prescreve, mesmo apósa morte (família tem os dtos). Dto inato ao ser humano: é do ser humano. Pessoas jurídicas também temprevisão legal para os dtos da imagem, da imprensa, etc. Dto coercitivo: (tutela = buscar o Estado = proteção)
  3. 3. *Tutela inibitória – antes de ocorrer pode-se recorrer ao estado juiz para cessar/ inibir/proteger o acontecimento, a ameaça.*Tutela rescisória – o dano já aconteceu daí agora pode entrar pedindo o ressarcimento sobreo dano causado (danos morais).Dtos absolutos- toda a coletividade tem que respeitarERGA OMNES = para todosModalidades do dto da Personalidade: Dto a vida: o Estado coloca o aborto como tipo penal, exceto:*sentimental: advindo do estupro*necessário: risco de morte da genitora (se ela quiser)*concedido: inviabilidade do feto (não sobreviverá)*anencéfalo: (sem cérebro) Eutanásia: eu=boa/ tanakos = morte*Homicídio privilegiado: outro indivíduo tentando atenuar o sofrimento, ajudando, etc.Atenuantes: legítima defesa, policial em exercício.*Homicídio qualificado: médico quebrando regras quando deveria salvar vidas.Agravantes: motivo torpe, sem chance de defesa. Dto ao corpo:*Transplante: (art. 13 e 14 CC): é o ato de disposição do próprio corpo. LEI 9434/97- lei federalde transplantes. – lei anterior colocava que todos eram doadores, salvo os que definissem ocontrario. CRITERIO DE MORTE = só é possível fazer o transplante POST MORTEM se houver aautorização da família, não vale a vontade do morto.*Técnicas de reprodução humana assistida: mulher ou homem guardando óvulos ou sêmenpara o futuro. RESOLUÇAO 1358/92 – expedido pelo conselho federal de medicina.- reprodução in vitro: fertilização in vitro: acontece em laboratório – inseminação artificial.Pode ser HOMOLOGA (espermatozoide e ovulo dos próprios companheiros) ou HETEROLOGA(espermatozoide ou ovulo de outros indivíduos).-gestação de substituição ou gestação de sub-rogação: o termo barriga de aluguel =pecúnia,dinheiro, não pode. É feita uma doação temporária do ultero. O dono é aquele que cedeu oóvulo ou espermatozoide.- inseminação artificial POST MORTEM: resgata-se a doação de um dos indivíduos após suamorte e faz-se a inseminação artificial. Art.1787 CC/ art.1597 CC. Clonagem de seres humanos: LEI 8974/95 = lei de biossegurança nacional. Aclonagem humana não é permitida no nosso país.Eugenia = é a responsabilidade de conseguir a reprodução e uma qualificação de um serhumano.DIREITO A IMAGEM:Conceito: a imagem do ser humano é tudo aquilo que o identifica perante a sociedade.É o conjunto de caracteres físicos e psíquicos que o identifica e o diferencia das demaispessoas. – essenciais a pessoa.Fundamentação legal:Art. 12 e 20 CC/ constituição federal é permeada de princípios a respeito.
  4. 4. INICIABILIDADE DA IMAGEMDto a honra: gera reflexos na vida dos indivíduos. (as pessoas jurídicas também temdtos da personalidade) art. 52 CC. HONRA OBJETIVA = honra dada pela lei. Intercessãodo Estado que dá a empresa a personalidade jurídica.Dto a intimidade: ser e agir da sua forma e do seu jeito desde que não vá ferirterceiros. A nossa intimidade é INVIOLAVEL. Dto a intimidade é o dto de estar só. Temcaráter relativo. LEI PENAL 9034/95 = possibilidade de o juiz autorizar quebra deintimidade (sigilo bancário, fiscal eletrônico e telefônico) em prol da sociedade.Dto a liberdade física: dto de ir e vir. É um ato natural contempla o dto de ir e vir e odto de permanecer.*habeas corpus: remédio heroico – aquele que vai dar concessão de liberação da coação doEstado.*não obrigatoriedade de produzir provas contra si mesmo (exame de DNA e bafômetro)Dto ao nome: o nome tem a proteção da lei. Não pode ser renunciado, transferido, éinalienável, não pode ser valorado economicamente e é imprescritível. É um dtosubjetivo extrapatrimonial. Tem caráter obrigatório. Tem caráter publico no que dizrespeito ao Estado pois representa a estabilidade e segurança de identificação dosindivíduos daquela sociedade, e caráter privado quando se refere a garantia dosdireitos e deveres daquele individuo específico. O nome não pode ser difamado ouutilizado sem autorização.DA AUSENCIA:Ausente é aquele que desaparecido do seu domicilio ou do local onde ele éhabitualmente encontrado, sem que qualquer ou nenhuma pessoa saiba do seuparadeiro e que não tenha deixado um representante legal, um procurador.Elementos que o caracterizam: Desaparecido sem qualquer noticia do seu paradeiro, sem que ninguém saibaonde se encontra essa pessoa natural, não há qualquer noticia dela. Que não tenha deixado procurador ou representante que administre o seubem.Art 7º CC = morte presumidaArt. 88 da lei 6015/73Art 9º II do CPC = curadoria no processo (ausente no processo – não tem haver com oausente acima citado)Separação judicial – 1 ano separados (em corpos) – conversão em divórcio. O art. 25que trata do matrimonio antes da lei do divorcio perde o efeito no que diz respeito aseparação judicial. O tempo é de 2 anos.A qualquer tempo em que o ausente retorne há mudanças.Curador: 1º cônjuge ou convivente/ 2ºascendentes/ 3º descendentes/ 4ºnomeado Estado.Sucessão provisória: sucessão dos bens do indivíduo para seus sucessores de formaprovisória – sempre a espera do individuo voltar. Demora 180 dias para produzirefeito.Sucessão definitiva: após a sucessão provisória (10 anos após) pode se solicitar adefinitiva. Se a pessoa ausente tiver 80 anos não necessita esperar, se conta +5 anosapós a data em que o indivíduo teria 80 anos e pode solicitar a sucessão definitiva.
  5. 5. PESSOA JURIDICA:Conceito: é o conjunto de pessoas que buscam determinadas finalidades e que sãoprotegidas pelo dto através da concessão da personalidade jurídica.Autonomia da pessoa jurídica: é um modo de facilitar e atingir os fins buscados pelosseus membros, pois a pessoa jurídica é um grupamento de pessoas com umafinalidade (com exceção da fundação que é um conjunto de bens).NATUREZA JURIDICA:A pessoa jurídica é uma realidade técnica. Faz-se uma analogia com o ser humano.Pessoa jurídica de Dto Publico: Interno: - Estado (União)- Estados federados- Municípios- Demais entidades de D.P. Externo: - Estados estrangeiros- Organismos internacionaisPessoa jurídica de Dto Privado: Associação (pessoas) LATO SENSU: - Associação: se finalidade lucrativa- Sociedades: tem finalidade lucrativa Fundações (bens)Artigo 44 C.C.: Organizações religiosas – inseridas posteriormente por força da lei 10825/03 Partidos políticosAQUISIÇÃO DE PERSONALIDADE JURIDICA:Elaboração de Contrato Social ou de Estatuto.Registro Público*Sociedade= Contrato social*associações e sociedades anômicas= EstatutoDESPERSONALIZAÇÃO DA PESSOA JURIDICA:(é o ato tanto de sair de uma empresa como de entrar em uma)
  6. 6. FUNDAÇÃO: É uma instituição Elaboração de estatuto Controle do MP RegistroDO DOMICÍLIO: é a residência com ânimo definitivo (art.70 C.C).(Residência é diferente de morada)*morada = local que você fica por determinado período. CURTO PRAZO – ex: 3 dias em umacidade por conta de passar o final de semana com a família.*residência = estabelece por tempo maior – ex: 3 meses à trabalho e uma outra cidade.*domicílio = estabelece por tempo maior e com animo definitivo. Com a intenção depermanecer (leva em conta o que se externa parasociedade, as intenções da pessoa) –ex: mudar de cidade e transferir seu título de eleitor para aquele município.Pluralidade de domicílios: uma mesma pessoa, seja natural ou jurídica, pode ter maisde um domicilio – art. 71 C.C.EX: servem como domicílios os imóveis de veraneio e afins por exemplo.Pluralidade de domicílios profissionais – art. 72 C.C.EX: Pode servir como domicilio os diversos locais que o profissional exerce seu trabalho.Domicílio itinerante – art. 73 C.C.Aqueles que não têm domicílio são itinerantes. EX: ciganos/ circenses/ sem terra.Será seu domicilio, portanto, o local onde estiverem localizados no momento. (onde foremencontrados).Domicílio necessário – art. 76 C.C. (legal)É aquele domicilio onde a lei determina que seja. Ocorre para os seguintes casos: Incapaz – domicílio é onde está seu representante legal Servidor público – domicílio é o lugar que exerce suas funções fixas Marítimo – domicílio é onde o navio estiver matriculado Militar – domicílio é onde ele servir Preso – domicilio é onde estiver cumprindo sentença.Domicílio (art. 78 CC): -VOLUNTÁRIO-NECESSÁRIO*voluntário = de livre e espontânea vontade a pessoa decide onde vai ficar.*necessário = a lei determina que seja assim.Domicílio de Pessoas Jurídicas – art. 75 C.C.DTO PUBLICO INTERNO: - União/ DF- Estados e Municípios – respectivas capitais e municípios.
  7. 7. Pessoas jurídicas que exercem atividades comerciais no Brasil deverão ter sede aqui parapossíveis citações. É necessário que qualquer empresa estrangeira que efetue serviço emterritório brasileiro tenha sede aqui.

×