Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Hau2 aula08

.

  • Be the first to comment

Hau2 aula08

  1. 1. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues A CIDADE INDUSTRIAL
  2. 2. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues CONTEXTUALIZAÇÃO
  3. 3. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues A CIDADE IDEAL PROJETADA AAAANNNNTTTTÔÔÔÔNNNNIIIIOOOO AAAAVVVVEEEERRRRLLLLIIIINNNNOOOO FFFFIIIILLLLAAAARRRREEEETTTTEEEE (Florença- nasce em 1400) concepção da cidade ideal em estrela, tratado redigido serviço do Duque de Milão. SSSSFFFFOOOORRRRZZZZIIIINNNNDDDDAAAA: a cidade radial estrelada. Dezesseis ruas principais se irradiam a partir da praça central em direção aos oito portões da cidade e às oito torres situadas nas pontas da estrela. Antonio Filarete Cidade Ideal (Sforzinda: 1460 - 1464)
  4. 4. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues
  5. 5. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues
  6. 6. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues 2º metade do SÉCULO XVIII | início do SÉCULO XIX Incentivo a pesquisa de novas técnicas que aumentassem a PPPPRRRROOOODDDDUUUUTTTTIIIIVVVVIIIIDDDDAAAADDDDEEEE, que fizessem que com a mesma jornada de trabalho e o mesmo salário o trabalhador produzisse mais, e assim, potencializar os ganhos em capital. EEEE EEEENNNNTTTTÃÃÃÃOOOO... SURGIMENTO DA MÁQUINA A VAPOR (1769) TEARES MECÂNICOS DE FIAÇÃO (1767,1768,1801)
  7. 7. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues CONTEXTUALIZAÇÃO
  8. 8. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues CONTEXTUALIZAÇÃO
  9. 9. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues CONTEXTUALIZAÇÃO
  10. 10. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues CONTEXTUALIZAÇÃO
  11. 11. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues CONTEXTUALIZAÇÃO
  12. 12. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues DDDDDDDDeeeeeeeeppppppppooooooooiiiiiiiissssssss ddddddddaaaaaaaa mmmmmmmmeeeeeeeettttttttaaaaaaaaddddddddeeeeeeee ddddddddoooooooo ssssssssééééééééccccccccuuuuuuuulllllllloooooooo XXXXXXXXVVVVVVVVIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII,,,,,,,, ccccccccoooooooommmmmmmm a RRRRRRRReeeeeeeevvvvvvvvoooooooolllllllluuuuuuuuççççççççããããããããoooooooo IIIIIIIInnnnnnnndddddddduuuuuuuussssssssttttttttrrrrrrrriiiiiiiiaaaaaaaallllllll, ooooooooccccccccoooooooorrrrrrrrrrrrrrrreeeeeeeerrrrrrrraaaaaaaammmmmmmm vvvvvvvváááááááárrrrrrrriiiiiiiiaaaaaaaassssssss mmmmmmmmuuuuuuuuddddddddaaaaaaaannnnnnnnççççççççaaaaaaaassssssss nnnnnnnnoooooooossssssss ssssssssiiiiiiiisssssssstttttttteeeeeeeemmmmmmmmaaaaaaaassssssss ssssssssoooooooocccccccciiiiiiiiaaaaaaaaiiiiiiiissssssss; a pprriinnccííppiioo,, nnaa IIIIIIIInnnnnnnnggggggggllllllllaaaaaaaatttttttteeeeeeeerrrrrrrrrrrrrrrraaaaaaaa eeeeeeee,,,,,,,, ddeeppooiiss,, nnoo rreessttoo ddoo mmuunnddoo. O ffeennôômmeennoo iinniicciioouu-ssee nnaa sssssssseeeeeeeegggggggguuuuuuuunnnnnnnnddddddddaaaaaaaa mmmmmmmmeeeeeeeettttttttaaaaaaaaddddddddeeeeeeee ddddddddoooooooo ssssssssééééééééccccccccuuuuuuuulllllllloooooooo XXXXXXXXVVVVVVVVIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII e eenncceerrrroouu a ttttttttrrrrrrrraaaaaaaannnnnnnnssssssssiiiiiiiiççççççççããããããããoooooooo eeeeeeeennnnnnnnttttttttrrrrrrrreeeeeeee ffffffffeeeeeeeeuuuuuuuuddddddddaaaaaaaalllllllliiiiiiiissssssssmmmmmmmmoooooooo e ccccccccaaaaaaaappppppppiiiiiiiittttttttaaaaaaaalllllllliiiiiiiissssssssmmmmmmmmoooooooo, a ffaassee ddee aaccuummuullaaççããoo pprriimmiittiivvaa ddee ccaappiittaaiiss e ddee pprreeppoonnddeerrâânncciiaa ddoo ccaappiittaall mmeerrccaannttiill ssoobbrree a pprroodduuççããoo. CCoommpplleettoouu aaiinnddaa o mmoovviimmeennttoo ddaa rreevvoolluuççããoo bbuurrgguueessaa iinniicciiaaddaa nnaa IInnggllaatteerrrraa nnoo ssééccuulloo XXVVIIII.
  13. 13. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Alguns fatores influenciaram a conformação das cidades nesta época, como: o aumento da população, através da diminuição do índice de mortalidade. Inglaterra: 1760: 6 milhões de habitantes 1801: 8.892.000 habitantes 1830: 14 milhões de habitantes Causas dessa redução: melhoria na alimentação, na higiene pessoal, nas instalações públicas, nas moradias, progresso da medicina e melhor organização dos hospitais. aavvaannççoo tteeccnnoollóóggiiccoo, que permitiu um aumento na produção de bens e serviços pela agricultura, indústria e atividades terciárias.
  14. 14. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues CCCCrrrreeeesssscccciiiimmmmeeeennnnttttoooo ddddaaaa ppppooooppppuuuullllaaaaççççããããoooo MMMMaaaaiiiioooorrrr nnnneeeecccceeeessssssssiiiiddddaaaaddddeeee ddddeeee bbbbeeeennnnssss eeee sssseeeerrrrvvvviiiiççççoooossss MMMMeeeellllhhhhoooorrrr qqqquuuuaaaalllliiiiddddaaaaddddeeee ddddeeee aaaauuuummmmeeeennnnttttoooo ddddaaaa qqqquuuuaaaannnnttttiiiiddddaaaaddddeeee ddddoooossss pppprrrroooodddduuuuttttoooossss eeee sssseeeerrrrvvvviiiiççççoooossss MMMMeeeellllhhhhoooorrrriiiiaaaa ddddaaaa qqqquuuuaaaalllliiiiddddaaaaddddeeee ddddeeee vvvviiiiddddaaaa ddddaaaa ppppooooppppuuuullllaaaaççççããããoooo
  15. 15. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues - o aumento demográfico e as transformações na produção influenciaram na redistribuição dos habitantes no território. - camponeses tornam-se operários das indústrias e se transferem para as proximidades de seu local de trabalho -1º.próximo aos cursos d’água; -2º.próximo às minas de carvão. Mas a partir de 1769, com a criação da máquina a vapor as indústrias podem se instalar em qualquer lugar.
  16. 16. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues . Assim, as fábricas passam a se localizar em centros urbanos em rápido desenvolvimento ou próximas a cidades existentes, contribuindo para o crescimento da população local. Manchester: 1760: 12.000 habitantes 1850:400.000 habitantes Londres: final do séc XVIII: 1.000.000 habitantes 1851: 2.500.000 habitantes (superando, neste momento, todas as cidades do mundo antigo e moderno)
  17. 17. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues - desenvolvimento dos meios de comunicação: estradas, canais navegáveis, ferrovias, navios a vapor. O que possibilitou uma maior mobilidade de pessoas e mercadorias. -a rapidez com que ocorreram estas transformações não permitiu que se chegasse a um equilíbrio estável. Assim, os problemas não são resolvidos definitivamente e qualquer solução funciona apenas por um período de tempo. - o governo passa a vender os terrenos de propriedade pública, que são comprados pela classe dominante com a intenção de aplicar no campo imobiliário a liberdade da iniciativa privada.
  18. 18. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues A especulação imobiliária começa, desta forma, a causar seus efeitos, o trabalhador que só ganhava o mínimo para sua sobrevivência, gastava parte de seu salário com o aluguel de uma moradia inadequada, muito apertada e construída com material de péssima qualidade, para que seu proprietário tivesse o maior lucro possível. casas: coladas umas às outras para maior aproveitamento do espaço. ruas: local onde o esgoto corria a céu aberto, os refugos se acumulavam, as pessoas e animais transitavam e as crianças brincavam. rápido crescimento das cidades: modificou sua configuração, alterando o núcleo existente, transformando-o em centro e formando uma nova faixa construída ao redor desse centro, a periferia.
  19. 19. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Até então, a cidade era mensurável, agora não possui mais limites precisos e se modifica a uma velocidade muito maior. Perde assim, uma de suas principais características: a de ser um ponto de referência por sua estabilidade e ritmo lento.
  20. 20. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Várias construções “históricas” são abandonadas, como conventos e palácios, e seus espaços são subdivididos para abrigarem a população operária. Até mesmo as antigas áreas verdes, como os jardins dos palácios e hortos são ocupados por novas construções. A periferia era um território ainda não formado, livre, onde poderiam acontecer várias iniciativas independentes, como bairros de luxo ou pobres, indústrias, depósitos... E, num determinado momento, essas iniciativas unem-se em um tecido compacto que não foi previamente planejado. Na periferia, as classes sociais tendem a se isolar em bairros destinados a classes homogêneas.
  21. 21. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Este núcleo (centro) possui uma forma estabelecida, em alguns casos, já na Idade Média, com ruas estreitas e tortuosas, casas pequenas e onde se encontram seus principais monumentos (palácios e igrejas). Esta estrutura não consegue abrigar o tráfego e a população sempre crescente da cidade industrial. Esta situação leva as classes abastadas a abandonar o centro e ocuparem a periferia. O núcleo central passa a ser ocupado pelas classes mais pobres.
  22. 22. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues E as residências individuais com jardim, antes restritas ao rei e à nobreza, agora passam a ser acessíveis também ao ricos e à média burguesia. Assim, o grau de independência das casas se torna proporcional ao nível de riqueza de seu proprietário. Os mais pobres moram em edifícios de muitos andares construídos colados uns nos outros. Para piorar a situação, os bairros mais pobres se localizam nos lugares mais desfavoráveis como nas vizinhanças das indústrias e das estradas de ferro, longe de qualquer área verde.
  23. 23. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Na primeira metade do século XIX, os problemas da cidade industrial são tantos e tão profundos que não se sabe como ajustar a realidade á situação ideal. Surgem então duas formas de intervir e pensar a cidade: 1- primeiras tentativas localizadas de intervenção 2- utopias urbanas – (EVOLUÇÃO I)
  24. 24. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues A nova paisagem da cidade industrial, AAA nnnooovvvaaa pppaaaiiisssaaagggeeemmm dddaaa ccciiidddaaadddeee iiinnnddduuussstttrrriiiaaalll,,, ggggrrrraaaavvvvuuuurrrraaaa ddddeeee PPPPuuuuggggiiiinnnn,,,, ddddeeee 1111888844441111.
  25. 25. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues “Uma cidade cristã em 1440 e em 1840”, duas gravuras de Pugin
  26. 26. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Cais da cidade de Londres, século XIX
  27. 27. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Tráfego de Londres, século XIX
  28. 28. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Rua de Londres, século XIX
  29. 29. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Pobres de Londres, desenho de Punch, 1859.
  30. 30. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Londres, viaduto de Ludgate Hill, gravura de Gustave Doré, 1870
  31. 31. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Bairros pobres e Londres sob os viadutos ferroviários, gravura de Gustave Doré, 1872
  32. 32. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Bairros pobres e Londres, gravura de Gustave Doré.
  33. 33. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Uma rua de um bairro pobre de Londres (Dudley Street), gravura de Gustave Doré, 1872
  34. 34. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Desenho do interior de uma casa operário. Gustave Doré
  35. 35. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Construção da estrada de ferro Londres-Birmingham, em 1836.
  36. 36. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Estrada de ferro subterrânea de Londres, desenho de 1867
  37. 37. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Trabalho infantil nas minas de carvão inglesas
  38. 38. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Passageiros de terceira classe em London, Gustave Dore, 1872.
  39. 39. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues O vagão da terceira classe, quadro de Honoré Daumier
  40. 40. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Bairro elegante de Londres, trecho da Regent Street, BBBaaaiiirrrrrrooo eeellleeegggaaannnttteee dddeee LLLooonnndddrrreeesss,,, tttrrreeeccchhhooo dddaaa RRReeegggeeennnttt SSStttrrreeeeeettt,,, rrrreeeettttiiiillllíííínnnneeeeoooo ddddeeee PPPPoooorrrrttttllllaaaannnndddd PPPPllllaaaacccceeee....
  41. 41. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Bairro elegante de Londres, trecho da Regent Street, curva perto de Picadilly.
  42. 42. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Nove tipos de pequenas vilas de uma manual NNNooovvveee tttiiipppooosss dddeee pppeeeqqquuueeennnaaasss vvviiilllaaasss dddeee uuummmaaa mmmaaannnuuuaaalll iiiinnnnggggllllêêêêssss ddddeeee 1111888844446666....
  43. 43. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Uma rua UUUmmmaaa rrruuuaaa ddddaaaa aaaannnnttttiiiiggggaaaa PPPPaaaarrrriiiissss,,,, ddddeeeesssseeeennnnhhhhoooo ddddeeee GGGGuuuussssttttaaaavvvveeee DDDDoooorrrréééé....
  44. 44. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Ed. residencial parisiense em 1853 as condições dos inquilinos nos diversos andares: a família do porteiro no andar térreo, o casal de ricos burgueses que se aborrecem no primeiro andar, a família burguesa média que vive um pouco mais apertada no segundo andar, os pequenos burgueses no terceiro andar, os pobres, os artistas e os velhos no sótão.
  45. 45. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues A FORMA URBANA AAAA CCCCIIIIDDDDAAAADDDDEEEE EEEE AAAASSSS FFFFOOOORRRRMMMMAAAASSSS UUUURRRRBBBBAAAANNNNAAAASSSS DDDDOOOO SSSSÉÉÉÉCCCCUUUULLLLOOOO XXXXVVVVIIIIIIIIIIII EEEE IIIINNNNÍÍÍÍCCCCIIIIOOOO DDDDOOOO SSSSÉÉÉÉCCCCUUUULLLLOOOO XXXXIIIIXXXX COMPLEXIDADE: continuidade da cidade clássica e barroca e pelo aparecimento de novas tipologias urbanas que vão preparando a cidade moderna. Período de embate na industrialização e de forte crescimento demográfico. Modificações sociais importantes determinam profundas transformações nas cidades e a sua adaptação a necessidades de infra-estruturas, equipamentos, habitação e novas exigências espaciais.
  46. 46. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues CARACTERÍSTICAS DO PERÍODO PPPPoooorrrr vvvvoooollllttttaaaa ddddeeee 1111888833330000, a Europa é assolada por uma epidemia de CÓLERA, só assim os governos tomam consciência da situação precária das cidades. Mas foram precisos mais alguns anos para se instituir a pppprrrriiiimmmmeeeeiiiirrrraaaa lllleeeeiiii ssssaaaannnniiiittttaaaarrrriiiissssttttaaaa nnnnaaaa IIIInnnnggggllllaaaatttteeeerrrrrrrraaaa, que foi em 1848, na França só em 1850 e depois nos outros países europeus. Começam a surgir propostas políticas e posteriormente urbanísticas visando MODIFICAÇÕES SOCIAIS E DAS CONDIÇÕES HABITACIONAIS. Tentativas de diminuir a dualidade cidade/campo produzida pela sociedade tradicional, através de uma nova forma de morar intermediária entre a cidade e o campo.
  47. 47. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues REBATIMENTOS NA FORMA URBANA ccccoooonnnnttttiiiinnnnuuuuiiiiddddaaaaddddeeee ddddoooo uuuurrrrbbbbaaaannnniiiissssmmmmoooo cccclllláááássssssssiiiiccccoooo-bbbbaaaarrrrrrrrooooccccoooo > período napoleônico em que a utilização do arsenal da composição barroca é colocado a serviço do poder imperial e dos monarcas europeus. tttteeeennnnddddêêêênnnncccciiiiaaaassss ddddoooo ppppeeeerrrrííííooooddddoooo cccclllláááássssssssiiiiccccoooo > utilizando sistemas de traçados, quadrículas, quarteirões, ruas, avenidas e praças, e refinando a morfologia do século XVII, com inovações espaciais que tornam as cidades mais complexas e enriquecem a estrutura urbana: •jardins e parques •alamedas e passeios públicos •avenidas e boulevards.
  48. 48. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues REBATIMENTOS NA FORMA URBANA
  49. 49. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues REBATIMENTOS NA FORMA URBANA
  50. 50. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues DESENHO URBANO A quadrícula, a geometria e o traçado regular são abundantemente utilizados sistematizados e melhorados. O quarteirão torna-se um processo sistemático servindo para organizar os novos loteamentos.
  51. 51. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Detalhes dos bairros novos de Manchester, esboços anexos ao livro de Engels.
  52. 52. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Grupo de casas operárias (h) com latrinas externas (1) em Nottingham, 1845.
  53. 53. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Bairros periféricos ingleses construídos segundo regulamentos de 1875. Utilização dos limites ao máximo e uniformidade total nas construções.
  54. 54. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Casa operária para nove pessoas, vista em Glasgow em 1948
  55. 55. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Rua de um bairro de periferia na Inglaterra.
  56. 56. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Planta de um bairro de periferia na Inglaterra.
  57. 57. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues DESENHO URBANO Com o desenvolvimento militar e novos armamentos, o teatro da guerra se desloca para as batalhas de campo. As muralhas perdem sua utilidade original. Ao mesmo tempo o crescimento da cidade se espalha para fora das muralhas, elas vão ser assim destruídas; as áreas liberadas serão usadas para a construção de anéis viários envolventes. VIENA.
  58. 58. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues REBATIMENTOS NA FORMA URBANA
  59. 59. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues REBATIMENTOS NA FORMA URBANA
  60. 60. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues REBATIMENTOS NA FORMA URBANA
  61. 61. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues REBATIMENTOS NA FORMA URBANA
  62. 62. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Robert Owen (1771-1858) e sua aldeia de harmonia e cooperação
  63. 63. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues O Falanstério de Charles Fourier (1772-1837)
  64. 64. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Red House – Morris, 1859__ vista externa e planta do primeiro pavimento
  65. 65. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Palácio do Parlamento, Londres. PPPaaallláááccciiiooo dddooo PPPaaarrrlllaaammmeeennntttooo,,, LLLooonnndddrrreeesss. BBBBaaaarrrrrrrryyyy,,,, 1111888833336. – eeeeddddiiiiffffiiiiccccaaaaççççããããoooo nnnneeeeooooggggóóóóttttiiiiccccaaaa
  66. 66. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues Villa em Strawberry Hill. Gloag – 1750; edificação neogótica
  67. 67. CES-JF | ARQUITETURA E URBANISMO | HAU II | Prof. Msc. Raphael Rodrigues A APARENTE “DESORDEM” FOI UM DESAFIO À PROPOSIÇÃO DE “NOVAS ORDENS” AO CONTROLE PELO PROJETO > DESENVOLVIMENTO DO CAMPO DISCIPLINAR DE URBANISMO Duas correntes filosóficas CONDUZEM a discussão da cidade a partir da Revolução Industrial: (1) que contempla o futuro com otimismo, com pretensão científica e aval acadêmico, abrindo caminho aos métodos quantitativos; (2) a nostálgica: polêmica, crítica, normativa e política. REFLEXÃO

×