Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
INOVAÇÃO COM DESIGN
POR QUÊ E COMO?
A P R E S E N TA Ç Ã O
Por quê o
design pode
inovar?
“ O design é forte elemento de
competitividade empresarial, em
especial para os segmentos pressionados
pela concorrência i...
... É um diferencial estratégico, que
possibilita otimização no uso de matéria-prima,
melhoria nas fases de projeto e de p...
“ 83% das empresas que investem em design
como parte de um processo de inovação
apresentam crescimento.”
Estudo o Impacto ...
“ O design pode abarcar um amplo conjunto
de atividades voltadas para o planejamento e
o desenho de procedimentos, as espe...
Dentre os ativos de inovação
nas organizações o Design
consegue impactar com menor
risco e volume de investimentos.
Ativos...
“ Em um esquema de comparação de duas empresas que solicitariam apoio ao BNDES
em um dado momento no tempo (momento 4). A ...
“ 31% das empresas do Reino Unido
realizam medição do retorno esperado sobre o
investimento (ROI), e mais da metade afirma...
Como o design
pode inovar?
“ O design é uma atividade criativa cujo
objetivo é estabelecer as qualidades
multifacetadas de objetos, processos,
serviç...
Culturas do Design como modelos de biodiversidade: design de processos como
agente de inovação e relações interculturais |...
•	 Melhora na qualidade de uso de um produto ou informação
•	 Produtos e/ou affordances
•	 Processo de produção
•	Sustenta...
Média de investimentos em Design no Brasil
Estudo o Impacto do Design no Desempeenho das Empresas | PBD, ADP  FGV Projetos
•	 Dificuldade para organizar o conhecimento do mercado e,
a partir dele, estabelecer um posicionamento.
•	 Formular uma e...
Em que nível de maturidade o design
está na sua organização?
Estudos de Caso em Políticas de Design  Programas | DANISH DE...
Referências Bibliográficas:
MDIC (Ministério do Desenvolvimento, Industria e Comércio Exterior). O Programa Brasileiro de ...
Raphael Cardoso M.Pereira
raphaelcardosomotapereira@gmail.com
11 95234 5453 | 12 98851 1110
raphaelcardoso.com
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Inovação e Design

815 views

Published on

Por quê e como o design pode inovar?

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Inovação e Design

  1. 1. INOVAÇÃO COM DESIGN POR QUÊ E COMO? A P R E S E N TA Ç Ã O
  2. 2. Por quê o design pode inovar?
  3. 3. “ O design é forte elemento de competitividade empresarial, em especial para os segmentos pressionados pela concorrência internacional ...
  4. 4. ... É um diferencial estratégico, que possibilita otimização no uso de matéria-prima, melhoria nas fases de projeto e de produção e, em razão da sua prática no desenvolvimento de produto, melhores níveis de satisfação do cliente. ” PBD - Programa Brasileiro de Design Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior | MDIC
  5. 5. “ 83% das empresas que investem em design como parte de um processo de inovação apresentam crescimento.” Estudo o Impacto do Design no Desempeenho das Empresas | PBD, ADP FGV Projetos
  6. 6. “ O design pode abarcar um amplo conjunto de atividades voltadas para o planejamento e o desenho de procedimentos, as especificações técnicas e outras características funcionais e de uso para novos produtos e processos.” Manual de OSLO - Diretrizes para a Coleta e Interpretação de Dados sobre Inovação Tecnológica Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico | OECD
  7. 7. Dentre os ativos de inovação nas organizações o Design consegue impactar com menor risco e volume de investimentos. Ativos inovadores e ligações inter-ativos: uma abordagem baseada em recursos para inovação | CHRISTENSEN
  8. 8. “ Em um esquema de comparação de duas empresas que solicitariam apoio ao BNDES em um dado momento no tempo (momento 4). A Empresa A, nesse momento, está com indicadores financeiros piores, mas investe em intangíveis. A Empresa B está com indicadores melhores, mas não investe. A figura sugere que, no tempo, a Empresa A teria evolução positiva em seus resultados e a B, evolução negativa.” O BNDES em um Brasil em Transição | BNDES LINHA PRODESIGN - Banco Nacional do Desenvolvimento | BNDES O gráfico se refere às seguintes despesas com intangíveis: Balanced Scorecard (BSC, instrumento para acompanhamento de estratégia), Enterprise Resource Plannning (ERP, instrumento para gestão), Customer Relationship Management (CRM, sistema para gestão da carteira de clientes), Pesquisa e Desenvolvimento (PD, atividade de inovação), investimentos em aperfeiçoamento de design (Design) e investimentos em esforços de venda e marketing (Mkt). Evolução de empresa e despesas com intangíveis Lucro/Despesa com Intangíveis Solicitação de apoio financeiroFonte: Rath Fingerl (2004b). EmpresaA EmpresaB 4 BSC BSC + ERP + PD BSC + ERP + PD + DESIGN + CRM BSC + ERP + PD + DESIGN + CRM + MKT
  9. 9. “ 31% das empresas do Reino Unido realizam medição do retorno esperado sobre o investimento (ROI), e mais da metade afirma que a média de retorno dos investimentos em Design é três vezes maior que nos últimos três anos.” Retorno sobre o investimento de design e por que todos devem medir. | DESIGN COUNCIL
  10. 10. Como o design pode inovar?
  11. 11. “ O design é uma atividade criativa cujo objetivo é estabelecer as qualidades multifacetadas de objetos, processos, serviços e seus sistemas em ciclos de vida inteiros. Portanto, design é o fator central da humanização inovadora de tecnologias e o fator crucial de intercâmbio cultural e econômico.” International Council of Societies of Industrial Design, 2013 | ICSID
  12. 12. Culturas do Design como modelos de biodiversidade: design de processos como agente de inovação e relações interculturais | CELASCHI FORMIA
  13. 13. • Melhora na qualidade de uso de um produto ou informação • Produtos e/ou affordances • Processo de produção • Sustentabilidade • Facilitar o acesso a um produto ou serviço (design inclusivo) • Aplicação de novos materiais ou materiais reciclados para novos produtos • Qualidade formal-estética • Oferta de produtos de uma empresa (design estratégico) Design, cultura e sociedade | BONSIEPE Algumas Inovações pelo Design
  14. 14. Média de investimentos em Design no Brasil Estudo o Impacto do Design no Desempeenho das Empresas | PBD, ADP FGV Projetos
  15. 15. • Dificuldade para organizar o conhecimento do mercado e, a partir dele, estabelecer um posicionamento. • Formular uma estratégia comercial. • Definir um portifólio de produtos e desenvolver produtos de maior valor percebido. Demanda por design no setor produtivo brasileiro | Centro Brasil Design - CDB As maiores restrições nas organizações para inovar através do Design são:
  16. 16. Em que nível de maturidade o design está na sua organização? Estudos de Caso em Políticas de Design Programas | DANISH DESIGN CENTRE NENHUM Nas empresas que se encontram nesse degrau, outras disciplinas acumulam a função de introduzir funcionalidade ou estética ao desenvolvimento de produtos ou serviços. ESTILO Nessas empresas o design é introduzido em um estágio já avançado do projeto, como num acabamento ou detalhe gráfico. PROCESSO Nesse degrau o design é visto como método de trabalho. É integrado nos estágios iniciais do processo, combinando- se com a engenharia de produção, o marketing e outros setores da empresa. ESTRATÉGIA No degrau mais alto da escada, o design está incorporado na formulação da estratégia competitiva da empresa, e portanto, participa ativamente no fomento à inovação e no desenvolvimento de serviços e produtos.
  17. 17. Referências Bibliográficas: MDIC (Ministério do Desenvolvimento, Industria e Comércio Exterior). O Programa Brasileiro de Design (PBD). http:// www.desenvolvimento.gov.br. Disponível em: Link. Acesso em: Outubro 2013 ADP (Associação dos Designers de Produto). O Impacto do Design no Desempenho das Empresas. http:// http://adp. org.br/. Disponível em: Link. Acesso em: Outubro 2013 OECD / FINEP. Manual de Oslo – Diretrizes para Coleta e interpretação de Dados sobre Inovação. [S.l.]: ARTI/FINEP, 1997. Disponível em: Link. DESIGN COUNCIL. Return on design investment and why everyone should measure it. http://www.designcouncil.org.uk/. Disponível em: Link. Acesso em: Outubro 2013 CHRISTENSEN, J. F. (1996). Innovative assets and inter-asset linkages: a resource-based approach to innovation. Economics of Innovation and New Technology, 4(3), 193-209. Disponível em: Link. BONSIEPE, Gui. Design, cultura e sociedade. São Paulo: Blucher, 2011. Disponível em: Link. CELASCHI, F.; FORMIA, H. Culturas do Design como modelos de biodiversidade: design de processos como agente de inovação e relações interculturais.Stratégic Design Research Journal, Unisinos, São Leopoldo, 3 (1); 1-6 jan-abr, 2010. Disponível em: Link. CENTRO BRASIL DESIGN. Demanda por design no setor produtivo brasileiro. [S.l.]. 2006. Disponível em: Link. ALÉM, A. GIAMBIAGI, F. O BNDES em um Brasil em Transição. Rio de Janeiro: BNDES, 2010. Disponível em: Link. BNDES. Programa BNDES de Apoio a Investimentos em Design, Moda e Fortalecimento de Marcas - BNDES Prodesign. Disponível em: Link. Acesso em: Outubro 2013 SEBRAE. Sisitema Brasileiro de Apoio a Micro e Pequenas Empresas. Disponível em: Link. Acesso em: Maio 2014 DANISH DESIGN CENTRE. Case Studies in Design Policy Programmes. Design Wales, 2011. Disponível em: Link.
  18. 18. Raphael Cardoso M.Pereira raphaelcardosomotapereira@gmail.com 11 95234 5453 | 12 98851 1110 raphaelcardoso.com

×