O café e o crescimento da indústria durante a Primeira República (1889-1930) Belo Horizonte, 30/mar/2010 - A Agricultura d...
Introdução <ul><li>Economia brasileira na Primeira República (1889-1930) </li></ul><ul><ul><li>“ República do café-com-lei...
Marcos Políticos <ul><li>Proclamação da República 15 de novembro de 1889. </li></ul><ul><ul><li>Interesses das regiões em ...
Marcos políticos <ul><li>Conflitos políticos </li></ul><ul><ul><li>Período militar, Deodoro da Fonseca (1889-1991), Floria...
A agricultura de exportação <ul><li>A produção de café </li></ul><ul><ul><li>Desde de 1820, a café aparece entre os princi...
A agricultura de exportação <ul><ul><li>Produção inicia-se nos arredores da cidade do Rio de Janeiro. </li></ul></ul><ul><...
A agricultura de exportação Tabela:  Brasil e São Paulo: Média Anual de Imigrantes, 1884-1920
A agricultura de exportação <ul><ul><li>Elevação do preço do café, entre 1885-1890, preço externo = 137%, preço interno = ...
A agricultura de exportação
A agricultura de exportação <ul><li>Deterioração dos termos de troca </li></ul><ul><ul><li>Termos de troca: relação entre ...
A agricultura de exportação Tabela:  Taxa de câmbio, preços externo e interno, Brasil (1889-1900)
A agricultura de exportação <ul><li>Convênio de Taubaté (1906) </li></ul><ul><ul><li>Compra do excedente da safra de café ...
Diversificação da produção <ul><li>Teoria da base exportadora </li></ul><ul><ul><li>Base exportadora: atividade dinâmica v...
Diversificação da produção <ul><li>Forte impacto na capital paulista </li></ul><ul><ul><li>Mais distante do centro de prod...
Imigração <ul><li>Alteração nos fluxos migratórios no séc. XX </li></ul><ul><ul><li>Redução da imigração subvencionada e a...
Produção primária - outros <ul><li>Produtos primários </li></ul><ul><ul><li>Surto da borracha na Floresta Amazônica, 1898-...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Aula 01b agriculturade_exportação

1,697 views

Published on

  • Be the first to comment

Aula 01b agriculturade_exportação

  1. 1. O café e o crescimento da indústria durante a Primeira República (1889-1930) Belo Horizonte, 30/mar/2010 - A Agricultura de Exportação
  2. 2. Introdução <ul><li>Economia brasileira na Primeira República (1889-1930) </li></ul><ul><ul><li>“ República do café-com-leite”: predomínio político de São Paulo e Minas Gerais. </li></ul></ul><ul><ul><li>Economia agroexportadora: papel central do café na economia brasileira. </li></ul></ul><ul><ul><li>Existência de outras atividades exportadoras: borracha, açúcar, algodão, cacau, fumo, erva-mate, couros e pele. </li></ul></ul><ul><ul><li>Produtos agrícolas para o mercado interno. </li></ul></ul><ul><ul><li>Desdobramentos da expansão cafeeira: crescimento urbano, inversão na indústria e diversificação agrícola. </li></ul></ul><ul><ul><li>Questão: essa leitura traz alguma influência da interpretação histórica de que o excedente agrícola possibilitou a diversificação do trabalho, ou seja, o rural propiciou urbano? </li></ul></ul>
  3. 3. Marcos Políticos <ul><li>Proclamação da República 15 de novembro de 1889. </li></ul><ul><ul><li>Interesses das regiões em expansão: possibilidade de instituir um regime federativo com maior autonomia política e administrativa em oposição ao regime centralizado do Império. </li></ul></ul><ul><ul><li>Interesses ligados à classe média urbana: transformações institucionais jurídicas e políticas; revolução anti-escravista e antimonárquica; possibilidade de representação política. </li></ul></ul><ul><ul><li>Divergência entre militares e o Império; revolução comanda por Marechal Deodoro da Fonseca. </li></ul></ul><ul><li>Constituição de 1891 </li></ul><ul><ul><li>Estrutura liberal e federalista </li></ul></ul><ul><ul><li>Autonomia administrativa dos Estados: força militar, tributação de exportações, contratação de empréstimo do exterior, constituição própria. </li></ul></ul><ul><ul><li>União manteve a exclusividade: emissão de moeda, guarda nacional, tributação de importados. </li></ul></ul><ul><ul><li>Voto direto e universal para maiores de 21 anos. </li></ul></ul>
  4. 4. Marcos políticos <ul><li>Conflitos políticos </li></ul><ul><ul><li>Período militar, Deodoro da Fonseca (1889-1991), Floriano Peixoto (1891-1894) : tentativa de revisão da Constituição e fortalecimento do Poder Central. </li></ul></ul><ul><ul><li>Hegemonia paulista, Prudente de Moraes (1894-1898), Campos Sales (1898-1902), Rodrigues Alves (1902-1906). </li></ul></ul><ul><ul><li>Campos Sales, “política dos governadores” (pacto oligárquico): prestígio aos grupos locais mais fortes, governo central sustentaria os grupos dominantes nos Estados, enquanto estes, em troca, apoiariam o presidente da República. </li></ul></ul><ul><ul><li>Política de defesa do café desagradava oligarquias de Estados não produtores </li></ul></ul><ul><ul><li>Minas Gerais e Rio Grande do Sul lançam Marechal Hermes da Fonseca (1910-1914) </li></ul></ul><ul><ul><li>Pacto São Paulo-Minas, alternância de poder. </li></ul></ul><ul><ul><li>Mobilização urbana e militar contra o poder oligárquico, “tenentismo”. </li></ul></ul><ul><ul><li>Washington Luís (1926-1930), quebra do pacto; aliança entre Minas, Rio Grande do Sul e Paraíba, Revolução de 1930. </li></ul></ul>
  5. 5. A agricultura de exportação <ul><li>A produção de café </li></ul><ul><ul><li>Desde de 1820, a café aparece entre os principais produtos de exportação do Brasil. </li></ul></ul><ul><ul><li>Por volta de 1900, o café representa 65% das exportações do país. </li></ul></ul>
  6. 6. A agricultura de exportação <ul><ul><li>Produção inicia-se nos arredores da cidade do Rio de Janeiro. </li></ul></ul><ul><ul><li>Plantação segue caráter itinerante, sempre em busca de novos solos em substituição aqueles desgastados por décadas de uso. </li></ul></ul><ul><ul><li>Rumo das plantações segue pelo Vale do Paraíba do Sul, primeiro na antiga Província Fluminense, depois São Paulo. Então avança pelo Planalto Paulista em direção à Campinas e Ribeirão Preto. </li></ul></ul><ul><ul><li>Produção fluminense e paulista se inverte: em 1884 produção fluminense é de 70% enquanto paulista de 30% do total brasileiro; em 1900, produção fluminense é de 40% e paulista de 60%. </li></ul></ul><ul><ul><li>Declínio de produtividade do Vale do Paraíba (fluminense e paulista) coincide com a Abolição do Escravismo; produção do planalto paulista é alimentada por imigração européia. </li></ul></ul><ul><ul><li>Economia cafeeira paulista, subvencionada pelo Governo, promove estímulo a imigração e o investimento em ferrovias para a expansão da produção. </li></ul></ul><ul><ul><li>Entre 1891-1900, 65% da imigração dirige-se para São Paulo. </li></ul></ul>
  7. 7. A agricultura de exportação Tabela: Brasil e São Paulo: Média Anual de Imigrantes, 1884-1920
  8. 8. A agricultura de exportação <ul><ul><li>Elevação do preço do café, entre 1885-1890, preço externo = 137%, preço interno = 49%. </li></ul></ul><ul><ul><li>A partir de 1890, preços começam a declinar no mercado externo, no entanto a desvalorização cambial permite sua apreciação em moeda local; entre 1890-1894 preço interno = 190%. </li></ul></ul><ul><li>Vulnerabilidade da economia agroexportadora </li></ul><ul><ul><li>Alto peso do setor externo na economia. </li></ul></ul><ul><ul><li>Pauta de exportação base estreita, poucos produtos primários. </li></ul></ul><ul><ul><li>A exportação é variável quase que exclusiva na determinação da renda nacional e de seu dinamismo. </li></ul></ul><ul><ul><li>Exportações, dependência de variáveis fora de controle das autoridades nacionais: demanda externa, oferta de países concorrentes, comercialização internacionalizada. </li></ul></ul><ul><ul><li>C. Tavares: “Modelo de desenvolvimento voltado para fora”. </li></ul></ul><ul><ul><li>Importações base para suprir consumo interno. </li></ul></ul><ul><ul><li>Grande diferença entre base produtiva e de consumo. </li></ul></ul>
  9. 9. A agricultura de exportação
  10. 10. A agricultura de exportação <ul><li>Deterioração dos termos de troca </li></ul><ul><ul><li>Termos de troca: relação entre os preços das exportações e das importações de uma economia. </li></ul></ul><ul><ul><li>Segundo alguns autores, existe a tendência dos preços dos produtos agrícolas caírem frente as manufaturas, existe assim uma tendência de deterioração dos termos de trocas. </li></ul></ul><ul><ul><li>Se realmente houver tal tendência haverá uma perspectiva de crescimento relativamente inferior das economias agroexportadoras frente às outras. </li></ul></ul><ul><li>Crise da cafeicultura (1898) </li></ul><ul><ul><li>Estímulo a produção, superprodução. </li></ul></ul><ul><ul><li>Queda dos preços no mercado externo </li></ul></ul><ul><ul><li>Pres. Campos Sales, alyeração da política monetária e cambial: incapacidade de cumprir compromissos da dívida, funding loan (renegociação da dívida externa, novo empréstimo), valorização cambial. </li></ul></ul><ul><ul><li>Redução do preço interno dos produtos exportados. </li></ul></ul>
  11. 11. A agricultura de exportação Tabela: Taxa de câmbio, preços externo e interno, Brasil (1889-1900)
  12. 12. A agricultura de exportação <ul><li>Convênio de Taubaté (1906) </li></ul><ul><ul><li>Compra do excedente da safra de café pelo Governo. </li></ul></ul><ul><ul><li>Obtenção de empréstimo para compra do excedente. </li></ul></ul><ul><ul><li>Cobrança de imposto sobre exportação para arcar com os serviços da dívida. </li></ul></ul><ul><ul><li>Proibição de novas plantações </li></ul></ul><ul><ul><li>Evitar a valorização da moeda: Caixa de Conversão, emissão de moeda lastreada em divisas. </li></ul></ul><ul><li>Inconsistência de longo prazo </li></ul><ul><ul><li>Estímulo a produção </li></ul></ul><ul><ul><li>Tendência a superprodução: terras e mão-de-obra abundante. </li></ul></ul><ul><ul><li>Política de proibição de novas plantações de difícil implementação. </li></ul></ul><ul><ul><li>Entre 1900-1929, produção saltou de 13,8 milhões de sacas para 29,2 milhões. </li></ul></ul><ul><ul><li>Proibição não podia se estender a outros países produtores. </li></ul></ul><ul><ul><li>Política de defesa do café resistiu até 1929: retração da demanda pelo produto e dos mercados financeiros. </li></ul></ul>
  13. 13. Diversificação da produção <ul><li>Teoria da base exportadora </li></ul><ul><ul><li>Base exportadora: atividade dinâmica voltada para o mercado externo que propicia renda local e o fomento de outras atividades. </li></ul></ul><ul><ul><li>Atividades de apoio a produção </li></ul></ul><ul><ul><li>Atividades de bens de consumo </li></ul></ul><ul><ul><li>Atividades geradas podem se tornar eficientes e passar a compor a base exportadora </li></ul></ul><ul><li>Diversificação de atividade da economia cafeeira </li></ul><ul><ul><li>Comercial e financeira </li></ul></ul><ul><ul><li>Ferrovias: centros administrativos e oficinas </li></ul></ul><ul><ul><li>Serviços urbanos: iluminação, transporte, telefonia. </li></ul></ul><ul><ul><li>W. Cano (1977): “complexo cafeeiro”. </li></ul></ul>
  14. 14. Diversificação da produção <ul><li>Forte impacto na capital paulista </li></ul><ul><ul><li>Mais distante do centro de produção, Campinas, e com menor acessoo a mercados do que Santos. </li></ul></ul><ul><ul><li>São Paulo, sede da Província, clima mais ameno indicado por sanitaristas em um período de constantes endemias tropicais. </li></ul></ul><ul><ul><li>Fazendeiros vieram residir na capital. </li></ul></ul><ul><ul><li>Adensamento econômico, centralização dos negócios. </li></ul></ul><ul><li>Substituição do trabalho escravo pelo assalariado </li></ul><ul><ul><li>C. Furtado (1959): ressalta o imigrante enquanto ‘consumidor’, núcleo do mercado interno. </li></ul></ul><ul><ul><li>Questão: já não havia um mercado interno, trabalhos urbanos da capital e de outros núcleos no Brasil? </li></ul></ul><ul><ul><li>S. Silva (1976): destaca a oferta de mão-de-obra para indústria nascente. </li></ul></ul><ul><ul><li>Questão: além da leitura enquanto oferta de trabalho e demanda por bens, qual o impacto econômico de uma cultural importada, comprometida com o trabalho e acumulação de capital? </li></ul></ul>
  15. 15. Imigração <ul><li>Alteração nos fluxos migratórios no séc. XX </li></ul><ul><ul><li>Redução da imigração subvencionada e aumento da imigração espontânea que, com freqüência, busca os centros urbanos. </li></ul></ul><ul><ul><li>Redução da parcela de imigrantes italianos e crescimento da imigração portuguesa, espanhola e japonesa. </li></ul></ul><ul><ul><li>Aumento das imigrações internas, que ultrapassam a imigração externa já a partir da década de 30. </li></ul></ul>
  16. 16. Produção primária - outros <ul><li>Produtos primários </li></ul><ul><ul><li>Surto da borracha na Floresta Amazônica, 1898-1910 </li></ul></ul><ul><ul><li>Açúcar, tradicional produto da pauta de exportação brasileira, passa a ser direcionado ao mercado interno. </li></ul></ul><ul><ul><li>Rio Grande do Sul, pecuária e derivados sólida articulação com o mercado interno. </li></ul></ul>

×