Modelo de questionário

101,881 views

Published on

Modelo Descritivo de Questionário volta a Pesquisa de Mercado.

0 Comments
6 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
101,881
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
15
Actions
Shares
0
Downloads
642
Comments
0
Likes
6
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Modelo de questionário

  1. 1. UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ GRAZIELE BRUGNAGO ROSA FIDÊNCIO VIEIRAA INFLUÊNCIA DO BELO NO CONSUMO DE COSMÉTICOS Balneário Camboriú 2007
  2. 2. GRAZIELE BRUGNAGO ROSA FIDÊNCIO VIEIRAA INFLUÊNCIA DO BELO NO CONSUMO DE COSMÉTICOS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como requisito para avaliação da Banca Examinadora, do curso de Cosmetologia e Estética da Universidade do Vale do Itajaí, Centro de Educação Balneário Camboriú. Orientadora: Juliana Cristina Gallas Balneário Camboriú 2007
  3. 3. A influência do belo no consumo de cosméticos.Graziele Brugnago1 – Acadêmica do Curso de Cosmetologia e Estética, daUniversidade do Vale do Itajaí, Balneário Camboriú, Santa Catarina ( Univali) .Rosa Fidêncio Vieira2 – Acadêmica do Curso de Cosmetologia e Estética, daUniversidade do Vale do Itajaí, Balneário Camboriú, Santa Catarina ( Univali) .Juliana Cristina Gallas3 – Administradora, mestranda, professora do curso deCosmetologia e Estética da Universidade do Vale do Itajaí (Univali).Contato1 graziele.brugnago@univali.br2 rosaduge@hotmail.com3 jugallas@univali.brRESUMO O conceito de consumo está contextualizado no mundo capitalista dabeleza padrão, o interesse da pesquisa por este tema foi despertado pelaconstatação do crescimento e rentabilidade do setor da beleza, o consumo decosmético através do belo. O belo, uma visão de padrão de beleza impostospelo convívio social que determina os objetos que devem ser consumidos,sendo aceitos pela sociedade, estimula as consumidoras, através da mídia aprocurar o que é belo a partir dos padrões de serviços de beleza, tais comocosméticos, esteticistas, médicos estéticos, academias, nutricionistas, spa’s eafins. Sendo assim, este trabalho tem como objetivo analisar o aumento doconsumo na área da beleza, tanto nos cosméticos quanto no consumo eprocura dos profissionais da área da beleza. O público alvo da pesquisa foirestrito às usuárias de cosméticos, pertencentes às classes A e B, variandoentre 15 e 60 anos, residentes nas cidades de Balneário Camboriú e Itajaí efreqüentadoras de dois salões de beleza, que responderam ao questionárioelaborado para esta pesquisa.Palavras-chave: Beleza. Cosméticos. Consumidor.
  4. 4. INTRODUÇÃO Os valores estéticos atualmente empregados, surgiram na GréciaClássica, quando os gregos difundiram o gosto pela harmonia, proporção dasformas e equilíbrio perfeito, criando os padrões de beleza imitados até hoje. Odeus Apolo era modelo de beleza e proporção, tanto que, os pintores eescultores, usavam as partes do corpo que achavam belos, de vários modelos,para reproduzir o deus grego. (KURY; HARGREAVES; VALENÇA, 2000) Estes padrões de beleza acompanharam a humanidade ao longo dosanos, tendo poucos períodos em que foram alterados, para corresponder amoda ditada em cada época. Não alterando porém, que os padrões de beleza,na maioria da vezes, eram inspirados em personagens famosos. Quando ocliente decidi cortar os cabelos num salão de beleza, a maioria ressalta aocabeleireiro que faça um corte igual ao da heroína da novela, ou baseiam-senas revistas especializadas, que mostram as modas mais recentes. (KURY;HARGREAVES; VALENÇA, 2000). O belo é um tema subjetivo pois depende da concepção, cultura e meiosocial de quem esta observando. No Brasil, a mídia apresenta um padrão debeleza quase que inatingível para a maioria das mulheres, e como estácorrelacionada com a idade, o uso de recursos para recuperação da juventudee beleza estão cada dia mais evoluídos, tanto nos cosméticos quanto nosprocedimentos cirúrgicos. (TEIXEIRA, 2002) No mundo todo, o aumento da procura pela beleza imposta pelasociedade e pela mídia, está em constante crescimento. O que leva a discutirquais os fatores que afetam o público masculino e feminino no consumoexagerado de produtos e serviços de beleza e estética com o objetivo deanalisar o aumento do consumo de cosméticos através de uma pesquisaquantitativa exploratória, por meio de um questionário. A evolução docosmético e da medicina estética abre uma gama de opções para oconsumidor, levando-o cada vez mais a investir em produtos que os ajudem aatingir os padrões de beleza hoje impostos.
  5. 5. A BELEZA E O COSMÉTICO A beleza é algo que chama a atenção do homem desde o início dostempos. Seja na literatura, na pintura, na arte ou no próprio homem. Ospintores famosos procuravam modelos que lhes eram belas para pintarem. “ Énos ateliês que se acumulam, desde o fim do século XV, retratos de mulheresescolhidas menos por seu prestígio ou seu estatuto social do que por suabeleza.” (VIGARELLO, 2006). A beleza humana sempre foi cultuada, conformeas imposições de sua época. No século XVI, o corpo considerado belo era umcorpo “carnudo, cheio de curvas”. “O corpo feminino em particular ganha entãouma espessura e uma carnação que não tinha. A aparência se torna maispolpuda, o contorno mais consistente.” (VIGARELLO, 2006). É no século XVIque surgem os manuais de boas maneiras, que tomam conta da corte, e ainclusão de perucas, maquiagens, jóias, sedas e sapatos altos, tanto para oshomens quanto para as mulheres. ( KURY; HARGREAVES; VALENÇA, 2000). No século XVII os rostos deixam de ser um branco uniforme, paracolorir-se de vermelho, as mulheres nobres usam espartilhos feitos nos corpospara apertarem os seios e abdômen e corrigir a postura, deixando-a quase comcorpo de homem. A partir do século XIX o padrão de beleza começa a mudar,tornando os corpos mais delgados., passando pelos espartilhos do séculoXVIII, quando também, a maquiagem começou a adquirir nuanças variadas,tornando a busca pela individualização possível e, deixando de ser caseira,tornou-se especialidade de boticários e perfumistas. “O comércio semultiplicou. Hierarquizou-se. Comissários e subempreiteiros se instituíram,enquanto o comércio ambulante difundia os produtos mais comuns: pós paraas perucas, pomadas para as mãos.” (VIGARELLO, 2006). Foi no fim doséculo XIX que iniciou a alusão aos regimes e exercícios para emagrecer,criando o mercado do embelezamento, as indústrias produzem artigos debeleza em larga escala, tornando-os mais baratos. (KURY; HARGREAVES;VALENÇA, 2000). Nos anos 50, começaram a surgir produtos para controlar opeso. Na década de 60, as mulheres que sofrem cobranças quanto à beleza,começam a colorir os fios brancos ou colorem para parecerem as deusas docinema e da televisão. (KURY; HARGREAVES; VALENÇA, 2000).
  6. 6. Assim, as transformações foram aparecendo como cascatas até os diasatuais, com novas tecnologias e a comunicação mais acessível, tornando omercado da beleza num mercado em ascensão. A Cosmética e a Dermatologiatêm evoluido de modo extraordinário nos últimos anos, somando recursos eesforços para que os tratamentos de pele tenham resultados cada vez maispromissores (KEDE; SABATOVICH, 2004) Em matéria intitulada Beleza sem Fronteira, que apresenta umaentrevista com Andrea Jung, presidente mundial da Avon, publicada pelarevista Veja (2001b, p. 11-15), encontram-se importantes dados econsiderações sobre cosméticos(...) comprovando que a Avon é uma dasmaiores multinacionais da área, encontra-se que ela está presente em 140países e tem um faturamento anual em torno de 7 bilhões de dólares.(TEIXEIRA, 2002) Esta matéria mostra o que a mídia veicula todos os dias sobre oaumento da indústria dos cosméticos. De acordo com o estudo realizado porTeixeira (2002) com 30.000 mulheres em 33 países... Dessas, 82% disseramque produtos de beleza são uma necessidade, e não um luxo. A vaidade é umvalor universal." A compreensão da relação entre indivíduos e objetos deconsumo, suscita o entendimento do homem como um ser dotado denecessidades sociais que sobrepujam as necessidades naturais. Esta corrida pela beleza muitas vezes é imposta pela sociedade, já queé imprescindível, em anúncios de empregos, boa aparência, o que, na maioriados casos, está associada à beleza corporal humana, além de que homens emulheres buscam atributos de beleza em seus parceiros, assim afirmando ovalor generalizado dispensado à beleza. A obtenção de emprego e a escolhade parceiro sexual, dão retorno positivo à pessoas belas. Outra recompensaque a beleza dá às pessoas é a simpatia, confiança, auxílio financeiro eparceiros sexuais, com maior grau de facilidade do que para as pessoasconsideradas menos belas. (TEIXEIRA, 2002) A crescente busca humana pela preservação do vigor, da juventude, dabeleza e da aparência saudável e os apelos da mídia, têm sido incentivadospelos avanços tecnológicos ocorridos na medicina, biotecnologia, cosmética,etc. O mercado dos cosméticos está em ascensão, aumentando acompetitividade, exigindo um posicionamento estratégico bem estruturado e o
  7. 7. fortalecimento e diferenciação de princípios ativos e resultados. O mercado dabeleza emprega direta e indiretamente 2,5 milhões de pessoas e vem criandoatrativos para novos investimentos e negócios. Segundo dados do IBGE(2006), o mercado dos cosméticos cresce aproximadamente 10% ao ano,atento aos desejos e necessidades do consumidor, acompanhando a moda e aalta tecnologia. Os fabricantes de cosméticos devem estar atentos aos desejos,novas tendências e materializá-las criando produtos ou aperfeiçoando produtosjá existentes no mercado, para a disputa acirrada entre a concorrência.(MELO; SANTANA; BRITO, 2005). No Brasil, é um mercado ascendente. Aentrada das mulheres no mercado de trabalho, seria um dos motivos desteaumento do setor. (PACHIONE, 2002).METODOLOGIA Foi realizado um estudo do tipo quantitativo exploratório, sendorealizado um questionário com perguntas pertinentes ao assunto abordado napesquisa, e respondido por consumidoras das classes A e B, que freqüentamos salões de beleza em Balneário Camboriú e Itajaí, afim de obtenção dedados sobre o consumo de produtos cosméticos e a importância que elas dãoà beleza imposta pela sociedade atual. Foi realizado também pesquisa emreferenciais teóricos como: livros, revistas, jornais e sites para a elaboração.Atribuindo também relatos apresentados em materiais da área da beleza eestética que não estão ligados a materiais didáticos e teóricos.ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS DADOS O resultado da análise dos questionários, nos mostra que, apesar dealgumas mulheres terem respondido serem pouco vaidosas e terem um gastobaixo com produtos de beleza, em sua grande maioria, responderam quecarregam algum tipo de cosmético na bolsa e, de fazerem uso deles desde aadolescência. Outro ponto analisado, foi que a maioria respondeu não sereminfluenciadas pelos meios de comunicação para o consumo de cosméticos,
  8. 8. mas acham que os padrões de beleza são projetados pela mídia. Oquestionário também nos mostra que apesar de que, para algumas mulheres oconsumo de cosméticos não ser uma prioridade, em sua totalidade, éconsumido por algum motivo, seja ele uma necessidade ou não.RESULTADOS DA PESQUISA Figura 1 – Quanto a profissão dos entrevistados Autônoma Outros 25% Autônoma Outros Estudante Estudante 36% 17% Educação Empresárias Educação Saúde 6% Saúde 11% Empresárias 5% Fonte – autores
  9. 9. Figura 2 – Quanto ao uso de cosméticos Consumo M édio 45% Raramente Pouco Muito Médio Pouco 21% Muito 25% Exagerado Raramente Exagerado 7% 2% Fonte – autoresFigura 3 – Quanto ao perfil das entrevistadas
  10. 10. Perfil Nada Extremamente Vaidosa Nada Vaidosa Vaidosa 4% 7% Pouco Vaidosa Pouco Vaidosa Vaidosa Vaidosa 44% 45% Extremamente Vaidosa Fonte – autoresFigura 4 – Quanto ao cosméticos na bolsa Cosmético na Bolsa Não 18% Sim Não Sim 82% Fonte – autoresFigura 5 – Quanto ao tempo de uso de cosméticos
  11. 11. Tempo de Uso Desde a adolescência Sempre UseiSempre Usei 38% Desde a adolescência 22% Desde os 20 Desde os 20 anos anos Desde os 30 anos 22% Nunca usei Desde os 40 anos 1% Desde os 30 Desde 1 ano atrás anos Nunca usei Desde 1 ano 12% atrás Desde os 40 3% anos 2% Fonte – autores Figura 6 – Quanto a influência dos meios de comunicação Influência da Comunicação Televisão Jornais Sim 16% 0% 32% Sim Não Revistas Revistas 16% Jornais Televisão Não 36% Fonte – autores
  12. 12. Figura 7 – Quanto a projeção em ídolos Projetados em Ídolos Não 40% Sim Não Sim 60% Fonte – autoresFigura 8 – Quanto ao uso de cosméticos por necessidade Uso por Necessidade Não 42% Sim Sim Não 58% Fonte – autores
  13. 13. Figura 9 – Quanto a análise da necessidade ou supérfluo Análise da Necessidade Não 29% Sim Não Sim 71% Fonte – autoresFigura 10 – Quanto ao perfil do consumidor Perfil Consumidor Compra pouco Só compra o que necessita Só compra o que 51% necessita Exagera às Exagera às vezes Compra vezes pouco 24% Exagera Exagera sempre 15% Compulsiva sempre 4% 6% Compulsiva Fonte – autores
  14. 14. CONSIDERAÇÕES FINAIS Este artigo mostra como surgiu a importância do belo em relação àsociedade e aos padrões de beleza atuais. O que as pessoas buscam noscosméticos e nos métodos de obtenção da beleza, como tratamentos estéticose cirúrgicos. Apesar dos resultados da pesquisa obterem dados contraditórios,fica implícito o interesse das pessoas em buscar cada vez mais, recursos paraa recuperação ou manutenção da beleza, como fins sociais ou para seu bem-estar. Este trabalho se propõe como base para futuros estudos, direcionadopara uma análise da influência da mídia, especificamente novelas, nos hábitosde consumo de cosméticos.
  15. 15. REFERÊNCIASPACHIONE, R. Revista Atualidades: SETOR DEMANDA MAIS INSUMOS ETECNOLOGIA. 2002. Disponível em: http://www.quimica.com.br/revistaTEIXEIRA, S. A. Artigos PRODUÇÃO E CONSUMO SOCIAL DA BELEZA.UFRS, 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/scieloMELO, A. C. E. S.; SANTANA, C. M. B.; BRITO, M. E. G. Monografia.IMAGINÁRIO FEMININO NO CONSUMO DE COSMÉTICOS: Um estudosobre a significação das marcas de cremes faciais e o uso desses produtospara o público feminino. UFBA, 2005. Disponível em:http://www.adm.afba.br/CPA_monografias/novo/Monografia_CremesFaciais.pdfKEDE, M. P. V., SABATOVICH, O. DERMATOLOGIA ESTÉTICA. São Paulo.Ed. Atheneu, 2004.VIGARELLO, Georges. HISTÓRIA DA BELEZA: O corpo e a arte de seembelezar, do Renascimento aos dias de hoje. Rio de Janeiro. Ediouro,2006.KURY, L.; HARGREAVES, L.; VALENÇA, M. T. RITOS DO CORPO. Rio deJaneiro. Ed. Senac Nacional, 2000.
  16. 16. ANEXO I QUESTIONÁRIO DE PESQUISA1) Qual a sua profissão ou ocupação?( ) Estudante ( ) Profissional da saúde ( ) Profissional da Educação( ) Autônoma ( ) Empresária ( ) Outros2) Você costuma fazer uso de cosméticos?( ) Raramente ( ) Pouco ( ) Médio ( ) Muito ( ) Exagerado3) Qual o seu gasto mensal com cosmético?( ) Abaixo de R$ 20,00 ( ) R$ 30,00 ( ) R$ 50,00 ( ) R$ 100,00( ) R$ 200,00 ( ) Acima de R$ 300,004) Quanto ao seu perfil de consumidora de cosméticos, você se acha:( ) Nada vaidosa ( ) Pouco vaidosa ( ) Vaidosa ( ) Extremamente vaidosa5) Você tem cosméticos e perfumaria na bolsa? ( ) Sim ( ) Não6) Há quanto tempo você faz uso de cosméticos?( ) Sempre usei ( ) Desde a adolescência ( ) Desde os 20 anos( ) Desde os 30 anos ( ) Desde os 40 anos ( ) Desde 1 ano atrás( ) Nunca usei7) Você é influenciada pelos meios de comunicação para consumir cosméticos?( ) Sim ( ) Não Quais? ( ) Revistas ( ) Jornais ( ) Televisão8) Na sua opinião, os padrões de beleza são projetados em cima de ídolos?( ) Sim ( ) Não9) Você faz uso de cosméticos por alguma necessidade?( ) Sim ( ) Não10) Ao comprar um cosmético, você analisa se ele é uma necessidade ou supérfluo?( ) Sim ( ) Não11) Você se considera uma consumidora:( ) Compra pouco( ) Só compra o que necessita( ) Exagera às vezes( ) Exagera sempre( ) Compulsiva

×