SlideShare a Scribd company logo
1 of 88
Download to read offline
ufma.2010




Histere e Bi-estabilidade
                             R.A. Kraenkel



   VI Semana de Física da UFMA
            nov.2010
ufma.2010



De volta ao pêndulo
ufma.2010



 De volta ao pêndulo

• Vamos nos interessar novamente pelo
  pêndulo.
ufma.2010



 De volta ao pêndulo

• Vamos nos interessar novamente pelo
  pêndulo.
• Por um pêndulo forçado
ufma.2010



 De volta ao pêndulo

• Vamos nos interessar novamente pelo
  pêndulo.
• Por um pêndulo forçado
• De forma usual.
ufma.2010



 De volta ao pêndulo

• Vamos nos interessar novamente pelo
  pêndulo.
• Por um pêndulo forçado
• De forma usual.
• Usemos o pendulum lab
ufma.2010



Pêndulo: ressonância
ufma.2010



Pêndulo: ressonância
            Vimos que um pêndulo
          simples tem uma curva de
         ressonância como a do lado,
         SE as oscilações forem todas
              de baixa amplitude.
ufma.2010



Pêndulo: ressonância
ufma.2010



     Pêndulo: ressonância

Se nos aventurarmos
 no reino não-linear
termos um curva de
     ressonânica
     deformada.
ufma.2010



     Pêndulo: ressonância

Se nos aventurarmos
 no reino não-linear
termos um curva de
     ressonânica
     deformada.
ufma.2010



Bi-estabilidade
ufma.2010



        Bi-estabilidade
• No diagrama de ressonância não-linear
  temos um exemplo de bi-estabilidade:
ufma.2010



        Bi-estabilidade
• No diagrama de ressonância não-linear
  temos um exemplo de bi-estabilidade:
• podemos ter duas amplitudes para uma
  mesma força externa
ufma.2010



         Bi-estabilidade
• No diagrama de ressonância não-linear
  temos um exemplo de bi-estabilidade:
• podemos ter duas amplitudes para uma
  mesma força externa
• Isso, numa certa região.
ufma.2010



           Histerese

• Dizemos que temos histerese quando
  variamos umparâmetro externo lentamente
  num ciclo, mas ao final dele o sistema não
  volta ao estado inicial.
ufma.2010



Catástrofe
ufma.2010



           Catástrofe

• Vemos que biestabilidade vem
  acompanhade de transições abruptas.
ufma.2010



           Catástrofe

• Vemos que biestabilidade vem
  acompanhade de transições abruptas.
ufma.2010



           Catástrofe

• Vemos que biestabilidade vem
  acompanhade de transições abruptas.


• Quando saímos da região de bi-estabilidade
  o sistema se acomoda na solução estável
  única.
ufma.2010

Vegetaçào no Semi-
      Árido
ufma.2010

Vegetaçào no Semi-
      Árido
ufma.2010

Vegetaçào no Semi-
      Árido
ufma.2010



Água
ufma.2010



Água
ufma.2010



                Água


Colorado, USA          Kalahari, Namibia
ufma.2010



                     Água


  Colorado, USA                Kalahari, Namibia




A água é o principal limitante para o cresciemnto de
         vegetaçào em regiões semi-áridas
ufma.2010



Modelo de Klausmeier
ufma.2010



Modelo de Klausmeier
   w-- volume de água no solo
ufma.2010



Modelo de Klausmeier
   w-- volume de água no solo
      u -- biomassa vegetal
ufma.2010



Modelo de Klausmeier
   w-- volume de água no solo
      u -- biomassa vegetal
ufma.2010



 Modelo de Klausmeier
        w-- volume de água no solo
           u -- biomassa vegetal


chuva
ufma.2010



 Modelo de Klausmeier
           w-- volume de água no solo
              u -- biomassa vegetal


chuva   evaporação
ufma.2010



 Modelo de Klausmeier
           w-- volume de água no solo
              u -- biomassa vegetal


chuva   evaporação   consumo por
                       plantas
ufma.2010



 Modelo de Klausmeier
           w-- volume de água no solo
              u -- biomassa vegetal


chuva   evaporação   consumo por
                       plantas
ufma.2010



 Modelo de Klausmeier
           w-- volume de água no solo
              u -- biomassa vegetal


chuva   evaporação   consumo por
                       plantas




                              morte natural
ufma.2010



 Modelo de Klausmeier
           w-- volume de água no solo
              u -- biomassa vegetal


chuva   evaporação   consumo por
                       plantas




                              morte natural   consumo d’agua
ufma.2010



Forma adimensional
ufma.2010



Forma adimensional
ufma.2010



Forma adimensional
ufma.2010



Forma adimensional
ufma.2010



Forma adimensional
ufma.2010



Forma adimensional
ufma.2010



Pontos Fixos
ufma.2010



Pontos Fixos
ufma.2010



Interpretação
ufma.2010



Interpretação
ufma.2010



Interpretação
ufma.2010



Interpretação


        deserto
ufma.2010



Interpretação


        deserto
ufma.2010



         Interpretação


                           deserto




condições de existência da vegetação: precipitaçào
          maior que um certo mínimo
ufma.2010



Dois pontos fixos
ufma.2010



Dois pontos fixos
ufma.2010



Dois pontos fixos
ufma.2010



Histerese
ufma.2010



Sahara
ufma.2010



Mais realístico
ufma.2010



Dunas
ufma.2010



               Dunas
• Dunas podem ser móveis (aticvas) ou
  imóveis (fixas).
ufma.2010



               Dunas
• Dunas podem ser móveis (aticvas) ou
  imóveis (fixas).
• Tudo depende da vegetação nelas.
ufma.2010



               Dunas
• Dunas podem ser móveis (aticvas) ou
  imóveis (fixas).
• Tudo depende da vegetação nelas.
• As fixas tem vegetaçào
ufma.2010



               Dunas
• Dunas podem ser móveis (aticvas) ou
  imóveis (fixas).
• Tudo depende da vegetação nelas.
• As fixas tem vegetaçào
• As ativas não.
ufma.2010



               Dunas
• Dunas podem ser móveis (aticvas) ou
  imóveis (fixas).
• Tudo depende da vegetação nelas.
• As fixas tem vegetaçào
• As ativas não.
• A vegetação depende das condições do
  clima e do vento médio sobre as dunas.
ufma.2010



Lençois Maranhenses
ufma.2010



Lençois Maranhenses
ufma.2010



Lençois Maranhenses
          Ativas
ufma.2010



Lençois Maranhenses
          Ativas




                   Fixas
ufma.2010



Lençois Maranhenses
          Ativas
                   Se as condições
                    externas são
                    idênticas, por
                   que há dois tipo
                      de dunas?

                    Fixas
ufma.2010



Bi-estabilidade e Dunas
ufma.2010



Bi-estabilidade e Dunas
ufma.2010



Dinâmica de Vegetação
ufma.2010



Dinâmica de Vegetação
ufma.2010



      Dinâmica de Vegetação
   taxa de
crescimento
da biomassa
da vegetação
ufma.2010



      Dinâmica de Vegetação
   taxa de
crescimento
da biomassa
da vegetação


 crescimento “tipo”logístico
ufma.2010



      Dinâmica de Vegetação
   taxa de
crescimento
da biomassa
da vegetação


 crescimento “tipo”logístico
                           efeito do
                      movimento da areia
                       sobre a vegetaçào
ufma.2010



      Dinâmica de Vegetação
   taxa de
crescimento
da biomassa
da vegetação

                                           Efeito direto
 crescimento “tipo”logístico                 do vento
                                              sobre a
                           efeito do        vegetação
                      movimento da areia
                       sobre a vegetaçào
ufma.2010



Pontos fixos:
ufma.2010



Pontos fixos:
ufma.2010



Pontos fixos:
ufma.2010



Pontos fixos:


            Bi-estabilidade:
           co-existência de
             dois tipos de
                 dunas
ufma.2010



Final
ufma.2010



                         Final

•   Pêndulos, pororocas, dunas, florestas: tudo isso está ao nosso
    redor e pode conter física da mais interssante.
ufma.2010



                         Final

•   Pêndulos, pororocas, dunas, florestas: tudo isso está ao nosso
    redor e pode conter física da mais interssante.

•   Muitas vezes, a mesma física de sistemas de laboratório.
ufma.2010



                         Final

•   Pêndulos, pororocas, dunas, florestas: tudo isso está ao nosso
    redor e pode conter física da mais interssante.

•   Muitas vezes, a mesma física de sistemas de laboratório.

•   Matemática interessante tanbém.
ufma.2010



                         Final

•   Pêndulos, pororocas, dunas, florestas: tudo isso está ao nosso
    redor e pode conter física da mais interssante.

•   Muitas vezes, a mesma física de sistemas de laboratório.

•   Matemática interessante tanbém.

•   Portanto:
ufma.2010



                         Final

•   Pêndulos, pororocas, dunas, florestas: tudo isso está ao nosso
    redor e pode conter física da mais interssante.

•   Muitas vezes, a mesma física de sistemas de laboratório.

•   Matemática interessante tanbém.

•   Portanto:

•    ABRA OS OLHOS E NÃO TENHA MEDO DE ESTUDAR
         AQUILO QUE VOCÊ ACHA INTERESSANTE
ufma.2010



                         Final

•   Pêndulos, pororocas, dunas, florestas: tudo isso está ao nosso
    redor e pode conter física da mais interssante.

•   Muitas vezes, a mesma física de sistemas de laboratório.

•   Matemática interessante tanbém.

•   Portanto:

•    ABRA OS OLHOS E NÃO TENHA MEDO DE ESTUDAR
         AQUILO QUE VOCÊ ACHA INTERESSANTE
ufma.2010

       Obrigado pela
        audiência


• http://web.me.com/kraenkel/ufma

More Related Content

What's hot

Questões Corrigidas, em Word: Ondas - Conteúdo vinculado ao blog http:...
Questões Corrigidas, em Word:  Ondas  - Conteúdo vinculado ao blog      http:...Questões Corrigidas, em Word:  Ondas  - Conteúdo vinculado ao blog      http:...
Questões Corrigidas, em Word: Ondas - Conteúdo vinculado ao blog http:...Rodrigo Penna
 
FenôMenos Com Ondas Sonoras
FenôMenos Com Ondas SonorasFenôMenos Com Ondas Sonoras
FenôMenos Com Ondas Sonorasguest09bce56
 
Fenômenos ondulatórios ressonancia batimento
Fenômenos ondulatórios   ressonancia batimentoFenômenos ondulatórios   ressonancia batimento
Fenômenos ondulatórios ressonancia batimentoJair Lucio Prados Ribeiro
 
Fenômenos ondulatórios final
Fenômenos ondulatórios finalFenômenos ondulatórios final
Fenômenos ondulatórios finalprofatatiana
 
sonorização de ambientes
  sonorização de ambientes  sonorização de ambientes
sonorização de ambientesLeribeiro9
 
Exercícios sobre ondas (ondas estacionárias) física
Exercícios sobre ondas (ondas estacionárias)   físicaExercícios sobre ondas (ondas estacionárias)   física
Exercícios sobre ondas (ondas estacionárias) físicaMatheus Alves
 
Lista 01 2012 projeto medicina 2012 - itens da habilidade 01 - competência 01
Lista 01 2012   projeto medicina 2012 - itens da habilidade 01 - competência 01Lista 01 2012   projeto medicina 2012 - itens da habilidade 01 - competência 01
Lista 01 2012 projeto medicina 2012 - itens da habilidade 01 - competência 01Ivys Urquiza
 
Raio x 2016 aula 01 (versão degustação)
Raio x 2016   aula 01 (versão degustação)Raio x 2016   aula 01 (versão degustação)
Raio x 2016 aula 01 (versão degustação)Ivys Urquiza
 
Velocidade de propagação das
Velocidade de propagação dasVelocidade de propagação das
Velocidade de propagação dasFabiana Gonçalves
 
Fenômenos Ondulatórios
Fenômenos Ondulatórios Fenômenos Ondulatórios
Fenômenos Ondulatórios Faculdade Nobre
 
Fisica ondas ondulatoria_exercicios
Fisica ondas ondulatoria_exerciciosFisica ondas ondulatoria_exercicios
Fisica ondas ondulatoria_exerciciosEmerson Assis
 
Refração da luz
Refração da luzRefração da luz
Refração da luzparamore146
 

What's hot (20)

Questões Corrigidas, em Word: Ondas - Conteúdo vinculado ao blog http:...
Questões Corrigidas, em Word:  Ondas  - Conteúdo vinculado ao blog      http:...Questões Corrigidas, em Word:  Ondas  - Conteúdo vinculado ao blog      http:...
Questões Corrigidas, em Word: Ondas - Conteúdo vinculado ao blog http:...
 
FenôMenos Com Ondas Sonoras
FenôMenos Com Ondas SonorasFenôMenos Com Ondas Sonoras
FenôMenos Com Ondas Sonoras
 
Fenômenos ondulatórios ressonancia batimento
Fenômenos ondulatórios   ressonancia batimentoFenômenos ondulatórios   ressonancia batimento
Fenômenos ondulatórios ressonancia batimento
 
Fenômenos ondulatórios final
Fenômenos ondulatórios finalFenômenos ondulatórios final
Fenômenos ondulatórios final
 
sonorização de ambientes
  sonorização de ambientes  sonorização de ambientes
sonorização de ambientes
 
Equação da onda
Equação da ondaEquação da onda
Equação da onda
 
Exercícios sobre ondas (ondas estacionárias) física
Exercícios sobre ondas (ondas estacionárias)   físicaExercícios sobre ondas (ondas estacionárias)   física
Exercícios sobre ondas (ondas estacionárias) física
 
Refração
RefraçãoRefração
Refração
 
Ondas sonoras
Ondas sonorasOndas sonoras
Ondas sonoras
 
Lista 01 2012 projeto medicina 2012 - itens da habilidade 01 - competência 01
Lista 01 2012   projeto medicina 2012 - itens da habilidade 01 - competência 01Lista 01 2012   projeto medicina 2012 - itens da habilidade 01 - competência 01
Lista 01 2012 projeto medicina 2012 - itens da habilidade 01 - competência 01
 
Ondas gabarito versão final
Ondas gabarito versão finalOndas gabarito versão final
Ondas gabarito versão final
 
Raio x 2016 aula 01 (versão degustação)
Raio x 2016   aula 01 (versão degustação)Raio x 2016   aula 01 (versão degustação)
Raio x 2016 aula 01 (versão degustação)
 
Reflexão, refração das ondas de rádio
Reflexão, refração das ondas de rádioReflexão, refração das ondas de rádio
Reflexão, refração das ondas de rádio
 
Velocidade de propagação das
Velocidade de propagação dasVelocidade de propagação das
Velocidade de propagação das
 
Fenômenos Ondulatórios
Fenômenos Ondulatórios Fenômenos Ondulatórios
Fenômenos Ondulatórios
 
Fisica ondas ondulatoria_exercicios
Fisica ondas ondulatoria_exerciciosFisica ondas ondulatoria_exercicios
Fisica ondas ondulatoria_exercicios
 
Refração
 Refração Refração
Refração
 
Refração da luz
Refração da luzRefração da luz
Refração da luz
 
Refração da luz
Refração da luzRefração da luz
Refração da luz
 
Exercícios revisional-2011-
Exercícios revisional-2011-Exercícios revisional-2011-
Exercícios revisional-2011-
 

More from Roberto Kraenkel

Modelos Matemáticos para Epidemias
Modelos Matemáticos para EpidemiasModelos Matemáticos para Epidemias
Modelos Matemáticos para EpidemiasRoberto Kraenkel
 
An informal introduction to the Brazilian science system
An informal introduction  to the Brazilian science systemAn informal introduction  to the Brazilian science system
An informal introduction to the Brazilian science systemRoberto Kraenkel
 
Science in Brazil, Brazil in Science
Science in Brazil, Brazil in ScienceScience in Brazil, Brazil in Science
Science in Brazil, Brazil in ScienceRoberto Kraenkel
 
Area Effects and Competition in Fragments
Area Effects and Competition in FragmentsArea Effects and Competition in Fragments
Area Effects and Competition in FragmentsRoberto Kraenkel
 
Resonances and bi-modality in a model for cholera
Resonances and bi-modality in a model for choleraResonances and bi-modality in a model for cholera
Resonances and bi-modality in a model for choleraRoberto Kraenkel
 
population dynamics of insects
population dynamics of insects population dynamics of insects
population dynamics of insects Roberto Kraenkel
 
Tópicos de Biologia-Matemática
Tópicos de Biologia-MatemáticaTópicos de Biologia-Matemática
Tópicos de Biologia-MatemáticaRoberto Kraenkel
 
Ondas de Choque: Água, Luz e Condensados
Ondas de Choque: Água, Luz e CondensadosOndas de Choque: Água, Luz e Condensados
Ondas de Choque: Água, Luz e CondensadosRoberto Kraenkel
 
Estabilização dinâmica
Estabilização dinâmica Estabilização dinâmica
Estabilização dinâmica Roberto Kraenkel
 
Aula quatro jornadas12_handout
Aula quatro jornadas12_handoutAula quatro jornadas12_handout
Aula quatro jornadas12_handoutRoberto Kraenkel
 
Tópicos de Biologia-Matemática III
Tópicos de Biologia-Matemática IIITópicos de Biologia-Matemática III
Tópicos de Biologia-Matemática IIIRoberto Kraenkel
 
Tópicos em Biologia-Matemática II
Tópicos em Biologia-Matemática IITópicos em Biologia-Matemática II
Tópicos em Biologia-Matemática IIRoberto Kraenkel
 
Tópicos em Biologia Matemática I
Tópicos em Biologia Matemática ITópicos em Biologia Matemática I
Tópicos em Biologia Matemática IRoberto Kraenkel
 
Indirect effects affects ecosystem dynamics
Indirect effects affects ecosystem dynamicsIndirect effects affects ecosystem dynamics
Indirect effects affects ecosystem dynamicsRoberto Kraenkel
 
Facilitation in Population Dynamics
Facilitation in Population DynamicsFacilitation in Population Dynamics
Facilitation in Population DynamicsRoberto Kraenkel
 
Atraso temporal em Sistemas Biológicos
Atraso temporal em Sistemas BiológicosAtraso temporal em Sistemas Biológicos
Atraso temporal em Sistemas BiológicosRoberto Kraenkel
 
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado  Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado Roberto Kraenkel
 

More from Roberto Kraenkel (20)

Modelos Matemáticos para Epidemias
Modelos Matemáticos para EpidemiasModelos Matemáticos para Epidemias
Modelos Matemáticos para Epidemias
 
An informal introduction to the Brazilian science system
An informal introduction  to the Brazilian science systemAn informal introduction  to the Brazilian science system
An informal introduction to the Brazilian science system
 
Science in Brazil, Brazil in Science
Science in Brazil, Brazil in ScienceScience in Brazil, Brazil in Science
Science in Brazil, Brazil in Science
 
Area Effects and Competition in Fragments
Area Effects and Competition in FragmentsArea Effects and Competition in Fragments
Area Effects and Competition in Fragments
 
Resonances and bi-modality in a model for cholera
Resonances and bi-modality in a model for choleraResonances and bi-modality in a model for cholera
Resonances and bi-modality in a model for cholera
 
population dynamics of insects
population dynamics of insects population dynamics of insects
population dynamics of insects
 
Tópicos de Biologia-Matemática
Tópicos de Biologia-MatemáticaTópicos de Biologia-Matemática
Tópicos de Biologia-Matemática
 
Ondas de Choque: Água, Luz e Condensados
Ondas de Choque: Água, Luz e CondensadosOndas de Choque: Água, Luz e Condensados
Ondas de Choque: Água, Luz e Condensados
 
Estabilização dinâmica
Estabilização dinâmica Estabilização dinâmica
Estabilização dinâmica
 
Aula quatro jornadas12_handout
Aula quatro jornadas12_handoutAula quatro jornadas12_handout
Aula quatro jornadas12_handout
 
Tópicos de Biologia-Matemática III
Tópicos de Biologia-Matemática IIITópicos de Biologia-Matemática III
Tópicos de Biologia-Matemática III
 
Tópicos em Biologia-Matemática II
Tópicos em Biologia-Matemática IITópicos em Biologia-Matemática II
Tópicos em Biologia-Matemática II
 
Tópicos em Biologia Matemática I
Tópicos em Biologia Matemática ITópicos em Biologia Matemática I
Tópicos em Biologia Matemática I
 
Intraguild mutualism
Intraguild mutualismIntraguild mutualism
Intraguild mutualism
 
Indirect effects affects ecosystem dynamics
Indirect effects affects ecosystem dynamicsIndirect effects affects ecosystem dynamics
Indirect effects affects ecosystem dynamics
 
Facilitation in Population Dynamics
Facilitation in Population DynamicsFacilitation in Population Dynamics
Facilitation in Population Dynamics
 
Atraso temporal em Sistemas Biológicos
Atraso temporal em Sistemas BiológicosAtraso temporal em Sistemas Biológicos
Atraso temporal em Sistemas Biológicos
 
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado  Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
 
Mesopredadores
MesopredadoresMesopredadores
Mesopredadores
 
Mutualismo
Mutualismo Mutualismo
Mutualismo
 

Histerese, Bi-estabilidade e Desertificação