Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Aula 08 (4)

4,294 views

Published on

  • Be the first to comment

Aula 08 (4)

  1. 1. ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM Profa . Andréia Neves
  2. 2. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM CONTEÚDO PROGRAMÁTICO • Conhecer os o conceito de administração de recursos humanos e mercado de trabalho • Conhecer o papel do enfermeiro na administração dos recursos humanos • Entender o conceito de escala de enfermagem
  3. 3. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM CONCEITO DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS (ARH) É a área da administração que cuida do suprimento, da manutenção e do desenvolvimento de todos os recursos humanos da empresa. Ela envolve atividades de atrair, manter e desenvolver pessoas nas empresas. Isso significa fazer com que a empresa crie um contexto no qual as pessoas se sintam bem, ao mesmo tempo em que faz com que elas agreguem valor ao trabalho que executam e permite que a empresa alcance os resultados pretendidos pela sua administração. A interação entre empresas e pessoas é o assunto mais importante da ARH.
  4. 4. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM EVOLUÇÃO DO PERFIL PROFISSIONAL DE RECURSOS HUMANOS (RH) E SUAS RESPECTIVAS ÉPOCAS: a)Fase contábil, pioneira da “gestão de pessoal”, também chamada de “pré-histórica” por alguns autores, caracterizava-se pela preocupação existente com os custos da organização. Os trabalhadores eram vistos exclusivamente sob o enfoque contábil: comprava-se a mão de obra e, portanto, as entradas e saídas provenientes dessa conta deveriam ser registradas contabilmente.
  5. 5. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM b) Fase legal registrou o aparecimento da função de chefe de pessoal, profissional cuja preocupação estava centrada no acompanhamento e na manutenção das recém-criadas leis trabalhistas da era getulista. Característica dessa fase: o poder passou dos chefes de produção para as mãos do chefe de pessoal devido as regras e normas jurídicas impostas pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).
  6. 6. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM c) Fase tecnicista • Implantou-se no Brasil o modelo americano de gestão de pessoal e elevou a função de RH ao status  de gerência. • O presidente Juscelino Kubitschek implementou a indústria automobilística no país, • surge nos organogramas das empresas a figura do GRI (Gerente de Relações Industriais). • Representou, para organização e para os trabalhadores, um avanço na qualidade das relações entre capital e trabalho. • A área de RH passou a operacionalizar serviços como: treinamento, recrutamento e seleção, cargos e salários, higiene e segurança no trabalho, benefícios e outros.
  7. 7. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM d) Fase administrativa • Marco histórico nas relações entre capital e trabalho, O gerente de relações industriais passou a se chamar gerente de recursos humanos. Pretendia-se com essa mudança transferir a ênfase em procedimentos burocráticos e puramente operacionais para as responsabilidades de ordem mais humanísticas, voltadas para os indivíduos e suas relações (com os sindicatos, a sociedade etc.).
  8. 8. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM e) Fase estratégica • Surgem os primeiros programas de planejamento estratégico • Nessa fase se registraram as primeiras preocupações de longo prazo, por parte das empresas, com os seus trabalhadores. • O cargo de GRH, de terceiro escalão, em nível ainda tático, passou a ser reconhecido como diretoria, em nível Estratégico nas organizações.
  9. 9. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM VISÃO SISTÊMICA DA ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS Pode ser definida como a capacidade que um profissional tem de "ver" a empresa como um todo e entender como funcionam e se integram seus processos de obtenção, transformação e entrega (delivery) de seus serviços, produtos e informações, ao mercado e, particularmente, aos seus clientes.
  10. 10. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM VISÃO SISTÊMICA DA ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS Entender como se integram os processos internos e como eles se relacionam com o ambiente externo, como circulam as informações veiculadas através destes processos internos, desde seus pontos de origem, nos quais são geradas, até seus destinos, nos quais são utilizadas é uma característica de quem possui tem visão sistêmica.
  11. 11. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM VISÃO SISTÊMICA DA ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS •A visão sistêmica é em grande parte responsável pelo sucesso do modelo "cliente x fornecedor interno", um dos pilares da filosofia da Qualidade Total • Os relacionamentos interpessoais dentro das organizações são pautados pela interface dos processos nos quais as pessoas atuam. • É necessário entender bem qual é seu real papel na estrutura e no processo em que atua para que cada pessoa também perceba quais são os papéis dos seus colegas de trabalho. Para que com este entendimento contribuam voluntária e sistematicamente para o sucesso de todos na organização.
  12. 12. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM ALGUMAS DEFINIÇÕES IMPORTANTES Mercado de trabalho - para Chiavenato “é o conjunto das ofertas de trabalho oferecidas pelas empresas, em certa época e em determinado lugar”  
  13. 13. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM O mercado de trabalho é constituído da demanda (procura) de mão de obra pelas empresas e oferta de trabalho pelos indivíduos. A demanda de trabalho dependerá do nível de preços, da produção e dos salários reais que terão de ser pagos aos seus funcionários, de tal forma a maximizar os lucros da empresa, ou seja, se os níveis salariais estiverem altos e não puder haver repasses de preços de produtos, a tendência é a de menor utilização de mão de obra, substituindo-a por outros recursos de produção, quando possível.
  14. 14. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM MÃO DE OBRA é o trabalho manual empregado geralmente na produção de indústrias, mas também pode ser utilizado para se referir ao trabalhador de qualquer empresa.
  15. 15. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM A mão de obra pode ser dividida em mão de obra direta, que é quando o trabalho é diretamente empregado na fabricação de um bem ou serviço, e a mão de obra indireta que é quando o trabalho é realizado em atividades frequentemente indivisíveis, como a supervisão ou apoio à produção de manutenção de máquinas  e equipamentos, limpeza ou vigilância e etc.
  16. 16. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM O Dimensionamento de Pessoal é a prática da estimativa de profissionais necessários pra realização de uma atividade. Para isso é necessário levar em conta dois aspectos: o quantitativo e o qualitativo. A literatura sobre o assunto habitualmente refere o aspecto qualitativo como o mais importante para o dimensionamento da equipe, pois a capacidade de trabalho de cada profissional é bastante heterogênea variando de acordo com a formação, condições físicas, idade e etc.
  17. 17. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM • A busca pela segurança e por padrões mínimos de assistência ao cliente tem forçado a definição de padrões quantitativos para o cálculo do pessoal necessário para a realização de atividades de enfermagem • Alguns serviços específicos possuem legislação que norteia o cálculo de pessoal, como a terapia intensiva, por exemplo. • Há ainda fórmulas matemáticas com a do Cálculo dos cuidados progressivos (CCP), adaptada da prática da enfermagem norte-americana e de sua variante nacional (constante Marinho), sem contar com a fórmula da carga de trabalho de GAIDZINSKI.
  18. 18. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM  Estas fórmulas matemáticas podem servir como parâmetros para avaliação da adequação do quantitativo de pessoal de cada serviço.  Essas fórmulas nada mais são do que tentativas do uso do estudo dos tempos e movimentos de Taylor (embora de forma mais sutil e sofisticada) para a determinação do pessoal de enfermagem para cada serviço.
  19. 19. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM O cálculo dos cuidados progressivos (CCP):  Esta metodologia leva em consideração o perfil de cuidados (número de horas de assistência) em relação a carga horária semanal da equipe de enfermagem e os dias da semana trabalhados na instituição  É a fórmula mais conhecida e utilizada para dimensionamento de pessoal
  20. 20. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM O cálculo dos cuidados progressivos (CCP): 1º passo: A determinação do perfil de cuidados – Devemos observar (pelo menos 3 meses) a quantidade de pacientes internados em cada setor que poderão ser classificados de acordo com o número de horas de assistência de enfermagem necessárias (nas 24h) para realização de seus cuidados. Os pacientes poderão ser classificados em : autocuidado, intermediários, semi- intensivos e intensivos. Segundo resolução do COREN , consideramos os seguintes parâmetros: 3,8 horas para autocuidado, 5,6 horas para intermediários, 9,4 horas para semi-intensivos e 17,9 horas para intensivos.
  21. 21. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM 2º Passo: Cálculo da(s) força(s) de trabalho em enfermagem (FTE): Fórmula – FTE = NC x HA x DS CHS onde NC = número médio de clientes, HA = horas de assistência , DS = dias da semana trabalhados, CHS = carga horária semanal. Cada grupo de pacientes classificado num tipo de cuidado deverá ter uma FTE calculada.
  22. 22. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM 3º Passo: Cálculo do pessoal de enfermagem (PE): Fórmula – PE = (FTE1 + FTE2 + ... FTEn) + ITS , onde ITS = índice técnico de segurança. Deveremos somar todas as FTE´s existentes no cálculo do 2º passo e acrescentar uma margem de segurança para evitar o desfalque no serviço, o mínimo de ITS previsto pelo COREN, que é de 15%.
  23. 23. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM ESCALAS DE ENFERMAGEM
  24. 24. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM ESCALAS DE ENFERMAGEM Conceito: Escalas são documentos que demonstram a distribuição do trabalho nas equipes de Enfermagem: • Por equipes – Escala Mensal • Por atividades – Escala Diária • Por Férias – Escala Anual.
  25. 25. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM FATORES A CONSIDERAR:  Leis Trabalhistas  Regulamento da Instituição e Regimento do serviço de Enfermagem.  Características da clientela  Características da equipe de enfermagem  Carga horária semanal oficial (CHS)
  26. 26. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM REGIME DE PLANTÃO Carga horária semanal – É o número de horas semanais que um trabalhador é contratado para fazer. Quando o faz em regime de plantão , ela deverá ser calculada pela média no mês, ou seja, número de horas mensais divididas por 4.
  27. 27. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM REGIME DE PLANTÃO  Serviços que por suas características não podem ser interrompidos funcionam em regime de plantão. Equipes fazem rodízios em horas de trabalho e folga podendo trabalhar feriados e finais de semana. Ex: 12 x 60, 24 x 72, etc...  O primeiro valor é referente ao número de horas de cada jornada de trabalho e o segundo valor é o número de horas de descanso após às horas trabalhadas.  O regime de plantão é uma determinação da instituição e desde que não infrinja nenhuma lei trabalhista, o serviço pode escolher aquela que lhe for mais conveniente 
  28. 28. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM Tipos de escala: Escala diária – atividades. É a distribuição do trabalho que o enfermeiro plantonista faz durante o plantão. O critério de divisão geralmente são 3: o Escala funcional – divisão por tarefas (funções) – cada funcionário com uma ou mais tarefas. o Escala integral – cada funcionário será responsável pelos cuidados integrais de um ou mais pacientes. o Escala equipe – um grupo de funcionários será responsável pelos cuidados integrais de um grupo de pacientes.
  29. 29. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM ESCALA ANUAL – FÉRIAS • É a distribuição anual das férias dos funcionários. Recomenda-se que não mais do que 20% dos funcionários de cada equipe estejam escalados em férias. • A distribuição deverá ser feita de forma racional e de acordo com os interesses da empresa.
  30. 30. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM ESCALA MENSAL - EQUIPES É também chamada de escala de pessoal ou escala de folgas. É a distribuição de TODOS os funcionários de um setor ao longo do mês nela serão incluídos: os plantões, as folgas, as férias, as licenças. A escala deverá conter: • Nome da instituição • Nome completo, cargo, CHS, matricula e registro do COREN de cada funcionário; • Mês e ano de referência
  31. 31. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM Alguns Símbolos utilizados: SD –serviço diurno, SN –serviço noturno, P-plantão 24h, F-folga, MT (manhã e tarde), M-manhã, T- tarde, ENF-enfermeiro, A/E – aux. De enfermagem, T/E – Técnico de enfermagem. • Assinatura e carimbo do enfermeiro responsável pela escala • Legendas • Indicações de folgas extras e complementações de carga horária.  
  32. 32. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM EDUCAÇÃO CONTINUADA
  33. 33. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM EDUCAÇÃO CONTINUADA   “processo que inclui as experiências posteriores ao adestramento inicial, que ajudam o pessoal a apreender competências importantes para seu trabalho” (OMS) “processo permanente que se inicia após a formação básica e está destinado a atualizar e melhorar a capacidade de uma pessoa ou grupo, frente às evoluções técnico-científicas e às necessidades sociais” (OPAS)
  34. 34. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM IMPORTÂNCIA: • Necessidade de profissionais capacitados para o alcance dos objetivos da empresa; • Necessidade de atualização; • Integração de novos funcionários; • Motivação do pessoal;
  35. 35. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM OBJETIVOS: • Participar dos processos de mudança na organização • Incentivar as pessoas ao auto desenvolvimento • Capacitar os enfermeiros para a difusão do conhecimento • Coordenar o processo de avaliação e desempenho profissional  
  36. 36. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM Nesta Aula, você: • Entendeu os conceitos de: recursos humanos e o papel da enfermagem • Aprendeu como fazer calculo de pessoal de enfermagem • Aprendeu o que é escala de enfermagem e como fazer, e conheceu ainda o conceito de educação continuada e sua importância.
  37. 37. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM NA PRÓXIMA AULA Vamos Falar sobre: • Recursos físicos e ambientais e aprenderá sobre gerenciamento de resíduos • Aprenderá também normas de segurança e segurança ocupacional
  38. 38. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
  39. 39. AULA 08: A ADMINISTRAÇÃO DE RH E A ENFERMAGEM ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM ESPERO POR VOCÊ !!

×