SEOcamp 2010 SEO para Pequenas e Médias Empresas - Rafael Rez Oliveira

1,178 views

Published on

Palestra do Rafael Rez Oliveira no SEOcamp 2010: "SEO para Pequenas e Médias Empresas".

Published in: Business
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,178
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
131
Actions
Shares
0
Downloads
13
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

SEOcamp 2010 SEO para Pequenas e Médias Empresas - Rafael Rez Oliveira

  1. 1. @RafaelROliveira
  2. 2. seo para micro e pequenas empresas
  3. 3. AGENDA1 Porque escolher PMEs?2 Como é o mercado de PMEs?3 Dicas práticas de SEO
  4. 4. PorqueescolherPMEs?
  5. 5. A Riqueza na Base da Pirâmide O mesmo princípio vale para empresas.A esmagadora maioria é de pequenas empresas.
  6. 6. A web é democrática! (ou deveria ser)Um dos princípios que orientou Tim Berners Lee nacriação das regras da internet comercial foi a igualdade.Pela primeira vez na história da comunicação empresasde portes diferentes podem competir pelos exatosmesmos clientes.Isso derrubou preços de commodities e fez a competiçãoexplodir. Os pequenos agora podem aparecer tantoquanto os grandes. Especialmente no Google!
  7. 7. A verdadeira revolução digital é sobre o poder nas mãos dos consumidores, a habilidade de pesquisar e aprender sobre produtos e serviços e tomar decisões independentes do marketing e da propaganda. Alan Wolkhttp://www.flickr.com/photos/will-lion/3132241336/in/photostream/
  8. 8. As Micro e Pequenas Empresas (MPEs) são das empresas do paísObservatório das MPEs – SEBRAE – SP – nov/2006
  9. 9. O cenário da MPE no Brasil• Anunciar em mídia tradicional (jornal, revista, outdoor) é cada vez mais caro e com o excesso de mídias disponíveis, traz menos retorno• Dificuldade de diferenciação no mercado• Menor fidelidade à marca• Orientação para o preço, prazo e parcelamento• PMEs tem pouca verba de mídia. Precisam de mídias: direcionadas, pontuais e mensuráveis
  10. 10. MPEs• PME não tem marca forte• Consumidor que busca atributos, preço e parcelamento, não a marca• Consumidor B2B quer segurança
  11. 11. MPEs• Maior tolerância ao risco• Topam testar idéias e conceitos• Testes mais rápidos• Maior autonomia• Menor dano à imagem em caso de erros• Menos burocracia para aprovar• Resultados evidentes• Custo x benefício mais evidente
  12. 12. Metade é desperdício“Metade dos meus investimentos em publicidade édesperdício. O problema é que não sei qual metade.” John Wanamaker
  13. 13. A Ditadura dos Top 10 “Não figurar entre os primeiros resultados listados em uma determinada busca pode significar “não existir”. Martha GabrielLivro SEM e SEO – Martha Gabriel – pg. 38
  14. 14. http://searchengineland.com/google-has-well-over-a-million-advertisers-16068
  15. 15. As contas listadas são distribuídas em termos de níveis de gastos. O documento mostra: • 47 anunciantes que gastaram mais de US$ 1 milhão em junho • 71 gastaram entre US$ 500K e US $ 1 Mi • 357 gastaram entre US$ 100K e 500K • 1356 gastaram entre US$ 10K e 100K Estes são apenas os clientes faturados diretamente, não os muitos milhares de pequenos anunciantes de auto-atendimento que compõem a cauda longa do Google, um componente-chave na sua receita anual de US$ 23 Bilhões. A soma destes anunciantes é de US$ 300 Mi mensais ou US$ 3,6 Bi anuais.http://adage.com/digital/article?article_id=145720
  16. 16. As contas listadas são distribuídas em termos de níveis de gastos. O documento mostra: • 47 anunciantes que gastaram mais de US$ 1 milhão em junho • 71 gastaram entre US$ 500K e US $ 1 Mi • 357 gastaram entre US$ 100K e 500K • 1356 gastaram entre US$ 10K e 100K Estes são apenas os clientes faturados diretamente, não os muitos milhares de pequenos anunciantes de auto-atendimento que compõem a cauda longa do Google, um componente-chave na sua receita anual de US$ 23 Bilhões. A soma destes anunciantes é de US$ 300 Mi mensais ou US$ 3,6 Bi anuais.http://adage.com/digital/article?article_id=145720
  17. 17. http://www.deccanherald.com/content/101643/google-has-35-million-indian.html
  18. 18. Anatomia da busca
  19. 19. Local Search Power “Mais de 20% das buscas no Google hoje estão relacionadas à locais, são pessoas à procura de médicos, museus ou um parque para levar seus filhos.” Jackie Bavaro Gerente de Produtos do Googlehttp://www.google.com/hostednews/afp/article/ALeqM5idbgBtnmbQmDEvPm1SLwh3EnmsOw?docId=CNG.f8d6dcdf2470cc008581e945560bb3e1.761
  20. 20. Os 100 termos + buscados representam 5.7% do volume total de buscas. Os 10.000 termos + buscados respondem por 18,5% das buscas. Mais de 80% do tráfego em sistemas de busca está fora dos 10.000 termos mais populares.Marketing Contextual – Rafael Damasceno: http://www.marketingcontextual.com/a-cauda-longa-e-as-buscas/
  21. 21. Udi Manber “20 a 25% das buscas feitas em um dia no Google são totalmente inéditas.”Marketing Contextual – Rafael Damasceno: http://www.marketingcontextual.com/a-cauda-longa-e-as-buscas/
  22. 22. SEO muitas vezes é visto comoalgo caro, elitista e complexodemais. Dá pra descer do saltoalto e fazer coisas simples.80% do que funciona érelativamente simples.
  23. 23. A Regra de Pareto20% esforço > 80% resultado
  24. 24. Escolas de SEO SEO On-Page Off-Page Grandes Sites 20% 80% Pequenos Sites 80% 20% Escola de Conteúdo (foco no On-Page) Escola de Links (foco no Off-Page)MUNDO IDEAL = On-Page + Off-Page
  25. 25. EscalabilidadeA escala da web é monumental.No Google, nada que não possa ser feitoalgoritmicamente não é implatando.Para pensar em metodologia para PMEs, énecessário usar um raciocínio similar.
  26. 26. EscalabilidadeDá para fazer para10sites?
  27. 27. EscalabilidadeDá para fazer para100sites?
  28. 28. EscalabilidadeDá para fazer para1000sites?
  29. 29. EscalabilidadeDá para fazer para100000sites?
  30. 30. EscalabilidadeDá para fazer para1000000000de sites?Isso é o Google
  31. 31. Como é omercadode PMEs?
  32. 32. De que adianta ter umbom site se ninguémconsegue encontrá-lo?
  33. 33. No Brasil, o Google tem 95% do share of marketLogo, 95% do mercado de busca é satélite do Google
  34. 34. http://www.flickr.com/photos/will-lion
  35. 35. O Google é anova lista telefônica.
  36. 36. Em média, 50% das visitas a um site vem de buscadores 30 ~ 40%20 ~ 30% 45 ~ 55%
  37. 37. SEO é parte de um contexto mais amploÉ preciso pensar no marketing digital como um todo.Em pouco tempo, o marketing digital serápraticamente o único recurso de marketing daspequenas empresas e o principal recurso demarketing das médias empresas.É preciso contextualizar isso. O cliente deve entenderque o todo precisa funcionar. Não há milagre.
  38. 38. De que adianta serencontrado se você nãotem um bom site?
  39. 39. Você não teráuma segundachance de causaruma primeiraboa impressão!
  40. 40. Não fale latim com o clienteLOREM IPSUM DOLOR SIT AMET“Vamos criar uma ação viral, um link bait infalível,assim aumentamos o PageRank do site. Comconteúdo novo, o Authority será maior e daí fazemosum trabalho de link building com âncoras perfeitas,influenciando o Googlebot a atribuir mais relevâncianas keywords target!”
  41. 41. Banho de humildade:“Quanto é que eu vou vender a mais depois disso?”
  42. 42. Prepare-se para responder 1.000 vezes as mesmas perguntas• Em quanto tempo eu vou estar em primeiro lugar?• Eu tenho que pagar isso pra sempre?• Que garantias você me dá?• E se a gente escondesse umas palavrinhas lá no site?• Tem como derrubar meus concorrentes?
  43. 43. Tá bom, entendi, mas SEOmuda todo dia!!!Que que eu faço???
  44. 44. Dicaspráticasde SEO
  45. 45. Ferramentas, macetes, técnicas ninjavem e vão.Estratégia fica. Só pra lembrar: Metatag keywords, Keyword Density, redes de links, texto branco em fundo branco, LDA…
  46. 46. http://www.smallbusinesssem.com/the-seo-success-pyramid/971/
  47. 47. Olhe o todohttp://www.seomoz.org/blog/4-essential-seo-infographics
  48. 48. Foque no funciona para sites pequenoshttp://www.seomoz.org/blog/4-essential-seo-infographics
  49. 49. Antes, Durante e DepoisÉ necessário sempre ter em mente as 3 fases do processode uma busca: • Identificação de necessidades/desejos do cliente (Antes) • Dar visibilidade à marca para estas necessidades/desejos (Durante) • Conversão do visitante, através de diversas formas de interação (Depois)
  50. 50. Antes, Durante e Depois Conversão naAntes da busca Pós-clique interface de busca ?
  51. 51. Informações de Contato • No rodapé em todas as páginas • Telefone fácil de achar • Form de contato rápido em quantas páginas puder • Uma página de contato para cada endereço da empresahttp://www.mattcutts.com/blog/give-each-store-a-url/
  52. 52. Use no TITLE:Função – Marca – Nome do Produto
  53. 53. Conversão em etapas• Cadastro em Newsletter• Social Media• Compra online, formulário de contato, ligações telefônicas, contatos via Redes Sociais, seguidores no Twitter• A conversão nem sempre é imediata
  54. 54. Mercados diferentes, retornos diferentes • Comércio Eletrônico: Quem vende entende mais fácil a relação custo benefício. • B2B: Não coloca preço online. Trabalha com catálogos de produtos. Processo de compra mais lento. • Serviços: Preços variáveis. Trabalha medindo leads.http://googlevarejo.blogspot.com/2010/11/crescimento-continuo-das-buscas-no.html
  55. 55. Seth Godin “Educar os clientes.”“Ensiná-los a comprar.”
  56. 56. Atrair Educar • Otimização do Web Site • Marketing de Conteúdo • Site Centrado no Cliente Converter Escolher • Marketing de Conteúdo • Ferramentas de Análise Medir Justificar • Marketing de ConteúdoComo Transformar o seu Web Site B2B em uma Máquina de Geração de Demanda - Ricardo Jordão Magalhães
  57. 57. Briefing  A marca da empresa é relevante?  A marca é Local, Regional, Estadual? Quantos PDV’s?  Quem é o público-alvo do site?  Quais problemas eles querem resolver?  A home page fala claramente o que você vende e para quem?  O site oferece conteúdo que educa?  Todas as páginas do seu site tem um call-to-action?  A oferta de call-to-action está adequada com cada etapa do ciclo de compras?  O telefone está em todas as páginas, o fale conosco é simples?  Qual é o sistema de follow-up e CRM da sua empresa?Como Transformar o seu Web Site B2B em uma Máquina de Geração de Demanda - Ricardo Jordão Magalhães
  58. 58. MétodoNenhum checklist resolverá um conteúdo pobre,umbigocêntrico e cheio de lero-lero.Crie um método que funcione para você!
  59. 59. MétodoWillie Taminato – Search Labs
  60. 60. Expressões chave, não palavras-chavePalavras-chave muito genéricas sempre terãocompetição crescente e eventualmente se tornaminviáveis.
  61. 61. Planeje200 keywords50 keywords20 keywords
  62. 62. PPC > SEO
  63. 63. Case (fictício, é bom explicar)O Desentortador de Bananas
  64. 64. O incrível Desentortador de Bananas!Pessoas no mundotodo tem problemascom a anatomia dabanana.
  65. 65. O incrível Desentortador de Bananas!A indústria mundial játentou resolver esteproblema, mas tevepouco resultado!
  66. 66. O incrível Desentortador de Bananas! >
  67. 67. Escolhendo o domínio1ª Opção:desentortadordebanana.com.br2ª Opção:desentortadordebananaSUAMARCAAQUI.com.br3ª Opção:desentortadorbanana.com.br
  68. 68. Escolhendo palavras-chave
  69. 69. Escolhendo palavras-chave
  70. 70. Link Building com AdWords
  71. 71. Link Building com AdWordsSelecione os melhores sites e faça um plano de ações: • Escrever Guest Posts • Enviar Receitas • Enviar Press-Releases de produtos • Envie produtos para serem testados • Convidar para Eventos, Feiras, Palestras
  72. 72. A quantidade de anúncios de LinksPatrocinados é um dos indicativos de competição pela palavra-chave ou expressão.Quanto mais cara uma palavra-chave, maior a competição por ela (e o suposto retorno).
  73. 73. Por quais produtos começar? Selecione os produtos junto ao cliente: • Com maior margem de lucro • Com exclusividade de Distribuição/Importação • Com maior volume de vendashttp://www.mattcutts.com/blog/give-each-store-a-url/
  74. 74. O Google ainda é limitado:

×