D. pulmonar difusa

3,295 views

Published on

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,295
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
20
Actions
Shares
0
Downloads
55
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

D. pulmonar difusa

  1. 1. HUSMSERVIÇO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DOENÇA PULMONAR DIFUSA R2 RÉGIS SILVA
  2. 2. DPD-Existem mais de 200 formas clínicas de DPD de causas conhecidas.-Pode resultar de causa agudas ou crônicas. - DPI - Processos do espaço aéreo - Doencas das vias aéreas - Enfisema-TCAR é o método de escolha para definir o padrão de acometimentopulmonar.
  3. 3. DPDPode ser dividida em seis amplas categorias1- Relacionadas a doença primária2- Relacionadas a exposição ambiental3- Induzidas por drogas4- Associadas a patologias colagenovasculares5- Relacionadas ao tabagismo6- PII
  4. 4. DPD 1- Relacionadas a doença primária-SARCOIDOSE-Doença idiopática caracterizada por granulomas não caseosos.-Envolvimento pulmonar bilateral é o habitual e a linfadenopatia é a manifestaçãointratorácica mais comum.-Cerca de 10% tem radiografia de torax normal.-Infecção sobreposta é responsável por uma significativa morbidade e mortalidade.-Achados da TC: - Linfadenopatia (75-80%), calcificações em casca de ovo - Áreas de atenuação em vidro fosco - Nódulos subpleurais e perivascular - Espessamento irregular peribroncovascular e dos septos interlobulares - Predomínio nas regiões médias e superiores - Fibrose – complicação tardia
  5. 5. Sarcoidose
  6. 6. Sarcoidose
  7. 7. Sarcoidose
  8. 8. Sarcoidose
  9. 9. DPD 1- Relacionadas a doença primária-PROTEINOSE ALVEOLAR PULMONAR-Caracterizado por acúmulo de material fosfolipoproteico, derivado desurfactante nos espaços alveolares.-Pode ser adquirida, congênita ou secundária a outras condições-Radiografia pode mostrar padrão em “borboleta”-Achados da TC: - Pavimentação mosaico.
  10. 10. Proteinose alveolar
  11. 11. Pneumonia lipoídica
  12. 12. DPD 1- Relacionadas a doença primária-DOENÇA PULMONAR EOSINOFÍLICA-Caracterizada pelo acúmulo de eosinófilos no interstício e nos espaçosaéreos.-ABPA, granulomatose broncocêntrica, infecções parasitarias e fúngicas,reações a drogas, pneumonia eosinofílica aguda e crônica, S.hipereosinofílica, poliangeíte.- Pneumonia eosinofílica aguda - Doença febril, aguda e grave, com hipoxemia, febre e infiltrado difuso. Eosinofilia no LBA sem asma ou atopia. - TC: densidades reticulares bilaterais difusas, opacidades em vidro fosco, espessamento peribroncovascular e septal e pequeno derrame pleural.
  13. 13. Pneumonia eosinofílica aguda
  14. 14. Doença pulmonar eosinofílica-Eosinofilia pulmonar simples/ crônica - Sintomas leves ou ausêntes, a forma crônica pode ter clínica mais exuberante. - TC: áreas esparças de opacidade em vidro fosco e consolidação do espaço aéreo geralmente periférica e espalhada. - Pode ter nodulos com sinal do halo.-Aspergilose broncopulmonar alérgica - Asma, eosinofilia sanguinea, infiltrados pulmonares e alergia aos antígenos do Aspergillus. - Chiado, dispnéia, tosse produtiva e plug de catarro. - TC: Impactação mucoide no brônquio (opacidade linear ou ramificada), vias aéreas lesadas e bronquiectasias.
  15. 15. Aspergilose broncopulmonar alérgica
  16. 16. Doença pulmonar eosinofílica-Síndrome de Churg-Strauss - Etiologia de desconhecida - Eosinofilia periférica, asma e vasculite sistêmica - TC: nódulos parenquimatos multifocais, espessamento de paredes brônquicas e opacidade em vidro fosco.
  17. 17. Síndrome de Churg-Strauss
  18. 18. DPD 1- Relacionadas a doença primária-LINFANGIOLEIMIOMATOSE-Doença rara de etiologia incerta, caracterizada pela proliferaçãodesordenada de células musculares lisas.-Afeta exclusivamente mulheres em idade reprodutiva.-Achados:-Finas apacidades reticulonodulares bilaterais (precoce)-Hiperinsuflasão, faveolamento, reticulados grosseiros, derrames pleuraisquilosos e pneumotorax.-TC: incontáveis cistos, com paredes finas e espalhados uniformemente.-Parenquima pulmonar relativamente normal.
  19. 19. LInfangioleiomiomatose
  20. 20. LInfangioleiomiomatose
  21. 21. DPD 2- Relacionadas a exposição Pneumoconioses e pneumonite por hipersensibilidade-SILICOSE E DOENÇA DO MINERADOR DE CARVÃO-Doença fibrótica, causada por inalação de poeira que contem sílica.-Silicose: crônica, aguda e acelerada.-Sindrome de Caplan-TC: nódulos de distribuição centrolobular, mais proeminentes nasporções posteriores das regiões superiores.-Calcificações de lifonodos hilares e mediastinais (casca de ovo)-A progressão dos nódulos leva a fibrose maciça progressiva(conglomerado de nódulos), cicatrizes parenquimatosas e enfisemacicatricial.
  22. 22. Silicose
  23. 23. Silicose
  24. 24. DPD 2- Relacionadas a exposição-ASBESTOSE-Inalação de fibras de asbestos-TC: - Placas e calcificações pleurais - Espessamento septal interlobular e intralobular, - Opacidades em vidro fosco - Bandas parenquimatosas - Faveolamento
  25. 25. Asbestose
  26. 26. DPD 2- Relacionadas a exposição-PNEUMONIA POR HIPERSENSIBILIDADE-Ampla gama de antígenos que causam reação imunológica.-Histopatologia da PH: granulomas mal definidos, bronquiolite e alveolite.-Pulmão do fazendeiro-Pulmão do criador de aves-Pulmão do catador de cogumelos-Bagaçose-Pulmão do ar condicionado-Pulmão do lavador de queijo-Pulmão do trabalhador do malte-Doença da casca do bordo …
  27. 27. Pneumonia por hipersensibilidade-Achados da TC:-Opacidades em vidro fosco-Nódulos centro-lobulares predominantemente nos terços médios esuperiores.-Atenuação em mosaico.-Cistos pulmonares também podem estar presentes-A forma crônica caracteriza pela fibrose.
  28. 28. Pneumonia por hipersensibilidade
  29. 29. Pneumonia por hipersensibilidade
  30. 30. DPD 3- Induzidas por drogas-Grande número drogas, tanto citotóxicas, quanto não citotóxicas podemapresentar efeitos adversos nos pulmões.-O diagnóstico requer correlação cuidadosa de exposição a droga,achados clínicos e de imagem.-Formas: - Lesão alveolar difusa - Pneumonia em organização - Pneumonia eosinofílica - PINE - Hemorragia pulmonar-Bleomicina, amiodarona, metotrexate, sirolimus…
  31. 31. DPD 3- Induzidas por drogasOrganizing pneumonia pattern resulting from treatment with bleomycin.
  32. 32. DPD3- Induzidas por drogas Amiodarone lung toxicity
  33. 33. DPD 3- Induzidas por drogasNonspecific interstitial pneumonia (NSIP) pattern resulting from treatment with bleomycin.
  34. 34. DPD 3- Induzidas por drogasOrganizing pneumonia pattern resulting from treatment with sirolimus.
  35. 35. DPD 4- Associada a doenças colagenovasculares-ARTRITE REUMATOIDE-É a mais comum doença do tecido conjuntivo-Mulheres são afetadas 2 a 3 vezes mais do que os homens-O envolvimento pleural é a manifestação torácica mais comum ( derramee espessamento)-O grau de DPI não necessariamente correlaciona com a severidade deacometimento articular.- A DPI associada a AR é histologicamente indistinguível da PIU e afibrose pulmonar tem progressão mais lenta.-Achados TC: nódulos reumatóides, derrame pleural e bronqueolite(áreasde aprisionamento aéreo), padrão reticular fino.
  36. 36. AR
  37. 37. AR
  38. 38. DPD 4- Associada a doenças colagenovasculares-LUPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO-Mais comumente afeta mulheres jovens-Doença pleuro pulmonar ocorre em mais da metade dos pacientes-Pleurite, pneumonite inflamatória(lúpica), fibrose pulmonar interticial,hipertensão pulmonar, pericardite, disfunção diafragmática, hemorragiaalveolar difusa.-Pneumonite lúpica é pontencialmente fatal (opacidades intersticiais, vidrofosco, febre e hipoxemia)-Hemorragia alveolar (opacidades em vidro fosco com espessamentoseptal)
  39. 39. LESPneumonite lúpica
  40. 40. Hemorragia alveolar
  41. 41. DPD 4- Associada a doenças colagenovasculares-ESCLEROSE SISTÊMICA PROGRESSIVA-A DPI é a complicação mais comum da ESP, ocorre em mais de 75% doscasos-Na maioria dos pacientes é subclínica-Achados TC: - Atenuação em vidro fosco - Opacidades reticulares subpleurais - Distribuição predominantemente periférica e basal - Bronquiectasias - Distorção arquitetural - Derrame ou espessamento pleural - Linfonodomegalias mediastianais - Dilatação esofágica ocorre em 80% dos pacientes com DPI.
  42. 42. Esclerose sistêmica progressiva
  43. 43. DPD 4- Associada a doenças colagenovasculares-SÍNDROME DE SJOGREN-Caracterizada: ceratoconjuntivite seca, xerostomia e desordens do tecidoconjuntivo.-Manifestações pulmonare: fibrose intersticial, doenças de pequenas viasaéreas, PIL, linfoma MALT.-Achados TC (PIL): - Atenuação em vidro fosco - Lesões císticas - Nódulos centrolobulares - Espessamento intersticial
  44. 44. Síndrome de Sjogren
  45. 45. Síndrome de Sjogren - PIL
  46. 46. DPD 4- Associada a doenças colagenovasculares-ESPONDILITE ANQUILOSANTE-Homens jovens de 20 – 40 anos são os mais comumente afetados-Manifestações precoces são cicatrizes apicais bilaterais-Bronquiectasias, enfisema parasseptal e traqueobroncomegalia já foramdocumentadas
  47. 47. DPD 5- Doenças relacionadas ao tabagismo-PNEUMONIA INTERSTICIAL DESCAMATIVA-3% das DPI-Afeta fumantes jovens de 30 – 40 anos-2H:1M-Histologicamente: grande número de macrófagos intra alveolares einfiltrado inflamatório intersticial-Radiografias habitualmente normais-Achados TC - Opacidades em vidro fosco bilaterais e difusas com predomínio inferior - Faveolamento é raramente visto.
  48. 48. Pneumonia intersticial descamativa
  49. 49. Pneumonia intersticial descamativa
  50. 50. DPD 5- Doenças relacionadas ao tabagismo-HISTIOCITOSE DE CELS DE LANGERHANS-Patologia de adultos jovens fumantes de 30 – 40 anos.-Caracterizada pelo acúmulo de cels de Langerhans na superfície epitelialdo trato respiratório.-Achados TC: - Micronodulos centrolobulares - Cistos lisos que coalescem e formam espaços aéreos bizarros - Predominam nas regiões superiores e geralmente os seios costofrênicos são poupados.
  51. 51. HCL
  52. 52. HCL
  53. 53. DPD 6- Pneumonias intersticiais idiopáticas-Apresentam variados padrões de inflamação e fibrose.-O diagnóstico e a classificação são problemáticas também para ospatologistas.-PID, DPI-BR, PIU, PINE, COP e PIL
  54. 54. DPD 6- Pneumonias intersticiais idiopáticas-FIBROSE PULMONAR IDIOPÁTICA-É a PII mais comum, com sobrevida desde o início da dispnéia de 3 a 6anos.-Mais frequente em pacientes com mais de 50 anos-Achados TC: - Atenuação reticular fina simétrica, com opacidades intralobulares - Espessamento septal interlobular - Bronquiectasia de tração - Vidro fosco e faveolamento-Diag. diferencial: asbestose, d. colagenovasculares, PH crônica esarcoidose.
  55. 55. FPI
  56. 56. DPD 6- Pneumonias intersticiais idiopáticas-PNEUMONIA INTERSTICIAL NÃO ESPECÍFICA-Apresenta prognóstico mais favorável do que PIU-Apresentação de dispnéia subaguda ou crônica com idade média de 40 –50 anos.- Achados TC: - Vidro fosco (pode se o único achado em 1/3 dos pacientes) - Padrão finamente reticular nas regiões inferiores dos pulmões - Faveolamento pode ser visto em pequena parte dos pacientes - Bronquiectasias ocorre com a progressão da fibrose
  57. 57. PINE
  58. 58. DPD 6- Pneumonias intersticiais idiopáticas-PNEUMONIA INTERSTICIAL AGUDA-Dispnéia e hipoxemia, associado dano alveolar difuso.-Achados TC: - Densidades esparças bilaterais - Progressão para padrão alveolar difuso.
  59. 59. PIA
  60. 60. DPD 6- Pneumonias intersticiais idiopáticas-PNEUMONIA EM ORGANIZAÇÃO-Proliferação de tecido de granulação dentro dos espaços aéreos-Pode ser idiopática ou associada a d. do tec. conjuntivo, infecções,broncoaspiração e drogas.- Apresenta-se com instalação subaguda de sintomas semelhantes agripe.-Achados TC: - Áreas esparças uni ou bilaterais de consolidação - Consolidação focal - Nódulos pequenos de mal definidos - Sinal do halo invertido
  61. 61. COP
  62. 62. COP
  63. 63. Referência

×