Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Ficha informativa de Gramática
Ano letivo: 2014 -15
Do ponto de vista morfológico, os verbos são palavras complexas, forma...
Ficha informativa de Gramática
Ano letivo: 2014 -15
Em alguns tempos verbais, a vogal temática pode não ser visível, porqu...
Ficha informativa de Gramática
Ano letivo: 2014 -15
 O modo indicativo apresenta a ação como um facto verosímil ou tido c...
Ficha informativa de Gramática
Ano letivo: 2014 -15
Os tempos verbais podem ser agrupados em duas séries: os tempos simple...
Ficha informativa de Gramática
Ano letivo: 2014 -15
Regra geral, as formas do presente são usadas para referir os estados ...
Ficha informativa de Gramática
Ano letivo: 2014 -15
• pretérito imperfeito — expressa uma ação passada habitual;
• pretéri...
Ficha informativa de Gramática
Ano letivo: 2014 -15
O modo imperativo tem um carater defetivo, visto só apresentar um temp...
Ficha informativa de Gramática
Ano letivo: 2014 -15
Este tempo verbal tem uma forma simples, constituída pela junção do su...
Ficha informativa de Gramática
Ano letivo: 2014 -15
salvar salvado salvo
secar secado seco
segurar segurado seguro
soltar ...
Ficha informativa de Gramática
Ano letivo: 2014 -15
emergir emergido emerso
exprimir exprimido expresso
extinguir extingui...
Ficha informativa de Gramática
Ano letivo: 2014 -15
Verbos irregulares
Os verbos irregulares apresentam um conjunto de suf...
Ficha informativa de Gramática
Ano letivo: 2014 -15
- sonhar: sonho, sonhava — alternância entre [o] e [u];
- dever: devo,...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×
Upcoming SlideShare
Processos morfologicos formação_palavras
Next
Download to read offline and view in fullscreen.

11

Share

Download to read offline

Flexão verbal

Download to read offline

Ficha informativa

Related Books

Free with a 30 day trial from Scribd

See all

Related Audiobooks

Free with a 30 day trial from Scribd

See all

Flexão verbal

  1. 1. Ficha informativa de Gramática Ano letivo: 2014 -15 Do ponto de vista morfológico, os verbos são palavras complexas, formadas pela combinação de vários morfemas. Os verbos são constituídos por um tema, que resulta da combinação de um radical com uma vogal temática (que define a conjugação do verbo, ou seja, indica o seu paradigma flexional). Cantar cant + a radical vogal temática Ao tema verbal (1) segue-se um conjunto de sufixos que transportam informações de tempo, modo e aspeto e de pessoa e número. A ordem desses sufixos é a seguinte: sufixos de tempo, modo e aspeto (2) + sufixos de pessoa e número (3). canta va mos 1 2 3 No entanto, nem todas as formas verbais têm esta estrutura morfológica; as formas verbais não finitas (infinitivo impessoal, gerúndio e particípio), por exemplo, são formas invariáveis. Conjugações verbais Em português, os verbos agrupam-se em três conjugações, de acordo com a vogal temática que possuem. Os verbos da primeira conjugação formam o tema com a vogal - a- (ansiar, cantar, falar, recear…), os da segunda, com a vogal - e- (crer, dizer, fazer, perder ...) e os da terceira, com a vogal - i- (dormir, fugir, pedir, sorrir ...). A primeira conjugação é composta maioritariamente por verbos regulares, ou seja, verbos que mantêm o radical em toda a flexão (canta, cantava, cantaria, ...). A flexão irregular existe sobretudo nos verbos da segunda e da terceira conjugações, que sofreram muitas transformações no processo de passagem do latim para o português; estes verbos não mantêm o radical em toda a flexão (faço, fazia, faria, fazendo ...). A vogal temática pode ser claramente identificada a partir da forma do infinitivo: andar, comer, sair. Conjugação Vogal temática Exemplos Primeira a saltar, andar, rebolar, pintar… Segunda e correr, ler, temer, roer, viver… Terceira i fugir, vir, consentir, admitir… 1 Flexão verbal
  2. 2. Ficha informativa de Gramática Ano letivo: 2014 -15 Em alguns tempos verbais, a vogal temática pode não ser visível, porque ocorrem alterações fonéticas em determinados contextos. Por exemplo, no presente do indicativo e do conjuntivo, a vogal temática desaparece quando se encontra antes de vogal. Tem Presente do indicativo Presente do conjuntivo Primeira cant + a + o → canto cant + a + e → cante Segunda com + e + o → como com + e + a → coma Terceira sub + i + o → subo sub + i + a → suba Pessoa e número As formas flexionadas dos verbos expressam a concordância em pessoa e número com o sujeito da oração de que fazem parte. Na maioria dos casos, um único morfema expressa simultaneamente os valores de tempo, modo, aspeto, pessoa e número (por exemplo, no caso do verbo falar, o sufixo -o em falo indica presente do indicativo + 1.ª pessoa do singular). Em casos excecionais, a concordância é expressa através de um conjunto de sufixos independentes que ocupam a última posição na ordem dos morfemas verbais. Por exemplo, na forma verbal cantávamos,-va- é o sufixo de tempo, modo e aspeto, e -mos é o sufixo de pessoa e número. Em português, existem três formas para a pessoa (primeira, segunda e terceira), que variam em número (singular e plural). Número Pessoa Sufixo Exemplo Singular 1ª 2ª 3ª — -s — Falava falavas falava Plural 1ª 2ª 3ª -mos -is -m falavamos faláveis falavam Existem verbos que só são conjugados em certas combinações de pessoa e número. É, por exemplo, o caso dos verbos impessoais, como nevar, que apenas ocorrem na terceira pessoa do singular. Modo O modo verbal é uma categoria gramatical que expressa a atitude do locutor (dúvida, certeza, suposição, necessidade, exigência, etc.) face ao conteúdo do enunciado. Distinguem-se, em português, quatro modos verbais: indicativo, conjuntivo, imperativo e condicional. 2
  3. 3. Ficha informativa de Gramática Ano letivo: 2014 -15  O modo indicativo apresenta a ação como um facto verosímil ou tido como tal: Lisboa é a capital de Portugal. O Pedro comprou um carro novo. Picasso não pintou este quadro.  O modo conjuntivo não refere um estado de coisas real, mas um estado de coisas possível, desejável, incerto ou irreal: Quero que venhas cá amanhã. Talvez leia este livro. Duvido que chegues a tempo.  O modo imperativo é usado para expressar uma ordem, um convite, um conselho, em frases afirmativas cujo sujeito é uma segunda pessoa: Vai-te embora! Abre a porta! Vem jantar comigo amanhã. Este modo é, portanto, defetivo na primeira e na terceira pessoas. Nessas pessoas e em frases negativas, as formas verbais usadas para expressar ordens, pedidos, etc., pertencem ao modo conjuntivo: Chegue aqui! Avancemos! Não venhas tarde! Não se mexam!  O modo condicional é utilizado para indicar acontecimentos que ocorreriam no futuro ou no presente, caso se verificassem as condições necessárias. Está frequentemente associado a frases complexas com orações subordinadas condicionais. Se não tivesses aparecido, ainda estaríamos perdidos. Se tivesse mais tempo livre, iria mais ao cinema. Tempo A categoria gramatical tempo indica o momento temporal em que decorre o estado de coisas expresso pelo verbo, tomando-se, como ponto de referência, o momento da enunciação. Tempos verbais simples e compostos 3
  4. 4. Ficha informativa de Gramática Ano letivo: 2014 -15 Os tempos verbais podem ser agrupados em duas séries: os tempos simples e os tempos compostos. Tempos verbais simples Modo Tempo Exemplos Indicativo Presente corro Pretérito imperfeito corria Pretérito perfeito corri Pretérito mais-que-perfeito correra Futuro correrei Conjuntivo Presente corra Pretérito imperfeito corresse Futuro correr Condicional correria Imperativo corre Os tempos compostos em português são formados por uma forma flexionada de um verbo auxiliar combinada com o particípio passado dos verbos principais. O auxiliar dos tempos compostos mais frequente no português atual é ter, mas o verbo haver também é por vezes usado (Havíamos lido os livros e feito os exercícios). Os tempos compostos indicam que o estado de coisas referido na frase se realizou, isto é, estas formas têm um valor aspetual perfetivo. Tempos verbais compostos Modo Tempo Exemplos Indicativo Pretérito perfeito tenho corrido Pretérito mais-que-perfeito tinha corrido Futuro perfeito terei corrido Conjuntivo Pretérito perfeito tenha corrido Pretérito mais-que-perfeito tivesse corrido Futuro perfeito tiver corrido Condicional teria corrido Formas verbais finitas - As formas verbais finitas variam em tempo, pessoa e número. Ao contrário das formas verbais não finitas (infinitivo, gerúndio e particípio), estas formas podem constituir a única forma verbal numa frase simples. Tempos do modo indicativo 4
  5. 5. Ficha informativa de Gramática Ano letivo: 2014 -15 Regra geral, as formas do presente são usadas para referir os estados de coisas atuais, as formas do futuro indicam os estados de coisas que irão acontecer e as formas de pretérito, os que se localizam no passado. No entanto, os tempos verbais são muitas vezes usados para indicar um valor temporal diferente daquele que normalmente veiculam. Por exemplo, não é invulgar usar uma forma do presente para referir uma ação passada (1) ou futura (2): (1) Nos anos 90, uma epidemia quase acaba com os golfinhos riscados. (2) Amanhã vou às compras. Na verdade, em português, o presente do indicativo só expressa o tempo presente num número restrito de casos. O presente do indicativo é usado: • para referir um estado de coisas localizado num intervalo de tempo contemporâneo do tempo da enunciação: Estamos aqui para falar do contrato. A Rita está de férias. • em enunciados que expressam verdades intemporais ou eternas: A terra gira em volta do Sol. A neve é fria. • em enunciados que contêm instruções: Giras este manípulo e inseres o disco. Vais à loja e compras um litro de leite. • para referir um estado de coisas habitual: Como uma maçã ao pequeno-almoço. Desde pequeno que vou para a praia da Adraga. CAPÍTULO 3 • para indicar o futuro próximo (geralmente acompanhado de advérbios de tempo): Vou a Paris amanhã. Logo leio isso. • na descrição de factos passados, em sequências narrativas que contêm uma expressão temporal: Em1530, a armada chega à Baía. Para situar uma ação no passado, usam-se os seguintes tempos verbais: 5
  6. 6. Ficha informativa de Gramática Ano letivo: 2014 -15 • pretérito imperfeito — expressa uma ação passada habitual; • pretérito perfeito — expressa uma ação passada terminada; • pretérito perfeito composto — e expressa uma ação passada que continua no momento da enunciação; • pretérito mais-que-perfeito simples — expressa uma ação passada anterior a outra também situada no passado; • pretérito mais-que-perfeito composto — expressa uma ação passada anterior a outra também situada no passado. O tempo futuro tem duas formas: simples e composta. O futuro simples (irei, estudaremos, farão…) indica a probabilidade de ocorrência de um acontecimento ou estado num tempo posterior ao momento de enunciação: Afinal da prova decorrerá em Lisboa. O Pedro fará anos na próxima semana. Frequentemente, o futuro simples é substituído pelo presente do indicativo (Amanhã, vou à praia.) ou por construções perifrásticas (Hei de comprar um carro novo; A Laura vai mudar de casa amanhã). O futuro composto ( terei ido, teremos estudado, terão feito, etc.) indica uma ação terminada antes de outra: Quando o João voltar ,já o filho terá ido para a escola. Este tempo verbal pode ainda indicar incerteza: Julgo que terá sido o Pedro a causar o acidente. Tempos do modo conjuntivo Os tempos simples do conjuntivo podem, além do seu valor temporal intrínseco, expressar uma localização temporal futura. Numa frase como: Ela quer que tu lhe tragas um presente de Paris quando voltares, o presente do conjuntivo expressa um tempo futuro em relação ao tempo da enunciação. Em: A Luísa pediu que arranjasses a torneira, o imperfeito do conjuntivo expressa um tempo posterior ao tempo da oração subordinante e ao tempo da enunciação. Tempos do modo condicional O condicional simples ou futuro do pretérito simples indica um tempo futuro em relação a um momento localizado no passado: O autor matriculou-se na universidade em1947 e terminaria o curso cinco anos depois. Este tempo verbal pode igualmente expressar uma possibilidade: O treinador disse que o convidaria se ele chegasse a tempo.ÍTULO O condicional composto indica uma consequência possível da não realização de um estado de coisas localizado no passado: Se não tivesses sofrido aquela lesão, terias ganho. Tempo do modo imperativo 6
  7. 7. Ficha informativa de Gramática Ano letivo: 2014 -15 O modo imperativo tem um carater defetivo, visto só apresentar um tempo (o presente) e uma pessoa (a segunda pessoa gramatical). (2.ª pessoa do singular) anda (2.ª pessoa do plural) andai Para expressar os valores associados ao imperativo em frases com sujeito gramatical diferente da segunda pessoa (frases com o sujeito você/vocês, que é formalmente uma terceira pessoa) ou para expressar frases imperativas negativas, usa -se o conjuntivo: Traga- me já o contrato! Não venhas tarde! As formas verbais não finitas As formas verbais não finitas são o infinitivo (pessoal e impessoal), o gerúndio e o particípio. Estas formas ocorrem, normalmente, associadas a outras formas verbais e não variam em tempo. Infinitivo impessoal O infinitivo impessoal é uma forma que pode ocorrer em orações subordinadas substantivas com função de sujeito (1), de complemento do verbo (2) e de complemento do nome (3), em orações subordinadas adverbiais temporais (4) e em orações subordinadas adverbiais causais (5): (1) Fumar mata. (2) O Pedro quer ir ao cinema. (3) A ideia de ir à praia agrada-me. (4) Eles encontraram o Pedro ao sair de casa. (5) Eles caíram por escorregar no óleo. Este tempo tem uma forma simples (ex.: andar) e uma forma composta (ex.: ter andado). Infinitivo pessoal O português possui uma forma de infinitivo pessoal ou flexionado, além do infinitivo impessoal. Esta forma, que tem flexão de pessoa e de número (por exemplo: ler, leres, ler, lermos, lerdes, lerem), ocorre em certas orações subordinadas, como as finais: Vim chamar-te para ires ao telefone. Gerúndio 7
  8. 8. Ficha informativa de Gramática Ano letivo: 2014 -15 Este tempo verbal tem uma forma simples, constituída pela junção do sufixo -ndo ao tema verbal (ex.: andando, lendo, saindo), e uma forma composta, que associa o gerúndio do verbo auxiliar ter ao particípio do verbo principal (ex.: tendo andado, tendo lido, tendo saído). O gerúndio expressa um valor durativo e não acabado, indicando a simultaneidade das ações expressas pelo verbo no gerúndio e por um verbo numa forma finita (1) ou a anterioridade da ação expressa pelo verbo no gerúndio em relação a ação expressa pela forma verbal finita (2). (1) Ela ouvia-o sorrindo. (2) Dizendo isto, saiu da sala. As construções que têm como núcleo um gerúndio têm um valor adverbial. Dizendo isto, saiu da sala= Assim que disse isto, saiu da sala. Particípio O particípio e uma forma verbal não finita que entra na formação dos tempos compostos e das construções passivas. Nos tempos compostos, ocorre como forma invariável: Ela tinha ido a rua. Os rapazes tinham jantado fora. Em construções passivas, o particípio e uma forma que flexiona em género e em número: Estes carros foram reparados ontem. Existem verbos que apresentam duas formas de particípio passado: uma regular (forma fraca), habitualmente usada na formação dos tempos compostos com os auxiliares ter e haver, e outra irregular (forma forte), geralmente utilizada com os auxiliares ser e estar. O particípio regular é formado pela afixação do sufixo - do ao tema verbal: ama+do→amado. Apresentam-se abaixo os principais verbos que manifestam esta particularidade. Infinitivo Particípio regular Particípio irregular aceitar aceitado aceite assentar assentado assente descalçar descalçado descalço entregar entregado entregue enxugar enxugado enxuto expressar expressado expresso expulsar expulsado expulso fartar fartado farto gastar gastado gasto isentar isentado isento juntar juntado junto libertar libertado liberto matar matado morto murchar murchado murcho ocultar ocultado oculto 8
  9. 9. Ficha informativa de Gramática Ano letivo: 2014 -15 salvar salvado salvo secar secado seco segurar segurado seguro soltar soltado solto sujeitar sujeitado sujeito vagar vagado vago enxugar enxugado enxuto Infinitivo Particípio regular Particípio irregular afligir afligido aflito 9 Infinitivo Particípio regular Particípio irregular acender acendido aceso benzer benzido bento convencer convencido convicto eleger elegido eleito envolver envolvido envolto incorrer incorrido incurso morrer morrido morto nascer nascido nado/nato prender prendido preso romper rompido roto suspender suspendido suspenso
  10. 10. Ficha informativa de Gramática Ano letivo: 2014 -15 emergir emergido emerso exprimir exprimido expresso extinguir extinguido extinto frigir frigido frito imergir imergido imerso imprimir imprimido impresso inquietar inquietado inquieto inserir inserido inserto omitir omitido omisso submergir submergido submerso • As formas de particípio ocorrem frequentemente como adjetivos qualificativos: Gosto de peixe assado. • Quando os verbos possuem duas formas de particípio, é sempre a forma irregular que funciona como adjetivo: Comi batatas fritas. *Comi batatas fritadas. • É também a forma forte que ocorre normalmente nas construções passivas: O suspeito foi solto pelo juiz. *O suspeito foi soltado pelo juiz. Verbos regulares Os verbos regulares conservam o mesmo radical em todas as suas formas e os sufixos a ele associados seguem o paradigma da respetiva conjugação. A maioria dos verbos da primeira conjugação é regular. andar and+o ande+ i andar+ a lavar lav+o lave+i lavar+a saltar salt+o salte+i saltar+a 10 Tipologia verbal
  11. 11. Ficha informativa de Gramática Ano letivo: 2014 -15 Verbos irregulares Os verbos irregulares apresentam um conjunto de sufixos flexionais que não seguem o paradigma da conjugação a que pertencem. Em alguns casos, a irregularidade destes verbos pode afetar igualmente o radical. O verbo ser, por exemplo, apresenta mais do que um radical na sua flexão: sou, és, fui, etc. Estas formam flexionadas pertencentes a radicais diferentes que preenchem lacunas existentes no paradigma flexional de um verbo denominam-se formas supletivas. CAPÍTULO 3 Para determinar se um verbo é irregular, basta observar as seguintes formas do indicativo (exceto no caso dos verbos irregulares dar, estar, haver, querer, saber e ir): presente, pretérito perfeito e futuro. caber caibo coube caberei dizer digo disse direi As irregularidades manifestadas pelos verbos podem dizer respeito a: • ocorrências de vários radicais: Ir, vou, fui, irei Ser, sou, és, fui, foste, serei, serás • alterações sistemáticas na forma dos radicais: Te Verbo Presente do indicativo Presente do conjuntivo ouvir ouço ouça perder perco perca poder posso possa caber caibo caiba crer creio creia Verbo Indicativo Conjuntivo Pretérito perfeito P. mais -que- -perfeito P. imperfeito Futuro por pus pusera pusesse puser ter tive tivera tivesse tiver trazer trouxe trouxera trouxesse trouxer Por razões fonológicas, em alguns verbos o timbre da vogal do radical altera-se em determinados contextos. É o que se verifica na flexão dos seguintes verbos: 11
  12. 12. Ficha informativa de Gramática Ano letivo: 2014 -15 - sonhar: sonho, sonhava — alternância entre [o] e [u]; - dever: devo, deves — alternância entre [e] e [E]; - ferir: firo, feres — alternância entre [i] e [E]; - mover: movo, moves, movia — alternância entre [o], [ç] e [u]. A este fenómeno dá-se o nome de alternância vocálica. CAPÍTULO 3 Verbos defetivos Os verbos defetivos são verbos que apenas ocorrem em certas combinações de pessoa e número e de tempo, modo e aspeto. A sua conjugação é, por isso, incompleta. Isto pode suceder por razões semânticas, como no caso dos verbos impessoais, que só ocorrem na terceira pessoa (nevar, suceder, acontecer...). Também os verbos que designam vozes de animais (ladrar, miar, zurrar,) são considerados defetivos no seu uso normal, embora possam ocorrer em qualquer pessoa num contexto adequado (por exemplo, numa fabula).Um verbo como falir só é usado, por razões de eufonia, na primeira e na segunda pessoa do plural do presente do indicativo (falimos, falis),e na segunda pessoa do plural do imperativo (fali). Outros verbos defetivos do mesmo tipo são banir, colorir, demolir, punir, etc. Verbos defetivos impessoais Os verbos impessoais apenas ocorrem na terceira pessoa do singular: é o caso de haver na aceção de existir, do verbo fazer quando indica tempo decorrido, do verbo tratar quando conjugado pronominalmente e dos verbos que indicam fenómenos meteorológicos— nevar, chover, trovejar, amanhecer, anoitecer, etc. As frases com estes verbos não têm sujeito expresso: Há muitos problemas nesta cidade. Faz cinco anos que ele emigrou. Nevou ontem em Londres. Ontem choveu torrencialmente. Trata- se de um projeto interessante. Verbos defetivos unipessoais Os verbos ditos unipessoais apenas flexionam na terceira pessoa do singular e do plural. Esta restrição tem origem na semântica dos próprios verbos, que selecionam sujeitos não humanos. É o caso dos verbos que designam vozes ou comportamentos de animais: Os cavalos relincharam. O cão ladrou. Os lobos uivaram toda a noite. Os pássaros chilreavam alegremente. O cavalo galopou velozmente. 12
  • abaltazar

    Jun. 24, 2021
  • KarmoKorreia

    Nov. 22, 2020
  • SUSANASANTOS97

    Nov. 19, 2020
  • FilomenaParracho

    Oct. 14, 2020
  • hboullosa

    Oct. 27, 2019
  • DianaLoureiro8

    Oct. 14, 2019
  • robo0

    Jun. 15, 2017
  • Magui_TH

    Mar. 9, 2017
  • adeliasfr

    Sep. 24, 2016
  • odsil5

    Feb. 28, 2016
  • SimoneCordebello

    Jan. 23, 2016

Ficha informativa

Views

Total views

9,015

On Slideshare

0

From embeds

0

Number of embeds

188

Actions

Downloads

228

Shares

0

Comments

0

Likes

11

×