Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
36º Congresso Brasileiro de Análises Clínicas Sessão Interativa IMUNOLOGIA Profa. Dra. Ana Lígia Bender  Dra. Rejane Orave...
Pedestal – Foto Poti Campos Questão 1 Pedestal – Foto Poti Campos
Questão 1 <ul><li>Homem de 35 anos recebeu transplante de rim recentemente. Sentia-se bem até duas semanas atrás quando co...
Questão 1 <ul><li>Homem de 35 anos recebeu transplante de rim recentemente. Sentia-se bem até 2 semanas atrás quando começ...
 
<ul><li>Monitoring Transplant Patients for CMV •  HERPES  13:1  2006 </li></ul>
Monitoring Transplant Patients for CMV •  HERPES  13:1  2006
Infecção citomegálica em transplantados <ul><li>Métodos mais utilizados no monitoramento CMV pós-transplante: </li></ul><u...
Infecção citomegálica em transplantados CMV DNA  quantitativo ( Real Time   PCR ) X Antigenemia pp65** <ul><ul><ul><ul><ul...
Pôr-do-sol Foto: Poti Campos Questão 2
Questão 2 <ul><li>Um homem de 25 anos de idade apresenta sintomas de cansaço, perda de apetite, náuseas e constipação há 2...
Questão 2 <ul><li>Um homem de 25 anos de idade apresenta sintomas de cansaço, perda de apetite, náuseas e constipação há 2...
Marcadores sorológicos para Hepatite A <ul><li>Anti-HAV IgM </li></ul><ul><li>Anti-HAV IgG (total) </li></ul>
Marcadores sorológicos para Hepatite A
Marcadores sorológicos para Hepatite B <ul><li>HBsAg  -  Anti-HBs </li></ul><ul><li>HBcAg  -  Anti-HBc IgM </li></ul><ul><...
Evolução dos marcadores sorológicos durante a Hepatite B aguda Ministério da Saúde
Evolução dos marcadores sorológicos durante a Hepatite B crônica Ministério da Saúde
Evolução dos marcadores sorológicos durante a Hepatite C  Ministério da Saúde
Questão 3 Cervejaria Foto: Poti Campos
Questão 3 <ul><li>Z.A. é uma mulher de 50 anos de idade, caucasiana, com histórico de Tireoidite de Hashimoto. Procura seu...
Questão 3 <ul><li>Z.A. é uma mulher de 50 anos de idade, caucasiana, com histórico de Tireoidite de Hashimoto. Procura seu...
Questão 3 Anticorpos anticélulas parietais gástricas (IFI) Anticorpos antifator intrínseco
Questão 4 Sometimes... Foto: Poti Campos
Questão 4 <ul><li>JMS, 37 anos, apresentava ciclos menstruais regulares, libido normal e negava galactorréia. A avaliação ...
Questão 4 <ul><li>JMS, 37 anos, apresentava ciclos menstruais regulares, libido normal e negava galactorréia. A avaliação ...
Efeito gancho <ul><li>Níveis falsamente baixos do antígeno pesquisado </li></ul><ul><li>Dois anticorpos formando “sanduích...
Adaptado de Arq Bras Endocrinol Metab 2000; 44:367-81 Representação esquemática de ensaio normal
Adaptado de Arq Bras Endocrinol Metab 2000; 44:367-81 Representação esquemática de efeito gancho
 
Questão 5 Ponte Foto: Poti Campos
Questão 5 <ul><li>Uma criança de 3 anos de idade com histórico de infecções recorrentes está internada com meningite. O mé...
Questão 5 <ul><li>Uma criança de 3 anos de idade com histórico de infecções recorrentes está internada com meningite. O mé...
Questão 5 <ul><li>D: Movies  QuickTime   Movies IV_9_2_ Complement_System . mov </li></ul>
Fundação Iberê Camargo Foto: Poti Campos Questão 6
Questão 6 <ul><li>K.O., mulher de 27 anos de idade, caucasiana, sem histórico de imunodeficiências primárias procura um ga...
Questão 6 <ul><ul><li>A) Comprometimento geral do SI  </li></ul></ul><ul><ul><li>B) Período de janela imunológica para HIV...
Questão 6 <ul><ul><li>A) Comprometimento geral do SI  </li></ul></ul><ul><ul><li>B) Período de janela imunológica para HIV...
História natural da infecção pelo HIV Adaptado de Ann Intern Med, v. 124, p. 654-663, 1996
Diagnóstico sorológico da infecção por HIV <ul><li>Portaria 59 – MS – 28/01/03 </li></ul><ul><li>Anexo II – Padronização d...
Diagnóstico sorológico da infecção por HIV <ul><li>Etapa I: Triagem sorológica </li></ul><ul><li>Etapa II: Confirmação sor...
Diagnóstico sorológico da infecção por HIV <ul><li>Western Blot </li></ul><ul><ul><li>Reagente: p24, gp41, gp120/160  </li...
Questão 7 Ponte da Av. João Pessoa Foto: Poti Campos
Questão 7 <ul><li>Baseado no histórico e exame físico da paciente, o médico suspeita da forma limitada da esclerose sistêm...
Questão 7 <ul><li>A) Sim. Este padrão comumente está associado com escleroderma. </li></ul><ul><li>B) Sim. Este padrão com...
Questão 7 <ul><li>A) Sim. Este padrão comumente está associado com escleroderma. </li></ul><ul><li>B) Sim. Este padrão com...
Questão 7 Anticorpo anti-centrômero (proteínas A, B e C).  Esclerose Sistêmica forma CREST (calcinose, fenômeno de Raynaud...
Espelho Foto: Poti Campos Questão 8 Espelho Foto: Poti Campos
Questão 8 <ul><li>Uma amostra sérica foi testada em 3 substratos celulares (resultado ao lado). O resultado da pesquisa de...
Questão 8 <ul><ul><li>A) Sim, é um ANCA positivo. O padrão é C-ANCA. </li></ul></ul><ul><ul><li>B) Sim, é um ANCA positivo...
Questão 8 <ul><ul><li>A) Sim, é um ANCA positivo. O padrão é C-ANCA. </li></ul></ul><ul><ul><li>B) Sim, é um ANCA positivo...
Questão 8
[email_address] [email_address]
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Imunologia - Casos Clínicos

45,819 views

Published on

Sessão Interativa: Imunologia - Casos Clínicos
Data: 16/6
Horário: 15h30 às 17h
Palestrante: Dra. Rejane Oravec

Published in: Health & Medicine
  • tem como mandar para meu email para que eu possa baixar as questões
    lucianacoelho7@hotmail.com
    agradeço desde já
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • www.publicacoesweinmann.com.br
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here

Imunologia - Casos Clínicos

  1. 1. 36º Congresso Brasileiro de Análises Clínicas Sessão Interativa IMUNOLOGIA Profa. Dra. Ana Lígia Bender Dra. Rejane Oravec Coordenador : Prof. Dr. Paulo Jaconi Saraiva Junho 2009 Porto Alegre – Foto Poti Campos
  2. 2. Pedestal – Foto Poti Campos Questão 1 Pedestal – Foto Poti Campos
  3. 3. Questão 1 <ul><li>Homem de 35 anos recebeu transplante de rim recentemente. Sentia-se bem até duas semanas atrás quando começou a apresentar dor de garganta, febre, calafrios, cansaço e mialgia. Foi observada linfadenopatia e esplenomegalia. Entre os fármacos que estava recebendo incluía-se ciclosporina. A suspeita é de infecção oportunista por CMV. Qual exame tem o maior poder diagnóstico nesta situação? </li></ul><ul><ul><li>A) Pesquisa da avidez dos anticorpos IgG anti-citomegalovírus </li></ul></ul><ul><ul><li>B) Pesquisa de anticorpos IgM anti-citomegalovírus </li></ul></ul><ul><ul><li>C) Monitoramento virológico (antigenemia para citomegalovírus -Citometria de Fluxo) </li></ul></ul><ul><ul><li>D) Pesquisa do CMV por Reação em Cadeia da Polimerase (qualitativo) </li></ul></ul>
  4. 4. Questão 1 <ul><li>Homem de 35 anos recebeu transplante de rim recentemente. Sentia-se bem até 2 semanas atrás quando começou a apresentar dor de garganta, febre, calafrios, cansaço e mialgia. Foi observada linfadenopatia e esplenomegalia. Entre os fármacos que estava recebendo incluía-se ciclosporina. A suspeita é de infecção oportunista por CMV. Qual exame tem o maior poder diagnóstico nesta situação? </li></ul><ul><ul><li>A) Pesquisa da avidez dos anticorpos IgG anti-citomegalovírus </li></ul></ul><ul><ul><li>B) Pesquisa de anticorpos IgM anti-citomegalovírus </li></ul></ul><ul><ul><li>C) Monitoramento virológico (antigenemia para citomegalovírus - Citometria de Fluxo) </li></ul></ul><ul><ul><li>D) Pesquisa do CMV por Reação em Cadeia da Polimerase (qualitativo) </li></ul></ul>
  5. 6. <ul><li>Monitoring Transplant Patients for CMV • HERPES 13:1 2006 </li></ul>
  6. 7. Monitoring Transplant Patients for CMV • HERPES 13:1 2006
  7. 8. Infecção citomegálica em transplantados <ul><li>Métodos mais utilizados no monitoramento CMV pós-transplante: </li></ul><ul><ul><li>Reação em cadeia da polimerase </li></ul></ul><ul><ul><li>Antigenemia CMV pp 65 </li></ul></ul><ul><li>Antigenemia*: </li></ul><ul><ul><ul><li>Cutoff 8.5 células/lâmina (citomegalovirose branda) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Cutoff 72.5 células/lâmina (citomegalovirose severa) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Cutoff > 4 células/lâmina: S = 94% E = 60% </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Cutoff > 10 células/lâmina: S = 92% E = 70% (necessidade de terapia antiviral) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>* Shröeder R et al; Transplantation Proceedings 2005 </li></ul></ul></ul></ul></ul>
  8. 9. Infecção citomegálica em transplantados CMV DNA quantitativo ( Real Time PCR ) X Antigenemia pp65** <ul><ul><ul><ul><ul><li>** Cariani E et al; BMC Infectious Diseases 2007 </li></ul></ul></ul></ul></ul>144 105 39 Antigenemia CMV pp65 NEG 30 14 16 Antigenemia CMV pp65 POS 41 29 12 CMV-DNA quant NEG 133 90 43 CMV-DNA quant POS Sem doença Citomegálica (N = 119) Com doença Citomegálica (N = 55) Amostras analisadas (Total) Marcador viral
  9. 10. Pôr-do-sol Foto: Poti Campos Questão 2
  10. 11. Questão 2 <ul><li>Um homem de 25 anos de idade apresenta sintomas de cansaço, perda de apetite, náuseas e constipação há 2 semanas. Seu abdomen estava distendido e sua urina de cor escura. A testagem inicial revelou elevação na alanina aminotransferase sérica (ALT) e aspartato aminotransferase (AST). A suspeita é de hepatite viral aguda. Quais marcadores sorológicos devem ser pesquisados nessa situação? </li></ul><ul><ul><li>A) Anti-HBc total; Anti-HBsAg; Anti-HAV total </li></ul></ul><ul><ul><li>B) HBsAg; Anti-HAV IgM; Anti-HCV </li></ul></ul><ul><ul><li>C) HBcAg; HBsAg; HAV Ag; HBeAg </li></ul></ul><ul><ul><li>D) Anti-HBc IgM; Anti-HBe; Anti-HBsAg </li></ul></ul>
  11. 12. Questão 2 <ul><li>Um homem de 25 anos de idade apresenta sintomas de cansaço, perda de apetite, náuseas e constipação há 2 semanas. Seu abdomen estava distendido e sua urina de cor escura. A testagem inicial revelou elevação na alanina aminotransferase sérica (ALT) e aspartato aminotransferase (AST). A suspeita é de hepatite viral aguda. Quais marcadores sorológicos devem ser pesquisados nessa situação? </li></ul><ul><ul><li>A) Anti-HBc total; Anti-HBsAg; Anti-HAV total </li></ul></ul><ul><ul><li>B) HBsAg; Anti-HAV IgM; Anti-HCV </li></ul></ul><ul><ul><li>C) HBcAg; HBsAg; HAV Ag; HBeAg </li></ul></ul><ul><ul><li>D) Anti-HBc IgM; Anti-HBe; Anti-HBsAg </li></ul></ul>
  12. 13. Marcadores sorológicos para Hepatite A <ul><li>Anti-HAV IgM </li></ul><ul><li>Anti-HAV IgG (total) </li></ul>
  13. 14. Marcadores sorológicos para Hepatite A
  14. 15. Marcadores sorológicos para Hepatite B <ul><li>HBsAg - Anti-HBs </li></ul><ul><li>HBcAg - Anti-HBc IgM </li></ul><ul><li>Anti-HBc IgG (total) </li></ul><ul><li>HBeAg - Anti-HBe </li></ul>
  15. 16. Evolução dos marcadores sorológicos durante a Hepatite B aguda Ministério da Saúde
  16. 17. Evolução dos marcadores sorológicos durante a Hepatite B crônica Ministério da Saúde
  17. 18. Evolução dos marcadores sorológicos durante a Hepatite C Ministério da Saúde
  18. 19. Questão 3 Cervejaria Foto: Poti Campos
  19. 20. Questão 3 <ul><li>Z.A. é uma mulher de 50 anos de idade, caucasiana, com histórico de Tireoidite de Hashimoto. Procura seu médico com queixa de fadiga extrema e dor leve na região abdominal. O exame físico revela leve hepatomegalia. O clínico solicita um hemograma. Ao retornar ao seu médico traz o resultado do hemograma que indica macrocitose, hematócrito 22%, hemoblobina 6,2 g/dL e presença de neutrófilos multilobulados. A suspeita do médico é de uma co-morbidade comum ao Hashimoto: anemia perniciosa. Entre os exames laboratoriais auxiliares no diagnóstico da anemia perniciosa destaca-se: </li></ul><ul><ul><li>A) Anticorpos anti-reticulina </li></ul></ul><ul><ul><li>B) Anticorpos anti-LKM </li></ul></ul><ul><ul><li>C) Anticorpos anti-músculo liso </li></ul></ul><ul><ul><li>D) Anticorpos anti-fator intrínseco </li></ul></ul>
  20. 21. Questão 3 <ul><li>Z.A. é uma mulher de 50 anos de idade, caucasiana, com histórico de Tireoidite de Hashimoto. Procura seu médico com queixa de fadiga extrema e dor leve na região abdominal. O exame físico revela leve hepatomegalia. O clínico solicita um hemograma. Ao retornar ao seu médico traz o resultado do hemograma que indica macrocitose, hematócrito 22%, hemoblobina 6,2 g/dL e presença de neutrófilos multilobulados. A suspeita do médico é de uma co-morbidade comum ao Hashimoto: anemia perniciosa. Entre os exames laboratoriais auxiliares no diagnóstico da anemia perniciosa destaca-se: </li></ul><ul><ul><li>A) Anticorpos anti-reticulina </li></ul></ul><ul><ul><li>B) Anticorpos anti-LKM </li></ul></ul><ul><ul><li>C) Anticorpos anti-músculo liso </li></ul></ul><ul><ul><li>D) Anticorpos antifator intrínseco </li></ul></ul>
  21. 22. Questão 3 Anticorpos anticélulas parietais gástricas (IFI) Anticorpos antifator intrínseco
  22. 23. Questão 4 Sometimes... Foto: Poti Campos
  23. 24. Questão 4 <ul><li>JMS, 37 anos, apresentava ciclos menstruais regulares, libido normal e negava galactorréia. A avaliação laboratorial rotineira revelou função tireoidiana normal, progesterona normal para a fase lútea, e surpreendeu com uma dosagem elevada de prolactina (130 ng/mL; VR: 4,8 a 23,3 ng/mL). Não havia relato do uso de drogas que pudessem justificar a hiperprolactinemia. A ressonância magnética de hipófise mostrou imagem sugestiva de macroadenoma hipofisário. Diante desses achados, o clínico solicitou ao laboratório que repetisse a dosagem de prolactina diluindo o soro a 1:100. O resultado encontrado foi de 27.000 ng/mL de prolactina. Qual a melhor explicação para os achados descritos acima?  </li></ul><ul><ul><li>A) Efeito gancho, teste tipo sanduíche (uma etapa) </li></ul></ul><ul><ul><li>B) Interferência de anticorpos heterófilos </li></ul></ul><ul><ul><li>C) Efeito gancho, teste tipo sanduíche (duas etapas) </li></ul></ul><ul><ul><li>D) Efeito de pró-zona   </li></ul></ul>
  24. 25. Questão 4 <ul><li>JMS, 37 anos, apresentava ciclos menstruais regulares, libido normal e negava galactorréia. A avaliação laboratorial rotineira revelou função tireoidiana normal, progesterona normal para a fase lútea, e surpreendeu com uma dosagem elevada de prolactina (130 ng/mL; VR: 4,8 a 23,3 ng/mL). Não havia relato do uso de drogas que pudessem justificar a hiperprolactinemia. A ressonância magnética de hipófise mostrou imagem sugestiva de macroadenoma hipofisário. Diante desses achados, o clínico solicitou ao laboratório que repetisse a dosagem de prolactina diluindo o soro a 1:100. O resultado encontrado foi de 27.000 ng/mL de prolactina. Qual a melhor explicação para os achados descritos acima?  </li></ul><ul><ul><li>A) Efeito gancho, teste tipo sanduíche (uma etapa) </li></ul></ul><ul><ul><li>B) Interferência de anticorpos heterófilos </li></ul></ul><ul><ul><li>C) Efeito gancho, teste tipo sanduíche (duas etapas) </li></ul></ul><ul><ul><li>D) Efeito de pró-zona   </li></ul></ul>
  25. 26. Efeito gancho <ul><li>Níveis falsamente baixos do antígeno pesquisado </li></ul><ul><li>Dois anticorpos formando “sanduíche” com o antígeno </li></ul><ul><li>Teste em uma etapa </li></ul><ul><li>Prolactina, GH, LH, FSH,  -hCG e TSH </li></ul><ul><li>Ferritina, HBsAg, IgE, PSA e CA 125 </li></ul><ul><li>Diluição do soro 1:100 </li></ul>
  26. 27. Adaptado de Arq Bras Endocrinol Metab 2000; 44:367-81 Representação esquemática de ensaio normal
  27. 28. Adaptado de Arq Bras Endocrinol Metab 2000; 44:367-81 Representação esquemática de efeito gancho
  28. 30. Questão 5 Ponte Foto: Poti Campos
  29. 31. Questão 5 <ul><li>Uma criança de 3 anos de idade com histórico de infecções recorrentes está internada com meningite. O médico suspeita de deficiência no sistema do complemento. Os exames laboratoriais demonstram: CH100 diminuído, C3 e C4 normais. O clínico contata o laboratório indicando discrepância nos resultados. </li></ul><ul><li>A partir de uma coleta adequada do material biológico para análise, pode-se afirmar que: </li></ul><ul><ul><li>A) Os resultados são coerentes visto que o CH100 avalia a via alternativa do sistema do complemento. </li></ul></ul><ul><ul><li>B) Os resultados são coerentes pois o complemento total é realizado pelo método de imunodifusão radial e as dosagens de C3 e C4 por nefelometria. </li></ul></ul><ul><ul><li>C) Os resultados são incoerentes pois, como o déficit demonstrado é na via alternativa do sistema do complemento, espera-se níveis de C3 também diminuídos. </li></ul></ul><ul><ul><li>D) Os resultados são coerentes. Os exames são compatíveis com defeito no complexo de ataque à membrana, rota comum às vias alternativa e clássica do sistema do complemento. </li></ul></ul>
  30. 32. Questão 5 <ul><li>Uma criança de 3 anos de idade com histórico de infecções recorrentes está internada com meningite. O médico suspeita de deficiência no sistema do complemento. Os exames laboratoriais demonstram: CH100 diminuído, C3 e C4 normais. O clínico contata o laboratório indicando discrepância nos resultados. </li></ul><ul><li>A partir de uma coleta adequada do material biológico para análise, pode-se afirmar que: </li></ul><ul><ul><li>A) Os resultados são coerentes visto que o CH100 avalia a via alternativa do sistema do complemento. </li></ul></ul><ul><ul><li>B) Os resultados são coerentes pois o complemento total é realizado pelo método de imunodifusão radial e as dosagens de C3 e C4 por nefelometria. </li></ul></ul><ul><ul><li>C) Os resultados são incoerentes pois, como o déficit demonstrado é na via alternativa do sistema do complemento, espera-se níveis de C3 também diminuídos. </li></ul></ul><ul><ul><li>D) Os resultados são coerentes. Os exames são compatíveis com defeito no complexo de ataque à membrana, rota comum às vias alternativa e clássica do sistema do complemento. </li></ul></ul>
  31. 33. Questão 5 <ul><li>D: Movies QuickTime Movies IV_9_2_ Complement_System . mov </li></ul>
  32. 34. Fundação Iberê Camargo Foto: Poti Campos Questão 6
  33. 35. Questão 6 <ul><li>K.O., mulher de 27 anos de idade, caucasiana, sem histórico de imunodeficiências primárias procura um gastroenterologista com queixa de náuseas e indisposição gástrica. O exame clínico e endoscópico mostrou candidíase oral. Nega comportamento de risco ao HIV. Os exames laboratoriais indicam: função renal e hepática normais, hemograma sem alterações, imunoglobulinas e complemento normais, pesquisa de autoanticorpos não reagente e pesquisa de anticorpos anti-HIV (ELISA) não reagente. </li></ul><ul><li>A paciente é encaminhada a um infectologista que repete a pesquisa de anticorpos anti-HIV (ELISA e WB): não reagentes; solicita contagem de células CD4+: 454 céls/  L (VR: 410 a 1590 céls/  L). Por insistência do farmacêutico responsável pelo laboratório, o clínico solicita a pesquisa do RNA viral (HIV-PCR), que apresenta resultado positivo. Qual a explicação mais provável para o caso acima? </li></ul>
  34. 36. Questão 6 <ul><ul><li>A) Comprometimento geral do SI </li></ul></ul><ul><ul><li>B) Período de janela imunológica para HIV </li></ul></ul><ul><ul><li>C) Anticorpos anti-HIV não detectados (complexados aos antígenos virais) </li></ul></ul><ul><ul><li>D) Efeito gancho para anticorpos </li></ul></ul>
  35. 37. Questão 6 <ul><ul><li>A) Comprometimento geral do SI </li></ul></ul><ul><ul><li>B) Período de janela imunológica para HIV </li></ul></ul><ul><ul><li>C) Anticorpos anti-HIV não detectados (complexados aos antígenos virais) </li></ul></ul><ul><ul><li>D) Efeito gancho para anticorpos </li></ul></ul>
  36. 38. História natural da infecção pelo HIV Adaptado de Ann Intern Med, v. 124, p. 654-663, 1996
  37. 39. Diagnóstico sorológico da infecção por HIV <ul><li>Portaria 59 – MS – 28/01/03 </li></ul><ul><li>Anexo II – Padronização dos procedimentos sequenciados para detecção de anticorpos anti-HIV em indivíduos com idade acima de 2 anos, em laboratórios públicos e privados </li></ul>
  38. 40. Diagnóstico sorológico da infecção por HIV <ul><li>Etapa I: Triagem sorológica </li></ul><ul><li>Etapa II: Confirmação sorológica </li></ul><ul><ul><li>Segundo imunoensaio + IFI/HIV-1 ou Imunoblot </li></ul></ul><ul><li>Etapa III: Confirmação sorológica </li></ul><ul><ul><li>Western Blot </li></ul></ul>
  39. 41. Diagnóstico sorológico da infecção por HIV <ul><li>Western Blot </li></ul><ul><ul><li>Reagente: p24, gp41, gp120/160 </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Repetir etapa I em nova coleta </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Não reagente / Indeterminado </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Investigação de soroconversão </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Nova coleta em 30 dias e repetição das etapas I e III </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Detecção de antígeno p24 ou RNA viral </li></ul></ul></ul></ul>
  40. 42. Questão 7 Ponte da Av. João Pessoa Foto: Poti Campos
  41. 43. Questão 7 <ul><li>Baseado no histórico e exame físico da paciente, o médico suspeita da forma limitada da esclerose sistêmica (síndrome CREST) ou doença mista do tecido conjuntivo. O resultado da pesquisa de anticorpos anticelulares em células HEp-2 apresentado ao lado auxiliaria na diferenciação dessas doenças? </li></ul>
  42. 44. Questão 7 <ul><li>A) Sim. Este padrão comumente está associado com escleroderma. </li></ul><ul><li>B) Sim. Este padrão comumente está associado com doença mista do tecido conjuntivo. </li></ul><ul><li>C) Não. Este padrão é comum à escleroderma e doença mista do tecido conjuntivo. </li></ul><ul><li>D) Não. Este padrão não se relaciona a nenhuma das duas doenças suspeitas diagnósticas neste caso. </li></ul>
  43. 45. Questão 7 <ul><li>A) Sim. Este padrão comumente está associado com escleroderma. </li></ul><ul><li>B) Sim. Este padrão comumente está associado com doença mista do tecido conjuntivo. </li></ul><ul><li>C) Não. Este padrão é comum à escleroderma e doença mista do tecido conjuntivo. </li></ul><ul><li>D) Não. Este padrão não se relaciona a nenhuma das duas doenças suspeitas diagnósticas neste caso. </li></ul>
  44. 46. Questão 7 Anticorpo anti-centrômero (proteínas A, B e C). Esclerose Sistêmica forma CREST (calcinose, fenômeno de Raynaud, disfunção motora do esôfago, esclerodactilia e telangiectasia). Cirrose Biliar Primária   II Consenso Brasileiro de FAN/HEp-2 Nuclear pontilhado centromérico   RELEVÂNCIA CLÍNICA POR AUTOANTICORPOS PADRÃO
  45. 47. Espelho Foto: Poti Campos Questão 8 Espelho Foto: Poti Campos
  46. 48. Questão 8 <ul><li>Uma amostra sérica foi testada em 3 substratos celulares (resultado ao lado). O resultado da pesquisa de anticorpos anticitoplasma de neutrófilos (ANCA) é positiva? </li></ul><ul><li>Qual(is) padrão(ões) deveria(m) ser descrito(s)? </li></ul>
  47. 49. Questão 8 <ul><ul><li>A) Sim, é um ANCA positivo. O padrão é C-ANCA. </li></ul></ul><ul><ul><li>B) Sim, é um ANCA positivo. O padrão poderia ser classificado como ANCA atípico </li></ul></ul><ul><ul><li>C) Não, é um ANCA negativo. A fluorescência é um artefato. </li></ul></ul><ul><ul><li>D) Não, é um ANCA negativo. A fluorescência nos neutrófilos é decorrente da presença de anticorpos anti-núcleo. </li></ul></ul>
  48. 50. Questão 8 <ul><ul><li>A) Sim, é um ANCA positivo. O padrão é C-ANCA. </li></ul></ul><ul><ul><li>B) Sim, é um ANCA positivo. O padrão poderia ser classificado como ANCA atípico </li></ul></ul><ul><ul><li>C) Não, é um ANCA negativo. A fluorescência é um artefato. </li></ul></ul><ul><ul><li>D) Não, é um ANCA negativo. A fluorescência nos neutrófilos é decorrente da presença de anticorpos anti-núcleo. </li></ul></ul>
  49. 51. Questão 8
  50. 52. [email_address] [email_address]

×