Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Principais mudanças no protocolo RCP 2010

90,731 views

Published on

Esta aula se refere as principais mudanças no protocolo de RCP de 2010 em relação a 2005. Basea-se nas diretrizes da AHA

Published in: Health & Medicine

Principais mudanças no protocolo RCP 2010

  1. 1. PRINCIPAIS MUDANÇAS NO PROTOCOLO DE RCP 2010 / 2005 <ul><li>Dr. Paulo Sérgio </li></ul><ul><li>Anestesiologista (Equipe de Cirurgia Cardíaca do HJM) </li></ul><ul><li>Plantonista da UTI Cardíaca HJM </li></ul>
  2. 2. PRINCIPAIS MUDANÇAS NO PROTOCOLO DE RCP 2010/2005 <ul><li>AVALIAÇÃO DAS EVIDÊNCIAS </li></ul><ul><li>ILCOR OUTUBRO 2010 </li></ul><ul><li>CIRCULATION – AHA </li></ul><ul><li>RESUSCITATION – ERC </li></ul><ul><li>356 ESPECIALISTAS – 29 PAISES </li></ul><ul><li>277 TÓPICOS – 411 REVISÕES </li></ul><ul><li>RECOMENDAÇÕES CONSIDERAVAM: EFICÁCIA, FACILIDADE DE APLICAÇÃO E DE ENSINO </li></ul>
  3. 3. PRINCIPAIS MUDANÇAS NO PROTOCOLO DE RCP 2010/2005 <ul><li>TODOS OS SOCORRISTAS </li></ul><ul><li>ÊNFASE NA RCP DE ALTA QUALIDADE </li></ul><ul><li>Frequência mínima de compressões: 100/min </li></ul><ul><li>Profundidade mínima das compressões: </li></ul><ul><li>Adultos: 2 polegadas (5 cm) </li></ul><ul><li>Crianças: 2 polegadas (5 cm) </li></ul><ul><li>Bebês: 1,5 polegadas (4 cm) </li></ul><ul><li>Retorno total do tórax após cada compressão </li></ul><ul><li>Minimizar as interrupções das compressões </li></ul><ul><li>Evitar excesso de ventilação: 8 a 10/min </li></ul>
  4. 4. <ul><li>ALTERAÇÃO DA SEQUÊNCIA: </li></ul><ul><li>A – B – C C – A – B </li></ul><ul><li>Maioria das PCR é em FV ou TV elementos principais da RCP são a MCE e Desfibrilação precoce </li></ul><ul><li>Começar com compressões torácicas pode encorajar mais os socorristas </li></ul><ul><li>Adequar as ações de resgate a causa da PCR. Ex: asfixia (afogamento) </li></ul>
  5. 5. Cadeia da sobrevida
  6. 6. SBV PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE <ul><li>PRINCIPAIS PONTOS DE DISCUSSÃO E ALTERAÇÕES </li></ul><ul><li>IDENTIFICAÇÃO DE GASP </li></ul><ul><li>O ATENDENTE/OPERADOR DEVE FORNECER INSTRUÇÕES PARA RCP COM AS MÃOS (MCE) </li></ul><ul><li>PRESSÃO CRICÓIDE – NR (Pode ocorrer aspiração mesmo com esta manobra/ Retarda Via Aérea Definitiva) </li></ul><ul><li>ÊNFASE NAS COMPRESSÕES TORÁCICAS (Centro do peito/ FORTE E RÁPIDO ) </li></ul><ul><li>ACIONAMENTO DO SERVIÇO DE URGÊNCIA/ EMERGÊNCIA – Não retardar o acionamento/ Vítima irresponsiva e não respira ou anormal/ 10s verificação de pulso e iniciar RCP </li></ul>
  7. 7. <ul><li>ALTERAÇÃO NA SEQUÊNCIA: A-B-C >>> C-A-B </li></ul><ul><li>ELIMINAÇÃO DO PROCEDIMENTO “Ver, Sentir e Ouvir” </li></ul><ul><li>- Vítima sem sinais de vida = C – A – B </li></ul><ul><li>FREQUÊNCIA DE COMPRESSÃO TORÁCICA: MÍNIMO DE 100/MIN </li></ul><ul><li>PROFUNDIDADE DAS COMPRESSÕES </li></ul><ul><li>RESSUSCITAÇÃO EM EQUIPE </li></ul>
  8. 8. COMPARAÇÃO DOS PRINCIPAIS ELEMENTOS DA RCP EM ADULTOS CRIANÇAS E BEBÊS
  9. 9. TERAPIAS ELÉTRICAS <ul><li>DEAs </li></ul><ul><li>Programas comunitários de DEAs para leigos </li></ul><ul><li>Uso de DEAs em hospitais </li></ul><ul><li>Uso de DEAs em crianças, incluindo bebês </li></ul><ul><li>PRIMEIRO CHOQUE OU RCP ??? </li></ul><ul><li>- 1º RCP (fornecer oxigênio para o Coração) </li></ul><ul><li>1 CHOQUE OU 3 CHOQUES??? </li></ul><ul><li>- 1 choque – RCP – 1 choque </li></ul><ul><li>FORMAS DE ONDA E NÍVEIS DE ENERGIA </li></ul><ul><li> - Monofásico = 360 J / Bifásico = 120 a 200 J </li></ul><ul><li>Desfibrilação pediátrica = 2 a 4J/Kg (Máximo de 10J/Kg) </li></ul><ul><li>Energia fixa e intensificada – Sem consenso </li></ul>
  10. 10. <ul><li>COLOCAÇÃO DOS ELETRODOS </li></ul><ul><li>Desfibrilação com CDI e marcapassos – Não retardar a desfibrilação, porém evitar colocar sobre o dispositivo </li></ul><ul><li>CARDIOVERSÃO SINCRONIZADA </li></ul><ul><li>FA (Bifásico = 120 a 200J / Monifásico = 200J) Flutter (Monofásico = Bifásico = 50 a 80J) </li></ul><ul><li>TV (Se o paciente estável/ Monofásico = Bifásico = 100J) </li></ul><ul><li> - NÃO DEVE SER USADA PARA FV OU TV SEM PULSO OU POLIMÓRFICA </li></ul>
  11. 11. SAVC <ul><li>RECOMENDAÇÃO DE CAPNOGRAFIA </li></ul><ul><li>ANTES DA INTUBAÇÃO INTUBADO </li></ul><ul><li>RCP RCE </li></ul><ul><li>RCE = Retorno da Circulação Espontânea </li></ul>
  12. 12. NOVO ALGORÍTMO SAV
  13. 13. <ul><li>MENOS ENFASE NOS DISPOSITIVOS, MEDICAMENTOS E OUTROS DESVIOS DA ATENÇÃO – Não interromper RCP e não retardar os choques </li></ul><ul><li>NOVO PROTOCOLO DE MEDICAÇÕES </li></ul><ul><li>Atropina – Não é recomendada de rotina na AESP/ assistolia </li></ul><ul><li>Adenosina – (2005 TSVCE Regular/ 2010 Taquicardia Complexo Largo Monomorfico Regular) </li></ul><ul><li>Medicações cronotrópicas – Bradicardia sintomática e estável não responsiva a atropina (alternativa a estimulação transcutânea) </li></ul><ul><li>CUIDADOS ORGANIZADOS PÓS-PCR </li></ul><ul><li>Hipotermia – 12 a 24h (32 a 34 G) </li></ul><ul><li>Diminuição da FiO2 com base na SpO2: Menor FiO2 para SpO2> 94% </li></ul>
  14. 14. <ul><li>SITUAÇÕES ESPECIAIS DE RCP (15 situações) </li></ul><ul><li>- Pós-cirurgia cardíaca </li></ul><ul><li>QUESTÕES ÉTICAS </li></ul><ul><li>Encerramento da RCP extra-hospitalar: </li></ul><ul><li>- Suporte Básico de Vida: </li></ul><ul><li>PCR não presenciada pelo profissional do Serviço Médico de Emergência ou primeiro socorrista </li></ul><ul><li>Ausência de RCE após três ciclos completos de RCP e análises do DEA/DAE </li></ul><ul><li>Nenhum choque aplicado com o DEA/DAE </li></ul>
  15. 15. <ul><li>- Suporte Avançado de Vida: </li></ul><ul><li>PCR não presenciada (por qualquer pessoa) </li></ul><ul><li>RCP não administrada por nenhuma pessoa presente </li></ul><ul><li>Ausência de RCE após cuidados completos de SAV </li></ul><ul><li>em campo </li></ul><ul><li>Nenhum choque aplicado </li></ul><ul><li>JUSTIFICATIVA : EVITA 40 – 60% DAS REMOÇÕES DESNECESSÁRIAS </li></ul><ul><li>INDICADORES PROGNÓSTICOS NO PACIENTE ADULTO PÓS-PCR TRATADO COM HIPOTERMIA TERAPÊUTICA </li></ul>
  16. 16. FONTES PARA CONSULTA <ul><li>www.ilcor.org </li></ul><ul><li>www.americanheart.org </li></ul><ul><li>www.erc.edu </li></ul><ul><li>www.suportebasicodevida.com.br </li></ul>

×