Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Marketing Político e Eleitoral

4,243 views

Published on

Conteúdos sobre uma metodologia de Construção Eleitoral e Política para candidatos

Published in: Education

Marketing Político e Eleitoral

  1. 1. CAMPANHA ELEITORAL
  2. 2. Curso de Aprofundamento em Formação Política ALESC – Abril de 2009
  3. 3. ANÁLISE DO CENÁRIO (I): <ul><li>ENTENDIMENTO MELHOR DA CANDIDATURA </li></ul><ul><li>Corporação Base : </li></ul><ul><ul><li>OBJETIVOS </li></ul></ul><ul><ul><li>HISTÓRICO </li></ul></ul><ul><ul><li>PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS </li></ul></ul><ul><ul><li>CONTROLE ADMINISTRATIVO </li></ul></ul><ul><ul><li>VÍNCULOS POLÍTICO-INSTITUCIONAIS </li></ul></ul><ul><ul><li>ORIGEM DOS RECURSOS FINANCEIROS </li></ul></ul>
  4. 4. ANÁLISE DO CENÁRIO (II): <ul><li>PROCESSO ELEITORAL : </li></ul><ul><ul><li>MÉTODOS / SISTEMÁTICA / COMO OCORRE O PLEITO </li></ul></ul><ul><ul><li>REGULAMENTAÇÃO / HOMOLOGAÇÃO DAS CHAPAS </li></ul></ul><ul><ul><li>QUESITOS NECESSÁRIOS À CANDIDATURA </li></ul></ul><ul><ul><li>FORÇAS IDENTIFICÁVEIS DE COALIZÃO / ALIANÇA / COMPOSIÇÃO </li></ul></ul><ul><ul><li>ATUAL QUADRO SITUACIONAL </li></ul></ul>
  5. 5. ANÁLISE DO CENÁRIO (III): <ul><li>PLATAFORMAS POLÍTICAS EMERGENTES ( POR CHAPA CONCORRENTE ) </li></ul><ul><ul><li>IDENTIFICAÇÃO DE SUAS AÇÕES </li></ul></ul><ul><ul><li>ESTILO RETÓRICO </li></ul></ul><ul><ul><li>OBJETIVOS IDENTIFICÁVEIS </li></ul></ul><ul><ul><li>OBJETIVOS IMPLÍCITOS (NÃO PERCEPTÍVEIS AO ELEITOR) </li></ul></ul><ul><ul><li>PONTOS FORTES (FORMAS DE MINIMIZAR SEUS EFEITOS) </li></ul></ul><ul><ul><li>PONTOS FRACOS (FORMAS DE MAXIMIZAR SEU EFEITOS) </li></ul></ul><ul><ul><li>HISTÓRICO / FORMAÇÃO DOS MEMBROS </li></ul></ul>
  6. 6. ANÁLISE DO CENÁRIO (IV): <ul><li>ELEITORADO : IDENTIFICAÇÃO DE : </li></ul><ul><ul><li>LOCALIZAÇÃO / DISPERSÃO / CONCENTRAÇÃO GEOGRÁFICA </li></ul></ul><ul><ul><li>PERFIL SÓCIO-ECONÔMICO </li></ul></ul><ul><ul><li>SEGMENTAÇÃO IDEOLÓGICA </li></ul></ul><ul><ul><li>CARACTERÍSTICAS PSICO-FISIOLÓGICAS </li></ul></ul><ul><ul><li>SUSCEPTIBILIDADES </li></ul></ul><ul><ul><li>INTENÇÕES E EXPECTATIVAS </li></ul></ul><ul><ul><li>NECESSIDADES PESSOAIS (BIO, SÓCIO E PSICOLÓGICAS) </li></ul></ul><ul><ul><li>IMAGEM ATUAL DA INSTITUIÇÃO </li></ul></ul>
  7. 7. ANÁLISE DO CENÁRIO (V): <ul><li>CHAPA / CANDIDATO : IDENTIFICAÇÃO DE: </li></ul><ul><ul><li>NÍVEL DE ENVOLVIMENTO / COMPROMETIMENTO </li></ul></ul><ul><ul><li>FACILITADORES INTERNOS (MÁQUINA ADMINISTRATIVA) </li></ul></ul><ul><ul><li>FACILITADORES EXTERNOS (OUTROS ÓRGÃOS) </li></ul></ul><ul><ul><li>FACILITADORES GERAIS </li></ul></ul><ul><ul><li>DIFICULTADORES INTERNOS (MÁQUINA ADMINISTRATIVA) </li></ul></ul><ul><ul><li>DIFICULTADORES EXTERNOS (OUTROS ÓRGÃOS) </li></ul></ul><ul><ul><li>DIFICULTADORES GERAIS </li></ul></ul>
  8. 8. AÇÕES: <ul><li>MARKETING ESTRATÉGICO </li></ul><ul><li>CANDIDATO + CHAPA = (PRODUTO + SERVIÇO) x EXPECTATIVA </li></ul><ul><li>MERCADO = ELEITORADO (TAMANHO x DISPERSÃO / CONCENTRAÇÃO) </li></ul><ul><li>SEGMENTOS DE MERCADOS: CLASSES DO ELEITORADO </li></ul><ul><ul><li>GRUPO DEMOGRÁFICO </li></ul></ul><ul><ul><li>GRUPO GEOGRÁFICO </li></ul></ul>
  9. 9. ANÁLISE DO PROCESSO POLÍTICO (CONDIÇÕES) <ul><li>PLANEJAMENTO </li></ul><ul><li>IMPLEMENTAÇÃO PROGRAMAS QUE ATENDAM ÀS EXPECTATIVAS DO PÚBLICO-ALVO </li></ul><ul><li>CONTROLE </li></ul>
  10. 10. CONCEITOS A SEREM TRABALHADOS: <ul><li>CONCEITO DE PRODUTO/ SERVIÇO: </li></ul><ul><ul><li>ORIENTAÇÃO SOBRE A QUAL SE PRESSUPÕES QUE OS ELEITORES RESPONDERÃO FAVORAVELMENTE, COM UM ESFORÇO RELATIVO DE MARKETING, OBJETIVANDO A VITÓRIA NAS ELEIÇÕES. </li></ul></ul>
  11. 11. PREMISSAS PARA A VIABILIZAÇÃO (I): <ul><li>A CHAPA / ASSESSORIA DEVE CONCENTRAR ATENÇÃO NA TAREFA DE PRODUZIR UM BOM MIX DE PRODUTO / SERVIÇO </li></ul><ul><li>OS ELEITORES INTERESSAM-SE NUM BOM MIX PRODUTO / SERVIÇO E, SUPLEMENTARMENTE, ATENDER NECESSIDADES ESPECÍFICAS, IDENTIFICADAS OU LATENTES </li></ul>
  12. 12. PREMISSAS PARA A VIABILIZAÇÃO (II): <ul><li>OS ELEITORES CONHECEM AS CHAPAS CONCORRENTES </li></ul><ul><li>OS ELEITORES ESCOLHEM ENTRE AS CHAPAS EXISTENTES, AQUELA QUE APRESENTAR A MELHOR RELAÇÃO IMAGEM / PROPOSTA / HISTÓRICO / REALIZAÇÕES / POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO </li></ul>
  13. 13. CONCEITO DE ACEITAÇÃO DO CANDIDATO: <ul><li>ORIENTAÇÃO QUE PRESSUPÕE QUE OS ELEITORES NORMALMENTE NÃO VOTARÃO EM UM ÍNDICE SUFICIENTEMENTE CAPAZ DE GARANTIR A VITÓRIA, A NÃO SER QUE SEJAM ABORDADOS POR UM ESFORÇO SUBSTANCIAL DE COMUNICAÇÃO / PROMOÇÃO EFICAZ EM PERSUASÃO </li></ul>
  14. 14. PREMISSAS PARA A VIABILIZAÇÃO: <ul><li>CONSEGUIR VOTOS SUFICIENTES PARA A VITÓRIA </li></ul><ul><li>OS ELEITORES NORMALMENTE NÃO VOTARÃO O SUFICIENTE POR SI MESMOS, DE MODO A ASSEGURAR A VITÓRIA </li></ul><ul><li>OS ELEITORES PODEM SER INDUZIDOS A VOTAR EM NOSSO MIX DE PRODUTO / SERVIÇO ATRAVÉS DE VÁRIOS ESTRATAGEMAS DE ESTÍMULOS AO VOTO FAVORÁVEL </li></ul><ul><li>OS ELEITORES, PROVAVELMENTE VOTARÃO NA SITUAÇÃO E, MESMO QUE NÃO O FAÇAM, HÁ NOVOS ELEITORES A CONQUISTAR </li></ul>
  15. 15. CONCEITO DE MARKETING POLÍTICO: <ul><li>CONCEITUA-SE MARKETING POLÍTICO COMO UMA ORIENTAÇÃO DO COMANDO DA CAMPANHA, BASEADA NO ENTENDIMENTO DE QUE A TAREFA PRIMORDIAL DO COMITÊ É DETERMINAR AS NECESSIDADES, DESEJOS E VALORES DE UM ELEITORADO VISADO E, A PARTIR DISSO, ADAPTAR AS PROPOSTAS PARA PROMOVER AS SATISFAÇÕES E EXPECTATIVAS DE FORMA MAIS EFETIVA QUE SEUS CONCORRENTES </li></ul>
  16. 16. PREMISSAS PARA VIABILIZAÇÃO (I): <ul><li>A CHAPA CONCEBE SUAS PROPOSTAS E OBJETIVOS EM TERMOS DE SATISFAZER A UM CONJUNTO DE DESEJOS DEFINIDOS DE UM GRUPO / SEGMENTO EXPRESSIVO DE ELEITORES </li></ul><ul><li>O COMITÊ RECONHECE QUE A SATISFAÇÃO / ATENDIMENTO DE DESEJOS REQUER UM ATIVO PROGRAMA DE PESQUISA DE MARKETING PARA CONHECER ESSES DESEJOS. </li></ul>
  17. 17. PREMISSAS PARA VIABILIZAÇÃO (II): <ul><li>O COMITÊ RECONHECE QUE TODAS AS ATIVIDADES DE INFLUENCIAR ELEITORES DEVEM SER COLOCADAS SOB UM CONTROLE INTEGRADO DE MARKETING </li></ul><ul><li>A CHAPA ACREDITA QUE AO FAZER UM BOM TRABALHO EM SATISFAZER AOS ELEITORES, ELA GANHA SUA LEALDADE, VOTOS, PALAVRAS DE RECOMENDAÇÃO; FATORES CRUCIAIS AO ATINGIMENTO DA VITÓRIA. </li></ul>
  18. 18. SISTEMA CENTRAL DE MARKETING E INTELIGÊNCIA POLÍTICA (I): <ul><li>ESTRUTURAÇÃO: </li></ul><ul><ul><li>O SISTEMA CENTRAL DE MARKETING POLÍTICO DEVERÁ DESCREVER TODAS AS INSTITUIÇÕES-CHAVE QUE INTERAGEM PARA SUPRIR OS ELEITORES (DIRETOS, FORMADORES DE OPINIÃO, EMANADORES DE TENDÊNCIAS E INFLUÊNCIADORES), EM SEUS ANSEIOS E EXPECTATIVAS </li></ul></ul>
  19. 19. SISTEMA CENTRAL DE MARKETING E INTELIGÊNCIA POLÍTICA (II): <ul><li>ESTAS INSTITUIÇÕES-CHAVE SÃO: </li></ul><ul><ul><li>OS CANDIDATOS </li></ul></ul><ul><ul><li>OS ELEITORES TOTAIS </li></ul></ul><ul><ul><li>INTERMEDIÁRIOS (MÁQUINA ADMINISTRATIVA) </li></ul></ul><ul><ul><li>FORNECEDORES / ASSESSORES / CONSULTORES </li></ul></ul><ul><ul><li>CHAPAS / CANDIDATOS CONCORRENTES </li></ul></ul>
  20. 20. SISTEMA CENTRAL DE MARKETING E INTELIGÊNCIA POLÍTICA (III): <ul><li>OBSERVAÇÕES: </li></ul><ul><ul><li>O VENCEDOR SERÁ AQUELE QUE REALIZAR O GERENCIAMENTO DESTAS INTERAÇÕES, DE FORMA MAIS EFICAZ. </li></ul></ul><ul><ul><li>O SISTEMA CENTRAL DE MARKETING ESTÁ RODEADO DE PÚBLICOS, ISTO É, GRUPOS DETERMINADOS QUE POSSUEM INTERESSES , IMPACTOS REAIS OU POTENCIAIS SOBRE O PROCESSO ELEITORAL. EX: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>COMUNIDADE FINANCEIRA </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>IMPRENSA </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>LEGISLATIVO </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>GRUPOS DE INTERESSE </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>PÚBLICO EM GERAL </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>ELEITORES </li></ul></ul></ul>
  21. 21. SISTEMA CENTRAL DE MARKETING E INTELIGÊNCIA POLÍTICA (IV): <ul><li>À MEDIDA QUE A ORGANIZAÇÃO (SISTEMA CENTRAL DE MARKETING / INTELIGÊNCIA POLÍTICA / CHAPA / CANDIDATOS / COMITÊ) ATRAI OS RECURSOS DESSES PÚBLICOS, PELO OFERECIMENTO DE BENEFÍCIOS DETERMINADOS, É QUE O MARKETING POLÍTICO ATUA, VISANDO ESSES PÚBLICOS. </li></ul>
  22. 22. SISTEMA CENTRAL DE MARKETING E INTELIGÊNCIA POLÍTICA (V): <ul><li>MACRO-AMBIENTE: FORÇAS ATUANDO SOBRE AS INSTITUIÇÕES-CHAVE ( DO SISTEMA CENTRAL DE MARKETING) E SOBRE OS PÚBLICOS DE INTERESSE; SÃO ELAS: </li></ul><ul><ul><li>DEMOGRAFIA </li></ul></ul><ul><ul><li>ECONOMIA </li></ul></ul><ul><ul><li>LEGISLAÇÃO </li></ul></ul><ul><ul><li>POLÍTICA </li></ul></ul><ul><ul><li>TECNOLOGIA </li></ul></ul><ul><ul><li>CULTURA </li></ul></ul>
  23. 23. SISTEMA CENTRAL DE MARKETING E INTELIGÊNCIA POLÍTICA (VI): <ul><li>TAIS FORÇAS SÃO FATORES INCONTROLÁVEIS, EM MUTAÇÃO CONSTANTE E VELOCIDADE CRESCENTE, COMPROMETENDO SIGNIFICATIVAMENTE A CAPACIDADE DE ADAPTAÇÃO DAS FORÇAS POLÍTICAS CONSTITUÍDAS </li></ul><ul><li>A CHAPA PASSIVA ESTÁ CONDENADA </li></ul><ul><li>A CHAPA ADAPTÁVEL PODERÁ SER ELEITA </li></ul><ul><li>A CHAPA INOVADORA DEVERÁ SER ELEITA </li></ul>
  24. 24. MARKETING ESTRATÉGICO (I): <ul><li>ANÁLISE DE OPORTUNIDADES </li></ul><ul><li>ESCOLHA DE OBJETIVOS </li></ul><ul><li>DESENVOLVIMENTO DE ESTRATÉGIAS </li></ul><ul><li>FORMULAÇÃO DE PLANOS </li></ul><ul><li>EXECUÇÃO / IMPLEMENTAÇÃO </li></ul><ul><li>CONTROLE </li></ul>
  25. 25. MARKETING ESTRATÉGICO (II): <ul><li>CONCEITO DE OPORTUNIDADE DE MARKETING POLÍTICO: </li></ul><ul><ul><li>DEVE-SE DISTINGUIR ENTRE OPORTUNIDADES: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>AMBIENTAIS </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>POLÍTICAS </li></ul></ul></ul><ul><li>A CHAVE DA OPORTUNIDADE DO MARKETING POLÍTICO REPOUSA SOBRE A QUESTÃO DE SE A CHAPA / COMITÊ PODE FAZER MAIS POR ESSA OPORTUNIDADE QUE SEUS CONCORRENTES, CRIANDO VANTAGENS E DIFERENCIAIS </li></ul>
  26. 26. MARKETING ESTRATÉGICO (III): <ul><li>ESCOLHA DE OBJETIVOS: </li></ul><ul><ul><li>DETERMINADOS DE MODO A SATISFAZER ALGUMA NECESSIDADE NO AMBIENTE EXTERNO. EX. IBM COMO FÁBRICA DE COMPUTADORES versus IBM COMO INSTITUIÇÃO QUE SATISFAZ A NECESSIDADE DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE NEGÓCIOS. </li></ul></ul>
  27. 27. MARKETING ESTRATÉGICO (IV): <ul><li>DESENVOLVIMENTO DE ESTRATÉGIA DE MARKETING POLÍTICO: </li></ul><ul><ul><li>SEGMENTAÇÃO </li></ul></ul><ul><ul><li>POSICIONAMENTO </li></ul></ul><ul><ul><li>PENETRAÇÃO </li></ul></ul><ul><ul><li>PERSUASÃO </li></ul></ul><ul><ul><li>ATAQUE FRONTAL </li></ul></ul><ul><ul><li>ATAQUE FLANQUEADO </li></ul></ul><ul><ul><li>GUERRILHA, ETC...... </li></ul></ul>
  28. 28. MARKETING ESTRATÉGICO (V): <ul><li>FORMULAÇÃO DE PLANOS </li></ul><ul><ul><li>METAS </li></ul></ul><ul><ul><li>ORÇAMENTO GLOBAL x RETORNO ESPERADO </li></ul></ul><ul><ul><li>ALOCAÇÃO DO COMPOSTO DE MARKETING POLÍTICO: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>PROPAGANDA (JORNAIS, FOLHETOS, ETC...) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>PROMOÇÃO (COMÍCIOS, FESTAS, INAUGURAÇÕES, ETC...) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>CORPO-A-CORPO (CLUBES, ASSOCIAÇÕES, LOCAIS DE TRABALHO, ETC...) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>EVENTOS ( PALESTRAS, SEMINÁRIOS, SIMPÓSIOS, ETC...) </li></ul></ul></ul>
  29. 29. MARKETING ESTRATÉGICO (VI): <ul><li>DETERMINAÇÃO DO NÍVEL DOS INVESTIMENTOS, EM FUNÇÃO DA ANÁLISE CUIDADOSA DO CENÁRIO DE OPERAÇÕES: </li></ul><ul><ul><li>DEMANDA (INTENÇÃO DE VOTO) </li></ul></ul><ul><ul><li>CUSTO (DA CAMPANHA) </li></ul></ul><ul><ul><li>CONCORRÊNCIA (AÇÕES DA OPOSIÇÃO) </li></ul></ul><ul><li>DEVE SER CONSIDERADA UMA MARGEM DE SEGURANÇA </li></ul>
  30. 30. MARKETING ESTRATÉGICO (VII): <ul><li>EXECUÇÃO / IMPLEMENTAÇÃO / CONTROLE: </li></ul><ul><ul><li>GUIA DE TRABALHO PARA AS REALIZAÇÕES </li></ul></ul><ul><ul><li>CONTROLE E ACOMPANHAMENTO DOS RESULTADOS </li></ul></ul><ul><ul><li>AFERIÇÃO / PERIODICIDADE (QUINZENAL / MENSAL) </li></ul></ul>
  31. 31. COMPORTAMENTO DO ELEITOR (I): <ul><li>ANÁLISE ATRAVÉS DOS SEGUINTES MODELOS: </li></ul><ul><ul><li>SOCIOLÓGICO </li></ul></ul><ul><ul><li>ECONÔMICO </li></ul></ul><ul><ul><li>PSICANALÍTICO </li></ul></ul><ul><ul><li>HIERARQUIA DAS NECESSIDADES </li></ul></ul><ul><li>OBSERVA-SE NO PROCESSO DE VOTO: </li></ul><ul><ul><li>IMPULSO </li></ul></ul><ul><ul><li>MOTIVO </li></ul></ul><ul><ul><li>ESTÍMULOS </li></ul></ul><ul><ul><li>SUGESTÃO </li></ul></ul>
  32. 32. COMPORTAMENTO DO ELEITOR (II): <ul><li>DECISÃO DO VOTO: </li></ul><ul><ul><li>INICIADOR </li></ul></ul><ul><ul><li>INFLUENCIADOR </li></ul></ul><ul><ul><li>DECISOR </li></ul></ul><ul><ul><li>VOTANTE </li></ul></ul><ul><ul><li>USUÁRIO DA INSTITUIÇÃO (FUSESC) </li></ul></ul>
  33. 33. COMPORTAMENTO DO ELEITOR (III): <ul><li>DESPERTAR DA NECESSIDADE DO VOTO </li></ul><ul><li>PROCURA DE INFORMAÇÕES </li></ul><ul><li>AVALIAÇÃO DAS INFORMAÇÕES </li></ul><ul><li>DECISÃO DO VOTO </li></ul><ul><li>SENTIMENTOS PÓS-VOTO </li></ul>
  34. 34. SEGMENTAÇÃO DO ELEITORADO (I): <ul><li>PREFERÊNCIAS: </li></ul><ul><ul><li>HOMOGÊNEAS </li></ul></ul><ul><ul><li>DIFUSAS </li></ul></ul><ul><ul><li>CONGLOMERADAS </li></ul></ul>
  35. 35. SEGMENTAÇÃO DO ELEITORADO (II): <ul><li>EXIGÊNCIAS PARA A SEGMENTAÇÃO EFICAZ: </li></ul><ul><ul><li>MENSURABILIDADE </li></ul></ul><ul><ul><li>ACESSIBILIDADE </li></ul></ul><ul><ul><li>SUBSTANCIALIDADE </li></ul></ul>
  36. 36. SEGMENTAÇÃO DO ELEITORADO (III): <ul><li>BENEFÍCIOS PRÁTICOS: </li></ul><ul><ul><li>MELHOR POSICIONAMENTO E COMPARAÇÃO DAS OPORTUNIDADES POLÍTICAS </li></ul></ul><ul><ul><li>MELHORES AJUSTES DO PRODUTO / SERVIÇO (CANDIDATO) AO MERCADO (ELEITORADO) </li></ul></ul><ul><ul><li>DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS E ORÇAMENTOS BASEADOS NUMA IDÉIA CLARA SOBRE O QUE SE TEM PELA FRENTE NA CAMPANHA </li></ul></ul>
  37. 37. SEGMENTAÇÃO DO ELEITORADO (IV): <ul><li>VARIÁVEIS DE SEGMENTAÇÃO: </li></ul><ul><ul><li>GEOGRÁFICA: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>REGIÃO </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>TAMANHO DO MUNICÍPIO </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>DENSIDADE </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>CLIMA </li></ul></ul></ul>
  38. 38. SEGMENTAÇÃO DO ELEITORADO (V): <ul><li>VARIÁVEIS DE SEGMENTAÇÃO: </li></ul><ul><ul><li>DEMOGRÁFICA (I): </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>IDADE </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>SEXO </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>TAMANHOS DA FAMÍLIA </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>CICLO DE VIDA DA FAMÍLIA </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>RENDA </li></ul></ul></ul>
  39. 39. SEGMENTAÇÃO DO ELEITORADO (VI): <ul><li>VARIÁVEIS DE SEGMENTAÇÃO: </li></ul><ul><ul><li>DEMOGRÁFICA (II): </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>PROFISSÃO </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>INSTRUÇÃO </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>RELIGIÃO </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>RAÇA </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>NACIONALIDADE </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>CLASSE SOCIAL </li></ul></ul></ul>
  40. 40. SEGMENTAÇÃO DO ELEITORADO (VII): <ul><li>VARIÁVEIS DE SEGMENTAÇÃO </li></ul><ul><ul><li>PSICOGRÁFICA: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>ESTILO DE VIDA </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>PERSONALIDADE </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>BENEFÍCIOS PROCURADOS </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>STATUS DE USUÁRIO </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>INTENSIDADE DE USO </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>STATUS DE LEALDADE </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>ESTÁGIO DE PROPENSÃO </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>SENSIBILIDADE AO FATOR DE MARKETING </li></ul></ul></ul>
  41. 41. CONCEITUAÇÃO DO “PRODUTO” CANDIDATO (I): <ul><li>UM PRODUTO É QUALQUER COISA QUE PODE SER OFERECIDA A UM MERCADO PARA AQUISIÇÃO, ADOÇÃO OU CONSUMO; INCLUI OBJETOS FÍSICOS, SERVIÇOS, PERSONALIDADES , LUGARES, ORGANIZAÇÕES E IDÉIAS . </li></ul>
  42. 42. CONCEITUAÇÃO DO “PRODUTO” CANDIDATO (II): <ul><li>1º CONCEITO DE PRODUTO / CANDIDATO: </li></ul><ul><ul><li>TANGÍVEL : OBJETO FÍSICO OFERECIDO AO MERCADO-ALVO, PODE POSSUIR ATÉ CINCO (5) CARACTERÍSTICAS: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>NÍVEL DE QUALIDADE </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>ASPECTOS </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>ESTILO </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>MARCA REGISTRADA </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>EMBALAGEM / APRESENTAÇÃO </li></ul></ul></ul>
  43. 43. CONCEITUAÇÃO DO “PRODUTO” CANDIDATO (III): <ul><li>2º CONCEITO DE PRODUTO / CANDIDATO </li></ul><ul><ul><li>GENÉRICO : UTILIDADE OU BENEFÍCIO ESSENCIAL QUE ESTÁ SENDO OFERECIDO OU PROCURADO PELO ELEITOR. NESTE CASO, O MARKETING POLÍTICO ESTARÁ VENDENDO BENEFÍCIOS E NÃO APARÊNCIAS. </li></ul></ul>
  44. 44. CONCEITUAÇÃO DO “PRODUTO” CANDIDATO (IV): <ul><li>3º CONCEITO DE PRODUTO / CANDIDATO </li></ul><ul><ul><li>AMPLIADO : É A TOTALIDADE DOS BENEFÍCIOS QUE A PESSOA RECEBE OU EXPERIMENTA NA OBTENÇÃO DE UM PRODUTO TANGÍVEL. </li></ul></ul>
  45. 45. MARCA REGISTRADA DE UM CANDIDATO (I): <ul><li>A NECESSIDADE DE SE TER UMA MARCA POLÍTICA, UMA ASSOCIAÇÃO SIMBOLÓGICA: </li></ul><ul><ul><li>NOME </li></ul></ul><ul><ul><li>TERMO </li></ul></ul><ul><ul><li>SINAL </li></ul></ul><ul><ul><li>DESENHO </li></ul></ul><ul><ul><li>SÍMBOLO </li></ul></ul><ul><ul><li>OU UMA COMBINAÇÃO DESTES </li></ul></ul>
  46. 46. MARCA REGISTRADA DE UM CANDIDATO (II): <ul><li>NO SENTIDO DE SE IDENTIFICAR E ASSOCIAR: </li></ul><ul><ul><li>BENS </li></ul></ul><ul><ul><li>SERVIÇOS </li></ul></ul><ul><ul><li>IDÉIAS </li></ul></ul><ul><ul><li>PROPOSTAS DE UM CANDIDATO OU UMA CHAPA </li></ul></ul><ul><li>DE FORMA A DIFERENCIÁ-LA DAS CHAPAS / CANDIDATURAS CONCORRENTES. </li></ul>
  47. 47. COMUNICAÇÃO / PROMOÇÃO (I): <ul><li>CONCEITO INTEGRADO DE COMUNICAÇÃO E AÇÕES POLÍTICAS </li></ul><ul><ul><li>O MARKETING POLÍTICO EXIGE MAIS QUE DESENVOLVER UM BOM CANDIDATO E TORNÁ-LO PALATÁVEL E ACESSÍVEL AO SEU ELEITORADO </li></ul></ul><ul><ul><li>A CHAPA / COLIGAÇÃO / CANDIDATO QUE DESEJAR OBTER MAIS VOTOS DE FORMA A VENCER O PLEITO, DEVE DESENVOLVER UM PROGRAMA EFICAZ DE COMUNICAÇÃO E PROMOÇÃO PESSOAL E DE IDÉIAS </li></ul></ul><ul><ul><li>TAL FATO É DECORRÊNCIA DA NATUREZA DOS ELEITORES E DAS CHAPAS CONCORRENTES, QUE OBRIGAM A ADOÇÃO DO PAPEL DE COMUNICADOR. </li></ul></ul>
  48. 48. COMUNICAÇÃO / PROMOÇÃO (II): <ul><li>A EFICIÊNCIA PASSA PELA INTEGRAÇÃO DA COMUNICAÇÃO, ONDE DEVE SER BUSCADO UM NAMORO COM OS ELEITORES, ESTABELECENDO UM RELACIONAMENTO EMOCIONALMENTE SATISFATÓRIO. </li></ul>
  49. 49. PROCESSO DE PERSUASÃO (I): <ul><li>A CANDIDATURA DEVERÁ BUSCAR UMA COMUNICAÇÃO PERSUASIVA E EFICAZ </li></ul><ul><li>ISTO OCORRE QUANDO A CHAPA DISPÕE DE EQUIPE APROPRIADA PARA TAL FIM. (EX. JORNALISTAS, PROFISSIONAIS DE MARKETING, COMUNICAÇÃO, IMPRENSA, MÍDIA, RELAÇÕES PÚBLICAS, MILITÂNCIA SUPERVISIONADA, ETC...) </li></ul>
  50. 50. PROCESSO DE PERSUASÃO (II): <ul><li>A COMUNICAÇÃO PERSUASIVA ACONTECE QUANDO UM EMITENTE CONSCIENTEMENTE DESENVOLVE SUA MENSAGEM NO SENTIDO DE CONSEGUIR UM EFEITO CALCULADO SOBRE: </li></ul><ul><ul><li>A ATITUDE </li></ul></ul><ul><ul><li>O POSICIONAMENTO IDEOLÓGICO DO PÚBLICO VISADO </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>ELEITORADO TOTAL E/OU SEGMENTOS DE ELEITORES, INFLUENCIADORES, ETC... </li></ul></ul></ul>
  51. 51. PROCESSO DE PERSUASÃO (III): <ul><li>MODELO RETÓRICO : 3 FUNÇÕES DE ARISTÓTELES </li></ul><ul><ul><li>O USO DO CARÁTER PARA TORNAR O DISCURSO DIGNO DE CRÉDITO </li></ul></ul><ul><ul><li>O ESTÍMULO DE UMA EMOÇÃO DESEJADA NO PÚBLICO </li></ul></ul><ul><ul><li>COMPROVAÇÃO DE PROVA APARENTE (QUALIDADE / ATRIBUTO / OBRAS / REALIZAÇÕES / CONQUISTAS / ETC...) </li></ul></ul>
  52. 52. PROCESSO DE PERSUASÃO (IV): <ul><li>MODELO DE PROPAGANDA (I): </li></ul><ul><ul><li>É O MODELO USADO QUANDO UMA INSTITUIÇÃO ( IGREJA, ESTADO, EMPRESA, POLÍTICOS, ETC...) ESTÁ TENTANDO OBTER APOIO POTENCIAL PARA SUA CAUSA. </li></ul></ul><ul><ul><li>O PROCESSO DE PERSUASÃO É EM TERMOS MUITO MAIS AMPLOS DO QUE SIMPLESMENTE O USO DE PALAVRAS </li></ul></ul>
  53. 53. PROCESSO DE PERSUASÃO (V): <ul><li>MODELO DE PROPAGANDA (II) </li></ul><ul><ul><li>O PROCESSO DE PROPAGANDA É MAIS ABRANGENTE E EFICAZ POIS CONSIDERA A INTERAÇÃO DOS SEGUINTES FATORES: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>PALAVRAS (RETÓRICA) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>SENTIMENTOS (AMBIENTE) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>EXPERIÊNCIA (EVENTOS) </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>OBJETIVA A CONQUISTA DE ADESÕES DE ELEITORES / INFLUENCIADORES </li></ul></ul>
  54. 54. PROCESSO DE PERSUASÃO (VI): <ul><li>MODELO DE NEGOCIAÇÃO: </li></ul><ul><ul><li>A PERSUASÃO É VISTA NO CONTEXTO DE UM NEGOCIADOR SE DEFRONTANDO COM OUTRO NEGOCIADOR, NORMALMENTE EM DEBATES PÚBLICOS, DIPLOMACIA INTERNACIONAL, PROCESSO LEGISLATIVO E NEGOCIAÇÕES COMERCIAIS. </li></ul></ul><ul><ul><li>O NEGOCIADOR POSSUI DOIS (2) INSTRUMENTOS: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>INDUZIMENTOS: MOTIVADORES POSITIVOS E CONCESSÕES QUE SÃO OFERECIDAS (EX: ELOGIOS, PROMESSAS, OUTRAS INICIATIVAS, ETC...) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>AMEAÇAS: MOTIVADORES NEGATIVOS (EX: BOICOTE, COMPROMETIMENTO, “BADALAÇÕES”, CHANTAGENS, ETC...) </li></ul></ul></ul>
  55. 55. PROCESSO DE PERSUASÃO (VII): <ul><li>MODELO DE COMUNICAÇÃO: </li></ul><ul><ul><li>É NECESSÁRIO CONSIDERAR: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>QUEM (COMUNICADOR) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>DIZ O QUE (MENSAGEM) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>EM QUE CANAL / VEÍCULO (MÍDIA) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>PARA QUEM (RECEPTOR) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>COM QUE EFEITO (FEED BACK) </li></ul></ul></ul>
  56. 56. PROCESSO DE PERSUASÃO (VIII): <ul><li>MODELO DE PROMOÇÃO (I): </li></ul><ul><ul><li>PROPAGANDA DE ESPAÇO </li></ul></ul><ul><ul><li>PROPAGANDA COM ALTO-FALANTES </li></ul></ul><ul><ul><li>MALA-DIRETA </li></ul></ul><ul><ul><li>DISCURSOS </li></ul></ul>
  57. 57. PROCESSO DE PERSUASÃO (VIII): <ul><li>MODELO DE PROMOÇÃO (II): </li></ul><ul><ul><li>APRESENTAÇÕES </li></ul></ul><ul><ul><li>DEMONSTRAÇÕES (INAUGURAÇÕES) </li></ul></ul><ul><ul><li>CONCURSOS </li></ul></ul><ul><ul><li>PRÊMIOS </li></ul></ul>
  58. 58. PROCESSO DE PERSUASÃO (IX): <ul><li>MODELO DE PROMOÇÃO (III): </li></ul><ul><ul><li>AMOSTRAS </li></ul></ul><ul><ul><li>LITERATURA TÉCNICA (PROGRAMA DE CAMPANHA) </li></ul></ul><ul><ul><li>FILMES </li></ul></ul><ul><ul><li>EXPOSIÇÕES / CONFERÊNCIAS </li></ul></ul>
  59. 59. PROCESSO DE PERSUASÃO (X): <ul><li>MODELO DE PROMOÇÃO (IV): </li></ul><ul><ul><li>“ EMBALAGEM” DO CANDIDATO </li></ul></ul><ul><ul><li>PUBLICIDADE DA CHAPA DO CANDIDATO </li></ul></ul><ul><ul><li>PROGRAMAS DE IDENTIFICAÇÃO DA CHAPA </li></ul></ul><ul><ul><li>ENDOSSOS / AVAL DE PESSOAS DE INFLUÊNCIA </li></ul></ul>
  60. 60. PROCESSO DE PERSUASÃO (XI): <ul><li>MODELO DE PUBLICIDADE (I): </li></ul><ul><ul><li>UMA CHAPA E SEUS CANDIDATOS, ATRAVÉS DA PUBLICIDADE, PODE CAPTAR A ATENÇÃO DO PÚBLICO EM GERAL, NO QUAL INSERE-SE O PÚBLICO-ALVO, PELO SIMPLES FATO DE SER VALIOSA EM TERMOS DE NOTÍCIAS. </li></ul></ul><ul><ul><li>NESTE CASO, A CHAPA / COLIGAÇÃO NÃO PAGA PELA PUBLICIDADE QUE RECEBEM </li></ul></ul><ul><ul><li>OS RESULTADOS COSTUMAM SER ESPETACULARES </li></ul></ul>
  61. 61. PROCESSO DE PERSUASÃO (XII): <ul><li>MODELO DE PUBLICIDADE (II): </li></ul><ul><ul><li>A PUBLICIDADE APRESENTA TRÊS QUALIDADES DISTINTAS: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>ALTO GRAU DE VERACIDADE : OS ARTIGOS DE JORNAIS E AS REPORTAGENS PARECEM AOS LEITORES E ELEITORES, RELATOS AUTÊNTICOS </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>ESTAR DESPREVENIDO : ATINGE OS ELEITORES QUE EVITAM AS PROPAGANDAS </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>DRAMATIZAÇÃO : A PUBLICIDADE TEM, COMO A PROPAGANDA, POTENCIAL PARA A DRAMATIZAÇÃO </li></ul></ul></ul>
  62. 62. FECHAMENTO: <ul><li>O MODELO DO COMPOSTO PROMOCIONAL DESCREVE AS CARACTERÍSTICAS RELATIVAS E AS PROPRIEDADES DAS QUATRO (4) FORMAS DE PROMOÇÃO: </li></ul><ul><ul><li>PROPAGANDA </li></ul></ul><ul><ul><li>VENDA CONCEITUAL DO CANDIDATO / CHAPA </li></ul></ul><ul><ul><li>PUBLICIDADE </li></ul></ul><ul><ul><li>PROMOÇÃO DO CANDIDATO / CHAPA / PROGRAMA </li></ul></ul>
  63. 63. CONCLUSÃO: <ul><li>A GRANDE ARTE ESTÁ EM MISTURAR TODOS ESSES INGREDIENTES / ELEMENTOS, NUM COMPOSTO IDEAL DE: </li></ul><ul><ul><li>PROMOÇÃO </li></ul></ul><ul><ul><li>COMUNICAÇÃO </li></ul></ul><ul><ul><li>CONCEITUAÇÃO </li></ul></ul><ul><ul><li>SEGMENTAÇÃO </li></ul></ul><ul><li>QUE MAXIMIZE AS CHANCES DE: </li></ul><ul><ul><li>DIFERENCIAÇÃO </li></ul></ul><ul><ul><li>CONQUISTA </li></ul></ul><ul><ul><li>ADOÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS IDEOLÓGICAS E POLÍTICAS </li></ul></ul><ul><li>DE MODO A COMPELIR DETERMINADAS FORÇAS, À </li></ul>
  64. 64. VITÓRIA NAS ELEIÇÕES
  65. 65. <ul><li>Paulo Sérgio de Moura Bastos </li></ul><ul><li>(55 48) 9119.5459 </li></ul><ul><li>[email_address] </li></ul>

×